P. 1
Reflorestamento

Reflorestamento

|Views: 878|Likes:
Publicado porinfodias

More info:

Published by: infodias on Mar 17, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/04/2013

pdf

text

original

Pós Graduação em Perícia, Auditoria e Gestão Ambiental

Projeto de Reflorestamento para Áreas Degradadas pela Mineração de Mármore e Granito

Giselle Intra P. Dias

Cachoeiro de Itapemirim 2010
1

Cachoeiro de Itapemirim 2010 2 . Auditoria e Gestão Ambiental.GISELLE INTRA P. DIAS Projeto de Reflorestamento para Áreas Degradadas pela Mineração de Mármore e Granito Monografia apresentada como requisito parcial para a conclusão do Curso de Pós ± Graduação em Perícia.

GISELLE INTRA P. DIAS Projeto de Reflorestamento para Áreas Degradadas pela Mineração de Mármore e Granito Aprovado em _____ de _____________ de 2010 . __________________________________________ Orientador Cachoeiro de Itapemirim.ES 2010 3 .

Aos pais e familiares e amigos pelo amparo constante que recebemos. 4 .À Deus por me transmitir a luz da sabedoria.

Aos colaboradores que acreditaram na minha capacidade. Aos meus familiares que me deram segurança para vencer mais esta etapa. 5 .AGRADECIMENTOS Ao meu orientador Aos professores e alunos que não mediram esforços para nos ajudar.

´ Johann Goethe 6 .³A natureza é o único livro que oferece um conteúdo valioso em todas as suas folhas.

No projeto serão utilizadas espécies nativas e exóticas adaptadas da região. mineração. de forma a mini mizar os impactos causados. flora. 7 . a proposta é de trabalhar cm um projeto d e reflorestamento para conservar a fauna e flora local. na tentativa de manter as características originais. Palavras chaves: reflorestamento. Após a identificação.fauna.RESUMO Este trabalho tem por objetivo identi ficar os impactos negativos causados pela atividade mineraria do granito e do mármore na localidade de Colatina que é um dos municípios concentradores desta atividade.

...................... ... ................................. 10 2.............................. OBJETIVO GERAL .......... .. 6............ 16 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ......... ..................... 11 HIPÓTESE ........ 13 6.................................................. 2................ 14 7.................................... . ..........1.............. ........................................ .................... .. 15 CRONOGRAMA .............. CUSTOS RELACIONADOS A RECUPERAÇÃO ..2..... 8........................... ....... 13 6.............................. .................. ..................3............... 10 2.......................................................1 ....... .................. METODOLOGIA DE PESQUISA .... 11 JUSTIFICATIVA . 17 8 ........ 12 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ......................................................... ... .............. ....................................................... 10 3............................................... 9.. .................................... POLUIÇÃO E ESCASSEZ D OS RECURSOS .......................................... 5....................................... ................... ........... . FORMULAÇÃO DO PROBLEMA ..... ... 13 6... 4............. ................ INTRODUÇÃO ............. ..........................2......... ............. ........... .............. OBJETIVO ESPECÍFICO .......................... 9 OBJETIVOS .........SUMÁRIO 1............................................................. SUPRESSÃO DE VEGETAÇÃ O ............... .................. ............... .......

9 . A partir de um levantamento faunístico e florístico da área a ser trabalhada. INTRODUÇÃO A prática do reflorestamento consiste em repor espécies florestais em uma determinada área para que a mesma possa. ao menos. se aproximar de suas configurações originais para que o ciclo ecológico continue.1. são escolhidas as espécies que irão compor o projeto.

OBJETIVOS 2.2. 10 . y Caracterizar as espécies endêmicas da região. y Caracterizar os recursos naturais locais.1 . OBJETIVO GERAL y Recuperar a área degradada pela a tividade minerária a fim de proteger os recursos naturais locais. OBJETIVO ESPECÍFICO y Identificar as espécies de fauna e fauna da localidade em estudo. 2.2.

y A supressão vegetacional impede o desenvolvimento normal dos animais locais e força aos mesmos a busca por alimento e proteção nos ce ntros urbanos. FORMULAÇÃO DO PROBLEMA As áreas de lavra apresentam um grande problema para o meio ambiente devido aos procedimentos de instalação da atividade que geram um significativo impacto em um determinado local de interesse econômico. 4. HIPÓTESE y Há redução do recurso hídrico em função a grande quantidade de água e o não reaproveitamento para o desenvolvimento da atividade. 11 .3.

JUSTIFICATIVA A falta de cobertura vegetal influencia diretamente só não aos animais que se afugentam nos centros urbanos mais próximos.5. 12 . como também a erosão causada pela velocidade das águas e escoamento da mesma sem a devida filt ração para recarga do lençol freático.

Supressão de vegetação As ameaças mais representativas florestas são a conversão e a fragmentação destas para outras finalidades. Essas soluções. para garantir sua própria proteção e viabilização posterior (BRUM. Poluição e escassez dos recursos As medidas de recuperação visam corrigir impactos ambientais negativos. entretanto. como no ponto de vista da biodiversidade lá encontrada (SCARPINELLA. verificados em determinada atividade mineira. em que a intenção dos proprietários dos terrenos parece ser a de aguardar algum tempo antes de empreender a reabilitação da área. 6.6. o princípio da recuperação provisória torna -se recomendável. 13 .2. a abertura de caminhos para as atividades mineradoras e madereiras e a caça animal estão entre alguns dos fatores de enfraquecimento das florestas tanto do seu ponto de vista estrutural. A derrubada indiscriminada para construç ão de estrada. particularmente em empreendimentos de médio e pequeno porte. no caso de áreas rurais). 2002). É possível. não apenas para evitar a intensificação ou aceleração dos processos de degradação dos solos e as conseqüências ambientais decorrentes. respaldam-se em observações de campo e literatura técnica e não raramente envolvem aspectos do meio físico. essas áreas correspondem a terrenos manejados como estoque especulativo para fins diversos (imobiliários. também. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 6.1. no caso de áreas próximas a centros urbanos ou reflorestamento . geralmente utilizadas em mineração. observar que em diversas situações esta parece não ser a prática adotada. mas. 2000). Nesses casos. Não raramente. e exigem soluções especiais adaptadas às condições já estabelecidas.

14 . Algumas das medidas usualmente empregadas são: retaludamento. revegetação (com espécies arbóreas nas bermas e herbáceas nos taludes) e instalação de sistemas de drenagem (com canaletas de pé de talude. devem ter seus custos incorporados aos estudos de viabilidade econômica do proj eto. pois nesse momento as empresas estão capitalizadas e o meio ainda não foi degradado.As principais áreas de um empreendimento mineiro onde medidas de recupe ração podem ser aplicadas são: a. no sentido de minimizá -los. 1998). Custos relacionados a recuperação Em relação à recuperação de áreas degradadas. a avaliação da importância relativa e o monitoramento dos impactos ambientais. Por outro ângulo.3. além de murundus . áreas lavradas.morrotes feitos manualmente) na crista dos taludes) em frentes de lavra desativadas (OLIVEIRA. 6. além de possibilitar a execução de estudos ambientais simultâneos a outros . Carter (1989) enfatiza a necessidade de pensar em meio ambiente e suas correlações econômicas no início dos projetos mineiros. Gama (1990 ) informa que a identificação. eliminá-los ou administrá-los de modo a proteger efetivamente o meio ambiente.

A segunda parte./2011 a Mar. 04 Bignoneaceas. localizadas no município de Colatina./2012 -----------. 03 Meliacea. 01 Chrysotalanacea.7 hectares e o terceiro de 2. 02 Arecaceas (palmeiras). 02 Phytolacaceas e 01 Rubiácea.3 hectares de plantio.7. conforme solicitação do IEMA.4 hectares será dividida em três talhões.1. conforme descrição abaixo: 1ª etapa 2ª etapa 3ª etapa Out. somando um total de 6.0 hectares de plantio Serão utilizadas no reflorestamento um total de 52 espécies arbóreas distintas. 01 Euphobiácea. 03 Myrtaceas.1. com o plantio de 1. METODOLOGIA DE PESQUISA A proposta deste projeto de reflorestamento é de realizar o plantio em duas áreas. Destas espécies./2010 a Mar. cuja bacia hidrográfica é a mesma da área licenciada.2. A primeira área de plantio se situa na localidade de Céu Azul.7 hectares de plantio Out./2011 -----------. 01 Amonacea. 02 Lecythidaceas. 27 são da família Fabaceas (leguminosas). 01 Morácea. 01 Malvacea.4 hectares./2012 a Mar. sendo o primeiro de 1 .0 hectares. A primeira área contemplará o plantio de 1./2013 -----------. correspondente a área de 5. plantados anualmente até o ano de 2013. cujas áreas de plantio estão devidamente identificadas no mapa em anexo.7 hectares. 15 .1 hectares que está plantada e a segunda área contemplará o plantio de 5.7 hectares de plantio Out. 03 Anacardinceas.1 hectares de espécies arbóreas. sendo a grande maioria de espécies nativas e algumas espécies exóticas adaptadas à região. em sua maioria de frutíferas. o segundo de 1.

8. Cronograma de atividades ATIVIDADE PERÍODO Delimitação do tema Pesquisa bibliográfica Coleta de dados Elaboração do trabalho Revisão Entrega da monografia Março a Abril/2010 Abril a julho/2010 Julho/2010 Junho a Setembro/2010 Outubro/2010 Novembro/2010 16 . CRONOGRAMA Quadro 1.

I. Recuperação de áreas degradadas pela mineração. R..A.B.9.. Rock Products. OLIVEIRA. V III.2 (9). Berlin. 2002. Universidade Estadual de Feira de Santana. Recuperação de áreas degradadas pela mineração . Proc. Apostila do Curso Recuperação de áreas degradadas pela mineração. Universidade de São Paulo. Universidade Federal do Rio de Janeir o. Reclamation: A growing concern . CARTER.D. C. SCARPINELLA.A. G. September 1989. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRUM. September 1990. I congresso Nacional de Meio Ambiente na Bahia. Outubro 1998. XXIII APCOM. Monografia de Pós graduação. 17 . Reflorestamento no Brasil e o Pro tocolo de Quioto . p.S. 2000.340 36 . v. GAMA. Mining planning: Concepts for environmental protection .D¶A. J. Dissertação de Mestrado.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->