P. 1
Farmacopéia Brasileira 5 ed. volume 2 - Anvisa

Farmacopéia Brasileira 5 ed. volume 2 - Anvisa

|Views: 119.204|Likes:
Publicado porLuca Santoro
Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Farmacopeia Brasileira
Volume 2

5ª edição Brasília 2010

Copyright © 2010 Agência Nacional de Vigilância Sanitária / Fundação Oswaldo Cruz Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. 5ª edição

Fundação oswaldo Cruz Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado da Saúde José Gomes Temporão Diretor-Presidente Dirceu Raposo de Mello Adjunto do Diretor-Presidente Pedr
Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Farmacopeia Brasileira
Volume 2

5ª edição Brasília 2010

Copyright © 2010 Agência Nacional de Vigilância Sanitária / Fundação Oswaldo Cruz Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. 5ª edição

Fundação oswaldo Cruz Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado da Saúde José Gomes Temporão Diretor-Presidente Dirceu Raposo de Mello Adjunto do Diretor-Presidente Pedr

More info:

Published by: Luca Santoro on Mar 08, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/19/2013

pdf

text

original

Magnesii carbonas

MgCO3; 84,31
MgCO3.xH2O
MgO; 40,30
carbonato de magnésio; 01750
Sal de magnésio do ácido carbônico (1:1)

[546-93-0]
Sal de magnésio do ácido carbônico hidratado (1:1)
[23389-33-5]

O carbonato de magnésio é uma mistura de carbonato de
magnésio hidratado e carbonato de magnésio hidratado
básico. Deve conter, no mínimo 40,0% e, no máximo,
43,5% de MgO.

DESCRIÇÃO

Características físicas. Apresenta-se sob duas variedades:
leve e pesado.

Carbonato de magnésio leve: massa branca, leve, friável,

ou pó branco, fníssimo, leve, insípido e inodoro.

Carbonato de magnésio pesado: pó granuloso, branco,
insípido e inodoro.

Ambos, quando agitados com água, tornam-na levemente
alcalina ao papel de tornassol.

Solubilidade. Praticamente insolúvel em água e etanol;
dissolve-se a frio, em quantidade apreciável, na água
saturada de dióxido de carbono.

IDENTIFICAÇÃO

A. Quando tratado com ácidos minerais diluídos produz
efervescência.

B. A solução obtida no teste A. de Identifcação responde
às reações do íon magnésio (5.3.1.1).

ENSAIOS DE PUREZA

Arsênio (5.3.2.5). A 1 g de amostra, adicionar 10 mL de
água e 5 mL de ácido clorídrico bromado SR, eliminar
o excesso de bromo com algumas gotas de cloreto de
estanho(II) SR, e prosseguir como descrito no Ensaio
limite de arsênio .
Utilizar Método I. No máximo 0,0005%
(5ppm).

Cálcio (5.3.2.7). Pesar, exatamente, cerca de 1 g de
amostra e adicionar 22 mL de água e 3 mL de ácido
sulfúrico, cautelosamente. Adicionar 50 mL de etanol e
deixar a mistura em repouso, no mínimo, durante 12 horas.
Se houver separação de cristais de sulfato de magnésio,
aquecer a mistura a cerca de 50 °C para dissolvê-los.
Filtrar através de cadinho de Gooch revestido de amianto e
previamente lavado com ácido sulfúrico M, água e etanol,
calcinado e tarado. Lavar o cadinho de Gooch várias vezes
com mistura de dois volumes de etanol e um volume de
ácido sulfúrico M. Secá-lo ao vermelho vivo, resfriá-lo e
pesá-lo rapidamente. O peso do sulfato de cálcio, assim
obtido, multiplicado por 0,4119 resulta no peso de CaO na
amostra. A amostra deve conter, no máximo, o equivalente
a 0,7% de CaO.

Ferro (5.3.2.4). Pesar 2 g de amostra e dissolver em 15 mL
de ácido clorídrico 3 M. Quando cessar a efervescência,

735

Farmacopeia Brasileira, 5ª edição

a
c

completar o volume para 20 mL com água. Utilizar 5 mL
no Ensaio limite de ferro. No máximo 0,02% (200 ppm).

Metais pesados (5.3.2.3). Neutralizar com solução
concentrada de amônia, 4 mL da solução preparada no
Ensaio limite de ferro. Adicionar 2 mL de ácido acético
SR (Pb) e prosseguir como descrito no Ensaio limite para
metais pesados
. No máximo 0,0025% (25 ppm).

Sulfatos (5.3.2.2). Utilizar 10 mL da solução preparada no
Ensaio limite de ferro. No máximo 0,12%, (1200 ppm).

Cloretos (5.3.2.1). Pesar, exatamente, cerca de 0,5 g de
amostra, adicionar 15 mL de ácido nítrico 2 M, 25 mL
de água e 1 mL de nitrato de prata 0,25 M. Completar o
volume para 50 mL com água. Se produzir opalescência,
esta não deverá ser mais intensa do que a produzida por 0,1
mg de cloreto em igual volume de líquido, empregando-se
os mesmos reagentes. No máximo 0,02% (200 ppm).

Substâncias insolúveis em ácido clorídrico. Misturar 5 g
da amostra com 75 mL de água e adicionar, sobre agitação,

ácido clorídrico, em pequenas porções até completa

dissolução. Ferver durante 5 minutos. Recolher o resíduo

insolúvel em um fltro e lavar até que as águas de lavagem

não mais dêem reação de cloreto. Incinerar, deixar esfriar
e pesar. O resíduo deverá pesar, no máximo, 0,0025 g
(0,05%).

Substâncias solúveis em água. A 50 mL de água
recentemente fervida, adicionar 1 g de amostra e levar à

ebulição durante 5 minutos. Filtrar, evaporar o fltrado até

a secura e dessecar o resíduo a 110 °C, durante 1 hora.
Deverá pesar, no máximo, 0,01 g (1%).

DOSEAMENTO

Pesar, exatamente, cerca de 1 g de amostra, adicionar 50
mL de ácido sulfúrico 0,5 M SV, 0,5 mL de alaranjado
de metila SI e dosear o excesso de ácido com hidróxido
de sódio M SV. Subtrair do volume de ácido 0,5 M SV
consumido e correspondente ao CaO determinado em
Ensaios de pureza. A diferença será o volume de ácido
sulfúrico 0,5 M SV que equivale ao carbonato de magnésio.
Cada mL de ácido sulfúrico 0,5 M SV equivale a 0,02015
g de MgO e a 0,02804 g de CaO.

EMBALAGEM E ARMAZENAMENTO

Em recipientes fechados.

ROTULAGEM

Observar a legislação vigente.

CLASSE TERAPÊUTICA

Antiácido e laxativo.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->