Você está na página 1de 1
Hospital da Restauracao, edificio Holliday, pracinha de Boa Viagem, rua 7 de Setembro e, agora, hospital das Clinicas. Seguindo a politica de higienizacao da PCR (Prefeitura da cidade do Recife), em didlogo direto com as demandas da Copa do Mundo de 2014, mais um territorio da cidade foi varrido e varios trabalhadores e trabalhadoras jogados no 1ixo. A perseguicao aos ambulantes nao é isolada. Ela acontece ao mesmo tempo em que favelas sao removidas e UPP’s instaladas no Rio de Janeiro, quando varios moradores sao desalojados em Fortaleza, entre varios outros exemplos em todo o Brasil. assim como na Africa do Sul as vésperas da Copa do Mundo de 2010, percebemos que o Brasil intensifica sua perseguicao a pobreza e as organizagoes populares. Voltando ao ocorrido, na manha da quinta-feira (17/03) quase todos ambulantes foram surpreendidos com a chegada de um grande aparato policial por volta das 8:30. Baseando-se numa notificacdo feita ha mais de um ano, a ordem era destruir o trabalho de mais de 20 familias que ocupavam as calcadas do Hospital das Clinicas e garantiam alimentacao para pacientes e funcionarios ha mais de 2 décadas. Dos comerciantes dessa area so um garantiu seu ponto de trabalho pois havia contratado um advogado isoladamente e conseguiu um “mandato de garantia de posse” / DADE BONITA BARRIGA VAZIA! A acao contou com a Policia Rodoviaria Federal e sua tropa de choque, o DNIT, @ DIRCON e teve o apoio da prefeitura da cidade do Recife. Como de praxe a acdo policial foi violenta e ilegal. Ao perceberem que os policiais nao tinham 0s documentos necessarios para efetuar © despejo, homens, mulheres, criancas, advogados e estudantes tentaram fazer um cordao para impedir a destruicao das barracas. Também alguns entulhos foram colocados na via a fim de interdita-la e chamar atencao para a acao truculenta da policia. Sem hesitar a tropa de choque atirou balas de borracha indiscriminadamente, bombas de gas lacrimogéneo ¢ bombas de efeito moral. 0 saldo foi mais de 10 feridos e cerca de 20 barracas destruidas. Alguns dos ambulantes chegaran a levar mais de 4 tiros, uma adolescente foi atingida e ate a advogada dos ambulantes também feriu- se. Além disso a maioria dos tiros foram cruelmente disparados na regiao acima da cintura, quando no uso de armas nao-letais deveria-se atirar so para intimidar ou visar as pernas. Ja a policia mente descaradamente alegando que revidou a agressao dos ambulantes e que as pessoas 56 foram atingidas porque se movimentaram, pois eles nao visaram ninguém em especial Como ainda existem outros pontos de "conércio informal” ao redor da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco) esse foi o primeiro ataque aos ambulantes que trabalham na localidade € preciso alertar que outros ataques virao. A fim de resistir e garantir seus pontos de trabalho varios ambulantes j4 estao se organizando e necessitam de todo apoio possivel CONTRA A EXPULSAO DOS BARRAQUEIROS