Você está na página 1de 1

coeficientes de x2 e x3 devem ser iguais a

zero. Então:
Matemática m2-1=0 ⇒ m2=1 ⇒ m=±1
m+1=0 ⇒ m=–1
Professor CLICIO Freire Portanto o polinômio é do 1.°grau se m=–1.
Identidade de polinômios
Aula 124 a) Polinômio identicamente nulo (ou simplesmen-
te polinômio nulo) é aquele cujo valor
Polinômios e equações numérico é igual a zero para todo valor da
Algébricas variável x. Indicamos P ≡ 0 (polinômio nulo) .
Definição Para um polinômio P(x) ser um polinômio nulo,
Seja C o conjunto dos números complexos é necessário e suficiente que todos os seus 01. Calcular o valor numérico do polinômio
(números da forma a+bi, onde a e b são coeficientes sejam nulos (iguais a zero) . P(x) = x3 – 7x2 + 3x – 4 para x = 2.
números reais, e i é a unidade imaginária tal que b) Polinômios idênticos – São polinômios iguais.
i2 = –1). Se P e Q são polinômios idênticos, escrevemos 02. Determinar os valores reais de a e b para
Entende-se por polinômio em C a função: P ≡ Q . É óbvio que, se dois polinômios são que o polinômio x3+6x2+ax+b seja um
P(x) = aoxn+a1xn–1+a2xn–2+ ... +an–1x+an, onde idênticos, então os seus coeficientes dos cubo perfeito.
os números complexos ao, a1 , ..., an são os coe- termos correspondentes são iguais.
ficientes, n é um número natural, denominado A expressão P ≡ Q é denominada identidade . 03. (UESB) Se P(x) = xn–xn–1+xn–2– ... +x2–
grau do polinômio, e x é a variável do polinômio. Exemplo: Calcular a,b e c, sabendo-se que x+1 e P(–1)=19, então n é igual a:
Exemplo : x2–2x+1 ≡ a(x2+x+1)+(bx+c)(x+1). a) 10 b) 12 c) 14
P(x) = x5+3x2 – 7x+6 Resolução: Eliminando os parênteses e d) 16 e) 18
ao=1, a1=0, a2=0, a3=3, a4=–7 e a5=6 somando os termos semelhantes do segundo
O grau de P(x) é igual a 5. membro, temos: 04. (UBERL) Se P(x) é um polinômio tal que
Nota: Os polinômios recebem nomes particula- x2–2x+1 ≡ ax2+ax+a+bx2+bx+cx+c 2P(x) + x2P(x–1) ≡ x3 + 2x + 2, então P(1)
res a saber: –Binômio: possuem dois termos. 1x2–2x+1 ≡ (a+b)x2+(a+b+c)x+(a+c) é igual a:
Exemplo: r(x)=3x+1 (grau 1). Agora igualamos os coeficientes correspon- a) 0 b) –1 c) 1
–Trinômio: possuem 3 termos: Exemplo: dentes: d) –2 e) 2
q(x)=4x2 + x – 1 (grau 2).
05. As soluções da equação Q(x) = 0, em que
A partir de 4 termos, recorre-se à designação
Q(x) é o quociente do polinômio
genérica: polinômios.
x4–10x3+24x2+10x–24 por x2–6x+5, são:
Valor numérico do polinômio
Sendo m um número complexo (lembre-se de Substituindo a 1ª equação na 2ª: a) –1 e 5 b) –1 e –5 c) 1 e –5
que todo número real é também um número com- 1+c = –2 ⇒ c=–3. d) 1 e 5 e) 0 e 1
plexo), denominamos valor numérico de um poli- Colocando esse valor de c na 3ª equação, temos:
06. (UESP) Se o polinômio P(x)= x3+mx2– 1 é
nômio P(x) para x=m, ao valor P(m), ou seja, o a – 3=1 ⇒ a=4.
divisível por x2+x–1, então m é igual a:
valor que obtemos substituindo x por m. Colocando esse valor de a na 1ª equação, temos:
4+b=1 ⇒ b=–3. a) –3 b) –2 c) –1
Exemplo:
Resposta: a=4, b=-3 e c=–3. d) 1 e) 2
Qual o valor numérico do polinômio p(x)=
x3–5x+2 para x= –1? Aplicação: 07. (UEL) Dividindo-se o polinômio x4+2x3
Teremos, substituindo a variável x por x= –1 Sendo P(x) = Q(x) + x2 + x + 1 e sabendo que –2x2–4x–21 por x+3, obtém-se:
p(–1) = (–1)3–5(–1)+2 = –1+5+2=6? p(–1)=6. 2 é raiz de P(x) e 1 é raiz de Q(x) , calcule o valor
de P(1) – Q(2) . a) x3–2x2+x –12 com resto nulo;
Raiz (ou zero) de um polinômio
Solução: b) x3– x2+3 com resto 16;
O número complexo m é raiz ou zero do
Ora, se 2 é raiz de P(x), então sabemos que P(2)=0 c) x3–x2–13x + 35 e resto 84;
polinômio P(x) quando P(m)=0 .
e, se 1 é raiz de Q(x), então Q(1)=0. Temos, então, d) x3–x2–3x + 1 com resto 2;
Exemplo: i é raiz do polinômio P(x) = x2+1, pois
substituindo x por 1 na expressão dada: e) x3–x2+x–7 e resto nulo;
P(i)=0.
Lembre-se de que i2 = –1, ou seja , o quadrado P(1)=Q(1) + 12 + 1 + 1 ∴ P(1)=0 + 1 + 1+ 1 = 08. (UEL) Se o resto da divisão do polinômio
da unidade imaginária é igual a –1. 3. Então P(1)=3. Analogamente, poderemos p = x4–4x3–kx– 75 por (x – 5) é 10, o valor
O número natural 2 é raiz do polinômio P(x)= escrever: de k é:
x3–2x2–x + 2 , pois P(2)=0. P(2)= Q(2)+22+2+1 ∴ 0=Q(2)+7,logo Q(2)=
a) –5
Exercícios resolvidos: –7.
b) –4
01. Sabendo-se que –3 é raiz de P(x)=x3+4x2– ax Logo P(1) – Q(2) = 3 – (–7) = 3 + 7 = 10.
c) 5
+ 1, calcular o valor de a. Divisão de polinômios
d) 6
Resolução: Se –3 é raiz de P(x), então P(–3)=0. Efetuar a divisão de um polinômio P(x) por outro e)
P(–3)=0 ⇒ (–3)3+4(-3)2–a.(–3)+1 = 0 polinômio D(x) não nulo significa determinar um
3a = –10 ⇒ a=–10/3 único par de polinômios Q(x) e R(x) que 09. Sejam m e n determinados de tal modo
Resposta: a=–10/3 satisfazem às condições: que o polinômio x4–12x3+47x2 + mx+n
02. Calcular m∈IR para que o polinômio 1) P(x) = D(x) . Q(x) + R(x) . seja divisível por x2–7x+6. Então m+n é
P(x)=(m2–1)x3+(m+1)x2–x+4 seja: (Analogia → 46:6=7 e resto 4 ∴ 46=6.7+4). igual a:
a) do 3.°grau b) do 2.°grau c) do 1.°grau 2) gr R(x) < gr D(x), onde gr indica o grau do a) 72
Solução: polinômio. b) 0
(a) para o polinômio ser do 3.°grau, os coefici- Notas: c) –36
entes de x2 e x3 devem ser diferentes de 1) se R(x)=0 , então dizemos que P(x) é divisível d) 36
zero. Então: m2–1≠0 ⇒ m2≠1 ⇒ m≠1 por D(x). e) 58
m+1≠0 ⇒ m≠–1 2) se gr P > gr D, então gr (P:D) = gr P – gr D .
Portanto o polinômio é do 3.° grau se m≠1 e 3) não se esqueça de que o grau do resto é 10. Para que o polinômio 2x4–x3+mx2–nx+2
m≠–1. sempre menor que o grau do divisor . seja divisível por x2–x–2, devemos ter:
(b) para o polinômio ser do 2.° grau, o 4) se gr P(x) < gr D(x), então Q(x) = 0 e R(x) = a) m = 1en=6
coeficiente de x3 deve ser igual a zero e o P(x) . b) m = –6 e n = –1
coeficiente de x2 diferente de zero. Então: 3.1 – Resto da divisão pelo binômio x – a. c) m = 6en=1
m2–1=0 ⇒ m2=1 ⇒ m=±1 Teorema do resto: o resto da divisão de P(x) por d) m = –6 e n = 1
m+1≠0 ⇒ m≠–1 x – a é igual a P(a) . e) m = 6 e n = –1
Portanto o polinômio é do 2.°grau se m=1. Demonstração: Podemos escrever P(x)= (x–a).
(c) para o polinômio ser do 1.°grau, os Q(x)+R(x);