P. 1
Slides_Queimaduras_2010

Slides_Queimaduras_2010

|Views: 7.625|Likes:
Publicado porthaislucena

More info:

Published by: thaislucena on Mar 03, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPTX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/08/2013

pdf

text

original

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências da Saúde Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica e Administração

Queimaduras

Docente: Josilene de Melo Buriti Vasconcelos

Fisiologia da pele

Fonte: http://static.hsw.com.br/gif/skin1.gif

Principais funções da pele 
Proteção Regulação da temperatura corporal Excreção Percepção das sensações táteis de pressão,

dor e temperatura 
Síntese de vitamina D Influencia a imagem corporal

Queimaduras
Queimadura é uma lesão causada por agentes térmicos, químicos, elétricos ou radioativos que agem no tecido de revestimento do corpo humano, podendo destruir parcial ou totalmente a pele e seus anexos e até atingir camadas mais profundas, como músculos, tendões e ossos e, nos casos mais complexos, comprometer outros revestimentos corpóreos como o tubo digestivo, a árvore respiratória e o sistema urogenital (MENEZES e SILVA, 1988).

No Brasil.500 irão falecer em conseqüência das lesões (Maciel e Serra. 2006) 2006).     . e 20% dessas crianças são vítimas de lesão 20% intencional ou abuso infantil (PHTLS. necessitarão de atendimento hospitalar e cerca de 2. domiciliar. estima-se que ocorrem um milhão de acidentes estimacom queimaduras por ano.Epidemiologia das queimaduras  As queimaduras constituem-se em relevante causa de constituemmorbimortalidade na população mundial. 2/3 dos acidentes ocorrem dentro do ambiente domiciliar. Aproximadamente 20% de todas as vítimas de queimaduras 20% são crianças. 2007). mundial. aquecido. destes 100.000 pacientes 100. 2007) O principal agente causal é líquido/alimento super aquecido.

Epidemiologia das queimaduras  Segundo a Sociedade Brasileira de Queimados (2006). Lucena. incapacidade para o trabalho e ausência durante o período escolar. por dia (SUS).200. 500. Na Paraíba.500. o 2006). Lugar dentre os casos de internação no Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena.00 200. tratamento das vítimas de queimaduras no país dura em média três meses e custa cerca de R$ 1.00 a 1. sem considerar a reabilitação. escolar. as queimaduras ocupam o 3º.  .

alterações locais Aumento da permeabilidade vascular Lesão endotelial direta Liberação de substâncias vasoativas Extravasamento de plasma para o espaço intersticial Com grande intensidade. atingindo o máximo nas 1as.ASC queimada > 20-30% . nas primeiras horas após a queimadura Proporcional à intensidade da lesão. 24-36 horas Formação de edema O edema estende-se para os tecidos não lesados Ação de substâncias vasoativas .Queimaduras Fisiopatologia .

Risco Perda de eletrólitos 2º. Risco .alterações sistêmicas Manifestações cardiovasculares e eletrolíticas Aumento da Permeabilidade capilar + Edema + Perda de líquidos Choque hipovolêmico 1º.Fisiopatologia das queimaduras .

.Fisiopatologia das queimaduras alterações sistêmicas Manifestações renais Diminuição do volume urinário Hemoglobinúria Presença de mioglobinúria Necrose tubular e insuficiência renal aguda Manifestações gastrointestinais  Íleo paralítico.  Úlcera de Curling.

Imune Diminuição da ação Fagocítica e da atividade Bactericida dos Neutrófilos  Diminuição das Ig  Aumento do número de cel.Fisiopatologia das queimaduras alterações sistêmicas Manifestações imunológicas Perda da Barreira Mecânica Alterações no Sist. Petéquias. Sangramento franco de feridas. Ts  Invasão de Bactérias 3º Risco Sepse ± Choque Séptico Temperatura (varia). Íleo paralítico. taquicardia sinusal (140-170) Pressão arterial diminuída. Desorientação. .

Fisiopatologia das queimaduras alterações sistêmicas Manifestações respiratórias a)Hipóxia b)Lesões pulmonares:   Lesão de vias aéreas superiores: superiores: Resulta do calor direto ou edema.  Manifesta-se através de obstrução mecânica da VAS  Lesão inalatória abaixo da glote:  Inalação de produtos da combustão incompleta ou gases nocivos  Irritação química dos tecidos pulmonares no nível alveolar  Redução do surfactante pulmonar .

Fisiopatologia das queimaduras . orofaríngea. tosse seca. hipoxemia.alterações sistêmicas Lesão inalatória abaixo da glote Indicadores  História indicando que a queimadura ocorreu em área fechada.  Rouquidão. estridor. alteração da voz.  Respiração laboriosa ou taquipnéia. formação de bolha na mucosa oral ou .  Eritema. escarro fuliginoso.  Pêlos nasais chamuscados. escarro sanguinolento.  Queimaduras da face e pescoço.

etc. água-viva. urtiga. aparelhos de raios X. ultranucleares. Químicos: produtos químicos: ácidos.Classificação das queimaduras Quanto ao agente causal Físicos: temperatura: temperatura: vapor. etc. . medusa. etc. etc. raios ultra-violetas. gasolina. químicos: Biológicos: animais: lagarta-deanimais: lagarta-de-fogo. objetos aquecidos. água quente. álcool. chama. bases. raio. águavegetais : o látex de certas plantas. eletricidade : corrente elétrica. etc. radiação : sol. etc.

Classificação das queimaduras  Quanto a profundidade da lesão (PHTLS) 1º Grau ± Espessura superficial      Atinge a epiderme Não sangra . hiperemia (Vermelhidão) Quente Dolorosa . geralmente seca Rosa.

Fotos (1º Grau) .

Classificação das queimaduras  Quanto a profundidade da lesão (PHTLS) 2º Grau ± Espessura parcial (superficiais e profundas)       Atinge a epiderme e a derme (parcial ou total) Presença de Flictenas(Bolhas) Úmida. leito da ferida brilhante Rosa. com possibilidade de formação de cicatriz . Hiperemia(Vermelhidão) Dolorosa Cura espontânea mais lenta.

Fotos(2º Grau) .

Classificação das queimaduras Quanto a profundidade da lesão(PHTLS) 3º Grau Espessura total  Atinge todos os apêndices da pele.  Pouca ou nenhuma dor  Aspecto de couro  Branca a carbonizada  Não cicatriza espontaneamente. necessita de excisão cirúrgica e reabilitação em UTQ .

Fotos(3º Grau) .

vasos.Classificação das queimaduras  Quanto a profundidade da lesão(PHTLS) 4º Grau Atinge toda a pele. tecido adiposo. órgãos Internos subjacentes  Necrose Total  Carbonização  Tecido negro  . nervos. músculos. Ossos.

Fotos(4º Grau) .

queimado: Médias ou médio queimado ASC queimada de 10 a 20%.Classificação das queimaduras Quanto a extensão da queimadura: Tem por base a avaliação da percentagem da área de superfície corporal (ASC) afetada Leves ou pequeno queimado ASC queimada < 10%. queimado: Graves ou grande queimado mais de 20% da ASC queimado: queimada .

Calculando a área queimada  Regra dos Nove .

Calculando a área queimada Método Lund Browder .

Parar o processo de queimadura Irrigar queimaduras por substâncias químicas: remover toda a roupa e lavar a ferida com água abundante. rolar a vítima pelo chão. Queimadura elétrica: a energia elétrica deve ser desligada Remover jóias e objetos restritivos . produto químico em forma de pó. retirar o excesso com espanador seguindo de lavagem com água.O TRATAMENTO DO PACIENTE QUEIMADO Cuidados iniciais no local do acidente Extinguir as chamas: apagar com água e/ou abafadas com um cobertor.

O TRATAMENTO DO PACIENTE QUEIMADO Exame primário e reanimação .ABCDE Manutenção da Via aérea com proteção da coluna cervical  Preservar permeabilidade das vias aéreas  Intubação endotraqueal Respiração e ventilação Avaliar a respiração e a ventilação: ausculta. freqüência e profundidade respiratória Escarotomia da parede torácica nos casos de queimaduras circunferenciais .

Freqüência cardíaca. . SCQ > 20% obter. dois acessos venosos em veias periféricas com cateteres calibrosos (14 ou 16).ABCDE Circulação PA se possível. Elevar membros queimados durante o transporte. no mínimo. na impossibilidade uma linha central.O TRATAMENTO DO PACIENTE QUEIMADO Exame primário e reanimação . Avaliar queimaduras circunferenciais.

déficits sensitivos ou motores.ABCDE Incapacidade.O TRATAMENTO DO PACIENTE QUEIMADO Exame primário e reanimação . Estado neurológico  Avaliar outras lesões.  Identificar e imobilizar fraturas de ossos longos  Imobilizar coluna na suspeita de lesão Exposição/ambiente      Expor e examinar totalmente o paciente Remover roupas e jóias Preservar a temperatura corporal Aplicar cobertores Mantenha aquecido o compartimento do passageiro .

. Proteger contra a hipotermia.O TRATAMENTO DO PACIENTE QUEIMADO Exame secundário              História e exame físico detalhado do paciente tentando identificar outras lesões ou condições clínicas História completa sobre o acidente Exame neurológico detalhado Exames radiográficos e laboratoriais Gasometria arterial ECG Monitorização cardíaca Reanimação líquida Sondagem nasogástrica Inserção de sonda vesical Investigar imunização prévia ± vacina antitetânica Aplicar água fria esterilizada ou soro fisiológico sobre a queimadura.

Queimaduras elétrica (incluindo relâmpagos) 6. Grau) em qualquer grupo etário 4.Queimaduras em pacientes que precisam de suporte especial social. genitais. Queimaduras de espessura total (3º. pés. períneo ou nas principais articulações 5. Crianças queimadas que estão em hospital sem equipamentos ou profissionais qualificados para o atendimento a crianças 10. por período prolongado .Critérios para transferência para um Centro de Queimados 1. Lesão por inalação 2. Queimaduras em pacientes com problemas clínicos preexistentes 8. Queimaduras de espessura parcial > 10% da SCT 3. Queimaduras em face. Queimaduras químicas 7. emocional ou de reabilitação. Queimadura com trauma concomitante 9. mãos.

O TRATAMENTO DO PACIENTE QUEIMADO Reanimação volêmica Objetivos: Corrigir as deficiências líquidas. eletrolíticas e protéicas. 4ml de Ringer-lactato x Kg x % de SCT queimada Fórmula de Parkland Primeiras 8 horas: 50% Segundo e terceiro períodos de 8 horas: 25% cada . Manter um débito urinário em adultos em torno de 30 a 70ml/h. Evitar a excessiva formação de edemas.

O TRATAMENTO DO PACIENTE QUEIMADO Monitorização da reposição líquida Indicador a ser monitorizado Pressão arterial Freqüência do pulso PVC Débito urinário Pulmões Tubo gastrointestinal Reposição adequada de líquidos Faixa normal a elevada < 120 bpm < 12 cm H2O o início da diurese espontânea é uma marca indicando o fim da reanimação Sons pulmonares claros Ausência de náuseas e íleo paralítico .

. Cuidados com a ferida Hidroterapia diária. Desbridamento mecânico. Profilaxia da hipotermia Manutenção de uma nutrição adequada. heteroenxerto cutâneo (xenoenxerto). Curativos biológicos: homoenxerto cutâneo (aloenxerto). em alguns casos é necessária a alimentação parenteral. Curativos sintéticos: Biobrane e fitas de poliuretano. controlar a infecção e ajudar aliviar a dor. Auto-enxerto.TRATAMENTO DA QUEIMADURA FASE DE REPARAÇÃO Objetivos: promover a cicatrização. enzimático e cirúrgico. Uso de agentes antimicrobianos tópicos.

TRATAMENTO DA QUEIMADURA FASE DE REPARAÇÃO Controle da dor Narcóticos por via EV Ansiolíticos Analgesia controlada pelo paciente (ACP)  .

evita a fibrose hipertrófica. A equipe deve estar familiarizada com as necessidades do paciente A família deve ser incorporada ao plano total de cuidados Deve-se estimular a terapêutica diversional (leitura.FASE DE REABILITAÇÃO Reabilitação física Promover a nutrição adequada: adequada: Dieta hiperprotéica Calorias ajustadas para satisfazer as exigências calóricas normais durante o processo de cicatrização. televisão) o mais cedo possível. Profilaxia de fibrose e contraturas: contraturas: Posicionamento do corpo mantendo as extremidades estendidas associados aos exercícios articulares Após a cicatrização é indicado o uso de vestimentas compressivas especiais . Iniciar terapêutica ocupacional tão logo quanto possível Reabilitação psicológica: . música.

.. .Vamos refletir sobre os possíveis diagnósticos de enfermagem no paciente queimado.

Para resolver: Considere um senhor de 80 Kg que sofreu queimadura de terceiro grau em 30% da SC e você chega ao local logo depois da lesão. Responda: Qual o volume a ser infundido nas primeiras 24 horas? Qual a sua distribuição neste período? .

J. Diante dessa situação. apresentandose agitado e dispnéico..M. 60Kg. freqüência cardíaca. F. O Sr. foi admitido no PS com queimaduras provocadas por líquido escaldante comprometendo 30% da superfície corporal total. pressão venosa central e débito urinário: c) Cite dois possíveis diagnósticos de enfermagem na situação descrita: Indicador a ser monitorizadoReposição adequada de líquidos Pressão arterial Freqüência do pulso PVC Débito urinário Pulmões Tubo gastrointestinal .2. 45 anos. responda: a) Calcule a reposição líquida adequada para este paciente nas primeiras 24 horas a partir da fórmula de Parkland b)Cite os parâmetros compatíveis com uma reposição líquida adequada em relação à pressão arterial.

M.S. responda: a) A que tipo de lesão esta paciente pode ter sido exposta. 55Kg.3. 52 anos. Diante dessa situação. comprometendo face. J. apresentando-se agitada e dispnéica. tórax e membros superiores. A Sra. considerando a localização das lesões? Qual a principal conduta da equipe diante dessa situação? b)Calcule a reposição líquida adequada para este paciente nas primeiras 24 horas a partir da fórmula de Baxter ou Parkland: c) Quais os diagnósticos de Enfermagem nesta situação? . foi admitida no PS com queimaduras provocadas por chamas provocadas por tentativa de suicídio através de gasolina.

nada sereiµ I Coríntios 13. ainda que eu tenha tamanha fé .2 Obrigada ! . se não tiver amor . a ponto de transportar montes .´Ainda que eu tenha o dom de profetizar e conheça todos os mistérios e toda a ciência.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->