P. 1
D. Constitucional - DIREITO DE GARANTIAS FUNDAMENTAIS - Aula

D. Constitucional - DIREITO DE GARANTIAS FUNDAMENTAIS - Aula

|Views: 438|Likes:
Publicado porDaniLula

More info:

Published by: DaniLula on Mar 23, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/17/2013

pdf

text

original

DIREITO DE GARANTIAS FUNDAMENTAIS O título II da CF se divide em 5 capítulos: Cap. I - Dos direitos e deveres individuais e coletivos; Cap.

II - Dos direitos sociais; Cap. III - Da Nacionalidade; Cap. IV – Dos Direitos Políticos; Cap. V – Dos Partidos Políticos. Já estudamos: Dos direitos políticos, da nacionalidade e dos partidos políticos. Na próxima aula o prof. vai falar sobre o art. 144, CF que é muito importante.

IMPORTANTE! A CF diz dos direitos e garantias fundamentais. Por acaso direito é sinônimo de garantia? Regra, a CF não utiliza sinônimos. O que são direitos? São normas que declaram a existência de interesses. Direito são normas declaratórias. As garantias são normas que asseguram o exercício do direito. Enquanto os direitos são normas declaratórias as garantias são normas assecuratórias. CUIDADO! Garantia não é sinônimo de remédio constitucional. “Todo remédio é uma garantia, agora, nem toda garantia é remédio constitucional”. Remédios constitucionais são instrumentos processuais (ações). Exemplo de garantia que não é remédio: art. 5º, VI, CF. Não é remédio porque a proteção está na lei. Os direitos são fundamentais porque são necessários para a existência humana. Indispensáveis.

Capítulo I Apesar de dizer dos direitos e deveres, não encontraremos os deveres expressos só direitos. Os deveres são implícitos porque decorrem do sistema constitucional. O Prof. JAS diz que temos os direitos mais também temos o dever de respeitar os direitos de 3º. Dever de ser honesto, de pagar tributo, de primar pela moralidade, de alistamento militar (art. 142 e 143), de se alistar eleitoralmente (art. 14).

Evolução dos Direitos Fundamentais Até determinado momento histórico aquele que exercia o poder o fazia de forma arbitrária, de forma absoluta. Aquele que exercia de forma arbitrária era chamado de Soberano. O indivíduo não tinha direitos perante o soberano. Com a Revolução Francesa - 1890 o indivíduo passou a ter direitos em face do soberano. Com a Revolução Francesa surgiram os denominados direitos fundamentais de 1ª geração também chamada de direitos fundamentais de 1ª dimensão. A Revolução Francesa lutou contra o arbítrio daquele que exercia o Poder. A partir da Revolução surgiu o individualismo. Este possui várias características. A principal que nos interessa é: com o individualismo o Estado se retirou das relações estaduais. Nesse momento o cidadão tinha o respeito dos direitos se o Estado não agisse, o Estado se omitindo. Os direitos fundamentias de 1ª geração em razão disso são denominados de LIBERDADES NEGATIVAS OU DIREITOS INDIVIDUAIS. Esta liberdades negativas representava uma inação do Estado. Ex.: o Estado não estava autorizado a prender sem autorização judicial; a entrar na minha casa sem mandado judicial. Recebe a denominação de liberdade negativas porque representa um falta de ação do Estado. Direitos de LIBERDADE. 1919A partir desta a Constituição Alemã de Waimar passou a estabelecer direitos sociais. Estes eram caracterizados por uma ação por parte do Estado. Uma prestação do Estado. Começaram a estabelecer as atividades que o estado deveriam prestar. Como:

. moradia. O Estado passou a ser um Estado não só garantidor. ele passou a ser um Estado Prestador. trabalho. É o denominado ESTADO DO BEM-ESTAR SOCIAL. Direitos Individuais e Coletivos: Aqui estão os direitos fundamentais de 1ª e 3ª geração. saúde. segurança pública que são os direitos fundamentais de 2ª geração. Chegou no Brasil em 1934. No art. 5º O art. Hoje. 3) Igualdade. 5º em regra protege 5 interesses. 6º estão os direitos de 2ª geração. 1) Vida. São os direitos que pertencem a um grupo. A CF/34 passou a estabelecer os direitos fundamentais de 2ª geração. ART. 5) Propriedade. São os chamados direitos coletivos ou metaindividuais. 6º. São os direitos de FRATERNIDADE. coletividade determinado ou determinável. 2) Liberdade. São eles: paz universal. há quem defenda os direitos de 4ª geração ou de 4ª dimensão. Agora é um Estado também prestador e não só garantidor como o de 1ª geração. São os direitos de IGUALDADE. emprego para todos. Ver art. CF/88. 1948 2ª guerra mundial Direitos fundamentais de 3ª geração ou 4ª dimensão. 4) Segurança. Características dos Direitos Individuais: . desenvolvimento sustentável. mutações genéticas.educação. o chamado biodireito.

Quais são os destinatários do art. caput. 5º. 5º. O direito à liberdade não é absoluto. Ex.1ª) O rol do art.1º do art. 5º é meramente exemplificativos. 4ª) Universalidade dos direitos fundamentais: ver art. cláusula pétrea.: par. Exemplo2: a partir dos 18 anos a pessoa passa a ser imputável penalmente. o direito à vida não é um direito absoluto. Daí os direitos individuais estão espalhados por toda CF. No Brasil o direito de não ser torturado é ABSOLUTO. Art. aqui residente quer dizer TODO ESTRANGEIRO NO TERRITÓRIO NACIONAL é destinatário do art. Quem diz que não é cláusula pétrea aceita a diminuição da imputação penal. O direito de NÃO SER ESCRAVIZADO é um direito constitucional ABSOLUTO. 5º? Brasileiros aqui são os natos ou naturalizados. 5º e incisos existem outros que decorrem do sistema constitucional. Um direito fundamental não revoga outro direito fundamental. porque o art. Exemplos1: o STF reconheceu que o princípio da anterioridade tributária é um direito individual. Em regra. Os estrangeiros residentes não é o melhor termo. 2ª) Os direitos individuais têm aplicação imediata. 2º do art. 5º. O par. É possível reduzi-la? Há quem defenda que é um direito individual. não existem direitos fundamentais absolutos na CF. Significa que eles independem de normatização futura. III. ou seja. Portanto. os direitos individuais não são absolutos. 3ª) Limitabilidade dos direitos fundamentais ou ralatividade: eles não são absolutos. eles são normas que se aplicam independentemente de uma norma ordinária ou uma norma complementar. A propriedade é direito relativo. 5º: diz que além dos direitos no art. ele afasta a aplicação do outro no caso concreto. Além desses existem outros direitos individuais fora do art. Ex. logo. Existem direitos absolutos na CF? Ver art. CF. Existe alguma lei que permita a polícia a torturar o cidadão? Não.: PJ tem liberdade de locomoção (pode mudar o seu . 5º. 118 da CF diz isso. Alguns dos direitos fundamentais podem se valer as pessoas jurídicas. não se pode reduzi-la. Toda pessoa humana independentemente da sua condição. 5º. 1º fala que a RFB tem por princípio o respeito à dignidade da pessoa humana.

esta é a regra.endereço).art. A CF não diz quando se inicia a vida. -Vida: A CF preserva a vida e. pode impetrar HC. Não posso ser preso sem mandado de prisão. Da existência digna surge a dignidade da pessoa humana. CF: 1) Vida. Direito de ser respeitado. de existência.porque a CF protege a vida. 3) Igualdade. Dignidade da pessoa humana NÃO é um DIREITO É um ATRIBUTO. 5) Propriedade. tem direito de propriedade. A morte tem que ser natural. o Estado não pode entrar dentro da minha casa sem mandado. moradia etc. A vida aqui significa o direito a existência natural. Ela pode ser dividida em duas: a) dignidade em sentido moral: direito de ter direitos. daí muitos dos direitos fundamentais não se aplicam às PJ. PJ não tem consciência. . por isso o homicídio é o 1º artigo Vida é o direito de existir. São 5 os interesses previstos no art. Precisa ter: escola. Agora. 4) Segurança. não posso ser torturado. por isso a eutanásia seria crime aqui. veda a pena de morte. Exceção: em caso de guerra declarada. é uma existência digna. Este PISO MÍNIMO também recebe o nome de MÍNIMO EXISTÊNCIAL . 6º. Crimes contra a vidaaborto . Vida é o 1º interesse protegido. 5º. Existem vários momentos em que se inicia a vida. 2) Liberdade. O direito de existir não é qualquer existência. b) dignidade em sentido material: o cidadão tem um direito a um piso mínimo de dignidade. portanto.

-Liberdade: significa auto determinação. porque a mulher é diferente do homem. separação judicial deve ser ajuizada no foro da mulher (art. É a chamada igualdade substancial ou material. Reserva legal . de consciência. Isso significa dizer que eu não posso ser obrigado por uma vontade particular. O IP precisa de prazo pela segurança jurídica. Limita o direito de propriedade a partir do art. No Brasil ganhar dinheiro não é crime ao menos licitamente. Esta liberdade também significa liberdade de ação. a CF exige lei. coisa julgada). Isonomia significa tratar os desiguais de forma desigual na medida em que se desigualam. Lei em sentido genérico que quer dizer toda espécie normativa. A jurídica significa estabilidade nas relações. Existem na CF umas 40 espécie de liberdade: de locomoção. Inciso I: a CF determina a igualdade desde que não exija um critério objetivo que determine desigualdade entre homens e mulheres. Possibilidade de escolher o seu destino. é a tranqüilidade. Este direito é uma garantia do cidadão contra o arbítrio. -Segurança: é a segurança jurídica. o absolutismo daquele que exerce o poder. Decorre da segurança jurídica. 170 que surge o direito econômico. a decadência e a prescrição. XXXVI. -Propriedade: é monopólio exclusivo sobre determinado bem. Quer dizer. 1º que fala iniciativa privada. 5º. Ex. CF – direito adquirido. o que significa que adotamos o Regime Capitalista. profissional. ato jurídico perfeito. Agora. eu só posso ser obrigado a fazer ou deixar de fazer se existir uma lei e esta lei tem que estar de acordo com a CF.: a mulher se aposenta com menos tempo de trabalho que o homem. pois ela tem dupla jornada de trabalho. 100 do CPC) porque em regra ela é a parte mais fraca financeiramente. Significa liberdade econômica. Princípio da legalidade não é sinônimo de princípio reserva legal. esta propriedade deve cumprir a sua função social. de culto. Não é a pública. individual. Legalidade qualquer das espécies normativas. O direito de propriedade decorre do art. Inciso II: princípio da liberdade de ação ou princípio da legalidade. Este valor igualmente considerado recebe o nome de isonomia. Desta segurança decorre a TRILOGIA DA IRRETROATIVIDADE (art. -Igualdade: é uma valor.

CF. Pluralismo político é respeito ou diferente. Reserva legal é lei em sentido formal e material. -Separação: aqueles Estados que adotam essa espécie são denominados de Estados leigos. 2) união. CF garante o pluralismo político (art. O cidadão pode professar qualquer religião (ateu. I. . não confecionais. Legalidade é lei em sentido material. agnóstico). crente.exige lei em sentido material. CF). Liberdade de Culto Proteção aos locais de culto. da República não pode por Medida Provisória criar artigos penais. Ex. até 1981. Relações entre o Estado e a Igreja: Existem 3 espécies: 1) fusão. 1º. Ex.: Arábia Saldita. Liberdade de Crença. 3) separação. Esta relação está previsto no art. em sentido formal. -Fusão: são os Estados teocratas. 19. CF: Liberdade de consciência. Nós tínhamos essa espécie de relação com a Igreja.V. VI. em que o chefe do Estado é o representante de Deus ou ele é o próprio Deus. A nossa CF/88 adotou esta espécies de relação com a Igreja. -União: porque existe uma união entre o Estado e a Igreja: esses Estados possuem religiões oficiais. laicos. Ex. Espanha.: O Pres. 5º.: Argentina. A reserva legal é uma maior proteção ao cidadão que a legalidade. AULA 12 – 11-07-07 Art.

VII com o art. I. CF que trata da atribuição de serviço alternativo aos que. 1º. Se ele se recusar o serviço alternativo ele perderá os seus direitos políticos. Isto está ligado ao direito penal pela lei 9605. VI: Liberdade de Crença A CF me garante a liberdade de crença. Não permitir que o cidadão tenha a liberdade de crença. Art. crimes de menor potencial ofensivo. cultos. Este instituto surgiu na França. da CF – espaço de consenso. todos podem sofrem limitações. VIII – Imperativo da Liberdade de Consciência Imperativo. Além da liberdade de culto a CF protege a proteção aos locais de culto. Art. quando então um cidadão se negou a ir alegando objeção de consciência quando então o juiz lhe deferiu o direito de não ir lutar no Norte da África. de 1991 introduziu no sistema jurídico convenção contra tortura. mais não a de liberdade de culto. espírita. a CF de 1891 foi a primeira que previu a liberdade de crença. . 40 de 15 de fev. em tempo de paz alegam escusa de consciência. Deve-se combinar este inc. eu posso ser católico.Art. 5º. Isso é crime ambiental. 5º. 143. A liberdade de crença não protege a pratica de crimes. 98. Esta possui colônias no norte da África e de cada 10 cidadãos 8 voltavam mortos. par. objeção ou escusa de consciência. onde temos medida de despenalização. manifestação litúrgica. Decreto n. III: Tortura é um tratamento desumano e degradante. A CF aqui também protege a liberdade de culto. Quer dizer exteriorização de uma crença. Não existe liberdade absoluta. manifestar a sua liturgia é crime previsto no CP. pois pode uma pessoa matar animais para despachos. Isso nunca foi assim. budista. A Republica Federativa do Brasil é signatária de tratados internacionais contra a tortura. 5º. Art.

P só com base em denúncia anônima? STF não é possível. Lei 8429/92. Hoje.descriminalização. a denúncia anônima pode levar a outros elementos indiciários. 220 da CF – a . Mas o cidadão não pode se esconder no anonimato. este pode ofender direitos de 3º e por isso a CF veda o anonimato. IV. XLII e XLIII nós temos crimes graves – é o espaço de confronto. IX: Este é uma conseqüência da liberdade de manifestação de pensamento existente no inc. Art. 5º. Art. No art. 5º. Agora. XLII e XLIII. IV: O Estado não se preocupa com o pensar. é preciso buscar elementos indiciários que fundamente a instauração do IP. Ao lado desse espaço de consenso a CF faz referência ao espaço de confronto no art. 5º. A doutrina diz que só com base em denúncia anônima não é possível. já se falam em Direito Penal de 3ª velocidade sendo eles: o terrorismo. 5º. tão somente com base em denúncia anônima. crimes praticados por organizações criminosas – é também chamado de direito penal do inimigo. O delegado de polícia pode instaurar I. Mas o STF já autorizou a IP com base em denúncia anônima por entender ser o mesmo imprescindível. Deve ser ligado ao art. Apesar a CF proteger a liberdade de pensamento. a lei 9099/95. O que isto tem haver com o direito penal? A cogitação de crime não é punível pelo direito penal. O tratamento desumano ou degradante: você não pode algemar o cidadão e sair com o mesmo pela cidade. utilizado do princípio da razoabilidade. Existe quem defenda que o uso de algemas é desumano.

Da intimidade decorre a inviolabilidade do domicilio. “É o direito de cada um dispor da sua vida do modo como melhor lhe parece. Intimidade: é a esfera secreta da vida do indivíduo na qual ele tem o poder legal de evitar os demais. IX e art. o sigilo profissional. 5º. Você tem direito de preservar a sua honra inclusive contra ataques da verdade. é a representação gráfica do indivíduo.CF. a quem entender. Hoje. 220. Da privacidade decorre a intimidade e vida privada. Privacidade: conjunto de informações a respeito do indivíduo que ele detém o poder de revelar quando. portanto. Vida privada: JAS a vida privada está contida na intimidade. Aqui poderíamos discutir isso se pesosas públicas possuem . hoje não é mais sua atribuição e sim a Secretária Nacional de Justiça. Mas ele confessa que a CF considerou os dois institutos qual sejam intimidade e vida privada. o sigilo das correspondências. Obs. dia 11-07-07 foi aprovada a indicação de idade para programas televisivos. Privacidade.CF veda qualquer forma de censura porque garante a liberdade de manifestação de pensamento em qualquer de suas formas de expressão. sexuais etc. Imagem: é o aspecto físico. X: Intimidade e vida privada são espécies do gênero privacidade. Honra: é conjunto de qualidade que caracterizam a dignidade da pessoa. IV. 5º. É a reputação. desde que isso não perturbe direitos e interesses de 3ºs”. Ao derredor de cada um de nós existe um circulo imaginário onde existem dados sensíveis que revelam as minhas preferências políticas. como.: Cabia à Polícia Federal fazer a censura. Importante! Deve-se fazer um link entre o art. Art. É o respeito dos demais membros da comunidade. tem um sentido genérico.

Novelino não concorda com essa decisão. Cuidado! Forçar o cidadão a dar o consentimento é abuso de autoridade lei 4. Possuem. Encontramos posição do STF no inc. O prof. XI Casa aqui. vida privada (políticos. Desta feita. Art. carro dispensa mandado de busca e apreensão porque é uma extensão da busca e apreensão pessoal. pois esta dispensa mandado quando há fundadas suspeitas. mais sua liberdade é relativizada do que pessoas comuns como nós. é todo espaço corporal ao todo com ele limitado. pois o proprietário está no exercício de um direito constitucional. . artistas. 150. Aqui entra também a busca e apreensão em veículos. 5º. Em regra.intimidade. Aqui nós temos uma excludente de tipicidade – tipicidade conglobante. X e do Min. ele tem que consentir livremente. esportistas). oficio ou profissão. desde que em local fechado. par. Art. vida privada também é conhecido como o direito de estar só. Intimidade.898/65. Durante a noite. É o conjunto de dados sensíveis da sua personalidade. deve-se ligar este inciso com o art. a polícia ao pode entrar. 5º. XII: A CF protege a liberdade de manifestação de pensamento no inc. Durante o dia se o proprietário da casa não permitir a entrada com mandado de crime ele comete crime. Entendese que veículos não é casa a não ser que a pessoa more no carro. XII por dois motivos: 1º) proteger a liberdade de manifestação do pensamento. Tem decisão do STF que o sigilo bancário e fiscais estão contidos aqui na intimidade. Cuidado! No conceito de caso por extensão encontram-se os locais em que o cidadão exerce seus serviços. 4º do CP que define casa em sentido restrito e caso por extensão. Rezeke dizendo que não protege o sigilo bancário e fiscal do cidadão.

É possível o afastamento do sigilo da comunicação telegráfica. mais licita em razão do princípio da razoabilidade e da proporcionalidade. Esta lei foi recepcionada ou não pela CF/88? Existe decisão do STF de que esta não é prova ilícita. É a tutela dúplice. Existe decisão do STF que permitiu que diretor (lei 7210/84) de presídio violasse correspondência do preso. epístola.2º) proteger o segredo como expressão de intimidade (Art. Esta lei art. O que é correspondência? É carta. 2) comunicação telegráfica. de dados e telefônicas? A CF diz salvo no último caso. 4) comunicação telefônica. 5º. Vamos dividir esse inciso em 4 objetos de proteção: 1) inviolabilidade do sigilo das correspondências. 41 autoriza. Já vimos a inviolabilidade do sigilo das correspondênciaS. Lembre-se: tutela dúplice. 136 e 139 a CF permite o afastamento da proibição de violação de correspondência. Existe uma lei que define o que é correspondência. não é absoluto o impedimento de violação de correspondência. . missiva. Esse direito não é absoluto. O correio eletrônico – TST já decidiu que é uma prova lícita. X). Portanto. Correspondência de sexy shop. Art. Correspondência equivale a revelar segredos. Significa para algumas posições: -1ª só é possível o afastamento da comunicação telefônica. 3) comunicação de dados.

É razoável.-2ª no último caso. Art. c) para fins de investigação ou instrução processual penal: é possível se utilizar desta prova em uma ação civil? O STF recentemente decidiu que sim (num caso de um delegado de polícia federal onde tinha sido ajuizado ação de improbidade administrativa onde o MP tinha anexado provas de corrupção desse delegado – prova emprestada). Papa não pode. Só a União pode regulamentar determinadas profissões. No último caso comunicação telefônica: é preciso preencher alguns requisitos: a) na forma da lei. . É competência privativa. XIII: É possível que o Estado venha regulamentar determinadas profissões. aqui é IP. 5º. é proporcional você permitir a violação das comunicações telefônicas e não permitir as telegráficas? Portanto. -3ª significa se demonstrarmos o fato. advogados. seria de dados e de comunicações telefônica por estarem no mesmo período gramatical. Só o juiz pode e só o competente. O LFG não concorda com isso.: médicos. entende-se que o caso concreto é que vai determinar. Existe a lei é a 9296/96. Instrução processual é após oferecimento da denúncia. Investigação criminal aqui é só IP? Se entender que só Policial Federal pode investigar. não existir outros meios de prova de Hoje. CPI não pode. Portanto. não temos uma norma constitucional bastante em si mesma. Na lei 9296/96 fala que é a polícia. precisa ser integrada pela LO ou LC. não se afigura como razoável essa permissão. Ex. Defender que é investigação criminal aqui para o concurso. b) mediante autorização legal: reserva constitucional de jurisdição.

estas podem ser econômicas. Não existe a reunião permanente que é associação. pois neste caso a pessoa pode se reunir dar ciência a autoridade. se não estivermos neste lapso de declaração da guerra e do tempo de paz. Prévio aviso à autoridade competente: a comunicação não é autorização é ciência para que a reunião não colida com outra. não é possível a restrição à liberdade de locomoção. Agora. Tempo de guerra vai da declaração da guerra pelo Pres. pistola etc. da República até a celebração da paz (art. Armas próprias se destinam a ofender a integridade física do indivíduo. revolver. transitória. 84. c) defesa. Isto significa que em tempo de guerra é possível a restrição da liberdade de locomoção. 5º. Diz sem armas. XV: Liberdade de locomoção em tempo de guerra. são elas: faca. No território nacional ele pode circular com dinheiro. 5º. Este é o contrário de em tempo de guerra. agora em locais fechados a CF não trata. Nesta reunião está contido procissões. Em locais abertos.Art. comícios políticos (cuidado! Estádio de futebol não é reuniãoé diversões). O que são armas? Armas próprias e impróprias. Sem armas. proselitismo de idéias. temporária. . CF). XVI: Requisitos de reunião: a) pluralidade de pessoas. b) periódica. porque a psicóloga de grupos é diversa. agora para sair do país não é possível a não ser que seja declarado. intelectuais. Art.

Art. A doutrina elenca alguns requisitos que estando presentes a associação seria paramilitar. símbolos. Associação paramilitar: é toda coligação voluntária de algumas ou muitas pessoas físicas por tempo longo com objetivos lícitos. Do devido constitucionais: processo legal decorrem alguns direitos . são eles: a) os membros precisam ter uma hierarquia acentuada. c) uso de armas (própria e imprópria). É possível associação para fins secretos? A CF veda. Garantias de liberdade associativa: significa que a CF veda. XVII: Liberdade de associação. 5º. d) exercícios militares. Associação de caráter paramilitar: não existe no Brasil uma lei que defina o que é paramilitar. proíbe qualquer interferência estatal no funcionamento da associação. e) cantos. A associação só pode ser compulsoriamente dissolvida por decisão judicial. b) uso de uniformes. 5º. Porque não seria possível saber se os objetivos são lícitos ou ilícitos. hinos. Vedações / Restrições à Liberdade Associativa: a CF veda associação para fins ilícitos (são aqueles contrários ao ordenamento jurídico) e associação paramilitar. Art. LIV: Devido processo legal: conjunto de regras constitucionais que garantem ao cidadão a realização de um processo justo. Fins lícitos são os que não ofendam a lei.

incompatibilidade. É aquele estabelecido antes da pratica do fato. ou seja. duas posições: a) não existe diferença. exercida por profissional com Plenitude de defesa (art. vedação de acusações judiciais. Pode-se valer de argumentos psicológicos. 5º. Defesa técnica é aquela capacidade técnica (o advogado). sentimentais. Aqui se reparte em duas espécies: a) auto-defesa. que tem por objetivo fundamentar o titular constitucional da ação. sociais. suspeições. de condições. Significa dizer informação mais possibilidade de reação. O representante do MP oferece denúncia e o cidadão é citado (informado). Estabelecidos por critérios objetivos. CF). 4º) Ampla defesa: significa possibilidade de utilização de todos os meios de prova lícitos. emocionais. O IP não tem contraditório e ampla defesa porque ele é uma peça informativa. 5º. pois o conselho de sentença julga de acordo com a sua intima convicção. logo ele tem possibilidade de reação (ofertar defesa prévia). Daí nós temos impedimentos. 3º) Contraditório: igualdade de armas.1º) direito do juiz imparcial: juiz não comprometido psicologicamente com a causa. ao final do IP não será aplicada nenhuma sanção. Daqui decorre o sistema da separação das 2º) Juiz constitucionalmente competente: evita-se juizes de encomenda. LV: Natureza jurídica do IP: procedimento administrativo. É o que está no . b) existe diferença: a plenitude de defesa é possibilidade de argumentos meta-jurídicos. Diferença. O IP vai trazer a chamada justa causa para a demanda. O representante do MP tem até 3 dias para ofertar as alegações finais. não só de argumentos jurídicos. Art. o juiz não pode agir de ofício. b) defesa técnica. O MP e réu tem direito de ofertar até 8 testemunhas. Auto defesa é aquela esboçada pelo acusado. XXXVIII.

CPP). Ex. 14 do CPP – autoridade policial tem discricionariedade de aceitar ou não o requerimento. Aqui é o gênero. Prova ilegítima. Deste decorre duas espécies de provas ilícitas: a) prova ilícitas em sentido restrito. O que é prova ilícita em sentido restrito? É aquela colhida em desatendimento a uma norma de direito material (direito penal. CPP). Em regra. O juiz também tem poderes instrutórios (art.: o cidadão faz uma gravação telefônica sem autorização judicial.: em processo penal documentos podem ser juntados aos autos a qualquer momento. direito civil) Prova ilegítima é aquela colhida em desatendimento a uma norma de direito processual. Prova é todo meio. Ex. pericial porque está nominadas no . Existe uma exceção: nas alegações finais do procedimento do júri (art.: Autoridade policial faz busca em apreensão sem mandado de prisão. aquele que traz para os autos uma prova ilícita comete crime.: de prova típica: prova testemunhal. b) prova ilegítima. Temos aqui uma prova ilícita. esta é crime.art. Só se provam os fatos. Se juntar esses documentos são provas ilegítimas. Ex. A prova ilegítima viola uma norma de direito processual. pois em regra ele comete uma mera irregularidade processual. Ex. A prova ilegítima não significa pratica de crime para aquele que as trouxe para os autos. Não confundir prova ilegítima com prova inominada ex.: O procedimento do júri: documentos só podem ser lidos se juntados 3 dias antes do julgamento.: Polícia junto com MP tortura um cidadão que confessa a pratica do crime. 206. 209. 5º) Vedação de provas ilícitas: art. 5º. nós temos aqui uma prova ilícita em sentido restrito. É uma mera irregularidade processual. esta na lei 9296/96. instrumento utilizado pelo juiz ou pelas partes para demonstrar a existência ou inexistência de um fato. LVI. Ex.

O Estado anti-delitual resultante da observância das normas penais. Existem duas espécies de policias: a) polícia ostensiva. o delegado requer autorização judicial que defere. mais isto não significa que são necessariamente ilícitos. preventiva ou administrativa: tem por objetivo evitar a pratica de delitos. ordem pública. . Ex. Ordem pública: é o Estado anti-delitual. inominados. temos vida. 5º. Quer dize tranqüilidade. é o Estado resultante da observância das normas penais. No Brasil ainda não é pacifico se uma prova ilícita contamina uma prova licita. DF e Municípios. igualdade. Estado aqui é: União. 6º. ela pode não ser típica.: autoridade de policia federal junto com procurador da república torturam um cidadão. Estados-membros. 6º temos segurança como segurança pública. liberdade. Prova ilícita por derivação ou teoria dos frutos da árvore envenenada: uma prova ilícita contamina um prova licita. Estado em que as leis penais é obedecida. Só que a segurança quer dizer segurança jurídica. CF: Segurança Pública: No art. São atípicos porque não estão relacionados no CPP. evitar que os delitos ocorram. No art. a policia entra e apreende a cocaína. A segurança pública dever do Estado. CF. Existem meios de provas que são atípicos. Esta ordem pública é exercida através do poder de policia. segurança e igualdade. este confessa que em determinada casa existe 1000Kg de cocaína.CPP. Existem decisões inclusive no STF que no Brasil adotamos a teoria dos frutos da árvore envenenada e existem turmas dentro do STF com entendimento contrário. 144. Art. É possível regressão de memória? É prova lícita ou ilícita? É prova lícita. Art. Poder de policial é limitações dos interesses individuais em benefício do interesse público.

A função da polícia judiciária da União não pode ser passada aos Estados através de convênios. ostensiva. repressiva ou investigativa. da CF. 144. assim como outras infrações de repercussão interestadual (pacto federativo) ou internacional (porque só a RFB) Importante lei a lei 10. portanto. ostensiva. A autoridade da policial federal vai investigar crimes cuja competência não é da justiça federal e sim da estadual. No inc. 1º do art. administrativa. Art. IV está dito exclusividade da policia judiciária. 144. Ex. I diz investigar infrações penais e no inc.: par. Cuidado! Guarda civil metropolitana não se enquadra na segurança pública está no art. -Polícia judiciária da União: inc. II – atribuição da policia federal que é preventiva. Estas são administrativas. A polícia federal é. A PF se divide em 3: polícia federal. 144. 144 é taxativo. Ler a lei 10446. exaustivo. 6º. No concurso defender que é exclusividade de investigação. O polícia federal é uma polícia hibrida. Art. ostensivas. IV do par. Não exercem investigação.b) polícia judicial. 144. 1º do art. 144. O rol do art. 144. porque a CF diz que é exclusividade da União. É o fundamento de que a polícia teria exclusividade da investigação na podendo o MP investigar. Art.446. IV – Há grande discussão sobre esse inciso. preventivas. híbrida. CF. . Aqueles que defendem que o MP pode investigar diferenciam esse dois incisos. polícia rodoviária e ferroviária federal. 1º do art. A atribuição da polícia federal é mais abrangente que a competência criminal da justiça federal. Lei 10446/02 – regulamenta a parte final do par. III – atribuição preventiva.

.O fundamento para a policia federal investigar crimes eleitorais: a) a justiça eleitoral é uma justiça federal especializada e existe um decreto-lei 1064/69 que dá o fundamento legal para que ela investigue crimes eleitorais. b) decreto-lei 1064/69.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->