P. 1
Trabalho de Conclusão de Curso de Gestão Ambiental

Trabalho de Conclusão de Curso de Gestão Ambiental

|Views: 1.968|Likes:
Publicado porLuandson Morais
Gerenciamento de Resíduos em Shoppings da região Fluminense.
Gerenciamento de Resíduos em Shoppings da região Fluminense.

More info:

Published by: Luandson Morais on Mar 12, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/23/2013

pdf

text

original

ESTUDO SOBRE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS EM SHOPPINGS DA REGIÃO FLUMINENSE

por

Erica Mangueira Duraes da Costa Luandson da Silva Morais Sérgio Pereira da Silva

Trabalho de Conclusão de Curso Apresentado à Escola de Ciências da Saúde da Universidade do Grande Rio como Requisito Parcial à Obtenção do Título de Tecnólogo em Gestão Ambiental

Dezembro, 2010.

RESUMO

A preocupação em destinar corretamente os resíduos, sejam eles líquidos ou sólidos, vem ganhando importância a cada dia que passa. Por isso é importante fazer uma gestão em que aproveite ao máximo o suposto “lixo”, que em um dos seus conceitos significa: Coisa imprestável (Miniaurélio Eletrônico versão 5.12, 2004). Com essa preocupação imprescindível, que devemos ter em coletar, acondicionar e dar a devida destinação correta ao resíduo, apresentamos o nosso Trabalho de Conclusão de Curso que propõe um Estudo sobre o Gerenciamento dos Resíduos em Shoppings na região fluminense com foco para reciclagem ou reutilização dos dejetos que assim permitirem e destinação correta aos demais.

ii

ABSTRACT

The concern in allocating the waste correctly, whether liquid or solid, is gaining importance every day. Therefore it is important to management that make the most of the supposed "junk", which means one of his concepts: Something worthless (Miniaurélio Electronic version 5.12, 2004). With this essential concern that we must collect, package and give the correct destination due to the residue, we present our design work Completion of course that proposes a study on Waste Management in Malls in the region of Rio de Janeiro with a focus for recycling or reuse of waste so that the correct destination and allow to rest.

iii

ÍNDICE
Página LISTA DE FIGURAS ..................................................................................... v LISTA DE TABELAS .................................................................................... vi Capítulo I. INTRODUÇÃO ................................................................................. 1 Classificação dos resíduos sólidos A legislação sobre resíduos sólidos Reciclagem e tempo de decomposição do lixo II.OBJETIVO........................................................................................... 4 Objetivo geral III. METODOLOGIA ............................................................................. 5 Metodologia do trabalho IV. RESULTADOS E DISCUSSÃO...................................................... 6 Shoppings do estado do Rio de Janeiro Shoppings de outros estados V. CONCLUSÃO.................................................................................... 24

iv

LISTA DE FIGURAS
Figura Página

1. Foto do Shopping Bay Market...…………………………………………….…. 7 2. Foto do Nova América Outlet Shopping.............................................................. 8 3. Foto do Aterro Controlado de Jardim Gramacho ............................................... 10 4. Exemplo de máquina de prensa........................................................................... 11 5. Foto do Botafogo Praia Shopping....................................................................... 12 6. Plaza Shopping Niterói ....................................................................................... 14 7. Coletores de lixo orgânico ou lixo seco .............................................................. 18 8. Foto do "Papa pilhas"........................................................................................... 20 9. Certificação ISO 14.001/ 2004 do Shopping Floripa .......................................... 21

v

LISTA DE TABELAS
Tabela Página

1. Tempo de decomposição de alguns resíduos .....................................................

3

2. Formulário para controle de carregamento de subprodutos ................................ 13 3. Geração de resíduos reciclados e orgânicos (Jan/2008) quantidade em Kg ........................................................................................... 22 4. Saldo positivo do Shopping CenterVale em diversas áreas ................................ 24

vi v

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO
Classificação dos resíduos sólidos Para se administrar algo primeiro é preciso conhecê-lo. A classificação de resíduos sólidos envolve a identificação do processo ou atividade que lhes deu origem, de seus constituintes e características, e a comparação destes constituintes com listagens de resíduos e substâncias cujo impacto à saúde e ao meio ambiente é conhecido. A segregação dos resíduos na fonte geradora e a identificação da sua origem são partes integrantes dos laudos de classificação, onde a descrição de matérias-primas, de insumos e do processo no qual o resíduo foi gerado devem ser explicitados. A norma NBR 10.004/2004 classifica os resíduos sólidos nos seguintes grupos: I. Resíduos classe I - Perigosos: Característica de periculosidade apresentada por um resíduo que, em função de suas propriedades físicas, químicas ou infectocontagiosas, pode apresentar: a) risco à saúde pública, provocando mortalidade, incidência de doenças ou acentuando seus índices; b) risco ao meio ambiente, forma inadequada. quando o resíduo for gerenciado de

Também são inseridos nessa classificação os resíduos que possuem uma das características descritas nos itens 4.2.1.1 a 4.2.1.5, que são: inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade e patogenicidade, da mesma norma, ou constem nos anexos A (Resíduos perigosos de fontes não específicas) ou B (Resíduos perigosos de fontes específicas). II. Resíduos classe II – Não perigosos: – Resíduos classe II A – Não inertes: Aqueles que não se enquadram nas classificações de resíduos classe I - Perigosos ou de resíduos classe II B - Inertes, nos termos desta Norma. Os resíduos classe II A – Não inertes podem ter propriedades, tais como: biodegradabilidade, combustibilidade ou solubilidade em água. – Resíduos classe II B – Inertes: Quaisquer resíduos que, quando amostrados de uma forma representativa, segundo a ABNT NBR 10007, e submetidos a um contato
1

dinâmico e estático com água destilada ou deionizada, à temperatura ambiente, conforme ABNT NBR 10006, não tiverem nenhum de seus constituintes solubilizados a concentrações superiores aos padrões de potabilidade de água, excetuando-se aspecto, cor, turbidez, dureza e sabor. .

Legislação sobre resíduos sólidos A legislação também cobra esse gerenciamento. A lei de crimes de ambientais fala sobre multas e penas: Art. 54. “Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora; (...) § 2º Se o crime: (...) - V - ocorrer por lançamento de resíduos sólidos, líquidos ou gasosos, ou detritos, óleos ou substâncias oleosas, em desacordo com as exigências estabelecidas em leis ou regulamentos: - Pena – reclusão de um a cinco anos.” Devido ao enorme volume de pessoas e consequentemente o enorme volume de lixo gerado observa-se a preocupação de algumas cidades e municípios com esses grandes geradores que se tornaram os Shoppings Centers, diversas leis estaduais relacionadas à Gestão dos Resíduos estão entrando em vigor instituindo a obrigatoriedade da coleta seletiva nestes locais. O prefeito João Henrique aprovou a Lei nº 7.865/2010 onde fica instituída a obrigatoriedade do processo de Coleta Seletiva de Lixo nos shopping centers do Município de Salvador que possuam um número igual ou superior a 40 (quarenta) estabelecimentos comerciais. Os shoppings Centers deverão separar os resíduos produzidos em todos os seus setores em, no mínimo, 05 (cinco) tipos: papel, plástico, metal, vidro e resíduos gerais não recicláveis. Com implantação de lixeiras em locais acessíveis e de fácil visualização para os diferentes tipos de lixo produzidos nas dependências do Shopping, contendo especificações de acordo com a Resolução nº 275/2001 do CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente. Os Shoppings Centers terão o prazo de 120 (cento e vinte) dias para se adaptarem às normas impostas por esta Lei, após a data de sua publicação. E o descumprimento do
2

disposto nesta Lei implicará ao infrator, a aplicação de multa no valor de R$ 10.000,00 (dez mil reais), dobrada em caso de reincidência. .

Reciclagem e tempo de decomposição dos resíduos.O lixo que antes, de forma mal gerenciada, diminuía a vida útil do aterro, com a reciclagem implica em menos matéria-prima a ser utilizada diminuindo a extração de recursos naturais, menor volume de lixo destinado aos aterros, traz melhoria da limpeza e higiene da cidade, reduz a poluição e gera empregos.

Tabela 1- Tempo de decomposição de alguns resíduos

3

CAPÍTULO II OBJETIVO
Objetivo Geral Temos no presente estudo o objetivo de se fazer um comparativo entre os Shoppings Centers do estado do Rio de Janeiro e outros shoppings em nível nacional tendo em vista que se observa grandes avanços na área de gestão dos resíduos gerados, enquanto que no Rio de Janeiro há um atraso muito grande no que diz respeito à coleta seletiva, segregação dos resíduos, incentivos a reciclagem, captação e reaproveitamento da água, tratamento de efluentes e economia de energia elétrica dentro destes centro comerciais.

4

CAPÍTULO III METODOLOGIA
Metodologia do estudo A metodologia adotada foi desenvolvida com base na pesquisa bibliográfica que identificou a importância dos Shoppings na geração de resíduos recicláveis, especialmente papelão. Primeiramente elaborou-se um diagnóstico das atuais estratégias de

gerenciamento de resíduos em Shoppings do Rio de Janeiro que já possuem algum tipo de reciclagem e/ou aproveitamento. Para esta etapa do estudo foram realizadas visitas às instalações de diversos Shoppings e entrevistas com seus respectivos gerentes responsáveis pela operação, inclusive as atividades de limpeza, no sentido de compreender as estratégias internas de acondicionamento, coleta, circulação, separação e armazenagem dos resíduos gerados em cada estabelecimento. Numa etapa posterior foram realizadas comparações com os resultados dos Shoppings de outros estados e regiões do país que já possuem um Gerenciamento dos Resíduos, e os ganhos com essa preocupação.

5

CAPÍTULO IV RESULTADOS E DISCUSSÃO
Shoppings do estado do Rio de Janeiro Shopping Bay Market: Sendo o Shopping Bay Market qualificado como grande gerador a CLIN (Companhia de Limpeza Urbana de Niterói) não assume a coleta de seus resíduos sólidos, tendo este que contratar empresa específica para coletar e destinar sua própria produção. Este shopping gera resíduos compostos basicamente de latas de alumínio, embalagens de vidro e plásticos em geral, papelão e restos orgânicos dos restaurantes. Sua produção é gerenciada da seguinte forma: Existem empresas contratadas para a coleta interna e para a coleta externa e destinação final em aterro. O lixo é separado por funcionários da própria empresa de coleta interna, em quatro tipos de resíduos: a) papelão; b) orgânicos, vidros, plásticos, papel e latas de alumínio; c) cocos; d) entulho de obras. A geração de papelão é de 1,2 t/semana, sendo coletado por uma empresa contratada pelo shopping, a um custo que varia entre R$ 1.500,00 a R$ 1.800,00 mensais. Neste caso, já descontado o preço do papelão, que é prensado e pesado por esta mesma empresa, sendo seu valor repassado ao shopping em forma de abatimento no preço pago pela coleta. O lixo orgânico, as latas de alumínio, os papeis, os plásticos e vidros, são enfardados em um compactador do próprio shopping. A empresa contratada retira esta produção utilizando um contentor que é substituído por outro vazio a cada semana. O shopping paga um valor médio variando entre R$ 2.000,00 e R$ 2.400,00 mensais pela coleta destes resíduos. O entulho de obras é retirado por uma segunda empresa contratada, que cobra um valor de R$ 40,00 por caçamba de entulho retirada. Não há estimativa de quantidade de
6

entulho gerado mensalmente por depender do número de obras em andamento no shopping; A destinação final dos resíduos é feita no Aterro de Jardim Gramacho, no município de Duque de Caxias-RJ, que no momento apresenta o menor preço por tonelada vazada. Os resíduos são armazenados em contentores apropriados em um pátio, na parte externa do shopping, não havendo estocagem no interior do mesmo. O papelão, os cocos e o entulho de obra são estocados em caçambas separados. Já o restante é estocado em um compactador, que também está na parte externa do shopping; Não existem dificuldades operacionais no manuseio destes resíduos, a coleta interna, que é feita diariamente, várias vezes ao dia, dependendo do fluxo de pessoas ao shopping. Quanto maior o movimento de pessoas, maior a freqüência de recolhimento interno num mesmo dia. Não existem horários pré-determinados para a coleta, este trabalho se dá de forma contínua, na medida de sua necessidade.

Figura 1 - Foto do Shopping Bay Market

O shopping possui em estudo, um projeto, ainda não sistematizado, de coleta seletiva e comercialização dos diferentes materiais para reciclagem. O sistema de coleta seletiva prevê a disposição de lixeiras diferenciadas por cor, para cada tipo de lixo, o treinamento
7

da equipe de coleta e tratamento do lixo para uma adequada separação nos pontos de geração. Haverá também um sistema de programação visual, visando informar e educar os usuários e lojistas do shopping, no sentido de separar e acondicionar adequadamente seus resíduos; dispondo-os em locais que facilitem o trabalho do funcionário da coleta interna.

Nova América Outlet Shopping: Este shopping é o menos problemático no que diz respeito à sua operacionalização interna dos resíduos sólidos. Estes são recolhidos pela equipe de limpeza nas praças de alimentação, nos PEVs (Pontos de Entrega Voluntária) espalhados pelo shopping e nas lojas. Neste Centro Comercial, os resíduos são separados em cinco categorias: a) papelão; b) orgânicos (restos de comida), c) inorgânicos (papel, plásticos e vidro); d) latas de alumínio; e) rejeitos derivados do tratamento do esgoto. O papelão é produzido numa ordem de 8 a 15 toneladas por mês, gerando uma receita em torno de R$ 3.000,00 que é revertido totalmente a uma obra social mantida pelo shopping (creche para os filhos dos funcionários).

Figura 2 - Foto do Nova América Outlet Shopping

8

Os resíduos orgânicos, juntamente com o vidro, o papel e o plástico, são compactados, gerando uma produção mensal na ordem de 160 m³ a 180 m³. Uma empresa contratada pelo shopping leva estes resíduos e vaza-os no aterro sanitário de Jardim Gramacho, dando uma despesa de R$ 2.800,00 mensais, em média, ao shopping. As latas de alumínio são produzidas na ordem de 91 Kg/semana. Este é vendido a uma empresa de reciclagem e gera uma receita de R$ 2.500,00 mensais, em média. Esta renda é toda revertida aos funcionários responsáveis pela limpeza do shopping, colaborando para confraternizações de fim de ano e complementos no salário. As latas de alumínio recebem atenção especial do shopping. Elas já são separadas no ato de sua geração, através de contentores específicos a este resíduo espalhados por todo o shopping, sendo bem respeitados pelos usuários e lojistas. Os rejeitos derivados do tratamento do esgoto não são aproveitados pelo shopping. Estes são levados pela empresa contratada responsável pela limpeza mensal da estação de tratamento de esgoto interna do shopping. Há uma área específica no shopping para operacionalização e estocagem dos resíduos sólidos, independente da área de descarga de produtos. O papelão é armazenado em uma caçamba apropriada; os restos orgânicos e o vidro, plástico e papel são armazenados na própria compactadora. E, por fim, as latas de alumínio são prensadas e armazenadas em um tambor.

Botafogo Praia Shopping: Este shopping, no início de suas operações, tentou implantar um sistema de coleta diferenciada, mas não teve muito sucesso, sendo este abandonado e optando pelo tipo padrão de coleta, adotado na maioria dos Centros Comerciais. Este shopping separa os seus resíduos em quatro categorias: a) papelão; b) resíduos orgânicos; c) latas de alumínio; d) vidro e plástico. O papelão é produzido na ordem de 10 toneladas por mês, a um preço que gira em torno de R$ 0,05/Kg. O valor arrecadado completa a receita do shopping. As latas de alumínio são geradas numa média de 400 Kg/mês. É vendido ao mercado de recicláveis, e sua renda também integra a receita do shopping. Os resíduos orgânicos são compactados juntamente com o vidro, e são produzidos
9

numa média de 120m³ a 150m³ por mês, rendendo ao shopping um gasto mensal de, em média, R$ 2.800,00. Este tipo de resíduo é recolhido por uma empresa contratada e vazado no aterro controlado de Jardim Gramacho.

Figura 3- Aterro Controlado de Jardim Gramacho

9 10

O plástico é separado e vendido a uma cooperativa de profissionais da reciclagem. Esta cooperativa também compra o papelão produzido. Os resíduos gerados não passam por um processo específico de triagem. O papelão, por exemplo, não é prensado e enfardado no shopping. A cooperativa em questão leva este papelão, enfarda-o e pesa-o, repassando o valor ao shopping.

Figura 4 - Exemplo de máquina de prensa

Os resíduos derivados da praça de alimentação são estocados em um contentor próximo a esta e esvaziado uma vez por dia, indo para a compactadora. Não há um controle sobre os resíduos produzidos. Muitas vezes os próprios funcionários da limpeza levam as latas de alumínio e o papelão, e os vendem por conta própria.

11

Figura 5 - Foto do Botafogo Praia Shopping

O shopping não possui uma área específica para operacionalização e estocagem dos resíduos. Os restos orgânicos e o vidro são armazenados dentro da compactadora. Os outros materiais, como o papelão, são estocados na área de descarga de produtos, onde fica, inclusive, a compactadora, que ocupa uma das vagas específicas à descarga. Plaza Shopping Niterói: O Plaza shopping é o maior gerador de resíduos sólidos dos shoppings em estudo, e o mais problemático. Possui problemas que vão desde a retirada do lixo até a sua correta disposição e tratamento. Como grande gerador, a CLIN (Companhia de Limpeza de Niterói) também não se responsabiliza pela coleta e destino final de seus resíduos, tendo o shopping que contratar empresas que façam este trabalho. Existem duas empresas contratadas: uma se responsabiliza por coletar os resíduos e outra pela retirada e destinação final. Os resíduos são classificados em três categorias: a) papelão; b) orgânicos (restos de comida); e, c) inorgânicos (latas de alumínio, papel, plásticos e vidro).

12

Tabela 2 - Formulário para controle de carregamento de subprodutos.

O Plaza shopping gera, mensalmente, uma média de 15,5 toneladas de papelão,

238 m³ de lixo orgânico e 13 caminhões abertos (de aproximadamente 7 m3), de lixo inorgânico. O papelão é enfardado, pesado e negociado a um preço de R$ 0,07/Kg. Este é enfardado por funcionários de uma empresa contratada.
Os resíduos orgânicos e o inorgânicos são ensacados e dispostos juntos em um
contentor que é retirado diariamente por outra empresa contratada. As lâmpadas são

destruídas e incorporadas aos resíduos inorgânicos.
O lixo é coletado das lojas, diariamente após às 22 horas, por uma empresa

contratada. Há também um tubo de queda que atende os dois níveis da praça de alimentação, e conduz o lixo até a área de estocagem, no subsolo do shopping; O compactador encontra-se atualmente com defeito, tendo o lixo que permanecer estocado coleta. até a sua

13

Figura 6 - Plaza Shopping Niterói

Dependendo da quantidade de lixo orgânico gerado por dia, este não pode ser manipulado durante o dia, pois devido a um possível erro de projeto, os gases oriundos dos resíduos orgânicos em decomposição atingem outras dependências internas do shopping. A área de armazenagem central de resíduos é insuficiente para estocagem do lixo, principalmente em épocas de grande afluxo de pessoas ao shopping. Além disso, não tem ventilação natural adequada, o que torna o ambiente insalubre e perigoso, devido aos gases gerados pelo lixo orgânico estocado. O shopping, ao longo de sua existência, passou por ampliações, e a sua central de resíduos permaneceu do mesmo tamanho, passando a ser insuficiente em épocas de grande movimento (natal, dia das mães, etc.), já que a geração de resíduos aumentou em conseqüência destas ampliações. Além disso, fica em um nível abaixo ao da coleta externa, ou seja, o contentor precisa ser elevado por um guindaste, do subsolo ao nível térreo, para sua retirada pelo caminhão de coleta. Além disso, junto à área de retirada de resíduos, está a área de carga e descarga. Ao mesmo tempo em que os resíduos estão sendo retirado pode estar havendo carga e descarga de gêneros alimentícios, por exemplo. Não há separação entre essas duas áreas.
14

O Plaza Shopping possui grandes dificuldades operacionais no que se refere à gestão de seus resíduos, sendo que até o momento não possui projetos de melhoria destas condições.

Shoppings de outros estados Shopping Palladium: O Palladium Shopping Center, é o maior empreendimento do segmento no Sul do país. Com estrutura ampla, moderna e inteligente, conta com 356 lojas, sendo 16 lojas-âncora, cerca de 50 quiosques, um charmoso Boulevard com 8 restaurantes (cada um deles com capacidade para acolher 150 pessoas), mais 4 restaurantes e outras 25 opções de fast-food para atender a todos os gostos, numa imensa Praça de Alimentação com mais de 1.200 lugares sentados. O Palladium Shopping tem uma área construída de 182.400 metros quadrados, divididos em três pisos de lojas, mais um para cinemas, além de mais três pisos de garagens, e estacionamento descoberto, o que permite o uso de mais de 20 mil vagas por dia Desde a sua abertura, em 9 de maio de 2008, o Palladium Shopping Center implantou seu programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS) em parceria com uma empresa especializada, a Roadimex. Na atualidade, os grandes geradores de lixo têm adotado o Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS), que trata de materiais historicamente capazes de serem reciclados, como plástico, papel, papelão e vidro. Todos os outros materiais, classificados como lixo orgânico, pois produzem odor, gases e poluição, são despejados nos aterros sanitários, como o da Caximba, popularmente conhecido em Curitiba (PR). Com a saturação dos aterros sanitários, as autoridades municipais vêm se esforçando para procurar alternativas para a não utilização desse local, para o despejo de lixo. A partir disso, o empreendimento começou a buscar alternativas para a reciclagem, também, do seu lixo orgânico, o lixo poluidor. Então, em março de 2009, o shopping adotou um novo projeto de reciclagem, que transforma o lixo orgânico em ração animal e composto orgânico para adubo, com isso recebe o selo Ehco Lixo Zero do IAP, não utilizando mais os aterros sanitários.

15

Segundo o superintendente do Palladium, Anibal Tacla, foi instalado no

Palladium Shopping Center um tanque de processamento de resíduo orgânico. “Um tanque metálico, com volume de 7.500 litros. Esse equipamento possui um motor que movimenta um misturador interno”, conta. Os resíduos orgânicos produzidos no interior do shopping são despejados no tanque por meio de um funil. A cada hora, o misturador é acionado por cinco minutos para triturar, misturar e fazer circular os resíduos ali depositados. Para que esse processo ocorra, é necessário adicionar 500 litros de água no tanque. O gerente de Operações do Palladium, João Marcos A. Costa, responsável pelo projeto, destaca que é preciso fazer a mistura e trituração, para evitar a decantação de matéria orgânica no interior do tanque, a fermentação do lixo e, por consequência, o mau cheiro. “Antes que os resíduos orgânicos sejam depositados no interior do tanque, um funcionário da empresa Abdalla Ambiental, responsável pela criação do projeto, remove as embalagens, e restos de materiais não orgânicos, nas mesas separadoras do lixo. Este material, que é reciclável, é armazenado, temporariamente, em um contêiner metálico, pertencente à empresa, e segue para novo processo de limpeza e reciclagem”, ressalta. O resíduo orgânico misturado é levado diretamente para a granja de engorda de suínos pertencente à empresa Abdalla Ambiental, que está localizada no bairro Taquarova, no município de Araucária (PR). Na granja, existem cerca de 1800 suínos para engorda, sendo que projeto prevê a ampliação para seis mil suínos. Os resíduos orgânicos misturados, coletados no tanque, são levados para a granja por meio de caminhões tanques. Estes caminhões são descarregados na entrada da granja, por mangueiras sem que haja o contato manual com o resíduo. Através de tubulações subterrâneas, este resíduo é transportado para outro tanque, onde o mesmo é aquecido a 90°C por 20 minutos. Esse processo permite a eliminação de bactérias e outros micro-organismos que possam prejudicar os suínos. O aquecimento da caldeira é feito também por material reciclável. As caixas de madeira, que embalam as frutas e verduras, são queimadas, produzindo o calor necessário. Após este aquecimento, o resíduo orgânico é transportado através de tubulações para os cochos de alimentação dos suínos para engorda. Cada suíno tem uma necessidade diária de 10kg de alimentos. Uma vez misturado, o resíduo orgânico deve ser fornecido como alimento para os suínos em, no máximo, 16 horas, caso contrário o mesmo deverá ser descartado. Nestas
16

situações o resíduo orgânico será destinado diretamente para a compostagem, juntamente com o esterco e demais dejetos dos suínos. Atualmente o material que sofreu compostagem é doado para pequenos agricultores da região de Araucária. Em um mês de implantação do programa e dos equipamentos, o Palladium Shopping Center já reciclou cerca de 90 toneladas de lixo orgânico. Agora, a proposta do empreendimento é iniciar uma grande campanha de conscientização, para funcionários, lojistas e comunidade, sobre a importância da reciclagem do lixo para a preservação ambiental Para consumir menos energia, o teto do empreendimento é feito com vidros duplos temperados e serigrafados, o que garante o isolamento térmico. Eles servem como um isolante para a passagem do calor do vidro externo para o interior do ambiente. O sistema de ar-condicionado não utiliza água e, sim, ar. Um diferencial que torna o ambiente mais acolhedor e ecologicamente responsável. Além da preocupação e cuidados com o consumo de energia elétrica, foi implantado no shopping a utilização do gás natural para abastecer as lojas de alimentação e a implantação do poço artesiano. O Palladium está alterando toda a sua rede hidráulica para o reuso da água de chuva. “Com essa água sendo reutilizada, podemos fazer muitas coisas, principalmente, a limpeza e manutenção de uma estrutura tão grande como a do Palladium. Nossa proposta, além de economizar água, é mostrar aos nossos lojistas e consumidores que a preservação responsabilidade de todos”, diz o superintendente do shopping, Anibal Tacla. A preocupação dos empreendedores do Palladium, com a preservação da água, vem em resposta aos dados da Organização das Nações Unidas (ONU) que destacam números alarmantes. O brasileiro, em média, gasta 40 litros de água a mais que o total de 110 litros per capita, recomendado pela entidade.

Entre os projetos do Palladium Shopping Center está a implementação do treinamento de funcionários e conscientização sobre a poluição do meio ambiente; palestras e treinamentos para lojistas, e seus funcionários, sobre o processo único de gerenciamento e implantação do selo EHCO LIXO ZERO; mobilização da comunidade; a criação de um ponto de entrega no shopping, de materiais recicláveis e óleo de cozinha, usado, para seus clientes; seminários e palestras educativas sobre reciclagem; cursos de qualificação profissional, trabalhadores do setor de limpeza e cozinha; implantação de
17

projetos de neutralização do Crédito de Carbono (MDL) – Mecanismo de Desenvolvimento Limpo; implantação de selos e certificações ambientais e implantação de iluminação ultravioleta para eliminação de bactérias e vírus nas serpentinas e tubulações do ar-condicionado; utilização de equipamentos com 100% de eficiência energética (luminotécnica e térmica), entre outros. Houve um investimento de R$ 145.686,00, gerando uma economia de R$ 200.902,00 em 11 meses de projeto. O Shopping Guararapes: O Shopping Guararapes é o primeiro do Nordeste a implantar um programa de coleta seletiva de lixo. Realizado em parceria com a empresa Central de Reciclados, o projeto vai gerar cinco empregos diretos e quinze indiretos. Todas os setores do Shopping estão integrados ao projeto. Vinte coletores - dez para lixo inorgânico (reciclável) e dez para lixo orgânico - foram espalhados em pontos estratégicos, incluindo a Praça de Alimentação. Os coletores de lixo inorgânico devem receber o chamado lixo "seco" - plástico, papel, papelão, vidro e outros tipos de materiais recicláveis. Nos coletores de lixo orgânico devem ser depositados as sobras de alimentos e outros tipos de lixo que tragam gordura, já que ela impede a reciclagem. "Os coletores trazem adesivos explicando ao público a diferença entre os dois tipos de resíduos", informa o gerente de Operações do Shopping, Hélio Lacerda.

Figura 7 - Coletores de lixo orgânico ou lixo seco

18

Todo o material recolhido é encaminhado para a Central de Reciclados que contratou quinze catadores de lixo que atuavam no lixão da Muribeca para compor a equipe responsável pelo programa do Shopping Guararapes. Toda a verba adquirida com o repasse dos resíduos será doada às entidades ONG Beija Flores Solidários (em benefício dos catadores do lixão), Creche Dominique e Lar de Clara. Para o Shopping, o projeto é mais uma importante iniciativa na área de Responsabilidade Social. Todos os funcionários da área de limpeza e manutenção participaram das atividades de educação ambiental, se conscientizando sobre a importância do tratamento adequado dos resíduos para o meio ambiente e para a comunidade. A iniciativa também tem a participação de todos os funcionários da Aservit, empresa responsável pela limpeza do Shopping Guararapes.

Tratamento de Efluentes: O Shopping Guararapes é o único shopping pernambucano a possuir uma estação de tratamento de efluentes. Hoje, 100% do esgoto produzido pelo Shopping é tratado, reduzindo o impacto da emissão de dejetos no meio ambiente.

Em mais uma ação voltada para a sustentabilidade, o óleo de cozinha produzido pelas operações de alimentação do Shopping Guararapes passou a ser recolhido para fins de reaproveitamento, em uma parceria com a indústria ASA. A ação faz parte do Programa "Mundo Limpo, Vida Melhor", desenvolvido pela ASA, que encaminha o óleo de cozinha para
reciclagem industrial, sem

nenhum

ônus

para

os

lojistas.

Além de colaborar na diminuição dos impactos ao meio ambiente, a ação também beneficia a comunidade de outra forma. Parte do valor obtido com o óleo é revertida ao IMIP – Instituto Materno Infantil Professor Fernando Figueira, entidade referência no
atendimento

materno-infantil

na

região.

Para se ter uma idéia do impacto ambiental causado, cada litro de óleo usado em fritura e jogado pelo ralo da pia tem o potencial para poluir até 1 milhão de litros de água, o equivalente ao consumo de um ser humano por quatorze anos. O Brasil consome, anualmente, cerca de 3 bilhões de litros de óleo de cozinha. "Um dos meios de reduzir esse impacto é, exatamente, dar uma destinação adequada ao óleo, que pode ser reciclado e transformado em produtos de limpeza, por exemplo, assinala Denielly Halinski, gerente de Marketing do Shopping Guararapes. Segundo Denielly, o óleo produzido pelas operações de alimentação é armazenado em
19

recipientes especiais e recolhido periodicamente pela equipe da ASA, de acordo com o volume acumulado. Em mais uma ação de seu Programa de Responsabilidade Socioambiental, o Shopping Guararapes instalou coletores para recolhimento de pilhas, baterias e outros resíduos tecnológicos, os chamados Papa-Pilhas. O mall do Shopping recebeu 20 coletores de mesa e um principal coletor que está instalado próximo à Praça de Eventos. A idéia dos Papa-Pilhas é para que o público possa dar um destino ecologicamente correto a estes materiais que, descartados no lixo comum, poluem e causam sérios danos ao meio ambiente. A ação é uma parceria do Shopping com o Programa Participe & Recicle de São Paulo. Todo o material coletado é transferido para uma unidade de separação e, depois da triagem, encaminhado aos processos de reprocessamento, reciclagem ou reutilização, dependendo do seu estado e das suas características. Além de pilhas e baterias, também podem ser encaminhados para reciclagem equipamentos como celulares, radio-comunicadores, acessórios, minicalculadoras, cartões com chip, chips telefônicos, pen drives, pagers e outros itens tecnológicos.

Figura 8 - Foto do "Papa pilhas".

Shopping Floripa: Desde o início de sua implantação, em 2002, o Floripa Shopping, de Florianópolis, Santa Catarina, busca a conservação e a melhoria do meio
ambiente, assumindo expressamente o 20 compromisso com a responsabilidade

socioambiental. Em 2007, foi criado o Sistema de Gestão Ambiental (SGA) denominado Preserva Floripa. Desde então, as ações realizadas pelo empreendimento são focadas na preservação, na conscientização e na educação. Por meio da implantação do SGA, foram identificados todos os aspectos ambientais significativos, desenvolvidos e implantados procedimentos de gestão e adotadas práticas de educação ambiental para repassar aos funcionários, clientes, agindo desta forma o Shopping Floripa conseguiu certificação ISO 14001.

Figura 9- Certificação ISO 14.001/ 2004 do Shopping Floripa.

Center Vale Shopping: O Center Vale Shopping fica localizado em São José dos Campos- São Paulo,é mais um exemplo de responsabilidade ambiental, 100% da água utilizada é tratada no próprio shopping e a maior parte é reutilizada no ar-condicionado, nos vasos sanitários e mictórios, na limpeza do estacionamento e na irrigação do jardim,
21

além da água 100% do óleo comestível utilizado nas operações de alimentação é reciclado transformando-se em sabão que é devolvido as lojas num ciclo virtuoso de reutilização, anualmente são produzidos pelo shopping Center Vale 12 toneladas de sabão.A direção do shopping estima que com essa sistema ambiental tenha conseguido reduzir a metade a quantidade de água utilizada e lixo gerado e obteve uma economia elétrica de 80mil Kwh/mês.

Tabela 3 - Geração de resíduos reciclados e orgânicos (Jan/2008) quantidade em Kg.

22

Tabela 4 - Saldo positivo do Shopping CenterVale em diversas áreas

23

CAPÍTULO V CONCLUSÃO
Conclusão Podemos observar com o presente estudo as diferenças e o atraso do gerenciamento dos resíduos que é feita nos shoppings fluminenses quando comparado ao que vem sendo feito no restante do país. Tivemos exemplos nas diversas regiões do país: sul, sudeste e nordeste, de como pode ser feito esse gerenciamento e os ganhos que se obtêm com eles. A Associação Brasileira de Shopping Centers – Abrasce reconheceu essas práticas na edição deste ano do Prêmio Abrasce, todos os shoppings citados neste estudo como referência de respeito ao meio ambiente, foram premiados pela expansão focada em crescimento sustentável, relacionamento com o cliente a partir de experiências inusitadas, ações de incentivo à cidadania e respeito ao meio ambiente. No sul podemos observar que para que tudo isso aconteça é preciso a interação do poder público com o privado, onde IAP - Instituto Ambiental do Paraná e a SEMA Secretaria Estadual de Meio Ambiente criaram o selo Ehco Lixo Zero que pode servir para certificar qualquer empresa, e com essa parceria o Shopping Palladium foi o primeiro a recebe este selo. A interação com o cliente e com os funcionários também é vista com grande importância pelos shoppings que são referência é essencial que se traga novidade e conhecimento, muita coisa tem sido feita para conscientizar esses dois grandes colaboradores um exemplo disso foi a exposição LixoÚtil que já foi feita em diversas capitais ela conta com uma instalação temática diferente e interessante, que aborda o lixo, seus problemas e possíveis soluções. Quem assiste tem a oportunidade de refletir sobre a geração do lixo e as diversas formas de amenizar seu impacto ambiental. Elaborada pela Do It Comunicação, em uma área aproximada de 200 metros quadrados, o público pôde visitar módulos montados sobre diferentes suportes, parte deles feitos de materiais reciclados (krillon, papel, pet) ou reutilizados (pneus). É possível entrar em um grande saco de lixo e encontrar formas originais de transformar o material
24

descartado em matéria-prima valiosa. Num outro ponto, um túnel mostra a trajetória de um rio, que nasce limpo até tornar-se poluído ao desembocar numa praia suja. O público ainda pode conhecer as diversas etapas de processamento do lixo até a fase final de reciclagem. De maneira didática e interativa, a exposição permite conhecer a trajetória do lixo e a diferença entre lixão e aterro sanitário; o tempo de decomposição de diversos materiais na natureza; como é feita a reciclagem de plásticos, de alumínio, de vidro e papel; a questão do chorume; do gás que pode virar energia, a reciclagem e suas técnicas, o que fazer com resíduos tóxicos, lixo nos mares e rios, entre outros temas abordados. “A exposição LixoÚtil propõe uma reflexão sobre os problemas ambientais enfrentados pela sociedade e provoca a formação de uma nova consciência, motivando a população a buscar junto com as empresas e órgãos responsáveis atitudes de preservação”, declara Suely Agostinho, diretora de Recursos Humanos e Assuntos Corporativos da Caterpillar que realiza a exposição. Módulos da exposição “LixoÚtil":  Ecolixo: o painel mostra quais são os diferentes tipos de lixo e seus respectivos tempos de decomposição;   Lixo Cidadão: painel prático que mostra os diversos tipos de lixo produzidos em uma residência e sugere soluções para ele;   Lixão Não: relata os principais malefícios causados por este tipo de deposição irregular;   Estou pouco me lixando: exibe cenas cotidianas nas quais, consciente ou inconscientemente, as pessoas realizam a deposição incorreta do lixo. O painel alerta o público sobre a importância de mudança de atitudes individuais em relação à geração de lixo e ao gerenciamento correto dos processos de coleta, seleção e   reciclagem;   Lixo N’água: ambientação cênica interativa onde o visitante caminha sobre o leito de um rio recebendo dejetos até chegar ao mar;   Sobrelixo: situa historicamente o momento em que a produção de lixo passa a ser um problema social, fazendo uma retrospectiva da questão em diferentes épocas e  citando as soluções correspondentes a cada uma;   Lixo Global mostra, quantitativa e qualitativamente, a produção de lixo em diferentes partes do planeta, estimulando a reflexão sobre a nocividade dos detritos produzidos e a responsabilidade de cada país sobre o lixo; 

  

25

Lixo Consciente: apresenta as soluções de menor impacto ambiental para a

deposição do lixo, como os aterros sanitários;  Lixo é Energia aborda a geração de energia - mais especificamente, do biogás, produzido a partir do lixo;    Cinelixo: instalação videográfica - exibe um curta-metragem com histórias e depoimentos de pessoas que trabalham diretamente com materiais reciclados ou reutilizados, entre elas, estilistas que reutilizam materiais e catadores que vivem do lixo na cidade;    Reciclalixo: instalação videográfica que tematiza a reciclagem e seus processos (veiculados em monitores acoplados a latas de lixo seletivo);    Iniciativas: painel interativo em que os visitantes poderão trocar informações sobre órgãos e institutos que trabalham com a questão do lixo;  Outra parceria que pode ser observada como aliado dos estabelecimentos mencionados acima é o social, os shoppings desenvolvem essa parceria vencedora criando creche para os filhos dos funcionários, doando as verbas para projetos sociais e até fazendo caixinhas para os próprios funcionários, tudo com o dinheiro do lixo, esse tipo de prática funciona pois sensibiliza e motiva as pessoas. Pra que tudo isso vire uma realidade em todos os shoppings e em todos os grandes focos poluidores é primordial que haja interesse dos diretores e donos, pressão dos cidadãos e clientes que exijam cada vez mais ações, produtos e serviços ambientalmente responsáveis e a criatividade de gestores que devem trabalhar para criar soluções cada vez mais atrativas tanto para o público quanto para os realizadores.

26

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. PRATA FILHO, D. A ; MACHADO, A V. e LA CAVA, C. V.; Coleta seletiva informal como oportunidade de trabalho e renda para catadores. In: SIMPÓSIO LUSO-BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 09., Por to Seguro, BA, 9-14 abr .,2000. Programa & Resumos. Rio de Janeiro, ABES, Simpósio Luso-Brsileiro de Engenhar ia Sanitária e Ambiental, 09.,2000. CD-ROM. 2. GRINBERG, E. e BLAUTH, P. (org.) Coleta seletiva: Reciclando materiais, reciclando valores. São Paulo, São Paulo, Pólis, 1998. 104p. (Publicações Pólis). 3. CEMPRE . Guia de coleta seletiva de lixo. São Paulo: Compromisso Empresarial para Reciclagem. 1999, 84p. 4. Lixo Municipal: Manual de gerenciamento integrado/ Coord. Maria Luiza Otero d'Almeida, André Vilhena – 2ª ed. São Paulo: IPT/CEMPRE, 2000 (Publicação IPT 2622). 5. MACHADO, A V. e PRATA FILHO, D.A. Gestão de resíduos sólidos em Niterói; 6. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 20, Rio de Janeiro, RJ, 10 - 14 mai.,1999. Programa & Resumos. Rio de Janeir o, ABES, Congresso Brasileiro de Engenhar ia Sanitár ia e Ambiental, 20.,1999.CD-ROM. 7. PMN-PREFEITURA MUNICIPAL DE NITERÓI. Niterói bairros. Niterói: CECITEC Publicações. Consultoria Especial de Ciência e Tecnologia. Coordenação de Satie Mizubuti. 1996, 499p. 8. PMN/SECRETARIA MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Niterói: perfil de uma cidade. Niterói: PMN/SMCT. Coor d. Satie Mizubuti, 1999, 336p. 9. REVISTA BRASILEIRA DE SANEAMENTO E MEIO AMBIENTE. Rio de Janeiro:ABES, n. 10 – abr /jun -1999 10. REVISTA BRASILEIRA DE SANEAMENTO E MEIO AMBIENTE. Rio de Janeiro: ABES, n. 11 – jul/set -1999 11. CEMPRE INFORMA. São Paulo: CEMPRE. N0 47 - Ano VII setembro/outubro, 1999. 12. PROGRAMA DE PESQUISA EM SANEAMENTO BÁSICO. Metodologias e técnicas de Minimização, reciclagem e reutilização de resíduos sólidos urbanos. Rio de Janeiro: ABES, 199. 65p. PEREIRA, M.O.L e TAVARES, N.A. Programa de reciclagem de lixo na área comercial de Belém: uma proposta metodológica. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 19., Foz do Iguaçú, PR, 14-19 set.,1997. Programa & Resumos. Rio de Janeiro, ABES, Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, 19.,1997.p.1821-1827. CD-ROM.

27

13. ACURIO, G., et allii. Diagnóstico de la situación del manejo de residuos sólidos municipales en América Latina y el Caribe. Washington, D.C.: BID/OPAS, 154p. 14. Zero. Brasil, Shopping Palladium. (2010). Palladium lança programa Ehco Lixo

Acesso em 19/10/2010. Disponível: http://www.palladiumcuritiba.com.br/ehcolixo. 15. Brasil, Site: Gestão de Resíduos. (2010). Começam hoje as obras de novo aterro em Seropédica. Acesso em 13/08/2010. Disponível: http://www.gestaoderesiduos.com.br/residuo-solido-urbano.php?id=615 16. Brasil, Shopping Floripa. (2010). Política Ambiental do Floripa Shopping. Acesso em 30/08/2010. Disponível: http://www.floripashopping.com.br/ecosocial. 17. Brasil, CenterVale Shopping. (2010). Gestão Ambiental - Ação Ambiental. Acesso em 23/10/2010. Disponível: http://www.centervale.com.br/Site2010/#/Ambiental 18. Brasil, Shopping Guararapes. (2010). Sustentabilidade – Apresentação.Acesso em: 16/10/2010. Disponível: http://www2.informazione.com.br/cms/opencms/shoppingguararapes/pt/sustentabilida de/.

28

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->