Você está na página 1de 2

Diário da República, 2.ª série — N.º 42 — 1 de Março de 2011

10243

2.ª série — N.º 42 — 1 de Março de 2011 10243 PARTE A PRESIDÊNCIA DA

PARTE A

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Chancelaria das Ordens Honoríficas Portuguesas

Despacho (extracto) n.º 3877/2011

Por despacho de S. Ex.ª o Ministro de Estado e dos Negócios Es- trangeiros de 12 de Fevereiro de 2011, foi autorizado a individualidade abaixo indicada a aceitar a seguinte condecoração:

Grande-Oficial da Ordem do Mérito Civil — Espanha

Dr. José Augusto de Jesus Duarte.

16 de Fevereiro de 2011. — O Secretário-Geral das Ordens, Arnaldo

Pereira Coutinho.

204387782

Despacho (extracto) n.º 3878/2011

Por despacho de S. Ex.ª o Ministro de Estado e dos Negócios Es- trangeiros de 9 de Fevereiro de 2011, foi autorizado a individualidade abaixo indicada a aceitar a seguinte condecoração:

Cruz da Ordem Pro Merito Melitensi

Eng.º Carlos José de Sousa Pedro.

16 de Fevereiro de 2011. — O Secretário-Geral das Ordens, Arnaldo

Pereira Coutinho.

204387766

Despacho (extracto) n.º 3879/2011

Por despacho de S. Ex.ª o Ministro de Estado e dos Negócios Estran- geiros de 20 de Janeiro de 2011, foi autorizado a individualidade abaixo indicada a aceitar a seguinte condecoração:

Cavaleiro de Graça e Devoção da Ordem Soberana e Militar de Malta — Embaixador Manuel Henrique de Mello e Castro de Men- donça Corte-Real

17 de Fevereiro de 2011. — O Secretário-Geral das Ordens, Arnaldo

Pereira Coutinho.

204387822

Despacho (extracto) n.º 3880/2011

Por despacho de S. Ex.ª o Ministro de Estado e dos Negócios Es- trangeiros de 2 de Fevereiro de 2011, foi autorizado a individualidade abaixo indicada a aceitar as seguintes condecorações:

Cavaleiro Grã-Cruz de Graça e Devoção da Ordem Soberana e Mi- litar de Malta — Embaixador Manuel Henrique de Mello e Castro de Mendonça Corte-Real Cruz de 1.ª classe da Ordem do Mérito — Alemanha — Embaixador Manuel Henrique de Mello e Castro de Mendonça Corte-Real

17 de Fevereiro de 2011. — O Secretário-Geral das Ordens, Arnaldo

Pereira Coutinho.

204387806

das Ordens, Arnaldo Pereira Coutinho . 204387806 PARTE C PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Gabinete do

PARTE C

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

Gabinete do Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros

Despacho n.º 3881/2011

Declaração de utilidade pública

A associação Rancho Folclórico da Casa do Povo de Glória do Riba- tejo, pessoa colectiva de direito privado n.º 506213560, com sede na fre- guesia da Glória do Ribatejo, concelho de Salvaterra de Magos, presta re- levantes serviços à comunidade através da promoção e desenvolvimento de actividades de carácter cultural, nas vertentes folclórica e etnográfica. Constituído formalmente em associação em 2002, o Rancho Folclórico da Casa do Povo de Glória do Ribatejo desenvolve a sua intervenção desde 1956 de forma considerada meritória, sobretudo na promoção do folclore, documentação e estudos etnográficos, sendo considerado uma referência, tanto do ponto de vista estritamente cultural como no aspecto social, nomeadamente através da plena integração de elementos de diferentes níveis etários, culturais e profissionais. Coopera, na prossecução dos seus fins, com diversas entidades priva- das e públicas, nomeadamente com a Fundação INATEL e, ao nível da administração local, com a junta de freguesia da Glória do Ribatejo e a Câmara Municipal de Salvaterra de Magos, com as quais estabeleceu parcerias para a criação da biblioteca e mediateca disponíveis para a comunidade. No entanto, o estatuto de utilidade pública contempla apenas as activi- dades da secção de folclore, dele ficando excluída a secção humanitária, cuja existência se consubstancia num serviço de transporte de doentes, o qual configura uma actividade económica exercida em concorrência

com outras entidades que, por terem fins lucrativos, não podem aceder ao referido estatuto.

O deferimento do pedido é, deste modo, parcial, ficando a associação

obrigada a separar claramente a contabilidade respeitante às duas sec- ções e cingindo-se o estatuto de utilidade pública à secção de folclore. Por estes fundamentos e com a ressalva acima descrita, conforme exposto na informação final do processo administrativo n.º 132/UP/2008, instruído na Secretaria-Geral da Presidência do Conselho da Ministros,

e

Presidência através do despacho n.º 4213/2010, de 26 de Fevereiro, publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 48, de 10 de Março de 2010, declaro a associação Rancho Folclórico da Casa do Povo de Glória do Ribatejo pessoa colectiva de utilidade pública, nos termos do Decreto-Lei n.º 460/77, de 7 de Novembro, com a redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 391/2007, de 13 de Dezembro.

no uso dos poderes que me foram subdelegados pelo Ministro da

18 de Fevereiro de 2011. — O Secretário de Estado da Presidência

do Conselho de Ministros, João Tiago Valente Almeida da Silveira.

Despacho n.º 3882/2011

4152011

Cancelamento do estatuto de utilidade pública

A Lusitânia Agência de Desenvolvimento Regional, pessoa colec-

tiva n.º 504598643, com sede no Largo da Sé, Viseu, foi declarada de utilidade pública com recomendações pelo despacho n.º 11032/2009, de 23 de Abril, publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 85, de

4 de Maio de 2009. Considerando a informação do processo administrativo n.º 4/VER/2009,

e

no uso dos poderes que me foram subdelegados pelo Ministro das

Presidência através do despacho n.º 4213/2010, de 26 de Fevereiro, publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 48, de 10 de Março de

10244

2010, verificando-se o não cumprimento da recomendação efectuada, faço cessar os efeitos da declaração de utilidade pública, nos termos da alínea b) do n.º 1 do artigo 13.º do Decreto-Lei n.º 460/77, de 7 de Novembro, com a redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 391/2007, de 13 de Dezembro.

18 de Fevereiro de 2011. — O Secretário de Estado da Presidência do

Conselho de Ministros, João Tiago Valente Almeida da Silveira.

4162011

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Direcção-Geral dos Impostos

Despacho n.º 3883/2011

Delegação de competências

Ao abrigo do n.º 1 do artigo 62.º da lei geral tributária (LGT), o Chefe

do Serviço de Finanças de Santarém delega nos Chefe de Finanças Ad- juntos, a competência para a prática dos actos próprios das suas funções, relativamente aos serviços e áreas a seguir indicadas:

I — Chefia das Secções:

1.ª Secção — Tributação do Património:

Chefe de Finanças Adjunta, em regime de substituição — Maria Helena Rosário Lopes Seguro da Silva, Técnica de Administração Tri- butária — Nível 2;

2.ª Secção — Tributação do Rendimento e da Despesa:

Chefe de Finanças Adjunto, Adelino Bernardes Coelho, Técnico de Administração Tributária Nível — 2;

3.ª Secção — Contencioso e Justiça Tributária:

Chefe de Finanças Adjunto, em regime de substituição, — Licenciada Dulce Maria Pereira Francisco Militão, Técnica de Administração Tri- butária Nível — 2;

4.ª Secção — Cobrança:

Chefe de Finanças Adjunto, em regime de substituição — Abílio Ma- nuel Mota Ribeiro, Técnico de Administração Tributária Nível — 2.

II — Atribuição de competências:

Aos Chefes de Finanças Adjuntos, sem prejuízo das funções que oportunamente lhes venham a ser atribuídas pelo Chefe de Finanças ou seus superiores hierárquicos, bem como da competência que lhes atribui

o artigo 93.º do Decreto Regulamentar n.º 42/83, de 20 de Maio, e que é

assegurar, sob orientação e supervisão da Chefe do Serviço de Finanças,

o funcionamento das secções e exercer acção formativa e disciplinar relativa aos funcionários, competirá:

III — De carácter geral:

1 — Proferir despachos de mero expediente, incluindo os de pedidos

de certidão a emitir pelos funcionários da respectiva secção, controlando

a correcção das contas de emolumentos quando devidos e fiscalizando as isenções dos mesmos quando mencionadas, bem como verificar a

legitimidade dos requerentes quanto aos pedidos efectuados, atendendo ao princípio da confidencialidade dos dados (artigo 64.º da LGT);

2 — Verificar e controlar os serviços de forma que sejam respeitados

os prazos e objectivos fixados, quer legalmente, quer pelas instâncias

superiores;

3 — Assinar a correspondência expedida, com excepção da dirigida

a instâncias hierarquicamente superiores, bem como a outras entidades estranhas à DGCI de nível institucional relevante;

4 — Assinar os mandados de notificação e as notificações a efectuar por via postal;

5 — Assinar e distribuir documentos que tenham natureza de expe- diente necessário;

6 — Instruir, informar e dar parecer sobre quaisquer petições e ex- posições para apreciação e decisão superior;

7 — Instruir e informar os recursos hierárquicos;

8 — Levantar autos de notícia nos termos da alínea l) do artigo 59.º do Regime Geral das Infracções Tributárias (RGIT);

9 — Assinar os documentos de cobrança e de operações de tesouraria

a emitir pelo Serviço de Finanças;

10 — Coordenar e controlar a execução do serviço mensal, bem como

a elaboração de relações, mapas contabilísticos e outros, respeitantes ou

Diário da República, 2.ª série — N.º 42 — 1 de Março de 2011

relacionados com os serviços respectivos, de modo a que seja assegurada

a sua remessa atempada às entidades destinatárias;

11 — Providenciar para que sejam prestadas com prontidão todas as

respostas e informações pedidas pelas diversas entidades;

12 — Tomar as providências necessárias para que os utentes sejam

atendidos com a prontidão possível e com qualidade;

13 — Controlo de assiduidade, pontualidade, faltas e licenças dos

funcionários em serviço na respectiva secção;

14 — Promover a organização e conservação em boa ordem do ar-

quivo de documentos e processos e demais assuntos relacionados com

a

respectiva secção;

15

— Verificar e controlar os procedimentos de liquidação das coimas

e

o direito à redução nos termos do artigo 29.º do RGIT, tendo presente

o

preceituado nos artigos 30.º e 31.º do mesmo diploma legal;

16 — Verificação do andamento e controlo de todos os serviços a

cargo da Secção, incluindo os não delegados, tendo em vista a sua perfeita e atempada execução, tendo sempre como objectivo atingir os resultados Superiormente determinados e constantes do plano anual

de actividades;

17 — Providenciar que, sempre que se mostre necessário e ou con-

veniente, sejam efectuadas as rotações de serviço dos respectivos fun- cionários afectos às respectivas secções.

18 — Exercer a adequada acção formativa, mantendo a ordem e

disciplina na secção a seu cargo, podendo dispensar os funcionários por pequenos lapsos de tempo conforme o estritamente necessário.

19 — Controlar a execução e produção da sua secção, de forma que

sejam alcançadas as metas previstas nos planos de actividades.

IV — De carácter específico:

À Chefe de Finanças Adjunta, em regime de substituição, Maria

Helena Rosário Lopes Seguro da Silva, Técnica de Administração Tri- butária — Nível 2, que chefia a Secção do Património, competirá:

1 — Relativamente ao Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI):

1.1 — Apreciar e decidir os processos de isenção do IMI, incluindo as

concedidas ao abrigo do disposto nos artigos 46.º a 48.º e 50.º do EBF,

com excepção das situações em que haja despacho de indeferimento;

1.2 — Instruir e decidir as reclamações matriciais rústicas, após a re-

messa dos correspondentes processos de cadastro geométrico à entidade competente para a sua apreciação;

1.3 — Apreciar todas as reclamações administrativas sobre inscrições

matriciais urbanas, promovendo os procedimentos e actos necessários

para o efeito, incluindo a sua decisão, com excepção daquelas em que deva recair despacho de indeferimento;

1.4 — Verificar, orientar e controlar a execução do serviço de avalia-

ções, incluindo toda a tramitação informática das segundas avaliações, com excepção dos actos relativos à posse, nomeação ou substituição de peritos, bem como à assinatura de mapas resumo e de folhas de

despesa;

1.5 — Fiscalizar, controlar e autorizar as liquidações e anulações

de imposto;

1.6 — Fiscalizar e controlar os elementos recebidos de entidades

externas à DGCI, nomeadamente as Câmaras Municipais, Cartórios

Notariais e outros Serviços Locais de Finanças;

1.7 — Controlar e orientar a execução de todas as tarefas relacionadas

com a recepção e introdução de participações nas respectivas aplicações

informáticas, designadamente declarações modelo n.º 1 de IMI e decla- rações de modelo único do NRAU, a que se refere o n.º 1 da Portaria n.º 1192-A/2006, de 3/11;

2 — Relativamente ao Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT):

2.1 — Instruir e informar os pedidos de isenção do IMT, organizando

os competentes processos e decidindo todas as situações em que a

competência seja do Chefe do Serviço de Finanças e em que não haja despacho de indeferimento, procedendo à remessa daqueles em que o reconhecimento pertença a entidades hierarquicamente superiores;

2.2 — Controlar e fiscalizar todas as isenções já reconhecidas nos

termos do artigo 11.º do CIMT, no sentido de averiguar situações de

caducidade;

2.3 — Coordenar e verificar todos os elementos necessários ao proces-

samento informático da declaração modelo n.º 1 e controlar a respectiva liquidação e pagamento;

2.4 — Fiscalizar todos os actos passíveis de liquidação bem como as

liquidações adicionais resultantes de avaliações efectuadas;

2.5 — Instaurar e instruir na aplicação SIGEPRA as reclamações

graciosas de IMT quando não dêem lugar a reembolso;

3 — Relativamente a Imposto do Selo (IS):

3.1 — Controlar e coordenar a execução do serviço;

3.2 — Fiscalizar, com recurso aos meios automáticos ou em suporte

de papel que sejam postos à disposição dos serviços, o cumprimento das disposições legais por parte dos beneficiários das transmissões,

promovendo a actualização matricial;