Você está na página 1de 41

Direito Romano

Efeitos das obrigações

Extinção das obrigações

Transmissão das obrigações

Garantias das obrigações


Efeitos das obrigações civis
Obrigação- “vinculum júris” que liga dois sujeitos de
direito.

Previsão (que tudo ocorra como acordado)

Descumprimento-credor recorre às vias judiciais


Obrigação Civil – Credor /Devedor

Credor pode mover ação pessoal para


-condenar
-proceder à execução
Obs: pode ir direito à execução.Ex: nexum (Lei Poetelia
Papiria)
 
Objetivos do Credor
-obter um juramento (recebe título hábil que comprove
legitimidade)
-condenação seja pecuniária

CULPA
Sem culpa do devedor / com culpa do devedor
 
CUSTÓDIA
Época de Justiniano (culpa in custodiendo-culpa de
guardar a coisa)
Observação importante: máximo empenho (Bonus pater
familias)
Custódia presente no COMODATO/RECEPTUM
(naum tarum)


Mora
 MORA- tardança culpável (devedor ou
credor).Sinônimo de DEMORA.
 Tipos: debitoris e creditoris
 Polêmica do caso fortuito: corrigida pelos
jurisconsultos
Perdas e danos
Devedor-Credor
Início-exclusivamente pecuniária
Baixo Império-In Natura
Se o juiz condena? Pode ser ipsam rem/Fazer executar a
sentença –manu militari
 
Modos de determinação das perdas e danos:
Pelo juiz-perdas e danos judiciários
Pelas partes-perdas e danos convencionais
Efeitos das obrigações naturais
Obligatio naturalis- acordo não sancionado por actio.
(aproxima-se das morais e de consciência)
-No Direito antigo-desconhecido
-Surge na época clássica
-Ganha nitidez no baixo império
Fundamento? Aqui é o VINCULUM AEQUITATIS
 
Classificação segundo os jurisconsultos:
 Naturais propriamente ditas (ab initio)-surgem da
incapacidade de quem contrata
 Resultantes de obrigações civis (degeneradas)
Exemplos das naturais AB INITIO:
 Contratos do escravo;
 Tutelados e curatelados;
 No interior da “Domus”;
 Contratos do Menor;
 Desprovidos de formalidades.

Exemplos de DEGENERADOS:
 Celebrados pelo “Capite minutus”;
 Celebrados por devedor absolvido por juiz
prevaricador;
 Atingidos pela prescrição.


Efeitos
 Não coagem o devedor;
 O devedor pode solver a obrigação na época marcada,
sem que pareça doação;

Observação: o credor não pode exigir a repetição


(condictio indebiti)

Conversões
Uma obrigação natural pode se transformar em civil pela
NOVAÇÃO ;
Pode ser objeto se SEÇÃO ou garantia real
(HIPOTECA)
Observações sobre as
obrigações em geral
Observações sobre as obrigações em geral
MODALIDADES OU CAUSAE DAS OBRIGAÇÕES
SEGUNDO O JURISCONSULTO PAULO: ACCESSIO,
DIES, CONDICTIO E MODUS.

Accessio: Acessão.
Accessio cedit principali: O acessório segue o
principal, o acessório está compreendido no principal. A
acessão cede ao principal.
 
Modus: Maneira
Modus faciendi: Maneira de fazer.

Condictio: Acordo.
 
 Dies: Dia
Dies a quo: Termo inicial do prazo.
Dies ad quem: Termo final do prazo.
Dies cedit: Dia inicial.
Dies certus: Dia certo.
Dies incertus: Dias incerto.
Dies venit: Dia do vencimento.
O Termo e a condição
TERMO
 
Acontecimento futuro e certo de que depende o exercício ou a
extinção dum direito.
 
Pode ser uma data perfeitamente determinada (ex: Kalendas
de março) ou uma data indeterminada (ex: morte de uma
pessoa). Dies certus / Dies incertus
 
Como modalidade suspensiva. Dies a quo / Dies ad quem
 

O Termo e a condição
CONDIÇÃO

É um acontecimento futuro que não se sabe quando


ocorrerá, nem se ocorrerá ou se não ocorrerá. (A
incerteza é quando e an)
 
Condição impossível positiva / Condição impossível
negativa

Pluralidade de sujeito nas obrigações

“Duo rei” ou “correi”: dois ou mais estipulantes ou


promitentes contratam uma obrigação in solidum. A
coisa deve der paga integralmente apenas uma vez.

Ativa: diversos credores / Passiva: vários devedores


Obrigações indivisíveis

É aquela que recai sobre objeto que não pode ser


fracionado. Cada credor pode exigir a execução do todo e
cada devedor pode ser demandado pelo todo.

Extinção das obrigações
(Modos voluntários de extinção das
obrigações)
 
 Principio da harmonia das formas


 Modos que operam “ipso jure” e “exceptionis ope”
1. Pagamento
 O que é?

 Quem deve pagar?

 Quem deve receber?

 Lugar

 Imputação do pagamento

 Prova do pagamento
2. Perdão da dívida


 Acceptilatio

 Pactum de non petendo


3. Compensação
Código Civil de 2002

Art. 368 – Se duas pessoas forem ao mesmo tempo credor e


devedor uma da outra, as duas obrigações extinguem-se até
onde se compensarem.

São três as modalidades de compensação que havia em Roma:

 Convencional

 Judiciária

 Legal
4. Novação


 Identidade de objeto

 Elemento novo

 Animus novandi

5. Termo extintivo

Estipulação

 Uma

 Incerta

 Perpétua

6. Condição Resolutiva

Acontecimento futuro e incerto ao qual se subordina a


extinção de uma obrigação
Modos necessários de extinção das
obrigações
Modos necessários de extinção das
obrigações
 A morte natural
Contratos feitos intuitu personae como o mandato e a
sociedade

 A “capitis deminutio”
Personalidade jurídica x Personalidade física

 A perda da coisa devida


Desde que se trate de coisa certa (species)
Modos necessários de extinção das
obrigações

 A confusão
 

 A prescrição liberatória
As obrigações do antigo direito civil eram perpétuas
Excepcionalmente as ações honorárias, ao contrato, se
extinguiam dentro de um ano.
Transmissão das obrigações
Transmissão das obrigações aos
herdeiros

 Intransmissibilidade aos herdeiros
Princípio maior
Vinculo estritamente pessoal entre credor e devedor

 Obrigações Delituosas X Não Delituosas



Transmissão das obrigações entre vivos
 Intransmissibilidade das obrigações
Princípio maior
Incessíveis entre vivos, quer a título oneroso, quer a título
gratuito

 Desvantagens do princípio

 Processo para contornar o princípio da intransmissibilidade

 Novação por mudança do credor

 A procuração “in rem suam”



Garantias das obrigações
Garantias pessoais das obrigações
Conceito de Garantia:

“É o meio de que se vale o credor para não sofrer


prejuízos em consequência da insolvência eventual de
seu devedor” (CRETELLA Jr., 2009)
Tipos de garantias

 Garantias pessoais;


 Garantias reais.
Garantias pessoais - Fiança
FIANÇA: Contrato pelo qual uma pessoa se compromete
com o devedor principal a garantir o pagamento da
dívida.

Fiança formal
Marcada pelo formalismo

Fiança não formal


Institutos criados pelos romanos, com efeitos de fiança
Adpromissio (Fiança Formal)

Sponsio (reservada aos cidadãos romanos);

Fidepromissio (acessível aos peregrinos);

Fidejussio (surge como reação contra os privilégios dos


fiadores)
Fiança não formal

Constitutum debiti alieni


Pedido de adiamento de dívida de terceiro

Mandatum pecuniae credendae


Mandato conferido ao credor que emprestava quantia ao
devedor
Garantias reais
É o direito que o credor, eventualmente, tem sobre uma
coisa para assegurar-lhe o recebimento do seu crédito.

TIPOS:
Datio fiduciae causa (Alienação fiduciária );

Pignus (Penhor);

Hypotheca (Hipoteca).

Datio fiduciae causa (Alienação
fiduciária );
 Transferência da propriedade acompanhada do
pactum fiduciae, mediante o qual o credor se
compromete a retransferir a propriedade da coisa
recebida.

 Credor tornava-se proprietário.

 Grandes inconvenientes para o devedor.


Pignus
Contrato acessório pelo qual o devedor entrega a posse
da coisa que lhe pertence como garantia de pagamento
ao credor.

Credor torna-se possuidor (adquiriu, com o tempo,


direito de vender a coisa para reembolsar-se, em caso de
inadimplemento).

Inconvenientes para o devedor.


Hypotheca
Trata-se de um caso particular de penhor. Pignus sine
traditione.

Devedor mantém a posse da coisa. Trata-se de um penhor


com convenção das partes a respeito.

Pode-se gravar mais de uma hipoteca.

Direitos do credor em caso de inadimplemento:


 Jus possidendi
 Jus distrahendi
Muito obrigado!

Romero
Fabiano
Ramon
Aquilles
André