Você está na página 1de 4

1 Estudo de Caso

1.1 Introdução

O estudo de caso tem como objetivo descrever a utilização de uma metodologia de elaboração
e implantação do planejamento estratégico em um curso preparatório para o concurso de
vestibular, sediada em João Monlevade, no Estado de Minas Gerais. Para melhor
compreender a situação atual da empresa e o cenário no qual a empresa está inserida serão
apresentadas as características da empresa, apresentando sua estrutura organizacional e física,
bem como seu cenário de atuação, explicitando as ameaças, as oportunidades, forças e
fraquezas.

A oportunidade de estudo e acompanhamento da implantação da metodologia no Pré-


vestibular A surgiu devido ao fato de um dos autores desse trabalho fazer parte da equipe da
empresa.

1.2 Metodologia de trabalho

A metodologia de pesquisa utilizada para a elaboração deste trabalho será o Estudo de Caso
único. Segundo Gil (1999), o estudo de caso é caracterizado pelo estudo profundo e exaustivo
de um ou de poucos objetos, de maneira a permitir o seu conhecimento amplo e detalhado,
tarefa praticamente impossível mediante os outros tipos de delineamentos considerados. Para
Yin (2005), o estudo de caso é uma investigação empírica que “investiga um fenômeno
contemporâneo dentro de seu contexto da vida real, especialmente quando os limites entre o
fenômeno e o contexto não estão claramente definidos”. O caso a ser estudado será o do Pré-
vestibular A que exemplifica bem os cursos preparatórios de pequeno e médio porte que
atuam nesse segmento de mercado. Muitas das suas características e ações podem ser
encontradas em outros pré-vestibulares de mesmo porte localizados em cidades como Belo
Horizonte, Juiz de Fora, Ipatinga, Ouro Preto, entre outras. Isso é inferido pelas informações
fornecidas pelos professores do Pré- vestibular A que também trabalham em outros pré-
vestibulares como: Gauss (Ipatinga), Elite Vale do Aço (Ipatinga), Cromos (Belo Horizonte),
Soma (Belo Horizonte), Classe A (Belo Horizonte), Orville Carneiro (Belo Horizonte),
Copivest (Ouro Preto) e o Cave (Juiz de Fora). Em função disso, a capacidade do Pré-
1

vestibular A exemplificar a atuação das empresas semelhantes a ele nesse segmento de


mercado e da justificativa apresentada não se optou por estudo de casos múltiplos. Segundo
Chizzotti (2006), o desenvolvimento do estudo de caso supõe três fases:

 Seleção e delimitação do caso

 Trabalho de campo

 Organização e redação do relatório

1.2.1 Seleção e delimitação do caso

O caso foi bem definido com o objetivo e a justificativa do trabalho. Espera-se observar uma
empresa prestadora de serviço num setor de instabilidade em função da mudança de um
marco regulatório do governo federal que alterou significativamente a forma de ingresso nas
instituições públicas de ensino superior. Essa mudança envolve a reformulação do modelo de
negócio praticado pela empresa. Será criado um possível cenário para atuação dessa empresa
no qual todas as universidades públicas do Estado de Minas Gerais, juntamente com a UFMG
(Universidade Federal de Minas Gerais), passarão a adotar a partir do ano de 2012 o novo
Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) como fase única de ingresso. Diante dessa
realidade serão analisadas as possíveis mudanças e ações que deverão ser desenvolvidas e
adotadas pelo pré-vestibular, além da elaboração de um novo modelo de negócio que seja
viável e esteja alinhado com a missão, a visão e os valores da empresa.

1.2.2 Trabalho de campo – obtenção dos dados

A coleta de informações para o diagnóstico interno e externo da organização deve ser


efetuada por diversas vias, sempre considerando a opinião de todos os envolvidos. Assim, os
dados serão obtidos via entrevistas e análise dos documentos. Foram consultados através do
preenchimento de questionários e de entrevistas, seis professores, dois funcionários do pré-
vestibular, o diretor/proprietário do pré-vestibular e 120 alunos. O roteiro de entrevistas foi
previamente elaborado com o objetivo de traçar um perfil da empresa através de informações
2

como: descrição do mercado e dos concorrentes, as ameaças e oportunidades, os serviços


oferecidos para o aluno, função e posicionamento de cada membro dentro da instituição,
número de alunos e valor das mensalidades.

Para montar o organograma da empresa e propor um novo modelo serão feitas duas
atividades:

 Entrevistas com todos os funcionários a partir de um roteiro. Os membros terão suas


respostas confrontadas posteriormente pelos entrevistadores visando filtrar as
respostas e elaborar, de acordo com a visão de cada membro da organização, o
organograma real e o desejado pelo diretor-proprietário do pré-vestibular.

 Coletar e filtrar todas as informações coletadas. Com a estratégia da empresa definida,


elaborar um modelo organizacional que se adapte melhor a ela.

1.2.3 Organização e redação do relatório

Todos os dados obtidos serão confrontados e terão as suas fontes verificadas para que assim
seja possível testar a veracidade das informações e validá-las. Principalmente os dados
referentes à rotina do pré-vestibular. Nessa fase busca-se organizar todos os dados e
informações coletadas e estruturar um relatório que explicite toda a teoria adotada e a
metodologia adaptada ou desenvolvida para estudo de caso.

Grande parte desses dados que serão utilizados provem das respostas obtidas dos
questionários e entrevistas feitas com os alunos, os funcionários e os professores. Todas as
perguntas do questionário aplicado aos alunos ou das entrevistas feitas com os professores e
funcionários tiveram como objetivo permitir traçar um perfil da empresa, dos serviços que ela
presta e do ambiente e mercado no qual ela atua através de informações como: descrição do
mercado e dos concorrentes, as ameaças e oportunidades, os pontos fortes e fracos, perfil dos
seus clientes, os serviços oferecidos para o aluno, visão, missão, valores, descrição dos cargos
e das funções e o posicionamento de cada membro dentro da instituição. Essas informações
irão servir de base para alimentar o modelo adaptado para elaborar o planejamento estratégico
da instituição. Não é objetivo desse trabalho, pela metodologia adotada para a pesquisa,
3

aplicar o modelo desenvolvido na empresa e acompanhar os resultados. Busca-se apenas


analisar as informações obtidas e validar através delas todas as inferências que serão feitas.