P. 1
apostila CONTABILIDADE GERAL I

apostila CONTABILIDADE GERAL I

4.71

|Views: 12.537|Likes:
Publicado poranon-768122

More info:

Published by: anon-768122 on Nov 19, 2007
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/13/2013

pdf

text

original

Vários são os métodos (teóricos) utilizados no cálculo do valor das depreciações.
Entre eles citaremos os seguintes métodos:
a - depreciação por taxa constante;
b - por taxa crescente;
c - por taxa decrescente;
d - por quotas proporcionais.

a) - Método da depreciação por taxa constante.

Alguns autores preferem denominar este método como "método linear", isto é,' o
método em que as depreciações seguem uma linha, de valor uniforme.

Principais taxas de depreciação. (Tecnicamente aceitas e aprovadas pela Secretaria

da Receita Federal.

Computadores e seus periféricos:
(Hardware e software)

20%

Edifícios e construções

4%

Equipamentos

10%

01/02/12

50-92

50

CONTABILIDADE GERAL I - www.Jair.fema.com.br

Ferramentas

10%

Instalações

10%

Máquinas em geral

10%

Móveis e utensílios

10%

Semoventes (animais de tração)

20%

Caminhões fora de estrada

25%

Motocicletas

25%

Tratores

25%

Veículos de passageiros e carga

20%

a-1) Método aplicado sobre o valor de aquisição:

Baseia-se na hipótese em que a depreciação ocorre de maneira uniforme durante o
tempo de vida útil do bem. E' o método mais utilizado:

Quota anual de depreciação = Valor de aquisição / Número de anos vida útil.
Ou seja, considerando que o valor de aquisição do bem seja representado por 100
(100%), teremos apurado a taxa de depreciação: = 100 / 5 = 20%.

Exemplo:
Consideremos um veículo cujo valor de aquisição tenha sido de $ 200.000,00 e que
tenha uma vida útil estimada em 5 anos.

Ano

Valor Inicial

% Depr.

Depreciação

Deprec,Acum.

Valor Final

1

200.000,00

20%

40.000,00

40.000,00

160.000,00

2

160.000,00

20%

40.000,00

80.000,00

120.000,00

3

120.000,00

20%

40.000,00

120.000,00

80.000,00

4

80.000,00

20%

40.000,00

160.000,00

40.000,00

5

40.000,00

20%

40.000,00

200.000,00

a-2) Método aplicado sobre e valor original menos o valor residual.

Este método tem como fundamento de que mesmo fora de atividade (depois de
esgotada sua vida útil) o bem manterá um valor, por menor que seja: o valor residual.

Assim, temos:

Quota de depreciação = (Valor de Aquisição – Valor Residual) X Taxa de

Depreciação

Ou

01/02/12

51-92

51

CONTABILIDADE GERAL I - www.Jair.fema.com.br

Quota de depreciação = (Valor de Aquisição – Valor Residual) / Vida Útil do

Bem

Exemplo:

O veículo do exemplo anterior deve ser depreciado, permanecendo um valor

residual da ordem de $ 2.000,00.
Valor do bem.............................. ..20.000,00
Valor residual............................... . 2.000,00
Valor p/cálculo da depreciação.... ..18.000,00
Cálculo do valor a ser depreciado: (20.000,00 - 2.000,00) = 18.000,00
donde: Cota anual de depreciação: 18.000,00 x 20% = 3.600,00

Ano

Valor Inicial

%Depr.

Depreciação

Deprec.Acumul.

Valor Final

1

20.000,00

20%

3.600,00

3.600,00

16.400,00

2

16.400,00

20%

3.600,00

7.200,00

12.800,00

3

12.800,00

20%

3.600,00

10.800,00

9.200,00

4

9.200,00

20%

3.600,00

14.400,00

5.600,00

5

5.600,00

20%

3.600,00

18.000,00

2.000,00

a – 3) Bens adquiridos usados -

A taxa de depreciação de um bem é fixada em função da sua vida útil, contudo,
quando se tratar de bem adquirido depois de usado, o prazo de ida útil admissível para fins de
depreciação desses bens será o maior dentre os seguintes:
1.a metade do prazo de vida útil, admissível para o bem adquirido novo, ou
2.o restante de vida útil do bem considerando esta em relação à primeira instalação
para utilização.
Exemplo: Um veículo, cujo vida economicamente útil seja de cinco anos, foi
adquirido depois de três anos e meio de uso. Cinco anos de vida útil equivalem a 60
meses; três anos e meio a 42 meses.
Vida útil estimada.................................... 60 meses
Vida útil decorrida................................... 42 meses
Vida útil restante............................................................. 18 meses
Metade da vida útil estimada (2,5 anos)........................... 30 meses
Vida útil a ser considerada para efeito de cálculo da depreciação................ 30
meses, ou seja 3,33% ao mês do valor do bem adquirido depois de parcialmente
usado.

Outro exemplo – Um veículo adquirido depois de um ano de uso (vida útil de 5 anos):
Vida útil estimada: 5 anos = .......................................60 meses
Vida útil decorridas: 1 ano = ......................................12 meses
Vida útil restante: 4 anos.=.........................................48 meses
Metade da vida útil estimada (2,5 anos)......................30 meses
Vida útil considerada para efeito de cálculo da depreciação (o maior entre 48 e 30
meses) = 48 meses, ou seja 25% ao ano ou 2,0833% ao mês.

01/02/12

52-92

52

CONTABILIDADE GERAL I - www.Jair.fema.com.br

a – 4) Consertos e reparos de bens - Admite-se o registro das despesas com reparos e
conservação de bens e instalações como custo ou despesa operacional destinadas a mantê-las
em condições de perfeita operacionalidade. No entanto, se em decorrência dos reparos
efetuados houver aumento da vida útil do bem por prazo superior a um ano as despesas
correspondentes devem ser acrescidas ao valor de aquisição do mesmo para que possam servir
de base à depreciação futura.

Consideram-se gastos com reparos e conservação os recursos aplicados no sentido de
recuperar o bem para recolocá-lo em condições de funcionamento, mantidas suas
características iniciais

Como a legislação do Imposto de Renda impede a dedução como custo ou despesas
operacional o valor das despesas correspondentes ao valor não depreciado do bem adota-se o
seguinte procedimento:

a)

aplicar o percentual de depreciação correspondente à parte não depreciada do bem
sobre o custo total das partes ou peças que estiverem substituindo as antigas;
b)registrar o valor apurado na letra “a” a débito da conta de resultado;
c)diminuir do valor total dos custos de substituição o valor apurado na letra “a”;
d)registrar o valor obtido na letra “c” a débito da conta do ativo imobilizado que
registra o valor contábil do bem.

Exemplo:
1.Valor do bem, registrado no ativo imobilizado na data dos reparos.... 10.000,00
2.Depreciação acumulada até a mesma data (45%).......................... .... 4.500,00
3.Parte não depreciado do bem (55%)............................................ .. 5.500,00
4.Custo dos reparos efetuados......................................................... 5.000,00
5.Percentual da parte não depreciado do bem (55%) – Despesa........... . 2.750,00
6.Diferença – a ser lançada no ativo imobilizado................................ 2.250,00

b ) - Método da depreciação por taxa crescente

b-1) - Método da progressão aritmética crescente.

O percentual total a ser depreciado (100%) deve ser dividido pelo número de anos de
vida útil do bem; o resultado indicará a percentagem média de depreciação. Esta
percentagem média consistirá na depreciação do ano central do período a ser depreciado
(Período a ser depreciado: 5 anos - ano central = 3).
Exemplo: um bem com uma vida útil estimada em 5 anos terá sua depreciação total
(100%) dividida por 5 = 20%. Vinte por cento será a depreciação do ano central (3.o ano). A
razão da progressão poderá ser arbitrada.

01/02/12

53-92

53

CONTABILIDADE GERAL I - www.Jair.fema.com.br

Digamos que pretendemos depreciar um veículo cujo valor de aquisição tenha sido $
20.000,oo e cuja vida útil tenha sido estimada em cinco (5) anos, adotando-se a progressão
aritmética crescente com a razão de 3%.

Ano

Valor do Bem

% de depreciação

Deprec.do Período

1

20.000,0020-3-3 = 14%

2.800,00

2

20-3 = 17%

3.400,00

3

20 = 20%

4.000,00

4

20+3 = 23%

4.600,00

5

20+3+3 = 26%

5.200,00
20.000,00

b-2) - Método da progressão aritmética crescente por divisão proporcional de COLE
(conhecido como método da “soma dos dígitos”).

O valor do bem a ser depreciado será dividido pela soma do número de anos de vida
útil do bem. O resultado obtido, denominado "coeficiente de proporcionalidade" será
multiplicado pelo dígito correspondente ao ano que se quer depreciar.

Utilizando o exemplo anterior teremos: 20.000,00 / (1 + 2 + 3 + 4 + 5) = 20.000,00 / 15 =
1.333,33

1.333,33 x 1 = 1.333,33 – quota de depreciação do primeiro ano.
1.333,33 x 2 = 2.666,67 – quota de depreciação do segundo ano
1.333,33 x 3 = 4.000,00 – quota de depreciação do terceiro ano
1.333,33 x 4 = 5.333,33 – quota de depreciação do quarto ano
1.333,33 x 5 = 6.666,67 - quota de depreciação do quinto ano
Soma......... 20.000,00

Ou, simplesmente:

1º. ano.... 20.000,oo x 1/15 = 1.333,33
2º. ano.... 20.000,oo x 2/15 = 2.666,67
3º. ano.... 20.000,oo x 3/15 = 4.000,oo
4º. ano.... 20.000,oo x 4/15 = 5.333,33
5º. ano.... 20.000,oo x 5/15 = 6.666,67 20.000,oo

01/02/12

54-92

54

CONTABILIDADE GERAL I - www.Jair.fema.com.br

c) - Determinação da depreciação por taxa decrescente.

c-1) - Método da progressão aritmética decrescente - E' a aplicação em ordem
inversa, do método da progressão aritmética crescente

c-2) - Método da progressão aritmética decrescente por divisão proporcional de
COLE
E' a aplicação em ordem inversa do método de progressão aritmética crescente
por divisão proporcional de COLE. (item 4.2.2).

MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO POR QUOTAS PROPORCIONAIS.

Apropriação conforme as horas trabalhadas -
Estimada a vida útil em horas trabalhadas, a depreciação é calculada com base nestas horas.

Apropriação por unidades produzidas -

Estimada a quantidade de bens a serem produzidos, a depreciação é calculada com base na produção

destes bens.

Apropriação por hora/operário - Critério idêntico ao da apropriação por horas trabalhadas.

CONTABILIZAÇÃO DAS DEPRECIAÇÕES.

Existem dois métodos para a escrituração das depreciações;
o método direto e

b)

o método indireto

c)
d)

01/02/12

55-92

55

CONTABILIDADE GERAL I - www.Jair.fema.com.br

Para deixar mais clara a distinção entre os dois métodos de escrituração, analisemos

o seguinte exemplo:

-Valor de aquisição de uma máquina. .$ 20.000,00
-Valor residual desta máquina............. .$ 2.000,00
-Valor a depreciar em 5 anos................$ 18.000,00 / 5 = 3.600,00

1.

Quota de depreciação no l.o ano............$ 3.600,00

2.

Quota de depreciação no 2.o ano...........$ 3.600,00

3.

Quota de depreciação no 3.o ano...........$ 3.600,00

4.

Quota de depreciação no 4.o ano...........$ 3.600,00

5.

Quota de depreciação no 5.o ano...........$ 3.600,00
Total.........................................$ 18.000,00

a) - Método direto de registro das depreciações - Pelo método direto de registro das
depreciações, o valor do encargo é subtraído diretamente do valor da máquina ao mesmo
tempo que o encargo é considerado como uma despesa, uma perda.

DEPRECIAÇÕES

Encargos do período

a MÁQUINAS

Registro da depreciação

3.600,00

3.600, 00

A conta "Depreciações" é uma conta de resultado, extingue-se ao final de cada ano
com a transferência de seu saldo para a conta "Resultado do Exercício”, ao passo que a conta
"Máquinas" é uma conta patrimonial, seu saldo permanece e vai se reduzindo a cada ano. No
fim 5.o ano o valor contábil da máquina é de $ 2.000,oo, que é o seu valor residual, deixando,
pois, de ser depreciável.

MAQUINAS

Data

Histórico

Movimento

Saldos

Débito

Crédito

Devedor

Credor

01.01.01Aquisição veículo

20.000,00

20.000,00

31.12.01Quota anual deprec.

3.600,00

16.400,00

21.12.02Quota anual deprec.

3.600,00

12.800,00

31.12.03Quota anual deprec.

3.600,00

9.200,00

31.12.04Quota anual deprec.

3.600,00

5.600,00

31.12.05Quota anual deprec.

3.600,00

2.000,00

b) - O método indireto de contabilização escrituração das depreciações - Pelo
método indireto de contabilização, o valor da depreciação atinge de forma indireta o valor da
conta "Máquinas". O valor da depreciação é registrado numa conta de perdas e tem como

01/02/12

56-92

56

CONTABILIDADE GERAL I - www.Jair.fema.com.br

contrapartida uma conta credora, que representa o valor total já depreciado do bem registrado
no ativo.

Desse modo o valor contábil do bem só se revela através da comparação da conta de
máquinas, que é uma conta ativa, com a conta credora "Depreciações acumuladas de
máquinas", que é uma conta retificadora do ativo.

Para esclarecer o método indireto de escrituração das depreciações, aproveitamos o
mesmo exemplo numérico já apresentado.

DEPRECIAÇOES

Encargos do período

a DEPREC. ACUMULADAS DE MÁQUINAS

Depreciação do período

3.600,00

3.600,00

A conta "Depreciações" é uma conta de resultado , seu saldo é, periodicamente
encerrado com a sua transferência para "Resultado do Exercício”. A conta "Depreciações
acumuladas de máquinas" é uma conta patrimonial funcionando como conta retificadora do
ativo, isto é, apesar de apresentar saldo credor ela aparece no ativo como conta redutora da
conta "Máquinas".

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->