P. 1
Trabalho de português - Texto Dramático I

Trabalho de português - Texto Dramático I

|Views: 3.252|Likes:
Publicado porFernanda Lima
Trabalho escolar - Pequeno roteiro para cena teatral
Trabalho escolar - Pequeno roteiro para cena teatral

More info:

Published by: Fernanda Lima on Mar 10, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/30/2014

pdf

text

original

Trabalho de português

Texto Dramático Nomes: Heitor (professor), Liziane (mãe), Raquel (Lola) e Fernanda (Virgínia). Números: 12, 19, 26 e 9. Turma: 91.

-|Aquela história do trabalho escolar|Cena 1 ATO 1
Professor: (chega na sala de aula) Bom dia, turma! (Dirigese à sua mesa) Abram suas agendas e anotem o roteiro do trabalho. Turma: (ouve-se vozes ao fundo) Não, professor... (barulho de cadernos abrindo ao fundo) ATO 2 (Lola está parada no fim do corredor abrindo seu caderno) Virgínia: Lola! (Ela grita e corre da porta da sala até onde Lola está) Vamos fazer o trabalho juntas? Lola: (prestando atenção no caderno) Hm... por mim tudo bem. Virgínia: Ok, legal! Então vou na sua casa amanhã pra gente fazer o trabalho, falou? Tchauzinho! (Vai correndo e desce as escadas) Lola: Hm... tchau, Virgínia. (fecha o caderno e pensa um pouco) Achei que o trabalho fosse individual... agora já era.

Cena 2 Virgínia: (bate na porta da casa e grita) Lola, abre, sou eu! Lola: (Vai abrir a porta, sem ânimo, segurando uma xícara de café) Oi... trouxe os materiais? Virgínia: (mostra sacola cheia de cartolinas, canetas hidrocor e cadernos) Aí, chefa. Lola: Ótimo. Agora senta aí e vamos começar a fazer. (puxa uma cadeira para Virgínia, senta e começa a escrever) Virgínia: Cara, que sono (boceja e abaixa a cabeça enquanto Lola escreve). (O tempo vai passando enquanto Lola escreve e Virgínia dorme ao seu lado) Lola: (fecha os cadernos) Virgínia! Acorda, mulher... já é tarde, melhor você ir para casa. Virgínia: (levanta a cabeça e boceja) Tá, amanhã venho aqui de novo, tchau... (pega seu caderno e sai)

Cena 3 ATO 1 Professor: Gente, vamos entregando os trabalhos! (ouve-se cadeiras arrastando e sussurros ao fundo) ATO 2 Professor: Virgínia, vem cá, quero falar com você. Virgínia: (entra de volta na sala) O que eu fiz? Professor: (folheando trabalho) Virgínia, eu abri uma exceção para que você fizesse o trabalho com a Lola, não

é? Mas olhe, está claro que esse trabalho foi feito individualmente. Quero que me conte o que aconteceu. Virgínia: Não aconteceu nada, professor, é engano do senhor, fizemos esse trabalho juntas. Professor: Virgínia. Virgínia: (senta-se na carteira à frente da mesa do professor) Tudo bem. Eu não queria ser dedo-duro, mas... a Lola não fez nada, eu tive que fazer o trabalho todo sozinha. Eu disse pra ela ajudar, mas não, aquela preguiçosa só sabia dormir. Professor: Isso é verdade, Virgínia? (fecha o trabalho e encara Virgínia seriamente) Virgínia: É sim, professor. Professor: Tudo bem. Vou dar um jeito nisso. (Virgínia se levanta e sai da sala apressada)

Cena 4 ATO 1 (Lola é focada do lado de fora da sala da coordenação e as falas são ouvidas ao fundo) Mãe de Lola: Professor, eu garanto que minha filha sempre faz os trabalhos, é uma excelente aluna! Não pode deixá-la sem nota! Professor: Virgínia é aluna minha e representante de classe há 7 anos. Ela também tem notas excelentes e nunca mentiria para mim. Desculpe-me, mas não posso fazer nada pela senhora. Esse tipo de coisa acontece muito hoje em dia, e por mais que eu queira ouvir os dois lados da história, no final somente um deles pode ser cogitado. Sempre defendi Lola, concordo, ela é sim uma ótima aluna, também

uma ótima menina, mas dessa vez Virgínia falou sinceramente que foi ela quem fez o trabalho e eu quero acreditar nela pelo menos nesses casos. Peço que me perdoe. (ouve-se estrondo e a mãe de Lola sai furiosa da coordenação) Mãe: Vamos, Lola. (Lola anda sem ânimo, lendo uma revista de computação)

ATO 2 Virgínia: Professor? Falou com ela? (Virgínia fica na porta da coordenação) Professor: Sim, Virgínia. Sei que gosta de sua amiga, mas obrigado por ter sido sincero. (força um sorriso enquanto organiza papéis). Virgínia: Obrigada, professor! (Sai da sala apressada) (Virgínia chega ao fim coordenação, sorrindo) do corredor e olha para a

Virgínia: Consegui... (desce as escadas correndo)

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->