Você está na página 1de 16

UNIFESO - Centro Universitário Serra dos Órgãos

CCT – Centro de Ciências Tecnológicas

Teste de Progresso 2009


MATEMÁTICA

Prezado Aluno

Você está realizando o Teste de Progresso da UNIFESO. Este teste procura verificar conhecimentos
específicos, normalmente acumulados durante todos os períodos do curso, refletindo a qualidade de
muitos testes de seleção para alunos já formados.
O Teste de Progresso não tem qualquer caráter de classificação ou de discriminação. As questões
visam apenas aferir os conhecimentos já adquiridos por você, independente do estágio em que se
encontre no seu curso.
Dependendo do período em que se encontra, muitas destas questões poderão ser desconhecidas para
você. Mesmo assim, esforce-se por responde-las corretamente.
O resultado desse teste será de divulgado individualmente, para cada aluno avaliado.
Boa sorte!
Comissão de Avaliação

INSTRUÇÕES:
• Assine o cartão de respostas em caneta azul ou preta conforme sua assinatura do documento de
identidade apresentado.
• Marque o cartão de respostas preenchendo TODO O ESPAÇO sobre a letra correta () em tinta azul
ou preta.
• NÃO serão permitidas rasuras no cartão de respostas. As questões rasuradas serão consideradas
erradas.
• Somente entregue o cartão de respostas. O caderno de questões poderá ser levado para a
conferência do gabarito, desde que tenha decorrido uma hora do início da prova.
• NÃO é permitido manter telefone celular, ou quaisquer dispositivos eletrônicos ligados na sala de
prova.
• Fica proibido qualquer tipo de consulta.
• Os professores responsáveis pela aplicação da prova NÃO poderão esclarecer dúvidas de conteúdo.
O entendimento dos enunciados faz parte da avaliação.
• A prova contém 80 (oitenta) questões numeradas, de múltipla escolha, com cinco opções cada, onde
há somente única resposta correta.
• A duração da prova é de três horas improrrogáveis, incluído o tempo para a marcação do cartão de
respostas. Ao final deste tempo, os cartões serão recolhidos.
• Os três últimos candidatos sairão da sala de prova em conjunto.
• O aluno somente poderá retirar-se da sala de prova, após decorrida a primeira hora da
prova.

Teresópolis
Outubro de 2009
UNIFESO - Teste de Progresso 2009 MATEMÁTICA Pág 2 de 16

22 Utilizar as regras de produtos notáveis o produto da soma pela


1. Calculando-se a potência - 4 , obtemos:
diferença de dois termos e a regra de fatoração da diferença
(A) 64 entre dois quadrados simultaneamente.
(B) -64 6. Em um jogo de futebol, um jogador irá bater uma falta
(C) -256 diretamente para o gol. A falta é batida do ponto P,
localizado a 12 metros da barreira. Suponha que a trajetória
(D) 256 da bola seja uma parábola, com ponto de máximo em Q,
(E) -512 exatamente acima da barreira, a 3 metros do chão, como
Usar a definição de potência lembrando que o sinal negativo não ilustra a figura abaixo.
faz parte da base. Portanto, mesmo sendo o expoente par, a
resposta possui sinal negativo.
2. Podemos representar o conjunto A = {x ∈ R | x < 2}
usando a seguinte notação de intervalo:
(A) (−∞,2)
(B) [−∞,2)
Sabendo-se que o gol está a 8 metros da barreira, a que
(C) (−∞,2] altura está a bola ao atingir o gol?
(D) [2,+∞) 3
(A) m
(E) (2,+∞) 2
Utilizar a definição de notação por intervalo, não esquecendo 4
(B) m
que, quando os extremos não são incluídos, usamos a notação 3
de parênteses para os mesmos.
(C) 1 m
(D) 2 m
3. O valor de 15 − 32 + 25 − 81 é:
5
(A) 1 (E) m
(B) 2
3
Observemos que a parábola do problema é descrita pela função
(C) 3
x2
(D) 4 f ( x) = − + 3 . Então, só calcular o valor da função para
(E) 5 48
x=8, encontrando a resposta correta.
Fazer os cálculos utilizando a definição de raiz quadrada de um
número, começando com a raiz quadrada mais interna, no caso, 7. O conjunto das soluções reais da equação 2 x + 3 – ( x +
a raiz quadrada de 81. 1)=x+4é

6 5 (A) {}
4. Simplificando-se a expressão − ,
6− 5 6+ 5 (B) {0}
obtemos (C) {2}
(A) 13 (D) {4}
(B) 11 (E) {2, 4}
(C) 4 A equação anterior é equivalente a equação x+2=x+4. Não
(D) 12 existe número real que satisfaça a igualdade anterior. Portanto a
solução é o conjunto vazio.
(E) 10
8. Toda seqüência limitada de números reais
Fazer o MMC entre as frações e utilizar a regra de produtos
notáveis o produto da soma pela diferença de dois números para (A) é convergente.
concluir o resultado. (B) é divergente.
1 1 1 1 (C) é monótona.
5. Simplificando-se a expressão
(x 2
− y 2 )( x 2 + y 2 ) ,
(D) admite subseqüência convergente.
x2 − y2
(E) tem apenas um número finito de termos distintos.
obtemos
Teorema de Bolzano-Weiestrass
1
(A)
x− y
x− y
(B)
x+ y
(C) x + y
1
(D)
x+ y
x+ y
(E)
x− y
UNIFESO - Teste de Progresso 2009 MATEMÁTICA Pág 3 de 16
9. A concentração de certo fármaco no sangue, t horas 12. Considere as afirmações a seguir:
após sua administração, é dada pela fórmula: I O princípio da não contradição diz que uma
10t proposição da lógica matemática, dependendo do
y (t ) = ,t ≥ 0 . contexto, pode ser ao mesmo tempo verdadeira e falsa;
(t + 1) 2 II O princípio do terceiro excluído diz que existem
Em qual intervalo essa função é crescente? apenas dois valores lógicos possíveis para cada
proposição da lógica matemática;
(A) t ≥ 0
III Os valores lógicos possíveis podem ser apenas:
(B) t > 10 verdadeiro, valso e Não-definido.
(C) t > 1
São verdadeiras as afirmações:
(D) 0 ≤ t < 1 (A) apenas I;
1 (B) apenas II;
(E) < t < 10
2 (C) apenas II e III;
(D) apenas III;
No intervalo 0 ≤ t < 1 , qualquer t é menor do que o próprio t.
2

Este fato ocorre somente para este intervalo que faz parte do (E) todas são verdadeiras.
domínio. Portanto a função y(t) neste intervalo é crescente. O princípio da não contradição diz que uma proposição da lógica
10. Num plano, o lugar geométrico dos pontos que matemática, não pode ser verdadeira e falsa
eqüidistam de uma reta fixa e de um ponto fixo que não Os valores lógicos possíveis são apenas: verdadeiro e valso.
pertence à reta é uma Bibliografia: GERSTING, J., Fundamentos Matemáticos para a
(A) reta. Ciência da Computação. Rio de Janeiro: LTC – Livros Técnicos e
Científicos Editora S.A., 2001.
(B) parábola.
13. Considere as afirmações a seguir:
(C) elipse. I Uma tautologia é uma proposição da lógica
(D) hipérbole. matemática que nunca é falsa;
(E) circunferência. II Uma contradição é uma proposição da lógica
matemática que pode assumir dois valores lógicos
Definição de parábola. diferentes;
11. Você está viajando em um país onde existem apenas dois III Uma sentença envolvendo conectivos lógicos e
grupos distintos de habitantes. Os que são mentirosos e só várias letras que representam proposições, ie., uma fbf,
falam mentiras e os que nunca são capazes de mentir e com certeza ou é uma tautologia ou uma contradição, não
sempre dizem a verdade. Você encontra dois habitantes existe um terceiro caso.
desse país, José e Paulo.
São verdadeiras as afirmações:
José diz para você: “ Se Paulo não diz a verdade então eu
(A) apenas I;
também não digo a verdade”.
(B) apenas II;
O que podemos concluir do discurso de José?
(C) apenas III;
(A) Que ele diz a verdade e Paulo é mentiroso;
(D) apenas I e II;
(B) Que Paulo diz a verdade e ele é mentiroso;
(E) Todas são falsas.
(C) Que quando falam o que dizem é verdade;
Uma tautologia é uma proposição da lógica matemática que é
(D) Que ou José é mentiroso ou Paulo é mentiroso, mas
sempre verdadeira.
não ambos; Uma contradição é uma proposição da lógica matemática é
(E) Somente que José é mentiroso. Não podemos saber sempre falsa.
sobre Paulo, já que ele permaneceu calado. Uma sentença envolvendo conectivos lógicos e várias letras que
Definindo as letras de proposição: A ≡ Paulo é mentiroso. B ≡ representam proposições, ie., uma fbf, ou é uma tautologia, ou
José é mentiroso. uma contradição, ou um outro caso em que não é tautologia nem
contradição.
Podemos escrever para o discurso: A → B. Bibliografia: GERSTING, J., Fundamentos Matemáticos para a
Supondo o discurso falso: A → B : (F). Então A(V) e B(F). Ciência da Computação. Rio de Janeiro: LTC – Livros Técnicos e
Concluímos que para o discurso de José ser falso ele deve dizer Científicos Editora S.A., 2001.
a verdade o que é uma contradição. 14. Uma base do espaço vetorial das soluções da equação
Se o discurso não pode ser falso então é verdadeiro. Para isto diferencial y'' + y = 0 é formada pelas funções
ocorrer B tem que ser falso. Mas neste caso, devemos ter A
também falso, caso contrário, cairíamos na hipótese anterior. (A) f1 ( x) = senx e f 2 ( x) = cosx
Logo: É falso que José é mentiroso e é falso que Paulo é
mentiroso, i.e., ambos dizem a verdade.
(B) f1 ( x) = senx e f 2 ( x) = 2senx
A) Errada. Paulo diz a verdade. (C) f1 ( x) = cosx e f 2 ( x) = 2cosx
B) Errada. José diz a verdade.
C) Correta. Ambos dizem a verdade, logo quando falam dizem a (D) f1 ( x) = x e f 2 ( x) = x–1
verdade.
D) Errada. Ambos dizem a verdade. (E) f1 ( x ) = e x e f 2 ( x ) = e − x
E) Errada. José diz a verdade.
Verificar que as funções y ( x) = c1 senx + c2 cos x onde c1 e
Bibliografia: GERSTING, J., Fundamentos Matemáticos para a
Ciência da Computação. Rio de Janeiro: LTC – Livros Técnicos e
c2 são números reais são soluções da equação fazendo apenas
Científicos Editora S.A., 2001. uma substituição no problema.
15. A equação y´+2y=0 é uma equação:
(A) Diferencial Ordinária de segunda ordem.
UNIFESO - Teste de Progresso 2009 MATEMÁTICA Pág 4 de 16
(B) Diferencial Parcial de primeira ordem. 5
20. Sendo cos x = − e x ∈ 2º quadrante, o valor de senx
(C) Diferencial Ordinária de primeira ordem. 13
(D) Integral é:
(E) A igualdade acima não representa uma equação. 12
Ver O Cálculo e Geometria Analítica, volume 2- Louis Leithold
(A) −
13
16. Considere a sentença: João gosta de laranja ou de
creme. A negação da sentença é: 12
(B)
(A) João gosta de laranja mas não gosta de creme. 13
(B) João não gosta de laranja mas gosta de creme. 13
(C) João não gosta de laranja ou não gosta de creme. (C) −
5
(D) João não gosta de laranja nem de creme.
13
(E) Ou João gosta de laranja ou de creme, mas não (D)
ambos. 12
Definindo: 5
A ≡ João gosta de laranja; (E) −
B ≡ João gosta de creme;
12
Temos: A ∨ B. Negando: (A ∨ B)’ ⇔ (A’ ∧ B’). Utilizar a relação fundamental sen x + cos x = 1,
2 2

João não gosta de laranja nem de creme. substituindo na relação anterior o valor de cosseno de x dado no
Bibliografia: GERSTING, J., Fundamentos Matemáticos para a enunciado.
Ciência da Computação. Rio de Janeiro: LTC – Livros Técnicos e
Científicos Editora S.A., 2001. 21. A expressão abaixo é igual a:
1 1 1 1
17. Dada a função dos números reais nos números reais
+ + +
representada pela fórmula
f ( x) = 5 x − 6 , então f(0) vale: 1 + sen x 1 + cos x 1 + sec x 1 + cos sec 2 x
2 2 2

(A) 5 (A) 0
(B) -6 (B) 1
(C) 11 (C) 3
(D) 0 (D)
(E) -1 (E) 2
Substituir diretamente o número zero na fórmula da função. Utilizar a relação fundamental e as definições para as funções
sec x e cos sec x.
18. A inequação − x 2 + 3x + 4 > 0 tem como solução
22. Se P(x) é um polinômio do segundo grau cujas raízes são
(A) (-1,4) 2 e 3, o polinômio [P(x)]2 admite
(B) [-1,4] (A) 2 e 3 como raízes simples.
(C) (1,4) (B) 2 e 3 como raízes duplas.
(D) [-1,4) (C) 4 e 9 como raízes simples.
(E) [1,4] (D) 4 e 9 como raízes duplas.
Verificar que as raízes da equação de segundo grau (E) duas raízes reais e duas não reais.
x 2 − 3 x − 4 = 0 são -1 e 4. Esboçar o gráfico e, para Como o polinômio P(x) admite como raízes 2 e 3 e este é de
satisfazer a inequação, é necessário que o conjunto seja dos segundo grau, ele pode ser fatorado como P(x)=(x-2)(x-3). É
valores entre -1 e 4. fácil ver que P( x) 2 = ( x − 2) 2 ( x − 3) 2 .

19. Se exprimirmos em graus o arco rad , obtemos: 23. Quanto vale lim[ln 2 x − ln x] ?
4 x →∞

(A) 300º (A) 0


(B) 45º (B) ln 2
(C) 245º (C) 1
(D) -135º (D) e
(E) 315º (E) ∞
Lembrar que a relação entre as unidades pode ser dada por π Usar os propriedades de logaritmos e verificar que o limite acima
rad = 180º. Fazendo uma regra de três usando a relação acima corresponde a ln 2.
como base obtemos o resultado desejado. 24. Se g : R -> R tem todas as derivadas contínuas, g'(a) =
g"(a) = 0 e g"'(a) = 2, então a função g possui, em x = a, um
(A) máximo relativo.
(B) máximo absoluto.
(C) mínimo relativo.
(D) mínimo absoluto.
(E) ponto de inflexão.
Ver qualquer livro de cálculo de uma variável. Definição de ponto
de inflexão.
UNIFESO - Teste de Progresso 2009 MATEMÁTICA Pág 5 de 16
25. Considere as afirmações a seguir: 27. Se o resto da divisão do inteiro N por 5 é igual a 3, o
Os abacates estão maduros apenas se estão escuros e resto da divisão de N2 por 5 é, necessariamente, igual a
macios.
(A) 0
Podemos concluir que:
(B) 1
(A) Se os abacates estão macios ,então estão maduros; (C) 2
(B) Se os abacates estão escuros, então estão (D) 3
maduros;
(E) 4
(C) Os abacates estão maduros se somente se estão
escuros e macios; Ver Introdução a Álgebra – Adilson Gonçalves
(D) Os abacates estão escuros e macios se somente se 28. Os inteiros, com a adição e a multiplicação usuais,
constituem um exemplo de
estão maduros;
(A) corpo.
(E) Os abacates não estão maduros ou estão escuros e
macios. (B) anel com unidade.
Os abacates estão maduros apenas se estão escuros e macios, (C) anel com divisores de zero.
A → B ∧ C ⇔ A’ v (B ∧ C). (D) grupo multiplicativo abeliano.
Os abacates não estão maduros ou estão escuros e macios. (E) grupo multiplicativo não abeliano.
Bibliografia: GERSTING, J., Fundamentos Matemáticos para a
Definição de anel com unidade. Ver Introdução a Álgebra,
Ciência da Computação. Rio de Janeiro: LTC – Livros Técnicos e
Adilson Gonçalves.
Científicos Editora S.A., 2001.
29. Considere as seguintes transformações:
26. Ao defender seu cliente um advogado promove em júri o
seguinte discurso:
( 1a ) T : ℜ 3 → ℜ 3 / T ( x , y , z ) → ( x , y ,− z ) ;
“Se meu cliente fosse culpado, a faca estaria na gaveta.
Mas a faca não estava na gaveta ou João viu a faca. Se a ( 2a ) T : ℜ2 → ℜ2 /
faca não estava lá no dia 10 de outubro, então João não
viu a faca. Além disso, se a faca estava lá no dia 10 de T ( x , y ) → ( x.cos( θ ) − y .sen( θ ), x.sen( θ ) + y .cos( θ )).
outubro, então a faca estava na gaveta e o martelo estava
no celeiro. Mas nós todos sabemos que o martelo não Podemos afirmar que:
estava no celeiro. Portanto, senhoras e senhores do júri,
meu cliente é inocente”. (A) Não existe qualquer matriz que possa representar as
Definindo as letras de proposição:
transformações.
I := “meu cliente é inocente’; (B) A primeira transformação é linear e representa uma
F := “a faca estava na gaveta”; translação.
J := “João viu a faca”; (C) A primeira transformação representa uma reflexão
O := “a faca estava lá no dia 10 de outubro”; em relação à origem e a segunda representa um
M := “o martelo estava no celeiro”. cisalhamento.
Podemos simbolizar o discurso na forma: (D) A matriz da segunda transformação representa uma
(A) (I´→ F) ∧ (F´∨ J) ∧ (O´→ J´) ∧ (O → F ∧ M) ∧ M´→ I; reflexão em relação ao plano XY e a primeira uma
rotação no plano no sentido anti-horário.
(B) (I´→ F) v (F´∨ J) v (O´→ J´) v (O → F ∧ M) v M´→ I;
(E) As duas transformações, quando atuam em vetores,
(C) (I´→ F) → (F´∨ J) → (O´→ J´) → (O → F ∧ M) → M´→ I;
mantêm a norma dos vetores invariantes. Os
(D) (I´→ F) → (F´∨ J) → (O´→ J´) ∧ (O → F ∧ M) ∧ M´→ I; determinantes das matrizes que representam as
(E) (I´→ F) → (F´∨ J) → (O´→ J´) ∨ (O → F ∧ M) ∨ M´→ I. transformações são respectivamente -1 e +1.
Hip 1. Se meu cliente fosse culpado, a faca estaria na gaveta. a) Errada. Ambas podem ser representadas por uma matriz.
(I´→ F). b) Errada. A primeira transformação é linear, mas não representa
Hip 2. A faca não estava na gaveta ou João viu a faca. (F´∨ J). uma translação.
Hip 3. Se a faca não estava lá no dia 10 de outubro, então João c) Errada. A primeira transformação representa uma reflexão em
relação ao plano XY e a segunda representa uma rotação.
não viu a faca. (O´→ J´).
d) Errada. A matriz da segunda transformação representa uma
Hip 4. Além disso, se a faca estava lá no dia 10 de outubro,
rotação no sentido anti-horário e a primeira uma reflexão em
então a faca estava na gaveta e o martelo estava no celeiro. (O
relação ao plano XY.
→ F ∧ M).
e) Correta. As transformações não mudam os tamanhos dos
Hip 5. O martelo não estava no celeiro. M´.
vetores. A matriz de reflexão possui determinante igual a -1 e a
Conclusão: Meu cliente é inocente. I de rotação determinante igual a +1.
Logo, (I´→ F) ∧ (F´∨ J) ∧ (O´→ J´) ∧ (O → F ∧ M) ∧ M´→ I. Bibliografia: ANTON, H. & RORRES, C., Álgebra Linear com
Bibliografia: GERSTING, J., Fundamentos Matemáticos para a Aplicações. Porto Alegre: Bookman, 2001.
Ciência da Computação. Rio de Janeiro: LTC – Livros Técnicos e
Científicos Editora S.A., 2001.
UNIFESO - Teste de Progresso 2009 MATEMÁTICA Pág 6 de 16
30. Considere as afirmações: 32. Uma sentença da lógica matemática é composta de letras
( I ) Matrizes que estão em um mesmo espaço sempre de proposição e conectivos lógicos. A sentença A ∨ B é
comutam; F composta de duas letras de proposição conectadas através
do ou exclusivo. Por exemplo a frase em português:
( II ) O produto interno entre dois vetores é comutativo; V
( III ) Se o determinante de uma matriz é zero então o “Ou ele gosta de salgado ou de doce, mas não de ambos”,
conjunto de vetores linha ou coluna que formam a matriz é pode ser representada pela sentença simbólica A ∨ B.
um conjunto de vetores linearmente independente. F
Assinale a sentença simbólica a seguir que represente a
São verdadeiras as afirmações: negação do ou exclusivo.
(A) apenas I; (A) A ∧ B;
(B) apenas II; (B) A ∨ B;
(C) apenas II e III; (C) A ↔ B;
(D) apenas III; (D) (A’ ∧ B) ∨ (A’ ∧ B);
(E) todas são verdadeiras. (E) (A ∨ B) ∧ (A ∧ B)’.
Matrizes que estão em um mesmo espaço nem sempre
comutam.
Ex. A B A∨B (A ∨ B)’ A↔B (A ∨ B)’ ↔ (A ↔
1 2  2 1 4 3 2 5 B)
A =   B =   A ⊗ B =   B ⊗ A =   A ⊗ BV≠ B ⊗V A. F V V V
0 1 1 1  1 1  1 3 
V F V F F V
O produto interno entre dois vetores realmente é comutativo. F V V F F V
      Fn
Se u = ( a1 , a2 , a3 ,..., an ) e v = ( b1 , b2 , b3 ,..., bn ) → u  v = v  u = ∑ ak .bFk F V V V
=1
kPortanto, (A ∨ B)’ ⇔ (A ↔ B).
. Bibliografia: GERSTING, J., Fundamentos Matemáticos para a
Se o determinante de uma matriz é zero então o conjunto de Ciência da Computação. Rio de Janeiro: LTC – Livros Técnicos e
vetores linha ou coluna que formam a matriz é um conjunto de Científicos Editora S.A., 2001.
vetores linearmente dependente.
33. Uma reta perpendicular a um segmento AB que contém
Bibliografia: ANTON, H. & RORRES, C., Álgebra Linear com
seu ponto médio é chamada de:
Aplicações. Porto Alegre: Bookman, 2001.
(A) mediana.
31. Considere as afirmações:
( I ) Um problema de autovalor é uma homotetia; (B) mediatriz.
( II ) Um sistema homogêneo sempre tem pelo menos uma (C) altura.
solução. (D) bissetriz.
( III ) O problema de autovalor e autovetor pode ser visto
(E) baricentro.
como um problema homogêneo;
Definição de mediatriz.
São verdadeiras as afirmações:
34. Um triângulo de lados a, b e c cujas alturas são ha, hb e
(A) apenas I; hc é tal que a > b > c. Então, necessariamente,
(B) apenas II; (A) a maior altura é ha.
(C) apenas I e II; (B) a maior altura é hb.
(D) apenas III; (C) a maior altura é hc.
(E) todas são verdadeiras. (D) a menor altura é hb.
 
Um problema de autovalor é uma homotetia: A  V = λ .V . (E) a menor altura é hc.
Um sistema homogêneo tem pelo menos a solução trivial. Num triângulo qualquer a maior altura será relativa ao menor
    
V = 0 ∴ A  0 = 0 ∴0 = 0 . lado.
O problema de autovalor e autovetor pode ser visto como um
 
problema homogêneo ( A − λ .I )  V = 0 .
Bibliografia: ANTON, H. & RORRES, C., Álgebra Linear com
Aplicações. Porto Alegre: Bookman, 2001.
UNIFESO - Teste de Progresso 2009 MATEMÁTICA Pág 7 de 16
35. Observe a seguinte atividade de construções Segmento OP pertence a reta r que passa pelos pontos P(0,0) e
geométricas. Q(1,2), logo a reta r é dada por y = 2x e delimita a região nos
• Construir um triângulo AEI qualquer. pontos tais que y < 2x.
• Traçar a bissetriz do ângulo EÂI e, em seguida, a bissetriz Já o segmento OR pertence a reta s que passa pelos pontos
do ângulo AÊI. P(0,0) e R(2,1), logo a reta s é dada por y = x/2 e delimita a
• Marcar o ponto de encontro dessas duas bissetrizes. região nos pontos tais que y > x/2.
• Traçar a bissetriz do ângulo AÎE. E o segmento QR pertence a reta t que passa pelos pontos
R(2,1) e Q(1,2), logo a reta t é dada por y = -x + 3 e delimita a
O que você observa? Será que, se você recomeçar a região nos pontos tais quey < -x +3
construção a partir de outro triângulo, chegará à mesma
Temos, então, que a região triangular é delimitada por: y -2x < 0
observação?
e 2y – x > 0 e y + x < 3.
O uso de um software de geometria dinâmica na execução
dessa atividade e de outras similares: 37. No triângulo ABC, o comprimento dos lados AB, BC e
CA, nessa ordem, são números inteiros e consecutivos. A
(A) pode mostrar que o estudo das construções com altura relativa a BC divide este lado em dois segmentos de
régua e compasso é desnecessário. comprimentos m e n, como indicado. Quanto vale m - n?
(B) dispensa a demonstração dos resultados
encontrados pelos alunos.
(C) prejudica o desenvolvimento do raciocínio lógico-
dedutivo.
(D) dificulta o desenvolvimento do pensamento
geométrico.
(E) pode contribuir para a elaboração de conjecturas
pelos alunos.
Os softwares de geometria dinâmica são ferramentas que
facilitam o trabalho em sala de aula, desenvolvendo o raciocínio (A) 1
lógico-dedutivo e auxiliando o aluno a elaborar conjecturas. De
forma alguma sua utilização elimina a necessidade da (B) 2
construção com régua e compasso e de elaboração de (C) 3
demonstração
(D) 4
36. Assinale a opção que contém o sistema de inequações
(E) 6
que determina a região triangular PQR desenhada abaixo.
Colocando AB = x, temos BC = x +  1 eAC = x +  2. S e ja
AH = h a altura relativa a BC. Aplicando o Teorema de Pitágoras
2 2 2
aos triângulos ABH e AHC obtemos n + h = x e (x  +
2 2 2 2 2 2 2 2
2) = m + h . Segue que h = x – n e h = (x +  2) –
2 2 2 2 2 2 2
m , donde (x + 2) – m = x – n , ou seja, (x +  2) – x =
2 2 2 2
m – n . Usando a identidade a – b = (a – b) (a – b) obtemos
então (x  + 2– x) (x +  2 +  x) = (m – n) (m + n) Como
m  +n =x + 1 s e gue que 2(2x  + 2) = m ( – n) (m +
n), segue que, donde 4(x  + 1) =m ( – n) (x +  1). Como
x  1 ≠0 pode m os dividir a mbos os m e mbros de s ta últim a
expressão por x +  1 e obte m os fina lme ntem – n = 4.

(A)  y − 2 x < 0

2 y − x < 0
x + y > 3

(B)  y − 2 x > 0

2 y − x > 0
x + y > 3

(C)  y − 2 x < 0 38. Uma tira de papel retangular é dobrada ao longo da linha

2 y − x < 0
tracejada, conforme indicado, formando a figura plana da
direita. Qual o valor do ângulo x ?
x + y < 3

(D)  y − 2 x < 0

2 y − x < 0
x + y > 3 (A)
 30º
(E)  y − 2 x < 0
(B) 50º

2 y − x > 0 (C) 80º
x + y < 3 (D) 100º

(E) 130º
UNIFESO - Teste de Progresso 2009 MATEMÁTICA Pág 8 de 16

Observando a figura da fita dobrada vemos que 50º + 50º + x = Máximo: a maior área possível é 9999, logo x(x + 1) = 9 999,
180º, donde x = 80º . então x < 100 (III):
Agora procuramos x e x + 1 satisfazendo (I), (II) e (III).
33 x 34 = 1 122 ; 43 x 44 = 1 892 ; 44 x 45 = 1 980 ; 54 x 55 = 2
970 ; 55 x 56 = 2 970 ;
65 x 66 = 4 290 ; 66 x 67 = 4 422 ; 76 x 77 = 5 852 ; 77 x 78 = 6
006 ; 87 x 88 = 7 656 ; 88 x 89 = 7 832 ; 99 x 100 = 9 900 :
Encontramos 3 possibilidades para x: 33, 66 e 99.
41. Entre os procedimentos envolvidos na modelagem de
uma situação-problema, estão sua tradução para a
linguagem matemática e a resolução do problema,
39. Dois triângulos retângulos congruentes possuem catetos utilizando-se conhecimentos matemáticos. Nessa
de medidas 4 cm e 7 cm. Na figura abaixo, os triângulos perspectiva, um professor propôs a seguinte situação-
foram desenhados de modo a coincidirem os catetos de 7 problema para seus alunos:
cm. Assim, AB = 7 cm e AD = BC = 4 cm. Calcule a área Escolha o nome para uma empresa que possa ser lido da
sombreada da figura. mesma forma de qualquer um dos lados de uma porta de
vidro transparente.
A solução desse problema pressupõe encontrar
(A) letras do alfabeto que sejam simétricas em relação a
um ponto.
(B) letras do alfabeto que tenham simetria em relação a
um eixo horizontal.
(C) letras do alfabeto que tenham simetria em relação a
um eixo vertical.
(D) palavras que sejam simétricas em relação a um
2
(A) 20 cm ponto.
2
(B) 21cm (E) palavras que sejam simétricas em relação a um eixo
2
(C) 22 cm horizontal.
2
(D) 23 cm Gabarito: A resposta correta é encontrada baseada na
(E) 24 cm
2 definição de simetria.
42. Três circunferências de raios 1 cm, 2 cm e 3 cm são duas
Os pontos A, B, C e D formam o triângulo ABCD. Como as
a duas tangentes exteriormente,como na figura abaixo.
diagonais de um retângulo dividem em quatro triângulos de Determine o raio da circunferência tangente exteriormente
mesma área, a área sombreada é igual a ¾ da área do retângulo às três circunferências.
2
ABCD. Portanto a área sombreada é igual a ¾(7 x 4) = 21 cm .

40. 8) Um terreno retangular é quase quadrado: sua largura e


seu comprimento são números inteiros de metros que
diferem exatamente de 1 metro.
A área do terreno, em metros quadrados, é um número de 4 (A) 5 cm
algarismos, sendo o das unidades de milhar e o das
centenas iguais, e o mesmo ocorre com o das dezenas e das (B) 6 cm
unidades. Quais são as possíveis dimensões do terreno? (C) 7 cm
(A) 33, 66, 99 (D) 8 cm
(B) 11, 22, 33 (E) 9 cm
(C) 33, 44, 55 Ligando os centros das três circunferências obtemos o triângulo
2 2
(D) 55, 66, 88 ABC de lados AB = 3 cm, AC = 4 cm e BC = 5 cm. Como 3 + 4
2
= 5 , esse triângulo é retângulo, com hipotenusa BC.
(E) 66, 88, 99
A área é um número da forma aabb, onde a e b representam
algarismos; agora lembre que aabb = 1 100a + 11b = 11(100a +
b) :
Seja x a largura do terreno, logo x(x + 1) = 11(100a + b) (I);
e deduzimos que x ou x+1 é um múltiplo de 11. Procurar
múltiplos de 11 que satisfaçam a condição (I) é bastante
trabalhoso, por isso, para simplificar, vamos estabelecer quais os
valores que x pode ter. Vamos procurar os valores mínimo e
máximo para x:
Mínimo: a menor área possível é 1111, logo x(x + 1) = 1 111,
então x > 32 (II):
UNIFESO - Teste de Progresso 2009 MATEMÁTICA Pág 9 de 16

Deste modo DP1 = DP2 = DP3 = 6. Assim se considerarmos a


circunferência de centro D e raio 6 cm vemos que esta
circunferência passa por P1, P2 e P3. Além disso, como os
pontos {D; A; P1}, {D;B; P2} e {D; C; P3} estão alinhados, segue
que a circunferência de centro D e raio 6 cm é tangente às três
circunferências dadas de centros A, B e C.

Construa o retângulo ABDC, fazendo uma cópia BCD,


congruente ao triângulo ABC e com lado comum BC.

43. Os Parâmetros Curriculares Nacionais para o ensino da


Matemática indicam que os conteúdos estão distribuídos em
blocos: Números; Operações; Espaço e forma; Grandezas e
medidas; Tratamento da informação.
Para cada um dos blocos os alunos devem desenvolver
certas habilidades. No bloco Tratamento da informação, o
aluno deverá desenvolver a habilidade de
(A) aplicar estratégias de quantificação, como a
contagem, o pareamento, a estimativa e a
correspondência.
(B) entender a movimentação de pessoas ou objetos,
Uma vez que DC = AB = 3 e que a circunferência de centro C conforme indicações de direção.
também tem raio 3 cm, vemos que o ponto D está sobre essa
(C) explorar o conceito de número como código na
circunferência.
organização das informações, tais como telefones e
Ligando o ponto D a cada um dos vértices do triângulo ABC e
prolongando esses segmentos até interceptarem as placas de carros.
circunferências, obtemos os pontos P1, P2 e P3. (D) reconhecer cédulas e moedas de real e possíveis
trocas entre elas, em função de seus valores.
(E) identificar formas geométricas em diferentes
situações, utilizando composição e decomposição de
figuras.
No conteúdo tratamento da informação, os números devem ser
trabalhados de forma significativa para a criança, utilizando-se
daqueles que fazem parte do cotidiano infantil.

Temos que:
.DP2 = DB + BP2 = CA + BP2 = 4 + 2 = 6.
. DP1 = DA + AP1 = 5 + 1 = 6.
. DP3 = DC + CP3 = 3 + 3 = 6.
UNIFESO - Teste de Progresso 2009 MATEMÁTICA Pág 10 de 16
44. A professora Inês, interessada em integrar matemática e Todas as afirmativas estão corretas e de acordo com as
artes plásticas, propôs aos seus alunos uma pesquisa da propostas dos Parâmetros Curriculares Nacionais para o ensino
obra do artista plástico Piet Mondrian (1872-1944), que de Matemática.
consistiu na observação dos quadros reproduzidos abaixo.
46. A Matemática no ensino médio tem papel formativo —
contribui para o desenvolvimento de processos de
pensamento e para a aquisição de atitudes — e caráter
instrumental — pode ser aplicada às diversas áreas do
conhecimento —, mas deve ser vista também como ciência,
com suas características estruturais específicas.
OCNEM (com adaptações).
Ao planejar o estudo de funções no ensino médio, o(a)
professor(a) deve observar que:
Composição com Vermelho, Azul e Amarelo – 1930
(A) o objetivo do estudo de exponenciais é encontrar os
Composição com Amarelo, Azul e Vermelho - 1939
zeros dessas funções.
Disponível em: http://www.artcyclopedia.com/artists/mondrian_piet.html
A qual objetivo da educação matemática para o ensino (B) as funções logarítmicas podem ser usadas para
fundamental, presente nos PCN, atende a proposta da transformar soma em produto.
professora, de observação dos quadros de Mondrian? (C) as funções trigonométricas devem ser apresentadas
(A) Identificar formas geométricas e reproduzi-las após o estudo das funções exponenciais.
segundo categorias artísticas miméticas, a fim de apurar (D) a função quadrática é exemplo típico de
o gosto estético. comportamento de fenômenos de crescimento
(B) Estabelecer conexões entre temas matemáticos de populacional.
diferentes campos e entre esses temas e conhecimentos (E) o estudo de funções polinomiais deve contemplar
de outras áreas curriculares. propriedades de polinômios e de equações algébricas.
(C) Descrever resultados com precisão e argumentar Seguem as orientações dos Parâmetros Curriculares Nacionais
sobre suas conjecturas, estabelecendo relações entre de Matemática do Ensino Médio.
matemática e linguagem oral.
47. A professora Clara propôs a seus alunos que
(D) Resolver situações-problema para validar estratégias encontrassem a solução da seguinte equação do segundo
2
e resultados, identificando os ângulos obtuso, agudo e grau: x -1 = (2x + 3)(x - 1).
reto entre as formas geométricas. Pedro e João resolveram o exercício da seguinte
(E) Apurar a percepção da forma e estimular a sua maneira.
criação, por meio da cooperação, tendo em vista a Resolução de Pedro:
solução de problemas numéricos propostos. x2 - 1 = (2x + 3)(x - 1)
A proposta de integrar matemática e artes plásticas busca x2 - 1 = 2x2 + x - 3
desenvolver o conteúdo de forma interdisciplinar propondo a
2 - x = x2
interface entre os diferentes componentes curriculares,
respeitando a especificidade de cada área. Como 1 é solução dessa equação, então S = {1}
45. Observe a ilustração abaixo. Resolução de João:
x2 - 1 = (2x + 3)(x - 1)
(x - 1)(x + 1) = (2x + 3)(x - 1)
x + 1 = 2x + 3
x = -2
Portanto, S = {-2}
Pedro e João perguntaram à professora por que
A fala do menino permite os comentários a seguir. encontraram soluções diferentes. A professora
I - Quando o menino diz “e vão quatro”, utiliza-se de um observou que outros alunos haviam apresentado
mecanismo que não reflete o valor posicional do soluções parecidas com as deles.
algarismo, realizando a operação de forma mecânica. Entre as estratégias apresentadas nas opções a
II - Expressões como “e vão quatro” ou “desce um” estão seguir, escolha a mais adequada a ser adotada por
relacionadas à “troca” que ocorre na base 10, no sistema Clara visando à aprendizagem significativa por parte
de numeração decimal, no entendimento de sua estrutura dos alunos.
lógico-matemática.
(A) Indicar individualmente, para cada aluno que
III - O ensino de regras destituídas de significados pode apresentou uma resolução incorreta, onde está o erro e
estar na origem das dificuldades apresentadas por
crianças, ao tentarem utilizar os algoritmos na resolução
como corrigi-lo, a partir da estratégia inicial escolhida
de problemas. pelo aluno.
IV - A compreensão do valor posicional de um algarismo é (B) Resolver individualmente o exercício para cada
favorecida quando a criança opera com materiais aluno, usando a fórmula da resolução da equação do 2.º
concretos em que pode agrupar elementos de dez em dez grau, mostrando que esse é o método que fornece a
ou de cem em cem, por exemplo. resposta correta.
São corretos os comentários (C) Pedir a Pedro e João que apresentem à classe suas
(A) I e II, apenas. soluções para discussão e estimular os alunos a
(B) I e III, apenas. tentarem compreender onde está a falha nas soluções
(C) II e III, apenas. apresentadas e como devem fazer para corrigi-las.
(D) II, III e IV, apenas. (D) Escrever a solução do exercício no quadro, usando a
fórmula da resolução da equação do 2º grau, para que
(E) I, II, III e IV.
UNIFESO - Teste de Progresso 2009 MATEMÁTICA Pág 11 de 16
os alunos percebam que esse é o método que fornece a 50. Os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino
resposta correta. Fundamental fazem uma análise dos índices de promoção,
(E) Pedir que cada um deles comunique à classe como repetência e evasão dos alunos desse nível de ensino e a
conseqüente distorção série / idade que apresenta índices
resolveu o exercício e, em seguida, explicar no quadro
elevados. Para reverter esse quadro, alguns Estados e
para a turma onde está a falha na resolução de cada um Municípios implementam programas de aceleração do fluxo
e como eles devem fazer para corrigi-la. escolar.
Seguem as orientações dos Parâmetros Curriculares Nacionais Uma pesquisa realizada pelo MEC através do Sistema
de Matemática. Nacional de Avaliação da Educação Básica (SAEB),
48. Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais, todas as em 1995, aponta para o fato de que, quanto maior a
disciplinas escolares devem contribuir com a construção da distorção idade / série, pior o rendimento dos alunos
cidadania. Refletindo sobre esse tema, avalie as asserções a em:
seguir.
(A) Língua Portuguesa e História
Uma forma de o ensino da Matemática contribuir com a
formação do cidadão é o professor propor situações- (B) Matemática e Ciências
problema aos alunos, pedir que eles exponham suas (C) Ciências e Geografia
soluções aos colegas e expliquem a estratégia de
(D) Geografia e História
resolução utilizada, estimulando o debate entre eles,
porque os alunos, ao expor seu trabalho para os colegas, (E) Língua Portuguesa e Matemática
ouvir e debater com eles as diferentes estratégias Dados retirados da pesquisa realizada pelo MEC baseada nos
utilizadas, são estimulados a justificar suas próprias
dados do SAEB em 1995, em: www.mec.gov.br.
estratégias, o que contribui com o desenvolvimento da
autonomia, estimula a habilidade de trabalhar em 51. As ações terroristas cada vez mais se propagam pelo
coletividade e a respeitar a opinião do outro, mundo, havendo ataques em várias cidades, em todos os
características fundamentais de um cidadão crítico e continentes.
consciente. Nesse contexto, analise a seguinte notícia:
A respeito dessa afirmação, assinale a opção correta. “ No dia 10 de março de 2005, o Presidente de Governo da
(A) As duas asserções são proposições verdadeiras, e a Espanha José Luis Rodriguez Zapatero em conferência
segunda é uma justificativa correta da primeira. sobre o terrorismo, ocorrida em Madri para lembrar os
atentados do dia 11 de março de 2004, “assinalou que os
(B) As duas asserções são proposições verdadeiras, espanhóis encheram as ruas em sinal de dor e
mas a segunda não é uma justificativa correta da solidariedade e dois dias depois encheram as urnas,
primeira. mostrando assim o único caminho para derrotar o
(C) A primeira asserção é uma proposição verdadeira, e terrorismo: a democracia. Também proclamou que não
existe álibi para o assassinato indiscriminado. Zapatero
a segunda é falsa.
afirmou que não há política, nem ideologia, resistência ou
(D) A primeira asserção é uma proposição falsa, e a luta no terror, só há o vazio da futilidade, a infâmia e a
segunda é verdadeira. barbárie. Também defendeu a comunidade islâmica,
(E) Ambas as asserções são proposições falsas. lembrando que não se deve vincular esse fenômeno com
nenhuma civilização, cultura ou religião. Por esse motivo
Seguem as orientações dos Parâmetros Curriculares Nacionais apostou na criação pelas Nações Unidas de uma aliança de
de Matemática. civilizações para que não se continue ignorando a pobreza
49. De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais extrema, a exclusão social ou os Estados falidos, que
para o Ensino Médio, o papel da Educação na sociedade constituem, segundo ele, um terreno fértil para o
tecnológica inclui a necessidade do desenvolvimento das terrorismo”.
competências básicas para o exercício da cidadania e para o A principal razão, indicada pelo governante espanhol, para
desempenho de atividades profissionais. que haja tais iniciativas do terror está explicitada na
Isso constitui um grande desafio a se enfrentar, seguinte afirmação:
principalmente para um país em processo de (A) O desejo de vingança desencadeia atos de barbárie
desenvolvimento. dos terroristas.
Uma atitude que está em desacordo com essas (B) A democracia permite que as organizações
competências básicas é:
terroristas se desenvolvam.
(A) trabalhar bem em equipe
(C) A desigualdade social existente em alguns países
(B) conviver bem com o pensamento divergente alimenta o terrorismo.
(C) estar permanentemente evitando riscos (D) O choque de civilizações aprofunda os abismos
(D) ser capaz de buscar conhecimento culturais entre os países.
(E) saber comunicar-se de modo eficiente (E) A intolerância gera medo e insegurança criando
Seguem as orientações dos Parâmetros Curriculares Nacionais condições para o terrorismo.
de Matemática do Ensino Médio.
UNIFESO - Teste de Progresso 2009 MATEMÁTICA Pág 12 de 16
52. As duas charges de Laerte são críticas a dois problemas 54. Um relógio cuco tem como princípio de funcionamento o
atuais da sociedade brasileira, que podem ser identificados modelo do pêndulo simples, i.e., para o movimento do
pela crise pêndulo, considera-se a aproximação para ângulos em
relação a vertical menores que 10 graus, Θ(t) < 10 ,
0

desconsideram-se os atritos e utilizando a segunda lei de


Newton, escreve-se a equação diferencial ordinária:

d 2θ ( t )
mi + m g sen( θ ( t )) = 0 .
dt 2
Na equação, mi é a massa inercial e mg a massa
gravitacional. A aproximação para pequenos ângulos é tal
que: sen(Θ(t)) ≈ Θ(t).
Podemos afirmar que:
(A) para que o relógio funcione mais lentamente
devemos diminuir a massa gravitacional e aumentar a
inercial;
(B) evidências experimentais mostram que o período do
pêndulo simples não depende da massa, portanto a
(A) na saúde e na segurança pública. massa inercial e a massa gravitacional são consideradas
(B) na assistência social e na habitação. iguais;
(C) na educação básica e na comunicação. (C) quando o pêndulo atinge a velocidade máxima sua
aceleração tangencial é igual à aceleração da gravidade
(D) na previdência social e pelo desemprego. local;
(E) nos hospitais e pelas epidemias urbanas. (D) quando atingir a amplitude máxima o pêndulo irá
53. Leia trechos da carta-resposta de um cacique indígena à parar porque neste instante não há forças atuando;
sugestão, feita pelo Governo do Estado da Virgínia (EUA), de
que uma tribo de índios enviasse alguns jovens para estudar
(E) quando atingir a amplitude máxima o pêndulo irá
nas escolas dos brancos. parar porque neste instante a aceleração da gravidade
“(...) Nós estamos convencidos, portanto, de que os
local é nula.
senhores desejam o nosso bem e agradecemos de todo o Numa série de experiências realizadas entre 1889 e 1922 Evötös
coração. Mas aqueles que são sábios reconhecem que mostrou experimentalmente que mi/mg=1 com margem de erro
-8
diferentes nações têm concepções diferentes das coisas e, menor que 10 . Em 1964 Roll, Krotkov e Dicke diminuíram
-11
sendo assim, os senhores não ficarão ofendidos ao saber margem de erro para 10 . Em 1971 os experimentais Braginsky
-12
que a vossa idéia de educação não é a mesma que a e Panov diminuíram margem de erro para 10 , de modo que a
nossa. (...) Muitos dos nossos bravos guerreiros foram igualdade entre massa inercial e gravitacional é um resultado
formados nas escolas do Norte e aprenderam toda a vossa bem estabelecido na Física. A igualdade entre massa inercial e
ciência. Mas, quando eles voltaram para nós, eram maus gravitacional também é prevista pela teoria da relatividade geral,
corredores, ignorantes da vida da floresta e incapazes de Einstein.
suportar o frio e a fome. Não sabiam caçar o veado, matar A) Errada. Período não depende da massa. Como as massas
o inimigo ou construir uma cabana e falavam nossa língua são iguais não podemos diminuir uma e aumentar a outra.
muito mal. Eles eram, portanto, inúteis. (...) Ficamos B) Correta.
extremamente agradecidos pela vossa oferta e, embora C) Errada. Quando o pêndulo atinge a velocidade máxima sua
não possamos aceitá-la, para mostrar a nossa gratidão aceleração tangencial é nula.
concordamos que os nobres senhores de Virgínia nos D) Errada. As forças continuam atuando.
enviem alguns de seus jovens, que lhes ensinaremos tudo
E) Errada. A aceleração da gravidade local é g ≈ 9,8 m/s .
2
que sabemos e faremos deles homens.”
Bibliografia: H. Moisés Nessenzveig, Curso de Física, Vol. 1,
A relação entre os dois principais temas do texto da carta e a
Mecânica, pág. 448.
forma de abordagem da educação privilegiada pelo cacique
está representada por: 55. Uma pessoa ao sentir muito frio tende a ficar encolhida e
ao sentir calor tende a agir de forma contrária, afastando os
(A) sabedoria e política / educação difusa.
braços e as pernas do restante do corpo. A estes
(B) identidade e história / educação formal. procedimentos estão associados alguns conceitos físicos.
(C) ideologia e filosofia / educação superior. O que podemos dizer sobre estes procedimentos:
(D) ciência e escolaridade / educação técnica. (A) São comuns, porém não são de utilidade.
(E) educação e cultura / educação assistemática. (B) São comuns e úteis, porém não têm nenhuma
ligação com a Física;
(C) Ao sentir frio não adianta se encolher porque a
temperatura não muda;
(D) Diminuindo a área da superfície minimizamos a taxa
de troca de calor;
(E) Aumentando o volume do corpo perdemos mais
calor.
Diminuindo a área da superfície minimizamos a taxa de troca de
calor.
Bibliografia. Resnick, Halliday e Krane, Física V 1,2 e 3, 5ª ed.
Rio de Janeiro: LTC, 2003.
UNIFESO - Teste de Progresso 2009 MATEMÁTICA Pág 13 de 16

56. Uma pessoa está dentro de um trem estacionado em uma 59. Há 10 postos de gasolina em uma cidade. Desses 10,
plataforma quando o trem é atingido por um raio. A pessoa exatamente dois vendem gasolina adulterada. Foram
se surpreende pelo fato de ainda estar viva e assustada com sorteados aleatoriamente dois desses 10 postos para serem
o barulho sai do trem para a plataforma. Podemos dizer que: fiscalizados. Qual é a probabilidade de que os dois postos
infratores sejam sorteados?
(A) A pessoa não sofreu dano por pura sorte;
(B) Dentro do trem o campo elétrico foi nulo, pois toda 1
a)
corrente escoou por fora do trem; 45
(C) Dentro do trem houve uma grande variação na 1
energia potencial; b)
(D) A pessoa não foi atingida porque deveria estar com 20
sapatos de borracha; 1
c)
(E) A pessoa não foi atingida apenas porque o trem não 10
estava em movimento.
A carga migra para a parte de fora da superfície. Dentro do trem
1
d)
o potencial é constante e o campo elétrico é nulo. 5
Bibliografia. Resnick, Halliday e Krane, Física V 1,2 e 3, 5ª ed.
Rio de Janeiro: LTC, 2003. 1
e)
57. Com o objetivo de saber o meio de locomoção mais 2
usado pelos estudantes para ir ao UNIFESO, foi organizada Observemos que a probabilidade do primeiro posto sorteado ser
uma pesquisa entre os 35 alunos do curso de Licenciatura
em Matemática do Centro Universitário. Nesse caso, a 1
infrator é . Um vez que um posto infrator já foi sorteado, então
afirmativa correta é: 5
(A) A população é composta de todos os jovens da a probabilidade do segundo posto sorteado ser o posto infrator é
cidade. 1
(B) A amostra é formada por todos os estudantes do . Logo a probabilidade de ambos os postos sorteados serem
9
UNIFESO que estão cursando o primeiro período.
1
(C) A amostra é formada por todos os alunos do os postos infratores é .
UNIFESO que estão cursando Licenciatura em 45
Matemática. 60. Em um jogo de par-ou-ímpar, cada um dos dois
(D) A população é composta de todos os habitantes do jogadores escolhe, ao acaso, um dos seis inteiros de 0 a 5.
estado do Rio de Janeiro. Verifica-se, então, se a soma dos números escolhidos é par
ou ímpar.
(E) A amostra é formada por todos os estudantes do Observando o jogo, José concluiu que era mais provável
UNIFESO. que a soma fosse par do que ímpar, porque há onze valores
Utilizar a noção de amostra restrita ao curso de Licenciatura em possíveis para a soma, os inteiros de 0 a 10, e, entre eles, há
Matemática, conforme o enunciado. seis números pares e apenas cinco números ímpares.
58. Uma pequena empresa publicou uma tabela que Assinale, a respeito da conclusão de José e da justificativa
representa o salário mensal dos 20 funcionários que por ele apresentada, a afirmativa correta.
pretende manter na linha de produção (A) As probabilidades são iguais; José errou quando
Salário em reais 460 400 420 440 360 480 considerou 0 como par.
Frequência 3 4 5 6 1 1 (B) As probabilidades são iguais; José errou quando
considerou igualmente prováveis as várias somas
A média aritmética dos salários dos 20 funcionários da
empresa é possíveis.
(A) R$ 465,00 (C) A probabilidade de a soma ser par é menor que a de
ser ímpar.
(B) R$ 428,00
(D) A probabilidade de a soma ser par é maior do que a
(C) R$ 328,00
de ser ímpar, mas não pelo motivo apresentado por
(D) R$ 400,00 José.
(E) R$ 450,00 (E) A conclusão de José e sua justificativa estão
Utilizar a definição de média aritmética. corretas.
A resposta é a justificativa para o gabarito.
UNIFESO - Teste de Progresso 2009 MATEMÁTICA Pág 14 de 16
61. O tabagismo (vício do fumo) é responsável por uma 63. As condições de saúde e a qualidade de vida de uma
grande quantidade de doenças e mortes prematuras na população humana estão diretamente relacionadas com a
atualidade. O Instituto Nacional do Câncer divulgou que disponibilidade de alimentos e a renda familiar. O gráfico I
90% dos casos diagnosticados de câncer de pulmão e 80% mostra dados da produção brasileira de arroz, feijão, milho,
dos casos diagnosticados de enfisema pulmonar estão soja e trigo e do crescimento populacional, no período
associados ao consumo de tabaco. Paralelamente foram compreendido entre 1997 e 2003. O gráfico II mostra a
mostrados os resultados de uma pesquisa realizada em um distribuição da renda familiar no Brasil, no ano de 2003.
grupo de 2000 pessoas com doença de pulmão, das quais
1500 são casos diagnosticados de câncer e 500 são casos
diagnosticados de enfisema.
Com base nessas informações, pode-se estimar que o
número de fumantes desse grupo de 2000 pessoas é,
aproximadamente
(A) 740
(B) 1100
(C) 1310
(D) 1620
(E) 1750
Observemos que 90% de 1500 é 1350 e 80% de 500 é 400.
Logo o total é 1750 fumantes, baseando-se em dados do
enunciado.
62. A evolução da luz: as lâmpadas LED já substituem com
grandes vantagens a velha invenção de Thomas Edison.
A tecnologia do LED é bem diferente das lâmpadas
incandescentes e das fluorescentes. A lâmpada LED é
fabricada com material semicondutor semelhante ao usado
nos chips de computador. Quando percorrido por uma
corrente elétrica, ele emite luz. O resultado é uma peça muito
menor, que consome menos energia e tem uma durabilidade
maior. Enquanto uma lâmpada comum tem vida útil de 1.000
horas e uma fluorescente de 10.000 horas, a LED rende entre
20.000 e 100.000 horas de uso ininterrupto.
Há um problema, contudo: a lâmpada LED ainda custa mais
caro, apesar de seu preço cair pela metade a cada dois anos.
Essa tecnologia não está se tornando apenas mais barata.
Está também mais eficiente, iluminando mais com a mesma Considere que três debatedores, discutindo as causas da
quantidade de energia. Uma lâmpada incandescente fome no Brasil, chegaram às seguintes conclusões:
converte em luz apenas 5% da energia elétrica que consome.
As lâmpadas LED convertem até 40%. Essa diminuição no Debatedor 1 – O Brasil não produz alimento suficiente para
desperdício de energia traz benefícios evidentes ao meio alimentar sua população. Como a renda média do brasileiro
ambiente. é baixa, o país não consegue importar a quantidade
necessária de alimentos e isso é a causa principal da fome.
A evolução da luz. Veja, 19 dez. 2007. Disponível em:
http://veja.abril.com.br/191207/p_118.shtml Debatedor 2 – O Brasil produz alimentos em quantidade
Acesso em: 18 out. 2008. suficiente para alimentar toda sua população. A causa
principal da fome, no Brasil, é a má distribuição de renda.
Considerando que a lâmpada LED rende 100 mil horas, a
escala de tempo que melhor reflete a duração dessa Debatedor 3 – A exportação da produção agrícola brasileira,
lâmpada é o: a partir da inserção do país no mercado internacional, é a
causa majoritária da subnutrição no país.
(A) dia.
Considerando que são necessários, em média, 250 kg de
(B) ano. alimentos para alimentar uma pessoa durante um ano, os
(C) decênio. dados dos gráficos I e II, relativos ao ano de 2003,
corroboram apenas a tese do(s) debatedor(es)
(D) século.
(A) 1.
(E) milênio.
(B) 2.
Verificar que decênio é sinônimo de década. Calcular a
quantidade de horas correspondente a uma década e verificar (C) 3.
que o valor é próximo a 100000. (D) 1 e 3.
(E) 2 e 3.
Analisando os dados contidos nos dois gráficos que compõe a
questão conseguimos concluir qual é a resposta correta.
UNIFESO - Teste de Progresso 2009 MATEMÁTICA Pág 15 de 16
64. A média aritmética de 100 números é igual a 40,19.
Retirando-se um desses números, a média aritmética dos 99 a)
números restantes passará ser 40,5. O número equivale a
b)
(A) 9,5%
(B) 75% c)
(C) 95%
d)
(D) 750%
(E) 950% e)
Observemos que a soma dos 100 números é 4019. Desta forma,
4019-x=40,5 . 99. Resolvendo-se esta equação encontramos o 67. No Microsoft Excel, é um programa de planilha eletrônica
valor procurado. de cálculo escrito e produzido pela Microsoft para
65. O Windows Explorer é um gerenciador de arquivos e computadores.
pastas do sistema Windows. É utilizado para a cópia, A planilha abaixo, temos o controle de notas de alunos e
exclusão, organização, movimentação e todas as atividades pede-se para calcular a média aritmética das notas do Aluno
de gerenciamento de arquivos, podendo também ser João Paulo.
utilizado para a instalação de programas.

(A) =MÉDIA(B3:C3)
(B) =MEDIA(D3)
(C) =MÉDIA(D4)
(D) =MEDIA(B4:D4)
(E) =MEDIA(B4:C4)
Em excel a função que calcula a média chama-se MEDIA e o
sinal de igual (=) diz para o excel que nesta célula será escrita
uma fórmula. Dentro dos parênteses fica o intervalo para o
calculo. Então na questão “e” que está correta, é definido o
intervalo de B4 ATÉ (:) C4 porque está na linha do JOÃO
PAULO.
68. Se Vera viajou, nem Camile nem Carla foram ao
casamento. Se Carla não foi ao casamento, Vanderléia
Qual a tecla de atalho que abre este aplicativo? viajou. Se Vanderléia viajou, o navio afundou. Ora, o navio
(A) Windows + X não afundou. Logo:
(B) CTRL + E (A) Vera não viajou e Carla não foi ao casamento.
(C) CTRL + W (B) Camile e Carla não foram ao casamento.
(D) Windows + E (C) Carla não foi ao casamento e Vanderléia não viajou.
(E) CTRL + ALT + DEL (D) Carla não foi ao casamento ou Vanderléia viajou.
66. No Microsoft Word, o editor mais poderoso e conhecido (E) Vera e Vanderléia não viajaram.
do mundo, podemos trabalhar com o texto e alinha-lo Se Vera viajou, nem Camile nem Carla foram ao casamento.
sempre que precisarmos. Veja: (F) (F)

Se Carla não foi ao casamento, Vanderléia viajou.


(F) (F)

Se Vanderléia viajou, o navio afundou.


(F) (F)

Ora, o navio não afundou.


(V)
As conclusões todas do nosso raciocínio. Foram as seguintes:
 O navio não afundou. (premissa incondicional, “verdade” do
enunciado);
 Vanderléia não viajou. (conclusão da terceira proposição);
 Carla foi ao casamento. (conclusão da segunda proposição);
 Vera não viajou. (conclusão da primeira proposição).
Resposta da questão, opção E (Vera e Vanderléia não viajaram).

Ao lado vemos um texto e quero centralizá-lo no texto. Qual


botão abaixo deverá ser acionado?
UNIFESO - Teste de Progresso 2009 MATEMÁTICA Pág 16 de 16
69. Se Beraldo briga com Beatriz, então Beatriz briga com 70. Ao modelar um problema físico um cientista escreve as
Bia. Se Beatriz briga com Bia, então Bia vai ao bar. Se Bia vai seguintes equações:
ao bar, então Beto briga com Bia. Ora, Beto não briga com  
Bia. Logo: ∇  E = 4πρ , Eq .( 1 ).

(A) Bia não vai ao bar e Beatriz briga com Bia   1 ∂E 4π 
∇× B − = J, Eq .( 2 ).
(B) Bia vai ao bar e Beatriz briga com Bia c ∂t c

(C) Beatriz não briga com Bia e Beraldo não briga com   1 ∂B
∇× E + = 0, Eq .( 3 ).
Beatriz c ∂t
 
(D) Beatriz briga com Bia e Beraldo briga com Beatriz ∇  B = 0, Eq .( 4 ).
(E) Beatriz não briga com Bia e Beraldo briga com
Nas equações acima está implícita a equação:
Beatriz
∂ρ  
Se Beraldo briga com Beatriz, então Beatriz briga com Bia. + ∇  J = 0. Eq .( 5 ).
(F) (F) ∂t
Sobre as equações um estudante faz os seguintes
Se Beatriz briga com Bia, então Bia vai ao bar. comentários:
(F) (F)
(I) A Eq. (1) representa o divergente de um campo
Se Bia vai ao bar, então Beto briga com Bia. vetorial que está relacionado de alguma forma um escalar.
(F) (F) É um fluxo de linhas de campo através de uma superfície.
Uma fonte ou um sumidouro.
Ora, Beto não briga com Bia. (II) As Eq. (2) e (3) parecem representar uma reação às
(V) variações dos campos no tempo. Sempre que tentamos
mudar um campo no tempo o outro reage e varia no
As conclusões que extrairemos do nosso raciocínio são as espaço.
seguintes: (III) A Eq. (4) parece representar um fluxo através de uma
 Beto não briga com Bia. (“premissa incondicional”); superfície que é sempre nulo. O campo é tal que se algo
 Bia não vai ao bar. (conclusão da terceira premissa); atravessa a superfície saindo então sempre retorna e
 Beatriz não briga com Bia. (conclusão da segunda premissa); atravessa a superfície entrando. Este fluxo é sempre nulo.
 Beraldo não briga com Beatriz.
(IV) Se nós assumirmos a derivada no tempo da Eq. (1) e o
divergente da Eq. (2) podemos concluir a Eq. (5) que
Resposta da questão, opção C (“Beatriz não briga com Bia e representa uma equação de continuidade.
Beraldo não briga com Beatriz”).
Sobre os comentários do estudante podemos afirmar que
estão corretas:
(A) Somente I;
(B) Somente I e II;
(C) Somente I, II e III;
(D) Somente III e IV;
(E) Todas estão corretas.
Bibliografia. J. D. Jackson, Classical Electrodynamics, 3a ed.
Ed. J. Wiley & Sons, New York, 1998.