Você está na página 1de 36

APOSTILA DE KARATÊ SHOTOKAN

ADAPTADO POR DANIEL FALCÃO


(VERSÃO 5.0 – PDF)
ÍNDICE
CAPÍTULO I – INTRODUÇÃO .........................................................................................................................................................................................................................................................4
1.1. INTRODUÇÃO AOS PAIS ....................................................................................................................................................................................................................................................4
1.2. INTRODUÇÃO ÀS CRIANÇAS.............................................................................................................................................................................................................................................4
CAPÍTULO II - A HISTÓRIA DO KARATÊ ......................................................................................................................................................................................................................................5
CAPÍTULO III - CARACTERÍSTICAS ..............................................................................................................................................................................................................................................8
3.1. QUALIDADES FÍSICAS ........................................................................................................................................................................................................................................................8
3.2. A CONDUTA NO DOJO........................................................................................................................................................................................................................................................9
3.3. O USO DO KIAI ..................................................................................................................................................................................................................................................................10
CAPÍTULO IV - TREINAMENTO....................................................................................................................................................................................................................................................10
4.1. KIHON IPON & JYU IPON ..................................................................................................................................................................................................................................................10
4.2. KUMITE ..............................................................................................................................................................................................................................................................................10
CAPÍTULO V – KATAS..................................................................................................................................................................................................................................................................13
5.1. A HISTÓRIA DO HEIAN SHODAN .....................................................................................................................................................................................................................................14
5.2. A HISTÓRIA DO BASSAI-DAÍ ............................................................................................................................................................................................................................................15
5.3. EXAME DE FAIXAS............................................................................................................................................................................................................................................................17
5.4. DESENHOS ESQUEMÁTICOS DOS KATAS.....................................................................................................................................................................................................................19
CAPÍTULO VI - PROTEÇÃO..........................................................................................................................................................................................................................................................21
6.1. PRINCIPAIS PROTETORES ..............................................................................................................................................................................................................................................21
6.2. ALGUNS EQUIPAMENTOS QUE AUXILIAM NO TREINAMENTO....................................................................................................................................................................................21
CAPÍTULO VII – BASES (DACHIS)...............................................................................................................................................................................................................................................22
7.1. PRINCIPAIS BASES...........................................................................................................................................................................................................................................................22
7.2. OUTRAS BASES ................................................................................................................................................................................................................................................................23
CAPÍTULO VIII – TÉCNICAS DE MÃO..........................................................................................................................................................................................................................................24
8.1. NOME DE ALGUMAS REGIÕES DO BRAÇO....................................................................................................................................................................................................................24
8.2. TÉCNICAS DE ATAQUE – ZUKI WAZA.............................................................................................................................................................................................................................25
8.3. OUTRAS TÉCNICAS – UCHI WAZA ..................................................................................................................................................................................................................................25
8.4. TÉCNICAS DE DEFESA – UKE WAZA ..............................................................................................................................................................................................................................26
CAPÍTULO IX – TÉCNICAS DE PERNA .......................................................................................................................................................................................................................................27
9.1. NOME DE ALGUMAS REGIÕES DA PERNA ....................................................................................................................................................................................................................27
9.2. TÉCNICAS DE ATAQUE – GUERI WAZA..........................................................................................................................................................................................................................27
CAPÍTULO X – PREPARAÇÃO.....................................................................................................................................................................................................................................................28
10.1. FASES DO TREINAMENTO .............................................................................................................................................................................................................................................28
10.2. FASE DE AQUISIÇÃO......................................................................................................................................................................................................................................................28
10.3. FASE DE MANUTENÇÃO ................................................................................................................................................................................................................................................30
10.4. FASE DE DESCANSO......................................................................................................................................................................................................................................................30
10.5. TIPOS DE EXERCÍCIOS ..................................................................................................................................................................................................................................................31
CAPÍTULO XI – TERMINOLOGIA .................................................................................................................................................................................................................................................31
CAPÍTULO XII – DOJO KUN .........................................................................................................................................................................................................................................................33
CAPÍTULO XIII – OS 20 ENSINAMENTOS DE FUNAKOSHI .......................................................................................................................................................................................................34
MESTRE FUNAKOSHI...................................................................................................................................................................................................................................................................35
ESPORTE OLÍMPICO ....................................................................................................................................................................................................................................................................36
CRÉDITOS .....................................................................................................................................................................................................................................................................................36
3
"Praticar Karatê, é viver na certeza de que o mundo estará ao seu lado, enquanto lhe dedicar o que há de melhor
dentro de si"
(ESPÍRITO DO KARATÊ)

"Quem pratica Karatê não se aperfeiçoa para lutar, luta para se aperfeiçoar"
4
CAPÍTULO I – INTRODUÇÃO
1.1. INTRODUÇÃO AOS PAIS
Esta apostila dedica-se a ajudar e orientar as crianças para um melhor aproveitamento dos ensinamentos do
karatê-dô. A participação dos pais é muito importante, sempre incentivando-as, porém, respeitando os limites de seus
filhos.
O karatê infantil não significa o estímulo à agressão, e sim o desenvolvimento físico e intelectual da criança. Com
atividades físicas e recreativas, a aula de karatê para crianças procura estimular o condicionamento físico e sua
coordenação motora.
O professor, utilizando os princípios filosóficos do karatê, ajuda a desenvolver a parte intelectual da criança,
preparando-a para conviver dentro da atual sociedade.
O karatê pode ser praticado por crianças de ambos os sexos, e normalmente a partir dos 5 anos de idade.
1.2. INTRODUÇÃO ÀS CRIANÇAS
O karatê-dô é uma arte marcial, ou seja, é uma luta perigosa se não for levada a sério. Para aprender uma luta, é
necessário ter respeito, ser paciente e ter disciplina.
O respeito é necessário na vida. Como praticante de karatê, é importante respeitar os colegas e os professores.
A paciência é muito importante, por que sem ela a criança não mudará de faixa na época certa.
A disciplina, não somente na aula, mas em casa e na escola, também é importantíssima. A criança deve saber
diferenciar momentos de brincar, de estudar e de treinar.
5
Por ser uma luta perigosa, as crianças que estão aprendendo karatê, devem treinar somente na academia, na
presença de um professor. Não devem treinar na escola, porque podem machucar um colega. E em casa, só se for com
a autorização dos pais.

CAPÍTULO II - A HISTÓRIA DO KARATÊ


Ainda há muito o que esclarecer na história desta arte marcial dinâmica e antiga. Pode-se afirmar, todavia, que o
karatê foi divulgado entre o povo japonês à era Meiji.
Há uma lenda de que o monge indiano Daruma Taishi, oriundo da tribo Baraioe, do sul da Índia, difundiu entre os
chineses, 500 ac, o Shaolin Ch'uan (ou Kempo), quando lhes fora doutrinar o budismo.
Daruma, enquanto seminarista, foi introduzido aos dogmas da seita zen. Ao chegar à capital Chien-Kang, em liang,
teve uma audiência com o imperador Wu, que se mostrou tão interessado em assimilar os ensinamentos do zen, que
passou a ser chamado de "imperador com a mente de Buda". Estes são fatos extraídos da mais famosa escritura zen, o
"Hekiganroku". Entretanto, Daruma deixou este reinado atravessando o rio Yang-Tze, fazendo uma longa jornada ao
País de Wei, ao norte da China, onde ficou no templo Shaolin, em Tungshan (província de Honani). Neste templo passou
nove anos, e todos os dias praticava Zazen (meditação religiosa), sentado em frente a um alto rochedo, completamente
isolado de todos, exceto de si próprio. Nessa época, começou a ensinar o segredo do Daruma zen a três discípulos,
Dorin, Doiku e Keika. Estes porém, enfraqueceram mental e fisicamente pela austeridade de seu mestre. Daruma então
lhes fez compreender que "como é em cima, é em baixo", que significa: "o espírito e o corpo devem ser unidos e, para
haver verdadeiro progresso espiritual, não devemos deixar fraco o corpo material ou físico". A doutrina dele dizia, então,
que a percepção elevada só é conseguida com o treinamento do corpo e da alma. Essa doutrina denominou-se Ekikin-
Kyo, e nela baseou-se o kempo chinês, divulgado pelos monges Shaolin.
6
A doutrina de Daruma foi logo assimilada pelo Japão, principalmente pela casta dos militares (samurais), na
época, Kamakura (1230- 1191 ac). O zen, tornou-se a base da formação espiritual e bélica dos guerreiros, originando o
Bushido japonês. Daí se vê que há relação entre karatê e os ensinamentos espirituais do zen.
Quando o kempo chinês foi trazido para Okinawa, lá já existia um kempo próprio, denominado kamaia-sut-su ou
todi.
O nome karatê não foi usado nem na China nem em Okinawa, apesar de que naquela época, os caracteres de To,
significando China, é também lido kara. em 1937, o Japão troca então os caracteres que significavam arte chinesa, para
os de "mãos vazias", ou "arte de se defender com as mãos limpas".
Em Okinawa, o karatê foi largamente difundido devido a duas ocupações militares com total proibição do uso de
armas. A primeira delas, em 1400, quando a ilha foi dividida em três partes; Hokuzan, Hashion e Natzan, de Shu, tornou-
se poderoso, passando a dominar as três partes. Com o fito de perpetuar esta supremacia, desmobilizou os guerreiros.
em 1609, a tribo Chima-Zu, em Kiushu, derrotou o Sho de Okinawa, com novas restrições a tudo o que fosse marcial.
Isto encorajou-os mais ainda, motivados para a prática do karatê. o indivíduo era cuidadosamente selecionado entre seus
pares nas famílias tradicionalmente guerreiras. Exigia-se tão absoluto segredo a ponto de se testar primeiramente o
caráter daquele cogitado para o aprendizado. Os que não respondessem na mais elevada retidão de conduta eram
sumariamente cortados. Essa pratica era sempre à noite, pela madrugada, escondidos nas matas ou em quarto fechado.
Só três séculos após é que ele foi divulgado abertamente, já parte integrante de currículos escolares. Os nomes de
grandes mestres se destacaram então, nesta época, como Kanyou, Itosu, Yasutsume, Mabuni, Kemwa, Higaona e
outros. de Okinawa, o karatê foi levado ao Japão e demonstrado a mestres de artes militares, em Butokuden, Kyoto.
Logo após, de 1922 a 1936, Funakoshi Gishin deu várias exibições por todo o território japonês, sendo considerado o pai
7
do karatê na universidade de Tókio, difundiu-se por todo o Japão e depois para o mundo ocidental. Após a sua morte,
Masatoshi Nakayama, assumiu o seu lugar e continuou o trabalho iniciado.
No Brasil, foi introduzido em 1962 no Rio de Janeiro, pelos japoneses Yasutaka Tanaka e Sadamu Uriu (ainda
vivos), trazidos pelo professor Lirton dos Reis Monassa, fundando a primeira academia de karatê do Brasil, a Kobukan
(casa de lutas). Já em 1972, o Brasil participava do primeiro campeonato internacional (o segundo campeonato mundial
de Karatê) na França, onde o Brasileiro Luiz Watanabe sagrou-se campeão. Daí em diante, todas as competições
internacionais em que o Brasil participou obteve honrosas colocações.
O karaê-dô tradicional alcançou sua forma final, tal qual como é conhecido no mundo moderno, ao redor de 1930
no Japão quando o mestre Funakoshi Gishin foi convidado sob o patrocínio do ministério da educação a fazer uma
demonstração pública. Logo depois o karatê-dô foi inserido como matéria em educação física, nas universidades
japonesas.
Porém, as bases técnicas do karatê-dô tradicional se iniciaram muito antes, com o to-de , a arte de luta sem armas
desenvolvido em Okinawa durante séculos. O to-de surgiu quando o governo da referida província impediu a sua
população a posse de qualquer tipo de arma.
Por sua vez, o to-de de Okinawa se baseou na técnica de luta chinesa conhecida como Chuan-Fa, cujas origens se
remontam a mais de mil anos. Acredita-se que a arte de luta denominada nan-pei-chun, desenvolvida na província
chinesa de Fukien, teve a maior influência no desenvolvimento do to-de.
"O karatê-dô é uma arte marcial que põe à prova o caráter, a personalidade, a alma, o espírito e o organismo de
quem a pratica, fazendo com que exista uma luta interna com o praticante, levando-o a desafiar e a vencer a si mesmo. o
caminho (Do) é uma estrada aberta à perfeição humana, que tenta devolver ao homem a calma do espírito, fazendo-o
8
voltar estado puro, primitivo e livrando-o das algemas que o aprisionam à ilusão do mundo exterior, e o vazio do qual
nos fala o budismo zen".
"Na prática do verdadeiro karatê-dô ,a dificuldade é uma constante, e não será com pouco esforço que se dissipará.
É através da dificuldade que aparece o verdadeiro homem. Sabemos, também, que só a firmeza, vontade e
determinação é que nos levam a atingir um objetivo alvo. E assim é no aprendizado do karatê-dô. Quem de fato desejar
atingir o "vazio" saberá que sua trilha será de apenas, sacrifícios e pesquisas ininterruptas e se entregará ao limite de
suas condições físicas. A vontade e o poder de decisão devem estar presentes naquele que inicia".

CAPÍTULO III - CARACTERÍSTICAS


3.1. QUALIDADES FÍSICAS

• Velocidade de reação: para um contra-ataque rápido

• Velocidade de deslocamento: para a fuga rápida de um ataque

• Velocidade dos membros (braços e pernas): para golpear

• Força explosiva: força, a potência do golpe

• Equilíbrio

• Resistência ao cansaço

• Agilidade

• Rítmo na execução do kata

• Coordenação motora

• Flexibilidade
9
3.2. A CONDUTA NO DOJO
O Dojo representa o local de treinamento (a academia) ou a área de luta, um quadrado de 8x8 metros. O atleta
deve utilizar sempre um kimono branco com a faixa correspondente à sua graduação. A faixa demonstra respeito na
hierarquia do aprendizado e o kimono também é importante para a proteção do atleta.
É preciso que todo praticante de karatê saiba como se portar dentro do dojo, local de treino, ou mesmo perante um
professor ou colega de treino. Antes de tudo, o local de treino deve ser respeitado, não devendo jamais ser pisado de
sapato, se houver tatamis esteiras, e se não houver, evitar entrar calçado durante o treino, mesmo que esteja só
praticando ginástica.
O aluno mais novo de graduação não deve chamar o mais antigo para treinar luta (kumite), no caso de ser
convidado para treinar, não deve rejeitar mesmo estando cansado, e no caso de estar ferido, dirigir-se primeiro ao local
de luta e depois se explicar que está ferido, mas não dizer que não pode. Neste caso o mais antigo é que deve avaliar a
situação, de acordo com sua própria experiência.
Durante o descanso das aulas, procurar ficar em atitude de respeito, evitando cruzar os braços e por as mãos na
cintura.
Em uma aula ou treino de kata, o aluno mais graduado deve corrigir os menos graduados, e os alunos mais novos
devem observar os colegas em treinamento.
A atitude de uma pessoa deve ser de acordo com o que pensa a respeito daquilo que está fazendo, mesmo fora do
local de treino; aquele que verdadeiramente segue o karatê, como arte, mantém uma atitude de respeito com todos os
praticantes. Uma pessoa que já pratica há muito tempo, sabe perfeitamente a atitude que se deve tomar, mas o iniciante
normalmente erra e só com o tempo é que vai adquirindo uma boa conduta de lutador.
10
3.3. O USO DO KIAI
O uso de um som alto, breve ou longo, é denominado kiai. O kiai é executado no instante que antecede o impacto
dado por um golpe. Este som tem como finalidade, concentrar e exteriorizar energia e força, estimulando a velocidade, a
contração muscular e também distrair a atenção do oponente, aumentando sua auto-confiança.

CAPÍTULO IV - TREINAMENTO
4.1. KIHON IPON & JYU IPON
O kihon (treino de base) ipon (01 ponto) é o nome do treinamento onde 2 atletas simulam o ataque e a defesa. O
atacante deve obter 01 ponto perfeito com a base correta do treinamento, pois é com ela que se obtém a maior potência
do golpe.
O atleta que ataca, só pode atacar com um oi-zuki (soco andando). O que defende, é obrigado a defender e contra-
golpear utilizando quaisquer golpes, desde que ele saiba, com toda a técnica possível.
O kihon ipon é ensinado a partir da faixa amarela.
O jyu ipon é o kihon ipon executado sob a forma de luta.
4.2. KUMITE
Kumite é o nome da luta. Ela pode variar de 01 ipon (01 ponto - com limite de 1 minuto) à 3 ipons (sanbon - 03
pontos com limite de tempo de 3 minutos). Existem os meio-pontos (wazaris) que devem ser levados em conta, por
exemplo:
01 ipon + 04 wazaris = 03 ipons
02 ipons + 02 wazaris = 03 ipons
06 wazaris = 03 ipons
11
O Ipon é o nome do ponto perfeito, em que o atleta faz um ponto, e seu adversário não consegue defender. Já o
wazari é o nome do ponto imperfeito.
Durante a luta, o atleta não pode sair do dojo. Caso saia a primeira vez, será advertido (jogai). Na segunda, será
punido com um wazari. Na terceira com um ipon. E na quarta, será desclassificado.
Em caso de empate, a luta tem uma prorrogação por tempo limitado. Prevalecendo o empate, a luta será decidida
pela decição dos árbitros (hantei), que normalmente são o principal (em pé) e os dois auxiliares de linha.
Mesmo para os adultos, a regra visa preservar a integridade física dos atletas. Eles devem usar protetores de mão
e de boca como será visto adiante.
Vocabulário para kumite:

Aiuchi os lutadores deram golpes simultâneos Mienai árbitro não viu


atleta que usa a faixa vermelha em uma
Aka Mubobi excesso de contato
luta
Aka kiken shiro no desistência do vermelho - vitória do
Muno shikkaku desclassificado - não sabe karatê
kachi branco
Aka no kachi vitória do vermelho Nakae ordem para entrar na área de luta

Atoshibaraku 30 segundos para terminar a luta Otagai ni rei cumprimento mútuo entre os lutadores

Awasete ippon dois wazaris reconhecidos como um ipon Sagate suwate recuar e sentar

Chui infração moderada Shikkaku desclassificado


reunião de determinados árbitros
Fukushin Shinpan ni rei cumprimento para os árbitros
auxiliares
12
Fukushin shugo reunião de todos os árbitros auxiliares Shiro atleta que usa a faixa branca em uma luta
Shiro kiken aka no desistência do branco - vitória do
Fusen-sho erro, multa
kachi vermelho
Hajime início Shiro no kachi vitória do branco

Hansoku infração grave Shobu ippon hajime iniciar a luta - disputa por um ponto

Hansoku-gashi vencedor por desqualificação Shomen ni rei cumprimento para frente

Hansoku-make perdedor por violar as regras Soremade final da luta


deslocamento curto; caminhando pouco a
Hantei decisão Suri Ashi
pouco
Hantei-gashi vencedor por decisão Tai sabaki esquiva

Ipon um ponto inteiro Taido conduta anti-eportiva

Jikan tempo Tetsukete hajime preparar, cumprimentar

Jogai saída do dojo Torimasen não marcou ponto

Kamae guarda Wazari meio ponto

Kawashi esquiva Yame parar

Keikoku infração leve Yori Ashi deslocamento longo

Keteisen luta decisiva


Yowai golpe fraco
Kime força
13
CAPÍTULO V – KATAS
Bunkai: estudo das técnicas e aplicações dos katas. Os katas são movimentos seriados e sistematicamente
organizados em técnicas, onde usam-se golpes ofensivos e defensivos, numa sequência pré-determinada. Os katas são
iguais no mundo inteiro. Por exemplo: o kata Heian Shodan é feito no Japão da mesma forma como se faz no Brasil.
Os katas são muito importantes no aprendizado do atleta. Funakoshi Gishin, com o objetivo de simplificar e de
educar o corpo para os katas superiores (katas de faixa preta), condensou os já existente em apenas cinco,
denominados Heians.
Nos exames de faixa, os atletas são obrigados a saber os katas correspondentes a sua faixa:

FAIXA KATA CORRESPONDENTE


Branca Heian Shodan
Amarela Heian Nidan
Vermelha Heian Sandan
Laranja Heian Yodan
Verde Heian Godan
Roxa Tekki Shodan
Marrom Bassai-Dai, Jion e Kanku-Dai

Obs: os katas das faixas roxa e marrom são katas avançados, e os da faixa preta são superiores. Isto acontece por
que no Japão não havia a graduação atual, existia apenas as faixas branca, marrom e preta. Abaixo temos os nomes dos
katas do karatê para a faixa preta (estilo Shotokan).
14
Empi Jitte Hangetsu
Teki-nidan Teki-sandan Bassai-sho
Ji in Gankaku Sochin
Chinte Kanku-sho Nijushiho
Meikyô Unsu Wankan
Gojushiho-dai Gojushiho-sho

5.1. A HISTÓRIA DO HEIAN SHODAN

Diz a lenda que um mestre em karatê em suas andanças numa noite de lua cheia, precentiu no crispar dos
galhos secos, ao transpor uma clareira na mata, a presença do mal. São salteadores armados, em tocaia.
Seu instinto guerreiro e defensivo o põe em KAMAE - atitude de luta. Está imóvel. Abdômen contraído e punhos
cerrados. Atento, olhando nada e vendo tudo. Altamente concentrado, espírito vivo e aguçado. Vai lutar!
Seu repúdio ao mal, seu kimono intocável, sua honra, seu nome e sua vida, tudo está simbolizado no KAMAE.
Sua mente visualiza ao longe, num halo de luz, seu velho mestre que em atitude de ZEN inspira-o. Suas sábias
palavras de ensinamento ecoam ainda: "Antes que lhe toque a pele, toca-lhes os ossos". Inconscientemente curva-se
reverente o brado: "OSS!". É atacado!
Pela esquerda, brilha a lâmina. Consciente e veloz, bloqueia firme e forte, em GUEDAN BARAI. Ele sabe que:
"Deve-se enfrentar o adversário, mas nunca enfrentar seu ataque". Está em base ZENKUTSO DACHI e em defesa
GUEDAN BARAI. Seguro pelo punho, recolhe girando o braço e golpeia no ombro (TETSUI UCHI). Completa com um
soco fundo e seco, tirando toda a chance do agressor. Da esquerda, um pé sibila. É o terceiro agressor. Como um raio,
um bloqueio GUEDAN BARAI. Quase simultaneamente, um bastão corta o ar, cobrindo a lua várias vezes. O inimigo
15
bate recuando de cima para baixo. As defesas são AGUE UKE, protegendo a cabeça. A terceira, mais rápida e mais
funda, a fim de partir suas entranhas, um grito de guerra num berro de morte! "É o kiai". Nada o detém.
Há uma transformação total no corpo e no espírito. A mutação de força em poder, de massa em energia, de água
em fogo. Estar possuído de kiai é despertar a ARMA MORTAL POMBA ENFURECIDA, o Karatê.
Silêncio na mata. Passa a perplexidade. É atacado pela direita. O mestre gira para o campo de luta, defende em
GUDAN BARAI e ataca em OI ZUKI. Para. O terceiro ergue-se à sua esquerda, estocando-o com um bastão, recebe
um GUEDAN BARAI e um soco andando; como resiste, mais dois OI ZUKI's, sendo o segundo com kiai. O kiai dá-lhe
firmeza, força e resolução de parar o adversário. Em karatê, não há meia defesa, nem meio ataque. O último imita a
agressão e sente no poder das mãos em forma de faca, a devassar a mata ao redor, o poderio do karatê.
A luta chega ao fim. Por um instante, mantém-se imóvel na última defesa. Volta à postura inicial de KAMAE.
Lembra-se seu "SEN PAI", em sua posição de ZEN e procura-o. Em vão; já não consegue vê-lo mais.
Isso é KATA!
Isso é KARATÊ!
Isso é ZEN!

5.2. A HISTÓRIA DO BASSAI-DAÍ

Um dos kata mais conhecidos de vários estilos é o Bassai, inicialmente só Bassai, ou Passai como alguns estilos
mais antigos os chamam, tendo sido o Mestre Itosu o criador da forma Sho (curta) do Kata que trabalha contra técnicas
de BO, o que acabou levando à mudança do nome do original para Bassai-Daí (dai=longa) ao invés de só Bassai,
como ainda é conhecido nos estilos que não adotam a linhagem do Mestre Itosu.
16
Existem 2 versões deste Kata: a versão de Shuri, feita com as mãos fechadas e a de Tomari, feita com as mãos
abertas que parece ser a mais antiga e a original (há controvérsas: alguns apostam que ele é originário de Shuri), e
teria sido criado pelo Mestre Soken(Bushi) Matsumura (1787-1889), um samurai que criou o estilo Shorin-Ryu de
Karate que acabou originando o Shotokan, o Kobayashi-ryu e o Shito-ryu.
É, completando sua descrição, um kata shorin, como os Heian, kanku e Enpi, em oposição aos kata Shorey
(Tekki, Jion e Hanguetsu) enfatizando a velocidade em detrimento da força.
O nome Bassai se traduz como "atravessar a fortaleza" ou seja: você está diante do último reduto do inimigo e os
últimos exércitos do inimigo estão ali entre você e a vitória final: neste kata o karateka deverá mostrar mostrar todo o
vigor e derrotar o inimigo, destruir seu último reduto para poder vencer a guerra. Importante não é a vitória de uma
batalha que está em jogo, que pode ser perdida ou ganha mas é a luta final: ela deve ser ganha, não se deve pensar
em derrota, mas usar todo o vigor, toda a tenacidade, aplicar os golpes mais poderosos e decisivos para que a guerra
acabe ali ("Batsu" = pular, saltar, superar, ir além, "Sai" = fechar, cobrir, obstruir).
Quem o executa deve demonstrar vigor físico e força (lembrar que os japoneses não separam corpo e espírito,
portanto... força para eles não significa só contração muscular mas também demonstração de energia espiritual).
É o Kata cujo domínio, juntamente com o Kanku-dai, caraceriza o Faixa Preta Chodan do Estilo Shotokan, por
possuir todos os elementos que caracterizam o estilo. Ultimamente, alguns professores vem incluído seu ensino a partir
da faixa roxa, com o que concordamos porque a execução de um kata pede tempo para se amadurecer a expressão do
mesmo e se o aprendizado técnico começa mais cedo, mais cedo o atleta alcançará maturidade.
17
5.3. EXAME DE FAIXAS
O exame de faixa é um evento em que o aluno é avaliado por um examinador experiente, mais graduado que o
professor.
O examinador avalia o conhecimento do aluno, sua destreza, sua coordenação no momento de fazer o kata, sua
perícia, sua força e velocidade. Cabe a ele a palavra final sobre a mudança de faixa, podendo até pular o aluno de faixa.
O aluno, durante o exame de faixa, aprende com os erros de seus colegas, e com os ensinamentos do examinador.
As faixas significam o respeito em relação ao praticante mais antigo, e maior experiência na arte. Veja o tempo
mínimo para cada exame:

FAIXA TEMPO MÍNIMO GRADUAÇÃO


Branca 3 meses Não possui
Amarela 4 meses 6º kyu
Vermelha 4 meses 5º kyu
Laranja 6 meses 4º kyu
Verde 1 ano 3º kyu
Roxa 2 anos 2º kyu
Marrom 3 anos 1º kyu
Preta OBS 1º dan

Obs: quando o atleta chega na faixa preta, seus exames passam a variar de 5 a 10 anos, caso o atleta continue
treinando.
18
Tabela da matéria dos exames de faixas. Serve apenas de referência mínima que cada faixa deve saber.
Depende de cada examinador, principalmente para os mais graduados.

ZUKI - WAZA GUERI - WAZA


SHIZEI-WAZA UKE - WAZA
FAIXA ALVO TÉCNICAS DE TÉCNICAS DE OUTROS
TÉCNICAS DE BASE TÉCNICAS DE DEFESA
ATAQUE CHUTE
BRANCA
Zenkutso-dachi Guedan-barai, Ague-uke,
↓ Oi-zuki Mae-gueri Heian - Shodan
Kokutso dachi Soto-uke,Uchi-uke, Shuto-uke
AMARELA
AMARELA
Heian-Nidan
↓ idem idem idem idem
Kihon-ipon
VERMELHA
VERMELHA Heian - Sandan
Idem + idem + Yoko-
↓ Idem + Shuto-uke idem Kihon - ipon
Kiba-dachi gueri
LARANJA Jyu-ipon
Heian -Yodan
LARANJA Mae-gueri
Idem + contra-ataques Oi-zuki Kihon - ipon
↓ idem Yoko-gueri
Gyaku-zuki e Nukite Sambon-zuki Jyu - ipon
VERDE Mawashi-gueri
Luta (1 pessoa)
Heian - Godan
VERDE Mae-gueri
idem Idem + contra-ataques Idem + Kizami-zuki Kihon - ipon
↓ Yoko-gueri
+ bases dos katas Kizami-zuki, Yoko-empi e Uraken E Uraken Jyu - ipon
ROXA Mawashi-gueri
Luta (2 pessoas)
Tekki - Shodan
ROXA Mae-gueri
Kihon - ipon
↓ idem idem Idem + Gyaku-zuki Yoko-gueri
Jyu - ipon
MARROM Mawashi-gueri
Luta (3 pessoas)
Bassai - Daí
MARROM
Jion
↓ tudo tudo tudo tudo
Kanku - Dai
PRETA
Vários tipos de luta
19
5.4. DESENHOS ESQUEMÁTICOS DOS KATAS
20
21
CAPÍTULO VI - PROTEÇÃO
Durante o treinamento ou a luta, é permitido apenas o contato de forma controlada para que ninguém saia
machucado. Não é como no Boxe e no Vale Tudo onde é permitido o nocaute. Estes equipamentos de proteção são
utilizados para evitar acidentes, o que não significa que o atleta que estiver usando-os possa abusar mais um pouco
durante o treinamento ou a luta.
6.1. PRINCIPAIS PROTETORES

São permitidos e obrigatórios em alguns campeonatos.

6.2. ALGUNS EQUIPAMENTOS QUE AUXILIAM NO TREINAMENTO


22
CAPÍTULO VII – BASES (DACHIS)
As bases são muito importantes para os praticantes de karatê. Todo o equilíbrio de seus movimentos e a potência
do golpe dependerá dela.
7.1. PRINCIPAIS BASES

ZENKUTSO DACHI - 70% do peso do corpo na perna da frente e 30% do peso do


corpo na perna de trás. O tamanho da base é muito importante. A largura da base é
aproximadamente a largura dos ombros do atleta, e o comprimento é quase 2 vezes a largura
dos ombros:

KOKUTSO DACHI - 30% do peso do corpo na perna da frente e 70% do peso do corpo
na perna de trás. Agora os pés ficam na mesma linha, formando a letra L, e continua com 2
vezes a largura dos ombros no comprimento da base

KIBA DACHI - O peso do corpo é igual nas 2 pernas: 50%. Os pés ficam na mesma
linha e apontados para a frente do corpo.
23
7.2. OUTRAS BASES
24
CAPÍTULO VIII – TÉCNICAS DE MÃO

8.1. NOME DE ALGUMAS REGIÕES DO BRAÇO


25

8.2. TÉCNICAS DE ATAQUE – ZUKI WAZA

E outras, como por exemplo: Choku Zuki, Ipon Nukite, Nihon Nukite, Shihon Nukite, Kizami Zuki.
8.3. OUTRAS TÉCNICAS – UCHI WAZA

E outras, como por exemplo: Haito Uchi, Shuto Uchi, Teisho Uchi, Mae Hijiate, Ushiro Hijiate
26
8.4. TÉCNICAS DE DEFESA – UKE WAZA

E outras, como por exemplo: Haishu Uke, Haito Uke, Keito Uke, Kakuto Uke, Nagashi Uke, Osae Uke, Seiryuto
Uke, Sukui Uke, Tate Shuto Uke, Teisho Uke, Uchi Ude Uke.
27
CAPÍTULO IX – TÉCNICAS DE PERNA
9.1. NOME DE ALGUMAS REGIÕES DA PERNA

9.2. TÉCNICAS DE ATAQUE – GUERI WAZA


28
E outras, como por exemplo: ACHI BARAI – Rasteira, NAMI GAESHI - "Onda que retorna" - usado como defesa
ou ataque, SURI ASHI - Deslocamento curto; caminhando pouco a pouco, YORI ASHI - Deslocamento longo, KAEGUE -
Alto e rápido, KEKOMI - Forte e penetrante.

CAPÍTULO X – PREPARAÇÃO
10.1. FASES DO TREINAMENTO

A necessidade de uma organização racional do treinamento para o


sucesso nas competições é um fato concreto do qual não podemos nos
desligar. O conhecimento sobre o corpo humano, suas reações e
adaptações aos estímulos são imprescindíveis para um bom rendimento.

10.2. FASE DE AQUISIÇÃO


A primeira fase do macrociclo, chamada fase de aquisição, é a mais importante além de ter a maior durarão entre
todas. Todo o sucesso do atleta está comprometido diretamente com o que ele executar nesse momento do seu
planejamento.
29
Para facilitar o entendimento dessa grande fase de trabalho, dividiremos este período em duas fases distintas,
porém, de intima relação: geral ou básica e, especial ou especifica.
A parte geral tem como objetivo principal criar uma boa base no aluno, tanto física como técnica.
Em seu conteúdo encontramos espaço para a realização das primeiras avaliações visando conhecer o nível de
aptidão do indivíduo.
Os exercícios gerais são a maioria nesta fase onde o volume predomina sobre a intensidade, preferencialmente, os
trabalhos visam resistência geral e níveis básicos de forma.
O acervo teórico sobre a modalidade é aumentado juntamente com o conhecimento das ações motoras que devem
ser dados para posteriormente serem aperfeiçoados. Os trabalhos especificamente competitivos não devem tomar
espaço significativo nesta época ,eles terão prioridade numa próxima fase.
Após passar pela fase de preparação o aluno entrará através de uma transição gradativa na parte especifica do
treinamento. Para esta segunda fase temos um tempo menor que a anterior, porém, sua importância não fica diminuída.
As estruturas do treinamento mudam, há redução na quantidade de exercícios gerais que dão lugar as habilidades
especificas e às de competição. Desenvolvem-se com grande ênfase os trabalhos de velocidade e agilidade e também a
questão tática. Os movimentos recebem o trato técnico até a sua consolidação, criando assim ações com técnica bem
definida e qualidade aprimorada, para isso há uma menor variação nas atitudes motoras. A intensidade predomina sobre
o volume e os trabalhos competitivos por vezes assumem papel principal na lapidação do atleta.
30
10.3. FASE DE MANUTENÇÃO
Na passagem da fase de aquisição para a segunda fase, da manutenção ou competição, deve se ter especial
atenção pois, é um momento delicado tanto fisicamente quanto psicologicamente. O comportamento está diante de seu
objetivo principal e as pressões são muito grandes.
Pouco antes do inicio das provas deve-se diminuir a carga de treinamento tanto em quantidade como em
intensidade. Isto gerará uma supercompensação, assunto que será tratado mais adiante, um descanso que trará um
aumento nas reservas energéticas que serão gastas na época competitiva, onde tem prioridade as atividades de
manutenção da força física.
10.4. FASE DE DESCANSO
Com o fim da fase competitiva, que é bastante desgastante, é natural que haja uma perda na condição geral do
atleta. Começam então os trabalhos de descanso ativo que ajudarão a recuperar o atleta.
Esta parte tem uma importância vital pois, ela pode estar atrelada a uma outra fase básica, dando assim a
característica de ciclos que já foi comentada. Os exercícios específicos e de simulação de combate são eliminados já que
dão lugar a ações diferentes da modalidade que, preferencialmente, também devem mudar o ambiente. Por exemplo:
atividades em piscina, parques, praia e outros. Observar com bastante cuidado para manter o atleta em atividade, sem
porém criar um estado de fadiga, com excesso de exercício ou pelo contrario fazer com que ele perca a condição
adquirida, entrando assim em processo de reversibilidade pela falta de movimentação.
Tanto para o atleta quanto para o treinador, é necessária urna visão global de todo o planejamento para um
entendimento melhor do processo e da evolução da condição atlética.
31
10.5. TIPOS DE EXERCÍCIOS
Existem basicamente três tipos de exercícios que se diferenciam entre sí e estão diretamente relacionados com as
fases do macrociclo.
Exercícios Gerais: São aqueles que pouco tem a ver com a modalidade, porém, ajudam na preparação básica do
atleta; Exercícios Específicos: São movimentos totalmente análogos aos usados nas lutas, treinados para o apuramento
técnico; Exercícios de Jogo ou Simulação: São os combates, entretanto, ainda como forma de treinamento. Servem para
a melhora tática e avaliação da condição geral do atleta.

CAPÍTULO XI – TERMINOLOGIA

parceiros frente à frente, ambos


Ai Hamni Morote as duas mãos
com o mesmo pé adiantado
saudação: paciência e
Bushido conduta do samurai Oss
perseverança
nível dado em função do grau das
Dan Rei cumprimentar!
faixas pretas
Do caminho Renmei união
Dojo academia ou local de treinamento Renshi categoria de Prof. de 5° e 6° Dan
Domo arigato
"muito obrigado" em japonês Samurai militar
gozai mazta
Enbusen linha de atuação do kata Seito aluno
Gyaku oposto, contrário Seiza maneira correta de sentar
é o nome dado ao praticante mais
Haishu dorso da mão Sempai
antigo, detentor da faixa mais alta
32
Haito sabre, faca da mão Sensei professor
Hamni lado Shiran mestre dos mestres
Hanshi categoria de Prof. de 9° e 10° Dan Shita em baixo
Hidari esquerda Shizentai posição natural
Hikite puxada de mão Sokuto lado do pé
Kai aliança Te mão
Kakato calcanhar Teisho base da palma da mão
Kara vazio Tobi saltar
Ken mão fechada Tobi-gueri pular e saltar
Kento raíz das falanges da mão Ue em cima
Kihon treino de base Ura oposto
Kihon kumite treino de luta Ushiro artás
Kyokai associação Wanto pancada com o pulso
Kyoshi categoria de Prof. de 7° e 8° Dan Yame parar
iniciante, que detém a faixa mais
Kohai Yoi preparar
baixa
Kumiuchi técnica de defesa agarrando Yoko lado
praticante graduado; faixa preta
Kyu graduação do principiante Yudansha
(qualquer grau)
33
Mae à frente Zanshin estado de reserva mental/espiritual
aparelho para treinamento de
Makiwara Zarei cumprimento sentado
chute e soco
Migui direita Zori sandália
Mokuso meditação Zuki soco

CAPÍTULO XII – DOJO KUN

HITOTSU - JINKAKU KANSEI NI TSUTOMURU KOTO


Esforçar-se para formação do caráter

HITOTSU - MOKOTO NO MICHI O MAMORU KOTO


Fidelidade para com o verdadeiro caminho da razão

HITOTSU - DORYOKU NO SEISHIN O YASHINAU KOTO


Criar o intuito de esforço

HITOTSU - REIGI O OMONZURU KOTO


Respeitar acima de tudo

HITOTSU - KEKKI NO YU O IMASHIMURU KOTO


Reprimir o espírito de agressão
34
CAPÍTULO XIII – OS 20 ENSINAMENTOS DE FUNAKOSHI

• O karatê inicia-se e termina-se com saudações • Não pense em vencer, mas não pense em derrota
• No karatê não existem golpes de agressão • Mude a sua posição conforme o tipo de adversário
• O karatê apóia o caminho da razão • A luta depende do bom manejo da teoria do Yin
• Conheça-se a si próprio, antes de julgar os outros (negativa) e do Yang (positiva)
• A princípio lapidar o espírito, depois a técnica • Imagine que seus membros são espadas
• Evitar o descontrole do equilíbrio mental • Para o homem que sai do seu portão, existem
• A falha surge com a acomodação mental e física milhões de adversários
• O karatê não se limita apenas à academia • No princípio, seus movimentos são artificiais, mas
• A essência do karatê se descobre no decorrer da com a evolução, tornam-se naturais
vida • A prática de fundamentos deve ser correta.
• Dará frutos quando associado à vida cotidiana Enquanto em uso torna-se diferente
• O karatê é igual à água quente: se não receber • Domínio do seu corpo na coordenação, na força,
na velocidade e flexibilidade
calor constantemente, ela esfria
• Estudar, criar e aperfeiçoar-se constantemente.
35
MESTRE FUNAKOSHI

1868 - Ano de nascimento do mestre Funakoshi, na ilha de


Okinawa. Depois aprendeu Okinawa-te do mestre Azato e foi
autorizado à lecionar em escolas;

1921 - Funakoshi Gishin foi convidado pelo emperador à


ensinar sua arte no Japão. Seu primeiro Dojo, em Tókio, foi chamado
de Shotokan. Após isto, mestres de várias artes começaram a pratica
do karatê;

1947 - Ano de fundação da JKA - Japan Karatê Association


(Associação de Karatê do Japão). Permanece sendo como a maior
associação de Karatê Shotokan no mundo.
36
ESPORTE OLÍMPICO
Agora o karatê é uma modalidade olímpica. Até o fechamento
desta apostila, a WKF (World Karate Federation - Federação Mundial
de Karatê) havia sido registrada como entidade associada. Maiores
informações no site da WKF (em inglês).

WKF - http://www.wkf.net

CRÉDITOS
Esta apostila foi idealizada para auxiliar o ensino do karatê, tendo em vista a dificuldade de se encontrar literatura
adequada e a atual facilidade em termos de computação, uma vez que podemos utilizar figuras disponíveis na internet e
até mesmo aproveitar o suporte dos Scanners.
Minha intenção não é escrever um livro, mas sim, poder prover os interessados com as informações que eu não
consegui obter quando iniciei.
Existem, é claro, as dificuldades naturais de se unificar as informações devido a vários fatores, tais como: erros de
tradução; dissidência entre praticantes; variações entre estilos ou até mesmo a não documentação desta arte marcial.
Agradecimentos aos professores Dilton Darley e Alexandre Cardoso (ambos 1º Dan) por cederem material para a
construção desta apostila.
Quaisquer dúvidas ou comentários, basta entrar em contato através do e-mail don@ig.com.br ou pelos sites
http://karaterj.cjb.net ou http://www.karaterj.hpg.com.br/ Digitally signed by Daniel Falcao
DN: cn=Daniel Falcao, o=Eng.

Signature Not Verified


Daniel Falcao Mecanico, c=BR
Date: 2002.04.20 11:21:32 -03'00'
Reason: Documento certificado
Location: Rio de Janeiro

Você também pode gostar