Você está na página 1de 10

1.

ASPECTOS GERAIS

1.1 - Caracterização da Empresa

Razão Social
Cia Brasileira de Distribuição.

C.N.P.J. (M.F.) Inscrição Estadual


47.508.411/0066-00 108.816.428.114

Endereço n.º Complemento


Av. Amador Bueno da Veiga 1355 -

Bairro Cidade Fone CEP


Penha São Paulo 6684-0889 03636-100

CNAE Atividade
52.12-4 Comércio Varejista de Produtos Alimentícios

Grau de Risco Grupo


02 C-21

Bandeira Loja Total Empregados


CompreBem 0076 50

1.2 - Objetivos:
São objetivos do P.P.R.A:

•Dar atendimento ao disposto no item 9.2.1.1, da NR-9, da Portaria n.º 25 de 29/12/94, republicada
em 15/02/95, em vigor a partir de 15/08/95, no sentido de avaliar o desenvolvimento, realizar
os ajustes necessários, e estabelecer novas metas e prioridades para o Programa de
Prevenção de Riscos Ambientais - (P.P.R.A.), elaborado e implantado na Empresa.

•preservar a saúde e a integridade física dos empregados, através da antecipação,


reconhecimento, avaliação e o controle dos riscos ambientais;

1.3 - Especificação das Responsabilidades:

1.3.1 - Do Empregador:

•Estabelecer, implementar e assegurar o cumprimento do P.P.R.A., como atividade permanente da


empresa;

•Informar aos trabalhadores, de modo apropriado e suficiente, sobre os riscos ambientais em seus
locais de trabalho e sobre as formas adequadas de prevenir tais riscos;

•Incentivar a participação dos trabalhadores que podem contribuir na elaboração do P.P.R.A. e no


desenvolvimento de suas ações.

1.3.2 - Dos Empregados:

•Colaborar e participar na implantação e execução do P.P.R.A.;

•Seguir as orientações recebidas nos treinamentos oferecidos dentro do P.P.R.A.;

•Informar aos superiores hierárquicos diretos, as ocorrências que a seu julgamento, possam
implicar em riscos à integridade física dos trabalhadores, bem como às condições dos
ambientes de trabalho.

I.3.3 - Do Engenheiro Responsável:

•engenheiro que assina este trabalho, é responsável pelas informações e orientações técnicas
contidas neste documento, não podendo ser responsabilizado por acidentes e/ou doenças do
trabalho, originadas pelo não cumprimento, execução ou implementação das medidas
propostas neste PPRA..

2. Registro, Manutenção e Divulgação do PPRA

2.1- Registro dos Dados

Todos os dados coletados no P.P.R.A, deverão ser mantidos arquivados por um período mínimo
de 20 anos, na forma da lei, como determina o item 9.3.8.2 na NR-9, de modo a constituir histórico
técnico e administrativo do desenvolvimento do P.P.R.A.

2.2- Manutenção

Serão utilizados durante a implantação/manutenção do programa, com o objeto de se avaliar a


eficácia das medidas recomendadas no PPRA, os seguintes instrumentos de controle:

2.2.1 - AVALIAÇÃO PERIÓDICA: para a verificação do andamento dos trabalhos

2.2.2 - MONITORAMENTO: para a avaliação da eficiência do programa e das medidas


de controle adotadas

2.2.3 - CONTROLE MÉDICO: os resultados dos exames médicos, serão instrumentos na


avaliação da eficácia do PPRA.

2.3 - Divulgação do PPRA:

Todos os dados estarão à disposição dos empregados, seus representantes legais e órgãos
competentes e agentes da fiscalização como determina a legislação.

Os funcionários receberão informações acerca dos riscos ambientais existentes, através de


boletins informativos e de outros meios de comunicação interna da empresa.

3. Organização:

3.1 - Reconhecimento dos Riscos Ambientais

O P.P.R.A. terá como objetivo, a organização, priorização e solução dos problemas de riscos de
acidentes e doenças do trabalho, apontados pelo Levantamento Preliminar desde documento, em
conjunto com a Análise Preliminar de Risco (APR).

3.2 - Antecipação dos Riscos Ambientais

Na fase de reconhecimento dos riscos ambientais, adota-se


a sistemática da Análise Preliminar da Riscos (APR), seguindo a linha inicial de procedimento
quando da implantação primeira do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (P.P.R.A.).

3.3 - Riscos Ambientais

São considerados riscos ambientais os agentes físicos, químicos e biológicos existentes no


ambiente de trabalho que, em função de sua natureza, concentração e tempo de exposição são
capazes de causar danos à saúde dos trabalhadores conforme a classificação:

3.3.1 - AGENTES FÍSICOS:


São as diversas formas de energia a que possam estar expostos os empregados, tais como ruído,
vibrações, pressões anormais, temperaturas extremas (calor e frio), radiações ionizantes,
radiações não-ionizantes, infra-som e ultra-som.

3.3.2 - AGENTES QUÍMICOS:

São substâncias, compostos ou produtos no estado sólido, líquido ou gasoso, na forma de poeira,
fumos, neblinas, névoas, gases ou vapores que podem penetrar no organismo por via respiratória,
cutânea ou por ingestão.

3.3.3 - AGENTES BIOLÓGICOS:

São os microorganismos tais como bacilos, bactérias, fungos, parasitas, protozoários, vírus, e
outros.

3.3.4 - AGENTES ERGONÔMICOS:

São Itens de conforto encontrados nos ambientes de trabalho tais como a iluminação e
temperatura ambiente, entre outros.

3.4 - Categoria dos Riscos Ambientais

I. Irrelevantes (controle de rotina)


II. De atenção (controle preferencial / monitoramento)
III. Crítica (controle prioritário)
IV. Emergencial (controle de urgência)

4. Planejamento

4.1 - Metodologia de Ação

Devem ser avaliados os riscos, que resultarem acima dos níveis de ação, e aqueles que não
existiam na etapa anterior em função de alterações no processo ou ainda no estabelecimento,
tanto na qualificação/ quantificação dos riscos, como quanto ao tempo de exposição dos
trabalhadores expostos á esse riscos.

4.2 - Determinação dos Prazos

Os prazos para execução dos trabalhos e eliminação dos riscos apresentados serão classificados
conforme segue:

Imediato (de 01 a 30 dias) - medidas de caráter urgente, que envolvam soluções simples e
absolutamente necessárias.

Curto Prazo (de 31 a 120 dias) - medidas que envolvam soluções simples e decisões até o nível
de supervisão.

Médio Prazo (de 121 à 240 dias) - medidas que envolvam decisões a nível de gerência com
desembolso de verba não superior aos limites de aprovação dos mesmos.

Longo Prazo (acima de 240 dias) - medidas que por seu caráter pecuniário envolvam aprovação a
nível de diretoria e/ou autorização de recursos planejados.

4.3- Medidas de Controle

Serão priorizadas as medidas de controle coletivo para neutralização ou eliminação dos agentes
nocivos à Segurança e Saúde dos Trabalhadores, e quando comprovada a inviabilidade técnica ou
econômica para implementação da proteção coletiva, a empresa fornecerá E.P.I.’s conforme
procedimento específico para as áreas envolvidas.

4.4- Periodicidade da Avaliação e Monitoramento

Serão programadas implementações de avaliações periódicas com o objetivo de reavaliar


anualmente, todo o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, visando eliminar ou atenuar as
condições de risco que se encontrarem acima dos níveis de ação considerando-se possíveis
alterações no estabelecimento ou processo.

5. Levantamento Preliminar

5.1 SEÇÕES:

Ä Administração;
Ä Mercearia / Deposito;
Ä Carnes e Aves;
Ä F.L.V. – Frutas, Legumes e Verduras;
Ä Frios e Laticínios / Rotisserie;
Ä Padaria;
Ä Frente de Caixa;
Ä Portaria;
•CPD;
•Vendas;

6 - MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS:

6.1.1 - LOJA:
•Prateleiras de ferro;
•Gôndulas;
•Displays Expositores;
•Balcões Refrigerados;
•Check-outs;
•Carrinhos.

6.1.2 - DEPÓSITO:

•Carrinhos hidráulicos;
•Racks;
•Escadas.

6.1.3 - ÁREA DE APOIO:

•Balanças Etiquetadoras;
•Facas;
•Pias;
•Mesas;
•Carrinhos tipo cuba;
•Embaladoras de resinite;
•Masseira;
•Batedeira de Bolo;
•Cilindro;
•Divisora;
•Modeladora;
•Máquina de Fatiar pão;
•Moedor de carne;
•Serra de fita;
•Fogão;
•Forno;
•Fatiadora;
•Aparelhos telefônicos.

7 - Análise Preliminar dos Riscos (A.P.R.):

Análise Preliminar dos Riscos (A.P.R.)


N. Efeito Cat.
Risco Causa Fonte Medidas de Controle E/F
º Possível Risco
Perecíveis
Proteção na serra Amputação /
1 Acidentes Serra de Fita I Manter proteção na serra de Fita E
de fita cortes
Ausência de
Cortes
2 Acidentes Proteção para o Moedor IV Adotar proteção no moedor F
Esmagamento
Moedor de Carne
Limpeza Manter luva de malha de aço na operação
3 Acidentes Fatiadora Cortes I E
Inadequada de limpeza das fatiadoras e cortes
4 Acidentes Corte de carne Facas Cortes I Manter luva de malha de aço na operação E
Dermatites /
Piso Manter uso de EPI’S adequados
5 Físico Umidade Desconforto I E
Pias ( Bota impermeável, avental de vinil )
Térmico
Adentrar nas Manter o uso dos EPI’s adequados
6 Físico Frio Câmaras Hipotermia I (Japona Térmica, Bota impermeável, meia E
Frigorificas térmica)
Adotar uso da luva e avental para trabalhos
Queimadura
7 Físico Calor Forno II em altas temperaturas / Seguir orientação F
Desidratação
do informativo
Quadro de força Providenciar o fechamento dos quadros de
8 Acidente Quadro de Força Choque elétrico II F
aberto força com chaves
Proteção para
Cilindro,
Cilindro,
Modeladora, Cortes / Manter proteção no Cilindro, Modeladora,
9 Acidentes Modeladora, I E
Masseira e Esmagamento Divisora, Masseira, batedeira de bolo
Masseira e
Batedeira
Batedeira
Proteção para o Amputação / Providenciar proteção para o triturador de
10 Acidente Triturade Pão I F
triturador de pão Cortes pão
Depósito
1 Ergonômic Armazenamento Transporte de Lombalgia I Manter uso de equipamentos que facilitam E
o de mercadorias mercadoria o transporte de mercadorias, Seguir
orientação do informativo
Fraturas Manter uso de escada com corrimão e
2 Acidente Queda Escada Adequada III E
Contusões guarda corpo
Frente de Caixa
Fiação Exposta e Embutir Fiação e remoção de
1 Acidente Check-outs Choque Elétrico I F
tomadas T Tomadas “T”

Área de Vendas
Mercadorias com
1 Acidentes Área de Venda Escoriações I Manter as Gôndolas Sempre Organizadas E
Risco de Quedas

Legenda:

N = Número de ordem do risco


Risco = Tipo do risco ambiental identificado
Causa = Especifica a causa do tipo do risco
Fonte = Determina a fonte geradora do risco
Efeito = Identifica os possíveis efeitos sobre o indivíduo, relatados na literatura técnica
Categoria de Risco = Vide item II.2 deste
Medidas de Controle = Especifica medidas de controle existentes, ou medidas básicas a serem estudadas, ou
adotadas imediatamente
E/F = Refere-se à medida de controle existente (E) ou futura (F) a ser estudada/implementada

8. Análise dos Resultados

A NR-9 estabelece no seu item 9.2.1.1, a obrigatoriedade de se efetuar “sempre que


necessário e pelo menos 01 (uma) vez ao ano”, a análise global do P.P.R.A., com o
objetivo de se realizar os ajustes necessários ao Programa, bem como o de se
estabelecer novas metas e prioridades.

9. Estabelecimento de Novas Metas e Prioridades

9.1- Novas Medidas Recomendadas

•Desobstruir saídas de emergência, hidrantes e extintores;

•Melhorar iluminação para a seção de CPD;

•Providenciar os EPI’s adequados para a Seção do refeitório;

•Providenciar os EPI’s adequados para a Seção de padaria (luva e Avental p/ altas

temperaturas);
•Embutir fiação e remoção de tomadas T dos check-outs;

•Manter divulgação e cumprimento das Ordens de Serviço – Oriente-se;

•Manter distribuição de EPI;

•Manter proteção na Serra de Fita;

•Atualizar fichas de controle de EPI.

•Manter proteção no Moedor de Carne;

•Manter proteção no Cilindro, Divisora, Modeladora e Batedeira de bolo;

•Manter proteção na Masseira;

9.2 – Cronograma de Execução

Previsão
Medidas Propostas De
Implantação
Manter sinalização e desobstrução dos extintores, hidrante, corredores, saídas
Imediato
de emergência, painel elétrico;
Melhorar a iluminação através de lâmpadas na seção de CPD; Imediato
Providenciar os EPI’s adequados para a Seção de Refeitório; Imediato
Providenciar os EPI’s adequados para a Seção de Padaria (Avental e Luva
Imediato
para altas temperaturas);
Embutir fiação e remoção de tomadas T nos check-outs Imediato
Controle Preventivo
Manter divulgação e cumprimento das Ordens de Serviço – Oriente-se; Sempre
Manter proteção no moedor de carne; Sempre
Manter proteção no Cilindro, Divisora, Modeladora e Batedeira de bolo; Sempre
Manter proteção na Masseira; Sempre
Manter proteção no moedor de carne; Sempre
Manter distribuição de EPI; Sempre
Manter proteção na Serra de Fita; Sempre
Atualizar fichas de controle de EPI's; Sempre