Você está na página 1de 185

DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

DESMISTIFICANDO
CALIBRES
ACAP – BRASÍLIA- DF
ABRIL/2006
Versão 1.6

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 1 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

CAPITULO 1
INTRODUÇÃO
Este trabalho, puramente academico, tem como objetivo fornecer informações
acerca de calibres de armas. Tem como único objetivo desmitificar o universo
de mitos populares que vemos serem recorrentes na nossa mídia “tão técnica”,
que nos premia pérolas como “a calibre 12 mata elefante”, só se for de raiva ou
outra como “o 357 Magnum racha o bloco de motor de caminhão”, é até
possivel, porém só com munição perfurante e olhe lá. A ACAP, Associação dos
Colecionadores e Atiradores do Planalto, elaborou este trabalho a partir de
conhecimento dos seus afiliados, amealhados nos seus vários anos de
experiências, de vários trabalhos já existentes na internet e publicações
especializadas, seus créditos são mencionados neste trabalho. Outro ponto
importante deve ser ressaltado que este trabalho não tem fins comerciais ou
lucrativo, nosso objetivo, como já dito, é apenas dismistificar e passar
informações corretas pois o que vemos na nossa mídia os pseudos
“especialistas” prestando informações nos deixam estarrecidos. Assim
esperamos informar, pois com conhecimento, a verdade prevalece.
Referencias:
Publicações: Identificação de Munições- Eng. Creso M. Zanotta – Ed Magnum
Dicionário de Termos Técnicos da Área de Armas e Munições – Roberto de
Barros Pimentel – Ed Magnum
The Handloader´s Manual of Cartridge Convertions – Jonh J. Donnelly – Ed
Stoeger.
Handloader’s Guide – Stanley W. Trzoneic – Ed Stoeger
Precision Handloading – John Withers – Ed Stoeger
Revista Guns & Ammo (Petersen)
Revista Handloaders (Wolfe)
Revista Rifle (Wolfe)
Revista Shooting Times (Primedia)
Revista American Rifle (NRA)
Hodgdon Data Manual nº 26
Speer Reloading Manual nº11
Hornady Handbook of Cartridge Reloading nº 3
Cartridges of the World – Frank C. Barnes
Sites: www.cbc.com.br
www.reloadammo.com
www.norma.cc
www.gunsandammomag.com
www.handgunsmag.com
www.gunnersden.com
www.midwayusa.com
www.riflemagazine.com
www.shootingtimes.com
www.wikipedia.com.br

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 2 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

INFORMAÇÕES GERAIS
Calibre

O calibre de uma munição é a bitola ou diâmetro do projétil utilizado em uma


arma de fogo que normalmente é expressa em centésimos de polegadas ou
em milimetros. Então quando dizemos calibre 357, estamos informando que o
projétil desta munição possui 0,357 polegadas de diâmetro ou seja,
aproximadamente 9,07 mm. Seu diâmetro em milímetros é também outra forma
muito utilizada para especificar o calibre de uma munição. Por exemplo: uma
pistola 765 significa que seu projétil possui 7,65 mm; uma pistola 635 possui
projétil de 6,35 mm. Estes conceitos são válidos para a maioria das
munições/armas de fogo, porém para as espingardas (armas de canos longos
e lisos, usadas na caça), o conceito de calibre é diferente. Para estas armas, o
calibre corresponde ao número de esferas possíveis de serem obtidas com a
utilização de 1 libra (454 g) de chumbo. Por exemplo: pega-se 454 gramas de
chumbo e com isto faz-se 12 esferas de mesmo diâmetro, a este diâmetro dá-
se o nome de calibre 12.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 3 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Munição
Munição é o conjunto de cartuchos necessários ou disponíveis para uma arma
ou uma ação qualquer em que serão usadas armas de fogo. Cartucho é o
conjunto do projétil e os componentes necessários para lançá-lo, no disparo.O
cartucho para arma de defesa contém um tubo oco, geralmente de metal, com
um propelente no seu interior; em sua parte aberta fica preso o projétil e na sua
base encontra-se o elemento de iniciação. Este tubo, chamado estojo, além de
unir mecanicamente as outras partes do cartucho, tem formato externo
apropriado para que a arma possa realizar suas diversas operações, como
carregamento e disparo. O projétil é uma massa, em geral de liga de chumbo,
que é arremessada à frente quando da detonação da espoleta e conseqüente
queima do propelente. É a única parte do cartucho que passa pelo cano da
arma e atinge o alvo. Para arremessar o projétil é necessária uma grande
quantidade de energia, que é obtida pelo propelente, durante sua queima. O
propelente utilizado nos cartuchos é a pólvora, que, ao queimar, produz um
grande volume de gases, gerando um aumento de pressão no interior do
estojo, suficiente para expelir o projétil. Como a pólvora é relativamente
estável, isto é, sua queima só ocorre quando sujeita a certa quantidade de
calor; o cartucho dispõe de um elemento iniciador, que é sensível ao atrito e
gera energia suficiente para dar início à queima do propelente. O elemento
iniciador geralmente está contido dentro da espoleta.

Partes de Um Cartucho
Um cartucho completo é composto de:
• Espoleta (1)
• Propelente (2)
• Estojo (3)
• Projétil (4)

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 4 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Projétil

Projétil é qualquer sólido que pode ser ou foi arremessado, lançado. No


universo das armas de defesa, o projétil é a parte do cartucho que será lançada
através do cano.

O projétil pode ser dividido em três partes:

• Ponta: parte superior do projétil, fica quase sempre exposta, fora do


estojo;
• Base: parte inferior do projétil, fica presa no estojo e está sujeita à ação
dos gases resultantes da queima da pólvora.
• Corpo: cilíndrico, geralmente contém canaletas destinadas a receber
graxa ou para aumentar a fixação do projétil ao estojo.

Projéteis de Chumbo

Como o nome indica, são projéteis construídos exclusivamente com ligas


desse metal. Podem ser encontrados diversos tipos de projéteis, destinados
aos mais diversos usos, os quais podemos classificar de acordo com o tipo de
ponta e tipo de base.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 5 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Tipos de pontas:

• Ogival: uso geral, muito comum;


• Canto-vivo: uso exclusivo para tiro ao alvo; tem carga reduzida e
perfura o papel de forma mais nítida;
• Semi canto-vivo: uso geral;
• Ogival ponta plana: uso geral; muito usado no tiro prático (IPSC) por
provocar menor número de "engasgos" com a pistola;
• Cone truncado: mesmo uso acima.
• Semi-ogival: também muito usado em tiro prático;
• Ponta oca: capaz de aumentar de diâmetro ao atingir um alvo humano
(expansivo), produzindo assim maior destruição de tecidos.

Projéteis Encamisados
São projéteis construídos por um núcleo recoberto por uma capa externa
chamada camisa ou jaqueta. A camisa é normalmente fabricada com ligas
metálicas como: cobre e níquel; cobre, níquel e zinco; cobre e zinco; cobre,
zinco e estanho ou aço. O núcleo é constituído geralmente de chumbo
praticamente puro, conferindo o peso necessário e um bom desempenho
balístico. Os projéteis encamisados podem ter sua capa externa aberta na base
e fechada na ponta (projéteis sólidos) ou fechada na base e aberta na ponta
(projéteis expansivos). Os projéteis sólidos têm destinação militar, para defesa
pessoal ou para competições esportivas. Destaca-se sua maior capacidade de
penetração e alcance.
Os projéteis expansivos destinam-se à defesa pessoal e caça, pois ao atingir
um alvo é capaz de amassar-se e aumentar seu diâmetro, obtendo maior
capacidade lesiva. Esse tipo de projétil teve seu uso proibido para fins militares
pela Convenção de Genebra. Os projéteis expansivos podem ser classificados
em totalmente encamisados (a camisa recobre todo o corpo do projétil) e semi-
encamisados (a camisa recobre parcialmente o corpo, deixando sua parte
posterior exposta. Os tipos de pontas e tipos de bases são os mesmos que os
anteriormente citados para os projéteis de chumbo. Existem projeteis com
função expecífica militar como traçantes, perfurante de blindagem, incendiaros
e etc.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 6 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Número do Chumbo
12 11 9 8 71/2 7 6 5 3 1 T TTT SG Knock Down Balote
Diâmetro em milímetros
1,25 1,50 2,00 2,25 2,38 2,50 2,75 3,00 3,50 4,00 5,00 5,50 8,40 18,65 17,6
Quantidade aproximada de bagos em 10 gramas
32,0* 28,35*
870 457 216 151 130 110 83 64 40 27 14 10 2,80 gramas a gramas a
unidade unidade

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 7 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Estojo

O estojo é o componente de união mecânica do cartucho, apesar de não ser


essencial ao disparo, já que algumas armas de fogo mais antigas dispensavam
seu uso, trata-se de um componente indispensável às armas modernas. O
estojo possibilita que todos os componentes necessários ao disparo fiquem
unidos em uma peça, facilitando o manejo da arma e acelera o intervalo em
cada disparo.
Atualmente, a maioria dos estojos são construídos em metais não-ferrosos,
principalmente o latão (liga de cobre e zinco), mas também são encontrados
estojos construídos com diversos tipos de materiais como plásticos (munição
de treinamento e de espingardas), papelão (espingardas) e outros.
A forma do estojo é muito importante, pois as armas modernas são construídas
de forma a aproveitar as suas características físicas.
Para fins didáticos, o estojo será classificado nos seguintes tipos:
• Quanto à forma do corpo:
• Cilíndrico (Straight): o estojo mantém seu diâmetro por toda sua
extensão;
• Cônico (Straight): o estojo tem diâmetro menor na boca, é pouco
comum; e
• Garrafa (Bottle Neck): o estojo tem um estrangulamento (gargalo).
Cabe ressaltar que, na prática, não existe estojo totalmente cilindrico, sempre
haverá uma pequena conicidade para facilitar o processo de extração. Os
estojos tipo garrafa foram criados com o fim de conter grande quantidade de
pólvora, sem ser excessivamente longo ou ter um diâmetro grande. Esta forma
é comumente encontrada em cartuchos de fuzis, que geram grande quantidade
de energia e, muitas vezes, têm projéteis de pequeno calibre.
• Quanto aos tipos de base:
• Com aro (Rimmed): com ressalto na base (aro ou gola);
• Com semi-aro (Semi-Rimmed): com ressalto de pequenas proporções
e uma ranhura(virola);
• Sem aro (Rimless): tem apenas a virola; e
• Rebatido (Rebated): A base tem diâmetro menor que o corpo do estojo.
• Cinturado (Belted) : Anel com diâmetro superior a base próximo a ela.
A base do estojo é importante para o processo de carregamento e extração,
sua forma determina o ponto de apoio do cartucho na câmara ou tambor
(headspace), além de possibilitar a ação do extrator sobre o estojo.
• Quanto ao tipo de iniciação:

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 8 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

• Fogo Circular (Rimfire): A mistura detonante é colocada no interior do


estojo, dentro do aro, e detona quando este é amassado pelo percursor;
• Fogo Central (Central Fire): A mistura detonante está disposta em uma
espoleta, fixada no centro da base do estojo.
Cabe lembrar que alguns tipos de estojos nos diversos itens da classificação
dos estojos não foram citados por serem pouco comuns.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 9 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Propelente

Propelente ou carga de projeção é a fonte de energia química capaz de


arremessar o projétil a frente, imprimindo-lhe grande velocidade. A energia é
produzida pelos gases resultantes da queima do propelente, que possuem
volume muito maior que o sólido original. O rápido aumento de volume de
matéria no interior do estojo gera grande pressão para impulsionar o projétil.
A queima do propelente no interior do estojo, apesar de mais lenta que a
velocidade dos explosivos, gera pressão suficiente para causar danos na
arma, isso não ocorre porque o projétil se destaca e avança pelo cano,
consumindo grande parte da energia produzida.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 10 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Atualmente, o propelente usado nos cartuchos de armas de defesa é a pólvora


quimica ou pólvora sem fumaça. Desenvolvida no final do século passado,
substituiu com grande eficiência a pólvora negra, que hoje é usada apenas em
velhas armas de caça e réplicas para tiro esportivo. A pólvora química produz
pouca fumaça e muito menos resíduos que a pólvora negra, além de ser capaz
de gerar muito mais pressão com pequenas quantidades.
• Dois tipos de pólvoras sem fumaça são utilizadas atualmente em armas
de defesa:
• Pólvora de base simples: fabricada a base de nitrocelulose, gera
menos calor durante a queima, aumentando a durabilidade da arma; e
• Pólvora de base dupla: fabricada com nitrocelulose e nitroglicerina, tem
maior conteúdo energético.
O uso de ambos tipos de pólvora é muito difundido e a munição de um mesmo
calibre pode ser fabricada com um ou outro tipo.

Espoleta

A espoleta é um recipiente que contém a mistura detonante e uma bigorna,


utilizado em cartuchos de fogo central. A mistura detonante, é um composto
que queima com facilidade, bastando o atrito gerado pelo amassamento da
espoleta contra a bigorna, provocada pelo percursor. A queima dessa mistura
gera calor, que passa para o propelente, através de pequenos furos no estojo,
chamados eventos.

• Os tipos mais comuns de espoletas são:


o Boxer: muito usada atualmente, tem a bigorna presa à espoleta e
se utiliza de apenas um evento central, facilitando o
desespoletamento do estojo, na recarga;
o Berdan: utilizada principalmente em armas de uso militar, a
bigorna é um pequeno ressalto no centro da base do estojo
estando a sua volta dois ou mais eventos; e
o Bateria: utilizada em cartuchos de caça, tem a bateria
incorporada na espoleta de forma a ser impossível cair, facilitando
o processo de recarga do estojo.

Outros tipos de espoletas foram fabricados no passado, mas hoje são raros de
serem encontrados.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 11 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Obs: Apesar de obsoleto é interessante mencionar o sistema de ignição por


pino (pin fire), também conhecido por Lefaucheaux em homenagem ao se
inventor francês por volta de 1836. Este sistema, apesar de obsoleto já próximo
ao fim do século XIX, ainda foi muito usado na Europa e América do Sul até o
início do século XX.

Nomenclatura de munição
A partir do momento em que o Brasil passou a utilizar, e mesmo a fabricar,
munições provenientes de outros países, passou a importar, também, a
complicação inerente à nomenclatura dessas munições.
À medida que foram sendo inventadas ou desenvolvidas, as munições foram
sendo nomeadas ou designadas mais ou menos sem regras, sem se prender a
nenhum sistema ou padrão específico, gerando assim muita confusão e
inconsistência. Isso é válido principalmente para as de origem norte-
americanas, inglesas e européias (continentais), as mais utilizadas e difundidas
em nosso país. De forma geral, o primeiro componente do nome é o calibre,
dado pelo diâmetro da bala ou do cano. No caso do cano, a medição pode se
dar entre os fundos das raias ou entre os cheios, quando então é também
chamado de calibre real ou calibre nominal. De qualquer forma, as medições
nem sempre foram precisas ou consistentes, o que, aliado à vontade ou

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 12 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
necessidade do inventor de dar um “nome” diferente à sua munição,
ajudaram a ampliar a confusão. Como exemplo tem-se o .303 Savage, que
utiliza um projétil de .308” de diâmetro e o .303 British, que utiliza um de .312”.
Temos ainda nosso popular 38 Special, que utiliza um projétil de .357”. O
segundo componente do nome, quando existe, pode ser um identificador de
determinada característica da munição, como carga de pólvora, comprimento
do estojo, data de introdução da munição, ou mesmo o nome do inventor ou do
País que a utiliza ou inventou. Os exemplos acima são típicos.
Nas munições norte-americanas mais antigas, carregadas com pólvora negra,
poderia haver ainda um terceiro elemento, em geral destinado a nomear o peso
do projétil. Exemplos são o 45-70-405 e o 45-70-500.
A notação inglesa básica é parecida com a norte-americana, onde o calibre é
dado em centésimos ou milésimos de polegada, podendo ter nomes acrescidos
para facilitar a identificação. No entanto, o calibre também poderia ser dado
pelo segundo elemento do nome, caso em que o primeiro elemento significava
o “nome” ou “calibre” do estojo utilizado na confecção da referida munição.
Exemplo clássico é o .577/450, munição do fuzil Martini-Henry, que mostra um
calibre de .450” no estojo da munição do fuzil Snider (.577), devidamente
alterado ou adaptado. Essa notação, de forma invertida, tem sido bastante
utilizada pelos experimentadores individuais que desenvolvem novas
munições, não-comerciais (wildcat), a partir de componentes existentes, como
o 25-06 ou 8mm/06 , que nada mais são do que projéteis de medidas
diferentes montados no estojo da munição 30-06 , devidamente adaptado.
A notação adotada pelos europeus é a que na realidade mais se aproxima de
um sistema consistente e compreensível. As dimensões são em milímetros e
incluem o diâmetro do projétil, o comprimento do estojo e o seu tipo, quanto a
ser com ou sem aro (rimmed ou rimless). Pode ainda, vir em seguida o nome
do inventor da munição. Assim, o famoso 7mm, que tão bons serviços prestou
ao nosso país, é designado como 7x57, significando um projétil de calibre 7mm
num estojo de 57 mm de comprimento, do tipo rimless (sem aro). Na sua
versão com aro, para fuzis de tiro único ou combinados, tem a notação 7x57R.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 13 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Família 7mm da direita para a esquerda: 7mm-08 Rem, 7mm Mauser, .284
Win, .280 Rem, 7mm SAUM, 7.21 Lazzeroni Tomahawk, 7mm WSM, 7mm
Rem Mag, 7mm Wby Mag, 7mm Dakota, 7mm STW, 7mm Ultra Mag e 7.21
Lazzeroni Firebird.

Familia do .28 da direita para a esquerda, baseados nas cápsulas do 30-06


Sprg e nos cinturados H&H: standard .280 Rem, .280 RCBS, .280 Ackley
Improved e Sundra's 7mm JRS. (direita). Na Europa o 7x57 (esquerda) e 7x64
(centro) são os mais populares 7mms. A direita é o 7x68 Vom Hoffe, um
cartucho rebatido como o .284 Win.

Família de .22 : 218 Bee, .222 Remington, .222 Remington Magnum, .225
Winchester e .220 Swift.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 14 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Família de .22 : .222 Rem., .222 Rem. Mag., .223 Rem., .22-250 Rem.

Os novos Winchester Short Magnum: 243 WSSM, .243 WIN., .223 WSSM, .22-
250 REM., .223 REM.

Os grandes calibres de caça: 243 Winchester, .280 Remington, .30-06, .375


H&H, .458 Lott.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 15 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Classificação quanto ao emprego


Munições para Pistola
Cada vez mais utilizadas pelo público civil, as munições para pistola são
amplamente usadas no meio policial, bem como no militar e esportivo. Isso se
deve à capacidade de municiamento, à facilidade de recarregamento e à
evolução técnica das armas semi-automáticas.

Munições para Revólver


As munições para revólveres são destinadas à defesa, à caça e ao esporte.
Elas são as mais utilizadas pelo público civil para defesa pessoal, mas seu uso
também é tradicional no meio policial.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 16 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Cartuchos de Armas de alma lisa


Os cartuchos são destinados a caça, defesa, esporte e uso polical.
Normalmente, são carregados com esferas múltiplas de chumbo cujos
tamanhos (diâmetros) variam de acordo com a finalidade a que se destina o
cartucho.

Munições para Fuzis e Metralhadoras


Essas munições destinam-se a fuzis militar, esportivo e caça e a
metralhadoras com uso militar e policial.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 17 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Munições para Canhões


As munições para canhões com diversas funções, todas de uso militar.
.

Cartuchos de Uso Industrial


Cartuchos destinados a uma crescente e diversificada gama de aplicações
industriais. Entre elas, destacam-se os cartuchos finca-pinos e os cartuchos
para execução de conexões de cabos elétricos.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 18 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Munições .de fogo circularl


Munição como .22 é utilizada para a prática da caça de pequenos animais, em
competições de tiro de várias modalidades, em treinamentos e em momentos
de lazer. Seu baixo estampido e recuo, além do preço reduzido, são algumas
das razões que colaboram para que essa munição seja a melhor opção para
iniciantes no tiro e a tornam a mais vendida em todo o mundo. Hoje
basicamente encontramos as munições 22 Short, 22 Long, 22 LR, 22 Magnum,
17 HRM e 17 Match 2.

22 LR, 17 Match, 17 HRM e 22 Magnum

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 19 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Wildcats

Nem toda munição tem sua origem em uma fábrica. Muitos cartuchos são
frutos de desenvolvimentos de trabalhos de especialistas, aficionados e
armeiros amadores ou especializados. São pessoas que não se prendem
apenas ao que as mercadas simplesmente lhe oferecem, buscam novos
parâmetros de desempenho. Tendo como principal ferramenta a recarga de
munições, este grupo de trabalho, geralmente estabelece parâmetros de
desempenho desejados e se põe mãos a obra.

A partir de um estojos já existentes e projéteis fornecidos pelo mercado, estas


pessoas desenvolvem novas munições com estrangulamento (neck down) ou
alargamento do pescoço da cápsula para o projétil desejado. Também são
desenvolvidos canos específicos para estas munições para serem usados em
armas convencionais disponíveis no mercado.

Como todo e qualquer projeto, pode ser um sucesso ou um fracasso. Muitos


dos calibres disponíveis hoje nasceram como wildcats e terminaram em linhas
de produção de grandes fabricas de munição e armas. Podemos citar o 7-
08mm Remington, o 25-06 Remigton, o 22-250 Remington, o 220 Swift, o 454
Casull e muitos outros. Partindo do mesmo principio vário governos,
encomendam estudos a arsenais que se utilizam do mesmo método para
alcançar seus objetivos, foi o caso do próprio 7,62x51 mm Nato. Que não é
nada mais que o rebaixamento do estojo do 30-06 Sprg.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 20 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

CAPITULO 2
ESPECIFICAÇÕES DE CALIBRES

2.1 – Armas longas


Calibre 17 Remington

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
.172 25 4040 906

Histórico: O 17 Remington foi introduzido em 1971 pela Remington, como um


novo calibre para seus rifles de ferrolho da série 700. Sendo o menor calibre de
fogo central em cartucho de rifle oferecido comercialmente hoje. Ele foi
desenvolvido basicamente estrangulando um estojo de 223 Remington
(5,56x45) mantendo o mesmo angulo do estojo fechando para .17 de polegada.
O 17 Rem similar, mas não idêntico com o wildcat 17-223 desenvolvido em
1965. Experimentos com calibres em .17 desde 1944 quando P.O. Ackley, um
famoso armeiro e "experimentador", desenvolveu o 17 Ackley estrangulando
um estojo de 218 Bee. Existem muitas outras munições em calibre .17, sendo a
maioria usando estrangulamento das varias munições .22 hoje existentes e
disponíveis.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 21 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
Remington Model Seven

Estojo
17 Remington POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .378
Largura da base da virola .377
Altura do RIM .045
Altura até o ombro 1.351
Angulo do ombro 22.99°
Altura total da cápsula 1.796
Largura do Ombro .356
Largura do pescoço .199

Calibre 17/30 Carbine


(17 Pee Wee)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
.172 25 3780

Histórico: Este calibre é um wildcat desenvolvido por R Schuetz, baseado no


estrangulamento de estojo do .30 Carbine. Este cartucho não alcançou o
mercado, não havendo nem munições nem armas disponibilizadas para
aquisição, apenas rifles customizados e munição recarregada.
Estojo
17/30 Carbine POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .360
Largura da base da virola .356
Altura do RIM .05
Altura até o ombro .969
Angulo do ombro 30.50°
Altura total da cápsula 1.267
Largura do Ombro .323
Largura do pescoço .204

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 22 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 218 Bee

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
.224 45 2800 778

Histórico: O 218 Bee, introduzido pela Winchester em 1938, teve originalmente


seu primeiro modelo de rifle neste calibre o Model 65 lever action (ação de
alavanca) uma versão moderna do e Model 1892. Considerado pelos
entusiastas e anunciado por muitos artigos de revistas especializadas como
tendo um poder e alcance maior que o .22 Hornet. Porém criticado como
menos preciso. Após a 2ª Guerra Mundial a Winchester fabricou o rifle Model
43 bolt action no 218 Bee. Problemas mecânicos de desenvolvimento
descontinuaram o rifle. Por algum tempo um ou dois fabricantes europeus
como Sako e da Krico, fabricaram pequenos rifles tipo Mauser em 218 Bee.
Hoje a Ruger, Marlin, Thompson/Center, Taurus e Browning fabricam armas
em 218 Bee. Estojos podem ser adaptados com estrangulamento dos 25-20
Win ou 32-20 Win.

Estojo
218 Bee POL MM
Garrafa, com Aro - Rimmed Bottle Neck
Largura da base .408
Largura da base da virola .349
Altura do RIM .065
Altura até o ombro .865
Angulo do ombro 11.94°
Altura total da cápsula 1.280
Largura do Ombro .333
Largura do pescoço .242

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 23 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 22Hornet
(5,6x35R Vierling)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
.224 45 2690 723
Histórico: Lançado em 1930 pela Winchester como resultado do trabalho
experimental de inúmeros pesquisadores entre os quais o conhecido Cel.
Townsend Whelen. Pode ser considerado o percursor do Cal .22 de Fogo
Central. Na Europa, um cartucho semelhante e intercambiável com o .22
Hornet, é conhecido como 5,6x35 R mm Vierling. O 22 Hornet foi baseado na
velha munição em pólvora negra 22 WCF, tendo sendo desenvolvida pelos
anos 20 por um grupo de Wildcatters (armeiros e "experimentadores") da
Springfield Armory. Cel. Townsend Whelen, Capitão G. L. Wotkyns, e outros
que carregavam os velhos .22 WCF com pólvora sem fumaça e projéteis
jaquetados. A Winchester foi a primeira a produzir comercialmente em 1930.
Em poucos anos o Hornet foi adotado por todos os fabricantes de munição
americanos e muitos europeus. Os rifles originalmente forem baseados em
conversão velhos Springfield M1903 militares (devido a grande disponibilidade)
e Martini de ação única (single shot actions). A Winchester anunciou seu Model
54 bolt action (ação de ferrolho) em 22 Hornet em 1932, mas só em 1933
outros fabricantes de armas desenvolveram projetos para este calibre, como
Savage e Stevens. Durante a 2ª Guerra Mundial, muitos rifles militares de
sobrevivência, foram feitos neste calibre. Até hoje, Anschutz, Ruger, Ultra Light
Arms, Thompson Center Arms, Sako, Kimber e muitos outro fabricam rifles
neste calibre. Na Europa, o Hornet é conhecido pela designação métrica como
5.6x35Rmm. O Hornet foi um "projeto" que teve como meta o uso de projéteis
jaquetados de 40 a 50 grain de pesos a velocidades entorno de 2500-2600 fps.

Carabina de sobrevivência M3, arma combinada com um cano em 22 Hornet e


outro em alma lisa em calibre 36.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 24 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Estojo
22 Hornet POL MM
Garrafa, com Aro - Rimmed Bottle Neck
Largura da base .350 8.89
Largura da base da virola .299 7.59
Altura do RIM .065 1.65
Altura até o ombro .825
Angulo do ombro 5º 41'
Altura total da cápsula 1.338
Altura total da munição 1.80
Largura do Ombro .278 7.04
Largura do pescoço .242 6.15
Tamanho Min Cartucho 1.660
Case trim length 1.393
Max case length 1.403 35,64

Calibre 22 PPC

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés /seg Pés/libra
.224 53 3400

Histórico: Este calibre é um wildcat baseado no estrangulamento de estojo do


.220 Russian. Foi desenvolvido por Dr. Louis Palmasamo e Ferris Pindell em
1974. A intenção era desenvolver um cartucho extremamente eficiente para as
competições de Benchrest. O cartucho é produzido comercialmente porém com
uso bem especifico.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 25 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Estojo
22 PPC POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .440
Largura da base da virola .440
Altura do RIM .06
Altura até o ombro 1.075
Angulo do ombro 30.69°
Altura total da cápsula 1.515
Largura do Ombro .430
Largura do pescoço .246

Antilope Americano (Phroghorn) : Caça de dificil aproximação necessita um


cartucho de tiro tenso e alta velocidade

Caribu: necessita de um cartucho com poder de parada médio.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 26 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 22 Savage Hi Power


(5,6x52R)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés /seg Pés/libra
.228 70 3000
Histórico: Desenvolvido por Charles Newton e introduzido como munição
comercial pela Savage Arms Co. nos seus Model 99 (lever action rifle) em
1912. O cartucho foi inicialmente chamado de "Imp". Nos USA só a Savage
produziu comercialmente rifles neste calibre, já na Europa muitos
customizadores de rifles efetuaram trabalhos neste calibre. Na Inglaterra a
BSA Martini produziu single shot neste calibre. Na Europa é conhecido como
5.62x52Rmm e usado em "drillings" ou rifles combinados com espingardas. O
22 Savage é baseado no estojo do 25-35 Win estrangulado .228 (necked
down). Ele é obsoleto desde 1930. Norma ainda produz munições neste
calibre. O 22 Savage High Power foi considerado popular acerca dos 1900. Foi
uns dos primeiros calibres de alta velocidade. Desafortunadamente, como
muitos .22 de alta velocidade mais recentes, ele não é muito preciso. A
munição disponível então pode ter sua parcela de culpa. Ele foi originalmente
comercializado par a caça de pequenos animais e veados, mas não se tornou
confiável para veados. De qualquer forma o 22 Savage High Power foi usado
na África e Ásia em criaturas como leões e tigres, com relatos de sucesso. Ele
é adequado para small game e varmint, mas para caça grossa não é uma boa
escolha. Ele se tornou obsoleto pela chegada de munições modernas como o
222 Remington.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 27 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
Rifle Savage 99

Estojo
22 Savage Hi Power POL MM
Garrafa, com Aro -Rimmed Bottle Neck
Largura da base .492
Largura da base da virola .418
Altura do RIM .063
Altura até o ombro 1.379
Angulo do ombro 12.09°
Altura total da cápsula 2.047
Largura do Ombro .363
Largura do pescoço .252

Calibre 22-250 Remington


(22 Varminter, 220 Wotkyns Original Swift (WOS))

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
.224 55 3730 1699

Histórico: Desenvolvido pelo Cap. Wotkyns, o 22-250 Remington foi adotado


em 1965 como uns dos calibres oferecidos pela Remington para seus rifles da
série 700 (bolt action) e também para o Model 40XB match rifle. Browning
também ofereceu para seus rifles bolt action o calibre 22-250 dois anos depois.
O calibre não nasceu em ambiente de fabrica, não foi um desenho técnico, foi

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 28 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
um wildcat muito popular, que durante muitos anos esteve no meio
dos aficionados. Assim sendo a Remington adotou o calibre e deu uma
classificação comercial. Para clarear esta confusão a origem 22-250 é baseada
no estrangulamento do estojo (neck down) do 250-3000 Savage para o
pescoço do calibre .22. Seu nome é derivado do calibre (22) e do seu estojo
pai (250). Harvey Donaldson, Grosvenor Wotkyns, J. E. Gebby, J. B. Smith e
John Sweany todos trabalharam na versão do 22-250 entre 1934 e1937. J. E.
Gebby e J. B. Smith são usualmente creditados como desenvolvedores desta
presente configuração em 1937. Apesar de diferentes versões existentes, a
versão Gebby foi nomeada 22 Varminter tendo obtido o copyright do nome.
Outros armeiros renomearam para 22-250. Hoje a maioria dos fabricantes
americanos e europeus fornecem rifles de ferrolho em 22-250.
Remington 700 BDL

Estojo
22-250 Rem POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .472
Largura da base da virola .468
Altura do RIM .05
Altura até o ombro 1.44
Angulo do ombro 20.3°
Altura total da cápsula 1.912
Largura do Ombro .418
Largura do pescoço .253

Veado americano (Mule Deer) : necessita de um cartucho com poder de


parada médio.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 29 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 220 Swift

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
.224 50 4110 1877

Histórico: O 220 Swift foi desenvolvido pela Winchester e introduzido em 1935


como um novo calibre para seu rifle de ferrolho Model 54 (bolt action rifle).
Quando o Model 70 Winchester (bolt action) foi lançado em sua primeira edição
em 1936, o 220 Swift era um dos seus calibres padrão oferecido. Isso
continuou até 1964 quando foi descontinuando. Agora o Savage Model 112V, o
Ruger M77 e o Ruger No. 1V (single shot) são oferecidos em 220 Swift. Sua
munição não é hoje muito comum. A Norma fabricante de munição da Suécia
tem na sua lista de produção o 220 Swift com um projétil de 50 grain,
velocidade de 4110 fps. Hornady / Frontier oferece cargas com projéteis de 55
grain e a 60 grain HP. O protótipo do 220 Swift foi desenvolvido entre 1934-35
por Grosvenor Wotkyns que estrangulou um estojo de 250-3000 Savage
(necked down) para .22 com a finalidade de obter altas velocidades. Entretanto
a versão comercial da Winchester é baseada no velho estojo 6mm Lee Navy
estrangulado para .22 (necked down). Ele é um estojo semi-rimmed.

Remington XCR

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 30 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Estojo
220 SWIFT POL MM
Garrafa, sem Aro – Semi-rimmed Bottle Neck
Largura da base .473
Largura da base da virola .455
Altura do RIM .049
Altura até o ombro 1.722
Angulo do ombro 21.20°
Altura total da cápsula 2.205
Largura do Ombro .402
Largura do pescoço .260

Calibre 222 Remington

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
.224 53 3140 1094

Histórico: O 222 Remington foi introduzido pela Remington em 1950, para os


rifles da serie 700 (bolt action). Muito dos créditos do 222 Remington deve-se
a Mike Walker, um empregado de longo tempo da Remington. O calibre
começou muito popular entre os atiradores de benchrest (modalidade em que o
que interessa é o agrupamento dos impactos) e dos caçadores de Varmint
(pequenos animais) por sua excelente desempenho. Mas pelos anos 90 o 222
Remington perdeu popularidade para o 223 remington, possivelmente pela
logística mais fácil.

Winchester 70 (left hand)

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 31 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Estojo
222 Rem POL MM
Garrafa, sem Aro -Rimless Bottle Neck
Largura da base .378 9.60
Largura da base da virola .376 9.55
Altura do RIM .045
Altura até o ombro 1258
Angulo do ombro 22º 14'
Altura total da cápsula 1700 43.18
Altura total da munição 2.20
Largura do Ombro .358 9.07
Largura do pescoço .253 6.42
Tamanho Mínimo do Cartucho 2.040
Case trim length 1690

Calibre 222 Remington Magnum

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
.224 55 3200 1280

Histórico: O 222 Remington Magnum foi originalmente um desenvolvimento


entre a Remington e o Arsenal de Springfield (Springfield Arsenal). Porém
nunca foi adotado pelos militares, tendo a Remington introduzido para o
esporte em 1958 para seus rifles da serie 700 (bolt action). Hoje a Remington
não fabrica mais rifles neste calibre. Nenhum dos maiores fabricantes
americanos oferece opções neste calibre. O 222 Remington Magnum apesar
de veloz teve uma rápida obsolescência, possivelmente por seu desempenho
ser muito semelhante ao .223 Remington (5,56x45mm).

Armalite AR-16 ou M 16

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 32 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Estojo
222 Rem Mag POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .378
Largura da base da virola .375
Altura do RIM .045
Altura até o ombro 1.454
Angulo do ombro 23.06°
Altura total da cápsula 1.850
Largura do Ombro .358
Largura do pescoço .253

Calibre 223 Remington


(5,56x45mm, 5,56 OTAN M193, 223 Armalite)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
.224 53 3330 1305

Histórico: Em meados da década de 50 existiam projetos para que o calibre


.224" substituíssem o 7.62mm NATO, calibre oficial adotado pelas forças
armadas americanas e OTAN. O 223 Remington inicialmente apareceu em
1957 como um cartucho experimental militar para o fuzil de assalto Armalite
AR-15. Foi um trabalho de Robert Hutton, um editor técnico da revista Guns &
Ammo magazine e por Gene Stoner da Armalite. Um dos requisitos do
trabalho era exceder a velocidade do som (cerca 1080 fps ao nível do mar)
numa distancia de 500 jardas, algo não alcançado pelo 222 Remington.
Trabalhando com Gene Stoner da Armalite, Bob Hutton desenhou um cartucho
mais longo que o 222 Remington colocando um projétil mais pesado de 55
grain com desenho boattail. Tudo isso está documentado na revista Guns &
Ammo Annual de 1971. Em 1964, foi oficialmente adotado pelo Exercito
americano com o nome 5.6mm Ball cartridge M193. Ele é usado em tiro
seletivo para o fuzil M16 baseado no projeto original AR 15.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 33 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Fuzil Austríaco Steyr AUG em calibre 5,56mm.

Estojo
223 Rem POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .378 9.60
Largura da base da virola .376 9.55
Altura do RIM .045
Altura até o ombro 1.438 36.53
Angulo do ombro 21º 21'
Altura total da cápsula 1.760 44.70
Altura total da munição 2.26 57.40
Largura do Ombro .354 8.99
Largura do pescoço .253
Tamanho Min Cartucho 2.165 6.43
Case trim length 1.740

Calibre 240 Weatherby Magnum

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 34 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
Polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
.243 100 3362 2502

Histórico: O .240 Weatherby Magnum foi introduzido para o seu rifle Mark V em
1968 pela Weatherby. O 240 Weatherby foi adicionado a uma lista de munições
magnum desenvolvida pela pelo proprietário da Weatherby, Roy Weatherby em
1968. Ele difere de outros 6mm por ser por ser um estojo cinturado (belted
case) com uma grande capacidade de pólvora. Ele é muito similar ao 240
Belted Rimless Nitro Express introduzido por Holland & Holland cerca de 1920.
Ele é avaliado apenas para o rifle Weatherby Mark V (bolt action) ou através de
customizações de armeiros especializados (custom gunsmiths). É um
excelente cartucho e arremessa um projétil de 100 grain com cerca de 200 fps
amais de velocidade de boca que o 6mm Remington e cerca de 400 fps mais
rápido que o 243 Winchester. Ele é mais efetivo na caça do veado e antílope
que os outros dois. A principal desvantagem é o alto preço da munição e a
dificuldade de encontrar a munição fora das grandes cidades (USA). O estojo
do 240 tem a mesma capacidade do 30-06 e diâmetro semelhante.

Estojo
240 Wby Magnum POL MM
Garrafa, Cinturado - Belted Bottle Neck
Largura da base .473
Largura da base da virola .453
Altura do RIM .05
Altura até o ombro 1.992
Angulo do ombro arredondado
Altura total da cápsula 2.500
Largura do Ombro .432
Largura do pescoço .272

Calibre 243 Winchester

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 35 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
.243 80 3350 1993

Ruger M77CR MKII

Histórico: O 243 Winchester foi introduzido pela Winchester em 1955 para seus
rifles Model 70 (bolt action) e Model 88 (lever action). O 243 foi rapidamente
adotado pela Savage para seus rifles Model 99 (lever action) e Model 110 (bolt
action). Todos os fabricantes ingleses e europeus criaram rifles de ferrolho
neste calibre. De fato até a Remington, que desenvolveu seu próprio 6mm,
teve de se render à popularidade do 243, confeccionando rifles neste calibre. O
243 tem uma excelente reputação quanto à precisão. O 243 (6mm) Winchester
não é nada mais que o estrangulamento (necked down) do estojo do 308
Winchester. O 243 é provavelmente o calibre com mais rifles fabricados que
os outros, com possível exceção para o 30-06 Springfield. Todos os
fabricantes de rifles oferecem modelos neste calibre.

Estojo
243 Win POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .473
Largura da base da virola .470
Altura do RIM .055
Altura até o ombro 1.553
Angulo do ombro 19º 55'

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 36 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

243 Win POL MM


Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Altura total da cápsula 2.045
Altura total da munição 2.65
Largura do Ombro .455
Largura do pescoço .276
Case trim length 2.035

Calibre 25-06 Remington

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
Polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
.257 120 2990 2382
Histórico : Durante os anos 20, um grande número de wildcatters (armeiros,
pesquisadores entusiastas) trabalharam com estojos .30-06 Springfield,
estrangulando (case necked down) para .257". Os nomes de poucos são o .25
Niedner, o .25 Griffen & Howe e o .25 Whelen. Todos similares em
capacidade de pólvora e todos com ganho com as variedades de pólvoras de
queima lenta. O 25-06, originalmente um cartucho wildcat, foi adicionado pela
Remington a sua linha comercial em 1969. A versão wildcat datas de depois
de 1920, quando foi desenvolvido por A. O. Niedner. A Remington optou pelo
simples estrangulamento (necking down) do estojo 30-06. A serie Remington
Model 700 (bolt action) foi a primeira a oferecer rifles neste calibre. Hoje a
Remington, Interarms, Ruger, Savage, Winchester, Weatherby, Sako e muitos
outros fabricantes de rifles de ferrolho tem uma versão em 25-06. Desde que
foi introduzido comercialmente o 25-06 Remington é um dos mais populares.

Estojo
25-06 Rem POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .473
Largura da base da virola .470
Altura do RIM .05
Altura até o ombro 1.94

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 37 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

25-06 Rem POL MM


Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Angulo do ombro 17.06°
Altura total da cápsula 2.494
Largura do Ombro .441
Largura do pescoço .290

Calibre 25-20 Winchester

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
Polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
.257 86 2400 620

Histórico: O 25-20 Winchester Center Fire (WCF) foi desenvolvido para ações
curtas do rifle Winchester Model 1892 (lever action). Foi uma versão em
repetição do velho 25-20 single shot (tiro único), mas baseado no
estrangulamento (necked down) do 32-20 WCF. Existem diferentes opiniões
sobre quando foi à introdução. Algumas autoridades dizem 1893, outras 1895.
De qualquer forma, ele foi adotado rapidamente pela maioria dos fabricantes
de armas e considerado um cartucho popular. O rifle Winchester 1892 (lever
action) e modernamente o Model 65, o Remington Model 25(slide action),
Marlin 27 (slide action) e 94 (lever action) e o Savage Model 23 (bolt action),
tiveram/tem versões fabricadas em 25-20 WCF. A Marlin reintroduziu o 25-20
WCF o seu Model 1894CL (lever action).

Estojo
25-20 Win POL MM
Garrafa, com Aro - Rimmed Bottle Neck
Largura da base .408
Largura da base da virola .349

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 38 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

25-20 Win POL MM


Garrafa, com Aro - Rimmed Bottle Neck
Altura do RIM .065
Altura até o ombro .854
Angulo do ombro 13.10°
Altura total da cápsula 1.33
Largura do Ombro .334
Largura do pescoço .273

Calibre 25-35 Winchester


(25-35 WCF e 6,5x52R )

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
.257 117 2230 1292

Histórico: Desenvolvido em 1895 pela Winchester, para sua carabina modelo


1894, o 25-35 Win, foi logo suplantado pelo seu irmão o 30-30 Win, que
possuía uma balística superior. Assim caindo na preferência do caçador
americano. Entretanto muitos caçadores europeu, que tem uma característica
diferente o adotou, principalmente para suas armas combinadas, um cano liso
e outro raiado.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 39 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Estojo
25-35 Win POL MM
Garrafa, com Aro - Rimmed Bottle Neck
Largura da base .506
Largura da base da virola .422
Altura do RIM .063
Altura até o ombro 1.475
Angulo do ombro 8.93°
Altura total da cápsula 2.043
Largura do Ombro .325
Largura do pescoço .281

Calibre 257 Roberts

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
.257 117 2650 1824

Histórico: A versão comercial do 257 Roberts foi liberada pela Remington em


1934 quando lançou seu rifle Model 30 (bolt action). Ele foi rapidamente
copiado pela Winchester para seu Model 54 e mais tarde para o seu Model 70.
O Remington 722 (bolt action) e o modelo 760 (slide action) foram também
oferecidos em calibre 257. Em anos recente muitos fabricantes americanos tem
descontinuado, apenas a Ruger oferece em seu Model 77(bolt action). O
cartucho original foi desenvolvido por N.H. Roberts (um conhecido

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 40 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
"experimentador" e escritor de armas durante o anos 20 e 30) e foi
baseado no estrangulamento do estojo do 7 x 57 Mauser (necked down).
Remington trocou o angulo do ombro do cartucho de 15° para 20°. O nome do
cartucho foi mantido em homenagem ao desenvolvedor original. Rifles
customizados eram feitos por Niedner Rifle Co. por volta de 1928.

Winchester Super X (semi-auto)

Veado Americano (White Tail): Necessita de um cartucho de médio poder de


parada. Nesta foto vemos algo interessante, o uso de uma arma de antecarga
(carregada pela boca)

Estojo
257 Roberts POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .467
Largura da base da virola .467
Altura do RIM .048
Altura até o ombro 1.735
Angulo do ombro 18.73°
Altura total da cápsula 2.221
Largura do Ombro .423

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 41 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

257 Roberts POL MM


Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura do pescoço .284

Fuzil Sueco Ljungman AG-42

Calibre 6,5x55 mm Sueco


(6,5x55mm Swedish Mauser, 6,5 Swedish)
e 6,5 Norwegian)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
264 140 2789 2630
Histórico: O 6.5 Sueco é um calibre militar desenvolvido para o exército Sueco
em 1894 e adotado pela Suécia e Noruega. Esteve operacional até após a 2ª
Guerra Mundial. Na Escandinávia este calibre ainda é muito utilizado pelos
caçadores. Quando milhares de Mauser Suecos foram exportados para o USA,
pela décadas de 50/60, muitos caçadores americanos consideraram, o calibre,
como uma fina munição de média capacidade. E como a grande
disponibilidade destas armas e munições vendidas pelos Surplus, sua
aceitação foi muito boa. A conservação dos fuzis militares pelos sueco era
excelente. Ainda hoje o 6.5 x 55mm é uma munição extremamente popular
entre os caçadores, sendo que na Europa e USA muitos fabricantes de rifle e
munição os produzem. Os escandinavos o consideram um calibre potente para
o seu tipo de caça, como o alce por exemplo. Ele arremessa um projétil de 139
grain a uma velocidade de 2800 fps e um de 156 grain a 2500 fps.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 42 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Javali Africano

Estojo
6.5x55 mm POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .476
Largura da base da virola .476
Altura do RIM .060
Altura até o ombro 1.684
Angulo do ombro 24º 84'
Altura total da cápsula 2.165
Altura total da munição 3.03
Largura do Ombro .435
Largura do pescoço .297
Case trim length 2.150
Max case length 2.160

Mule Deer

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 43 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Ruger 77 MKII

Calibre 270 Winchester

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
.277 100 3480 2689
Histórico : O .270 Winchester foi desenvolvido em 1925. Introduzido
inicialmente pelo rifle Model 54 e depois no Model 70, logo cada fabricante de
rifle começou oferecer versões de diferentes mecanismos como ferrolho(bolt
actions), Tiro único(single shots), trombone(slide actions) e semi-auto. Só o
.30-06 é mais popular entre os caçadores, que o .270 Winchester para a caça
grossa. O .270 Winchester oferece uma precisão excelente nos rifles da ação
de ferrolho, uma trajetória tensa, um alcance longo e um recuo (coice) tolerável
para os mais inexperientes atiradores. Muito utilizado na caça aos antílopes
africanos e nos animais velozes.

Estojo
270 Win POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .476
Largura da base da virola .476
Altura do RIM .060

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 44 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

270 Win POL MM


Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Altura até o ombro 1.684
Angulo do ombro 24º 84'
Altura total da cápsula 2.165
Altura total da munição 3.03
Largura do Ombro .435
Largura do pescoço .297
Case trim length 2.150
Max case length 2.160

Calibre 270 Weatherby Magnum

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
.277 150 3124 3246

Histórico: Desenvolvido por Roy Weatherby em 1943, basicamente


estrangulando um estojo de .300 H&H para .277, este calibre não alcançou a
popularidade do 7mm Wby Mag ou do 300 Wby Mag. Com uma trajetória
tensa, alta velocidade e grande poder de parada longas distâncias o 270 Wby
Mag é excelente para caça nas grandes planícies americanas e africanas.

Estojo
270 Wby Mag POL MM
Garrafa, Cinturado -Belted Bottle Neck
Largura da base .473
Largura da base da virola .470
Altura do RIM .049
Altura até o ombro 1.949
Angulo do ombro arredondado

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 45 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

270 Wby Mag POL MM


Garrafa, Cinturado -Belted Bottle Neck
Altura total da cápsula 2.54
Largura do Ombro .441
Largura do pescoço .308

Weatherby Mark V® Ultra Lightweigh

Calibre 280 Remington


(7mm Express Remington)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
.284 175 2820 2913

Histórico: Durante os anos 40, engenheiros da Remington começaram o


desenvolvimento de dois calibres 7mm baseados em estojos de .30-06 Sprg e
de .300 H&H Magnum. Ambos os projetos ficaram parados durante a 2ª Guerra
e só voltaram em 1957, quando a Remington introduziu o .280 no seu rifle
Model 740 semi-auto. Logo no ano seguinte com a introdução do Model 725
(bolt action), este já teve na sua lista de opções. O .280 Remington é
basicamente o angulo do ombro do cartucho .30-06 movido para frente para
evitar acidentes com a colocação errônea do cartucho .270 Win, muito parecido
visualmente. Em 1979, a Remington trocou o nome para 7mm Remington
Express. A troca do nome provocou muita confusão, assim pouco anos depois
voltou à designação original.

Estojo
280 Rem POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .473

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 46 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

280 Rem POL MM


Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base da virola .470
Altura do RIM .049
Altura até o ombro 1.999
Angulo do ombro 17.48°
Altura total da cápsula 2.54
Largura do Ombro .441
Largura do pescoço .315

Calibre 284 Winchester

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
284 154 2860 2724

Histórico: O .284 Winchester é um dos muitos cartuchos que deveriam ter tido
um sucesso estrondoso, mas não o teve. Introduzido pela Winchester em 1963,
o .284 foi desenvolvido para se posicionar entre as performances do .270
Winchester e o .280 Remington nos novos rifles Model 100 (semi-auto) e
Model 88 (alavanca). Para se posicionar entre as performances destes
cartuchos, os engenheiros da Winchester desenvolveram um estojo com aro
rebatido e um diâmetro largo como se fosse um estojo cinturado (não o sendo).
O resultado final foi um 7mm (.284) com o mesmo tamanho de um .308 Win
(7,62x51mm) com a mesma capacidade de um .270 Winchester e .280
Remington e uma desempenho entre estas três munições. Em algum tempo a
Savage Model 99 era oferecida neste calibre bem como a Ruger produzia seu
Model 77. Para caça em campo aberto de veados e antílopes, o .284 Win pode
arremessar um projétil de 130 grain a uma velocidade de 3100 fts, com
trajetória tensa, com precisão em um rifle de ação curta. Apesar disso não é
um calibre popular.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 47 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Elk ou Waitipi.

Estojo
284 Win POL MM
Garrafa, rebatida - Rebated Bottle Neck
Largura da base .473
Largura da base da virola .500
Altura do RIM .054
Altura até o ombro 1.775
Angulo do ombro 35.16°
Altura total da cápsula 2.17
Largura do Ombro .475
Largura do pescoço .320

Rifle Winchester mod 94

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 48 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 6mm Remington


(244 Remington)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
243 100 3130 2175

Histórico: Os engenheiros da Remington quando desenvolveram o .244, tinham


como objetivo primário um cartucho de alta desempenho e velocidade para
varmint e por isso decidiram que o projétil teria no máximo o peso de 90 grain.
Isso não foi exatamente o que veio a acontecer, pois após vários testes com
muitos pesos de projéteis e o ótimo desempenho do .257 Roberts com projéteis
de 75 grain para varmint e 90 para o veado, foi modificado os passes do
raiamento dos rifles para 1-12" obtendo uma desempenho excelente. Por
cerca de 1960, Remington iniciou o raiamento de todos os canos de calibre
.244" com passe de1-9". Em 1962 quando o Model 700 foi introduzido no
mercado, o único calibre disponível era o .243 Winchester, mas durante os
anos seguintes a Remington reintroduziu no mercado o .244 Remington
mudando seu nome para 6mm Remington.

Estojo
6mm Rem POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .472
Largura da base da virola .471
Altura do RIM .05
Altura até o ombro 1.708
Angulo do ombro 24°
Altura total da cápsula 2.233
Largura do Ombro .431
Largura do pescoço .276

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 49 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Fuzil Japonês Arisaka Type 38

Calibre 6,5x50mm Arisaka


(6,5mm Japonês e 6,5x51mm Arisaka)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
264 140 2428 2280

Histórico: O cartucho 6.5 x 50mm foi introduzido em 1897 e serviu aos


militares japoneses até a 2ª Guerra mundial. Ambos, os fuzis Model 1905 e
seu sucessor o Model 99 Arisaka, foram fabricados neste calibre. O 6.5 x
50mm cartucho militar era carregado com projétil de 139 grain e obtinha a
velocidade de 2500 fps em um cano de 32".

Estojo
6,5x50mm Arisaka POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .466
Largura da base da virola .447
Altura do RIM .05
Altura até o ombro 1.531
Angulo do ombro 20.55°
Altura total da cápsula 1.984
Largura do Ombro .417
Largura do pescoço .288

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 50 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

6.5mm Carcano M91 Moschetto da Cavalleria (Mosquetão de Cavalaria)

Calibre 6,5x52mm Mannlincher-Carcano


(6,5 Carcano e 6,5 Italiano)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
264 156 2000 1810
Histórico: O 6,5x52mm Carcano, foi um cartucho militar italiano, desenvolvido
para seu fuzil Modelo 1891, pela Pirotechnia di Bologna em 1891. Este com o
exército italiano nos dois conflitos mundiais, no inicio de 1938 esteve para ser
substituído pelo 7,35mm Carcano, porém a 2ª Guerra começou sem que fosse
efetivada a substituição. Após a 2ª Guerra fuzis Manlincher-Carcano neste
calibre inundaram os War Surplus americanos, sendo vendidos muito barato. O
fato interessante deste conjunto, fuzil/munição, é que foi o usado por Lee H.
Oswald no assassinato do presidente JFK.

Estojo
6,5 Carcano POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .449
Largura da base da virola .446
Altura do RIM .04
Altura até o ombro 1.618
Angulo do ombro 22.49°
Altura total da cápsula 2.065
Largura do Ombro .425
Largura do pescoço .295

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 51 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 7x57 mm (Mauser)


(7x57 mm Mauser, 7mm Mauser e 275 Rigby)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
284 175 2440 2313

Histórico : Introduzido em 1893 no fuzil Mauser Model 1892, o 7 x 57mm e


depois no Mauser 93, para nós 1894, fuzil adotado pelo governo espanhol para
uso militar. Foi desenvolvido por Paul Mauser para seus rifles e fuzis e
fabricado inicialmente pela DWM. Na Guerra Hispano-Americana, em 1898,
quando os americanos usando o seu recém adotado fuzil Krag em 30-40, seu
primeiro fuzil em pólvora sem fumaça, tiveram dificuldades em relação ao
alcance precisão. Eles reconheceram o excelente desempenho das tropas
espanholas no uso do fuzil Mauser com a munição 7x57mm. Logo após o
conflito, em 1903, adotaram o fuzil Springfield em calibre 30-03 inicialmente e
em 1906 mudaram para o venerável 30-06 Springfield que conhecemos hoje. O
Fuzil Springfield foi uma cópia do Mauser, isto levou a uma disputa jurídica
internacional onde os USA teve que indenizar os donos da patente. Foi
adotado por vários paises como o Uruguai, México, Espanha, Chile e outros.
Como aconteceu com os Mauser Sueco, milhares de velhos fuzis foram
importados para os Surplus, principalmente da América do Sul onde o 7 x
57mm foi largamente usado. Comprado a preços baratos, mesmo em má
conservação os armeiros utilizavam a excelente ação para customizar novos
rifle. No Brasil este calibre foi usado como o oficial, desde a virada do século
XIX até a 2ª Guerra quando passamos a utilizar o 30-06 Sprg comum aos
aliados americanos dos quais recebíamos a logística de armamentos. Assim
ele foi passado como um calibre de segunda linha, sendo repassado aos Tiros
de Guerra e forças secundárias (PM e Bombeiros). Hoje, apesar de não ser um
calibre muito popular como o 30-06 Sprg, continua em linha comercial, tanto
nos USA, como mais particularmente na Europa, em fabricação tanto em rifles
como munição.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 52 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Veado Americano (Black Tail)

Estojo
7x57 mm POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .473 12,01
Largura da base da virola .471 11,96
Altura do RIM .049
Altura até o ombro 1.752
Angulo do ombro 21º 04'
Altura total da cápsula 2.235 56,77
Altura total da munição 3.02
Largura do Ombro .431
Largura do pescoço .320 8,13
Case trim length 2.225

Fuzil Mauser do Contrato Brasileiro 1908 – FO 908

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 53 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 7mm Remington Magnum

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
284 175 2860 3178

Histórico: Existe um numero grande de pessoas que reenvidicam o credito do


7mm Remington Magnum. Havia Warren Page que tinha muitos amigos na
Remington e que contou com um wildcat chamado 7mm Mashburn Super
Magnum em muito dos seus artigos sobre caça. Havia Les Bowman que
também tinha muitos amigos na Remington que alargou (necked up) um estojo
de .264 Winchester Magnum para 7mm e teve um rifle construído para o
calibre chamado .280 Remington Magnum. O nome de Jack O'Connor
provavelmente deveria ser o principal da lista pois baseado num estojo de .275
H & H Magnum despertou o interesse de Bowman nos cartuchos 7mm
magnum. Por muitos anos após ser lançado em 1962, a Remington não
consegui atender a demanda de consumo para seus Model 700 neste calibre.
Quando carregado com um projétil spitzer de 140 grain, o 7mm Remington
Magnum é poderoso com uma trajetória, mas para a caça de animais mais
pesados como um alce ou elk uma ponta de 160 grain com uma velocidade de
3000 fps é mais aplicável.

Grande Veado Americano (Elk ou Waitipi): Necessita de um calibre de poder


de parada de um 30-06 Sprg no mínimo.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 54 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Estojo
7 mm Rem Mag POL MM
Garrafa, cinturado - Belted Bottle Neck
Largura da base .532
Largura da base da virola .513
Altura do RIM .05
Altura até o ombro 1.993
Angulo do ombro 20.55°
Altura total da cápsula 2.500
Largura do Ombro .492
Largura do pescoço .315

Calibre 7mm TC/U


(7mm/223 Remington)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
284 130 1885

Histórico: Desenvolvido por Wes Ugalde, um armeiro de Nevada, para a


Thompson Center. Foi baseado no alargamento do estojo do.223 Rem para
.284”, o 7mm TC/U é dos mais populares cartuchos para o tiro de pistolas em
Silhueta Metálica a distância de 200 jardas.

Estojo
7mm TC/U POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .378
Largura da base da virola .376
Altura do RIM .045
Altura até o ombro 1.45
Angulo do ombro 40°
Altura total da cápsula 1.76
Largura do Ombro .369
Largura do pescoço .310

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 55 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 7mm/08 Remington


(7mm/308 Winchester)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
284 140 2860 2542

Histórico: O 7mm-08 foi introduzido nos rifle Remington Model 788 e Model
700 em 1980. Na fabrica rifles com 18-1/2" e 24" de cano, com cargas de
fabrica, com projéteis de 140 grain, alcançavam velocidades de 2750 a 2800 e
2900 fps respectivamente. O momento da Remington introduzir o 7mm-08 foi
muito bom. Quando muito caçadores ocidentais tendiam para o uso de rifle em
ação curta e com um calibre em potência equivalente a uma classe de 30-30
Win. Em adicional a caça grossa, o 7mm-08 também é usado em competições
de Silhueta Metálica (armas longas e curtas) e de benchrest.

Antílope (Prhognhorn)
Estojo
7mm/08 Rem POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .473
Largura da base da virola .470
Altura do RIM .05
Altura até o ombro 1.54
Angulo do ombro 19.39°

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 56 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

7mm/08 Rem POL MM


Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Altura total da cápsula 2.01
Largura do Ombro .440
Largura do pescoço .314

Calibre 7x57R mm
(7x57R Mauser)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
Polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
284 139 3000 2570

Histórico: Este cartucho é basicamente uma versão com aro do estojo do


7x57mm. Tem o mesmo desempenho balístico. Devemos lembrar aqui a
diferença entres os caçadores americanos e europeus. O americano quando
sai a caça vai com um intuiuto especifico, caça pequena, grande ou dangerous
games. Já o europeu quando vai à caça, não possui a grande diversidade de
animais do continente americano, assim a maioria de suas armas de caça são
do tipo combinado, ou seja possui um cano raiado para munições de fuzil e
outro liso para munições de espingarda. Neste tipo de arma os cartuchos com
aro funcionam bem melhor.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 57 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Drilling

Estojo
7x57R POL MM
Garrafa, com Aro - Rimmed Bottle Neck
Largura da base .521
Largura da base da virola .470
Altura do RIM .055
Altura até o ombro 1.725
Angulo do ombro 19.65°
Altura total da cápsula 2.23
Largura do Ombro .420
Largura do pescoço .320

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 58 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 7x64 mm Brenneke

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
284 140 3000 1980
Histórico: Desenvolvido na Alemanha por Wihelm Brenneke em 1916, como
um cartucho de caça destinado aos rifles ferrolho de ação Mauser.

Porco Selvagem

Estojo
7x64 Brenneke POL MM
Garrafa, com Aro - Rimmed Bottle Neck
Largura da base .470
Largura da base da virola .466
Altura do RIM .051
Altura até o ombro 2.03
Angulo do ombro 20.47°
Altura total da cápsula 2.52
Largura do Ombro .425
Largura do pescoço .313

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 59 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Mosquetão Carcano M38 calibre 7.35mm

Calibre 7,35mm Carcano


(7,35 Italian e 7,35 mannlincher Carcano)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
300 145 2550
Histórico: Desenvolvido e adotado pela Itália em 1938 para substituição do 6,5
mm Carcano em uso desde 1891. Mas o início da 2ª Guerra, provocou
problemas logísticos que impediram o rearmamento das forças armadas
italianas. Assim o 6,5 Carcano, foi revivido por sua disponibilidade, ficando o
7,35 prejudicado, mas mesmo assim ele chegou a participar de algumas
frentes de batalha.

Estojo
7,35 mm Carcano POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .449
Largura da base da virola .445
Altura do RIM .05
Altura até o ombro 1.70
Angulo do ombro 29.90°
Altura total da cápsula 2.01

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 60 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

7,35 mm Carcano POL MM


Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura do Ombro .420
Largura do pescoço .323

Calibre 7,5 Swiss


(7,5 mm Schmidt Rubin e 7,5x55 Schmidt Rubin M90/03)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
308 180 2650 2441

Histórico: Cartucho adotado pelas força armadas da Suíça em 1889, sendo


usado nos seu quatro modelos de fuzil oficial o 1889, o 1896/11. o 1911 e o 31.
Estes fuzis tinham uma característica peculiar, sua ação era a do tipo straight
pull, seu manuseio era de puxar e não de destrave/puxar como uma ação
Mauser convencional. Sua balística é muito semelhante a do .308 Win
(7,62x51mm). Foi o calibre oficial até recentemente, quando foi substituído pelo
5.56mm.

Fuzil Suíço K31 em calibre 7,5x55mm.

Estojo
7,5 Swiss POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .495
Largura da base da virola .493
Altura do RIM .06

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 61 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

7,5 Swiss POL MM


Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Altura até o ombro 1.75
Angulo do ombro 29.46°
Altura total da cápsula 2.14
Largura do Ombro .45
Largura do pescoço .337

Calibre 7,5 MAS


(7,5x53,5 French MAS e 7,5x54 M29 French)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
308 150 2680
Histórico: Adotada pela França em 1929 em substituição ao 7,5x58mm. É na
realidade o mesmo reduzido em 4mm. Tem um desempenho semelhante ao
.308 Win.
Estojo
7,5 MAS POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .482
Largura da base da virola .480
Altura do RIM .05
Altura até o ombro 1.69
Angulo do ombro 26.79°
Altura total da cápsula 2.11
Largura do Ombro .441
Largura do pescoço .340

Fuzil Francês MAS 36

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 62 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 30 Carbine
(30 M1 Carbine e 7,62x33 mm)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
Polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
308 110 1990 967
Histórico: Introduzido em 1940 especificamente para a carabina M1, uma nova
idéia de arma de 2ª linha desenvolvida pelo exercito americano, uma arma
leve, de fácil manuseio, semi-auto, mais efetiva que uma pistola e mais portável
que o fuzil M1 Garand. A munição arremessava um projétil de 110 grais a uma
velocidade de 1975 fps. Teve um grande uso na 2ª Guerra sendo considerada
um grande desenvolvimento, porém logo após, já na guerra da Coréia (década
de 50), algumas até modificadas de semi para automáticas, não teve o mesmo
sucesso. A munição não tinha o mesmo poder de perfuração nas grossas
camadas das roupas de inverno. Apos a 2ª Guerra milhares de carabinas M1
foram vendidas ao público pelo exercito americano, com isso alcançando uma
inigualável popularidade, varias forças policiais aderiram ao equipamento
disponível e barato. É uma excelente calibre para javalis e alguns varmints
como coiotes e etc. É muito usada no tiro informal.

Carabina M2

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 63 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Estojo
30 M1 POL MM
Cônico, sem Aro - Rimless Straight
Largura da base .360 9.14
Largura da base da virola .356 9.04
Altura do RIM .05
Altura total da cápsula 1.29 32.77
Altura total da munição 1.68 42.67
Largura do pescoço .336 8.53
Tamanho Min Cartucho 1.625
Case trim length 1.280

Fuzil Russo AK-47

Calibre 7,62x39 mm
(7,62x39 (M43), 7,62mm Russian Short e 7,62mm
Kalashnikov)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
310 125 2320 1493
Histórico: Desenvolvido para uso militar pela Rússia em 1943, o 7.62 x 39mm
é o mais popular calibre de fuzil de assalto do mundo. De trinta a cinqüenta

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 64 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
milhões de fuzis Kalashnikov devem ter sidos manufaturados por
cerca de dúzias de paises, sendo usado por mais 55 nações maiores ou
menores o tem em uso oficialmente. Quando a Rússia adotou sua nova versão
chamada de 5.45 x 39mm, falava-se que levaríamos muito tempo até vermos o
ultimo 7.62 x 39mm. O 7.62 x 39mm é também o pai dos cartuchos .220
Russian, .22 PPC, e 6mm PPC. O diâmetro padrão do projétil do 7.62 x 39mm
é .311", e muitas fabricas o fazem neste padrão, com exceção da Ruger no
modelo Mini-30, o primeiro fabricante comercial americano a produzir com o
diâmetro .308". Esta características permite que se disparem munições em
ambos os diâmetros de .308" e .311". Muitos dizem que o 7.62 x 39mm é
igual a um 30-30 Win, isso não é bem a verdade pois o espectro de peso de
projéteis que o 30-30 é maior alcançando até 170 grain

Carabina Russa SKS em calibre 7,62x39mm.


.
Estojo
7.62x39mm POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .443
Largura da base da virola .441
Altura do RIM .058
Altura até o ombro 1.205
Angulo do ombro 15º 82'
Altura total da cápsula 1.519
Altura total da munição 2.19
Largura do Ombro .389
Largura do pescoço .334
Case trim length 1.520
Max case length 1.525

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 65 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre7,62x54R Russian
(7,62mm Russian. 7,63x53R e 7,62mm Mosin-Nagant
M91)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
308 180 2624 2415

Fuzil Russo Mosin-Nagant M 38

Histórico: Este cartucho militar foi desenvolvido para o exército do Czar russo
em 1891 para o seu fuzil Mosin-Nagant 1891. Lutou na maioria dos conflitos
em que os russos estiveram envolvidos até a década de 50. No conflito do
Vietnã atuou como calibre de sniper para os vietcongs no velho fuzil Mosin-
Nagant. Sua balística é muito semelhante a do .308 Win (7,62x51mm).

Estojo
7,62x54R POL MM
Garrafa, com Aro - Rimmed Bottle Neck
Largura da base .570
Largura da base da virola .489
Altura do RIM 0.65
Altura até o ombro 1.545
Angulo do ombro 21.48°
Altura total da cápsula 2.05

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 66 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

7,62x54R POL MM
Garrafa, com Aro - Rimmed Bottle Neck
Largura do Ombro .458
Largura do pescoço .336

Fuzil Russo Dragunov SVD em calibre 7,62x64R.

Calibre 30-30 Winchester


(7,62x51R)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
308 150 2390 1902

Histórico: O 30-40 Krag foi o primeiro calibre de pólvora sem fumaça avaliado
para rifles esportivos, porém o 30-30 Winchester o primeiro cartucho
especialmente desenvolvido, em pólvora sem fumaça, para a caça grossa.
Quando introduzido em 1895 para a carabina de alavanca Winchester Model
94, o 30-30 não adquiriu grande popularidade. Com o tempo sua trajetória
tensa, seu recuo médio e efetiva potência para abater veados ele se tornou
muito popular. Hoje com mais de 100 anos de mercado o 30-30 Win continua
firme na preferência popular.

Carabina Marlin 336A

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 67 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Estojo
30-30 Win POL MM
Garrafa, com Aro - Rimmed Bottle Neck
Largura da base .506 12.85
Largura da base da virola .421 10.72
Altura do RIM .062 1.60
Altura até o ombro 1.440 36.57
Angulo do ombro 15º 39'
Altura total da cápsula 2.039 51.79
Altura total da munição 2.55 64.77
Largura do Ombro .401 10.18
Largura do pescoço .330 8.38
Tamanho Min Cartucho 2.450
Case trim length 2.029
Max case length 2.039 51.79

Fuzil Springfield 1903 A3 em calibre 30-06 Sprg.

Fuzil Krag-Jorgensen 1896, em calibre 30-40 Krag

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 68 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 30-40 Krag


(30 Krag-Jorgensen e 30 US Army)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
308 180 2430 2360

Histórico: Hoje não poderíamos classificar o .30-40 Krag como um calibre


pequeno (small bore), mas quando o governo Americano substituiu pelo então
oficial .45-70 em 1892, ele foi considerado um calibre pequeno. Como a
maioria dos calibres adotados pelo governo Americano, o .30-40 ganhou
grande popularidade para o “big game” mesmo após ter sido substituído pelo
30-03 em 1903. E isso tem uma boa razão, pois basicamente tanto o .30-40
Krag e mais tarde o .300 Savage tem balísticas praticamente idênticas. Claro
que o fato dos Surplus de guerra venderem os fuzis Krag-Jorgensen para os
atiradores civis por $1.50 não afetou a popularidade do .30-40. Um grande
numero de rifles esportivos foram fabricados no calibre.30-40, incluindo o
Winchester Model 1895 (lever action), Winchester Model 1885 (single shot),
Remington-Lee (bolt action) e o Remington Rolling Block (single shot). O único
rifle moderno fabricado em .30-40 Krag foi o Ruger No. três (single shot)
durante os anos 70. Este calibre com um projétil de 150 grain e uma velocidade
de 2500 fps poderoso para abater um veado e com um projétil de 180 grain e
velocidade de 2300 fps e excelente para alce ou elk até uma distancia de 150
jardas.

Estojo
30-40 Krag POL MM
Garrafa, com Aro - Rimmed Bottle Neck
Largura da base .545
Largura da base da virola .457
Altura do RIM .063

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 69 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

30-40 Krag POL MM


Garrafa, com Aro - Rimmed Bottle Neck
Altura até o ombro 1.79
Angulo do ombro 34.69°
Altura total da cápsula 2.24
Largura do Ombro .428
Largura do pescoço .338

Calibre 300 Savage

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
308 150 2630 2303
Histórico: Foi lançado pela Savage no mercado por volta de 1920 nos rifles
Model 99 (lever action) e Model 20 (bolt action), o .300 Savage é um dos
maiores cartuchos para veados de todos os tempos, com um poder maior que
o maior que os calibres da linha do 30-30 Win. Também tem excelente
desempenho para caças maiores como o alce e o elk (tipo grande de veado
americano). O estojo do .300 Savage foi muito criticado por ter um pescoço
curto assim tendo problemas de recarga com projéteis pesados e longos como
de 220 grain em relação à pressão gerada. Nos tempos idos quando o .300
Savage foi um dos mais populares cartuchos. nestes dias bastava-se dizer que
se tinha um ".300" para se saber que estava se referindo ao Savage. O .300
Savage também foi muito usado nos "big game", caça pesada como leões e
tigres.
Estojo
300 Savage POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .473
Largura da base da virola .471
Altura do RIM .049
Altura até o ombro 1.56
Angulo do ombro 24.80°

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 70 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

300 Savage POL MM


Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Altura total da cápsula 1.871
Largura do Ombro .449
Largura do pescoço ..339

Urso Negro (Black Bear)

Elk ou Waitipi

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 71 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 300 Weatherby Magnum

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
308 180 3100
Histórico: O .300 Magnum não foi o primeiro cartucho desenvolvido por Roy
Weatherby e ele é o mais popular da linha Weatherby. No começo, todos os
cartuchos Weatherby eram cuidadosamente carregados pelos seus usuários,
não existia produção em fabrica. Durante os anos 40 Weatherby iniciou a
produção desta munição na Califórnia e em 1958 a Norma começou a produzir
toda munição Weatherby. Em adicional, alem da própria Weatherby outros
fabricantes de rifles como a Remington no Model 700, Winchester no Model
70, Ruger No. 1 e vários outros europeus disponibilizaram modelos em .300
Weatherby Magnum. O .300 Weatherby Magnum é um excelente cartucho e
considerado por muitos experientes caçadores como ideal para o elk, alce e o
lager (antílope africano de longa distancia). Para os terrenos planos ou
montanhas a caça do veado grande, poucos cartuchos tem a trajetória tão
tensa como .300 Magnum. O .300 Weatherby Magnum também é o favorito dos
atiradores de Benchrest de 1000 jardas. Sua precisão é inerente neste
cartucho, é possível se colocar dez disparos em um minuto do angulo
(grupamento) a uma distancia de 10 campos de futebol. O .300 Weatherby
com sua alta velocidade, trajetória tensa é uma excelente opção caça do veado
principalmente com um projétil de 180 grain que gera uma menor perda de
carne da peça. Para o alce ou elk um projétil de 200 grain a uma velocidade de
3000 fps é fatal. Seu recuo (coice) é considerável mesmo para atiradores
experientes.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 72 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Estojo
300 Wby Mag POL MM
Garrafa, Cinturado - Belted Bottle Neck
Largura da base .530
Largura da base da virola .511
Altura do RIM .05
Altura até o ombro 2.32
Angulo do ombro Arredondado
Altura total da cápsula 2.82
Largura do Ombro .490
Largura do pescoço .332

Oryx (grande antilope africano): Caçado pelo presidente da Namibia.

Remington XR-100

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 73 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 300 Winchester Magnum

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
308 180 3066 3755

Histórico: De todos os cartuchos desenvolvidos para o "varmint" e "big game"


e introduzido pela Winchester, em 1963, o .300 Winchester Magnum é um dos
cinco de maior sucesso. Só os cartuchos .243, .270, .30-30 e .308 Winchester
são mais populares. Isto é dito quando levamos em consideração outros como
os .22 Hornet, .218 Bee, .220 Swift, .225 Winchester, .307 Winchester, .338
Winchester Magnum, .348 Winchester, .356 Winchester, .358 Winchester e
.375 Winchester todos eles nascidos com a estampa da WW. Apesar de
existirem vários calibres disponíveis para os caçadores americanos, só o 7mm
Remington Magnum é mais popular que o .300 Winchester Magnum. O calibre
.300 Winchester Magnum possui um recuo (coice) considerável, sendo
necessário escolher seus acessórios, tipo miras óticas, bem resistentes. Muitos
caçadores que usam o .300 para a caça do veado e do antílope preferem um
projétil de 150 grain, mas o de 180 grain spitzer é melhor com trajetória tensa e
menos destruição. Para um único tiro para o alce ou elk o projétil de 200 grain
com uma velocidade 2984 fps é mais efetivo.

Grande Kudu (antílope africano) : Necessita de um calibre de trajetória tensa e


poder de parada.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 74 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Estojo
300 Win Mag POL MM
Garrafa, Cinturado - Belted Bottle Neck
Largura da base .532
Largura da base da virola .513
Altura do RIM .05
Altura até o ombro 2.214
Angulo do ombro 28.15°
Altura total da cápsula 2.620
Largura do Ombro .491
Largura do pescoço .339

Calibre 303 British


(303 MkII e 7,7x56mm Enfield)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
312 180 2460 2418

Histórico: O 303 British foi o cartucho militar oficial do Império Britânico quando
adotado em 1888, até ser substituído pelo 7.62 NATO na década de 50.
Originalmente desenvolvido para a pólvora negra, com um projétil de 215 grain.
O .303 British foi carregado com um propelente sem fumaça chamado cordite
por volta de 1892. O .303 serviu as forças militares Britânica até os anos 50 e
foi um cartucho extremamente popular para o "big game". Nas mãos de
fazendeiros e nativos, este calibre como longo projétil de .311" deve ter abatido
mais caça africana que qualquer outro. Hoje o .303 British continua popular no
Canadá. A fabricação nos USA começou em 1897. A Remington ofereceu seu
rifle Lee (bolt action) e a Winchester no seu Model 95 (lever action) neste
calibre. Quando carregado com um projétil de 150 grain spitzer a 2700 fps, o
.303 British é mortal para o veado, certeiro e rápido como o .308 Winchester.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 75 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Fuzil Britânico Enfield SMLE No.4 Mk.1

Estojo
303 British POL MM
Garrafa, com aro - Rimmed Bottle Neck
Largura da base .525
Largura da base da virola .451
Altura do RIM .06
Altura até o ombro 1.786
Angulo do ombro 14.61°
Altura total da cápsula 2.207
Largura do Ombro .393
Largura do pescoço .332

Calibre308 Norma Magnum

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
308 180 2980

Histórico: Existem muito poucas diferenças de desempenho entre os calibres


.30 magnum, não há explicação por não se ouvir mais sobre a versão Norma.
Mas nem sempre foi assim. Nos anos 60 quando a Norma começou a
distribuição de estojos sem espoleta, ferramentas para elaboração de câmaras
de rifles (chamber reamers e chamber drawings) para os armeiros americanos,
seu futuro parecia brilhante. Até a algum tempo o .300 Weatherby e o .300
H&H eram os únicos calibres .30 magnum disponíveis no mercado, e seus
rifles customizados das baratas ações dos Mauser 98 ou Springfield 1903
vendidos pelo correios (até a década de 60) em sua época de ouro. Em

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 76 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
adicional a Winchester lançou seus short magnums em calibres
.338 and .458 estavam começando seu caminho de sucesso. Assim, o
pequeno .30 Norma se encaixou no esquema das coisas. Por algum tempo o
futuro do cartucho sueco parecia promissor, mais então veio o .300 Winchester
Magnum. Hoje logicamente não existe nenhuma razão de existir um rifle no
.308 Norma Magnum. Hoje munições de fabrica apenas são fabricadas pela
Norma e estojos podem ser obtidos com o alargamento (necking up) de um
estojo 7mm Remington Magnum ou de estrangulamento (necking down) do
estojo do .338 Winchester Magnum.

Estojo
308 Norma Mag POL MM
Garrafa, Cinturado - Belted Bottle Neck
Largura da base .530
Largura da base da virola .511
Altura do RIM .05
Altura até o ombro 2.085
Angulo do ombro 25.67°
Altura total da cápsula 2.559
Largura do Ombro .489
Largura do pescoço .339

Calibre 308 Winchester


(7,62x51mm OTAN e 30 Cal T-65)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
308 150 2820 2648

Histórico: O .308 Winchester tem vencido mais competições de Benchrest que


qualquer outro, incluindo os calibres 6mm. E continua vencendo mais
competições Hunter Class Benchrest que todos os calibres combinados. O
.308 é também é um dos mais populares calibres para “big game”, não só nos
USA como por todos os outros paises. Logo após a 2ª Guerra, governo
Americano contratou a Remington e a Winchester para auxilia-lo no

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 77 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
desenvolvimento de um novo cartucho para substituir o veterano
.30-06. O resultado deste esforço foi uma versão encurtada do .30-06 chamado
T-65. Mais tarde renomeado para 7.62mm NATO. Quando adotado pelo
governo Americano os atiradores civis voltaram sua atenção para este novo
calibre, Winchester venceu Remington e lançou a versão civil como .308
Winchester. Isso foi uma boa jogada. O .308 ganhou popularidade como um
calibre de “big game”, não só em rifles de ferrolho (bolt action), mas com rifles
de ação de bomba (pumps), tiro único (single shots), semi-auto (autoloaders) e
alavanca (lever actions). Para caça a média distancia o.308 Winchester com
velocidade de 2800 fps com um projétil de 150 grain tem uma desempenho
excelente.

Fuzil FN Fal em calibre 7,62x51mm.

Estojo
308 Win POL MM
Garrafa, sem aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .466
Largura da base da virola .465
Altura do RIM .049
Altura até o ombro 1.558
Angulo do ombro 16º 47'
Altura total da cápsula 2.010
Altura total da munição 2.80
Largura do Ombro .448
Largura do pescoço .338
Case trim length 2.005
Max case length 2.015

Fuzil Semi-auto Garand em calibre 30-06 Sprg.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 78 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 30-06 Sprg


(30-06 Springfield, 7,62x63mm e 30 M2 US)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
308 165 2800 2873

Histórico: Desenvolvido pelo Springfield Armory em 1906. Em 1903 o USA


adotou um novo cartucho militar substituindo o então 30 Army (30-40 Krag),
que tinha sido adotado em 1892. Como o 30-40 Krag, este novo cartucho 30-03
(30-Caliber, Model of 1903) tinha um projétil de 220 grain de ponta
arredondada totalmente encamisada (nosed full metal jacket bullet). Entretanto,
o '03 aumentou apenas 100 fps em sua velocidade de boca, O desenho do
estojo sem aro (rimless cartridge) generosamente emprestado da Mauser
inspirado nos cartuchos dos fuzis militares alemães o 7 x 57mm e o 8 x 57mm,
também foi houve um melhoramento com a alimentação pela abertura superior
para a caixa de munição (o Krag era alimentado lateralmente). Não se esqueça
que nesta época o s USA estavam lentamente modernizando suas força
armadas. Como o 30-03 foi adotado e outras potencias mundiais estavam em
processo de adotar munições com projéteis “pontiagudos” (spitzer), o 30-03
caiu em obsolescência de imediato. Um programa emergencial instituiu em
1906 uma versão modificada do cartucho que foi adotada como 30 Caliber,
Model of 1906, depois conhecida comercialmente como 30-06 Springfield, o
novo cartucho com ponta spitzer e encurtada no “pescoço”. Esta modificação
gerou necessidade de modificações nos fuzis modelo 1903 em uso e em
produção, foi necessário recuar o cano e refazer a câmara. Não existe uma
opinião de consenso pelos caçadores sobre qual o melhor projétil, apenas que
os pesos entre 150 e 180 grain são excelentes. É sem dúvida o mais popular
dos calibres.

Estojo
30-06 Sprg POL MM
Garrafa, sem aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .473
Largura da base da virola .470

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 79 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

30-06 Sprg POL MM


Garrafa, sem aro - Rimless Bottle Neck
Altura do RIM .049
Altura até o ombro 1.949
Angulo do ombro 17º 47'
Altura total da cápsula 2.494
Altura total da munição 3.34
Largura do Ombro .441
Largura do pescoço .339
Case trim length 2.484

Leopardo

Fuzil Japonês Arisaka Type 99 em csalibre 7,7x58mm.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 80 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 7,7x58mm Arisaka


(7,7mm Japanese, 7,7mm Jap T-99 e 31 Jap)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
312 180 2493 2292

Histórico: O 7.7 x 58mm Japonês alcançou popularidade entre os caçadores


americanos após a 2ª Guerra Mundial, quando surplus de rifles militares foram
importados. O cartucho foi adotado pelas Forças Militares Japonesas em 1939
no seu fuzil o Modelo 99 Arisaka como substituição ao velho cartucho 6.5 mm,
mas ambos estiveram em serviço durante a 2ª Guerra. Apesar de obsoleto a
Norma ainda fabrica munição neste calibre. O 7.7x58mm tem balística entre o
.300 Savage e o 308 Win.

Estojo
7,7x58mm Arisaka POL MM
Garrafa, sem aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .471
Largura da base da virola .471
Altura do RIM .049
Altura até o ombro 1.872
Angulo do ombro 25.60°
Altura total da cápsula 2.27
Largura do Ombro .429
Largura do pescoço .337

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 81 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 7,92mm CETME


(7,92mm Spanish)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
312 170

Histórico: Com o fim da 2ª Guerra, muitos dos técnicos alemães emigraram


livremente para a Espanha. Isso ocorreu com um grupo de desenvolvedores do
então novo conceito “fuzil de assalto”. A Espanha de Franco, investiu e o
CETME, órgão de desenvolvimento de armamentos, desenvolveu um novo fuzil
de assalto baseado nas experiências alemães. O conceito relativamente novo,
acabou gerando um calibre novo, o 7,92 CETME. Com a criação da OTAN,
vários países, com armamento e calibres distintos necessitavam de uma
padronização, assim por motivos políticos ou não o 7,62x51mm passou a ser o
padrão da OTAN. Desta forma a Espanha modificou seu fuzil para o
7,62x51mm, caindo o 7,92mm CETME na obsolescência. O interessante desta
história está no fato de que após o desenvolvimento do fuzil CETME, os
técnicos alemães voltaram para a Alemanha Ocidental, fundando a H&K
(Hecler & Kock) e com direito de produzir seu fuzil desenvolvido que é o tão
famoso H&K G3, um dos mais vendidos no mundo.

Estojo
7,92mm CETME POL MM
Garrafa, sem aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .466
Largura da base da virola .468
Altura do RIM .044
Altura até o ombro 1.34
Angulo do ombro 15.29
Altura total da cápsula 1.665
Largura do Ombro .435
Largura do pescoço .359

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 82 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Fuzil Alemão H&K G3 em calibre 7,62x51mm.

Calibre 7,92x33 Kurtz


(7,92x33mm e 7,92mm Pistolen Patrone)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
323 125 2100

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 83 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Histórico: Durante a 2ª Guerra os alemães buscaram uma nova característica


para as armas das suas forças de terrestres. O fuzil padrão então era o velho,
porém confiável, Kar 98, um fuzil de repetição em uma ação de ferrolho com
capacidade de cinco cartuchos, enquanto os americanos já usavam o fuzil
Garand M1, semi-auto com capacidade de oito cartuchos. Os Alemães
desejavam uma arma que tivesse as características de sua MP-40
(submetralhadora) e alcance maior da munição 9mm. O 8mm (7,92x57mm) a
munição padrão do Kar 98 se mostrou incontrolável numa opção de tiro
automático, desta forma foi desenvolvido um cartucho intermediário para uma
nova arma encurtando o 8mm Mauser, nascendo então em 1940 o 7,92x33mm
Kurtz. Esta munição, hoje totalmente obsoleta, deu origem a primeira arma, o
STG 44, com o terno “fuzil de assalto”, um novo conceito tanto em arma
como munição seguido até hoje. Ele foi usado pela primeira vez na frente
Russa em 1942.

Estojo
7,92x33 Kurtz POL MM
Garrafa, sem aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .470
Largura da base da virola .470
Altura do RIM .05
Altura até o ombro .945
Angulo do ombro 14.19°
Altura total da cápsula 1.300
Largura do Ombro .440
Largura do pescoço .352

Calibre 8mm Remington Magnum

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
323 185 3060 3896

Histórico: Desenvolvido em 1977 pela Remington para o seu rifle Model 700
(bolt action), o 8mm Rem Magnum ganhou popularidade entre os caçadores

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 84 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
americanos. Ele oferece mais vantagens que os .300 Magnums
existentes pois pode arremessar projéteis mais pesados como um de 220 grain
a uma grande velocidade de até 2900 fps, com uma trajetória tensa e gerando
muita energia no impacto. Seu recuo é considerável.

Urso Cinzento

Estojo
8 Rem Mag POL MM
Garrafa, cinturada - Belted Bottle Neck
Largura da base .532
Largura da base da virola .513
Altura do RIM .05
Altura até o ombro 2.389
Angulo do ombro 25.25°
Altura total da cápsula 2.850
Largura do Ombro .487
Largura do pescoço .354

Calibre 8x50R Austrian Mannlicher M93

Fuzil Austríaco Steyr Mannlicher M95

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 85 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
323 224

Histórico: Foi desenvolvido por G. Roth e adotado pela Áustria em 1886 para
seu fuzil Modelo 88 e posteriormente no modelo 95. Foi descontinuado em
1930. Este cartucho também foi adotado pela Bulgária, Hungria, Etiópia,
China, Czechoslovakia, Polônia e Yugoslávia.

Estojo
8x50R Austrian POL MM
Garrafa, com aro - Rimmed Bottle Neck
Largura da base .551
Largura da base da virola .490
Altura do RIM .047
Altura até o ombro 1.510
Angulo do ombro 15.64°
Altura total da cápsula 1.980
Largura do Ombro .462
Largura do pescoço .350

Calibre 8x50R Lebel


(8mm M86 French)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
323 170 2410

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 86 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
Histórico: Adotado pela França em 1886, para o seu fuzil de ferrolho
Lebel. Foi o primeiro cartucho militar com pólvora sem fumaça. Em 1924 foi
substituído pelo 7,5x58mm que não possui aro. Ele foi um cartucho oficial da
França na 1ª Guerra.

Estojo
8x50R Lebel POL MM
Garrafa, com aro - Rimmed Bottle Neck
Largura da base .621
Largura da base da virola .536
Altura do RIM .065
Altura até o ombro 1.479
Angulo do ombro 23.55°
Altura total da cápsula 1.980
Largura do Ombro .483
Largura do pescoço .347

Calibre 8x56R Hungarian Mannlincher


(8mm M31 Hungarian e 8mm M30 Austrian)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
.328 205 2300
Histórico: Adotado pela Hungria em 1931 e usado no seu fuzil Mannlincher
Modelo 35 e 95 (modificado). Substituído em 1940 pelo 8 mm Mauser.
Estojo
8x56R Hungarian POL MM
Garrafa, com aro - Rimmed Bottle Neck
Largura da base .554
Largura da base da virola .491
Altura do RIM .056
Altura até o ombro 1.540

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 87 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

8x56R Hungarian POL MM


Garrafa, com aro - Rimmed Bottle Neck
Angulo do ombro 8.30°
Altura total da cápsula 2.21
Largura do Ombro .473
Largura do pescoço .365

Calibre 8x56R Kropatchek

Fuzil Kropatchek

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
.323 247

Histórico: Kropatchek 1886 foi um Fuzil de uso da Marinha Brasileira.

Estojo
8x56R Kropatchek POL MM
Garrafa, com aro - Rimmed Bottle Neck
Largura da base .618
Largura da base da virola .541
Altura do RIM .075
Altura até o ombro 1.550
Angulo do ombro 16.13°

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 88 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

8x56R Kropatchek POL MM


Garrafa, com aro - Rimmed Bottle Neck
Altura total da cápsula 2.23
Largura do Ombro .485
Largura do pescoço .349

Alce

Calibre 8x57 Mauser


(8x57(s) Mauser, 7,92mm Mauser e 8mm Mauser)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
323 170 2360 2102

Histórico: Desenvolvido pela DWM para as forças armadas da Alemanha na


virada do século XX, o 8mm serviu até o final da 2ª Guerra Mundial. Introduzido
para o fuzil 88, o 8mm Mauser foi o primeiro cartucho militar sem aro com

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 89 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
pólvora sem fumaça. Inicialmente com projétil de .318” com ponta
redonda até 1905 e depois com projéteis spitzer em .323”. O 8mm Mauser
pode fazer qualquer coisa que o .30-06 faz. Paises como Polônia,
Checoslováquia e outros o adotaram como regulamentar. Muito poucos
Winchester Model 54 foram construídos em 8mm Mauser porém na Europa
muitos fabricantes de rifles oferecem opções neste calibre. A maioria dos fuzil
nos USA são de origem de Surpls de guerra. O 8mm Mauser impulsiona um
projétil de 150 grain spitzer entre 2800 e 2900 fps.

Fuzil Alemão Mauser Kar 98 em calibre 8mm.

Estojo
8x57mm Mauser POL MM
Garrafa, sem aro – Rimless Bottle Neck
Largura da base .473
Largura da base da virola .469
Altura do RIM .049
Altura até o ombro 1.831
Angulo do ombro 22.62°
Altura total da cápsula 2.240
Largura do Ombro .434
Largura do pescoço .349

Calibre 8x60R Guedes Português

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 90 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
318 198 2660 2360

Histórico: Desenvolvido em Portugal por Castro Guedes para o fuzil também de


seu desenho conhecido como Modelo 1885. Não deve ser confundido com o
8x60R Kropatchek que o substituiu.

Estojo
8x60R Guedes POL MM
Garrafa com aro – Rimmed Bottle Neck
Largura da base .618
Largura da base da virola .543
Altura do RIM .065
Altura até o ombro 1.47
Angulo do ombro 12.72°
Altura total da cápsula 2.340
Largura do Ombro .487
Largura do pescoço .347

Calibre 32 Winchester Special

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 91 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
321 170 2250 1911

Histórico: Desenvolvido em 1895 pela Winchester, para sua carabina modelo


1894, o 32 Special, foi desenvolvido com a mesma balística do seu irmão o 30-
30 Win, inclusive com o mesmo peso de projétil, apenas com o diâmetro maior.
Enquanto o 30-30 Win possui .308” o .32 Special tem .321”. Não se sabe
exatamente por que isso ocorreu, mas não se justifica a existência de dois
calibres tão semelhantes do mesmo fabricante. Ocorreu que a preferência
pendeu para o 30-30 Win.
Estojo
32 WIN SPL POL MM
Garrafa com aro – Rimmed Bottle Neck
Largura da base .506
Largura da base da virola .422
Altura do RIM .063
Altura até o ombro 1.397
Angulo do ombro 13.17°
Altura total da cápsula 1.977
Largura do Ombro .402
Largura do pescoço .343

Carabina Winchester modelo 1866.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 92 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 32-20 Winchester


(32 Winchester, 8 x 33 WINCHESTER e 32 WCF)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
312 100 1220 325
Histórico: Introduzido comercialmente pela Winchester em 1882 para sua
carabina Model 73 (lever action), o 32-20 rapidamente alcançou considerável
popularidade como um cartucho de poder médio para revolver e carabina.
Praticamente todos os fabricantes americanos de tiveram armas neste calibre e
em todos os tipos de ação para rifle e carabinas. Colt, Smith & Wesson e
Bayard fabricaram revolveres neste calibre. Recentemente a Marlin
reintroduziu seu Model 94CL (lever action). Apesar de ser considerada uma
munição semi-obsoleta, ela ainda é fabricada pela Winchester e Remington.
Ela ainda tem popularidade entre fazendeiros e rancheiros, para tiros até 100
jardas, com pouca destruição do animal caçado. Recentemente foi revivido
pelas competições de Cowboy Action.

Estojo
32-20 Winchester POL MM
Garrafa, com Aro - Rimmed Bottle Neck
Largura da base .408 10,36
Largura da base da virola .352 8,92
Altura do RIM .064
Altura até o ombro .881
Angulo do ombro 7.85°
Altura total da cápsula 1.315 33,40
Largura do Ombro .342
Largura do pescoço .326 8,28

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 93 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 338 Winchester Magnum

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
338 200 3000 3890

Histórico: Em 1987 uma edição de uma revista popular de caça perguntou a


trinta dos mais populares escritores sobre armas, atiradores oficiais das
industriais e caçadores qual o rifle que pegariam para caça grossa (big game)
em toda a América do Norte, apenas um dentre todas as opções existentes.
Naturalmente o .30-06 ganhou com considerável margem. Mas a maior
surpresa veio acontecer com o .338 Winchester Magnum, .340 Weatherby
Magnum e o 7mm Remington Magnum em segundo lugar. O .280 Remington
ficou em terceiro e o .270 Winchester. O .300 Winchester o .300 Weatherby
Magnums ficaram em quinto. Lançado em 1958, o .338 Winchester Magnum
tem muitos fans assim como também muitos caluniadores. Alguns dizem que é
um cartucho de todo tempo para o grande elk, alce e o enorme urso cinzento,
mas ridículo quando usado para caçar o veado. Outros dizem que o recuo
(coice) gerado é muito maior que a muitos caçadores podem agüentar e gera
muito dano a caça. Não existe lei para o .338 Magnum não ser usado em
veado ou caça semelhante (nos USA), mas o cartucho é muito bem visto para
ser usado no big game. De qualquer forma ou não o .338 Magnum é
atualmente um dos melhores cartuchos para o elk ou alce, melhor que os .300
Magnums ou os 7mm Magnums, sempre haverá longos debates, mas com os
grandes carnívoros não há mais argumentos o .338 é mortal. Ele pode lançar
um projétil de 250 grain a uma velocidade entre 2700 a 2800 fps

Estojo
338 Win Mag POL MM
Garrafa, Cinturada – Belted Bottle Neck
Largura da base .532
Largura da base da virola .513
Altura do RIM .049
Altura até o ombro 2.04
Angulo do ombro 25.30°
Altura total da cápsula 2.500

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 94 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

338 Win Mag POL MM


Garrafa, Cinturada – Belted Bottle Neck
Largura do Ombro .491
Largura do pescoço .369

Rifle Ruger No. 1

Calibre 35 Remington

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
358 200 2020 1812

Histórico: Introduzido em 1906 pela Remington para seu rifle semi-auto Model
8 (autoloading), o .35 Remington é um dos poucos calibres de "floresta" que
pode ser considerado um sucesso. Em adicional ao Model 8, este excelente
cartucho esteve disponível nos Remington Models 81, 14, 141, 720, 600 e 760,
bem como no Winchester Model 70, Standard Arms Models G e M, o
Mossberg Model 472 e o Savage. Presentemente os rifles Marlin Model 336
(lever action), o Remington Model Seven KS (bolt action) e os pistolet
Remington XP-100 e a Thompson /Center Contender, são fabricadas para este
calibre. O .35 Remington é favorito na caça do veado e urso negro por ser
mais rápido que o 30-30 Win. Nesta categoria de calibres, ainda hoje o .35
Remington é o segundo na preferência, perdendo para o .30-30 Win. Muitos
anos atrás o .35 Remington foi usado no "big game" mas não em distancias
superiores a 150 jardas. Nas grandes distancias o pequeno .35 tem uma
velocidade e precisão moderada na maioria dos rifles fabricados. O .35
Remington, rivaliza com o .300 Savage em desempenho, com um projétil de
180 grain pode atingir uma velocidade de 2300 fps, mortal para um veado,
javali ou urso negro.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 95 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Estojo
35 Remington POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .460
Largura da base da virola .458
Altura do RIM .05
Altura até o ombro 1.53
Angulo do ombro 21.80°
Altura total da cápsula 1.920
Largura do Ombro .428
Largura do pescoço .384

Calibre 35 Whelem
(.35/06 Springfield e .35/30-06 Sprg)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
358 200 2550
Histórico: Em 1922, o governo americano contratou Townsend Whelen e
James V. Howe da Springfield Armory para desenvolver o .400 Whelen, um
wildcat formado a partir de um estojo do .30-06. Durante alguns anos enquanto
Whelen fazia seus safáris, Howe decidiu diminuir o diâmetro de .400 para .35
e assim feito decidiu chama-lo de .35 Whelen. De muitos cartuchos de wildcat
desenvolvidos antes da 2ª Guerra, o .35 Whelen como muitos outros clássicos
como o .25-06, .257 Roberts e o .22-250 se mantém entre muitos poucos que
conseguiram sobreviver ao tempo e se tornar cartuchos de fabrica. Já que a
Remington domesticou os outros três e perfeitamente normal que a este
fabricante adicionou o .35 Whelen em sua lista em 1988. Com 3500 pés/libra
de energia, o .35 Whelen é mais poderoso que o .30-06 e tem capacidade de
atender a todo tipo de big game na América do Norte. Desde o veado grande,

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 96 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
elk, alce ou urso, o .35 Whelen é aplicável. pode arremessar um
projétil de 250 grain spitzer a 2500 fps.
Estojo
35 Whelem POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .473
Largura da base da virola .470
Altura do RIM .05
Altura até o ombro 1.948
Angulo do ombro 14.03
Altura total da cápsula 2.494
Largura do Ombro .441
Largura do pescoço .385

Leão africano : considerado caça perigosa (dangerous game).

Alce (Goose)

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 97 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 357 Maximum

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
357 180 1550 960

Histórico: Foi desenvolvido em 1985, pela Ruger e Remington, com o


alongamento do cartucho 357 Magnum. Seu objetivo era o uso nas provas de
Silhuetas Metálicas (IHSMA), com um cartucho de maior potência e projéteis
mais pesados.
Estojo
357 Maximum POL MM
Cilíndrico, com Aro - Rimmed Straight
Largura da base .440
Largura da base da virola .379
Altura do RIM .06
Altura total da cápsula 1.605
Largura do pescoço .378

Calibre 358 Norma Magnum

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 98 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
358 250 2650
Histórico: Quando a Norma introduziu o .358 Magnum em 1959, ele foi o
primeiro calibre .35 magnum disponibilizado para os caçadores americanos
desde que o .35 Newton ficou obsoleto na década de 20. Quando .358
Magnum foi introduzido, não existiam rifles de fabrica disponíveis para ele, mas
a NORMA assegurou a padronização distribuindo as ferramentas para
construção das câmaras (chamber drawings e chamber reamers) para
qualquer armeiro americano que recebesse pedidos de rifles customizados
neste calibre. Eventualmente rifles da Shultz & Larson e da Husqvarna em
.358 Norma Magnum foram importados para os USA. O .358 Norma Magnum
é um cartucho extremamente poderoso com balística parecida com o famoso
.375 H&H Magnum. Se a Winchester não tivesse introduzido seu .338
Magnum in 1958, o .358 Norma poderia ser agora um dos cartuchos populares.
Mas, maior parte dos caçadores escolheram o cartucho americano fazendo o
cartucho sueco cair em obsolescência. Eventualmente, a distribuição do .358
Norma Magnum foi descontinuada, e exceto por pela recarga é um cartucho
morto. Estojos para o .358 Magnum são facilmente formados a partir de
alargamento (necking up) dos estojos do .338 Winchester.

Estojo
358 Norma Mag POL MM
Garrafa, cinturado - Belted Bottle Neck
Largura da base .530
Largura da base da virola .511
Altura do RIM .049
Altura até o ombro 2.085
Angulo do ombro 25.47°
Altura total da cápsula 2.519
Largura do Ombro .489
Largura do pescoço .388

Urso Cinzento (Grizzili)

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 99 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 375 H&H Magnum


(375 Holland &Holland e 375 Holland´s Belted)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
375 270 2690 4337

Histórico: Alguns dizem que .375 Holland & Holland Magnum é o melhor
cartucho de todos os tempos para o big game. Outros dizem que é muito
grande para veados e muito pequeno para animais realmente grande. Mas um
fato indiscutível permanece, o .375 H&H abate o veado com menos dano na
peça do que um .270 Win e provavelmente é responsável por mais abates em
dangerous game até o tamanho do búfalo do Cabo (Cape Buffalo) e elefante do
que qualquer outro grande calibre. Tão bom quanto o .375 H&H, ele não é
realmente necessário na América do Norte exceto para a caça dos grandes
ursos a uma curta distancia. No entanto isso não impede um grande numero de
caçadores de alces e elks de glorifica-lo a cada nova temporada de caça, e é
fácil ver o motivo. Quando carregado com projétil spitzer de 300 grain, o .375
H&H tem uma trajetória surpreendentemente tensa até 300 jardas com
impacto igualado por poucos outro cartuchos. Quando o maximo de penetração
é necessária para caça do elefante e do búfalo do Cabo, o uso de um projétil
sólido de 300 grain é uma boa escolha. Para o elk , o alce e o grande antílopes
africano de uma distancia relativamente grande um projétil de 250 de ponta
expansiva é excelente. Para esmagar ossos em caça potencialmente
perigosos, com pele fina como o urso marrom e o leão africano, pontas com
espancividade controlada é recomendada.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 100 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Rifle Ruger M77 MKII

Enfield L42A1 (Fuzil Sniper padrão Inglês)

Estojo
375 H&H Mag POL MM
Garrafa, cinturado - Belted Bottle Neck
Largura da base .532
Largura da base da virola .513
Altura do RIM .049
Altura até o ombro 2.353
Angulo do ombro 7.95°
Altura total da cápsula 2.850
Largura do Ombro .460
Largura do pescoço .405

Calibre 378 Weatherby Magnum

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 101 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
375 300 2858 5835

Histórico: Um dos primeiros cartuchos de desenvolvido por Roy Weatherby, foi


o 357 Wby Mag. Uma versão melhorada do 375 H&H Mag. O .375 Wby era
um bom cartucho, mas ganhava do H&H por apenas 100 fps. Em 1953 Roy
desistiu do .375 e introduziu o .378 Mag. Apesar da nomenclatura, o diâmetro
do projétil continuou o mesmo. Mas o mesmo não pode ser dito sobre sua
velocidade. O .378 Wby Mag lança um projétil de 300 grain a aproximadamente
3000 fps. Ele foi inspirado pelo estojo do .416 Rigby que era bem similar em
dimensões sem ser cinturado. Roy acrescentou o cinto como em todos os seu
outros cartuchos. Entres os grandes cartuchos americanos desenvolvidos,
somente o .416 e .460 Wby Mag, são cartuchos idênticos em capacidades de
pólvora. O .378 Wby é um cartucho extremamente poderoso. É ideal para o
dangerous game, como o elefante, rinoceronte, buffalo do Cabo e outros. Seu
recuo é de grande potência.
Estojo
378 Wby Mag POL MM
Garrafa, cinturado - Belted Bottle Neck
Largura da base .582
Largura da base da virola .582
Altura do RIM .063
Altura até o ombro 2.340
Angulo do ombro arredondado
Altura total da cápsula 2.908
Largura do Ombro .560
Largura do pescoço .398

Calibre 38-40 Winchester


(38 WCF)

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 102 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
401 180 1166 538

Histórico: Introduzido em 1882 pela Winchester para uso em sua Carabina


Modelo 1873. A Colt e a Smith & Wesson logo em seguida lançaram revólveres
para o cartucho. Atualmente, os cartuchos .38-40 são carregados com pólvora
sem fumaça e seu uso nos revólveres da época não é recomendável.

Carabina T/C Contender em vários calibre.

Estojo
38-40 Win POL MM
Garrafa, com aro - Rimmed Bottle Neck
Largura da base .525 13.34
Largura da base da virola .467 11.86
Altura do RIM .065
Altura até o ombro .922
Angulo do ombro 3.48º
Altura total da cápsula 1.305 33.15
Largura do Ombro .444
Largura do pescoço .416 10.57

Calibre 38-55 Winchester


(38-55 Ballard)

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 103 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
375 255 1400

Rifle Winchester 1885 High Wall

Histórico: Introduzido pela Ballard em 1884 para vários rifles mono tiro (single
shot), o .38-55 foi um dos primeiros cartuchos disponíveis para o Winchester
Model 94 (lever action) dez anos depois. O .38-55 foi também oferecido no
Marlin Model 93 e Savage Model 99 (lever action), o Remington Lee (bolt
action) e vários rifles mono tiro da Winchester (single shot). Desenhado
originalmente para pólvora negra, com projéteis de chumbo. Na sua alta
velocidade, dentro das características e limites é impulsionando um projétil de
255 grain a 1500 fps, o .38-55 conseguiu uma excelente reputação na caça ao
veado e urso negro como um cartucho de "floresta". Muitos caçadores tem
convicção que o grande diâmetro do projétil do .38-55 é mais efetivo para o "big
game" que o .30-30 Win e não muito atrás do coiceador .45-70. Agora o .38-
55 Win é raramente visto nas florestas, mas é um dos mais populares
cartuchos entre os competidores de schuetzen. Os atiradores de Benchrest tem
seus cartuchos PPC mas na grande competição anual “Coors Schuetzenfest”
em Golden Colorado, as medalhas de ouro estão divididas entre .32-40 ou o
.38-55. Este pessoal, ao seu próprio modo, ainda persegue os melhores
agrupamentos com projéteis de chumbo em rifles mono tiro.

Estojo
38-55 Win POL MM
Cilíndrico, com aro - Rimmed straight
Largura da base .506
Largura da base da virola .421
Altura do RIM .061
Altura total da cápsula 2.129
Largura do pescoço .393

Remington SPR94 arma combinada (cano liso e cano raiado)

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 104 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Pistolet Thompson Center Contender G2

Calibre 416 Remington Magnum

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
416 400 2400
Histórico: Anunciado para os caçadores do mundo em 1988, o .416 Remington

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 105 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
Magnum é melhor descrito como tendo o desempenho .416 Rigby
em um tamanho de um .375 H&H. Mais simplesmente descrito, o .416
Remington Magnum não é nada mais que um estojo do 8mm Remington
Magnum alargado (necked up). Como o .416 Rigby, o .416 Remington tem
desempenho semelhante com um projétil de 400 grais a uma velocidade de
2400 fps. Não como o massivo cartucho Rigby, o cartucho Remington irá
funcionar melhor com rifles Remington Model 700, Winchester Model 70,
Savage Model 110 e outros rifles com ação similar em tamanho. Pelo seu
custo menor de munição poderá tornar o .416 Rem o mais popular já
introduzido nesta classe. Como muitos outros cartuchos de fabrica, o .416
Remington Magnum é muito similar a cartuchos wildcat ou pelo menos 2 mais
recentes. Um, o .416 Remington lembra muito o .416 Barnes Supreme, um
wildcat introduzido na década de 50. Outra muito similar em aparência e
desempenho criada na década de 70 chamado .416 Hoffman. Para o big e
dangerous (potencialmente perigoso) game, o .416 Remingtom é
recomendado.

Estojo
416 Remington Mag POL MM
Garrafa, sem aro – Rimless Bottle Neck
Largura da base .532 13,51
Largura da base da virola .532
Altura do RIM .05
Altura até o ombro 2.389
Angulo do ombro 25.25º
Altura total da cápsula 2.850 72,39
Largura do Ombro .512
Largura do pescoço .447 11,35

Calibre 416 Rigby

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
416 410 2300

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 106 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
Histórico: Introduzido pela firma britânica de John Rigby & Co. em
1911, o .416 Rigby é um dos grandes velhos clássicos cartuchos do mundo.
Entretanto o .416 Rigby não alcançou popularidade entre os caçadores
americanos principalmente porque só tiveram disponibilidade de rifles de
fabricação americana nos anos 80. Apenas em 1988, a Kimber anunciou seu
rifle Model 89 African em .416 Rigby e a Ruger segui a tendência com o Model
77 Magnum um ano depois. O autor em uma caçada no Zâmbia em 1988, com
um rifle customizado, o .416 mostrou ser um fino desempenho e um potencial
para o dangerous African Game. A carga original do fabricante Kynoch era feita
com cordite, um propelente sem fumaça que tem a reputação de ser muito
sensível às extremas temperaturas comumente encontradas nos climas dos
trópicos. Por esta razão, o máximo de pressão na câmara para o .416 Rigby
era de 17 toneladas ou 38.0800 libras por polegada quadrada. Sua velocidade
de boca com projétil de 400 grain era cerca de 2375 fps. A A-Square e
Federal, fabricantes de munição, hoje comercializam munições nestes
padrões.O .416 Rigby é uma excelente escolha para a caça grossa (big game)
da África ou Alaska. Tiro relativamente tenso a longa distancias e uma alta
densidade de deformação em projéteis de 400 grain com profunda penetração.
Já com elefante ou búfalo do Cabo, devem ser usados projéteis sólidos para
penetração máxima.
Estojo
416 Rigby POL MM
Garrafa, sem aro – Rimless Bottle Neck
Largura da base .586
Largura da base da virola .589
Altura do RIM .058
Altura até o ombro 2.31
Angulo do ombro 45°
Altura total da cápsula 2.900
Largura do Ombro .539
Largura do pescoço .445

Elefante

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 107 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Enfield Enforcer

Calibre 44-40 Winchester


(44 WCF)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 108 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra


427 200 1190 629

Histórico: Lançado no rifle Model 1873 (conhecido por nós como "papo-
amarelo"), o .44-40 Winchester era um carregado com pólvora negra. Foi,
durante sua época um dos mais usados nas caçadas de veados. Nas origens o
velho 44-40 atingia uma velocidade de 1800 fps com um projétil de 200 grain,
chegando razoavelmente a um desempenho do .44 Remington Magnum numa
carabina Marlin Model 94. Curiosamente o .44-40 teve vida mais longa na
Austrália que nos USA, até os anos 70 a Winchester fabricava carabinas
Model 94 especificamente para o mercado australiano. Por que o mesmo rifle
não era oferecido no mercado americano é um mistério. Mas provavelmente
era porque, esta carabina, não de fácil uso com miras telescópicas em quanto
outros atendia melhor a este quesito. Com o advento das competições de
"Cowboy Action", provas que revivem a época do velho oeste com as armas
de ação simples e carabinas de alavanca voltaram à baila, sendo também
revitalizado o cartucho.
Estojo
44-40 Win POL MM
Garrafa, sem aro – Rimless Bottle Neck
Largura da base .525
Largura da base da virola .471
Altura do RIM .065
Altura até o ombro .905
Angulo do ombro 4.00°
Altura total da cápsula 1.305
Largura do Ombro .457
Largura do pescoço .443

Carabina Winchester 1873

Carabina Marlin 444

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 109 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 444 Marlin

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
430 265 2120 2644

Histórico: Poucos são os rifles que tem a qualidade de atender ao espectro da


caça de todos os "big games", desde o veado ao alce ou ao elk com uma
munição de fabrica. O Marlin Model 336 (ou Model 444 como é chamado) em
.444 Marlin é um destes. Quando em 1958 a Winchester descontinuou o Model
71 em calibre .348, não existia nenhum rifle em ação de alavanca (lever
action) em calibre maior ou mais poderoso que o .35 Remington. Em 1964, a
Remington preencheu este espaço com um cartucho que era uma versão
"esticada" do .44 Magnum. Como o desenvolvimento foi solicitado pela Marlin,
a munição inicialmente chamada de .44 Super Maximum foi mudada para .444
Marlin. O .444 Marlin é carregado com o mesmo diâmetro de .429", o mesmo
do .44 Remington Magnum. O projétil de 240 grain é excelente para veado,
porém para as caças maiores o de 265 grain é muito melhor.

Estojo
444 Marlin POL MM
Cilíndrico, com aro - Rimmed Straight
Largura da base .514
Largura da base da virola .470
Altura do RIM .063
Altura total da cápsula 2.225
Largura do pescoço .453

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 110 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 45-70 Sprg


(45-70 Government, 45-70 Springfield, 45 US Army M73
e 45-70-405)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
458 300 1880 2355

Rifle Sharp.
Histórico: O .45-70 e o .44-40 são velhos cartuchos de fogo central que foram
carregados pelos velho fabricantes de munição americanos inicialmente com
pólvora negra. Ele serviu como cartucho oficial do exercito americano de 1873
a 1892. O .45-70 foi um dos mais populares entre os caçadores de "big game"
na sua época áurea, fim do século XIX. O grande velho cartucho estava fadado
a desaparecer quando a Winchester descontinuou seu Model 1886 (lever
action) em 1935, mas foi revivido quando a Marlin relançou nos anos 70 uma
variante do seu modelo 336 chamado de Model 1895 (lever action). Com as

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 111 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
novas pólvoras sem fumaça, existe o perigo quando atiramos com
munição moderna em armas antigas. Atualmente as munições e rifles
modernos tornam este velho guerreiro em um calibre ainda competitivo. Com o
advento das competições de "Cowboy Action", provas que revivem a época do
velho oeste com as armas de ação simples e carabinas de alavanca voltaram a
baila, sendo também revitalizado o cartucho.

Estojo
45-70 Gov POL MM
Cilíndrico, com aro - Rimmed Straight
Largura da base .608
Largura da base da virola .505
Altura do RIM 0.70
Altura total da cápsula 2.105
Largura do pescoço .480

Calibre 11x53R Comblain Belga

FUZIL COMBLAIN BELGA

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
436 370 1460

Histórico: Cartucho desenvolvido por Hubert-Joseph Comblain de Liege,


Bélgica, para seu fuzil mono-tiro, em 1871. Este fuzil foi adotado pela Bélgica.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 112 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Estojo
11x53R Belgian Comblain POL MM
Garrafa, com aro - Rimmed Bottle Neck
Largura da base .673
Largura da base da virola .575
Altura do RIM .082
Altura até o ombro 1.530
Angulo do ombro 10.73°
Altura total da cápsula 2.100
Largura do Ombro .532
Largura do pescoço .460

Calibre 11,4x50R Comblain Brasileira


(11,4x50R Brazilian Comblain e 11,4x53R Brazilian M74)

Fuzil Comblain modelo Brasileiro

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 113 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
452 485 1280
Histórico: Cartucho especificamente desenhado sob especificações, para a
versão do fuzil Comblain adotado pelo Brasil em 1873, levando o nome do
nosso país. Foi o calibre regulamentar até 1892.

Fuzil Springfield M14 em calibre 7,62x51 mm.

Estojo
11,4x53R Brazilian M74 POL MM
Garrafa, com aro - Rimmed Bottle Neck
Largura da base .682
Largura da base da virola .588
Altura do RIM .085
Altura até o ombro 1.690
Angulo do ombro 6.42
Altura total da cápsula 2.02
Largura do Ombro .530
Largura do pescoço .494

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 114 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Hipopótamo

Calibre 458 Winchester Magnum

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 115 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
Polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
458 500 2040 4620

Histórico: O caçador e atirador americano sempre foi uma criatura difícil de


entender. Ele virtualmente ignorou dúzia de cartuchos e permitiu que alguns
caíssem em obsolescência e então vem um cartucho de utilidade
extremamente limitada e vence sua preferência. Esse cartucho é o .458
Winchester Magnum. Isso tudo não é para afirmar que .458 Magnum não é um
excelente cartucho. Para a caça do elefante africano ou o búfalo do Cabo
(Cape Buffalo), poucos cartuchos trabalham melhor que este maior cartucho da
Winchester. Desde sua introdução em 1956, o .458 Magnum começou a ter
grande popularidade como um cartucho de big bore entre os caçadores
profissionais africanos, não só para o trabalho de controle populacional mas
para manter seus clientes a salvos nas caçadas com dangerous game. Um
pouco guias do Alaska e outfitters que se especializaram em caça ao urso
marrom tem confiança no uso do .458. Quando se deseja o Maximo de
penetração, necessárias para o elefante ou búfalo do Cabo (Cape Buffalo) é
recomendado o uso de ponta sólida (monobloco) de 500 grain.
Estojo
458 Win Mag POL MM
Cilíndrico, Cinturado – Belted Straight
Largura da base .532
Largura da base da virola .513
Altura do RIM .049
Altura total da cápsula 2.500
Largura do pescoço .481

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 116 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Rinoceronte Branco

Calibre 460 Weatherby Magnum

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
458 500 2470 6775

Histórico: Nenhum outra carga de fabrica, produzida para o big game, tem
mais poder que este calibre. E nenhum outro calibre pode alcançar o .460 com
8000 pés/libra de energia de boca. Não é um cartucho para plinking (tiro de
divertimento) pois é caro e muito desconfortável, também não é muito preciso a
longas distâncias. Sem discussão é o cartucho mais apropriado para

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 117 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
dangerous game. Para esta função específica foi desenvolvido pela
Weatherby. Para quem deseja ter um rifle para a caça africana o .460 Wby
Magnum, possui um tiro tenso com um projétil de 350 ou 400 grain a 2700 to
2800 fps, é ideal para os kudu, sable, zebra, eland (espécies de antílopes e
veados) e outras caças não perigosas (non-dangerous game). O projétil sólido
(monobloco) de 500 grain são para o elefante e búfalo do Cabo. Seu recuo
(coice) é extremamente incomodo, apenas para atiradores e caçadores
experientes e com físico preparado.

Estojo
460 Wby Magnum POL MM
Garrafa, com aro - Rimmed Bottle Neck
Largura da base .583
Largura da base da virola .582
Altura do RIM .063
Altura até o ombro 2.34
Angulo do ombro Arredondado
Altura total da cápsula 2.908
Largura do Ombro .560
Largura do pescoço .481

Búfalo do Cabo

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 118 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 470 Nitro Express

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
483 500

Histórico: Desenvolvido por Joseph Lang em 1907, para rifles de tiro único ou
de dois canos o .470 Nitro Express foi um cartucho similar a muitos
desenvolvidos entre 1900 e 1910. Ele substituiu os .450 que tinham sido
banidos pelos governos Britânicos do Sudão e Índia. Originalmente fabricado

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 119 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
pela Kynoch, essa munição britânica arremessava um projétil de 500
grain com uma velocidade de 2150 fps gerando uma energia de 5130 pés/libra.
Em seus rifles de dois canos é o preferido dos caçadores profissionais e
guarda-caças na África. Centenário, o .470 NE é sem dúvida o mais popular
dos calibres .470, é a solução para a caça dos animais mais perigosos como o
elefante, hipopótamo, búfalo do Cabo e o leão. Seu recuo é absurdo, não é
para qualquer um, tem-se noticias de deslocamento de retina. É comum ver
cenas de safáris os caçadores tendo um auxiliar nativo para levar sua arma
devido ao grande peso. Outro fato de interesse, é que como estas armas são
na maioria de 2 canos, é confundida com uma espingarda, dai saído o mito que
uma calibre 12 mata elefantes.

Elefante

Estojo
470 Nitro Express – POL MM
Garrafa, com aro - Rimmed Bottle Neck
Largura da base .655
Largura da base da virola .572
Altura do RIM .04
Altura até o ombro 2.400
Angulo do ombro 4.15°
Altura total da cápsula 3.250
Largura do Ombro .531
Largura do pescoço .504

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 120 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Rinoceronte Negro

Rifle Savage modelo 110

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 121 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

2.2 - CALIBRES DE ARMAS CURTAS

Calibre 5,5 mm Velo-Dog


(5,75 Velo-Dog, 6mm Velo-Dog e 5,8x30R Velo-Dog)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
Polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
.225

Histórico: Foi lançado pela Galand da França em 1884 e utilizado


posteriormente em inúmeros revólveres belgas e alemães. A propaganda da
época o recomendava para ser usado por ciclistas a fim de repelir cachorros
hostis e daí seu nome. A Taurus também fabricou armas neste calibre. Calibre
obsoleto, porém a Fiocchi ainda fabrica esta munição.

Estojo
5,5 Velo-Dog POL MM
Cilíndrico, com Aro – Rimmed Straight
Largura da base .253 6,43
Largura da base da virola .308 7,82
Altura do RIM .04
Altura total da cápsula 1.165 29,59
Largura do pescoço .248 6,30

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 122 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 22 Remington Jet

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
.223 45 2400

Histórico: O 22 Remington Jet, também conhecido como 22 Centerfire


Magnum, foi introduzido juntamente pela Remington e Smith & Wesson.
Primeiro foi desenvolvido o cartucho depois o revolver. As primeiras noticias
deste cartucho são por volta de 1959, mas a produção de munições e
revolveres só iniciaram em 1961. O revolver S&W Model 53 é o único feito
para este cartucho e foi descontinuado em 1971. O .22 Jet cresceu em
popularidade como um wildcat de armas curtas semelhante ao .22 Kay-Chuk e
outros baseados no estojo do .22 Hornet. Entretanto, o 22 Jet é atualmente
baseado no estrangulamento (necked down) do estojo do .357 Magnum. A
Marlin havia disponibilizado o rifle Model 62 ( lever action) para o .22 Jet, a
H&R o Topper e a Thompson/Center a Contender por algum tempo.
O .22 Jet nasceu para prover uma trajetória tensa no campo. O revolver M53
também podia dispara um cartucho 22 LR, usado um insert de cartucho de aço
e um percussor (firing pin) ajustável. Este cartucho tinha um amplo
desempenho a 100 jardas. A velocidade de boca em um cano de 8-1/2
polegada é 2460 fps. O 22 Jet não é mais disponibilizada por fabricantes há
muito tempo.
Estojo
22 Remington Jet POL MM
Garrafa, com aro - Rimmed Bottle Neck
Largura da base .439
Largura da base da virola .380
Altura do RIM .06
Altura total da cápsula 1.288
Largura do pescoço .251
Angulo do ombro 6.69°

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 123 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Pistolet T/C Contender G2 fabricado em vários calibres.

Calibre 25 ACP
(6,35mm Browning e 6,35x15 mm)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
.251 50 760 64

Histórico: Este cartucho, desenhado por John M Browning, foi introduzido nos
USA em 1908 para uma pistola da Colt, 25 Vest Pocket , de desenho do
mesmo. Esta mesma pistola foi fabricada na Europa pela FN como Browning
1905. Estas duas pistolas foram extensivamente copiadas por todo o mundo.
Literalmente dúzias de pistolas usam este cartucho. O original Browning é feito
pela FN continua sendo feito (para consumo europeu), mas a Colt não
continuou a fabricação do seu modelo Vest Pocket após a 2ª Guerra.
American Arms, Beretta, Iver Johnson, Jennings, Lorcin, Phoenix Arms,
Sundance, Taurus, Ortgies, Astra, Star e Walther fabricam pistolas neste
calibre. O .25 Automatic tem energia e alcance baixos, com um poder de
parada (stopping power) muito pobre.O .25 Auto não é adequado para caça,
pestes ou para defesa. Entretanto, o .25 auto é popular por causa pequeno
tamanho e baixo custo.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 124 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Pistola Baby Browning em calibre 6,35 mm.

Estojo
25 ACP POL MM
Cilíndrico, sem Aro – Rimless Straight
Largura da base .302
Largura da base da virola .274
Altura do RIM .041
Altura total da cápsula .615
Largura do pescoço .273

Calibre 32 S&W
(32 SWC e 32 Smith and Wesson)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
312 85 680 90

Histórico: Durante as primeira 2 décadas do século XX, barato revolveres


niquelado de bolso, estavam as dúzias entre os cidadão americanos.
Possivelmente os mais populares fossem dos anos de 1870 no calibre .32
Smith & Wesson. Originalmente carregado com pólvora negra e um projétil de

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 125 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
85 grain com uma velocidade de 705 fps, tendo uma energia de 97
pés/libra, eventualmente o .32 Smith & Wesson migrou para a pólvora sem
fumaça. Devido ao grande números de revolver existentes esta munição ainda
é fabricada pela Remington e Winchester. Com projéteis de 85 e 88 grain, com
velocidade até 680 fps, com energia de boca de 90 pés/libra. Em comparação
com o .32 ACP e o .380 ACP que geram energia respectivamente de 129 e
190 pés/libra. O .32 S&W era recomendado como o mínimo para defesa, mas
perdeu espaço para o mais potente .380 ACP.

Estojo
32 S&W POL MM
Cilíndrico, com Aro – Rimmed Straight
Largura da base .375
Largura da base da virola .335
Altura do RIM .055
Altura total da cápsula .92
Largura do pescoço .334

Calibre 32 SWL
(32 S&W Long, 32 Colt New Police e 32 Harrington &
Richardson)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
312 98 705 670

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 126 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Pistola Walther GSP em calibre 32 SWL

Histórico: Justo como aconteceu com .357 Magnum em relação ao .38


Special, o .32 Smith & Wesson Long é um descendente do velho .32 Smith &
Wesson. As referencias são desencontradas de quando esta versão longa foi
introduzida, uns dizem que foi para o Smith & Wesson Model1896 Hand
Ejector, outros no ano de 1903. De qualquer forma o intervalo entre 1890 e
1900 é uma período provavelmente correto. Durante alguns anos o .32 S&W
Long ganhou grande popularidade nos círculos dos agentes da lei (law
enforcement), especialmente por detetives e policiais a paisana. A policia
eventualmente abandonou o .32 adotando o mais poderoso .38 Smith &
Wesson Special. O .32 S&W Long era originalmente carregado com projétil de
chumbo de 98 grain, com velocidade de 705 fps e com energia de boca de 132
pés/libra. Hoje as munições de fabrica tem 28% mais poder de parada. O .32
S&W Long tem muita popularidade tanto nos USA como na Europa pela
reputação de excelente precisão, sendo muito usado em várias competições.

Estojo
32 SWL POL MM
Cilíndrico, com Aro – Rimmed Straight
Largura da base .375
Largura da base da virola .335
Altura do RIM .055
Altura total da cápsula .92
Largura do pescoço .334

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 127 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 32 H&R Magnum


(32 Harrington & Richardson Magnum)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
312 85

Histórico: Em 1984, o .32 H&R Magnum foi criado pela junção de esforços da
Harrington & Richardson e a Federal Cartridge Company. Com um projétil
jaquetado de 85 grain e velocidade entre 1100 e 1030 fps, o .32 H&R Magnum
tem energia de boca entre 230 e 225 pés/libra, maior do que um carga padrão
de projétil de 158 grain no .38 Special. A Thompson/Center e Ruger oferecem
armas neste calibre. O .32 H&R Magnum não é nada mais que uma versão
alongada do velho .32 Smith & Wesson Long, que por sua vez, também é uma
versão alongada do ainda mais velho .32 Smith & Wesson. Isso é muito comum
no mundo dos cartuchos de uma versão curta saem muitas outras alongadas
ou até mais curtas, como exemplo a família do .38 Special, .357 Magnum e
.357 Maximum.

Revolver Taurus modelo 731 em calibre 32 H&R mag

Estojo

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 128 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

32 H&R Mag POL MM


Cilíndrico, com Aro – Rimmed Straight
Largura da base .375
Largura da base da virola .335
Altura do RIM .055
Altura total da cápsula
Largura do pescoço .334

Calibre 30 Borchardt
7,65 mm Borchardt

Pistola Borchardt

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
307 85 1200
Histórico: Desenvolvido por Hugo Borchardt 1893, pra sua pistola, a primeira
semi-auto produzida comercialmente. Não foi uma arma de sucesso tendo
caído em obsolescência.
Estojo
30 Brochardt POL MM
Garrafa, sem Aro – Rimless Bottle Neck
Largura da base .390
Largura da base da virola .385
Altura do RIM .05
Altura total da cápsula .99
Largura do pescoço .331
Angulo do ombro 19.52°

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 129 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 30 Luger
(7,65 mm Luger e 7,65mm Bergmann SMG)

Pistola Luger 1906 em calibre 7,65mm Parabellum.

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
308 93 1220 305

Histórico: Chamada de 7.65mm Parabellum em muitos paises europeus, o 30


Luger foi introduzido em 1900 pela firma alemã DWM como o primeiro cartucho

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 130 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
para a nova pistola semi-auto Luger. Com um desenho de garrafa, o
30 Luger é provavelmente melhor descrito como uma versão encurtada do
velho .30 Borchardt, de uma que evidentemente inspirou Georg Luger no
desenvolvimento de sua famosa pistola. Devido ao grande numero de pistolas
fabricadas neste calibre, a munição .30 Luger é fabricada nos USA pela
Remington e Winchester e na Europa pela Sako, Lapua, GECO e Fiocchi. O
.30 Luger com um projétil FMJ de 93 grain tem uma velocidade de 1220 fps.
Sua energia de boca é 305 pés/libra, muito semelhante a uma 9mm Parabellum
carregada com um projétil de 115 grain. O diâmetro nominal do .30 Luger é
.3095 ". Foi o calibre adotado pela 1ª arma semi-auto das força armadas do
Brasil, a Luger.

Estojo
30 Luger POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .392 10,01
Largura da base da virola .388 9,88
Altura do RIM .042
Altura total da cápsula .849 21,59
Largura do pescoço .330 8,43
Angulo do ombro 12.44°

Calibre 7.62mm Tokarev


(7,62x25mm e 7,62 russian)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
307 86 1390

Histórico: Cartucho militar russo desenvolvido em 1930 e usado na pistola Tula-


Tokarev T-33, regulamentar durante a 2ª Guerra.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 131 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Pistola Tula Tokarev TT-33 em calibre 7,62x25mm.

Estojo
7,62mm Tokarev POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .390
Largura da base da virola .380
Altura do RIM .052
Altura até o ombro .76
Angulo do ombro 13º 24'
Altura total da cápsula .97
Altura total da munição 1.35
Largura do Ombro .370
Largura do pescoço .33

Calibre 30 Mauser
(7,63mm Mauser e 7,63x25mm)

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 132 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Pistola Alemã Mauser C-96.


Dados munição padrão
Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
308 86 1300
Histórico: Desenvolvido para uso na Mauser 1896 ("Broomhandle"). É baseado
no cartucho 7,65 Borchardt, mas carregado com muito mais carga propelente
com projétil de maior Diâmetro. Foi utilizado no Brasil por diversas Polícias
Militares e Estaduais (São Paulo, Rio de Janeiro e etc.)

Estojo
30 Mauser POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .390
Largura da base da virola .381
Altura do RIM .045
Altura até o ombro .735
Angulo do ombro 8º 64'
Altura total da cápsula .99
Altura total da munição 1.36
Largura do Ombro .370
Largura do pescoço .332

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 133 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 32 Auto
(7,65x17mm e 7,65 Browning)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
309 71 905 129
Histórico: O cartucho 7.65mm Browning foi introduzido no mercado europeu
pela fabrica belga Fabrique Nationale em 1899, desenhado por John
Browning para seu primeiro sucesso a pistola semi-automatica FN 1900. Em
1903, a Colt outro modelo de pistola também de desenho de Browning. O
modelo Pocket, neste calibre, teve seu cartucho renomeado para .32 Automatic
Colt Pistol ou r .32 ACP. Com um desenho semi-aro (semirimmed), o .32 ACP
foi carregado com um projétil jaquetado (FMJ) com 71 grain, velocidade de 900
fps e cerca de 130 pés/libra de energia. Como aconteceu com muitos outros
cartuchos que ganharam grande publicidade, muitas outras armas foram
disponibilizadas neste calibre. É estimado que nos 10 primeiros anos a FN
produziu cerca de 500.000 pistolas neste calibre. Hoje, fabricantes como CZ,
Taurus, Beretta, Walther, Mauser, Colt, Remington, Savage e FN/Browning
entre muitos fabricam ou fabricaram modelos neste calibre. Este calibre com a
pistola FN 1900, desencadearam a 1ª Guerra Mundial, quando o anarquista
sérvio Gravilov Princip assassinou o arquiduque Fernand do Império austro-
húngaro.

Pistola Browning FN 1900 calibre 7,65mm.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 134 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Estojo
32 ACP POL MM
Cilíndrico, com Semi-aro - Semi-Rimmed Straight
Largura da base .354
Largura da base da virola .336
Altura do RIM .043
Altura total da cápsula .680
Altura total da munição 1.03
Largura do pescoço .336
Case trim length .672

Pistola-Metralhadora Skorpion Vz.61, cal. 7.65mm Browning (.32 ACP)

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 135 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 7mm Nambu


(7mm Baby Nambu)

Pistola Nambu e Baby Nambu

Da direita apara esquerda : 5mm Clement Auto, 5.45x18 Soviet,5.75 Velodog,


6.5 Mannlicher, 7mm Bar, 7mm Nambu, 8mm Nambu, 9mm Japanese

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
280 60 1000

Histórico: Cartucho militar japonês desenvolvido em 1925. para a pistola Baby


Nambu. É uma versão reduzida do 8mm Nambu e a pistola também. A
finalidade era a portabilidade pois a Type 14 é uma arma muito volumosa para

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 136 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
um cartucho tão pouco potente. Com a rendição do Japão virou
apenas item de coleção.

Estojo
7mm Nambu POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .360
Largura da base da virola .351
Altura do RIM .045
Altura total da cápsula .78
Largura do pescoço .296

Calibre 7,65mm French Long MAS


(7,65mm Longue e 7,65mm MAS Auto)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
309 85 1000

Histórico: Cartucho militar francês adotado para as pistolas modelo 1935 e na


submetralhadora modelo 1938. Em 1950 foi substituído pelo 9mm Luger.

Estojo
7,65 French Longue POL MM
Cilíndrico, com Semi-aro - Semi-Rimmed Straight
Largura da base .335
Largura da base da virola .336
Altura do RIM .046
Altura total da cápsula .776
Largura do pescoço .335

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 137 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Pistola francesa Mdle 1935S em calibre 7,65 French Longue.

Calibre 8mm Nambu


(8mm Type 14)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
320 85 900

Histórico: Cartucho Militar Japonês desenvolvido Kijiro Nambu em 1902 para


sua pistola semi-auto a Type 14. Nambu é considerado o John Browning do
Japão. A Nambu inicialmente não foi adotada como pistola oficial do exercito,
pois as armas de coldre eram objetos particulares de cada oficial. A Nambu
tem uma aparência superficial de uma Luger, porém sem nenhuma igualdade
em relação ao mecanismo. Comparado com sua contemporâneas a .45 ACP e
a 9mm Luger, o 8mm Nambu é anêmico, poderíamos compará-lo a um .380

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 138 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
Auto. Com o fim da 2ª Guerra o 8mm Nambu virou apenas mais um
item de coleção.
Estojo
8mm Nambu POL MM
Garrafa, sem Aro - Rimless Bottle Neck
Largura da base .417
Largura da base da virola .407
Altura do RIM .042
Altura total da cápsula .856
Largura do pescoço .347

Calibre 380 Auto


(380 ACP, 9mm Kurtz, Curto, Corto, 9x17mm)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
355 90 1000 200
Histórico: Introduzido pela firma belga FN em 1912, o 9mm Browning short é
um dos muitos calibres desenvolvidos por John M Browning. Em alguns paises
da Europa, este cartucho era designado de 9mm Kurz e 9mm Corto, mas nos
USA, recebeu o nome de .380 Automatic ou .380 ACP (Automatic Colt Pistol).
Apesar de menos poderoso que o 9mm Parabellum, ele ganhou grande
popularidade todos estes anos, milhões de pistolas foram fabricadas em .380
ACP. Muitos fabricantes americanos e estrangeiros ofereceram modelos neste
calibre incluindo Colt, Savage, Remington, Llama, Star, FIE, Browning, Walther
e Beretta. Na Europa vários Departamentos de Polícia tem adotado o .380 e
até ganhado status como um cartucho militar em paises como a Suécia, a
Itália e a Czechoslovakia. Nos USA, o .380 ACP é classificado um dos
melhores cartuchos de auto defesa. O cartucho .380 cartridge é poderoso
para varmint e eficiente a médias distâncias, mas pobre na precisão seu limite
efetivo pode ser medido em 15 passos curtos. Devido a extrema limitação de
capacidade do estojo do .380 e a relativa queima rápida da sua carga de

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 139 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
pólvora, o calibre permite a construção de pistola mais simples sem
o trancamento total do ferrolho.

Pistola Italiana Beretta 1934 em calibre 380 Auto.

Estojo
.380 Auto POL MM
Cilíndrico, sem aro – Rimless straight
Largura da base .374
Largura da base da virola .373
Altura do RIM .045
Altura total da cápsula .68
Altura total da munição .98
Largura do pescoço .372
Case trim length .677

Calibre 9mm Makarov


(9x18mm Makarov)

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 140 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
45, 40 e 9mm Makarov

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
363 100 1000

Histórico: Cartucho militar russo desenvolvido após a 2ª Guerra, usado nas


pistola Stechkin e Makarov de recuo simples (direto).

Estojo
.9mm Makarov POL MM
Cilíndrico, semi-aro – Semi-Rimmed straight
Largura da base .396
Largura da base da virola .390
Altura do RIM .048
Altura total da cápsula .70
Largura do pescoço .388

Pistola Russa Makarov em calibre 9mm Makarov.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 141 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 9x18 Ultra


(9mm Ultra e 9mm Police)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
355 100

Histórico: Foi especialmente desenvolvido para os pilotos da Luftwaffe durante


a 2ª Guerra, buscando alcançar um calibre maior que o 9 kurtz (380 Auto), mas
não foi adotada oficialmente. Em 1977 foi relançado para uso da Policia Alemã,
numa versão da pistola Walther PP Super, que opera em recuo simples
(direto).
Estojo
9mm Ultra POL MM
Cilíndrico, rebatida – Rebated straight
Largura da base .385
Largura da base da virola .370
Altura do RIM .046
Altura total da cápsula .708
Largura do pescoço .378

Pistola Alemã Walther PP Super

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 142 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 9mm Bayard Long


(9mm Bergman-Bayard #6, 9mm Largo e 9mm Danish
M10)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
355 116 1280

Histórico: Desenvolvida na Alemanha em 1908 para a pistola Bergman n° 6. A


firma belga Pieper acrescentou o nome Bayard. O cartucho foi adotado pela
Bélgica e Dinamarca.

Estojo
9mm Bayard Long POL MM
Cilíndrico, sem aro – Rimless straight
Largura da base .392
Largura da base da virola .390
Altura do RIM .046
Altura total da cápsula .91
Largura do pescoço .375

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 143 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 9mm Browning Long

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
355 115 900
Histórico: Desenvolvido por John Browning em 1903, para a pistola FN 1903
produzida na Bélgica e adotada pela Suécia. Outros fabricantes produziram
armas neste calibre como Webley & Scott e a Le Français.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 144 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Pistola Browning FN 1903 em calibre 9mm Browning Long.

Estojo
9mm Browning Long POL MM
Cilíndrico, sem aro – Rimless straight
Largura da base .404
Largura da base da virola .384
Altura do RIM .046
Altura total da cápsula .800
Largura do pescoço .370

Pistola Alemã em 9mm Mauser.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 145 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 9mm Mauser


(9mm Mauser Export)

de baixo para cima 7,63 Mauser, 9mm Luger e 9 mm Mauser

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
355 115 1000

Histórico: Desenvolvida pela DWM em 1908, como um cartucho mais potente


que o 7,63mm Mauser e o 9mm Luger, visando os mercados africanos, do
extremo oriente e da América do Sul. Não alcançou sucesso sendo
descontinuado em 1914. Em 1933 o cartucho foi relançado nas
submetralhadora suíça NeuHausen e na austríaca Steyr-Soloturn, mas logo
voltou a obsolescência.
Estojo
9mm Mauser POL MM
Cilíndrico, sem aro – Rimless straight
Largura da base .390
Largura da base da virola .389
Altura do RIM .049
Altura total da cápsula .980
Largura do pescoço .376

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 146 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 9mm Steyr


(9mm Austrian M12)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
355 115 1000
Histórico: Desenvolvida e adotada pela Áustria em 1912, para sua pistola Styer
modelo 12. Tem sua potência semelhante ao 9mm Luger. O curiosa é que as
semelhanças entre este cartucho e o 9mm Bergman-Bayard é muito sutil e de
difícil diferenciação. Esta munição é obsoleta desde a 2ª Guerra.

Pistola Austríaca Steyr Hahn mod. 1912

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 147 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Estojo
9mm Steyr POL MM
Cilíndrico, sem aro – Rimless straight
Largura da base .381
Largura da base da virola .380
Altura do RIM .049
Altura total da cápsula .900
Largura do pescoço .380

Luger Modelo Naval

Calibre 9mm Luger


(9mm Parabelum, 9x19mm, 9mm Glisenti e 9mm Otan)

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 148 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
355 115 1200

Histórico: Também chamada de 9mm Luger, o 9mm Parabellum foi introduzido


em 1902 para a pistola automática Luger. Em 1904 foi adotada como cartucho
oficial da Marinha Alemã e dois anos depois pelo Exército. Em 1985, As forcas
armadas do USA descontinuou de sua longamente favorita pistola Colt Model
1911 em .45 ACP e adotou a Beretta Model 92-F em 9mm Parabellum.
Entretanto isso representou um passo para frete ou para trás, através de um
longo debate entre os combatentes americanos. De todos os cartuchos
desenhados para pistolas semi-auto e submetralhadoras o durante o século
XX, o 9mm Parabellum é de longe o mais popular. Há anos atrás os agentes
da lei americanos trocaram seus revolveres em .357 Magnum e .38 Special
pelas pistolas em 9 Luger pela alta capacidade dos seus carregadores. O FBI
adotou o 9mm, mas depois de alegar problemas de falha e de desempenho
não ser o esperado, trocou para o mais moderno e poderoso cartucho 10 mm.
Isso não desqualifica o 9mm Parabellum, é um fato que muitos atiradores
preferem mais precisão que cartuchos mais potentes. Posteriormente o FBI
migrou novamente para uma nova munição, uma versão mais curta do 10mm a
40 S&W.

Estojo
9 mm Luger POL MM
Cônico, sem aro - Rimless Straight
Largura da base .393
Largura da base da virola .392
Altura do RIM .05
Altura total da cápsula .754
Altura total da munição 1.10
Largura do pescoço .38
Case trim length .751

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 149 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Pistola STI em 38 Super (usada em competições de IPSC)

Calibre 38 Super
(38 ACP Super)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
355 115 1300 431

Histórico: Introduzido pela Colt em sua pistola Government Model em 1929,


o.38 Super não é nada mais que uma versão alongada do cartucho .38 Colt
Automatic de 1900. O .38 Super ficou a sobra languidamente de outros
cartuchos por muitos anos, agora voltou ao topo do ranking pelas mãos dos
competidores, principalmente do IPSC, assim como o 6mm PPC foi revivido
pelos atiradores de benchrest. Os atiradores de ponta do IPSC preferem o .38
Super simplesmente porque seu recuo é moderado e praticamente se tem a
vantagem de 2 tiros de vantagem em relação ao .45 ACP quando comparados
com a mesma pistola Colt Government Model. Por muitos anos o .38 Super foi
caluniado sobre problemas de precisão, principalmente porque as câmaras da
pistola Colt 1911 não foram desenhadas para permitir cartuchos com aro, o 38

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 150 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
Super semi-aro, podendo assim haver problemas de headspace. EM
1988, a Colt oficialmente decidiu seguir o que os armeiros customizadores
vinham fazendo, alterando as câmaras com um ombro para o headspace.
Como resultado desta mudança de desenho, a nova pistola Government Model
em .38 Super, agora tem a mesma precisão em 9mm Parabellum, 10mm
Auto e .45 ACP. O .38 Super por sua maior capacidade do estojo, é mais
potente que o 9mm Parabellum.

Estojo
38 Super POL MM
Cilíndrico, semi-aro – Semi-Rimmed straight
Largura da base .405
Largura da base da virola .385
Altura do RIM .05
Altura total da cápsula .900
Largura do pescoço .384

Calibre 38 Colt Long


(38 Colt Army e 38 Ball US Navy)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
357 150 730 175

Histórico: Em 1892 o exército americano trocou o calibre .45 Colt e os seu


revolveres Colt SAA 1873, pelos novos revolveres em ação dupla agora no
calibre .38 Colt Long. Durante os conflitos da Guerra Hispano-Americana em
1898, tanto o fuzil Krag e calibre 30-40 Krag como o revolver em .38 se
mostraram ineficazes, assim logo os dois sofreram processos de substituição,
sendo o .38 Colt substituído em 1911 pelo .45 ACP na famosa pistola Colt
1911.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 151 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Estojo
38 Colt Long POL MM
Cilíndrico, com aro – Rimmed straight
Largura da base .440
Largura da base da virola .378
Altura do RIM .052
Altura total da cápsula 1.031
Largura do pescoço .377

Calibre 38 S&W
(38 Colt New Police e 380-200 British)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
359 145 685 150

Histórico: O .38 S&W foi desenvolvido pela Smith & Wesson e introduzido no
anos finais de 1870. Também conhecido como .38 Super Police e .38 Colt
New Police, o .38 S&W foi um dos cartuchos mais disponibilizados por muito
fabricantes americanos e estrangeiros, tais como o Harrington & Richardson,
Smith & Wesson, Colt, Iver Johnson, e Hopkins & Allen. Por um tempo a
Welby fabricou revolveres em .38 S&W como arma padrão para os oficiais
Britânicos, uma combinação mais efetiva que o velho .455 Webly revolver. Mais
recentemente, a Ruger fabricou o modelo Service Six neste calibre para o
governo da Índia. Como o menos poderoso .32 S&W, o .38 Smith & Wesson
ganhou popularidade no setor privado por causa do custo barato dos
revolveres de bolso. Com um projétil de chumbo de 145 grain e 200 grain,
alcançavam velocidades respectivamente de 730 e 620 fps, com uma energia
de 173 e 176 pés/libra.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 152 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Revolver Webley Mk IV
Estojo
38 S&W POL MM
Cilíndrico, com aro – Rimmed straight
Largura da base .433
Largura da base da virola .386
Altura do RIM .047
Altura total da cápsula .780
Largura do pescoço .386

Calibre 38 Special
(38 S&W Special e 38 Colt Special)

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 153 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
357 158 755 200

Histórico: Um dos mais populares calibres de revolver do mundo, o .38 Smith &
Wesson Special foi introduzido em 1902. Por muitos anos, um revolver em .38
Special representava a clássica arma de coldre do homem da lei em
praticamente todo mundo ocidental, mas agora rapidamente perdeu este lugar
para as pistolas de alta-capacidade, principalmente em 9mm Parabellum.
Enquanto um revolver tem capacidade de 6 disparos uma pistola em 9mm tem
capacidade de 15, praticamente com a mesma potencial de parada. O .38
Special é um dos mais usados para a auto defesa, também é um dos mais
precisos cartucho de armas curtas já desenvolvido. Pode arremessar um
projétil de 158 grain a uma velocidade entre 700 to 800 fps. O .38 Special não
está no seu ocaso, ainda o veremos como um calibre popular por muito tempo.

Estojo
38 SPL – Rimmed Straight POL MM
Largura da base .440
Largura da base da virola .380
Altura do RIM .058
Altura total da cápsula 1.155
Altura total da munição 1.48
Largura do pescoço .379
Case trim length .895

Revolver S&W modelo 10 em calibre 38 SPL.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 154 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 357 Magnum


(357 S&W Magnum)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
357 158 1235 535

Histórico: Quando introduzido em 1935, o 357 Magnum era o topo da lista do


mais poderosos cartuchos de armas curtas no mundo, um título requisitado
depois por outros cartuchos como o .44 Magnum, 10mm Auto e .41 Magnum
entre outros. O 357 Magnum por ser um cartucho com dimensões semelhantes
ao .38 SPL e por gerar 3 vezes mais pressão na câmara que o .38 SPL pode
causar sérios problemas nas armas desenvolvidas para o .38 SPL. O
alongamento do estojo do .357 tem como função não só a maior capacidade
para propelente como também não ser utilizados em câmaras de .38 SPL.
Como cartucho de caça é usado para varmints ou para distância curtas para
small games em animais como o javali. Durante um período esteve na
preferência dos policias americanos.

Revolver Colt Python em calibre 357 mag.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 155 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Estojo
357 Magnum POL MM
Cilíndrico, com aro - Rimmed straight
Largura da base .440 11.18
Largura da base da virola .380
Altura do RIM .060 1.52
Altura total da cápsula 1.290 32.77
Altura total da munição 1.590
Largura do pescoço .379 9.63
Case trim length 1.285

Calibre 10mm Bren

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
400 200 1000

Histórico: Introduzido em 1983 para a pistola Bren Ten, o 10mm Auto


inicialmente não teve muito crédito, porém nos últimos anos mostrou ser um
sucesso entre os cartuchos desenvolvidos neste século. A idéia originada com
Whit Collins, que foi assistido no seu projeto por John Adams, Irving Stone e
Jeff Cooper, mas o crédito de manter este calibre .40 vivo se deve a ter uma
“casa” permanente na excelente Delta Elite, versão da famosa pistola Colt 1911
Government Model. Durante os anos 90 o FBI o adotou para a defesa dos seu
agentes, quando abandonou o 9mm Parabellum. Logo outras agencies da lei o
seguiram. Como sendo um poderoso cartucho logo passou a ser usado na
caça de veados a médias distâncias

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 156 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Estojo
10mm Bren POL MM
Cilíndrico, sem aro – Rimless straight
Largura da base .422
Largura da base da virola .422
Altura do RIM .04
Altura total da cápsula 1.00
Largura do pescoço .421

Pistola Bren Tem em calibre 10 mm

Calibre 40 S&W
(40 Smith & Wesson)

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 157 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
.400 180 936 350

Histórico: Desenvolvido pela Olin (Winchester) e Smith & Wesson, o novo .40
S&W estava destinado a ser a sensação dos anos 90. Este cartucho é uma
versão encurtada do 10 mm Auto. Ele é capaz de produzir um real stopping
power sem um recuo excessivo em uma pistola compacta. O .40 S&W tem
sido adotado por vária agencies policiais, depois de extensivos testes tem se
mostrado superior ao 9mm. Seu recuo não é muito maior que o do 9mm, assim
sendo seu controle no tiro é administrável. A munição padrão usada pelos
agentes da lei é de um projétil de 180 grain com uma velocidade de 950 fps em
um cano de 4 polegadas.

Estojo
40 S&W POL MM
Cilíndrico, sem aro – Rimless straight
Largura da base .424 10.77
Largura da base da virola .424 10.77
Altura do RIM .04
Altura total da cápsula .850 21,59
Largura do pescoço .423 10,74

Pistola H&K USP em calibre 40 S&W.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 158 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 41 Magnum
(41 Smith & Wesson Magnum e 41 S&W)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
410 210 1300 788

Histórico: Introduzido em 1964 no revolver Smith & Wesson Model 57, o .41
Magnum foi originalmente concebido como um cartucho ideal para o uso dos
agentes da lei. Basicamente por causa das policias estaduais americanas
(state troopers) que necessitavam de um cartucho com maior poder e mais
penetração. No círculos policiais, o .41 Magnum não alcançou o sucesso
desejado, porém entre os caçadores com armas curtas, é o segundo mais
popular logo o .44 Magnum. A Smith & Wesson, a Ruger com seu Blackhawk
and Redhawk e a Desert Eagle disponibilizam armas neste calibre.

Estojo
41 Magnum POL MM
Cilíndrico, com aro – Rimmed straight
Largura da base .492
Largura da base da virola .435
Altura do RIM .06
Altura total da cápsula 1.29
Largura do pescoço .434

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 159 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Pistola Desert Eagle em calibre 41 Magnum.

Calibre 44 Auto Mag


(44 AMP)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
430 180 1650

Histórico: O cartucho .44 Auto Mag foi introduzido para a pistola, que não
obteve sucesso, Auto Mag em 1971. Deveria ter a potencia de um .44
Magnum em uma versão de estojo sem aro para uma pistola semi-auto. Este
wildcat se originou cortando um estojo de .308 ou .30-06 para 1.30 polegadas.
O .44 Auto Mag foi desenhado para atirar um projétil de .429” com a mesma
velocidade do .44 magnum. A Auto Mag operava a gás com um ferrolho
rotativo com travamento dianteiro. Um desenho a frete do seu tempo , hoje
usado pela Wildey e Desert Eagle. Como as duas é uma arma extremamente
maciça, pesada e grande. O cartucho era excelente e ia na direção correta nos
anos 70, mas a arma teve vida curta por varias razões. Como tinha a mesma
balística do .44 Magnum, o .44 Auto Mag é poderoso para a caça podendo ser
usado para o veado ou urso negro. Pela preferência popular do .44 Magnum o
44 Auto Mag ficou obsoleto.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 160 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Estojo
44 Auto Mag POL MM
Cilíndrico, sem aro – Rimless straight
Largura da base .473
Largura da base da virola .470
Altura do RIM .054
Altura total da cápsula 1.298
Largura do pescoço .459

Pistola Automag

Calibre 44 Special
(44 S&W Special)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
430 200 900 360

Histórico: Através dos anos, o tamanho dos estojos de um grande numero de


cartuchos e seu poder foram crescentes O estojo do .357 Magnum é uma
versão alongada do estojo do .38 Special e o estojo do .357 Maximum é uma

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 161 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
versão extra longa do estojo do .357 Magnum. E isso também
aconteceu com um trio de calibres 44. O estojo do 44 Smith & Wesson Special
é uma versão alongado do estojo do .44 Russian e o .44 Remington Magnum
foi criado alongando o estojo do .44 Special. Introduzido em 1907, o .44
Special já foi mais popular que hoje. Com a chegada do .44 Magnum, o .44
Special foi perdendo sua popularidade. Não é hoje um calibre obsoleto,
principalmente por poder ser usado em armas com câmara de 44 Magnum.

Estojo
44 Special POL MM
Cilíndrico, com aro – Rimmed straight
Largura da base .514
Largura da base da virola .457
Altura do RIM .06
Altura total da cápsula 1.16
Largura do pescoço .456

Revolver S&W Triple Lock em calibre 44 SPL

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 162 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 44 Magnum
(44 Remington Magnum e 44 S&W Magnum)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
430 240 1760 1650

Histórico: Introduzido em 1955 no revolver Model 29 da S&W, o .44 Magnum


foi inspirado nas cargas pesadas do .44 Special, então um dos mais populares,
pelo famoso Elmer Keith. Como resultado do trabalho de Keith e de poucos
outros que compartilhavam a paixão por armas poderosas , a Remington e
Smith & Wesson se uniram para produzir uma resposta aos seus “pregadores”.
Rapidamente muitos outros acompanharam neste caminho, a Ruger não
demorou a lançar seu Super Blackhawk no novo .44 Magnum. Logo muitas
versões das velhas carabinas Winchester Model 92 (lever action) começaram a
aparecer, logo seguidas por outras de fabrica, como Remington, Marlin e
Winchester. È um calibre muito usado para a caça média tanto em armas
curtas como longas, com excelente precisão, penetração e poder de parada.
Sua popularidade é inquestionável.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 163 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Revolver S&W modelo 29 em calibre 44 Mag.

Estojo
44 Mag POL 44 SPL
Cilíndrico, com aro – Rimmed straight
Largura da base .514 .514
Largura da base da virola .457 .457
Altura do RIM .060 .060
Altura total da cápsula 1.285 1.16
Altura total da munição 1.61 1.50
Largura do pescoço .456 .456
Case trim length 1.275

Pistola Colt 1911 A1 em calibre 45 ACP.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 164 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 45 ACP (Automatic Colt Pistol)


(45 Colt Auto e 11,25mm Auto)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
451 230 850 370
Histórico: O .45 ACP e a pistola Colt Government Model prestaram distintos
serviços as forcas armadas dos USA e de vários paises ocidentais. Adotado
pelos USA em 1911, ambos foram retirados do serviço em 1985, quando
depois de muitas batalhas, o 9mm Parabellum, ganhou como o novo cartucho
do Tio Sam. Depois de servir por ¾ de século, o velho cavalo de batalha foi
colocado no pasto com outros velho e menos poderosos cartuchos. Quando o
.45 ACP era o cartucho militar oficial, ele era o mais popular entre os atiradores
que é hoje. E esta popularidade se deve a pistola Colt 1911. Esta mesma
pistola proporcionou a plataforma para outros calibres como o e 10mm Auto,
.41 Action Express e o .40 S&W. De acordo com a publicação oficial do United
States Practical Shooting Association (USPSA), "Front Sight", mais de 70%
dos seus membros competem com o 45 ACP. Ele é um cartucho extremamente
preciso e não irá cair em obsolescência tão cedo.

Estojo
45 ACP POL MM
Cilíndrico, sem aro – Rimless straight
Largura da base .479
Largura da base da virola .474
Altura do RIM .049
Altura total da cápsula .898
Altura total da munição 1.24
Largura do pescoço .473
Case trim length .895

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 165 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 45 AR
(45 Auto Rimmed)

Revolver S&W 1917 calibre 45 ACP e 45 AR.

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
451 230 810 335

Histórico: A utilização, durante a 1ª Guerra Mundial, de revólveres S&W e Colt


com munição . 45 ACP, necessitava do auxílio de um "Clip" especial ("Half-
Moon Clip"). Em 1920, a Peters introduziu a versão com aro do .45 ACP que
dispensa o uso do referido "Clip". Foi utilizado em uma versão militar adotada
pelo Exército Brasileiro (Smith & Wesson modelo 1917). O curioso desta
munição é que foi lançada anos após a arma já estar em produção e ter
participado da 1 ª Guerra.

Estojo
45 AR POL MM
Cilíndrico, com aro - Rimmed Straight
Largura da base .516 13,11
Largura da base da virola .475 12,07
Altura do RIM .09
Altura total da cápsula .898 22,81
Largura do pescoço .472 11,99

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 166 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 454 Casull


(454 Casull Magnum)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
452 250

Histórico: O .454 Casull foi desenvolvido por Dick Casull e Jack Fullmer e
introduzindo em meados dos anos 50. Por muitos anos, o maior cartucho em
calibre .45 foi apenas um wildcat, mas fabricantes de munição e armas
acabaram se rendendo e lançaram seus produtos no Mercado. No quesito
energia de boca, o .454 Casull Magnum produz 50% mais energia que o .44
Remington Magnum. Claro que o .454 produz 70% mais de recuo que o
mesmo .44 Magnum. Para velocidades reduzidas pode ser carregado com as
cargas do .45 Colt, pois esta munição pode ser disparada nas armas .454.
Excelente para uso na caça com armas curtas de animais de médio porte.
Recentemente a carabinas tem sido fabricadas neste calibre, uma delas é a
Puma da Amadeo Rossi.
Estojo
454 Casull POL MM
Cilíndrico, com aro - Rimmed Straight
Largura da base .512
Largura da base da virola .481
Altura do RIM .06
Altura total da cápsula 1.285
Altura total da munição 1.60
Largura do pescoço .480

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 167 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Revolver Taurus Raging Bull em cal 454 Casull.

Calibre 45 Long Colt


(45 Colt)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
452 250 950

Histórico: O .45 Colt (as vezes incorretamente chamado de .45 Long Colt), foi
introduzido para o revolver Colt single action em 1873. Dois anos depois foi
adotado pelo exercito americano e serviu até ser substituído pelo menos
poderoso .38 Long Colt em 1892. Originalmente carregado com um projétil de
chumbo de 255 grain, com velocidade de 810 fps e com 40 grain de pólvora
negra. Este grande cartucho gerava uma energia 378 pés/libra. Hoje o .45 Colt
é carregado com pólvora sem fumaça e com projétil de 225 grain pode chegar
a velocidades de 900 fps. Não é o mais popular, como foi no final do século
XIX, foi até considerado como um “magnum” até o surgimento do 44 Special
em 1907, hoje, ainda em produção, é muito usados nas competições de
Cowboy Action.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 168 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Estojo
45 Long Colt POL MM
Cilíndrico, com aro - Rimmed Straight
Largura da base .512
Largura da base da virola .481
Altura do RIM .06
Altura total da cápsula 1.285
Largura do pescoço .480

Revolver Colt 1873 em calibre 45 Colt.

Calibre 455 Webley Mk II


(455 Revolver Mk-2)

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 169 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/seg Pés/libra
454 250 710

Histórico: Adotado pelo Império Britânico em 1887 em substituição ao .455 MK


I, com o alongamento do estojo, mas ainda sendo carregado com pólvora
negra. Foi usado na 1ª e 2ª Guerra, porém nesta ultima com arma de segunda
linha.

Estojo
455 Webley Mk II POL MM
Cilíndrico, com aro - Rimmed Straight
Largura da base .535
Largura da base da virola .480
Altura do RIM .045
Altura total da cápsula .770
Largura do pescoço .476

Revolver Webley MK. VI em calibre .455

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 170 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

CAPITULO 3
ESPECIFICAÇÕES DE CALIBRES DE FOGO CIRCULAR
(RIMFIRE)

Hoje as munições de fogo circular são utilizadas para a prática da caça de


pequenos animais, em competições de tiro de várias modalidades, em
treinamentos e em momentos de lazer. Seu baixo estampido e recuo, além do
preço reduzido, são algumas das razões que colaboram para que essa
munição seja a melhor opção para iniciantes no tiro e a tornam a mais vendida
em todo o mundo.

No passado existiram muitos calibres que utilizavam a percussão de fogo


circular, não só para as armas curtas também para longas. Calibres como o .41
usados nas pistolas Derringer, . 52 e 56 nas carabinas Spencer. Hoje por ser
uma munição de fogo circular, as .22 e .17 não possui espoleta e sua mistura
iniciadora está localizada de forma circular ao longo do anel interno do culote
do estojo. Em função dessa localização, a percussão é feita sobre esse culote,
o que exige que o percussor da arma seja montado fora de centro e que a
percussão ocorra bem na borda do culote.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 171 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Tipos de pontas de algumas .22

22 LR, 17 Match 2, 17 HRM e 22 Magnum

Munições
Calibre 22 Curto
(22 Short)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
.224 29 1045 70

Histórico: É o mais antigo cartucho metálico comercial norte americano. Foi


introduzido em 1857 para o revolver Smith & Wesson Primeiro Modelo e ainda

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 172 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
é utilizado amplamente em todo o mundo. Originalmente concebido
como calibre de defesa, hoje é popular como munição de tiro ao alvo de curta
distancia. A carga original era 4 grain de pólvora preta e projétil de 29 grain. No
passado foi também utilizado em pesados rifles de competição.

Mini-revolver NAA em cal. 22 Short.

Calibre 22 Longo
(22 Long)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
.224 29 1132 81

Histórico: Surgiu em 1870’s como munição para revolver, tendo sido adaptado
pouco tempo depois para rifles. Era originalmente carregado com 5 grain de
pólvora preta e o projétil do 22 Short, de 29 grain.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 173 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Carabina Winchester modelo 63 em calibres 22 Short, 22 Long e 22 LR.

Calibre 22 LR
(22 Long Rifle e 22 Longo Rifle)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
.224 40 1255 140

Histórico: Feliz combinação do estojo do 22 Long, carregado com os 5 grain de


pólvora preta originais, mas levando um projétil de 40 grain, ao invés do de 29
grain. Foi desenvolvido pela firma produtora de armas J. Stevens em 1887 e
acabou sendo o cartucho mais desenvolvido e preciso dentre todos os de fogo
circular. É o cartucho mais popular do mundo em competições, bem como o
mais amplamente usado em caça de pequeno porte.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 174 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Pistola Ruger MK III em calibre 22 LR.

Carabina Taurus modelo 62 em calibre 22 LR.

Calibre 22 Winchester Rimfire


(22 WRF)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
.226 45

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 175 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Histórico: Introduzido pela Winchester em 1890 para uso em rifles, foi o


primeiro melhoramento notável em termos de potência com relação aos
cartuchos 22 de fogo circular existentes até então. O diâmetro do estojo
acabou ficando ligeiramente maior, em virtude do seu projétil de 45 grain ser
com lubrificação interna, ao contrário dos demais 22 Short, Long e Long Rifle
que são do tipo com lubrificação externa. Foi também utilizado em revolveres
Colt. Foi descontinuado em 1940.

Carabina Ruger 10/22 em calibre 22 LR.

Calibre 22 Magnum
(22 WRM)

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
.224 40 1910 324

Histórico: Foi introduzido pela Winchester em 1959. É essencialmente uma


versão mais alongada e mais potente do velho 22 WRF. Acabou sendo
bastante popular e muito difundido como calibre de caça de pequeno porte,
pois com um projétil de 40 grain pode atingir velocidade de 2000 pés por
segundo, o que o tornou, em seu lançamento, o calibre mais potente de fogo
circular disponível.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 176 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Carabina Marlin 925M em calibre 22 Magnum

Rifle Ruger 77/22 em calibre 22 Magnum

Calibre 17 HRM
(17 Hornady Rimfire Magnum)

17 Match 2 e 17 HRM

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 177 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
.17 17 2610 257

Histórico: O Desenvolvimento desta munição foi um longo processo Foi um


trabalho de experimentos de vários experts como Steve Chernicky, Terry
Kopp, W.A. Eichelberger, A.J. Jones, Fred Wood, e outros que trabalharam em
varias versões de pequenos calibres de munições de fogo circular. A primeira
noticia dele remonta a janeiro de 1992 , quando aparece pela primeira vez
noticias na revista Shooting Times, então sua designação era 17 KRM, pois a
equipe de desenvolvimento era denominada Kopp. Ela arremessava um projétil
de 25 grain a velocidade entre 2100 a 2400 fps, a mesma desempenho do
obsoleto 5mm Remington Magnum. Chernicky, determinou que as velocidades
deveriam ser ao redor de 2700 fps com projéteis de 20 grain. Alterando os
passes dos raiamentos das carabinas e diminuindo o peso do projétil para 17
grain isso foi alcançado. Basicamente mais um Wildcat, originado do
estrangulamento (neck down) de um estojo 22 WRM teve reconhecimento
pelo mercado que preocupou em produzir carabinas e munição. Dave Emary,
engenheiro e chefe do departamento de Balística da Hornady foi um deste
profissionais que acreditou neste trabalho dos Wilcaters, dando apoio industrial.
A munição foi lançada no mercado com denominação .17 HRM (Hornady
Rimfire Magnum). Hoje a Marlin com o Model 17VS e Model 17V a Ruger com
17 SRV já tem seu modelos em franca produção. A Taurus também, na
realidade não a grandes problemas para se adaptar produções das carabinas
22 WRM para este novo calibre. Este calibre proporciona uma boa precisão,
em relação a sua velocidade e trajetória, isso a 200 jardas. Sem falar do custo
de que munições de fogo circular são relativamente mais baratas que as de
fogo central. Ele foi lançado comercialmente em 2002.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 178 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Revolver Ruger Single Six em calibres 17 HRM e 17 M2.

Calibre 17 Match 2
(.17M2)

17 Match 2 e 22 LR

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 179 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Dados munição padrão


Diâmetro Peso Velocidade Energia
polegada (grain) Pés/ seg Pés/libra
.17 17 2100 166
Histórico: Acompanhando o sucesso do .17 HRM, a Hornady resolver explorar
e inovar com um no projeto. Baseado em um cartucho 22 LR, o novo 17 Mach
2 (.17M2) foi estrangulado (neck down) para um projétil de 17-grain, calibre .17
para dar uma velocidade nominal de 2100 fps em uma carabina de 24
polegadas de cano. O novo cartucho foi anunciado no 2004 SHOT Show, em
Las Vegas, Nevada, USA, em 11 de Fevereiro de 2004. Foi anunciado em
conjunto pela Hornady e outros fabricantes participantes do SHOT O
engenheiro da Hornady Dave Emary, que ajudou o .17 HRM se tornar uma
realidade, ele começou a pensar com o .17 HRM com o final das sua
especificações e performances. Baseado no estrangulamento do .22 WRM e
velocidade de 2600 fps com projétil de .17 e peso de 17 grain com uma incrível
trajetória tensa e uma incrível precisão. Imediatamente Emary partiu para
experimentar o mesmo principio com o estrangulamento (necked-down) do
pequeno cartucho .22 Long Rifle. Emary usou essencialmente os mesmos
propelentes do .22 LR, ele não teve problemas para alcançar a velocidade de
2100 fps, alcançando 2 vezes a velocidade do som por isso recebeu o nome de
“.17 Mach 2”, com pressões nos níveis compatíveis com o .22 LR.
Logicamente é menos potente e com alcance menor que o .17 HMR, porém a
100 jardas é 70% mais “quente” que o 22LR com trajetória bem mais tensa.
Com armas curtas com 5,5 Polegadas de cano é possível se obter velocidade
de 1640 fps. No 2004 SHOT Show, fabricantes de armas como Taurus,
Thompson/Center, Browning, Marlin, and Anschutz já fabricam versões neste
calibre. Eley já disponibiliza também esta munição. Muitos outros fabricantes
anunciaram intenção de investir neste novo calibre, incluindo os tradicionais
Ruger,Browning, Winchester, Smith&Wesson e Remington.

(TOP) Thompson/Center is
chambering its Classic
semiautomatic rifle for the new
rimfire round. (BOTTOM) Taurus
has added a snubnose double-
action revolver in .17M2 to its
lineup.

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 180 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Carabina Marlin 717 M2 em cal. 17 Match 2

Rifle Ruger K77/17 em calibre 17 M2

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 181 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

CAPITULO 4
ESPECIFICAÇÕES DE CALIBRES DE CARTUCHOS DE HT

ARMAS DE ALMA LISA TH

Os cartuchos são destinados a caça, defesa, esporte e uso policial.


Normalmente, são carregados com esferas múltiplas de chumbo cujos
tamanhos (diâmetros) variam de acordo com a finalidade a que se destina o
cartucho.

Para as espingardas (armas de canos longos e lisos, usadas na caça), o


conceito de calibre é diferente dos das armas de alma raiada. Para estas
armas, o calibre corresponde ao número de esferas possíveis de serem
obtidas com a utilização de 1 libra (454 g) de chumbo. Por exemplo: pega-se
454 gramas de chumbo e com isto faz-se 12 esferas de mesmo diâmetro, a
este diâmetro dá-se o nome de calibre 12.

Espingarda Remington Over and Under

Histórico : As espingardas sempre foram armas muito populares em todo o


mundo, e certamente mais armas desse tipo são compradas e usadas do que
as do tipo raiadas. Muitos governos de muitos paises permitem um uso mais
ou menos irrestrito das espingardas, ao passo que o de armas raiadas é
proibido ou controlado. Uma boa espingarda possibilita maior flexibilidade de
uso e obtenção de maior variedade de caça sob as mais variadas condições,
do que qualquer arma raiada de um único calibre. E ao contrário dos fuzis de
caça, a espingarda pode ser usada em áreas densamente populosas com

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 182 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
relativa segurança. A idéia de se usar uma multiplicidade de balins
para caçar, ou mesmo para lutar, é bastante antiga, uma vez que, em seus
primórdios, todas as armas eram de alma lisa. A utilização de raiamento surgiu
por volta de 1500, pelo menos 150 anos depois da pólvora estar em pleno uso.
Era costumeira a utilização de bagos de chumbo ou cargas com múltiplos
balins nos mosquetes de pederneira, tanto para caçar como para guerrear, pois
facilitava o acerto em alvos móveis ou em vegetação densa. A espingarda
“moderna”, de um ou dois canos, data de 1750, quando eram de antecarga.
Por volta de 1836, foram adaptadas ao cartucho de pino ou Lefaucheux e em
1851 já estava sendo desenvolvido o cartucho de fogo central para
espingardas na Inglaterra. No entanto, as de antecarga foram populares até
1900 ou mais. O uso de estrangulamento do cano ou “choke” passou a ser
utilizado a partir de 1870 mais ou menos. A pólvora sem fumaça para as
espingardas veio a partir de 1864, bem antes da dos fuzis, 1885. E a conquista
da uniformidade e qualidade dos balins de chumbo veio com a utilização de
torres no processamento, em 1769, pelos ingleses. O calibre ou diâmetro do
cano de uma espingarda (gauge ou bore) é designado de forma bem diferente
do de um fuzil ou uma pistola. O sistema utilizado é bem antigo, datando dos
tempos das primeiras armas de antecarga e incluindo medida de peso. Era
costume dar a “medida” (calibre) dos mosquetes em termos de quantas esferas
de chumbo puro do tamanho da boca da arma em questão eram necessárias
para se ter uma libra de peso (454 gramas). Assim, o “calibre” 12 originalmente
tem o mesmo diâmetro de cano que uma esfera de chumbo puro que pese 1/12
de uma libra. No passado as espingardas eram fabricadas em qualquer calibre,
variando do 1 ou 2 até o 32 e o sistema de nomenclatura ainda persiste até os
dias de hoje. Os calibres mais comuns são o 12, 16, 20 e 28. O 4 e o 8 já foram
muito populares na Inglaterra, e o 10 ganha popularidade nos Estados Unidos.
No Brasil o 24 e o 32 já foram bastante utilizados. Uma exceção ao sistema de
nomenclatura é o nosso “calibre” 36, que, na realidade não se vincula ao
tamanho de esferas de chumbo puro, e mede .410” de diâmetro, sendo
conhecido também por esse “nome”. Em alguns países de língua espanhola é
também chamado de “12mm”. Outra exceção é o cartucho 9mm de fogo
circular para espingardas, ainda comum na Europa continental. Outra exceção
é o “calibre 40” ou “quarentinha”, por nós utilizado e cujos estojos fabricamos,
com as denominações de 9,1x40 e 9,1 Longo, que, na realidade originam-se de
uma munição alemã para fuzis de tiro único ou combinados, carregada com
pólvora preta, na virada do século passado. Tivemos ainda por alguns anos,
em passado recente a munição do Conjunto Mini-Skeet, chamada de Calibre
8mm (.310), de fogo circular, ao estilo do 9mm europeu, só que utilizando
estojos totalmente metálicos. Os estojos para a munição de espingardas
podem ser fabricados em papelão, plástico, alumínio, latão, zinco ou aço. Ao
longo do tempo, desenvolveram-se algumas idéias e crenças equivocadas a
respeito das espingardas e sua munição. Uma delas é a respeito do
comprimento do cano, quanto maior, mais alcance efetivo. Os testes mostram
que o alcance efetivo é obtido com canos de 20 a 22 polegadas de
comprimento, apenas. Outra é a respeito do alcance efetivo, onde uns pensam
que, quanto maior o calibre, maior a velocidade e outros pensam o contrário.
Na realidade, a velocidade é mais ou menos a mesma para os diversos
calibres, encontrando-se apenas uma pequena variação quanto a diferentes

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 183 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES
tamanhos de chumbo e peso da carga de chumbo, sem ser, no
entanto, significativa.

Existem vários calibres de armas de alma lisa, listaremos abaixo os que ainda
estão em uso.
Calibre 10

Calibre 12

Calibre 16

Calibre 20

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 184 of 185


DESMISTIFICANDO OS CALIBRES

Calibre 28

Calibre 36
(.410 Ga)

Remington 1100

ACAP–Associação dos Colecionadores e Atiradores do Planalto–05/06 Pag. 185 of 185