P. 1
A CIÊNCIA DO DIREITO

A CIÊNCIA DO DIREITO

|Views: 689|Likes:

More info:

Categories:Types, Business/Law
Published by: Luciano Santos Moreira on Feb 22, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as TXT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/09/2013

pdf

text

original

A CIÊNCIA DO DIREITO Autor: Jonatas Lucena A CIÊNCIA DO DIREITO CIÊNCIA A ciência segundo Aristóteles, tinha por obejto os princípios

e as causas. Santo Tomás d e aquino, por sua vez, a definiu como 'assimilação da mente dirigida ao conhecimento da coisa'. Ciência, do latim scire, etimologicamente quer dizer: conhecimento, sa ber. Aristóteles já a definia: 'é o conhecimento das coisas por sua causas'. Hoje pode mos dizer que a ciência é forma particular de conhecimentos, frutos do raciocínio e da observação aperfeiçoada, da razão e da experiência. A ciência tem como finalidade a busca do conhecimento. Mas, cabe dizer, que quando a ciência alude acerca do conhecimento, não é qualquer conhecimento, mas apenas o cie ntifico. Comumente, ouvimas dizer acerca da existência de duas escolas: a 'escola da vida' e a vida' e a 'escola acadêmica'. Pois bem, a escola da vida nos ensina o conhecim eto científico e filosófico.

Ao longo da nossa exitência acumulamos uma série de conhecimento, sendo que esta for ma de conhecimentos é via de regra vago, incerto, espontâneo, ou seja, sem nenhuma s istematização. A partir do momento que o conhecimento vulgar é sistematizado surge o c onhecimento científico. O Prof.º Luiz Antonio Rizzato Nunes, nos ensina que 'O conhe cimento cinetífico é uma espécie de otimização desse conhecimento do homem. O cientista é u ser preocupado com a veracidade e a comprovação de seu conhecimento, o que faz com que construa uma série de enunciados e regras rigorosas, que permitem a descoberta e a prova desse conhecimento. Enquanto o senso comum é difuso, deso ncretas. As c iências abstratas abrangem: 1- Matemática; 2- Astronomia; 3- Física; 4- Química; 5- Biol ogia; 6- Sociologia. A matemática é a menos complexa, porque se ocupa apenas com as relações de quantidade, e a mais geral, pois pode ser aplicada a todas as espécies de fenômenos. A sociologia é a mais complexa, e ao mesmo tempo a menos geral, porque só se aplica à vida social. Como justificativa do critério utilizado. As ciências abstratas são as que estudam as leis gerais que regem os fenômenos da natu reza em todas suas combinações. As concretas, são as que estudam os seres reais, ou se ja, as referidas combinações que a natureza cria na realidade. Na classificação proposta por Comte, a ciência do Direito é uma ciência concreta oriunda d a sociologia. A Sociologia, também denominada por Comte, como Física Social, seria a Ciência Social Geral, da qual seriam partes, a Ciências do Direito, a Ciência Política, a Pedagogia, a Economia, etc. Já AMPERE ? WILHELM DILTHEY, dividiu as ciências em duas partes, utilizando como cri tério a dicotomia: 1- Ciências Cosmológicas, relativas ao mundo, ou Não-eu; 2- Ciências No ológicas, relativas ao espírito. As ciências do espírito, humanas, culturais, cosmológicas, têm por objeto o mundo físico-n atural, sendo o método de estudo a explicação. As ciências do espírito, humanas, culturais , ou noológicas, têm por objeto o mundo do pensamento ou das ações humanas, ou seja, é o m undo da cultura. Cultura é a natureza transformada pelo homem. As ciências do espírito subjetivo, pó psicológicas, se ocupam do espírito humano no próprio sujeito. As ciências do espírito objetivo, se ocupam do espírito humano nos objetos ou produtos culturais propriamente ditas, na medida em que descrevem as ações humanas: históricas, morais, sociais, inclusive o direito.

ARISTÓTELES dividiu as ciências segundo a atividade humana. Sob o ponto de vista, as ciências dividem ?se em: 1- Especulativas ou Teóricas; 2- Práticas; 3- Produtivas ou Poéticas. As ciências especulativas têm como finalidade o conhecimento puro, sem preoc upação prática, sendo caracterizadas pelo pensar. As ciências praticas têm como finalidade as ações humanas, traçando regras para o agir corretamente, sendo caracterizadas pelo agir. As ciências produtivas têm como finalidade os meios necessários para realização de obras exteriores, seu fim último é a produção de coisas úteis e belas, caracterizando-se p elo fazer. Conforme vislumbramos a classificação de Aristóteles baseia-se nos três modos da ativida de humana: 'saber', 'agir' e 'fazer' .

SPENCER com intuito de refutar a classificação de Augusto Comte, através de novo critéri o classificou as ciências em: 1- Abstratas; 2- Abstrato ? Concretas; 3- Concretas. Nesta classificação, a ciência do Direito, elabora não mencionada expressamente, é uma ciê cia concreta, sendo parte da sociologia.

KARL PEARSON, classificou as ciências em três grupos: 1- Ciências Abstratas; 2- Ciências concretas Física; 3- Ciências Concretas Biológicas. Nesta classificação, a ciência do Dire to não foi mencionada, podendo ser classificada com Ciência Concreta Biológica, como p arte da sociologia. HERMANN ULRICH KANTOROWICZ, classificou as ciências agrupando as em três ramos; 1- C iências da Realidade; 2- Ciências do Sentido Objetivo; 3- Ciências dos valores. Nesta classificação, a ciência do Direito é classificada como espécie das ciências dos Valores. CARLOS COSSIO, classificou as ciências de acordo com o objeto, em três ramos: 1- Ciênc ias Formais; 2- Ciências Naturais; 3- Ciências Culturais. Nesta classificação, a ciência d o Direito é uma ciência Cultural.

WILHELM WINDELBAND, classificou as ciências dividindo-as em dois grupos: 1- Nomotéti cas, ou de leis; 2- Ideográficas, ou de acontecimentos. As primeiras são as ciências g eneralizadoras, pesquisam o geral. As segundas são individualizadoras, pesquisam o especial e o singular. Nesta classificação, a ciência do Direito é uma ciência ideográfica na medida em que seu objeto é singular, ou seja, a norma jurídica. HANS KELSEN classificou as ciências em: 1- Explicativas; 2- Normativas. As ciências explicativas se ocupam do 'ser', ao passo que as ciências normativas se ocupam do ser 'deve ser'. Nesta classificação, a ciência do Direito é uma ciência normativa, vez que a norma jurídica é seu objeto de estudo. DIREITO NO QUADRO DAS CIÊNCIAS Conforme vimos, a ciência apresenta um tríplice perspectiva, teórica, moral e técnica. A ciência do direito pode ser considerada ou classificada nas três modalidades, tendo em vista o enfoque empregado para visualizar a realidade científico-jurídica. A teoria do Direito é uma realidade solar, sendo certo que, diuturnamente, estudam os a ciência do direito através das suas respectivas teorias. Qualquer capítulo da rea lidade jurídica é estudado teoricamente, como por exemplo, teoria dos contratos, Est ado, etc. Cabe anotar, a existência de três grandes orientações teóricas, que procuram responder qua l a espécie da ciência do direito: naturalismo, formalismo e culturalismo. Sob o prisma das ciências esticas ou morais, quem têm como fulcro a orientação do agir h umano, vislumbramos a existência de uma Moral do direito, cuja finalidade é ordenar a conduta social dos homens, com a preocupação fundamental da justiça.

No campo da Técnica do direito, que se preocupa com normas do fazer, verificamos a existência das normas técnicas, que nos ensinam como ela elaborar uma petição, recurso ou sentença. Outrossim, cabe anotar a existência da técnica legislativa, técnica da inte rpretação, técnica de aplicação do direito e técnica processual. Ainda se refere à arte ou ica do direito, verificamos os aspectos estéticos e artísticos, através do estilo da l ei, redação de trabalhos e textos legais, a eloqüência jurídica e as vezes talares. CIÊNCIAS AUXILIARES DO DIREITO Do ponto de vista puramente científico o direito apresenta três ciências afins, ou sej a, a filosofia do direito, a ciência dogmática do direito e a sociologia. O direito apresenta as seguintes ciências afins: Filosofia do Direito Ciência do Direito Teoria Geral do Direito Sociologia Economia Segundo a Prof.ª Maria Helena Diniz, a ciência jurídica e a ciências afins podem ser cla ssificadas como: Ciência Jurídica como Ciência Social Ciência do Direito Teoria Geral do Direito Lógica Jurídica Cibernética Jurídica Ciência comparada do Direito Psicologia do Direito Sociologia Jurídica Seguindo a pesquisa, pela doutrina de Maria Helena Diniz, podemos dizer, que a e xpressão ciência do direito, vem sendo empregada em sentido amplo e em sentido estri to. Em sentido amplo o termo ciência do direito indica qualquer estudo metódico, sistemáti co, é fundamentado dirigido ao direito, abrangendo nesta acepção as disciplinas jurídica s, tidas como ciência do direito, como a sociologia jurídica, a história do direito, e tc.

Em sentido estrito, o vocábulo abrange a ciência do direito, propriamente dita, ou c iência dogmática do direito. É preciso não olvidar que não há um conceito unitário de ciênc direito, por depender sua conceituação de diferentes pressupostos filosóficos adotado s pelo jurista. Tantas são as direções da rosa-dos-ventos quantas forem as perspectiva s jusfilosóficas de que pode lançar mão o jurista. A ciência do direito durante muito tempo teve o nome de jurisprudência, que era a de signação que lhe foi dada pelos romanos. Deveras, para os jurisconsultos romanos a d isciplina com que estudavam o direito era jurisprudência, definida como, 'divinaru m et humanarum remum notitia, justi, justi atque injusti scientia'. A jurisprudência, para os romanos, abrangia, como se infere dessa definição, um vasto campo do saber, por se ater não só aos problemas da justiça mas também às coisas divinas e humana. Atualmente, como vimos, a ciência do direito contém um campo de abrangência bem menor, mas isso não impede que nos tempos atuais ainda seja denominada jurisprudência, poi s pensamos como Miguel não impede que nos tempos atuais ainda seja denominada juri sprudência, pois pensamos como Miguel Reale, que se deve manter essa designação, tão den

sa de significado, que põe em realce uma das virtudes primordiais que deve ter o j urista: a prudência, o cauteloso senso de medida das coisas humanas.

É nessa acepção estrita que a expressão ciência do direito é também empregada como sinônimo ogmática jurídica, ou seja, no sentido de ciência positiva do direito positivo, como p retende Miguel Reale. Para ele, dogmática jurídica 'corresponde ao momento culminant e em que o jurista se eleva ao plano dos princípios e conceitos gerais indispensávei s, à r da realidade. Fundamentalmente, o objeto material do direito é o homem vivendo em sociedade. É a a tividade social do homem, ou, como diz Cóssio, é a 'conduta humana em interferência in tersubjetiva'. Não podemos sequer pensar os predicados de 'justo' ou 'injusto', 'd ireito' ou 'crime', senão aplicando-os a uma atividade humana, lembra Del Vecchio. O direito se refere sempre as ações humanas. Mas o direito se ocupa dessa meteria sob um aspecto especial: o da justiça. Import a fundamentalmente, ao direito quem nas relações sociais, uma ordem seja observada: que seja assegurada a cada um aquilo que lhe é devido, isto é, que a justiça seja feit a. Podemos dizer que o objeto formal do direito é a justiça. O direito reúne, assim, as duas características de uma ciência normativa ética: a) tem por objeto material a 'atividade humana' (social); b) por objeto formal o 'bem', em um de seus aspectos fundamentais, que é a justiça é o 'bem em relação a outrem', definiu Platão. A HISTÓRIA DO DIREITO A JURISPRUDÊNCIA ROMANA:

Na antiguidade Clássica, o direito era um fenômeno de ordem sagrada. Em Roma, foi um a ocorrência imanente a sua fundação, ato considerado miticamente como decisivo e marc ante na configuração de sua cultura, por tornar-se uma espécie de projeto a ser aument ado e engrandecido no tempo e no espaço. Foi esta idéia, transmitida de geração em geração, por meio da tradição, que delineou sua expansão na forma de um império, único em suas cara cterísticas em toda a Antiguidade. Assim, o direito, forma cultura sagrada, era o exercício de uma atividade ética, a prudência, virtude moral do equilíbrio e da ponderação os atos de julgar. A jurisprudência romana se desenvolveu numa ordem jurídica que na prática, correspondi a apenas a um quadro regulativo geral. A legislação restringia-se, por seu lado, tan to na época da República, quanto na do Direito Pretoriano não era algo completo, uma v ez que de modo semelhante à eqüidade no Direito Anglo-Saxão, representava apenas uma f orma supletiva da ordem jurídica vigente: era criado 'adjuvandi vel suplendi vel c orrigendi juris civilis grattia' (para ajudar ou suprir ou corrigir o Direito Ci vil). A influência deste jurisconsultores manifestou-se então sob a forma dos responsa, qu e, mais tarde, apareciam em uma forma escrita, em termos de uma informação sobre det erminadas questões jurídicas levadas aos juristas por uma das partes, apresentada no caso de um conflito diante do tribunal. Os responsa são, por assim dizer, o início de uma teoria jurídica entre os romanos. A princípio, eles argumentavam pouco, no se ntido de um desenvolvimento concatenado e lógico de premissas e conclusões, limitand o-se a apoiar suas decisões pelo fato de serem afirmados por personalidades de rec onhecido mérito na sociedade romana. A palavra jurisprudência, uma das expressões usadas pelos romanos, ao lado de discip lina, scientia, ars, notitia, para designar o saber jurídico - liga-se, neste sent

ido, àquilo que a filosofia grega chamava de fronesis. Com efeito, a dialética, a arte das contradições, tinha por utilidade o exercício escola r da palavra, oferecendo um método eficiente de argumentação. Este caráter da dialética, q ue torna possível confrontar as opiniões e instaurar entre elas um diálogo, correspond ia a um procedimento crítico. A crítica não era, apensa, uma espécie de dialética, mas uma das formas, mais importantes, uma espécie da dialética, mas uma das suas formas mai s importantes, segundo Aristóteles. A crítica não era bem uma ciência com um objeto própri o, mas uma arte geral, cuja posse podia ser atribuída a qualquer pessoa. O uso da técnica dialética no desenvolvimento do pensamento prudêncial conduziu os rom anos a um saber considerado de natureza prática.

Foram criadas possibilidades para que o chamado comportamento desviante também tiv esse seu lugar, permitindo-se ao acusado uma argumentação com os mesmos valores e re gras no intuito de neutralizar, simbolicamente, seu próprio comportamento. Assim, por exemplo, se a escrava fora furtada, mas adquiridade boa fé, neutraliza-se o ca ráter antijurídico do ato. Ora, este procedimento conduziu à especialização de juízos e tri unais como estruturas diferenciadas na polis, induzindo a uma valorização e uma refl exão da própria imagem da sociedade romana que se julga a si mesma através de processo s jurídicos. Nestes processos, o juiz, que nem é um mágico nem um guarda rituais, torn a-se alguém que decide e responde por sua decisão enquanto juiz. Para que isto fosse possível, por sua vez, o direito teria de alcançar, como de fato pouco a pouco alca nçou, um nível de abstração maior, tornando-se um regulativo abstrato capaz de acolher i ndagações a respeito de divergentes pretensões jurídicas, ou seja, o direito assumiu de um programa decisório onde eram formuladas as condições para uma decisão correta.

Quando falamos no pensamento jurídico em Roma, devemos ter em conta suas doutrinas , enquanto conhecimentos, têm pouco significado em termos da disputa entre teoria e praxis. Enquanto a prudencia grega, em Aristóteles, por exemplo, era uma promess a de orientação para a ação no sentido de se descobrir o certo e o justo, a jurisprudência romana era, antes, uma confirmação, ou seja, um fundamento do certo e do justo. Com isto, a jurisprudência tornou-se entre os romanos um dos instrumentos mais efetiv os de preservação da sua comunidade, quer no sentido de um instrumento de autoridade , quer no sentido de uma integração social ampla. De certo modo, graças à tríade religião/a toridade/tradição, a jurisprudência efetivamente deu ao direito uma generalização que a fi losofia prática dos gregos não conseguira. Criou-se a possibilidade de um saber que era a ampliação da fundação de Roma e que se espalhou por todo o mundo conhecido com um saber universal, fundado, se não teoricamente, ao menos de fato. DIREITO NA IDADE MÉDIA: Da cultura romana para a cultura medieval há um passo importante a ser assinalado. Se para os antigos o ser humano se distinguia dos demais animais por ser um ani mal político no sentido de um cidadão da polis, para a Idade Média o homem passa a ser visto como um animal social. A CIÊCIA DO DIERITO propriamente dita nasce em Bolonha no século XI. Com um caráter no vo, mas sem abandonar o pensamento prudencial dos romano, ela introduziu uma not a diferente no pensamento jurídico: sua dogmaticidade. O pensamento dogmático, em se ntido estrito, pode ser localizado, nas suas origens, neste período. Seu desenvolv imento foi possível graças a uma resenha crítica dos dejetos justinianeus, a Littera B oloniensis, os quais foram transformados em textos escolares do ensino na univer sidade. Aceitos como base indiscutível do direito, tais, textos submetidos a uma técnica de análise que provinha das técnicas explicativas usadas em aula, sobretudo no Trivium - Gramática, Retórica e Dialética, caracterizando-se pelas glosa gramatical e filosófica , donde a expressão glosadores, atribuída aos juristas de então.

A teoria jurídica torna-se, então, uma disciplina universitária, na qual o ensino era dominado por livros que gozavam de autoridade. Estes eram, além do Corpus Juris Ci vilis de Justiniano, o Decretum de Graciniano, de 1140, além das fontes eclesiáticas que formavam os cânones. Por fim, as coleções de decretos papai. As fontes contemporâne as eram consideradas secundárias e, na teoria, subordinadas às anteriores.Após o declíni o do Império Romano, a herança espiritual, e política de Roma passou para a Igreja Cri stã. Neste sentido, a Igreja se romaniza ao fazer do nascimento, morte e ressurreição de Cristo a Pedra angular de uma nova fundação, da qual os Apóstolos se tornaram pais fundadores, transmitindo a geração a geração a tarefa de aumentar a fundação.

Após o século V, assumindo-se com instituição política, a Igreja adota a distinção romana e e auctoritas e potestas, reclamando para si a como dizia Cícero, para os príncepes s eculares. Tal separação, aliás, deixou pela primeira vez desde os romanos, o político se m autoridade, só com o poder. Como, ao contrário do ramo, a autoridade do Cristo era transcendente ao mundo político, para justificá-la o cristianismo teve de amalgamá-la com os padrões e as mediadas transcendentes da tradição platônica com o seu mundo das i déias.

Desde a Idade Média. pode-se, pois, dizer, o pensamento jurídico se fez essencialmen te em torno do poder real. E a recuperação do direito romano serviu-lhe como instrum ento de organização. No continente europeu, o poder real tendeu a um centralismo cre scente, tendo sido o direito romano, absorvido pelas universidades, o instrument os apropriado para centralizaçã morais do bem na vida, mas sim das suas condições efetiv as e racionais de sobrevivência. Tais necessidades práticas de uma sociedade tornada , mais complexas exigem soluções técnicas que estão na base de desenvolvimento das doutr inas jurídicas. Assim, se o problema antigo era o temor que irá obrigar o pensador a indagar como proteger a vida contra a agressão dos outros, o que entreabre a exigên cia de uma organização racionada ordem social. Daí, conseqüentemente, o desenvolvimento de um pensamento jurídico, capaz de certa neutralidade, como exigem as questões técnic as, conduzindo a uma racionalização e formalização do direito. Tal formalização do direito. Tal formalização é que vai ligar o pensamento jurídico ao chamado pensamento sistemático. O conceito de sistema é, conforme o testemunho de Wieacker, a maior contribuição do ch amado jusnaturalismio moderno ao direito privado europeu. A teoria jurídica européia , que até então era mais uma teoria da exegese e da interpretação de textos singulares, passa a receber um caráter lógico-demonstrativo de um sistema fechado, cuja estrutur a dominou e até hoje domina os códigos e os compêndidos jurídicos. A teoria do direito na Era Moderna, se de um lado quebra o ela entre a jurisprudên cia e o procedimento dogmático fundado na autoridade dos textos romanos, e de outr o, não rompe com o caráter dogmático que, ao contrário, tenta aperfeiçoar ao dar-lhe uma q ualidade de sistema que se contrário, tenta aperfeiçoar ao dar-lhe uma qualidade de sistema que se constrói a partir de premissas, cuja validade repousa na sua genera lidade racional.

Concluímos então que, desde o Renascimento ocorre, porem, um processo de dessacraliz ação do direito, que passa a ser visto com uma reconstrução, pela razão, das regras da con vivência. Esta razão, sistemática, é pouco a pouco assimilada ao fenômeno do Estado modern o, aparecendo o direito como um regulador racional, supranacional, capaz de oper ar, apesar das divergências nacionais e religiosas, em toda as circunstâncias. A cri se desta racionalidade, no entanto, irá nos conduzir, como citamos, a um impasse q ue se observará, no início do século XIX, pelo aparecimento de formulações românticas sobre o direito, visto como fenômeno histórico, sujeito às contingências da cultura cada povo. DIREITO NO SÉCULO XIX: O século XIX, diz Helmut Coing, 'representa ao mesmo tempo a destruição e o triunfo do pensamento sistemático legado pelo jusnaturalismo, o qual baseava toda força na cre

nça ilimitada na razão humana'. O fato de o direito tornar-se escrito contribuiu para importantes transformações na concepção de direito e de seu conhecimento. A fixação do direito na forma escrita, ao me smo tempo que aumenta a segurança e a precisão de seu entendimento, aguça também a consc iência dos limites. a possibilidade do confronto dos diversos conjuntos normativos cresce e, com isso aumenta a disponibilidade das fontes, na qual está a essência do aparecimento das hierarquias. Estas, no início, ainda afirmam a relevância do costu me, do direito não escrito sobre o escrito.

No século XIX, em termos de sua função social, passa a atribui aos seus conceitos um c aráter abstrato que lhe permite uma emancipação das necessidades quotidianas dos inter esses em jogo. Com isso se tornou possível uma neutralização essa já exigida politicamen te pela separação dos poderes e pela autonomia do poder judiciário. Além disso, no século XIX, a atividade dogmática não se vincula mais a nenhum direito sagrado, nem mesmo a um conteúdo ético teologicamente fundado, mas a formas abstratas, sobre as quais se dispões com certa liberdade através de novas abstrações. Mesmo a polêmica da Jurisprudênci dos Interesses - e mais tarde da escola da Livre Interpretação - contra uma jurispr udência dos Conceitos, não muda esta situação que domina a ciência dogmática.

Assim, no século XIX, a ciência dogmática se instaura como uma abstração dupla: a própria s ciedade, na medida em que o sistema político, do sistema religioso, do sistema soc ial - stricto sensu - constitui, ao lado das normas, conceitos e regras para a s ua manipulação autônoma. CODIFICAÇÃO DO DIREITO ASPECTOS GERAIS: A importância do Direito não está apenas disciplina e nos valores que elege; está também na forma ordenamento antigo, de natureza consuetudinária, possuía om a vida social, os anseios por um Direito mais definido povos à elaboração de textos amplos, centralizados de sua em seu conteúdo, nos fatos que com que se apresenta. Se o o mérito de identificar-se c e uniforme levaram os experiência jurídica.

Para que o Direito não se revele impotente diante dos novos fatos é indispensável que atualize pelo processo renovado de elaboração de leis. O Direito simplesmente legisl ado, disperso em numerosos leis, não atende, também, às exigências de segurança jurídica.

CONCEITO DE CÓDIGO: Código é conjunto orgânico e sistemático de normas jurídicas escritas e relativas a um amplo ramo do Direito. O código reúne, em um só texto, disposições relativa s a uma ordem de integração. Pode abranger a quase totalidade de um ramo, como é situação, por exemplo, do código. As disposições, consideradas individualmente, não possuem sentido e constitui uma teme ridade a leitura isolada de preceitos, sem o conhecimento prévio do conjunto em qu e si inserem. Quando fundamenta a sua decisão em dispositivo do código aplica, na re alidade, não apenas o dispositivo isolado, mas o ordenamento jurídico em vigor.

A elaboração de um código não é tarefa de agrupamento de disposições já existentes em vária s. Não é um trabalho apenas de natureza prática. Implica sempre a atualizações científicas o Direito.

A construção de um código pressupõe o conhecimento científico e filosófico do Direito e req er de técnica e beleza. Se a ciência fornece os princípios modernos, as novas concepções, a filosofia estabelece as estimativas, o sentido do justo, o critério da segurança.

OS CÓDIGOS ANTIGOS: Na acepção antiga, código era um conjunto amplo de normas jurídicas es critas. Não era obra de concepção científica, nem artísticas. A sua organização não obedeci ma conseqüência lógica e normalmente, não passava de simples compilação dos costumes, de co densação das diferentes regras vigentes. Não se limitava também a disciplinar um ramo do

Direito. Entre as codificações mais antigas que alcançaram projeções, citam-se as seguint es: Código de Hamurabi, Legislação Mosaica, Leis das XII Tábuas, Código de Manu e o Alcorão

Código de Hamurabi: Considerado, até há alguns anos, a legislação mais antiga do mundo, o Código de Hamurabi, foi a ordenação que o rei da Mesopotâmia deu ao seu povo, 'na tentat iva de criar um estado de Direito' e, segundo as palavras de seu próprio idealizad or, 'para que o forte não oprima o fraco, para fazer justiça ao órfão e à viúva, para procl mar o Direito do país em Babel...' Além de defender, no plano externo, os interesses da Babilônia, Hamurabi foi um notável administrador. Consagrando a pena de talião, o código reunia 282 preceitos, em um conjunto assistemátco e que abrangia uma diversid ade de assuntos: crimes, matéria patrimonial, família, sucessões, obrigações, salários, nor as especiais sobre os direitos e deveres de algumas classes profissionais, posse de escravos. Escrito em caracteres cuneiformes e gravado em uma Estela de diorito negro de 2, 25m em 1901, em Susa por J. de Morgan e decifrada pelo Padre Vincent Scheil. O s eu conhecimento completou-se com o estudo de cópias assírias. Legislação Mosaica: Moisés, que viveu há doze séculos a.C., foi o grande condutor do povo hebreu: livrou-o da opressão egípica, fundou a sua Religião e estabeleceu o seu Direit o. A sua importância para os hebreus foi bem situada por Mateo Goldstein. A legisl ação que o profeta concebeu acha-se reunida no Pentateuco, um dos códigos mais importa ntes da Antigüidade e que se divide nos seguintes livros: Gênesis, Êxodo, Levítico, Número s e Deuteronômio. O núcleo desse direito é formado pelo famoso Decálogo, que Moisés teria recebido de Deus, no Monte Sinai. Leis das XII Tabuas: Elaborada no século V a.C., a Lex Duodecim Tabularum foi a pr imeira importante lei romana. Surgiu de uma incansável luta da classe dos plebeus, que pleiteava a codificação das instituições jurídicas, como forma de se evitar os jus in certum, e a igualdade de direitos entre as classes sociais. O conhecimentos do D ireito, anteriormente, era privilegio da classe patrícia. Durante a fase de elabor ação, um grupo , formado por três observadores, viajou para a Grécia a fim de estudar a leis de Sólon. Quanto ao resultado prático dessa viagem, prevalece a tese de que, se trouxe alguma influências à nova legislação. Esta foi um grau mínimo, porque a Lei das XI I Tábuas expressou bem o espírito do povo romano 'estavam nela, estratificados, o sa ngue, os nervos e o espírito de Roma'.

Código de Manu: Escrito em sânscrito e elaborado entre o século II a.C. e o século II d. C., o Código de Manu foi a legislação da Índia, que reunia preceitos não só de ordem jurídi mas também de natureza religiosa, moral e política. Da premissa de que a humanidade passa por quatro grandes fases que marcavam uma progressiva decadência moral dos homens, os idealizadores do Código julgavam a coação e o castigo essenciais para se ev itar o caos na sociedade. Este código objetivou favorecer a casta brâmane, que era f ormada pelo sacerdotes, assegurando-lhe o comando social.

Alcorão: Do início do século VII, Alcorão, ou simplesmente Corão, é o livro religioso e jur co dos mulçumanos. Para os seus seguidores, não foi redigido por Maomé, que não sabia es crever, mas ditado por Deus ao profeta, através do arcanjo Gabriel. Fundamentalmen te religioso, apresenta descrições sobre o inferno e o paraíso. O seu conteúdo normativo revelou-se insuficiente na prática, o que gerou a necessidade de sua complementação a través de certos recursos lógicos e sociológicos. Com a evolução histórica, o Código foi fi do cada vez mais distanciado da realidade e revelou a sua incapacidade para rege r a vida social. A solução lógica seria a reformulação objetiva da legislação, mas tal tare encontrava um obstáculo intransponível: sendo uma obra de Alá, apenas este poderia ref ormulá-la. Ainda em vigor em alguns Estados, como Arábia e Irã, Alcorão estabelece sever as penalidades em relação ao jogo, bebida e roubo, além de situar a mulher como condição i nferior à do homem. A ERA DA CODIFIAÇÃO: Em primeiro lugar, a doutrina da divisão dos poderes, desenvolvid as por Montesquieu e já concebida, na Antiguidade, por Aristóteles, pela qual a comp

etência de ordenar o Direito competia ao Poder Legislativo. Em snaturalismo racionalista, dominante nos séculos XVII e XVIII, ireito um produto da razão, baseando na natureza humana. Com o gência o homem poderia criar padrões da vida social, as normas

segundo lugar, o ju que considerava o D poder de sua inteli jurídicas.

Um outro fator importante foi a necessidade de se garantir a unidade política do E stado. O código, ao promover a unificação do Direito, aumentaria os vínculos sociais e m orais dentro do território. OS PRIMEIROS CÓDIGOS: O Código Civil da Prússia: O primeiro processo codificador, formulado em base cienti fica foi o código da Prússia, que entrou em vigor em 01/06/1794. A pedido de Frederi co I, Coccegi elaborou um projeto que denominou por jus naturae privaium, que não foi aproveitado por seu cunho excessivamente racionalista e o seu alheamento às fo ntes históricas. Em 1780, Frederico II confiou a realização de um novo estudo a Concil ler von Carmer. Deu seu trabalho resultou a aprovação do Código, mas a sua elaboração, con forme observa Giole Solari, contou com a participação de muitos juristas, de especia listas em Direito Romano Germânico, como também de conhecedores da Doutrina do Direi to Natural. Caracterizando principalmente por suas concissão e clareza, esse Código não se limitou apenas aos Direito Privado. As suas fontes forma o Direito e germânic o e as doutrinas de Wolf.

O Código Napoleão: O Código Civil Francês, que entrou em vigor em 1804, traduziu uma asp iração nacional. Com a Revolução Francesa e Napoleão Bonaparte no poder, iniciou-se em 180 0, o trabalho de elaboração do código que viria a se considerado o mais importante do mundo, marco da era da codificação, não apenas por seu significado histórico, mas também p or seu valor intrínseco. O que os franceses desejavam, haviam conseguido: um direi to unificado e grande valor cultural. A consciência da importância desse código gerou a necessidade de protegê-lo contra critérios interpretação que pudesse distorcer o seu e spírito, quebrar a sua sistemático e aniquilá-lo. A notável conquista não foi útil apenas a povo, mas à própria classe dos profissionais do direito, que passaria a operar com normas claras e objetiva. Este Código, ainda se acha em vigor com numerosas alterações . Código Civil da Áustria: Influenciado pela doutrina filosófica de Kant, em 1812 surgiu o Código Civil da Áustria, que teve em Francisco Zeiller o seu principal artífice. Se guidor das idéias Kantianas, esse jurista combateu as tendências iluministas me Mart ini, que também participou ativamente na preparação do projeto, juntamente com Hees. O s costumes germânicos exerceram influencia sobre o Código Austríaco, que possuía uma índol e individualista e consagrou a igualdade liberdade para todos, independentemente de religião, nacionalidade e classe social e reconheceu também que todos os homens possuíam direitos inatos e deveriam ser considerados como pessoas.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->