Você está na página 1de 30

Introdução às Ciências Sociais

A CONSTRUÇÃO HISTÓRICA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS


(DO SÉC. XVIII A 1945)

 A emergência do espaço epistemológico e cultural


das Ciências Sociais na estrutura moderna do saber:

O Ser Humano é capaz de reflectir sobre a sua própria natureza, sobre as suas relações
com os seus semelhantes, com as forças naturais e sobre as estruturas sociais que ele
mesmo criou. Esta ideia é mais antiga que a própria história.

As Ciências Sociais são herdeiras deste saber pré-científico milenar sobre a realidade e
a vida social contido na sabedoria oral dos povos (legado da tradição), em textos
religiosos (como feito de revelação especial) e filosóficos (resultado de dedução
racional). A origem principal deste saber foi a recolha indutiva de dados na experiência
vivida dos indivíduos e dos grupos.

Indução: forma de raciocínio que consiste em formular proposições gerais


(válidas para todos os casos) a partir da observação de um certo número de
casos particulares.

Dedução: é a forma de raciocínio que consiste em inferir conclusões válidas


para casos particulares a partir de proposições universais assumidas como
verdadeiras.

As Ciências Sociais ao pretenderem constituir-se como “ciência”, no moderno sentido


do termo, visam produzir um saber sistemático acerca da realidade social e humana
passível de ser tanto racionalmente justificado como empiricamente validado (que tem
a sua base na observação ou experimentação).

A origem das Ciências Sociais entronca no paradigma moderno de ciência da natureza


que se impôs na cultura europeia no início da idade moderna.

1
Introdução às Ciências Sociais

Entre os séculos XVI e XVII, foram 2 os modelos que forneceram as premissas da


concepção clássica de “ciência”:

 Modelo Newtoniano: afirmava a possibilidade de se chegar a certezas de carácter


simultaneamente matemático e observacional sobre um universo cujas leis são idênticas
para o passado, o presente e o futuro.

 Dualismo Cartesiano: estabeleceu a distinção absoluta entre natureza e os seres


humanos com condição do saber certo. Pressuposto de que existe uma distinção
fundamental entre a natureza e os seres humanos, entre a matéria e a mente, entre o
mundo físico e o mundo social/espiritual.

O triunfo do moderno paradigma de ciência no domínio do estudo da natureza


associou-se a um contexto cultural e ideológico (pós-medieval) marcado pela ideologia
do progresso:
- A mentalidade moderna afirmou a infinita disponibilidade do mundo para se deixar
conhecer e explorar.

- Esta ideologia fez da moderna ciência da natureza ao mesmo tempo um instrumento e


uma justificação das aspirações de dominação europeia sobre o mundo.

Em 1663, Thomas Hooke fixou como objectivo aumentar o conhecimento


das coisas naturais e de todas as artes úteis, manufacturas, práticas
mecânicas, máquinas e invenções pela via da experimentação ⇒ Divisão
entre os modos de conhecimento.

O triunfo das ciências da natureza segundo o modelo cartesiano e Newtoniano


produziu, a partir dos séc. XVI e XVII, uma transformação profunda na representação e
na organização do universo dos saberes.

Na cultura antiga e medieval o estudo dos universos natural, humano e divino não se
encontravam separados, mas genericamente reunido no estudo da “Filosofia”.

2
Introdução às Ciências Sociais

O triunfo do paradigma das ciências da natureza coincidiu com uma separação


cultural e social entre a ciência e a Filosofia:

 Ciência: passou a designar o estudo matemático e experimental, factual e objectivo


de fenómenos observáveis. A busca de leis universais da natureza que se mantivessem
verdadeiras para lá das barreiras de espaço e de tempo.

 Filosofia: passou a identificar-se com a reflexão subjectiva e posições de valor não


susceptíveis de resolução experimental. À medida que o trabalho experimental e
empírico se tornava cada vez mais crucial para a visão da ciência, a Filosofia surgia
cada vez mais como mera substituta da teologia (afirmações de verdades a priori, não
passíveis de serem postas à prova).

Desta separação resultaram 2 universos de estudo e de formação – 2 culturas –


progressivamente marcados pela incomunicabilidade entre os seus representantes e
instituições de formação:

 De um lado, a ciência (a matemática e as ciências da natureza matematizadas);

 Do outro lado, as humanidades (universo disperso de que passaram a fazer parte os


estudos das artes, das letras e da Filosofia).

A luta epistemológica por aquilo que se considerava ser o conhecimento legítimo já não
era uma luta para saber quem havia de controlar o conhecimento relativo à natureza,
mas antes uma luta em torno de quem havia de controlar o conhecimento relativo ao
mundo humano.

3
Introdução às Ciências Sociais

Factores e condições históricas da emergência e da institucionalização das


Ciências Sociais:

1) Factores sócio-políticos:
As transformações e as crises sócio-políticas (de que a Revolução Francesa e a
Revolução Industrial foram processos marcantes), com a derrocada das estruturas
feudais, a formação do Estado moderno e o desenvolvimento da organização
industrial da economia criaram (durante o séc. XVIII e o início do séc. XIX) uma
forte necessidade social no sentido do surgimento das Ciências Sociais.

A expansão do Estado moderno em confronto com as pressões no sentido da


mudança social exercidas pelas novas realidades económicas e sociais fez surgir:
- A necessidade de o Estado possuir um conhecimento sobre o qual basear as
suas decisões, organizando e racionalizando a mudança social;
- A necessidade do estudo objectivo da realidade social para o entendimento
das regras que lhe subjaziam.

2) Condições institucionais:
A institucionalização das Ciências Sociais passou por uma revitalização e
reorganização da Universidade, com o declínio da faculdade de teologia e a
progressiva subdivisão da faculdade de Filosofia em várias disciplinas.
A subdivisão disciplinar (faculdades, departamentos, cursos) assentou no
pressuposto de que a investigação sistemática exigia uma concentração
especializada de estudantes e investigadores nos múltiplos domínios da realidade.
Esta reorganização envolveu a progressiva integração dos cientistas naturais na
Universidade como fonte de prestígio e de atracção dos apoios do Estado; ao
mesmo tempo a Universidade passou a ser o espaço privilegiado da tensão entre
humanidades e as ciências exactas e naturais.

Os pensadores europeus começaram a reconhecer a existência, no mundo, de múltiplas


espécies de sistemas sociais, cuja variedade se impunha explicar. Foi neste contexto
que a Universidade foi revitalizada nos finais do séc. XVIII e princípios do séc. XIX,
tornando-se o lugar institucional preferencial para a criação de conhecimento ⇒
Processo de revitalização e transformação: as faculdades de teologia perderam a
4
Introdução às Ciências Sociais

importância; as faculdades de medicina mantiveram a sua função de centros de


formação prática (conhecimento científico aplicado). Foi no interior das faculdades de
Filosofia que foram erigidas as modernas estruturas do conhecimento.

A história intelectual do séc. XIX é marcada pelo processo de disciplinarização e


profissionalização do conhecimento. A criação de disciplinas múltiplas teve por
premissa a crença segundo a qual a investigação sistemática exigia uma concentração
especializada nos múltiplos e distintos domínios da realidade.
O crescimento das academias reais durante o séc. XVII e XVIII reflectem a disposição
de promover as ciências naturais por parte doas governantes. Os cientistas não
precisavam sequer das Universidades para levarem a cabo o seu trabalho.
Foram os historiadores, os classicistas, os estudiosos das literaturas nacionais, quem
mais fizeram para revitalizar a Universidade durante o séc. XIX, usando-a como um
mecanismo para a obtenção de apoio estatal ao seu trabalho de investigação.
O resultado foi q a partir de então as Universidade passaram a ser o espaço privilegiado
da permanente tensão entre as artes (humanidades) e as ciências.
Em muitos países (Grã-Bretanha e França) era necessário organizar e racionalizar a
mudança social que surgia agora como inevitável num mundo em que a soberania do
povo passava cada vez mais a constituir a norma. Mas primeiramente se impunha
estudar e entender as regras dessa mudança social. Verificava-se, assim, uma profunda
necessidade social no sentido do seu surgimento.

→ As 2 condicionantes fundamentais que moldaram a emergência e a


configuração do espaço e do lugar das Ciências Sociais na estrutura moderna dos
saberes foram:

- A imposição das ciências da natureza como verdadeira ciência e por isso como
modelo único para todos os saberes com pretensão de cientificidade;

- A separação cada vez mais rígida e estanque dos saberes em 2 esferas distintas: uma
centrada na determinação factual das relações de causalidade entre fenómenos
(ciências), a outra na exploração interpretativa, reflexiva e estética das obras
culturais (humanidades). Traduziu-se a partir do séc. XIX na distinção e separação
das faculdades de ciências e das faculdades de letras.
5
Introdução às Ciências Sociais

Surge assim no séc. XIX ao desejo de fundar sobre a experiência e a organização social
dos homens um conhecimento de natureza científica, isto é, um conhecimento não
especulativo e objectivo. Esta aspiração começou por encontrar espaço de
desenvolvimento em 2 domínios de investigação principais:

1. A investigação histórica, não mais centrada na hagiografia das casas reais, mas
na reconstituição documentada das histórias dos povos e das nações. A história
passaria a se tornar um verdadeiro relato do passado, capaz de explicar o
presente e de oferecer as bases para uma escolha avisada no futuro.

2. A recolha de dados quantificáveis sobre a realidade social e o estabelecimento


das regularidades observáveis entre eles seguindo a inspiração newtoniana das
ciências da natureza.

Num universo de saberes onde as ciências da natureza se transformavam em paradigma


da “ciência”, o espaço que as Ciências Sociais emergentes forjavam no universo dos
saberes ficou definido por uma estrutura cruzada de polaridades e antagonismos:

⇒ Polaridades epistemológicas constitutivas das Ciências Sociais:

1. Uma polaridade relativa à natureza específica do seu objecto: oposição entre


uma concepção determinista da acção e uma concepção não-determinista da
acção e da organização social humanas.

Determinismo → é a afirmação de que qualquer fenómeno (incluindo


o comportamento humano) é determinado por causas e de que as
mesmas causas produzem os mesmos efeitos, segundo leis necessárias
que a ciência tem como função descobrir e lhe permitem fazer
previsões.

Não-determinismo → dá relevo à interferência da consciência da


vontade e da criatividade no desenrolar das acções humanas e ao
carácter sempre particular e não reprodutível dos contextos dessa
acção.
6
Introdução às Ciências Sociais

2. Uma polaridade epistemológica (relativa ao modo de conhecimento da realidade


humana) passou a opor uma orientação ideográfica a uma orientação
nomotética.

Orientação nomotética → o conhecimento das Ciências Sociais


obter-se-ia investigando as relações regulares, constantes e universais
entre os fenómenos com o objectivo da enunciação de leis.

Orientação ideográfica → o conhecimento dos fenómenos humanos e


sociais formar-se-ia pela descrição e interpretação de contextos
particulares e de casos individuais.

A ciência newtoniana havia triunfado sobre a Filosofia (especulativa), afirmando-se


como a incarnação mesma do prestígio social no mundo do conhecimento. A ciência foi
proclamada como sendo a descoberta da realidade objectiva através do recurso a um
método que nos permitia sair para fora da mente, ao passo que aos filósofos não se
reconhecia mais do que a faculdade de cogitar e de escrever sobre as suas cogitações.

A constituição do espaço das Ciências Sociais foi dominado, na passagem do séc. XIX
para o séc. XX, pelo confronto entre 2 grandes concepções cujo antagonismo
atravessou todas e cada uma das Ciências Sociais em formação:

1. O Positivismo → defende a unicidade do método cientifico e a possibilidade de


aplicar ao estudo dos fenómenos humanos e sociais a mesma metodologia
experimental que, nas ciências da natureza, conduzira ao estabelecimento das
leis universais da física e da química. Na 1ª metade do séc. XIX, Comte e Mill
procuraram estabelecer as regras que iriam presidir às análises o mundo social.
Para Comte, a física social iria permitir a reconciliação da ordem e do progresso
ao entregar a solução dos problemas sociais a um número reduzido de
inteligências de elite dotados do nível de instrução adequado. Os filósofos
tornar-se-iam “especialistas em generalidades” = iriam aplicar ao mundo social
a lógica da mecânica celeste. A ciência positiva visava a libertação total
relativamente à teologia e à metafísica.

7
Introdução às Ciências Sociais

2. A Hermenêutica → as Ciências Sociais, através da interpretação dos elementos


significativos e intencionais de cada contexto, visam a compreensão dos
processos e produtos da acção humana. O termo hermenêutica designa a
interpretação de todas as acções e realizações humanas com vista a compreendê-
las, isto é, a apreender o seu sentido. Wilhelm Dilthey foi o primeiro
sistematizador da distinção entre explicar e compreender como base da
separação entre as ciencias da natureza e as ciencias do espirito.

⇒ Polaridades ideológicas constitutivas das Ciências Sociais:

1. Para os que admitiam o carácter determinístico da realidade social, o objectivo


final das Ciências Sociais, ao descobrirem as leis que governavam a organização
e a mudança sociais, era de porem-se ao serviço do controlo racional dessas
mudanças pelos poderes públicos e pelo Estado (reconciliando a ordem e o
progresso). Modelos tecnocráticos das Ciências Sociais – fornecedoras de
conhecimentos especializados ao serviço do governo das sociedades;

2. O carácter não determinístico da acção humana - valorização da inventiva e da


imaginação. Modelos “críticos” de Ciências Sociais - vocacionados para a
determinação das contradições e arbitrariedades da ordem social vigente, muitas
vezes a partir do estudo comparativo e histórico de formas alternativas de vida
social e cultural (o campo conservador e o campo radical).

8
Introdução às Ciências Sociais

 A institucionalização e organização das


distinções disciplinares das Ciências Sociais:

Só no período de 1850 a 1914 é que a diversidade intelectual reflectida nas estruturas


disciplinares das Ciências Sociais teve um reconhecimento formal por parte das
principais Universidades, sob as formas por que hoje as conhecemos.
A criação das múltiplas disciplinas das Ciências Sociais inseriu-se no esforço global
empreendido pelo séc. XIX no sentido de garantir e de fazer avançar um conhecimento
objectivo sobre a realidade na base de achados empíricos -- Aprender a verdade, em
vez de a inventar ou intuir.

Relativamente à organização das Ciências Sociais 2 tendências principais se afirmaram


no séc. XIX:

1. Uma defendeu a constituição de uma ciência unificada da sociedade no quadro


de uma hierarquia de ciências que incluía já a Astronomia, a Química e a Biologia.
Comte criou a designação inexistente de Sociologia;

2. Outra defendeu a diferenciação em disciplinas especializadas concentradas


sobre “assuntos” específicos da realidade social e cultural do homem.

Foi a tendência para a especialização que prevaleceu.

- Institucionalização das Ciências Sociais nas Universidades: sistema de formação


baseado na distinção competitiva de faculdades, departamentos e graus académicos que
favoreceu a tendência dos investigadores de cada disciplina para acentuar o que a
distinguia das demais.

- Especialização da investigação: criação de associações nacionais e internacionais


e de revistas científicas.

Esta evolução conduziu, no 1º quartel do séc. XX, à estabilização das principais


Ciências Sociais sob as designações disciplinares que hoje conhecemos.

9
Introdução às Ciências Sociais

→ As principais divisões disciplinares na formação das Ciências


Sociais:

• História: Foi a primeira disciplina a adquirir uma existência institucional


autónoma. O que distinguia a nova disciplina da história era a ênfase rigorosa por ela
posta na descoberta de “o que aconteceu efectivamente”, por oposição a contar histórias
imaginadas ou exageradas. O historiador não deve buscar a informação nem nos
registos já existentes, nem nos processos do seu próprio pensamento, mas antes num
espaço onde é possível reunir, armazenar, controlar e manipular uma informação
objectiva e exterior (o laboratório ou arquivo).
A rejeição comum da Filosofia especulativa aproximou a história e a ciência enquanto
modos de conhecimento “modernos”. Ao longo de todo o século XIX, a maioria dos
historiadores insistiu na ideia de que pertencia às faculdades de letras e se mostrou
renitente em identificar-se com as Ciências Sociais.
Institucionalizou-se como ciência logo no início do séc. XIX, opondo-se à
historiografia pré-científica pela análise crítica das fontes e pelo privilégio concedido
aos testemunhos directos como base para a reconstituição objectiva dos acontecimentos
passados e a recusa em extrapolar dos contextos sociais para a formulação de
generalizações ou leis universais → orientação marcadamente ideográfica.

• Economia: Com a expansão da produção e das trocas comerciais e com a


crescente competição entre os Estados para ocuparem a melhor posição nesse domínio,
desenvolveram-se já no séc. XVIII os estudos centrados nos factores gerais da “riqueza
das nações” = a economia política.
Estes estudos evoluíram para a investigação dos processos universais (leis) da formação
dos preços, rendimentos, juros e salários tal como eles decorreriam em condições ideais
de livre concorrência entre indivíduos → conferiu à economia a sua autonomia
disciplinar e uma orientação preponderantemente nomotética.
Ao descartarem o adjectivo “política”, os economistas ficavam em condições de
defender que o comportamento económico era reflexo de uma psicologia individualista
universal e não de instituições socialmente construídas, argumento que pôde então ser
utilizado para afirmar o carácter natural dos princípios do Laissez-Faire. - Estudo
voltado para o presente.

10
Introdução às Ciências Sociais

• Ciência Política: Estabeleceu como objectivo a descoberta de princípios


universais e autónomos (objectivos) de toda a acção ou organização políticas, que não
deveriam ser confundidos nem com os valores morais (Filosofia política) nem com as
normas jurídicas (Direito). → orientação nomotética.
O Estado e as estrutura governamentais formais tornaram-se os objectos privilegiados
desta ciência social.

• Sociologia: Para o seu inventor, Auguste Comte, haveria de ser a rainha das
Ciências Sociais. Uma ciência social integrada e unificada e caracterizada perlo
“positivismo”. Desenvolvera-se no decurso da 2ª metade do séc. XIX, principalmente a
partir da institucionalização e da transformação, dentro das Universidades, do trabalho
realizado pelas associações para a reforma da sociedade (o mal-estar e os desequilíbrios
vividos pelo número imparável da população operária urbana).
A sociologia tendeu a concentrar-se no estudo das relações e dos problemas da
sociedade nascida das duas grandes revoluções, industrial e democrática, para o que
muito contribuiu a institucionalização universitária do conhecimento formado no
trabalho das associações humanitárias de reforma social -- Humanitarismo: corrente
intelectual do séc. XIX cujo objectivo era contribuir para a resolução de problemas
sociais concretos.
A vontade de conferir a esse conhecimento um carácter positivo e objectivo
(independente dos valores e das ideologias) levou a sociologia a aplicar aos problemas
sociais métodos de pesquisa (inquéritos, estáticas oficiais, etc.) e formas de análise que
permitissem estabelecer relações de causa-efeito entre esses problemas e regras gerais
(leis) da organização social humana. → orientação nomotética.

• Antropologia: A sua origem entronca, fora da Universidade, na recolha de


informação sobre os povos que habitavam as regiões de África, das Américas, da
Oceânia que desde o séc. XVI tinham sido objceto da expansão e da colonização
europeias (conhecimento desordenado e de valor desigual quanto ao método e quanto
aos conteúdos).
Na institucionalização universitária deste conhecimento espontâneo pesou o propósito
de submetê-lo a processos metodológicos e instrumentos conceptuais conformes com
os padrões admitidos de objectividade cientifica.

11
Introdução às Ciências Sociais

A antropologia surgiu assim inicialmente como estudo específico das sociedades dos
povos colonizados, enquanto as outras Ciências Sociais se concentravam sobre a
realidade social dos países ocidentais.
Metodologicamente, a antropologia privilegiou as etnografias particulares dos povos,
através da presença prolongada do antropólogo no seio da sociedade estudada
(“observação participante”). → orientação ideográfica.

• Estudos orientais: Estudo dos povos não europeus que eram dotados de um
grau elevado de “civilização”, nalguns casos mais antigo do que a europeia: a China, a
Índia e o Islão. Começaram por se desenvolver no interior da igreja como auxiliares da
evangelização. No séc. XIX, com a secularização universitária, passaram a situar-se
próximo dos chamados estudo clássicos (voltados para a vida social e cultural das
civilizações da Antiguidade mediterrânea, como a Grécia e Roma). → orientação
ideográfica.
Os estudos orientais estavam mais próximos das humanidades do que das Ciências
Sociais. Exigia a leitura minuciosa dos textos que eram a incarnação da sua sabedoria, o
que exigia capacidades linguísticas e filológicas semelhantes às dos monges no estudo
dos textos cristãos. Pretendia-se alcançar uma compreensão e avaliação correcta do
conjunto de valores e práticas que estavam na origem de civilizações que, embora
consideradas avançadas, eram vistas como estáticas.

Durante o séc. XIX e início do séc. XX outras disciplinas reivindicaram um novo


estatuto científico, mas a sua inserção no campo das Ciências Sociais começou por ser
mais problemática, porque o seu centro de interesses ficava de fora da delimitação de
fronteiras imposta pelas outras disciplinas, ou se situavam num limite ambíguo. Foi o
caso das seguintes disciplinas:

• Geografia: Não começou por se impor como uma ciência social. O papel do
espaço foi relativamente negligenciado pelas Ciências Sociais emergentes, como sendo
um aspecto meramente contextual e residual dos fenómenos sociais. Nos finais do séc.
XIX a geografia procedeu à sua reconstrução como disciplina nova, mas resistiu à
categorização. Procurou fazer a ponte entre as ciências da natureza (geografia física) e
as humanidades (geografia humana). A geografia tornou-se anacrónica devido ao seu
pendor generalista, sintetizante e não analítico.

12
Introdução às Ciências Sociais

• Psicologia: A ruptura da psicologia científica com a psicologia filosófica (de


carácter reflexivo e introspectivo) começou por fazer-se, no séc. XIX, através da
imposição de uma perspectiva predominantemente fisiológica do estudo do
comportamento humano individual.

• Estudos jurídicos: Centrados na formação e na comparação das normas


jurídicas, desenvolveram-se predominantemente nas faculdades de Direito. O carácter
normativo das leis do direito enquanto elementos da organização social (“dever ser”),
colocou os estudos jurídicos relativamente à margem dos propósitos de objectividade
que caracterizavam as Ciências Sociais emergentes.

Todo o processo de institucionalização das Ciências Sociais teve lugar ao mesmo


tempo que a Europa confirmava o seu domínio sobre o resto do mundo. A Europa fora
quem havia patenteado um poderio militar mais forte e eficaz. A secularização do
conhecimento promovida pelo Iluminismo foi confirmada pela teoria evolucionista e as
teses de Darwin alastraram muito além das suas origens biológicas.

No processo de institucionalização das Ciências Sociais, a separação dos centros de


interesse e campos de investigação das diversas Ciências Sociais tendeu a operar-se de
acordo com a separação das realidade sociais estudadas em 2 eixos determinantes:
- A localização temporal (presente versus passado);
- A localização geográfica e cultural (sociedades europeias versus sociedades não
europeias).

A institucionalização das diversas Ciências Sociais autónomas, ao acentuar a


demarcação entre campos de estudo distintos na realidade social respondeu à pressão
universitária no sentido da especialização académica. Este processo ocorreu em 1º
lugar nas Universidades dos países europeus mais poderosos na transição do séc. XIX
para o séc. XX (Inglaterra, França, Alemanhas, Itálias) e também nos EUA. ⇒
Repartição da realidade social = reflexo de uma situação histórica do mundo e dos
povos e de uma certa imagem que as sociedades saídas da revolução industrial tinham
da sua posição em relação ao mundo: Supremacia militar e política dos europeus e seus
descendentes sobre grande parte do mundo = distinção entre sociedades ocidental,
civilizações orientais e sociedades primitivas = objectos de estudo distintos.

13
Introdução às Ciências Sociais

Esta separação foi reforçada por uma das premissas mais fortes dos séc. XVIII e XIX:
• Evolucionismo: consiste em afirmar que toda e qualquer realidade (incluindo a
sociedade e a cultura) se formam pela passagem de formas “primitivas” para estádios
sucessivamente mais ricos e complexos de organização (Teoria da evolução de Charles
Darwin).
No período de institucionalização das Ciências Sociais, a separação das disciplinas
segundo campos de estudo histórica e geograficamente separados retirava assim uma
justificação suplementar do facto de essa separação parecer adaptar-se a realidades
sociais que se distinguiriam por pertencerem a “estádios de evolução” diferentes.
A perspectiva evolucionista favorecia o desejo de comparação dos conhecimentos sobre
civilizações diferentes e de construção de sínteses teóricas que englobassem, num
percurso supostamente único de evolução da humanidade as informações das diversas
Ciências Sociais.

Entre 1850 e 1945 houve uma série de disciplinas que passaram a ser definidas como
fazendo parte de uma área do conhecimento a que foi dado o nome de Ciências Sociais
= criação, nas principais Universidades, de cátedras e departamentos que ofereciam
cursos conducentes à obtenção de graus nessa disciplina. A institucionalização da
formação foi acompanhada pela institucionalização da investigação: criação de revistas
especializadas, associações de investigadores, catalogação das colecções das
bibliotecas. = esforço no sentido de definir aquilo que as distinguia das demais.
A maior parte das ciências nomotéticas privilegiaram aquilo que as distingui da
história: o interesse em chegar às leis gerais que supostamente regem o comportamento
humano, a prontidão em detectar quais os fenómenos a estudar como casos, a
necessidade de segmentar a realidade humana para poder analisá-la, a possibilidade e a
vantagem de recorrer a métodos estritamente científicos, a opção por provas produzidas
de forma sistemática e pela observação controlada.

A I Guerra Mundial (1914-1918), a recessão económica e as grandes convulsões sociais


e políticas que conduziram à II Grande Guerra, abalaram a crença na evolução
progressiva das sociedades ⇒ declínio das tentativas de comparação entre sociedades e
civilizações e reforço da tendência para a especialização.
A II Guerra Mundial iria criar um fosso cada vez mais fundo entre, de um lado, as
práticas e posições intelectuais dos cientistas sociais e, de outro lado, a organização
formal das Ciências Sociais.
14
Introdução às Ciências Sociais

OS GRANDES DEBATES NAS CIÊNCIAS SOCIAIS APÓS 1945

 Factores e condições da reorganização da estrutura


das Ciências Sociais após 1945:

Após 1945, três desenvolvimentos vieram afectar profundamente a estrutura das


Ciências Sociais:
1. Mudança da estrutura política mundial = Hegemonia dos Estados Unidos num
mundo que passou a partilhar com uma super potência concorrente (Guerra Fria entre
EU e URSS)
2. A reafirmação histórica dos povos não ocidentais que conduziu aos processos de
descolonização;
3. O mundo conheceu a sua maior expansão quer da sua capacidade produtiva quer
da população = aumento em escala de todas as actividades humanas (expansão
económica e demográfica a nível mundial);

Estas alterações globais tiveram consequências significativas no domínio da


investigação científica e das Ciências Sociais em particular:
1. Expansão quantitativa e geográfica das universidades e dos investigadores;
2. As instituições dos EUA passaram a ocupar um lugar central no mundo
científico, o que se traduziu numa redefinição das prioridades dos cientistas sociais;
3. A afirmação política dos povos não europeus fez emergir a crítica sistemática
dos pressupostos políticos que estavam presentes nos modelos intelectuais da Ciências
Sociais;
4. A expansão dos sistemas universitários e do número de investigadores
favoreceu a hiper-especialização da pesquisa, mas também a intromissão recíproca dos
cientistas sociais nas fronteiras tradicionalmente estabelecidas entre as Ciências
Sociais;
5. O investimento económico favoreceu a pesquisa orientada para as aplicações
práticas e para o desenvolvimento de políticas específicas. – Maior cientificação da
Ciências Sociais.

O fim da dominação política do ocidente sobre o resto do mundo fez com que novas
vozes dessem entrada na cena política e nas Ciências Sociais.

15
Introdução às Ciências Sociais

 Implicações organizativas e epistemológicas da reestruturação das Ciências


Sociais:
Como consequência destas transformações resultou o reequacionamento crítico de 3
aspectos basilares da construção e organização do Espaço das Ciências Sociais entre
1850 e 1945:

1) O problema da validade das distinções entre as Ciências Sociais :

Estudo do mundo moderno ≠ Estudo do mundo não moderno


↓ ↓
História e as 3 Ciências nomotéticas Antropologia e Estudos Orientais
↓ ↓
Passado Presente = Estudo do mercado (Economia)
Estudo do Estado (Ciência Política)
Estudo da sociedade civil (Sociologia)

Após 1945 cada uma destas linhas viria a ser posta em causa.

A necessidade por parte das potências mundiais de formar especialistas no


conhecimento das realidades actuais de regiões do mundo que se estavam a tornar
politicamente activas levou à criação do estudo por áreas, visando um reagrupamento
do trabalho intelectual.
• Área – uma vasta zona geográfica dotada de uma suposta coerência cultural,
histórica e muitas vezes linguística.
Ao incentivarem, dentro do estudo de cada área, a colaboração entre cientistas Sociais
de disciplinas e de orientações epistemológicas diversas, os estudos por áreas tornaram-
se por definição multidisciplinares ( Os EU necessitavam de conhecimento e de
especialistas das realidades actuais das várias regiões, principalmente agora que estas se
estavam a tornar politicamente activas).
• Reformulação das divisões institucionais das Ciências Sociais:

16
Introdução às Ciências Sociais

a) Historiadores e cientistas Sociais nomotéticos encontram-se no estudo


de áreas não-ocidentais;
b) Os antropólogos deixam de ter na etnografia a actividade
exclusivamente definidora da sua prática. Os métodos da história e das Ciências Sociais
nomotéticas tanto eram aplicados às regiões não ocidentais como à Europa e à América
Norte.
c) Distinção entre os terrenos específicos da etnografia e dos estudos
orientais perde pertinência. A intromissão no mundo não ocidental destruiu a lógica a
favor da existência de 2 terrenos distintos.
d) Os estudos orientas dissolvem-se no departamentos de história e de
humanidades sob a forma de estudos culturais.

Os estudos por áreas vieram afectar a estrutura dos departamentos de história e das
Ciências Sociais nomotéticas. Surgiram novas revistas transdisciplinares.

O estudo por áreas e a pesquisa multidisciplinar demonstraram a artificialidade das


bases intelectuais em que assentavam as divisões institucionais das Ciências Sociais:
• A distinção entre o mundo ocidental e não ocidental;
• A distinção entre estudos do passado e do presente.

Os estudos por áreas, pelo seu carácter multidisciplinar, puseram em causa a validade
da distinção ontológica entre sociedades ocidentais e não ocidentais.

Teoria da Modernização - estabelece que existe uma via de modernização


(ou de desenvolvimento) comum a todos os povos, nações e regiões, mas
que estas não se encontram todas no mesmo ponto dessa via.

A teoria da modernização esteve na base da implementação, por parte dos estados, de


políticas de ajuda ou de promoção do desenvolvimento das regiões manos
modernizadas.

17
Introdução às Ciências Sociais

Estas políticas reforçaram a organização multidisciplinar da pesquisa social porque


levaram cientistas Sociais de formação diversa a agruparem-se em torno de projectos
comuns, como forma de captação dos fundos públicos disponibilizados.

Desenvolvimento – processo através do qual um país ia avançando na via


universal a caminho da modernização.

Consequência intelectual da teoria da modernização → considerar o desenvolvimento


histórico do mundo ocidental como uma concretização progressiva e precoce da
modernização. → Favoreceu a diluição das fronteiras entre História ideográfica e
Ciências Sociais nomotéticas:
a) Certas correntes da história, cuja orientação era ideográfica, admitiram a
possibilidade de generalizações das Ciências Sociais nomotéticas ajudarem na
compreensão do passado (recurso a instrumento de análise quantitativos);
b) Os cientistas sociais nomotéticos, originalmente virados para o estudo do
presente, passarão a equacionar o interesse de dados não contemporâneos para a
construção de modelos explicativos: através da aplicação de teorias, modelos e
procedimentos das Ciências Sociais a dados provenientes do passado; e através
da sociologia histórica com o objectivo de aplicar os padrões genéricos que
explicam e interpretam transformações Sociais complexas.

→ Reformulação da distinção entre as Ciências Sociais nomotéticas - crescente


sobreposição das fronteiras entre a sociologia, a economia e a ciência política:

a) Tendência de cada ciência social para colocar sob o ângulo dos seus conceitos e
metodologias próprios objectos tradicionalmente atribuídos a outras disciplinas:
• Sociologia: alarga-se ao estudo das condições e processos Sociais que
condicionam os comportamentos económicos (sociologia económica) e políticos
(sociologia política) – início da década de 50;
• Ciência Política: alarga o seu interesse aos processos e colectivos Sociais e
económicos que influenciam as instituições políticas formais. Redefiniram o seu
objecto de estudo de maneira a integrar todos os processos Sociais com
implicações ou intenções políticas – grupos de pressão, movimentos de protesto,
organizações comunitárias;
18
Introdução às Ciências Sociais

• Economia: algumas correntes recolocam no centro do seu interesse a influência


das decisões políticas na regulação dos processos económicos, enquanto outros
aplicam modelos económicos dos estudos do mercado a temas da sociologia. A
linha que os separava da ciência política tornou-se menos nítida, uma vez que o
objecto de análise passou a centrar-se nas políticas dos governos e das agências
inter-governamentais (a família ou o desvio social).
b) Tendência para os debates internos de cada ciência social para obedecerem a
oposições comuns ou extravasarem para cada uma das outras ciências;
c) Tendência para a sobreposição das metodologias de cada uma das Ciências
nomotéticas – sobreposição crescente do conteúdo e da metodologia das 3 disciplinas;
d) Vinculação progressiva às técnicas quantitativas e a modelos matemáticos.

→ Problemas da multidisciplinaridade e da interdisciplinaridades na Ciências


Sociais:
a) Problemas de natureza organizativa relativos à localização e à relação
institucional das disciplinas:
• Diluição das linhas de fronteira quanto aos objectos de estudo e modalidades
de tratamento de dados tornou progressivamente mais difícil distinguir entre se as
diversas Ciências Sociais;
• Alargamento dos tópicos admitidos de estudo afectou a homogeneidade
interna de cada disciplina, coma proliferação de especializações e subdesignações;
• As dúvidas sobre a coerência das disciplinas e da legitimidade da respectiva
existência autónoma deram origem a propostas institucionais de novas
“designações interdisciplinares” (Ciências da educação, da comunicação, etc.);
• Multiplicaram-se as designações de novas disciplinas.

b) Problemas de natureza epistemológica sobre o valos efectivamente acrescentado


pela interdisciplinaridade:
• Para os defensores da interdisciplinaridade – permite a resolução de
problemas teóricos e empíricos que não podem ser resolvidos no âmbito das
disciplinas particulares e suscita problemas novos que não são colocados por cada
uma das Ciências Sociais isoladamente;

19
Introdução às Ciências Sociais

• Para os mais cépticos, a interdisciplinaridade não resolve a crise de


legitimidade das disciplinas existentes, antes representa uma concessão que
impede a reformulação da organização epistemológica das ciências em termos
totalmente novos.

2) O problema da universalidade dos resultado das Ciências Sociais :

Ao definirem-se como “Ciências” – por oposição às humanidades – as Ciências sociais


propuseram-se fornecer um saber universalmente válido, independentemente da sua
situação histórica, geográfica ou social.
As humanidades, as Ciências naturais e as Ciências Sociais tiveram de travar uma luta
incessante e em diversas frentes (intelectual, ideológica e política) para poderem manter
as suas pretensões de universalidade. O universalismo de toda e qualquer disciplina
assenta numa mistura específica e dinâmica de aspirações intelectuais e de práticas
Sociais. A mudança assume a forma de uma adaptação, ou seja, de um subtil
apuramento contínuo, quer das lições universais que supostamente são transmitidas,
quer dos modos como essa transmissão se processa. Historicamente, a partir do
momento em que uma disciplina se institucionalizou, passou a ser difícil pôr
efectivamente em causa as suas pretensões universalistas.

→ Critérios de universalidade no conhecimento científico:


• Previsão: capacidade das teorias para anteciparem a ocorrência de fenómenos
ainda não observados ou não explicados;
• Controlo: capacidades dos modelos explicativos para permitirem modificar os
efeitos ou criar efeitos desejados intervindo sobre as suas causas;
• Quantificação: capacidade dos conceitos para exprimir as características dos
fenómenos em variáveis mensuráveis passíveis de serem comparadas e tratadas de
acordo com operações matemáticas formalmente válidas para qualquer sujeito
racional.

20
Introdução às Ciências Sociais

A reivindicação de universalidade por parte das Ciências Sociais começou por inspirar-
se no modelo newtoniano das Ciências da natureza. Esta homologia é problemática nas
Ciências sociais porque:
• Nas Ciências da natureza, a distinção entre sujeito e objecto é nítida;
• Nas Ciências Sociais, existe uma indistinção fundamental entre o sujeito e o
objecto de estudo, porque o objecto de estudo engloba os investigadores (sujeito)
e porque as pessoas investigadas (objecto) podem entrar em diálogo ou conflito
com a interpretação dos investigadores.

A partir dos anos 60 emerge um conjunto de críticas sistemáticas relativamente à


forma como as Ciências Sociais se tinham constituído nas universidades do mundo
ocidental:
• O carácter julgado ilusório das pretensões universalistas dos conceitos e
modelos explicativos aplicados a todas as sociedades;
• A dependências da definição daquilo que é definido como universal em
relação às relações de poder estabelecidas entre grupos humanos e, mais
concretamente, em relação à perspectiva dos grupos dominantes.

O questionamento da pretensão universalista das Ciências sociais partiu de 2


movimentos Sociais e orientações intelectuais:
• A crítica feminista: críticas relativamente aos mecanismos em que assenta a
dominação masculina e os pressupostos organizativos e epistemológicos das
Ciências Sociais. Contrapôs à pretensão de universalismo o carácter parcial e
particularista que resultaria do facto de elas assumirem irreflectidamente os
preconceitos constitutivos da dominação masculina.
• A crítica anti-eurocêntrica: A reafirmação política da posição dos povos não
europeus e não ocidentais no contexto mundial, a expansão mundial dos sistemas
universitários e o crescente recrutamento de estudantes e investigadores de várias
regiões do mundo, potenciou a contestação dos pressupostos e mecanismos da
dominação ocidental se estendessem também aos preconceitos políticos e
ideológicos das Ciências Sociais. Sublinhou o modo como a institucionalização
das Ciências Sociais nas universidades ocidentais, no séc. XIX e início séc. XX,
constituiu em falso universalismo uma perspectiva exclusivamente ocidental sobre
a sociedade e a cultura humana.

21
Introdução às Ciências Sociais

Deste movimentos críticos surgiram 2 tipos de questionamentos:

a) Questionamento político: Incidiu sobre o recrutamento dos investigadores dentro


das estruturas universitárias (predominavam indivíduos do sexo masculino, ocidentais,
de classes privilegiadas) e sobre o facto de provocar uma limitação particularista dos
tópicos estudados e das realidades investigadas pelos cientistas Sociais. Como solução
foi defendido o alargamento do campo social de recrutamento dos investigadores (às
mulheres, cidadãos não ocidentais) como condição de alargamento dos objectos e
interesses de investigação;

b) Questionamento epistemológico: Incidiu sobre o carácter culturalmente restritivo


e limitativo das premissas teóricas das Ciências Sociais e na incapacidade destas para
apreenderem de forma não enviesada maneiras diferentes de constituição do mundo
humano e da vida social. Como solução reivindicou-se a necessidade de descolonizar as
Ciências Sociais como forma de alargar o entendimento e o conhecimento das
sociedades e dos grupos Sociais. Isto passaria pela reabilitação intelectual dos modos de
pensamento e dos valores culturais próprios de grupos heterogéneos e de experiências
Sociais divergentes.

→ Tensão entre particularismo e universalismo no quadro actual das Ciências


Sociais: Como é que as Ciências sociais podem descrever um mundo desigual e
formular sobre ele afirmações verdadeiras, quando os próprios cientistas estão
enraizados neste mundo?

A admissão do pluralismo de interpretação do mundo coloca a crítica das Ciências


Sociais no cruzamento entre 2 alternativas:

a) Uma posição relativista e céptica – a competição entre perspectivas de sujeitos e


grupos situados em posição Sociais e culturais heterogéneas é irresolúvel, que a
neutralidade do investigador é em absoluto impossível e que a pretensão de
universalidade no estudo das realidades Sociais é infundada.

Relativismo = consiste na afirmação da impossibilidade de distinção de


valores absolutos no domínio do conhecimento ou da acção.

22
Introdução às Ciências Sociais

Cepticismo = consiste na afirmação da impossibilidade de se alcançar,


dentro dos limites da razão humana, a certeza de um conhecimento
verdadeiro.

b) Uma posição orientada para um universalismo pluralista – aceita a coexistência


de diferentes interpretações para um mundo que é incerto e complexo. Permite captar a
riqueza das realidades Sociais em que temos vivido e vivemos ainda.

3) O problema do lugar das Ciências Sociais na estrutura do saber:

A emergência da moderna ciência da natureza entre os séc. XVI e XVIII, segundo o


modelo newtoniano triunfante, impôs a divisão do universo dos saberes entre 2 campos
fundamentais (2 culturas):
• Ciências da natureza (experimentais, empíricas, centradas sobre dados
objectivos);
• Humanidades (reflexivas, subjectivas, centradas sobre valores).

As Ciências Sociais tenderam a tomar como referência de cientificidade o modelo


newtoniano das Ciências da natureza.

À medida que avançava o séc. XX, transformações significativas no interior de cada um


dos campos extremados no universo moderno dos saberes acabaram por abalar os
próprios pressupostos da divisão clássica das esferas do conhecimento e do saber e
recolocar em questão o posicionamento relativo das Ciências Sociais.

→ Desafios colocados pela crise do paradigma newtoniano nas Ciências da


natureza à distinção entre Ciências naturais e Ciências Sociais:

Desde os finais do séc. XIX que os próprios avanços no interior dos grandes pilares
nomotéticos do saber deram origem a significativas rupturas com os seus pressupostos (
o de carácter absoluto e o da previsibilidade):

23
Introdução às Ciências Sociais

• Matemática – desenvolvimento de sistemas lógicos geométricos


simultaneamente exactos e contraditórios, reconhecimento dos limites
formalmente insuperáveis da demonstração matemática;

• Ciências da natureza – o estudo de sistemas complexos e dinâmicos revelou


que estes não podem ser descritos ou previstos com base em leis imutáveis,
passaram a integrar conceito de relatividade e incerteza.

Ao abalarem a distinção estanque entre as características da realidade natural e da


realidade social e humana, estas transformações questionaram os termos da distinção
enter Ciências naturais e Ciências Sociais → Migração de problemáticas, conceitos,
operações e metodologias entre os dois universos científicos:
a) Noções e problemas tradicionalmente exclusivos dos estudos Sociais
(incerteza, indeterminação, irreversibilidade, instabilidade) são incorporados na
descrição científica de sistemas naturais complexos;
b) Métodos de análise do comportamento e evolução de sistemas
complexos desenvolvidos no estudo da natureza revelam-se proveitosos no
estudo do comportamento e evolução das realidades Sociais e históricas.

→ Desafios colocados pela emergência dos “estudos culturais” às fronteiras entre


as Humanidades e as Ciências Sociais:

Cruzando investigadores oriundos dos estudos literários e da antropologia, os Estudos


Culturais orientaram-se para 3 tipos de interesses temáticos:

• As investigações centradas na diferença (sexual, cultural, psicológica), de que


resulta uma atenção particular aos grupos, categorias e organizações Sociais
dominados ou marginalizados;

• Os estudos históricos e antropológicos de incidência local;

• O estudo das consequências e do valor social dos avanços tecnológicos.

24
Introdução às Ciências Sociais

As principais inovações dos estudos Culturais:

• Extensão de metodologias hermenêuticas e reflexivas à abordagem de


questões e objectos tradicionais das Ciências Sociais;

• Tratamento de problemas de valor que os postulados da objectividade e da


neutralidade remetem para as Humanidades.

Os Estudos Culturais estimularam formas de cooperação intelectual que eliminaram a


linha divisória entre as Humanidades e as Ciências Sociais.

→ O lugar das Ciências Sociais num contexto de transformação da estrutura dos


saberes:
• A tripartição Ciências da Natureza / Ciências Sociais / Humanidades continua
a ser determinante e dominante na organização institucional e epistemológica do
espaço dos saberes;
• No entanto, essa tripartição já não é indiscutível devido às transformações
epistemológicas, à migração de conceitos entre os diversos campos do saber e
pela cooperação de investigadores que tradicionalmente não comunicavam entre
si;
• As Ciências Sociais afirmam-se como espaço de “ponte” e reconciliação
potencial das “2 culturas” que se tinham tornado historicamente estanques.

25
Introdução às Ciências Sociais

PERSPECTIVAS PARA A RECONFIGURAÇÃO E A


REORGANIZAÇÃO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS

 Implicações dos debates posteriores a 1945 na


configuração das Ciências Sociais:
Os debates emergentes, depois de 1945, implicam uma reformulação e uma
reorganização da estrutura interna das Ciências Sociais. Esta necessidade de
reestruturação coloca-se a dois níveis: o da estrutura organizativa e institucional e o dos
pressupostos intelectuais.

• Implicações sobre a estrutura organizativa e institucional:


Ao constituírem-se como “disciplinas”, as Ciências Sociais desenvolveram estruturas
de controlo da formação e da carreira – graus académicos, publicações especializadas,
etc. – que reforçam a reprodução institucional das demarcações existentes.

A situação actual caracteriza-se:


- pela multiplicação de encontros multidisciplinares – em torno de temas específicos
– de pessoas que têm graus académicos nas mais diversas disciplinas;
- pelo aparecimento de estruturas “quase-disciplinares” (não enquadradas nas
disciplinas tradicionais, o que representa uma pressão sobre os recursos disponíveis e
mina o poder das disciplinas instaladas).


Necessidade de reorganização das bases institucionais das Ciências Sociais,
caracterizada por:
- dispersão organizativa das Ciências Sociais (proliferação de designações novas,
associada à disparidade dos espaços departamentais no inteiro das universidades);
- esbatimento do padrão trimodal (Ciências naturais, Ciências Sociais, humanidades)
que questiona não só as divisões internas nos departamentos, mas as próprias distinções
entre as faculdade;
- separação cada vez mais acentuada da investigação em relação ao ensino, o que
obriga à reformulação do papel da universidade como base organizativa de apoio à
investigação.

26
Introdução às Ciências Sociais

• Implicações sobre os pressupostos intelectuais:


A evolução da ciência moderna começou por fazer-se no sentido da busca de um
conhecimento objectivo, liberto de mitologias e da sabedoria reveladas ou aceites
(articulando-se com o desencantamento do mundo).
Para a realização desses objectivos, o paradigma triunfante de ciência após o séc. XVI
estabelecia como condições:
- A separação rigorosa entre o investigador e o objecto de estudo através de métodos
de controlo e de medida (condição de objectividade);
- O isolamento das condições gerais dos fenómenos, com vista ao estabelecimento de
leis independentes da inserção espácio-temporal concreta desses mesmos fenómenos
(condição de universalidade);
- A divisão dos problemas e dos objectos de estudo (especialização) com vista a
facilitar a obtenção e a acumulação de resultados (condição de progresso e eficácia do
conhecimento).

Depois do séc. XVI e XVII, as Ciências exactas e naturais, por reunirem tais condições,
tornaram-se em modelo de cientificidade para as Ciências Sociais.

Todavia, as próprias transformações das Ciências Naturais têm vindo a pôr em causa os
seus pressupostos newtonianos. As alterações dos pressupostos intelectuais
constitutivos das Ciências Sociais decorrem:

- da necessidade de desmantelar as fronteiras artificiais estabelecidas entre seres


humanos e natureza, com o reconhecimento de ambos fazem parte do mesmo universo
enformado pela flecha do tempo;

- da necessidade de considerar o investigador inserido no seu contexto social e físico


concreto, admitindo que toda a investigação científica interfere com a realidade
observada e que toda a conceptualização teórica implica orientações de valor e
pressupostos filosóficos;
- da necessidade de introduzir os factores tempo e espaço como variáveis
constitutivas da análise científica, do que resulta a perda do significado cognitivo da
distinção entre orientação nomotética e ideográfica);
27
Introdução às Ciências Sociais

- da necessidade de superar a separação artificial entre os domínios político,


económico e social.

 Perspectivas e orientações para uma “abertura” das


Ciências Sociais:
A alteração dos pressupostos organizativos e intelectuais das Ciências Sociais implica
uma superação das fronteiras que demarcaram entre si os espaços e as premissas dos
saberes das Ciências → Redefinição dos limites dentro dos quais as Ciências Sociais
inicialmente se confinaram.

Essa abertura passa por:

1) Reformulação da distinção entre Homem e Natureza:


Esta distinção cartesiana tende progressivamente a perder pertinência. Um e outro são
cada vez mais encarados como sistemas complexos, isto é, como realidades
multidimensionais cujos desenvolvimentos futuros resultam de processos
temporalmente irreversíveis e comportam sempre graus relativos de incerteza e de
inovação.
A complexidade (natural e social) não pode ser compreendida por redução analítica a
unidades simples, nem por divisão em problemas mais restritos, mas através de
modelos capazes de dar conta da multiplicidade das dimensões do real e das interacções
que entre elas se estabelecem.

As Ciências Sociais têm vindo a evoluir no sentido de um respeito cada vez maior pela
natureza. Ao mesmo tempo, as Ciências naturais têm vindo a evoluir no sentido de
encarar o universo como algo de instável e imprevisível, concebendo-o como uma
realidade activa e não como um automaton submetido ao domínio dos seres humanos
que de alguma forma se situam fora da natureza. Deve-se tentar tratar os seres humanos
e a natureza na sua complexidade e interelações.

28
Introdução às Ciências Sociais

2) Superação do Estado como molde analítico:


Tradicionalmente, a unidade política definida pelo Estado foi escolhida como
enquadramento privilegiado dos processos analisados nas Ciências Sociais.
Com a emergência dos estudos por “áreas”, também as sociedades não ocidentais
começaram por tornar-se objecto de análises “estadocêntricas”, em que os países
constituíam referências privilegiadas da pesquisa. O Estado tinha um papel central na
promoção do desenvolvimento, através de melhorias graduais implementadas por
especialistas cientificamente preparados.
O insucesso destas políticas de desenvolvimento, durante as últimas 2 décadas do séc.
XX, conduziu a uma crise de confiança na capacidade da organização estatal para
realizar os objectivos Sociais da “modernização”.
A ideia de que o Estado constituiria a unidade natural da organização social foi posta
em causa por 2 tendências que se impuseram nas Ciências Sociais:
- a tendência para a historicização da análise das sociedades contemporâneas,
através da utilização de períodos históricos alargados que ultrapassam os limites
temporais dos Estados actuais;
- o interesse pela análise de estruturas Sociais trans-estatais ou supra-estatais ou
infra-estatais.

3) Reformulação da relação entre o universal e o particular:


O paradigma moderno de ciência foi eleito como forma única de conhecimento válido e
rejeitou-se, assim, a validade de visões alternativas do mundo. O Evolucionismo (até
anos 30 séc. XX) e as teorias da modernização (depois 1945) foram 2 dos modelos
intelectuais que forneceram às Ciências Sociais base conceptual para a depreciação do
valor de vivências consideradas como “não modernas”.

O desafio que se coloca às Ciências Sociais é o de integrar no discurso científico uma


pluralidade de perspectivas e de valores que podem ser património da humanidade,
mostrando que ela é ao mesmo tempo condição necessária de um conhecimento mais
adequando e mais alargado dos processos Sociais (de um grau mais elevado de
universalismos).
Esse objectivo pode ser realizado:

29
Introdução às Ciências Sociais

- pela abertura de contactos entre disciplinas e experiências históricas


diferenciadas;
- pelo favorecimento do multilinguismo dos investigadores como condição de
comunicação culturalmente alargada. Apelo a uma Ciência Social de índole mais
multicultural ou intercultural.

4) Redefinição das condições de objectividade:


A concepção de “objectividade” sobre as quais começaram por fundar-se as Ciências
sociais correspondia ao ideal de estudiosos rigorosamente neutros (vertente positivista).

As mutações recentes no campo da investigação social tornou claro que os dados da


investigação são sempre selecções da realidade baseados em mundivivências ou
modelos teóricos vigentes em determinado contexto histórico-cultural e filtradas pela
perspectiva de grupos sociais específicos. → Implica uma reformulação do próprio ideal
de objectividade, que não deve ser mais entendido como uma reprodução fotográfica e
neutra da realidade, mas antes como um estado relativo do conhecimento que resulta da
aceitação de critérios de validação mútua das descobertas e das interpretações
propostas:
- reprodutibilidade das observações;
- controlo intersubjectivo dos dados recolhidos;
- selecção de interpretações com base na aptidão destas para recobrir um leque
mais vasto de dados e observações.

A realização progressiva deste ideal de objectividade no domínio das Ciências Sociais


implica:
- uma postura intelectual de inclusão (no recrutamento de investigadores, na
admissão de mundivivências culturais alternativas, na amplitude dos assuntos
estudados);
- a colocação sistemática dos fenómenos Sociais numa perspectiva histórica e
comparativa por forma a evitar abstracções prematuras sobre a realidade presente;
- uma auto-análise permanente dos elementos subjectivos (de origem social,
cultural, económica, política) dos modelos teóricos, como condição de controlo da sua
validade (reflexividade = detectar e controlar os pressupostos sociais da investigação).

30