Você está na página 1de 11

Dicas para o Exame da OAB - Professor Roberto Morgado

ATOS PRIVATIVOS

1 São CINCO as EXCEÇÕES das Atividades Privativas do advogado a postulação em juízo nos
caos de Habeas Corpus (em qualquer instancia ou Tribunal); nos J.E.Cíveis (até 20 salários
mínimos); na Justiça do Trabalho (exceto no TST); na Justiça de PAZ e no Juizado Especial
Federal (até o limite do valor da alçada = 60 salários mínimos).
2 São ainda consideradas atividades privativas do advogado as atividades de Assessoria,
Consultoria e Direção Jurídica. As funções de diretoria e gerência jurídicas em qualquer
empresa pública, privada ou paraestatal, inclusive em instituições financeiras só podem ser
realizadas pelo advogado.
3 Considera-se efetivo exercício da atividade de advocacia a participação anual mínima em
cinco atos privativos, em causas ou questões distintas e a comprovação do efetivo exercício faz-se
mediante a certidão expedida por cartórios ou secretarias judiciais; cópia autenticada de atos
privativos; certidão expedida pelo órgão público no qual o advogado exerça função privativa do seu
ofício, indicando os atos praticados.
4 A prática de atos privativos de advocacia, por profissionais e sociedades não inscritos na OAB,
constitui exercício ilegal da profissão, sendo proibida a prestação de serviços de assessoria e
consultoria jurídicas para terceiros, em sociedades que não possam ser registradas na OAB
5 O visto (assinatura) do advogado em atos constitutivos de pessoas jurídicas, indispensável
ao registro e arquivamento nos órgãos competentes (Junta Comercial, Registro Civil de Pessoas
Jurídicas...), devendo resultar da efetiva constatação, pelo profissional que os examinar, de que os
respectivos instrumentos preenchem as exigências legais pertinentes. EXCEÇÃO: As
Microempresas(ME) e Empresas de Pequeno Porte (EPP) NÃO PRECISAM DE VISTO para registro
de seus atos.

ATIVIDADE DA ADVOCACIA

6 No seu ministério privado, o advogado presta serviço público e exerce função social e no
processo judicial, o advogado contribui, na postulação de decisão favorável ao seu constituinte, ao
convencimento do julgador, e seus atos constituem múnus público.
7 O advogado, no exercício da profissão, deve manter independência em qualquer circunstância e
nenhum receio de desagradar a magistrado ou a qualquer autoridade, nem de incorrer em
impopularidade, deve deter o advogado no exercício da profissão
8 No exercício da profissão, o advogado é inviolável por seus atos e manifestações, mas sua
imunidade profissional não abrange o desacato e a calúnia.
9 São NULOS os atos praticados por advogado que está suspenso; praticado por advogado
impedido quando no âmbito do impedimento; licenciado da atividade; e ainda o que passa a exercer
atividade incompatível, bem como os praticados por NÃO INSCRITOS.
10 Que as questões acerca da VALIDADE/NULIDADE dos atos praticados dependem de
conhecimento prévio do tema INCOMPATIBILIDADE/IMPEDIMENTO.
11 São comumente questionados temas sobre seu exercício nas questões referentes ao Código de
Ética e Disciplina.

TIPOS DE ADVOGADOS
12 As regras do Código de Ética e Disciplina obrigam igualmente os estagiários no que lhes forem
aplicáveis e no exercício de atos extrajudiciais o estagiário pode comparecer isoladamente, quando
receber autorização ou substabelecimento do advogado. O cartão de identidade do estagiário tem o
mesmo modelo e conteúdo do cartão de identidade do advogado, com a indicação de “Identidade de
Estagiário”, em destaque, e do prazo de validade, que não pode ultrapassar três anos nem ser
prorrogado.
13 Os integrantes da advocacia pública são elegíveis e podem integrar qualquer órgão da OAB e
por praticarem a atividade privativa prevista no Art. 1º do Estatuto, sujeitam-se ao regime do Estatuto,
deste Regulamento Geral e do Código de Ética e Disciplina, inclusive quanto às infrações e sanções
disciplinares
14 Exercem a advocacia pública os integrantes da Advocacia-Geral da União, da Defensoria
Pública e das Procuradorias e Consultorias Jurídicas dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios,
das autarquias e das fundações públicas além dos aqueles que sejam estáveis em cargo de
advogado, por força do art. 19 do ADCT, estão obrigados à inscrição na OAB, para o exercício de
suas atividades.
15 Os Procuradores Gerais, Advogados Gerais, Defensores Gerais e dirigentes de órgãos jurídicos
da Administração Pública direta, indireta e fundacional, bem como os advogados públicos contratados
no regime de dedicação exclusiva são exclusivamente legitimados para o exercício da advocacia
vinculada à função púbica exercida. A aposentadoria do advogado público faz cessar o
impedimento de que trata o art. 30, I, do EAOAB
16 A jornada de trabalho do advogado empregado, no exercício da profissão, em regra posui
duração diária de quatro horas contínuas e a de vinte horas semanais, salvo acordo ou convenção
coletiva ou em caso de dedicação exclusiva. Neste caso (dedicação exclusiva), serão remuneradas
como extraordinárias as horas trabalhadas que excederem a jornada normal de oito horas diárias.
17 As horas trabalhadas que excederem a jornada normal são remuneradas por um adicional
não inferior a cem por cento sobre o valor da hora normal, mesmo havendo contrato escrito.
18 As horas trabalhadas no período das vinte horas de um dia até as cinco horas do dia seguinte
são remuneradas como noturnas, acrescidas do adicional de vinte e cinco por cento
19 O advogado vinculado ao cliente ou constituinte, seja em decorrência de mediante relação
empregatícia ou por contrato de prestação de serviços, bem como os integrante de departamento
jurídico, órgão de assessoria jurídica, pública ou privada, deve SEMPRE zelar pela sua liberdade e
independência, sendo legítima a recusa do patrocínio de pretensão concernente a lei ou direito que
também lhe sejam aplicáveis ou contrárias a sua e expressa orientação anterior.
20 A relação de emprego não retira a isenção técnica nem reduz a independência profissional
inerentes à advocacia e o advogado empregado não está obrigado à prestação de serviços
profissionais de interesse pessoal dos empregadores, fora da relação de emprego
21 ATENÇÃO PARA O JULGAMENTO DA ADIN SOBRE OS HONORÁRIOS DE SUCUMBÊNCIA,
que muito embora não suspendessem a eficácia do art.21 e seu parágrafo único, determinaram a
sua aplicabilidade de acordo com a CF e a suspensão da eficácia do § 3º do art.24 do EAOAB, ou
seja, reconhecido que a verba de sucumbência é um direito disponível e pertence, em regra, ao
advogado da parte vencedora, mas pode ser objeto de transação, sendo o atual entendimento que
permite a estipulação em contrato de trabalho de advogado sobre os honorários de sucumbência.
Diante do entendimento não necessariamente os honorários de sucumbência dos advogados
empregados constituirão fundo comum, cuja destinação era decidida pelos profissionais integrantes
do serviço jurídico da empresa ou por seus representantes.

MANDATO
22 Os questionamentos acerca de mandato nem sempre possuem questões específicas sobre o
assunto, mesclando-se com outros tópicos pois mandato diz respeito a quase todos os temas
abordados nas questões de Ética profissional.
23 O advogado postula em juízo e fora dele fazendo prova do mandato(procuração), mas pode
atuar sem o mesmo por 15 dias (prorrogável por mais 15) em caso de urgência, TÃO SOMENTE em
casos judiciais, pois extrajudicialmente é necessária a apresentação incontinenti do instrumento
conferido pelo cliente
24 a RENÚNCIA É DEZ!!!! Pois são dez os dias que deve o advogado ainda ficar responsável pelo
cliente, salvo se antes dos 10 dias for substituído.
25 A RENÚNCIA é ato privativo do advogado e independe da comunicação do motivo, sendo
necessário a ciência inequívoca do cliente, que pode ser realizada por carta com aviso de
recebimento (A.R.).
26 Na revogação do mandato por vontade do cliente não desobriga do pagamento do advogado
dos HONORÁRIOS CONVENCIONADOS. Ainda, é direito do advogado receber quanto lhe seja
devido em eventual verba honorária de sucumbência. A sucumbência, por sua vez, é devida ao
advogado proporcionalmente.
27 As procurações devem ser outorgadas individualmente aos advogados e se integrantes de
sociedade de advogados deve aindaindicar a sociedade de que façam parte
28 O advogado substabelecido, com reserva de poderes, não pode cobrar honorários sem a
intervenção daquele que lhe conferiu o substabelecimento e substabelecido com reserva de poderes
deve ajustar antecipadamente seus honorários com o substabelecente
29 O substabelecimento do mandato, com reserva de poderes, é ato pessoal do advogado da
causa, porém o substabelecimento do mandato sem reservas de poderes exige o prévio e
inequívoco conhecimento do cliente
30 O estagiário inscrito na OAB pode praticar isoladamente, sob a responsabilidade do
advogado, os atos de retirar e devolver autos em cartório, assinando a respectiva carga; obter
junto aos escrivães e chefes de secretarias certidões de peças ou autos de processos em curso ou
findos e assinar petições de juntada de documentos a processos judiciais ou administrativos. Para o
exercício de atos extrajudiciais, o estagiário pode comparecer isoladamente, quando receber
autorização ou substabelecimento do advogado
31 Convidado para substituir um Colega num processo em andamento e pretendendo aceitar o
convite, o Advogado convidado deve EXAMINAR os autos do processo, ENTRAR EM CONTATO com
o atual patrono e SOLICITAR ao Colega o seu substabelecimento(sem reserva) ou sua renúncia ao
mandato; em caso do mesmo opor-se orientar o cliente a REVOGAR o mandato para que possa
conferir-lhe o referido instrumento

DIREITOS DOS ADVOGADOS

32 Você será argüido sobre o que constitui, ou não, direito do advogado, sendo ainda necessário ter
conhecimento acerca do posicionamento do STF acerca dos dispositivos que foram atacados por
Ações Diretas de Inconstitucionalidade(ADIN´s)
33 Mesmo sem procuração é direito do advogado comunicar-se com seus clientes, pessoal e
reservadamente, quando estes se acharem presos, detidos ou recolhidos em estabelecimentos civis
ou militares, ainda que considerados incomunicáveis;
34 Mesmo sem procuração é direito do advogado examinar, em qualquer órgão dos Poderes
Judiciário e Legislativo, ou da Administração Pública em geral, autos de processos findos ou em
andamento, quando não estejam sujeitos a sigilo, assegurada a obtenção de cópias, podendo tomar
apontamentos;
35 Mesmo sem procuração é direito do advogado examinar em qualquer repartição policial,
autos de flagrante e de inquérito, findos ou em andamento, ainda que conclusos à autoridade,
podendo copiar peças e tomar apontamentos;
36 Mesmo sem procuração é direito do advogado retirar autos de processos findos pelo prazo
de dez dias;
37 O advogado tem direito a presença de representante da OAB para lavratura do Auto de
Prisão em Flagrante por motivo ligado ao exercício da advocacia e também quando houver
determinação judicial de busca e apreensão em seu escritório ou local de trabalho. A OAB deve
encaminhar o representante em tempo hábil e, se mantiver-se inerte, os atos poderão ser
realizados e serão considerados válidos.
38 O inscrito na OAB, quando ofendido comprovadamente em razão do exercício profissional ou
de cargo ou função da OAB, tem direito ao desagravo público promovido pelo Conselho competente,
de ofício, a seu pedido ou de qualquer pessoa e não depende de concordância do ofendido, que não
pode dispensá-lo, devendo ser promovido a critério do Conselho
39 São direitos dos advogados, entre outros permanecer sentado ou em pé e retirar-se de
quaisquer locais onde exerça sua atividade (na forma do inciso VII), podendo dirigir-se diretamente
aos magistrados nas salas e gabinetes de trabalho, independentemente de horário previamente
marcado ou outra condição, observando-se a ordem de chegada, além de usar da palavra, pela
ordem, em qualquer juízo ou tribunal, mediante intervenção sumária, para esclarecer equívoco ou
dúvida surgida em relação a fatos, documentos ou afirmações que influam no julgamento, bem como
para replicar acusação ou censura que lhe forem feitas sendo lícito reclamar, verbalmente ou por
escrito, perante qualquer juízo, tribunal ou autoridade, contra a inobservância de preceito de lei,
regulamento ou regimento.
40 Lembre-se que na forma da Constituição Federal e do EAOAB não há hierarquia nem
subordinação entre advogados, magistrados e membros do Ministério Público, devendo todos
tratar-se com consideração e respeito recíprocos. Assim, no exercício da profissão as autoridades,
os servidores públicos e os serventuários da justiça devem dispensar ao advogado tratamento
compatível com a dignidade da advocacia e condições adequadas a seu desempenho

INSCRIÇÃO

41 A inidoneidade moral, suscitada por qualquer pessoa, deve ser declarada mediante decisão
que obtenha no mínimo dois terços dos votos de todos os membros do conselho competente, em
procedimento que observe os termos do processo disciplinar
42 O advogado fica dispensado de comunicar o exercício eventual da profissão, até o total de cinco
causas por ano, acima do qual obriga-se à inscrição suplementar se comprovada a
HABITUALIDADE, sendo a mesma a a intervenção judicial que exceder de cinco causas por ano
43 Quando o advogado possuir mais de 5 causas em outro Conselho Seccional e não promover a
inscrição suplementar ele deverá sofrer pena de censura mas seus atos são válidos, por isso não
irá prejudicar o cliente.
44 Também estará obrigado a promover a INSCRIÇÃO SUPLEMENTAR os sócios de uma
sociedade de advogados quando da constituição de filial e este ato deve ser averbado no registro
da sociedade e arquivado junto ao Conselho Seccional onde se instalar.
45 No caso de mudança efetiva de domicílio profissional para outra unidade federativa, deve o
advogado requerer a transferência de sua inscrição para o Conselho Seccional correspondente e os
pedidos de transferência de inscrição de advogados são regulados em Provimento do Conselho
Federal.
46 O documento de identidade profissional, na forma prevista no Regulamento Geral, é de uso
obrigatório no exercício da atividade de advogado ou de estagiário e constitui prova de identidade civil
para todos os fins legais
47 O compromisso é prestado perante o Conselho Seccional, a Diretoria ou o Conselho da
Subseção, sendo o mesmo indelegável, por sua natureza solene e personalíssima.

INCOMPATIBILIDADE E IMPEDIMENTO

48 O método dos “TRÊS PASSOS” é a maneira mais eficaz de enquadrar o


CARGO/FUNÇÃO/ATIVIDADE PROFISSIONAL como sendo gerador da incompatibilidade ou do
impedimento.
49 Que cancelamento e licenciamento da inscrição não se referem a impedimento, bem como os
temos TEMPORÁRIO e DEFINITIVO, pois só se aplicam aos cargos/funções incompatíveis;
50 A incompatibilidade é a proibição total; o impedimento é a proibição parcial para o
exercício da advocacia e só diz respeito a ATIVIDADES/CARGOS/FUNÇÕES profissionais.
51 A incompatibilidade pode ser TEMPORÁRIA(causa licenciamento) ou
DEFINITIVA(cancelamento) e permanece mesmo que o ocupante do cargo ou função deixe de
exercê-lo temporariamente.
52 São impedidos os membros do Poder Legislativo, em seus diferentes níveis, contra ou a
favor das pessoas jurídicas de direito público, empresas públicas, sociedades de economia mista,
fundações públicas, entidades paraestatais ou empresas concessionárias ou permissionárias de
serviço público, mas se estes forem membros(ou substitutos legais) na Mesa Diretora da Casa
Legislativa a que pertençam, estarão incompatibilizados para o exercício da advocacia.
53 No caso dos membros de órgãos do Poder Judiciário estão excluídos os Membros da Justiça
Eleitoral e os juízes suplentes não remunerados por força de ADIN. Os Magistrados e os
membros(inclusive servidores) do Ministério Público
54 Todo servidor público é, no mínimo, impedido; os servidores públicos que não estejam
expressamente listados nos incisos do art.28 não poderão advogar contra a fazenda que os
remunera, tão somente.(exceto os docentes de cursos jurídicos, que permanecem livres para o
exercício da atividade contra a fazenda que os remunera)

SOCIEDADES DE ADVOGADOS

55 A sociedade de advogados adquire personalidade jurídica com o registro aprovado dos


seus atos constitutivos no Conselho Seccional da OAB em cuja base territorial tiver sede e o
ato de constituição de filial deve ser averbado no registro da sociedade e arquivado junto ao Conselho
Seccional onde se instalar, ficando os sócios obrigados a inscrição suplementar. Nenhum advogado
pode integrar mais de uma sociedade de advogados, com sede ou filial na mesma área territorial do
respectivo Conselho Seccional
56 Não podem funcionar, as sociedades que apresentem forma ou características mercantis,
que adotem denominação de fantasia, e a razão social deve ter, obrigatoriamente, o nome de, pelo
menos, um advogado responsável pela sociedade, podendo permanecer o de sócio falecido, desde
que prevista tal possibilidade no ato constitutivo.
57 Os advogados sócios de uma mesma sociedade profissional não podem representar em
juízo clientes de interesses opostos e o licenciamento do sócio para exercer atividade incompatível
com a advocacia em caráter temporário deve ser averbado no registro da sociedade, não alterando
sua constituição.
58 Além da sociedade, o sócio responde subsidiária e ilimitadamente pelos danos causados
aos clientes por ação ou omissão no exercício da advocacia, sem prejuízo da responsabilidade
disciplinar em que possa incorrer
59 São muito importantes as cláusulas obrigatórias para que a sociedade seja registrada (sempre
na OAB!), estando as mesmas dispostas no art.2º do Provimento 112/06.

HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS

60 Prescreve em cinco anos a ação de cobrança de honorários de advogado, contado o prazo


do vencimento do contrato, se houver; do trânsito em julgado da decisão que os fixar; da ultimação do
serviço extrajudicial; da desistência ou transação ou da renúncia ou revogação do mandato
61 O advogado substabelecido, com reserva de poderes, não pode cobrar honorários sem a
intervenção daquele que lhe conferiu o substabelecimento
62 Os honorários de sucumbência, por decorrerem precipuamente do exercício da advocacia
e só acidentalmente da relação de emprego, não integram o salário ou a remuneração, não
podendo, assim, ser considerados para efeitos trabalhistas ou previdenciários
63 O art. 21 e seu parágrafo único da Lei n. 8.906/1994 deve ser interpretado no sentido da
preservação da liberdade contratual quanto à destinação dos honorários de sucumbência
fixados judicialmente(ADIN 1194)
64 Foi declarado inconstitucional o § 3º do art. 24 da Lei n. 8.906/1994, segundo o qual “é nula
qualquer disposição, cláusula, regulamento ou convenção individual ou coletiva que retire do
advogado o direito ao recebimento dos honorários de sucumbência”
65 Os honorários profissionais convencionados devem ser fixados com moderação, atendidos os
elementos elencados nos incisos do Art. 36 do Código de Ética, que devem ser lidos atentamente.
66 Na hipótese da adoção de cláusula quota litis, os honorários devem ser necessariamente
representados por DINHEIRO e não podem ser superiores às vantagens advindas em favor do
constituinte ou do cliente até quando acrescidos dos de honorários da sucumbência.
67 É tolerada em caráter excepcional a participação do advogado em bens particulares de
cliente. Essa situação é possível quando o cliente for , comprovadamente sem condições pecuniárias
e desde que contratada por escrito.
68 O crédito por honorários advocatícios, seja do advogado autônomo, seja de sociedade de
advogados, não autoriza o saque de duplicatas ou qualquer outro título de crédito de natureza
mercantil, exceto a emissão de fatura, desde que constitua exigência do constituinte ou assistido,
decorrente de contrato escrito, vedada a tiragem de protesto.
69 Havendo necessidade de arbitramento e cobrança judicial dos honorários advocatícios, deve
o advogado renunciar ao patrocínio da causa, fazendo-se representar por um colega.
70 Se o contrato firmado com o constituinte for VERBAL, a ação correta para o recebimento de
seus honoráios contratados será a AÇÃO DE COBRANÇA, que independente do valor será
processada pelo PROCEDIMENTO SUMÁRIO; no caso de serem os honorários ajustados através de
CONTRATO ESCRITO, por constituir título executivo extrajudicial, o procedimento adequado a ser
proposto pelo advogado é a EXECUÇÃO POR QUANTIA CERTA.

INFRAÇÕES E SANÇÕES DISCIPLINARES

71 São TRÊS as EXCEÇÕES do prazo máximo de 12 meses para a suspensão: Prestação de


contas(art.34,XXI); Pagamento a OAB(art.34,XXIII) e Inépcia profissional (art.34,XXIV)
72 As ATENUANTES (art.40, EAOAB) possuem 4 finalidades: conversao da censura em
advertencia; determinar o prazo de suspensão; determinar o valor da multa; identificar a conveniência
da aplicação cumulativa da multa com a censura/suspensão.
73 São apenas QUATRO as sanções disciplinares: CENSURA, SUSPENSÃO, EXCLUSÃO E
MULTA.
74 São consideradas CONDUTAS INCOMPATÍVEIS, entre outras: prática reiterada de jogo de
azar, não autorizado por lei; incontinência pública e escandalosa e embriaguez ou toxicomania
habituais.
75 O poder de punir disciplinarmente os inscritos na OAB compete exclusivamente ao Conselho
Seccional em cuja base territorial tenha ocorrido a infração, salvo se a falta for cometida
perante o Conselho Federal e cabe ao Tribunal de Ética e Disciplina, julgar os processos
disciplinares, instruídos pelas Subseções ou por relatores do próprio Conselho
76 A decisão condenatória irrecorrível deve ser imediatamente comunicada ao Conselho Seccional
onde o representado tenha inscrição principal, para constar dos respectivos assentamentos
77 A censura pode ser convertida em advertência, em ofício reservado, sem registro nos
assentamentos do inscrito, quando presente circunstância atenuante
78 Considerada a natureza da infração ética cometida, o Tribunal pode suspender
temporariamente a aplicação das penas de advertência e censura impostas, desde que o infrator
primário, dentro do prazo de 120 dias, passe a freqüentar e conclua, comprovadamente, curso,
simpósio, seminário ou atividade equivalente, sobre Ética Profissional do Advogado, realizado por
entidade de notória idoneidade.
79 PATROCÍNIO INFIEL é um dos crimes praticados contra a administração da justiça. Consiste em
trair, na qualidade de advogado ou procurador, o dever profissional, prejudicando interesse, cujo
patrocínio, em juízo, lhe é confiado; TERGIVERSAÇÃO trata-se de crime praticado por advogado ou
procurador judicial que defende na mesma causa, simultânea ou sucessivamente, partes contrárias e
LIDE TEMERÁRIA é a que se intenta sem razão e com abuso de direito, ou por mero capricho,
revelando-se ainda na ilegitimidade do direito em que se procura fundar determinada ação. O feito é
proposto no intuito de trazer danos ao demandado mas também pode revelar-se até mesmo na
imprudência da ação, desonestidade e má-fé.
80 Sobre devolução dos autos ao cartório, o advogado após ser intimado a fazê-lo (publicação
no Diário Oficial ou Oficial de Justiça) não os devolve pode sofrer BUSCA E APREENSÃO DOS
AUTOS;Estará IMPEDIDO DE RETIRAR AQUELES AUTOS DE CARTÓRIO;Terá de PAGAR MULTA
DE ½ SALÁRIO MÍNIMO;Será remetido pelo Juízo Ofício a OAB;Irá RESPONDER CRIMINALMENTE
pela retenção dos autos; Incorrerá em INFRAÇÃO DISCIPLINAR PUNÍVEL com pena de CENSURA e
Pode responder por perdas e danos

OAB-ESTRUTURA,COMPOSIÇÃO E COMPETÊNCIA 1

81 A OAB é uma instituição “sui generis”, com personalidade jurídica e forma federativa,
constituindo um serviço público de âmbito nacional, gozando seus bens, rendas e serviços de
imunidade tributária total
82 O Instituto dos Advogados Brasileiros e as instituições a ele filiadas têm qualidade para
promover perante a OAB o que julgarem do interesse dos advogados em geral ou de qualquer dos
seus membros
83 Das decisões do Presidente da Seccional da OAB, proferidas em processo disciplinar contra
Advogado, bem como das decisões proferidas pelo Tribunal de Ética e Disciplina cabe recurso para o
Conselho Seccional;
84 O Conselho Federal é composto pelos conselheiros federais, integrantes das delegações de
cada unidade federativa(Cada delegação é formada por três conselheiros federais) e dos seus ex-
presidentes, na qualidade de membros honorários vitalícios(estes só têm direito apenas a voz nas
sessões). A diretoria do Conselho Federal é composta de um Presidente, de um Vice-Presidente, de
um Secretário-Geral, de um Secretário-Geral Adjunto e de um Tesoureiro e a diretoria do Conselho
Seccional tem composição idêntica e atribuições equivalentes às do Conselho Federal, na forma do
Regimento Interno daquele
86 Todos os recursos na OAB têm efeito suspensivo, exceto quando tratarem de eleições (arts.
63 e seguintes), de suspensão preventiva decidida pelo Tribunal de Ética e Disciplina, e de
cancelamento da inscrição obtida com falsa prova. Cabe recurso ao Conselho Federal de todas as
decisões definitivas proferidas pelo Conselho Seccional, quando não tenham sido unânimes ou, sendo
unânimes, contrariem a Lei 8906/94, decisão do Conselho Federal ou de outro Conselho Seccional e,
ainda, o Regulamento Geral, o Código de Ética e Disciplina e os Provimentos, estando legitimados
para interpô-los o Presidente do Conselho Seccional, além dos interessados

PROCESSO DISCIPLINAR

88 O Tribunal de Ética e Disciplina é competente para e julgar os processos disciplinares e


orientar e aconselhar sobre ética profissional, respondendo às consultas em tese, além de poder
instaurar, de ofício, processo competente sobre ato ou matéria que considere passível de
configurar, em tese, infração a princípio ou norma de ética profissional, além de mediar
determinadas questões entre advogados(art.50,IV)
89 As eleições na OAB ocorrem no âmbito das subseções e dos Conselhos Seccionais e se
realizam na segunda quinzena de novembro, dentro do prazo contínuo de oito horas, com início fixado
pelo Conselho Seccional
90 A área territorial da Subseção pode abranger um ou mais municípios, ou parte de
município, inclusive da capital do Estado, contanto com um mínimo de quinze advogados, nela
profissionalmente domiciliados e havendo mais de cem advogados, a Subseção pode ser integrada,
também, por um Conselho em número de membros fixado pelo Conselho Seccional. A subseção
é administrada por uma diretoria, com atribuições e composição equivalentes às da diretoria do
Conselho Seccional.
91 A Caixa de Assistência dos Advogados, com personalidade jurídica própria, destina-se a
prestar assistência aos inscritos no Conselho Seccional a que se vincule e adquire personalidade
jurídica com a aprovação e registro de seu Estatuto pelo respectivo Conselho, podendo, em benefício
dos advogados, promover a seguridade complementar. Em caso de extinção ou desativação da
Caixa, seu patrimônio se incorpora ao do Conselho Seccional respectivo.
92 O processo disciplinar instaura-se de ofício ou mediante representação de qualquer
autoridade ou pessoa interessada e a jurisdição disciplinar não exclui a comum e, quando o fato
constituir crime ou contravenção, deve ser comunicado às autoridades competentes. O processo
disciplinar não pode ser instaurado mediante representação anônima
93 A SUSPENSÃO PREVENTIVA é aplicada pelo Tribunal de Ética e Disciplina do Conselho onde
o acusado tenha inscrição principal no caso de repercussão prejudicial à dignidade da advocacia .
94 O processo disciplinar tramita em sigilo, até o seu término, só tendo acesso às suas
informações as partes, seus defensores e a autoridade judiciária competente e Todos os prazos
necessários à manifestação de advogados, estagiários e terceiros, nos processos em geral da OAB,
são de quinze dias, inclusive para interposição de recursos
95 Ao processo disciplinar observa-se a aplicação subsidiária das normas da legislação
processual penal enquanto nos demais processos previstos no Estatuto(que não se destinam à
aplicação de sanções disciplinares, como os pedidos de inscrição suplementar, cancelamento de
inscrição, etc.) são subsidiariamente aplicadas as normas relativas a procedimentos administrativos
e da legislação processual civil, nessa ordem.
96 compete ao Tribunal de Ética e Disciplina orientar e aconselhar sobre ética profissional,
respondendo às consultas em tese, e julgar os processos disciplinares, além de estar autorizado a
instaurar, de ofício, processo competente sobre ato ou matéria que considere passível de configurar,
em tese, infração a princípio ou norma ética profissional.
97 A pretensão à punibilidade das infrações disciplinares prescreve em cinco anos, contados da
data da constatação oficial do fato, mas também aplica-se a prescrição a todo processo disciplinar
paralisado por mais de três anos, pendente de despacho ou julgamento, devendo ser arquivado de
ofício, ou a requerimento da parte interessada, sendo ainda apuradas as responsabilidades pela
paralisação, no âmbito da OAB.
98 o Conselho Seccional da OAB pode adotar as medidas administrativas e judiciais pertinentes,
objetivando a que o profissional suspenso ou excluído devolva os documentos de identificação.
99 cabe recurso ao Conselho Seccional de todas as decisões proferidas por seu Presidente, pelo
Tribunal de Ética e Disciplina, ou pela diretoria da Subseção ou da Caixa de Assistência dos
Advogados. a representação contra membros dos Conselhos Seccionais da OAB é processada e
julgada pelo Conselho Federal.
100 em primeira instância, compete ao Tribunal de Ética e Disciplina do Conselho Seccional
da OAB julgar os processos disciplinares sendo permitida a revisão do processo disciplinar, por erro
de julgamento ou por condenação baseada em falsa prova

CED-NORMAS GERAIS

101 É MUITO IMPORTANTE identificar ao ler o enunciado se deverá marcar a conduta ADEQUADA
ao Código de Ética e Disciplina ou a que VIOLA/FERE o mesmo antes de ler as alternativas da
questão, a fim de não se confundir no momento de marcar a alternativa adequada.
102 As regras do Código de Ética e Disciplina obrigam igualmente as sociedades de advogados e
os estagiários, no que lhes forem aplicáveis
103 O exercício da advocacia exige conduta compatível com os preceitos do Código de Ética e
Disciplina, do Regulamento Geral, dos Provimentos e com os demais princípios da moral individual,
social e profissional e que sendo o advogado, indispensável à administração da Justiça, é o mesmo
defensor do estado democrático de direito, da cidadania, da moralidade pública, da Justiça e da paz
social, subordinando a atividade do seu Ministério Privado à elevada função pública que exerce.
104 São deveres do advogado preservar, em sua conduta, a honra, a nobreza e a dignidade da
profissão, zelando pelo seu caráter de essencialidade e indispensabilidade, devendo atuar com
destemor, independência, honestidade, decoro, veracidade, lealdade, dignidade e boa-fé, sempre
velando por sua reputação pessoal e profissional, sendo seu exercício incompatível com qualquer
procedimento de mercantilização sendo-lhe vedado o oferecimento de serviços profissionais que
impliquem, direta ou indiretamente, inculcação ou captação de clientela.
105 São ainda deveres do advogado empenhar-se, permanentemente, em seu aperfeiçoamento
pessoal e profissional e contribuir para o aprimoramento das instituições, do Direito e das leis, além de
pugnar pela solução dos problemas da cidadania e pela efetivação dos seus direitos individuais,
coletivos e difusos, no âmbito da comunidade
106 Como dever do advogado, este deve sempre estimular a conciliação entre os litigantes,
prevenindo, sempre que possível, a instauração de litígios, aconselhando o cliente a não ingressar em
aventura judicial
107 O advogado deve ter consciência de que o Direito é um meio de mitigar as desigualdades para o
encontro de soluções justas e que a lei é um instrumento para garantir a igualdade de todos, sendo-
lhe defeso expor os fatos em Juízo falseando deliberadamente a verdade ou estribando-se na má-fé.
108 O advogado deve informar o cliente, de forma clara e inequívoca, quanto a eventuais riscos da
sua pretensão, e das conseqüências que poderão advir da demanda, estimulando a conciliação entre
os litigantes, prevenindo assim a instauração de litígios e ainda deve sempre aconselhar o cliente a
não ingressar em aventura judicial;
109 O advogado deve abster-se de utilizar de influência indevida, em seu benefício ou do cliente e de
patrocinar interesses ligados a outras atividades estranhas à advocacia, em que também atue e de
vincular o seu nome a empreendimentos de cunho manifestamente duvidoso;
110 Deve ainda abster-se de emprestar concurso aos que atentem contra a ética, a moral, a
honestidade e a dignidade da pessoa humana e de entender-se diretamente com a parte adversa que
tenha patrono constituído, sem o assentimento deste.

CED-SIGILO PROFISSIONAL

111 A advogado deve recusar-se a depor como testemunha em processo no qual funcionou ou
deva funcionar, ou sobre fato relacionado com pessoa de quem seja ou foi advogado, mesmo quando
autorizado ou solicitado pelo constituinte, bem como sobre fato que constitua sigilo profissional
112 O sigilo profissional é inerente à profissão, impondo-se o seu respeito, salvo grave ameaça ao
direito à vida, à honra, ou quando o advogado se veja afrontado pelo próprio cliente e, em defesa
própria, tenha que revelar segredo, porém sempre restrito ao interesse da causa
113 As confidências feitas ao advogado pelo cliente podem ser utilizadas nos limites da necessidade
da defesa, desde que autorizado aquele pelo constituinte
114 Violar, sem justa causa, sigilo profissional e infração disciplinar tipificada no Estatuto da
Advocacia e da Ordem dos Advogados do Brasil e punido com pena de censura
115 Deve ainda o advogado resguardar o segredo profissional e as informações reservadas ou
privilegiadas que lhe tenham sido confiadas quando postular em nome de terceiros, contra ex-cliente
ou ex-empregador, judicial e extrajudicialmente.
116 Havendo posterior conflito de interesse entre seus constituintes, e não estando acordes, optará o
advogado por um dos mandatos, renunciando aos demais, resguardando o sigilo profissional.
117 A divulgação pública, pelo advogado, de assuntos técnicos ou jurídicos de que tenha ciência
em razão do exercício profissional como advogado constituído, assessor jurídico ou parecerista, deve
limitar-se a aspectos que não quebrem ou violem o segredo ou o sigilo profissional.

CED-PUBLICIDADE DA ADVOCACIA

118 As condutas autorizadas/proibidas acerca do tema comumente são apresentadas junto a outras
condutas nas questões sobre a autorização/vedação do Código de Ética e Disciplina.
119 O anúncio sob a forma de placas, na sede profissional ou na residência do advogado,
deve observar discrição quanto ao conteúdo, forma e dimensões, sem qualquer aspecto mercantilista,
vedada a utilização de outdoor ou equivalente.
120 O anúncio não deve conter fotografias, ilustrações, cores, figuras, desenhos, logotipos, marcas
ou símbolos incompatíveis com a sobriedade da advocacia, sendo proibido o uso dos símbolos oficiais
e dos que sejam utilizados pela Ordem dos Advogados do Brasil, sendo vedadas referências a
valores dos serviços, tabelas, gratuidade ou forma de pagamento, termos ou expressões que
possam iludir ou confundir o público, informações de serviços jurídicos suscetíveis de implicar,
direta ou indiretamente, captação de causa ou clientes, bem como menção ao tamanho, qualidade e
estrutura da sede profissional
121 O advogado que eventualmente participar de programa de televisão ou de rádio, de
entrevista na imprensa, de reportagem televisionada ou de qualquer outro meio, para manifestação
profissional, deve visar a objetivos exclusivamente ilustrativos, educacionais e instrutivos, sem
propósito de promoção pessoal ou profissional, vedados pronunciamentos sobre métodos de trabalho
usados por seus colegas de profissão.
122 Correspondências, comunicados e publicações, versando sobre constituição, colaboração,
composição e qualificação de componentes de escritório e especificação de especialidades
profissionais, bem como boletins informativos e comentários sobre legislação, somente podem ser
fornecidos a colegas, clientes, ou pessoas que os solicitem ou os autorizem previamente
123 São admitidos como veículos de informação publicitária da advocacia Internet, fax, correio
eletrônico e outros meios de comunicação semelhantes; revistas, folhetos, jornais, boletins e qualquer
outro tipo de imprensa escrita; placa de identificação do escritório e papéis de petições, de recados e
de cartas, envelopes e pastas.
124 As páginas mantidas nos meios eletrônicos de comunicação podem fornecer informações a
respeito de eventos, de conferências e outras de conteúdo jurídico, úteis à orientação geral, contanto
que estas últimas não envolvam casos concretos nem mencionem clientes.
125 Não são admitidos como veículos de publicidade da advocacia rádio e televisão; painéis de
propaganda, anúncios luminosos e quaisquer outros meios de publicidade em vias públicas; cartas
circulares e panfletos distribuídos ao público e a oferta de serviços mediante intermediários.