Você está na página 1de 1

os SCR_~_

Sele!,lao

dos

Capacitores

em

Shunt.

(19"

Os capacitores em "shunt" com os SCR sao necessarios para limitar a rela!;ao de aumento da tensao atraves do SCR. 19ualmente, durante os intervalos de reCUpera!;aO inversa, estes ca- pacitores proporcionam urna passagem a cor- rente inversa de reCUpera!;aO de forma a des- viar esta corrente dos SCR, cujos tempos de reCUpera!;aO sao mais rapidos. Uma vez que o problema a ser corrigido surge devido a dife- ren!;as em caracteristicas de reCUpera!;aO em urn determinado lote de SCR de urn mesmo tipo, deve-se analisar melhor esta caracteris- tica.

o fen6meno de reCUpera!;aO inversa em urn SCR resulta da tentativa de se aplicar tensao inversa aos SCR enquanto estes ainda se en- contram no estado de condu!;ao direta. 0 pe- riodo em que ocorre a corrente inversa de re- CUpera!;aO e exatamente aquele espa!;o de tem- po durante 0 qual aplica-se tensao inversa ao SCR e 0 instante em que 0 SCR estara no es- tad.o de bloqueio inverso. Define-se portanto como TEMPO DE RECUPERACAO INVERSA (t lR) 0 periodo de tempo decorrido entre 0 cruzamento da corrente direta (Id) para cor- rente inversa (Ii) e 0 ponto onde a corrente inversa (Ii) se reduz a 10% do seu valor ma- ximo. Nestes casos observa-se que os SCR .geralmente apresentam uma caracteristica de corrente inversa (Ii) de forma triangular seme- lhiante a demonstrada na figura 1. De urna forma empirica determina-se que ts ""' 0,6 t'R (tempo inverso de recupera!;ao) em rela!;ao a diversas formas diferentes de comuta!,lao.

MAIO

DE 197]

PARTE)

Henrique

Goldberger ",

Q:

II

If)

0

0

0

0

0

z

"

'0

[ ImoJt: .

Caracteristica

I--- t I R-----i

,

:- I, ----+- It~

I

,

, -

I'

L _{

I

I

,

I - 10%

I I I
I
I
I

Figura

124

tipica

de

corrente

inversa

~.ao de

urn

SCR.

de

,-

I FUGA

INVERSA

TEMPO

recupera-

o espa!;o de tempo integral em que ocorre corrente in versa (Ii) atraves do SCR e 0 pe- riodo de tempo inverso de recupera!;ao (t m ),

e 0 periodo de carga total de recupera!;ao. A

carga de recupera!;ao e parte da carga total armazenada nas proximidades das jun!;oes in-

ternas do SCR durante os ciclos de condu!;ao direta. Caso a recombina!;ao de eletrons e furos nestas regioes seja minima durante 0 tempo inverso de reCUpera!;aO (tm), tOda a energia armazenada nas jun!,loes do SCR podera ser recuperada. Esta energia recuperada provocara

a corrente

inversa

de

recupera!;ao

(Ill.).

Na figura 2 observa-se a curva de corrente inversa de recupera!;ao (1m) de dois SCR do mesmo tipo porem apresentando uma diferen!;a bern distinta nos seus valores de corrente in- versa de reCUpera!,laO (IlR). A diferen!;a exis-

*

Engenheiro

da

CEl Ltda.

67