P. 1
Noções de Administração Financeira e Orçamentária

Noções de Administração Financeira e Orçamentária

5.0

|Views: 1.122|Likes:
Publicado porLaisLeiteMorais

More info:

Published by: LaisLeiteMorais on Mar 13, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPTX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/03/2013

pdf

text

original

Noções de Administração Financeira e Orçamentária

Prof. Lucas Sapucaia lucassapucaia@hotmail.com MPU 2010

Orçamento Público
y

1 ² Atividade Financeira do Estado A atividade financeira é exercida pelo Estado visando ao Bem Comum da Coletividade. Para que o Estado consiga, de fato, cumprir a sua finalidade é necessário a arrecadação de recursos. Esses recursos são , enfim, aplicados na prestação de serviços públicos (esgotamento sanitário, segurança pública, etc.).

Orçamento Público
y

1 ² Atividade Financeira do Estado Essa atividade consistem em: OBTER RECURSOS (Receita Pública) APLICAR RECURSOS (Despesas Públicas) GERIR RECURSOS (Orçamento Público) CRIAR CRÉDITOS (Empréstimo Público)

Orçamento Público
y

2 ² Teoria das Finanças Públicas As Finanças Públicas fazem parte da Economia, portanto é necessário entender onde e como exatamente o Estado injeta recursos na Economia. Podemos dizer que a Intervenção na Economia é uma das principais características do Estado.

Orçamento Público y 2 ² Teoria das Finanças Públicas Corrigir Falhas de Mercado: Falhas de Mercado são fenômenos que impedem que a economia alcance o estado de Bem-Estar Social. através do livre mercado (não intervenção estatal na economia) .

externalidades. . taxação. com legislação. por exemplo. podem ser corrigidas por políticas públicas.Orçamento Público y 2 ² Teoria das Finanças Públicas Concorrência imperfeita. no contexto normativo. Essa falhas. Outras formas de correção das falhas que decorrem da função estatal está o controle dos preços por meio do tabelamento e fixação do preço mínimo. são manifestações de falha de mercado. informação assimétrica e mercados incompletos.

Orçamento Público y 2 ² Teoria das Finanças Públicas Existência de Bens Públicos: Bens cujo consumo é indivisível e não excludente (Ruas. Praças.). Energia Elétrica etc. Existência de Monopólios Naturais: O Governo é obrigado a assumir a produção ou criar agências reguladoras que evitem a exploração do consumidor (Água. . Segurança Pública).

Emprego e Estabilidade: Atenção para regiões não se desenvolvem sem a ação do Estado BNDES .Orçamento Público y 2 ² Teoria das Finanças Públicas Externalidades: Positivas e Negativas. Desenvolvimento.

o governo intervém na economia. criar condições para que bens privados sejam oferecidos no mercado e corrigir os efeitos negativos das Externalidades. I ² Função Alocativa¹: Relaciona-se à alocação de recursos afim de oferecer bens e serviços públicos puros².Orçamento Público y 3 ² Funções Orçamentárias Para atingir seus objetivos. utilizando-se do Orçamento Público e das suas Funções Orçamentárias. . os meritórios ou semipúblicos³.

justiça). segurança pública. podem e devem ser produzidos pelo setor público para evitar que a população de baixa renda seja excluída do seu consumo (Educação e Saúde). ou seriam em condições insuficientes (rodovias. 2 ² São aqueles serviços que não seriam oferecidos pelo mercado. 3 ² São bens que embora possam ser explorado pelo setor privado. recursos) a um fim específico ou a uma entidade. .Orçamento Público y 3 ² Funções Orçamentárias 1 ² Destinar (fundo orçamentário. verbas.

transferências financeiras. subsídios.Orçamento Público y 3 ² Funções Orçamentárias II ² Função Distributiva: Visa tornar a sociedade menos desigual em termos de riqueza e renda (tributação diferenciada. incentivos fiscais. políticas assistencialistas). .

combater a inflação. cambial e fiscal ou outras medidas de intervenção na economia). estabilizar a moeda (instrumentos de política monetária. melhorar o nível de emprego. .Orçamento Público y 3 ² Funções Orçamentárias III ² Função Estabilizadora: É a aplicação das diversas políticas econômico-financeiras e fim de ajustar o nível geral de preços.

.Orçamento Público y 3 ² Aspectos Gerais do Orçamento Público Dimensões: Dimensão Jurídica ² Tem caráter e força de lei definindo limites a serem respeitados pelos governantes e agentes públicos.

A economia é diretamente afetada pela gestão orçamentária. .Orçamento Público y 3 ² Aspectos Gerais do Orçamento Público Dimensões: Dimensão Econômica ² É basicamente o instrumento por meio do qual o Governo extrai recursos da sociedade e os injeta em áreas selecionadas.

perspectivas e interesses conflitantes que se resolvem em última estância no âmbito das ações políticas dos agentes públicos e dos inúmeros segmentos sociais. .Orçamento Público y 3 ² Aspectos Gerais do Orçamento Público Dimensões: Dimensão Política ² É um desdobramento da dimensão econômica e da função distributiva. uma vez que o processo de elaboração. e gestão do Orçamento Público embute. necessariamente. aprovação.

mas sua aprovação é submetida ao Poder Legislativo. bem como o seu controle e julgamento. . porque utiliza cálculos de receita e despesa.Orçamento Público y 3 ² Aspectos Gerais do Orçamento Público Características: No Brasil o orçamento é do tipo misto visto que a iniciativa cabe ao Poder Executivo. É Técnico.

apenas contém uma autorização do poder legislativo para que. . proceda a sua execução. transforma-se na LOA. Quando o orçamento anual é aprovado.Orçamento Público y 3 ² Aspectos Gerais do Orçamento Público Características: Tem caráter autorizativo e não impositivo. o gestor público verifique a real necessidade da despesa autorizada e neste caso. no decorrer do exercício financeiro.

estuda a atividade financeira do Estado.Orçamento Público y 3 ² Aspectos Gerais do Orçamento Público Competência Legislativa: A Competência Legislativa orçamentária é matéria tratada pelo Direito Financeiro ² ramo do Direito Público que. sob o ponto de vista jurídico. De acordo com a CF/88. 24: . conforme consta no art. o Direito Financeiro e o Orçamento Público inseremse no âmbito da legislação concorrente.

Compete à União. penitenciário. II ² orçamento. aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: I ² direito tributário. econômico e urbanístico. . 24. financeiro.Orçamento Público y 3 ² Aspectos Gerais do Orçamento Público Competência Legislativa: Art.

Nesse conceito. com a intervenção na economia ou com as necessidades da população. . não há preocupação com o planejamento.Orçamento Público y 3 ² Aspectos Gerais do Orçamento Público Conceitos: Conceito Tradicional/Clássico: É uma Lei que abrange a previsão da receita e a fixação de despesas para um determinado período de tempo. O orçamento é apenas um ato que aprova previamente as receitas e despesas públicas.

. um plano político de ação governamental para o exercício seguinte. ainda. É.Orçamento Público y 3 ² Aspectos Gerais do Orçamento Público Conceitos: Conceito Moderno: É um programa de Governo proposto pelo executivo à aprovação do legislativo.

que traduz em termos financeiros os planos e programas do Governo. ajustando o ritmo de sua execução à efetiva arrecadação dos recursos previstos em lei.Orçamento Público y 3 ² Aspectos Gerais do Orçamento Público Conceitos: Conceito Moderno: O Orçamento Público é um processo contínuo. . dinâmico e flexível.

. alcançando assim os objetivos dos programas.Orçamento Público y 3 ² Aspectos Gerais do Orçamento Público Conceitos: Conceito Moderno: Nesse conceito. o orçamento público é um instrumento do planejamento e da administração que garante créditos orçamentários para tornar possível a realização das ações.

.Orçamento Público y 3 ² Aspectos Gerais do Orçamento Público Conceitos: A Lei Orçamentária é conhecida como ´Lei dos Meiosµ. programas e projetos. porque é um meio para garantir créditos orçamentários e recursos financeiros para a realização dos planos.

Orçamento Público y4 ² Tipos/Técnicas Orçamentárias A) Orçamento Tradicional/Clássico B) Orçamento Desempenho/Funcional C) Orçamento Programa D) Orçamento Base-Zero E) Orçamento Participativo F) Orçamento Incremental .

Orçamento Público y4 ² Tipos/Técnicas Orçamentárias 4. Valorização do aspecto jurídico. . Neutralidade em relação à economia. Não utilizava indicadores de resultado. Classificação das Despesas: Institucional e Elemento de Despesa. Alocação de recursos para aquisição de meios. Ênfase: Objeto do gasto. Características: Nenhuma Vinculação com planejamento.1 ² Orçamento Tradicional/Clássico Finalidade: Controle Político.

Categoria Econômica. Apresenta Propósitos e objetivos para os gastos. Características: Alguma utilização de indicadores. .2 ² Orçamento Desempenho/Funcional Finalidade: Controle Político. Instrumento de Intervenção na Economia. Não havia vinculação com planejamento. Instrumento da Administração. Por Funções.Orçamento Público y 4 ² Tipos/Técnicas Orçamentárias 4. Classificação das Despesas: Institucional. Ênfase: Desempenho e Resultados (eficácia). Preocupação com os custos dos Programas. Por Programas.

Identificação clara de objetivos.Orçamento Público y 4 ² Tipos/Técnicas Orçamentárias 4.3 ² Orçamento Programa Finalidade: Mesmo do Anterior. . Categoria de Programação. Indicação do custo total dos programas. Características: Elo de União entre planejamento e orçamento. Ênfase: Realizações e Resultados (eficácia e efetividade). Natureza da despesa Estrutura Programática. Classificação das Despesas: Institucional. Avaliação e análise técnica das alternativas. Funcional. Utilização sistemática de indicadores.

Classificação das Despesas: Não Considera importante. Análise e avaliação de todas as despesas. Instrumento da Administração para a seleção das melhores alternativas. Exige justificativa detalhada para cada despesa. . Pode propiciar redução de gastos. Características: Não valoriza prioridades históricas.4 ² Orçamento Base-Zero Finalidade: Controle dos gastos excessivos ou desnecessários.Orçamento Público y4 ² Tipos/Técnicas Orçamentárias 4. Ênfase: Eficiência na alocação dos recursos.

Não é evolução de outras técnicas ² é experiência nova. Classificação das Despesas: Não considera importante. Decisão das prioridades pela população local.5 ² Orçamento Participativo Finalidade: Promoção da cidadania.Orçamento Público y4 ² Tipos/Técnicas Orçamentárias 4. Fortalecimento da democracia. Características: Participação direta dos cidadãos. Ênfase: Despesas com investimentos. .

. Elemento de despesa. Técnica rudimentar que foca itens de despesa em vez de objetivos. Incremento de dotações. Características: É baseado no orçamento anterior.6 ² Orçamento Incremental Finalidade: Controle político. Manutenção das atividades. Não há comparações com alternativas. Classificação das Despesas: Institucional. Ênfase: Itens de despesa. Incremento mediante barganha política.Orçamento Público y4 ² Tipos/Técnicas Orçamentárias 4.

. Os Princípios Orçamentários são regras válidas para todo o processo orçamentário. mas não possui o caráter absoluto.Orçamento Público y5 ² Princípios Orçamentários Os Princípios de uma Ciência são as Proposições Básicas. Fundamentais. que condicionam todas as Estruturas Subseqüentes. Típicas. visto que apresenta exceções. mas relativo.

9 ² Princípio da Publicidade 5. 6 ² Princípio da Unidade/Totalidade 5. 4 ² Princípio do Orçamento Bruto 5. 7 ² Princípio da Especificação/Especialização 5.1 ² Princípio da Legalidade 5. 5 ² Princípio da Exclusividade 5. 11 ² Princípio do Planejamento e da Programação 5. 8 ² Princípio da Não Afetação das Receitas 5.Orçamento Público y 5 ² Princípios Orçamentários 5. 3 ² Princípio da Universalidade 5. 2 ² Princípio da Anualidade ou Periodicidade 5. 10 ² Princípio do Equilíbrio 5. 12 ² Princípio do Não Estorno .

Orçamento Público y 5. as Diretrizes Orçamentárias e o Plano Plurianual devem ser aprovados pelo Poder Legislativo transformando-se respectivamente na LOA. Esse princípio foi recepcionado pela CF/88 no Art. LDO e LPP. 165 I. . II e III. o Orçamento Anual.1 ² Princípio da Legalidade Por esse princípio.

34 da Lei nº 4. 2º da Lei nº 4.Orçamento Público y 5. . de forma literal. será de 1º de janeiro até 31 de dezembro de cada ano.320.2 ² Princípio da Anualidade ou Periodicidade Estipulado. por isso. de 1964. delimita o exercício financeiro orçamentário: período de tempo ao qual a previsão das receitas e a fixação das despesas registradas na LOA irão se referir.320. de 1964. pelo caput do art. Segundo o art. o exercício financeiro coincidirá com o ano civil e.

recepcionado e normatizado pelo § 5º do art.320. entidades. 165 da Constituição Federal.Orçamento Público y 5. determina que a Lei Orçamentária Anual de cada ente federado deverá conter todas as receitas e despesas de todos os poderes. fundos e fundações instituídas e mantidas pelo poder público. de 1964.3 ² Princípio da Universalidade Estabelecido. . órgãos. 2º da Lei nº 4. pelo caput do art. de forma expressa.

obriga registrarem-se receitas e despesas na LOA pelo valor total e bruto. de 1964. 6º da Lei no 4. vedadas quaisquer deduções.4 ² Princípio do Orçamento Bruto Previsto pelo art.320.Orçamento Público y 5. .

Orçamento Público y 5. 165 da Constituição Federal.5 ² Princípio da Exclusividade Previsto no § 8º do art. Ressalvam-se dessa proibição a autorização para abertura de créditos adicionais e a contratação de operações de crédito. nos termos da lei. estabelece que a Lei Orçamentária Anual não conterá dispositivo estranho à previsão da receita e à fixação da despesa. .

Distrito Federal e Municípios ² com a finalidade de se evitarem múltiplos orçamentos paralelos dentro da mesma pessoa política. pelo caput do art.Orçamento Público y 5.320. . Estados. determina existência de orçamento único para cada um dos entes federados ² União. de forma expressa. 2º da Lei nº 4. de 1964.6 ² Princípio da Unidade/Totalidade Previsto.

7 ² Princípio da Especificação/ Especialização Essa regra opõe-se à inclusão de valores globais. material. Art. Na Lei de Orçamento a discriminação da despesa far-se-á. ilimitados e sem discriminação. de forma genérica. serviços. e ainda o início de programas ou projetos não incluídos na LOA. 1º ´Entende-se por elementos o desdobramento da despesa com pessoal. obras e outros meios de que se serve a administração pública para consecução dos seus finsµ.´no mínimoµ. por elementos. 15. .Orçamento Público y 5.

transferências ou quaisquer outras. ressalvado o disposto no artigo 20 e seu parágrafo único.Orçamento Público y 5.7 ² Princípio da Especificação/ Especialização Art. serviços de terceiros. material. 5o A Lei de Orçamento não consignará dotações globais destinadas a atender indiferentemente a despesas de pessoal. .

Orçamento Público y 5. . veda vinculação da receita de impostos a órgão. salvo exceções estabelecidas pela própria Constituição Federal.8 ² Princípio da Não Afetação das Receitas Estabelecido pelo inciso IV do art. 167 da CF/88. fundo ou despesa.

informações sobre a arrecadação da receita e a execução da despesa. 37 da Magna Carta de 1988.9 ² Princípio da Publicidade Princípio básico da atividade da administração pública no regime democrático. 48. de forma expressa. . pelas disposições contidas nos arts. é previsto pelo caput do art. que determinam ao governo.Orçamento Público y 5. 48-A e 49 da Lei de Responsabilidade Fiscal ² LRF. Publicar relatórios sobre a execução orçamentária e a gestão fiscal. disponibilizar. Aplicase ao orçamento público. por exemplo: Divulgar o orçamento público de forma ampla à sociedade. para qualquer pessoa.

4º A lei de diretrizes orçamentárias atenderá o disposto no § 2º do art. . A finalidade deste princípio é deter o crescimento desordenado dos gastos governamentais e impedir o déficit orçamentário.Orçamento Público y 5.10 ² Princípio do Equilíbrio Art. Este Princípio Estabelece que a despesa fixada não pode ser superior à receita prevista. 165 da Constituição e: I .disporá também sobre: a) equilíbrio entre receitas e despesas.

O princípio do Planejamento foi consagrado pela CF/88 e se refere à obrigatoriedade da elaboração do PPA.Orçamento Público y 5. § 1º A responsabilidade na gestão fiscal pressupõe a ação planejada e transparente.11 ² Princípio do Planejamento e da Programação Esses princípios são modernos e recentes.. De acordo com a LRF Art.. . 1º. em que se previnem riscos e corrigem desvios capazes de afetar o equilíbrio das contas públicas.

Orçamento Público y 5.11 ² Princípio do Planejamento e da Programação O Princípio da Programação diz que o Orçamento deve evidenciar os Programas de Trabalho. gerenciamento e Planejamento . servindo como instrumento de Administração do Governo. facilitando a fiscalização.

12 ² Princípio do Não Estorno Este Princípio encontra-se expressamente previsto na CF/88: Art. . 167.Orçamento Público y 5. sem prévia autorização legislativa. São vedados: VI a transposição. o remanejamento ou a transferência de recursos de uma categoria de programação para outra ou de um órgão para outro.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->