Você está na página 1de 34

Teoria do Lazer

SOCIOLOGIA DO LAZER
PUC Minas – Campus Poços de Caldas
Apresentação

Objetivos

a) Discutir os conceitos básicos para a


compreensão do Lazer enquanto fenômeno
social

b) Apresentar as dimensões básicas necessárias


à atuação do profissional de lazer a partir da
perspectiva da animação cultural

c) Contribuir para a formação cultural do futuro


profissional de lazer
Apresentação

Temas a serem trabalhados


Conceitos básicos
* Compreensões históricas sobre o Lazer
* Conceito de cultura e de Lazer: as dimensões tempo e atitude
* Os interesses culturais centrais nas atividades de lazer
* Lazer: um campo multidisciplinar e a perspectiva de atuação interdisciplinar
* Padrões de organização cultural
* Cultura e mercado: a Indústria Cultural
* Educação para e pelo Lazer: a educação dos sentidos
* Animação cultural: conceitos, níveis de conhecimento e paradigmas
* Estética e modos de endereçamento
* Lazer e Minorias Sociais
O espaço
* A cidade como espaço de lazer
* Parâmetros da ação comunitária de lazer
* Parâmetros para organização de projetos de lazer
Lazer: Configurações

O lazer deve ser encarado enquanto um


fenômeno social moderno, constituído no
âmbito das tensões entre as classes sociais; é
uma necessidade social e motivo de
intervenção de políticas públicas; mesmo
sendo uma preocupação recente e ainda
recebendo menor atenção, existe uma clara
tendência de crescimento de ações
governamentais;
Lazer: Configurações

O lazer se configura como um


relativamente recente, mas fértil,
promissor e influente campo de
negócios; é um mercado de
consumo ainda não
completamente definido e com
grandes lacunas a serem
preenchidas, mas já muito
poderoso.
Lazer: Configurações

O lazer se configura enquanto um


campo acadêmico, tendo uma longa
tradição de estudos e pesquisas,
embora ainda careça de completo
reconhecimento no âmbito das
universidades; a temática se
caracteriza pelo caráter
multidisciplinar.
Lazer: Configurações

O lazer deve ser encarado enquanto


um possível campo de intervenção
pedagógica, com características
específicas se comparado a outros
fóruns de atuação.
Lazer: Compreensões Históricas

Diversão e o não-trabalho no decorrer da História

Antiguidade
- Skholé - Grécia
- Otium/Nec-otium - Roma
- Ócio – um ideal cavalheiresco – Baixa Idade Média
- Ócio – um vício – Alta Idade Média

Modernidade
- Séc. XV – Ciclo das Navegações/Imprensa - 1450
- Séc. XVI – Renascimento/Reforma Protestante - 1513
- Séc. XVII – Mercantilismo/Iliuminismo
- Séc. XVIII – Revolução Francesa/Revolução Industrial
Lazer: Compreensões Históricas

A compreensão do lazer
a) Um tempo artificializado
b) A organização da classe trabalhadora e o tempo livre
c) Um novo modo de vida – o controle das diversões
d) Mercado cultural

Lazer como fenômeno contemporâneo


- A força da cultura de massas
- O lazer na sociedade do desemprego
- O Lazer e sua função social
Conceitos de Lazer

Prazer no lazer (ênfase psicológica/subjetiva)


- Prazer – dimensão humana
- Prazer e trabalho (alienado/fragmentado)
- Equívoco – lazer como locus exclusivo de prazer
- Prazer – definidor, mas não exclusivo

O Trabalho
- Função social do Trabalho
- Obrigatoriedade e diferenças com o lazer
- Os tempos sociais: um quadro diário horário
- O lazer na sociedade do desemprego
- Tempo de não-trabalho na contemporaneidade
Conceitos de Lazer

- Atividades sócio-culturais
- Busca do prazer
- Tempo de não-trabalho
- Não atividades fisiológicas ou obrigações diárias
(Recreação / Entretenimento / Lazer)
Conceitos de Lazer

Posturas
- Quanto à forma de participação: (assistir e praticar)
- Quanto ao grau de criticidade: (mais ativo e menos ativo)

Outros conceitos
- Semi-lazer
- Produtivização do Lazer
- Pseudoludicidade do trabalho
Interesses culturais

Questões iniciais
- Lazer: espaço de alienação? Tensões culturais
- Lazer: espaço de educação? Um compromisso
- Lazer: qual a natureza da intervenção? Especificidades

Os interesses culturais centrais


- Uma classificação das atividades de lazer
- Interesse central e áreas de sombra
- Utilidade: preparação de programas e projetos
- Interesses físicos, artísticos, manuais, intelectuais,
sociais (atenção para turismo)
Cultura: Conceitos Básicos
Conceitos de Cultura
- Compreensão geral limitada (manifestações artísticas eruditas);
- Conjunto de valores/ normas/ hábitos;
- Visão Sociológica X Antropológica;
- Articulação entre valores e representações;
- Campo de tensão, diálogo, conflito, trocas, manipulações.

Cultura ou Culturas?
- Inclusão e exclusão

Sistema cultural
(Produção, Distribuição, Troca e Uso (Consumo)
Como estruturar?
Padrões de Organização da Cultura

Ressalvas

- Classificação meramente didática;

- Não perder de vista a questão da circularidade;

- Considerar a necessidade de não preconceito;

- Considerar a necessidade de estabelecimento de um


projeto pedagógico estratégico
Padrões de Organização da Cultura

• Cultura Oficial (Erudita/dominante)


Padrões de Organização da Cultura

• Cultura Oficial (Erudita/dominante)

- Elaborações de longo alcance (“Escolas”);

- Ações destacadas de indivíduos;

- Normativa, pois estabelece padrões estéticos;

- Prestígio, Poder, Influência.


Padrões de Organização da Cultura

Cultura de massas
Padrões de Organização da Cultura

Cultura de massas

- Tende a ser estandardizada, para fácil consumo;

- Relações impessoais;

- Parte de outros níveis de organização, muitas vezes


mudando sentidos e significados;

- Acaba se apresentando como alternativa ao não acesso


à cultura erudita e á cultura popular;

- Baixo grau de autonomia e organização.


Padrões de Organização da Cultura

• Cultura popular
Padrões de Organização da Cultura

Cultura popular

- Produção local, ligada à tradição, compreendida como


algo dinâmico;

- Muitas vezes desvalorizada, considerada de menor valor.


Lazer (Aspectos educativos)

Aspectos educativos do lazer


- Educação pelo lazer: O lazer como meio
- Educação para o lazer: O lazer como fim (a ação contra a
cultura de massas)

Dificultadores

- Escala das Necessidades Humanas


(Outras necessidades)
- A forte influência do mercado cultural
- A deficiente formação e preparação do
Animador Cultural
Animação Cultural: Conceitos

Uma proposta de intervenção pedagógica, pautada


na idéia radical de mediação (que nunca deve
significar imposição), que busca contribuir para
permitir compreensões mais aprofundadas acerca
dos sentidos e significados culturais (considerando
as tensões que nesse âmbito se estabelecem)
tentando provocar questionamentos acerca da
ordem social estabelecida e contribuir para a
superação das limitações impostas pela sociedade.
Animação Cultural: Conceitos

•Animação = Anima, animus


• Intervenção pedagógica que tem a cultura como estratégia
central
• Utiliza as linguagens como estratégia (discussão de valores e
sensibilidades)
•Questiona contextualmente os mecanismos de produção cultural
• Fronteiras: Educação Social / Educação Artística
• Proposta: Educação das sensibilidades e sentidos

* O animador cultural e a equipe de animação: uma perspectiva multi e


interdisciplinar
A Importância da Animação Cultural para
as Cidades e para os Cidadãos

Questões para desencadear a discussão:


a) Como anda a relação cidade – cidadão?
b) Como pensar a cidade como espaço de lazer?
c) Como pensar estratégias de mediação cultural?
d) Com pensar uma cidade mais inclusiva e mais justa?

A cidade hoje
- Crise econômica ou crise de valores?
- A cidade é local de trabalho ou local de lazer?
- A hierarquização das necessidades humanas: onde fica
o lazer e a cultura?
- O que é a política?
A Importância da Animação Cultural para
as Cidades e para os Cidadãos

A revolução tecnológica, a esfera pública e a esfera


privada
- Privatização das vivências cotidianas – as mídias domésticas;

- A dissolução de fronteiras entre público e privado;

- Há um esvaziamento da esfera pública?

- A ação da Indústria Cultural;

- A política de eventos como política cultural!


A Importância da Animação Cultural para
as Cidades e para os Cidadãos

• A cultura entendida de forma limitada e equivocada:


“um conjunto de expressões que pode ser resumido no
âmbito do entretenimento, do consumo e do agenciamento
físico [...]. Um contexto, portanto, onde o reflexo prevalece
sobre a reflexão, o signo prevalece sobre o símbolo e a
virtualidade prevalece sobre a representação” (Sevcenko,
2002).

“Essa midialização estimula a tendência de privatizar os


eventos culturais originalmente públicos e sua percepção
estética. Com isso reforça ainda mais a erosão progressiva
dos ambientes públicos urbanos” (Prigge, 2002).
A Importância da Animação Cultural para
as Cidades e para os Cidadãos

Lazer nas cidades: Alguns dados!

Cinemas
* Há 2.045 salas de cinema no Brasil, concentradas em 7% das cidades;
* Aproximadamente 120 salas de cinema de arte;
* 79 milhões de pessoas assistiram a filmes estrangeiros em 2006 e apenas
10,7 milhões a filmes nacionais.

Números de São Paulo


São 265 salas de cinema, 92 teatros, mais de 70 museus, 11 centros culturais.
Mais de 90% localizam-se no chamado centro expandido!
A Importância da Animação Cultural para
as Cidades e para os Cidadãos

Lazer nas cidades: Alguns dados!

Parques públicos – privatização de espaços e má distribuição

- Transporte – metrô e ônibus

- Clubes – queda de prestígio

- Televisão (chega em 98% das cidades do Brasil. Há mais


aparelhos do que geladeiras)
A Importância da Animação Cultural para
as Cidades e para os Cidadãos

“O processo de construção da cidade distribui


esculturas, museus e edifícios de alto padrão,
atraindo aqueles que têm condições de escolher
onde viver, trabalhar, gozar sua afluência. As
zonas favorecidas incorporam, como lugares, o
capital cultural que forja não somente seu futuro
privilegiado, mas reduz o futuro das áreas menos
favorecidas” (Molotoch, 2002).
A Importância da Animação Cultural para
as Cidades e para os Cidadãos

O que fazer? A importância do lazer


- O lazer como forma de ressignificação do espaço público;

- Lazer e cultura em projetos sociais: experiências;

- A educação para o lazer: uma educação das


sensibilidades!

- O que é produção cultural?

- Fluxos e contra-fluxos de cultura: do centro para a


periferia da periferia para o centro.
A Importância da Animação Cultural para
as Cidades e para os Cidadãos

POR UMA EDUCAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DE UMA


NOVA CIDADE: A ANIMAÇÃO CULTURAL COMO
TECNOLOGIA EDUCACIONAL
Referências

AOUN, Sabáh. A procura do paraíso no universo do turismo. Campinas: Papirus. 2001.


APOSTOLOPOULOS, Yiorgos (ed.). The Sociology of Tourism. Theoretical and Empirical
Investigations, Londres, Routledge, 2005
BACAL, Sarah. Lazer e o universo dos possíveis. São Paulo: Aleph. 2003.
CAMARGO, Luiz O. L. Educação para o lazer. São Paulo: Moderna. 1998.
CORBIN, Alain. História dos Tempos Livres, Lisboa: Teorema, 2001
CSIKSZENTMIHALYI. Mihaly. Flow: The Psychology of Optimal Experience. New York: Harper &
Row, 1990.
DE MASI, Domenico. O futuro do trabalho. 5ª ed. Brasília: UNB. 2000.
DUMAZEDIER, Joffre. A revolução cultural do tempo livre. São Paulo:SESC/Nobel. 1994.
DUMAZEDIER, Joffre. Sociologia empírica do lazer. São Paulo:Perspectiva. 1999.
KRIPPENDORF, Jost. Sociologia do turismo. São Paulo: Aleph. 2000.
MARCELINO, Nelson C. Lazer e humanização. Campinas: Papirus. 1995.
MELO, Victor A. Teoria do Lazer. Grupo de Pesquisa Anima (Lazer, Animação Cultural e Estudos
Culturais. Escola de Educação Física e Desportos, UFRJ
Disponivel em: http://www.lazer.eefd.ufrj.br/
PARKER, Stanley. A sociologia do lazer. Rio de Janeiro: Zahar. 1978.
REVISTA DE CINEMA. Disponível em:
http://www2.uol.com.br/revistadecinema/edicao35/exibicao/index.shtml