P. 1
ApostilaMecatronica[1]

ApostilaMecatronica[1]

|Views: 1.047|Likes:
Publicado porVinicius Martins
para todos
para todos

More info:

Published by: Vinicius Martins on Mar 21, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/17/2015

pdf

text

original

A estrutura do aço apresenta tensões. Em alguns processos, os grãos que forma a estrutura
do metal podem ser deformados, o que prejudica a sua resistência e outras qualidades mecânicas.
Essas tensões podem ter várias causas.

Elas podem surgir durante os processos de fabricação realizados em temperatura ambiente.
Ao se prensar uma peça, os grãos do metal que formam a sua estrutura, são deformados e empur-
rados pelo martelo da prensa.

No processo de solidificação, a região da superfície do aço se resfria com velocidade diferente
da região do núcleo. Em função dessa diferença, observamos pó surgimento de grãos com formas
heterogêneas, o que também provoca tensões na estrutura do aço. Durante a laminação, os grãos
são comprimidos, deixando-os com um formato amassado.

As tensões internas são diminuídas quando o aço atinge a temperatura ambiente. Porém,
esse processo levaria um longo tempo, podendo dar margem a empenamentos, rupturas ou corro-
são. Para evitar que isso ocorra é preciso tratar o material termicamente.

mecatrônica45

Para aliviar as tensões do metal é possível recozer o material. Nessa caso, a peça é aquecida
lentamente no forno até uma temperatura abaixo da zona crítica, por volta de 570°C a 670°C, no
caso de aços-carbono. Sendo um tratamento subcrítico, a ferrita e a perlita não chegam a se
transformar em austenita. Portanto, aliviam-se as tensões sem alterar a estrutura do material.

O forno é desligado depois de um período de uma a três horas. A peça é resfriada no próprio
forno. Esse processo é conhecido como recozimento subcrítico.

Normatização

Em temperatura elevada, bem acima da zona crítica, os grãos de astenita crescem, absor-
vendo os grãos vizinhos menos estáveis. Esse crescimento é tão mais rápido quanto mais elevada
for a temperatura. Se o aço permanecer muitas horas com temperatura um pouco acima da zona
crítica (por exemplo, 780°C), seus grãos também serão aumentados.

No resfriamento, os grãos de austenita se transformam em grãos de perlita e de ferrita.
Suas dimensões dependem, em parte, do tamanho dos grãos de austenita. Uma granulação gros-
seira torna o material quebradiço, alterando suas propriedades mecânicas. As fissuras (trincas)
também se propagam mais facilmente no interior dos grãos grandes. Por isso, os grãos mais finos
(pequenos) possuem melhores propriedades mecânicas.

A normatização consiste em refinar (diminuir) a granulação grosseira da peça, de modo que
os grãos fiquem numa faixa de tamanho considerada normal. No processo de normatização, a peça
é levada ao forno com temperatura acima da zona crítica, na faixa de 750°C a 950°C. O material
se transforma em austenita. Depois de uma a três horas, o forno é desligado. A peça é retirada é
colocada numa bancada, para se resfriar. A estrutura final do aço passa a apresentar grãos finos,
distribuídos de forma homogênea.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->