Você está na página 1de 6

DICIONÁRIO

Axiologia [digno de ser dito]. Filos. 1. Estudo ou teoria de alguma espécie de valor, particularmente dos
valores morais. 2. Teoria crítica dos conceitos de valor.

Coercibilidade

Coerção é o ato de induzir, pressionar ou compelir alguém a fazer algo pela força, intimidação ou ameaça.

A coerção sexual existe em um contínuo de ações, desde o


estupro forçado a outras formas não físicas de pressão que
compelem meninas e mulheres.

Corolários 1.proposição resultante de uma verdade


2.conseqüência direta de uma proposição demonstrada
3.conseqüência imediata de menor importância a partir de um teorema

Um corolário é uma decorrência imediata de uma teoria ou lei.

Deontologia
"déon, déontos" que significa dever e "lógos" que se traduz por discurso ou tratado.
Tratado do dever ou o conjunto de deveres, princípios e normas adoptadas por um determinado grupo
profissional.

"... o primado das éticas deontológicas preceituais limitam-se ao


bem estar, passando longe do tema felicidade." LEOPARDI et al. O
Processo de trabalho em saúde - 1999)

Empirismo s. m.,
Em um modo filosófico, empirismo é uma doutrina que se baseia na experiência, exclusivamente, como
única (ou principal) fonte de conhecimentos..

Na ciência, o empirismo é normalmente utilizado quando falamos no método científico tradicional (que é
originário do empirismo filosófico), o qual defende que as teorias científicas devem ser baseadas na
observação do mundo, em vez da intuição ou fé.

Epistemológicas
Epistemologia ou teoria do conhecimento (do grego"episteme" - ciência, conhecimento; "logos" - discurso), é um
ramo da filosofia que trata dos problemas filosóficos relacionados à crença e ao conhecimento.
A teoria de Platão abrange o conhecimento teórico, o saber que. Tal tipo de conhecimento é o conjunto de todas
aquelas informações que descrevem e explicam o mundo natural e social que nos rodeia. Este conhecimento
consiste em descrever, explicar e predizer uma realidade, isto é, analisar o que ocorre, determinar por que ocorre
dessa forma e utilizar estes conhecimentos para antecipar uma realidade futura.

Há outro tipo de conhecimento, não abrangido pela teoria de Platão. Trata-se do conhecimento prático, o saber
como.

A epistemologia também estuda a evidência (entendida não como mero sentimento que temos da verdade do
pensamento, mas sim no sentido forense de prova), isto é, os critérios de reconhecimento da verdade.

Ante a questão da possibilidade do conhecimento, o sujeito pode tomar diferentes atitudes:

Dogmatismo; atitude filosófica defendida por Descartes segundo a qual podemos adquirir conhecimentos seguros
e universais, e ter absoluta certeza disso.
Cepticismo; atitude filosófica oposta ao dogmatismo a qual duvida de que seja possível um conhecimento firme e
seguro, esta postura foi defendida por Pirro de Elis.
Relativismo; atitude filosófica defendida pelos sofistas que nega a existência de uma verdade absoluta e defende a
idéia de que cada indivíduo possui sua própria verdade. Esta verdade depende do espaço e o tempo.
Perspectivismo; atitude filosófica que defende a existência de uma verdade absoluta, mas pensa que nenhum de
nós pode chegar a ela senão que chegamos a uma pequena parte. Cada ser humano tem uma visão da verdade.
Esta postura foi defendida por Nietzsche.

Segundo Lalande, trata-se de uma filosofia das ciências,


mas de modo especial, enquanto "é essencialmente o
estudo crítico dos princípios, das hipóteses e dos
resultados das diversas ciências, destinado a determinar
sua origem lógica (não psicologica), seu valor e seu
alcance objetivo". Para Lalande, ela se distingue,
portanto, da teoria do conhecimento, da qual serve,
contudo, como introdução e auxiliar indispensável.

Portanto, temos que epistemologia é o estudo sobre o


conhecimento científico, ou seja, o estudo dos
mecanismos que permitem o conhecimento de
determinada ciência. Como diria Marilena Chauí, é o
“conhecimento do conhecimento científico”.

Japiassu distingue três tipos de epistemologia:

a epistemologia global ou geral que trata do saber


globalmente considerado, com a virtualidade e os
problemas do conjunto de sua organização, quer sejam
especulativos, quer científicos;
a Epístemología particular que trata de levar em
consideração um campo particular do saber, quer seja
especulativo, quer científico;
a epistemologia específica que trata de levar em conta
uma disciplina intelectualmente constituída em unidade
bem definida do saber e de estudá-la de modo próximo,
detalhado e técnico, mostrando sua organização, seu
funcionamento e as possíveis relações que ela mantém
com as demais disciplinas.

Ética
Ciência que estuda os juízos morais referentesá conduta humana.Virtude caracterizada pela orientação dos atos
pessoais segundo os valores do bem e da decência pública

ética é a palavra que se refere a condulta


humana seus atos pessoais e publicos
Ética vem do grego "ethos" que significa analogicamente "modo de ser" ou
"caráter" enquanto forma de vida também adquirida ou conquistada pelo homem.
Estatui princípios e valores que orientam pessoas e sociedades.

uma pessoa é ética quando se orienta por


pricípios e convicções. Dizemos que tem
caráter e boa índole
A ética (palavra originada do grego ethos, através do latim ethica) é um campo de reflexões filosóficas
que busca conhecer com profundidade as relações entre os seres humanos e seu modo de ser e
pensar.

Ética na política....

Exegese
Comentário para esclarecimento ou intepretação minuciosa de um texto ou de uma palavra. Aplica-se
especialmente em relação a Gramática, à Bíblia, às leis!
Manual de
exegese Bíblica.

Fenomenológica
É um método pelo qual,é usado principalmente pelos psicólogos, para entender a vivencia do paciente no mundo
em que ele se encontra. e como o paciente se percebe nesse mundo.

ex. ao analizarmos um professor que muitas vezes tem


dificuldades na profissao,mas gosta da mesma e nao quer deixa-
la de forma alguma,usamos o método fenomenologico, para
descobrirmos como esse profissional se ve diante de
determinada situacao.

Gnoseologia

Trata-se do estudo do conhecimento, gnose = conhechimento, logia = estudo

"...Porém não é mais do que um breve capítulo da


gnoseologia." (Pontes de Mirand

Heteronomia
Condição de pessoa ou de grupo que receba de um elemento que lhe é exterior, ou de um princípio estranho à
razão, a lei a que se deve submeter.

"Dizemos, então, que o Direito é heterônomo, visto ser


posto por terceiros aquilo que juridicamente somos
obrigado a cumprir."
"É inegável, porém, que, em princípio, o Direito obriga,
sendo o característico da heteronomia bem mais
profundo do que à primeira vista parece."
REALE, Miguel - Licões Preliminares de Direito, cap.V

Metafísica
Metafísica É um ramo da filosofia que estuda a essência do mundo. Se ocupa em procurar responder perguntas
tais como: O que é real? O que é natural? O que é sobre-natural? O ramo central da metafísica é a ontologia, que
investiga em quais categorias as coisas estão no mundo e quais as relações dessas coisas entre si. A metafísica
também tenta esclarecer as noções de como as pessoas entendem o mundo, incluindo a existência e a natureza
do relacionamento entre objetos e suas propriedades, espaço, tempo, causalidade, e possibilidade.

Estudos que vão além da natureza, além do físico, além daquilo que se
possa ver ou tocar.
Conhecimento ou princípio liogado à
religião, à razão, ao Criador; que não é
revelado pelo empirismo ou pela
experiência, mas sim por uma razão
fundacional, fundamental.

"Para se completar a revolução intelectual da teoria política moderna só


faltava desligar a sociedade de qualquer realidade metafísica, laicizando
ateoria social e libertando o indivíduo de quaisquer limitações
transcedentes."
in Poder e Instituições no Antigo Regime
autor: Antonio Manuel Espanha
Nomogênese Ciência auxiliar da Sociologia Jurídica, dedicada ao estudo das regras que
presidem o desenvolvimento dos fatos jurídicos.

Ontologia
Conforme Aurélio, "ontologia" é a "parte da filosofia que trata do ser enquanto ser, i. é, do ser concebido como
tendo uma natureza comum que é inerente a todos e a cada um dos seres (...)". Tendo-se em conta que "onto", do
grego, vem a significar indivíduo ou ser, e "logia", que comumente significa estudo, tem-se que "ontologia" vem a
ser o estudo investigativo e comparativo do indivíduo - aqui tido como exemplar da espécie humana - frente aos
demais seres vivos, passando pela sua concepção, criação, evolução e extinção. Busca, portanto, o conhecimento
profundo acerca da natureza do ser humano, levando em conta os aspectos fisiológicos e espirituais,
confrontando-os com aqueles que caracterizam e distinguem os demais seres vivos.

"Mais grave ainda torna-se o apego excessivo à


letra fria da lei, sem qualquer investigação
ontológico-material, quando se observa a falta
de uma legitimidade plena e concreta nos
procedimentos para a sua criação". (Fernando
Capez, Curso de Direito Penal, Vol. I)

Ontognoseologia
É a teoria do conhecimento.
É o estudo de temas especiais da filosofia, quais sejam, Ontologia, Epistemologia , Deontologia, Culturologia e
Lógica.
São elementos que possibilitam a compreensão como um todo, quando são estudados em unidade e integrados.

Miguel Reale, ao apresentar sua Teoria Tridimensional, baseada no pressuposto


de ser o Direito produto de fatos, valores e normas, embasa sua fundamentação
na Ontologia, Deontologia e Lógica, a que denominou ontognoseologia. Assim, o
fundamento do Direito passa a ser a ética, a história, os valores, a cultura, mas
desde que devidamente normatizada, no qual aponta o aspecto lógico de sua
teoria.

Paideia Inicialmente, a palavra paidéia (de paidos - criança) significava simplesmente "criação de
meninos". Mas, como veremos, este significado inicial da palavra está muito longe do elevado sentido que
mais tarde adquiriu O termo também significa a própria cultura construída a partir da educação. Era o
ideal que os gregos cultivavam do mundo, para si e para sua juventude. Uma vez que o governo próprio
era muito valorizado pelos gregos, a Paidéia combinava ethos (hábitos) que o fizessem ser digno e bom
tanto como governado quanto como governante. O objetivo não era ensinar ofícios, mas sim treinar a
liberdade e nobreza. Paidéia também pode ser encarada como o legado deixado de uma geração para
outra na sociedade. Do significado original da palavra paidéia como criação de meninos, o conceito
alarga-se para, no século IV a.C., adquirir a forma cristalizada e definitiva com que foi consagrado como
ideal educativo da Grécia clássica.

Como diz Jaeger (1995), os gregos deram o nome de paidéia a "todas as formas e criações espirituais e
ao tesouro completo da sua tradição, tal como nós o designamos por Bildung ou pela palavra latina,
cultura." Daí que, para traduzir o termo paidéia "não se possa evitar o emprego de expressões modernas
como civilização, tradição, literatura, ou educação; nenhuma delas coincidindo, porém, com o que os
gregos entendiam por paidéia. Cada um daqueles termos se limita a exprimir um aspecto daquele
conceito global. Para abranger o campo total do conceito grego, teríamos de empregá-los todos de uma
só vez." (Jaeger, 1995: 1).
Na sua abrangência, o conceito de paideia não designa unicamente a técnica própria para, desde cedo,
preparar a criança para a vida adulta. A ampliação do conceito fez com que ele passasse também a
designar o resultado do processo educativo que se prolonga por toda vida, muito para além dos anos
escolares.

A paidéia, vem por isso a significar "cultura entendida no sentido perfectivo que a palavra tem hoje entre
nós: o estado de um espírito plenamente desenvolvido, tendo desabrochado todas as suas virtualidades,
o do homem tornado verdadeiramente homem" (Marrou, 1966: 158).

Positivismo
O Positivismo é uma corrente sociológica cujo precursor foi o francês Auguste Comte (1789-1857). Surgiu como
desenvolvimento sociológico do Iluminismo e das crises social e moral do fim da Idade Média e do nascimento da
sociedade industrial. Propõe à existência humana valores completamente humanos, afastando radicalmente
teologia ou metafísica.

Assim, o positivismo - na versão


conteporânea, pelo menos - associa uma
interpretação das ciências e uma
classificação do conhecimento a uma ética
humana, desenvolvida na segunda fase da
carreira de Comte.

Propedêutica

Ciência preliminar; introduçâo; rudimentos de uma ciência.

Que prepara para receber ensino mais completo. que


serve de introdução

é o que devemos conhecer antes de iniciar uma investigação científica ou filosófica, pois somente ela
pode indicar os procedimentos (métodos, raciocínios, demonstrações) que devemos empregar para
cada modalidade de conhecimento;

Teleológico
EstudoTeleologia.
Refere-se ao estudo das finalidades do universo.

A teleologia é inseparável da teologia (a afirmação de que um ser superior,


Deus, realiza seus propósitos no universo).

Tricotomia
A teleologia é uma doutrina que estuda os fins últimos da sociedade, humanidade e natureza.

Suas origens remontam a Aristóteles com a sua noção de que as coisas servem a um propósito.

A teleologia contempla também o onde pára tudo isto? A questão que busca responder o para-quê de todas as
coisas.Aristóteles situa a ciência da praxis em uma perspectiva de estrutura teleológica para a investigação e
determinação de seu fim, seu objetivo, o aspecto formal como fim em si mesmo. O Bem em si mesmo é o fim a
que todo ser aspira, resultando na perfeição, na excelência, na arte ou na virtude. Todo ser dotado de razão aspira
o Bem como fim que possa ser justificado pela razão.

A crença de que os processos naturais são


deliberadamente dirigidos para algum fim ou objetivo.
Em psicologia, o termo é particularmente usado com
referência a Jung e Adler. Adler, por exemplo, considera
a atividade atual da pessoa como uma preparação para
o seu estado final, para o que ela vai ser. A psicologia
analítica de Jung também é teleológica. Jung considera
a mente como algo muito mais do que o resultado de
experiências passadas: "[a mente] é tanto Devir como
Foi, e, portanto, qualquer análise dela tem que incluir a
referência a seus objetivos e ao que está tentando
realizar dentro de si. Nesse sentido, o sonho deve ser
considerado, portanto, como parcialmente determinado
pelo futuro". (Nicole, J. Psychotherapy 1948)

Voluntas voluntas legis = Vontade da lei.


volunta legislatoris = A intenção do legislador.