ANÁLISE BIOMECÂNICA DOS MÚSCULOS ESTABILIZADORES DA OMBRO

Resumo: Nesse estudo foi analisada a atividade elétrica dos músculos do ombro visando identificar quais músculos têm papel estabilizador. A eletromiografia foi realizada para comparação da atividade dos músculos durante os movimentos de flexo -extensão diagonal (mm. trapézio superior, trapézio inferior, supraespinhal, serrátil anterior, subescapular porção superior e inferior -, deltóide anterior e posterior) e de rotação lateral e medial com o braço a 90o de abdução horizontal (trapézio superior, trapézio inferior, supraespinhal, serrátil anterior, subescapular - porção superior e inferior -, grande dorsal e redondo menor). De forma sincronizada, foi utilizado um dinamômetro isocinético para controle da posição e velocidade angulares. Os resultados evidenciam uma pré-ativação de todos os músculos analisados, particularmente o m. trapézio superior para o movimento de rotação. A análise da intensidade do sinal mostra que o m. serrátil anterior apresentou um comportamento mais regular em todas as velocidades angulares e m ovimentos realizados. Palavras Chave: Eletromiografia, Músculo, Ombro. Abstract: This study investigated the electrical activity of the shoulder muscles in order to identify which of them have a stabilization role. The electromyography was used to compare muscle activity along diagonal flexion-extension movements (upper trapezius, lower trapezius, supraspinatus, serratus anterior, subscapularis – upper and lower portions -, anterior and posterior deltoid) and along lateral and medial rotation with 90 o of horizontal abduction of the arm (upper trapezius, lower trapezius, supraspinatus, serratus anterior, subscapularis – upper and lower portions -, latissimus dorsi and teres minor). A dynamometer isokinectic was used synchronically for angular position and velocity control. The results showed pre-activation of all muscles, mainly the upper trapezius muscle for rotation movement. The analysis of the signal intensity showed that serratus anterior muscle role a regular behavior along all angular velocities and movements analyzed. Keywords: Electromyography, Muscle, Shoulder.

INTRODUÇÃO A cintura escapular é um complexo de músculos, com 3 articulações verdadeiras e 2 articulações falsas, que permitem a maior mobilidade entre todas as regiões encontradas no corpo, aproximadamente 180 graus de flexão, abdução e rotação e 60 graus de hiperextensão [1,2]. Os músculos que compõem a cintura escapular são os músculos peitoral maior e menor, subclávio, trapézio superior, médio e inferior, rombóide maior e menor, deltóide, o bíceps com sua cabeça longa e curta, tríceps braquial, coracobraquial, subescapular, elevador supra-espinhal, da escapula, infra-espinhal, estudos na análise EMG do ombro é de Kronberg et al.[5], que estudaram os movimentos de abdução no plano coronal, flexão, extensão e rotação lateral e medial na posição do braço ao longo do corpo, com abdução de 45o e 90o . Kai-Nan An [6] coloca que os músculos teriam a primária responsabilidade para manter o equilíbrio na rotação articular. E é de suma importância lembrar que em articulações com muitos graus de liberdade, os constritores cápsulo-ligamentares são menos importantes, e os músculos teriam um papel maior na função de estabilizar a articulação. Uma diminuição dos movimentos escapulares pode indicar a origem da instabilidade multidirecional quando comparados com indivíduos assintomáticos. Sabendo que o músculo serrátil anterior tem inserção no bordo medial e no ângulo inferior da escápula, alguns estudos [7,8] vem direcionando a atenção em exercícios para ele,

redondo maior, redondo menor, serrátil anterior e o grande dorsal [2,3,4]. A seqüência e o nível de atividade muscular na maioria dos músculos do ombro têm sido identificados em muitos esportes através do uso da eletromiografia (EMG). Um dos principais

com atividade constante. totalizando 4 formas de coleta. afirmam também que os músculos estabilizadores tem características anatômicas próprias. A primeira coleta foi a aquisição do sinal dos músculos nos testes de força muscular descritos por Kendall. Gerador Universal de corrente (Nemesys. Como se comportam os músculos durante a atividade de elevação e rotação do ombro? Estas questões serão investigadas através da proposição de Richardson et al. com idade de 22. Quark®). subescapular também é considerado um estabilizador do ombro. Os indivíduos foram posicionados sentados e foram instruídos a realizar os movimentos com o membro dominante. MATERIAIS E MÉTODOS Esse estudo é parte integrante de um projeto em andamento. Esta grande diversidade de problemas e a alta inc idência de lesões tornam de grande interesse saber como se dá a estabilidade do ombro. como descrito por Kronberg et al. Foram utilizadas duas técnicas de investigação em biomecânica: Eletromiografia e Dinamometria Isocinética. Foi apresentada uma breve explanação do trabalho para todos os indivíduos que participaram do experimento e apresentado a eles um termo de consentimento livre e esclarecido para que. A amostra consistiu-se de cinco indivíduos saudáveis.5 anos.[11] que trazem o conceito de músculo estabilizador de um ponto de vista mais elaborado e definiram o comportamento EMG de músculos estabilizadores como de sinal elétrico de baixa intensidade. e massa corporal de 72. Além desse. E ainda. realizado no Laboratório de Biomecânica do Movimento Humano da USJT. altura de 175. em duas tarefas diferentes. o m. Este estudo foi realizado no Laboratório de Biomecânica da Faculdade de Educação Física da Universidade São Judas Tadeu. hipotetizaram uma definição funcional por serem responsáveis e bastante ativos em movimentos antigravitacionais.5±5 kg.. Sistema de Aquisição de Dados de Eletromiografia MyoSystem (Noraxon®). havendo concordância dos mesmos fosse dado prosseguimento ao estudo.[5]. Nos músculos da cintura escapular existe pré-atividade ao movimento do braço? 2.75±0. e foi aprovado pelo Conselho de Ética e Pesquisa (COEP) da Universidade São Judas Tadeu.25±7. Para a captação dos sinais dinamométricos e eletromiográficos foram utilizados os seguintes materiais: Dinamômetro Isocinético Biodex Sistem 3 (Biodex Medical Systems®). do gênero masculino. Eletrodos de superfície descartáveis e um de referência (Noraxon®). A primeira tarefa era a realização de um . Software para armazenamento dos dados MyoResearch (Noraxon USA®). sendo eles normalmente de localização profunda. monoarticular e com feixes anatomicamente sem vantagem de alavanca para gerar altos torques em movimentos específicos. eletrodos estéreis de fio fino Viasys™ Helthcare.principalmente quanto à sua atividade EMG durante os movimentos de elevação do ombro para identificação do seu papel [9]. [10]. ativo independente da direção do movimento e antecipatório à atividade dos músculos considerado agonista do movimento.73 cm. McCreary e Provance[12]para determinação da contração voluntária máxima (CVM) para posterior normalização do sinal. As questões específicas são: 1.

000 Hz Modo comum de rejeição (CMRR): > 85 dB Taxa de ruído: < 1µV RMS Saída USB para PC cada ms Amplificação total de 1000 vezes Os eletrodos utilizados foram do tipo fio fino. Previamente à aplicação dos eletrodos sobre a pele. os indivíduos realizaram 3 repetições de cada uma das duas tarefas. Deltóide anterior(ADelt) e Deltóide posterior(PDelt) em relação ao início do movimento de flexão diagonal. Para determinação da colocação dos eletrodos de fio fino no músculo subescapular seguiu-se os métodos descritos por KABADA et al. e limpeza da pele com álcool para redução da resistência elétrica da pele. Além disso. ROTlat60. O equipamento foi operado com um filtro passa-banda de 10 a 500 Hz. superior(USSc). e uma tarefa na velocidade mais alta que conseguíssemos monitorar. SA.000. e distanciados 3 cm um do outro. mas que o indivíduo permanecesse em uma velocidade isocinética. adotou-se uma tarefa com movimento de baixa velocidade. Serrátil Anterior(SA). Os sinais foram convertidos para o domínio do tempo através da freqüência de amostragem. de de flexão/extensão EXT270). ROTmed210. A terceira e quarta tarefa foram feitas com a realização dos movimentos (FLEX60. movimentos isocinéticos EXT60. LSSc. (latísssimo do dorso(LD) e redondo menor™ em relação ao início do movimento de rotação. com um de ganho 1. . para melhor controle do movimento. O sinal EMG foi adquirido por um amplificador diferencial bipolar de oito canais. Outras características do sistema adotado foram as seguintes: Impedância de entrada: > 10 MΩ Freqüências inferiores e superiores: 10 a 2. retificados e filtrados por um filtro (200Hz). e do tipo de superfície para os demais músculos.. rotação lateral/medial com abdução de 90 graus no modo isocinético a 60 e 210°/s (ROTmed60. A figura 2 mostra o tempo de ativação dos músculo UT. invasivos. LT. para garantir pouca resistência ao indivíduo.movimento de rotação lateral com o ombro abduzido. Para essas duas primeiras tarefas o dinamômetro foi preparado para realizar um movimento isocinético a 500°/s. Antes da colocação do eletrodo foi realizada tricotomia. os indivíduos realizaram cinco repetições de cada movimento com intervalos de 90 s de descanso para diminuir o efeito da fadiga. Foi colhido o sinal em uma freqüência de aquisição de 2000 Hz. Trapézio Supra-espinhal(SS). Trapézio superior(UT). Da mesma forma. Para determinar uma velocidade alta. A segunda tarefa era a realização de um movimento de flexão diagonal curta e rápida (CRflex). quando necessário. ROTmed210). foi feita a tricotomia nos locais para reduzir a resistência elétrica da pele com o ponto de contato dos eletrodos. [15] diagonal no modo isocinético a 60 e 270°/s FLEX270. SS. USSc. com eletrodos superficiais Ag / Ag Acl com 4 mm de altura e 9 mm de largura RESULTADOS Análise do tempo de ativação A figura 1 mostra o tempo de ativação dos músculos inferior(LT). de forma breve e rápida (CRrot). nos músculos supra-espinhal e nas porções superior e inferior do músculo subescapular. Subescapular Subescapular inferior(LSSc). Como o estudo pretendia verificar músculos estabilizadores.

(TM) redondo menor. note o início do movimento determinado pelo goniômetro está padronizada pelo momento 0 ms do temo.(lssc) subescapular inferior. Tempo (ms) Figura 1 – Gráfico demonstrando o início da atividade muscular (pré-atividade) em relação ao tempo. no movimento de flexão e extensão diagonal do ombro.(LSSc) subescapular inferior. 4 e 5 mostram. (SS) supraespinhal. (SS) supra-espinhal.(LSSc) subescapular inferior. (ut)trapézio superior. (USSc) subescapular superior. (Tm) redondo menor. (LT) trapézio EMG (%CIVM) 16 14 12 10 8 6 4 2 0 flexão/60 extensão/60 flexão/270 o inferior. no movimento de flexão diagonal do ombro. (tm) redondo menor. (lt) trapézio inferior. Tm LD SA (UT)trapézio superior. (ss) supra-espinhal. (LT) trapézio inferior. (ussc) subescapular superior. respectivamente para os movimentos de flexão-extensão Músculos LSSc USSc SS LT UT -220 -200 -180 -160 -140 -120 -100 -80 -60 -40 -20 0 diagonal e rotação lateral e medial com o braço abduzido horizontalmente a 90o nas velocidades angulares de 60 e 2700/s. (ut)trapézio superior. no movimento de rotação lateral do ombro com abdução de 90°. a intensidade do sinal dos mesmos músculos analisados anteriormente descritos. (as) serrátil anterior. (ld) grande dorsal. (USS) subescapular superior. note o início do movimento determinado pelo goniômetro está padronizada pelo momento 0 ms do tempo. UT LT SS USSc LSSc SA ADelt PDelt extensão/270 movimento / velocidade angular ( /s) Figura 3 – Gráfico demonstra o valor rms. (LT) trapézio inferior. (SA) serrátil anterior. no movimento rotação lateral e medial do ombro. nas velocidades de 60 e 270°/seg. (AS) serrátil anterior.PDelt ADelt SA Análise da intensidade rms do sinal EMG As figuras 3. na velocidade isocinética de 60°/seg. 6 músculos LSSc USSc SS LT UT -220 -200 -180 -160 -140 -120 -100 -80 -60 -40 -20 0 EMGrms normalizado pela CVM pré-ativação (ms) 5 4 Figura 2 – Gráfico demonstrando o início da atividade muscular (pré-atividade) em relação ao tempo. (UT)trapézio superior. 3 UT LT SS USSc LSSc SA LD Tm 2 1 0 rot lat / 60 rot med / 60 movimento / velocidade angular Figura 4 – Gráfico demonstra o valor rms. (LD) grande dorsal. (SS) supra-espinhal.(LSSc) . (LD) grande dorsal. (USSc) subescapular superior.

. o m. K. Sumariando. trapézio músculo superior e o m. de acordo com o critério de pré ativação muscular.L. parece serrátil ser o principal seriam EMGrms normalizado pela CVM 300 250 200 150 100 50 0 rot lat / 210 rot med / 210 UT LT SS USSc LSSc SA LD Tm movimento / velocidade angular Figura 5 – Gráfico demonstra o valor rms. 3 Ed. (TM) redondo menor. H. Anatomy Of The Human Body. Frankel. Sobre os movimentos de rotação lateral e medial.. (LT) trapézio inferior.. na velocidade isocinética de 210°/seg. 350 estão apresentados de acordo com a velocidade angular. entre as velocidades de 60 e 210o /s. Por outro lado. Weiss. sobre o movimento de flexão-extensão. Lehmkuhl. pode-se inferir que. Manole. Nos movimentos de rotação. (UT)trapézio superior. 2001 . demonstrados na figura 2. (SS) supraespinhal. E. Guanabara Koogan. 25 Ed. Ed. DISCUSSÃO Sobre os dados apresentados na figura 1. E.D. pode-se perceber que todos os valores de tempo de ativação estão negativos. a rotação medial e lateral nos movimentos isocinéticos.R. [2]Gray. Esse mesmo anterior. (USSc) subescapular superior. H. 1997. houve uma grande disparidade nas intensidades do sinal EMG. No entanto.F. de acordo com o critério de atividade muscular mais constante em todos os movimentos.. L.S. 1949. M.subescapular inferior. As se observar as figuras 3 e 4. (AS) serrátil anterior. respectivamente nas figuras 4 e 5. mostrando que todos os músculos foram ativados antes do movimento angular ter sido detectado. SS.(LSSc) subescapular inferior. novamente. L. (LD) grande dorsal. o músculo USSc apresenta uma atividade diminuída em relação ao LSSc nos movimentos de rotação medial e lateral na velocidade de 60º/s e essa relação se inverte com o USSc apresentando uma atividade maior em ambos os movimentos de rotação lateral e medial só que com velocidade maior de 210º/s. São Paulo. (AS) serrátil anterior. parece que o m. Por isso. Cinesiologia Clínica De Brunnstrom.. (LD) grande dorsal. Lea E Feriger. pode-se perceber que também todos os valores de tempo de ativação estão negativos. LD mais ativo na rotação interna e o Tm na rotação lateral. AS e ADelt foram os músculos que tiveram sua atividade iniciada mais precocemente do que os demais. para esse movimento o UT e o SA foi claramente o músculo que foi recrutado mais precocemente. eles estabilizador para a flexão diagonal. Ed. serrátil anterior é o pricncipal estabilizador do ombro. A atividade do LD e do Tm apresentaram-se como o esperado.. Biomecânica Básica Do Sistema Musculoesquelético. (TM) redondo menor. V. o SA foi o músculo que teve sua atividade mais regular em ambos os movimentos e velocidades. no movimento rotação lateral e medial do ombro. Percebe-se também que os mm UT. estabilizadores para o movimento de rotação do braço. [3]Nordin.. REFERÊNCIAS [1] Smith.

Acta Orthop Scand...J.. G. Ed.. Micheli. L. De Luca. Princípios Gerais De Aquisição E Processamento De Sinais Biológicos. Provance.. Nielsen. 1992. Churchill Livingston.E. K. D. Cook..R. P..K. [9]Ludewig.J. [4]Norkin... Articulações: Estrutura E Funções.27(6):784-791. 2004.J.K... Mccann. The American Orthopaedic Socie ty For Sports Medicine. . M. [7]Ludewig. E. C.. Músculos: Provas E Funções. 1987.. April. [5]Kronberg. [10]Ovesen. Ed.. [8]Decker.naka@uol. Wootten. Hintermeister. Jull... Reid. Gellman. Journal Of Orthopaedics Research. 1996. e-mail: henry. 4 Ed. G. L..257:76-85.C.. 1995. Revinter. 1999. Muscle Force And Its Role In Joint Dynamic Stability... Medicine And Science In Sports Exercises.. R.403:37-42... Mulford.56:149-151. Murthy. Serratus Anterior Muscle Activity During Selected Rehabilitation Exercises. Solomon. P..Stabilization In Low Back Pain . F. 24:57-65. K. [11]Richardson . R. 2002. Faber. Electromyographic Analysis Of Standing Posture And Demi-Plie In Ballet And Modern Dancers.E... L.br [14]Trepman. [12]Kendall. P. Meschke. Intramuscular Wire Electromyography Of Subscapularis..J.A. Brontröm. Manole.1990. Hawkins. C. 26(6):771-82. [13]Sameshina. E. The Journal Of Sports And Physical Therapy.. 2001... K. 2 Ed. J.. Bigliani...P. London. Németh. G. Jornal De Pneumologia. 1994. M. P. M. T. C.M.. The American Journal Of Sports Medicine. R. J. S. M. 10:394-397. 1999.J.. P..13(1):50-61. M. Levangie. Therapeutic Exercise For Spinal Segmental [15]Kabada.com. [6]An.N... Hodges. Mccreary. R.G.. Relative Balance Of Serratus Anterior And Upper Trapezius Muscle Activity During Push-Up Exercises. Stability Of The Shoulder Joint. Cole. Clinical Orthopaedics And Releated Reseach. A.. Muscle Activity And Coordination In The Normal Shoulder..A.32(2):484-493. Nawoczenski. Clinical Orthopaedics And Relaeated Research. K. P.P. Three-Dimensional Skapular Orientation And Muscle Activity At Selected Positions Of Humeral Elevation. 1985.. E... M. Hides. M. S.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful