P. 1
Modelo_de_Estatuto_para_Igreja

Modelo_de_Estatuto_para_Igreja

|Views: 340|Likes:

More info:

Published by: Ricardo Gomes Pitondo on Feb 22, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/04/2014

pdf

text

original

1

ESTATUTO DA IGREJA BATISTA ......................... CAPÍTULO I – DA DENOMINAÇÃO, FINS E SEDE : Art. 1º – Com o nome de IGREJA BATISTA ..........., é constituída uma organização religiosa, para fins não econômicos, por tempo indeterminado, sendo neste Estatuto denominada IGREJA, fundada ........................., e com número ilimitado de MEMBROS com sede e foro na cidade de .................. Paraná, à Rua ......................... Art. 2º - São elementos constitutivos da IGREJA: a) Seu nome; b) Sua origem; c) Seus fins e objetivos fundamentais; d) Seus princípios doutrinários; e) Seu patrimônio; f) Seu rol de membros; g) Sua representação; h) Sua administração; i) Seu logotipo. Art. 3º - A IGREJA tem por seus fins e objetivos fundamentais: a) Adorar a Deus; b) Amar o próximo; c) Proclamar o Evangelho do Senhor Jesus Cristo no território nacional e fora dele e levar os seres humanos a aceitar a Jesus Cristo como Senhor e Salvador, transmitindo-lhes os ensinamentos da Bíblia Sagrada; d) Batizar os novos convertidos; e) Praticar a Educação Cristã; f) Estudar a Bíblia Sagrada para doutrinamento e edificação espiritual dos MEMBROS; g) Cultivar a comunhão, o bom relacionamento e a fraternidade cristã; h) Promover e anunciar, por todos os meios ao seu alcance, o estabelecimento do Reino do Deus Eterno no mundo. Parágrafo único: A IGREJA poderá criar outras organizações regidas por estatutos próprios, que não poderão contrariar os termos deste Estatuto. Art. 4º - A IGREJA é soberana em suas decisões, não estando sujeita a qualquer outra Igreja, Instituição ou autoridade denominacional. Art. 5º - A IGREJA que possui como princípios doutrinários o ideal missionário, o trabalho dedicado, os princípios, os objetivos, os costumes, as práticas e as convicções doutrinárias da Denominação Batista Brasileira fundamentais e harmônicos entre si, declara que: a) Aceita a Bíblia Sagrada como única regra de fé e prática; b) Reconhece como fiel interpretação da Bíblia Sagrada a “Declaração Doutrinária da Convenção Batista Brasileira”; c) Exerce sua soberania e sua autonomia, vinculada à sua constituição, seus princípios, seus fins e objetivos em compromisso de cooperação com outras igrejas batistas da mesma fé e ordem, com a Convenção Batista Paranaense e Convenção Batista Brasileira. Parágrafo Único - A IGREJA, pelo disposto no artigo 5º e pelo compromisso de cooperação: a) Mantém-se arrolada e cooperante com a Convenção Batista Paranaense e com a Convenção Batista Brasileira; b) Reconhece e acata, para todos os efeitos da plena comunhão, o batismo bíblico procedido por igrejas batistas da mesma fé e ordem e a ordenação ou consagração de pastores e diáconos de iniciativa da própria IGREJA em acordo aos costumes de outras igrejas batistas da mesma fé e ordem; c) Em reciprocidade com as igrejas batistas da mesma fé e ordem, através da Convenção Batista Paranaense e da Convenção Batista Brasileira como salvaguarda, mantém e preserva a integridade doutrinária e patrimonial, na unidade da Denominação Batista Brasileira. CAPÍTULO II – DA ADMISSÃO, DEMISSÃO E EXCLUSÃO DOS MEMBROS Art. 6º - A IGREJA tem o seu rol de membros integrado por pessoas físicas que professam a sua fé em Jesus Cristo, como único Salvador e Senhor e, por aceitarem e submeterem-se voluntariamente às doutrinas bíblicas e à disciplina da IGREJA, são admitidos como MEMBROS: a) Por batismo bíblico mediante pública profissão de fé perante a IGREJA; b) Por Carta de Transferência de outra igreja batista da mesma fé e ordem; c) Por testemunho, mediante aclamação da IGREJA em Assembléia Geral; d) Por reconciliação. § 1º - Em todos os casos, a admissão se dará por unanimidade dos votos apurados em Assembléia Geral. § 2º - O voto contrário, que veta a admissão, será justificado perante a Diretoria da IGREJA que encaminhará parecer para deliberação final pela Assembléia Geral, sendo ainda observada, na votação do parecer, a unanimidade dos votos apurados para aprovação da admissão. § 3º - O pretendente deverá estar presente na Assembléia Geral que possa vir a efetivar sua admissão, salvo impedimento de força maior insuperável, a critério da Assembléia Geral. § 4º - São passíveis de exclusão pela Assembléia Geral, os MEMBROS que, de qualquer modo: a) Perturbarem o culto e outras práticas religiosas da IGREJA; b) Prejudicarem o bom nome da IGREJA; c) Contrariarem as doutrinas propagadas e defendidas pela IGREJA; d) Infringirem este Estatuto e as deliberações da IGREJA; e) Procederem na sua vida pública ou particular contrariando aos ensinos, princípios e moral do evangelho; § 5º - O MEMBRO excluído, desde que manifestamente arrependido das faltas cometidas causadoras de sua exclusão, poderá solicitar sua reconciliação, cabendo a Assembléia Geral, acatar a solicitação ou não. § 6º - A demissão ou desligamento do rol de membros da IGREJA ocorrerá pelos motivos a seguir: a) Concessão de Carta de Transferência para outra Igreja Batista da mesma fé e ordem; b) por solicitação do MEMBRO interessado; c) Abandono sem qualquer justificativa a partir do prazo julgado suficiente para caracterizar o abandono e desinteresse pela IGREJA e a obra que realiza, mediante parecer da Diretoria e aprovação na Assembléia Geral da IGREJA, d) Por falecimento. § 7º Casos especiais não constantes neste artigo serão decididos pela IGREJA em Assembléia Geral. CAPÍTULO III – OS DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS Art. 7º - São direitos dos MEMBROS da IGREJA: a)Participar das Assembléias Gerais com uso da palavra, votando e sendo votado obedecido o disposto na legislação vigente paras as funções de representatividade da IGREJA como pessoa jurídica; b)

9º . departamentos e comissões. será sempre exigido o voto concorde de 2/3(dois terços) dos presentes à Assembléia Geral especialmente convocada para esse fim.Eleger a Diretoria Administrativa da IGREJA. VII . bem como para alterar qualquer condição do Estatuto ou mesmo reforma parcial ou total. II . Em todos os casos de convocação deverá ocorrer com 07(sete) dias de antecedência mediante edital de convocação constando do mesmo a pauta dos assuntos. eclesiásticos e doutrinários. de evangelismo e beneficência. sempre que possível. Parágrafo Único: A Assembléia Geral reunir-se-á a cada mês ou a cada dois meses ou Extraordinária quando necessária. IV . IX . XIV . XI .Destituir os membros Diretoria Administrativa da IGREJA. bem como deliberar sobre a mudança do nome da IGREJA. 11º . ou com menos de 1/3 (um terço) nas convocações seguintes. 10º . o 1º Tesoureiro e o 2º Tesoureiro.A Assembléia Geral constituída pelos MEMBROS da IGREJA. MODO DE CONSTITUIÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ORGÃOS DELIBERATIVOS E Art. § 3º .O movimento financeiro da IGREJA será feito através de instituições bancárias ou de crédito existentes no território nacional. CAPÍTULO V – O ADMINISTRATIVOS. XIII . Ofertas e/ou Contribuições voluntárias e por rendas compatíveis com sua natureza. . não podendo ela deliberar.A Assembléia Geral será convocada: a) pelo Presidente da IGREJA. d) Desempenhar as funções e comissionamentos a eles atribuídos pela IGREJA. Diáconos ou outros Líderes de órgãos. constitui-se de: a) Dízimos. com exceção dos dispostos nos parágrafos 1º e 2º do artigo 6º. podendo ser o Presidente. III . b) Contribuir regular e livre e espontaneamente com seus dízimos. bem como o seu orçamento. quando necessário e dentro das possibilidades e normas da IGREJA. que envolvam aspectos administrativos. CAPÍTULO IV . veículos e bens móveis da IGREJA. Parágrafo único . g) Receber ajuda material.São deveres dos MEMBROS da IGREJA: a) Cultuar ao Deus Eterno. § 2º .Eleger ou exonerar o Pastor Titular da IGREJA. no todo ou em parte.Para as deliberações que se referirem a destituição da Diretoria Administrativa de forma individual ou coletiva. ofertas para o sustento do ministério do culto. departamentos e comissões para o exercício de ministérios específicos na IGREJA. § 1º .A Assembléia Geral será sempre realizada a sede da IGREJA.2 Assistir aos cultos regularmente. sem a maioria absoluta dos MEMBROS.Eleger ou exonerar Pastores Auxiliares. oneração. nos artigos 21º e 22º. § 2º. 12º .FONTES DE RECURSOS PARA SUA MANUTENÇÃO.Aprovar as Contas da IGREJA. 1/5 (um quinto) dos membros arrolados e suas deliberações serão válidas se aprovadas pela maioria absoluta de cinqüenta porcento mais um dos votos apurados. V . sendo que suas convocações sempre obedecerão as exigências do presente Estatuto. nem participam de qualquer direito sobre o patrimônio da IGREJA. nos programas e propósitos da IGREJA. VI . Art.Alterar o Estatuto. § 1º . f) Receber assistência espiritual dentro dos propósitos da IGREJA. 13º .Deliberar sobre a atuação. Art. c) Participar do programa ou propósito de crescimento espiritual promovido pela IGREJA. Art.As contas bancárias serão sempre movimentadas em conjunto de duas a quatro pessoas. o Primeiro ou Segundo Vices-Presidente. é o poder soberano da IGREJA nos termos deste Estatuto.A IGREJA tem existência distinta da de seus MEMBROS. e) e) Defender-se perante a Assembléia Geral de qualquer acusação que lhe seja feita.A receita da IGREJA.Deliberar sobre a aquisição. do programa de educação cristã. d) Integrar-se.Compete privativamente à Assembléia Geral: I .A Assembléia Geral se realizará com a presença de no mínimo.Aceitar doações ou legados.Tomar todas as decisões.Para tratar de assuntos que interessam à sua existência e à sua administração a IGREJA se reunirá em Assembléia Geral. 8º . escolhidas pela Assembléia Geral.Transferir a sede da IGREJA. Art.Deliberar sobre a dissolução e/ou cisão da IGREJA. XII . sustento do Pastor Titular e da atuação e sustento de seus Pastores Auxiliares. de missões. alienação ou venda de bens imóveis.Resolver e deliberar sobre os casos omissos neste Estatuto. caso em que o outro local será previamente designado quando da convocação da Assembléia. Parágrafo único: Os MEMBROS da IGREJA não respondem. Art. e) Participar das atividades gerais da IGREJA.Apreciar os relatórios periódicos da Diretoria Administrativa e de demais órgãos. em primeira convocação. outros Ministros. pelas obrigações sociais e jurídicas da IGREJA. no parágrafo 1º do artigo 24º e no artigo 27º e seus parágrafos. c) por 1/5 (um quinto) dos MEMBROS da IGREJA. X . nem mesmo subsidiariamente. f) Observar o presente estatuto e zelar pelo seu cumprimento. b) por 2/3(dois terços) da Diretoria Administrativa. salvo impossibilidade absoluta de utilização da sede. VIII . c) Manter sua disciplina cristã pessoal e acatar a disciplina da IGREJA.

22º . II . à Convenção Batista Brasileira.Receber e escriturar as contribuições financeiras destinadas à IGREJA.Participar das reuniões de qualquer ministério. 15º . suceder-se-ão na ordem do “caput” do presente artigo. observado o disposto no artigo 12º parágrafo segundo deste Estatuto. na qualidade de membro ex-ofício. contados desde sua última admissão até a data da eleição.Compete ao Primeiro Tesoureiro: I .Apresentar à Assembléia Geral relatório periódico e anual das atividades da IGREJA.Representar a IGREJA.A IGREJA somente poderá ser dissolvida. segundo o objetivo e os princípios constantes dos artigos 3º. para reforma parcial ou total do presente Estatuto da IGREJA.Abrir. II . Art. passando então.Os cargos da Diretoria Administrativa terão mandato de um ano preenchidos por eleição anual na forma deste Estatuto. 17º . 4º e 5º e seu parágrafo do presente Estatuto. judicial e extrajudicialmente. V . 23º . nos seus impedimentos e ausências.Nos impedimentos ou eventuais faltas. CAPÍTULO VI – DAS CONDIÇÕES PARA ALTERAÇÃO DESTE ESTATUTO E DISSOLUÇÃO DA IGREJA Art. c) Segundo Vice-Presidente.Abrir. as atas da Assembléia Geral.Compete aos Vice-Presidentes. no mínimo. como preceituado na Bíblia Sagrada.3 Art. obedecida a ordem de sucessão. 18º . f) Segundo Tesoureiro. movimentar e encerrar contas bancárias. Art. § 7º . Art. juntamente com a Diretoria Administrativa. na ordem de eleição. a qual os utilizará visando ao restabelecimento da atividade de igreja batista. § 5º . ou seu substituto legal. movimentar e encerrar contas bancárias. § 7º . § 1º .Tomar decisões.O Ministério Pastoral será exercido. ativa. ressalvado o direito de terceiros. remunerados pelo exercício de suas funções. III . 20º . judicial e extrajudicialmente em todos os aspectos. g) Segundo Secretário. passiva. ad-referendum da Assembléia Geral. § 2º . em caráter obrigatório.Convocar e presidir a Assembléia Geral.Qualquer membro da Diretoria Administrativa poderá ser destituído do cargo. com exceção da aplicação do artigo 24º e seus parágrafos. representará a IGREJA ativa.Os membros da Diretoria Administrativa não serão.A Assembléia Geral.Na hipótese de impedimento ou recusa irrevogável da Diretoria Administrativa ou de seus membros isoladamente e na ordem de sucessão de presidir uma Assembléia Geral devidamente convocada. juntamente com o Presidente. 14º . Art. 16º .Manter em ordem os arquivos.Compete ao Presidente: I . (Escolher um dos parágrafo 7º indicado) . b) Primeiro Vice-Presidente. pela unanimidade dos votos apurados de 50% (cinqüenta por cento) dos MEMBROS integrantes do rol de membros.O Presidente. será eleita uma Diretoria Administrativa composta de: a) Presidente.Elaborar e apresentar relatórios periódicos e anuais à Assembléia Geral. esta em caráter especial. b) Contar.Compete ao Segundo Secretário.Cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto. d) Primeiro Secretário. IV . substituir o Primeiro Secretário nos seus impedimentos e eventuais ausências.Poderá ser eleito para compor a Diretoria Administrativa os MEMBROS que: a) Maiores de dezoito anos de idade. vinte e quatro meses como membro da IGREJA. VIII . todo o patrimônio. em Assembléia Geral devidamente convocada na forma deste Estatuto. cadastros e o fichário do rol de membros da IGREJA.Para dirigir os trabalhos da Assembléia Geral e fazer executar suas deliberações. CAPÍTULO VII – DO MINISTÉRIO PASTORAL Art. VII . .Compete ao Segundo Tesoureiro. Art. de forma individual ou coletiva § 6º .Lavrar e assinaras atas da Assembléia Geral. II .Compete ao Primeiro Secretário: I . § 3º . sem prejuízo de outras responsabilidades que lhe forem atribuídas. § 4º . III . 21º . IV . 19º . juntamente com o Tesoureiro.Assinar com o Secretário. poderá eleger um Presidente para a ocasião. Art. e) Primeiro Tesoureiro. em hipótese alguma. inclusive o nome da IGREJA a pertencer à Convenção Batista Paranaense e na falta desta. observado o disposto no artigo 24º e seu parágrafo 4º deste Estatuto. na execução de seu trabalho e substituí-lo nos seus impedimentos e ausências. em qualquer tempo pela Assembléia Geral devidamente convocada na forma deste Estatuto. VI .Os membros da Diretoria Administrativa da Igreja. não poderão deixar de presidir uma Assembléia Geral devidamente convocada na forma do Estatuto. auxiliar o Primeiro Tesoureiro. órgão ou comissões da IGREJA.Fazer os pagamentos autorizados pela IGREJA. Art. nos casos comprovadamente excepcionais ou de extrema urgência. substituir o Presidente. obrigatoriamente observará o disposto no artigo 12º parágrafo segundo deste Estatuto.

§ 1º .O julgamento da fidelidade das partes à Declaração Doutrinária da Convenção Batista Brasileira será procedido por um concílio especial de. a critério da IGREJA. em Assembléia Geral. é o responsável pela orientação doutrinária e espiritual da IGREJA e a direção dos Cultos poderá receber sustento ou remuneração da IGREJA pelo exercício do pastorado. desde sua posse. após sete dias. no mínimo. em segunda convocação. tendo aceitado o convite e devidamente empossado. ainda. 1/3 (um terço) dos membros arrolados. constando motivação expressamente declarada: a) Com antecedência mínima de 07(sete) dias.A Assembléia Geral para eleição ou exoneração do PASTOR TITULAR da IGREJA observará a convocação publicada no edital da IGREJA. mediante solicitação assinada por qualquer número de membros. exercerá o pastorado com fidelidade doutrinária enquanto bem servir e a critério da IGREJA.O PASTOR TITULAR. ¾ (três quartos)dos membros da diretoria. mediante atuação conjunta e anuência por escrito da Convenção Batista Paranaense. b) Presença de. de acordo com sua constituição. seus fins e objetivos fundamentais e seus princípios doutrinários. § 4º . § 3º . podendo ou não ser sustentados ou remunerados. no mínimo. será aplicado exclusivamente na consecução de sua constituição. artigo 29º e o seus quatro parágrafos . com antecedência mínima de 07(sete) dias. observando e zelando por este estatuto em sua totalidade. enquanto bem servirem aos interesses da IGREJA. § 1º . numeração ou finalidade.O patrimônio da IGREJA. a oneração ou a imposição de qualquer outro gravame sobre o imóvel da sede da IGREJA. 27º . 5º e seu parágrafo único. por dízimos. ser de iniciativa da própria Diretoria da Convenção Batista Paranaense. bem como o presente artigo.O concílio será convocado pela Diretoria da Convenção Batista Paranaense e presidido pelo Presidente da mesma Convenção. d) Deliberação favorável por. em segunda convocação.O patrimônio da IGREJA. o qual. será acatado pelas partes. CAPÍTULO X – DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art.A alienação. que receber efetivamente sua carta de transferência. artigos 26º. deste Estatuto . eleitos em Assembléia Geral por tempo indeterminado. em cooperação na unidade da Denominação Batista Brasileira. artigo 30º e seus três parágrafos. 29º . § 2º . uma vez atendido o disposto no “caput” do presente artigo. 28º . poderá requerer à Diretoria da Convenção Batista Paranaense. a IGREJA. parágrafo único “c”. no mínimo. mesmo que em minoria. para exercer o pastorado. . § 5º . com o propósito de salvaguardar. c) Presença de. § 4º . b) Presença de. Vice-presidente e por um Tesoureiro. sendo a sua condição de membro referendada pela Assembléia Geral. 50% (cinqüenta por cento) dos membros arrolados em primeira convocação. c) Presença de. 4º. de caráter definitivo. 07 (sete) pastores da denominação batistas brasileira da mesma fé e ordem.De acordo com o artigo 5º. b) Bens móveis e imóveis. no mínimo. o nome da IGREJA e sua Administração. ou presença de. a convocação do concílio especial poderá. § 3º – Se vindo de outra igreja batista da mesma fé e ordem. reformados. princípios. que estará sempre vinculado nos termos dos artigos 2º. § 2º . manter e preservar a integridade doutrinária e patrimonial da IGREJA.4 Art. contratos ou outros documentos de aquisição. Art. elegerá um batista da mesma fé e ordem. observará: a) Convocação publicada no edital.No caso de cisão doutrinária do rol de membros. por contribuições voluntárias e por rendas. 3º. independentemente de solicitação por qualquer das partes. artigo 38º. no mínimo. 2º. doação ou legado. independentemente do número de membros. com base nos princípios da Bíblia Sagrada. cujo parecer.A Assembléia Geral para aquisição. d) Deliberação favorável por mínimo ¾ (três quartos) dos votos apurados. durante o tempo em que nela exercer o seu pastorado.Além do PASTOR TITULAR. somente poderão ser alterados. após o decurso de uma hora contados do horário da primeira convocação. 3º. constitui-se de: a) Receitas. veículos.Qualquer das partes.Todas as escrituras de compra e venda.O PASTOR TITULAR. conforme disposto no artigo 5º “b” deste Estatuto. diáconos na qualidade de auxiliares. constando motivação expressamente declarada. inclusive o uso do templo para as atividades espirituais e eclesiásticas ficarão de posse e domínio da parte que. permanecer fiel à Declaração Doutrinária da Convenção Batista Brasileira. nos termos do “caput” deste artigo. 26º . adquiridos por compra. líder e guia espiritual dentro das especificações do Novo Testamento. desde que haja recursos disponíveis. o PASTOR TITULAR será considerado membro da IGREJA desde a sua posse no pastorado. por ofertas.Os artigos 1º. § 2º . será o Presidente da IGREJA. CAPÍTULO IX – DAS DISPOSIÇÕES ESPECIAIS Art. § 1º . derrogados ou revogados em seu conteúdo. ¾ (três quartos) dos membros da diretoria e ¾ (três quartos) dos MEMBROS integrantes do rol de membros em primeira convocação. 24º . a IGREJA poderá ter outros pastores e ministros.Para ser o seu PASTOR TITULAR. ¾ (três quartos) dos MEMBROS presentes. 4º. artigo 22º. fins e objetivos na forma do presente Estatuto. permuta. a convocação do concílio especial. no mínimo ½ (um meio) dos MEMBROS. Art. 27º e seu parágrafo 1º. em efetivo exercício de pastorado. 25º . CAPÍTULO VIII – DO PATRIMÔNIO Art. dependerá de anuência por escrito da Convenção Batista Paranaense. todo o patrimônio. alienação ou oneração de bens imóveis. no mínimo. alienação ou oneração do patrimônio da IGREJA serão assinados conjuntamente pelo Presidente. e 5º e seu parágrafo único.

O concílio especial será convocado pela Diretoria da Convenção Batista Paranaense e presidido pelo presidente da mesma Convenção.. 31º .... Art.... 37º ...O exercício contábil coincidirá com o ano civil. 38º ..906 de 04/07/94. entra em vigor na data da sua aprovação.. é competente o foro da comarca de Curitiba – Paraná. apresentado por.. de no mínimo.. § 2º .. § 1º . Art.... Art.. 30º . ......Os MEMBROS não poderão alegar ou reivindicar direitos sobre o patrimônio da IGREJA... três igrejas batistas arroladas na Convenção Batista Paranaense. Art.. com a contrariedade à Declaração Doutrinária da Convenção Batista Brasileira. encerrada aos . em efetivo exercício do pastorado. 4º e 5º e seu parágrafo deste Estatuto.A convocação do concílio especial. presente documento esta sendo visado pelo .... manter e preservar a integridade doutrinária e patrimonial da IGREJA. 34º . Art. em que se comprove a oposição à origem e o desvirtuamento do objetivo e dos princípios fundamentais da IGREJA.... Art..Observadas as disposições legais..Todos os casos omissos neste Estatuto serão decididos em Assembléia Geral. § 3º .. no mínimo.....Não haverá solidariedade da IGREJA quanto às obrigações contraídas por outras Igrejas ou instituições denominacionais...: Nos termos do artigo 1º. Art. com o propósito de salvaguardar... 36º .702....O julgamento do desvio doutrinário será procedido por um concílio especial. dias do mês de .No caso de desvio doutrinário de todos os membros. e CPF n. Revogam-se as disposições em contrário.Disposições Especiais deste Estatuto.. fianças e não prestará ou assumirá quaisquer tipos de garantias e/ou obrigações estranhas às suas finalidades......901/0001-97 _____________________________________________ Presidente Nome: CPF: Obs. a qual os utilizará visando ao restabelecimento da atividade da IGREJA..º ..5 Art. cujo parecer terá caráter definitivo...A IGREJA não concederá avais.. para dirimir-se as dúvidas sobre o presente Estatuto.. 33º ... de dois mil e ... de acordo com sua constituição.. 32º . Art... a Convenção Batista Paranaense comparece expressando sua anuência com o seu conteúdo...A IGREJA não responderá pelas obrigações assumidas por seus MEMBROS. se dará por requerimento formal à Diretoria da Convenção Batista Paranaense. _______________________________ Presidente _________________________________ Primeiro Secretário ANUÊNCIA DA CONVENÇÃO BATISTA PARANAENSE CNPJ 76. e o descumprimento do disposto nos artigos 3º.. na conformidade deste Estatuto. registrado na OABPR sob n......Em decorrência do disposto no artigo 28º do Capítulo IX ... 39º .Este Estatuto aprovado pela Assembléia Geral da IGREJA.. & lei 8.º . 35º .... seus fins e objetivos fundamentais e seus princípios doutrinários em cooperação na unidade da Denominação Batista Brasileira.. o patrimônio e o nome da IGREJA ficarão de posse da Convenção Batista Paranaense... 07(sete) pastores da denominação batista brasileira da mesma fé e ordem..... iniciada aos . Art.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->