P. 1
Geometria_Molecular

Geometria_Molecular

|Views: 1.132|Likes:
Publicado porjucatr

More info:

Published by: jucatr on Mar 24, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/08/2013

pdf

text

original

Ligação química II – geometria molecular

Ligação química II – geometria molecular
Teoria da repulsão electrónica dos pares de e- da camada de valência

Valence shell electron pair repulsion (VSEPR)
Prediz a geometria de uma molécula com base na repulsão electrostática entre pares de electrões (ligantes e não ligantes).
# de átomos ligados ao átomo central # pares de enão partilhados Arranjo dos pares de eGeometria molecular

Classe

AB2

2

0

linear
B

linear
B

Ligação química II – geometria molecular
Teoria da repulsão electrónica dos pares de e- da camada de valência Cloreto de Berílio

Cl

Be

Cl

2 átomos partilhados no átomo central 0 pares e- não ligados ao átomo central

Ligação química II – geometria molecular
Teoria da repulsão electrónica dos pares de e- da camada de valência
# de átomos ligados ao átomo central # pares de enão partilhados Arranjo dos pares de eGeometria molecular

Classe

AB2 AB3

2 3

0 0

linear planar trigonal

linear planar trigonal

Ligação química II – geometria molecular
Teoria da repulsão electrónica dos pares de e- da camada de valência Trifluoreto de Boro

Ligação química II – geometria molecular TRPECV # de átomos ligados ao átomo central # pares de enão partilhados Arranjo dos pares de eGeometria molecular Classe AB2 AB3 AB4 2 3 4 0 0 0 linear planar trigonal tetraedrica linear planar trigonal tetraedrica .

da camada de valência Metano Tetraedrica .Ligação química II – geometria molecular Teoria da repulsão electrónica dos pares de e.

Ligação química II – geometria molecular TRPECV # de átomos ligados ao átomo central # pares de enão partilhados Arranjo dos pares de elinear planar trigonal tetraedrica bipiramidal trigonal Geometria molecular linear planar trigonal tetraedrica bipiramidal trigonal Classe AB2 AB3 AB4 AB5 2 3 4 5 0 0 0 0 .

Ligação química II – geometria molecular Teoria da repulsão electrónica dos pares de e.da camada de valência Pentacloreto de Fósforo Bipiramidal Trigonal .

Ligação química II – geometria molecular TRPECV Classe # de átomos ligados ao átomo central # pares de enão partilhados Arranjo dos pares de elinear planar trigonal tetraedrica bipiramidal trigonal octaédrica Geometria molecular linear planar trigonal tetraedrica bipiramidal trigonal octaédrica AB2 AB3 AB4 AB5 AB6 2 3 4 5 6 0 0 0 0 0 .

da camada de valência Hexafluoreto de Enxofre Octaédrica .Ligação química II – geometria molecular Teoria da repulsão electrónica dos pares de e.

Ligação química II – geometria molecular TRPECV .

Ligação química II – geometria molecular TRPECV par não partilhado vs. Tipo par não partilhado repulsão > par não partilhado vs. par ligante > par ligante vs. par ligante .

Ligação química II – geometria molecular TRPECV Classe # de átomos ligados ao átomo central # pares de enão partilhados Arranjo dos pares de etrigonal planar trigonal planar Geometria molecular trigonal planar não linear AB3 AB2E 3 2 0 1 .

Ligação química II – geometria molecular TRPECV Classe # de átomos ligados ao átomo central # pares de enão partilhados Arranjo dos pares de etetraedrica tetraedrica Geometria molecular tetraedrica piramidal trigonal AB4 AB3E 4 3 0 1 .

Ligação química II – geometria molecular TRPECV Classe # de átomos ligados ao átomo central # pares de enão partilhados Arranjo dos pares de etetraedrica tetraedrica tetraedrica Geometria molecular tetraedrica piramidal trigonal dobrada AB4 AB3E AB2E2 4 3 2 0 1 2 O H H .

Ligação química II – geometria molecular TRPECV Classe # de átomos ligados ao átomo central # pares de enão partilhados Arranjo dos pares de ebipiramidal trigonal bipiramidal trigonal Geometria molecular bipiramidal trigonal tetraedro distorcido AB5 AB4E 5 4 0 1 .

Ligação química II – geometria molecular TRPECV Classe # de átomos ligados ao átomo central # pares de enão partilhados Arranjo dos pares de ebipiramidal trigonal bipiramidal trigonal bipiramidal trigonal Geometria molecular bipiramidal trigonal tetraedro distorcido Forma -T AB5 AB4E AB3E2 5 4 3 0 1 2 F F Cl F .

Ligação química II – geometria molecular TRPECV Classe # de átomos ligados ao átomo central # pares de enão partilhados Arranjo dos pares de ebipiramidal trigonal bipiramidal trigonal bipiramidal trigonal bipiramidal trigonal Geometria molecular bipiramidal trigonal tetraedro distorcido Forma -T linear AB5 AB4E AB3E2 AB2E3 5 4 3 2 0 1 2 3 I I I .

Ligação química II – geometria molecular TRPECV Classe # de átomos ligados ao átomo central # pares de enão partilhados Arranjo dos pares de eoctaédrico octaédrico Geometria molecular octaédrico piramidal quadrangular AB6 AB5E 6 5 0 1 F F Br F F F .

Ligação química II – geometria molecular TRPECV Classe # de átomos ligados ao átomo central # pares de enão partilhados Arranjo dos pares de eoctaédrico octaédrico octaédrico Geometria molecular octaédrico piramidal quadrangular quadrangular planar AB6 AB5E AB4E2 6 5 4 0 1 2 F Xe F F F .

1 .10.

Ligação química II – geometria molecular Prever a geometria molecular 1. Desenhe a estrutura de Lewis da molécula 2. Qual a geometria molecular do SO2 e do SF4? O S AB2E não linear O F F S F F AB4E tetraedro distorcido . Utilize a TRPECV para prever a geometria da molécula. 3. Conte o nº de pares de e.não partilhados no átomo central e o nº de átomos ligados ao átomo central.

Ligação química II – geometria molecular Momentos dipolares e moléculas polares baixa densidade electrónica alta densidade electrónica H δ+ F δ− µ=Qxr Q é a carga r é a distância entre cargas 1 D = 3.36 x 10-30 C m .

Ligação química II – geometria molecular Comportamento das moléculas polares .

24 D .46 D Momento dipolar resultante = 0.Ligação química II – geometria molecular Momentos dipolares e moléculas polares Momento dipolar resultante = 1.

SO2. e CH4 O H S H O O tem momento dipolar molécula polar tem momento dipolar molécula polar H H C H não tem dipolar momento molécula não polar O C O H não tem momento dipolar molécula não polar . CO2.Ligação química II – geometria molecular Momentos dipolares e moléculas polares Quais das seguintes moléculas possuem um momento dipolar ? H2O.

Ligação química II – geometria molecular Momentos dipolares e moléculas polares O CH2Cl2 tem um momento dipolar? .

Ligação química II – geometria molecular Momentos dipolares e moléculas polares .

Ligação química II – hibridação Teoria das orbitais de valência Como é que a teoria de Lewis explica as ligações em H2 e F2? Através da partilha de dois electrões entre dois átomos. Energia de Dissociação comprimento ligação Sobreposição de 74 pm 142 pm 2 1s 2 2p H2 F2 436. .6 kJ/mol Teoria das orbitais de valência – as ligações são formadas pela partilha de electrões através da sobreposição de orbitais atómicas.4 kJ/mol 150.

Ligação química II – hibridação Teoria das orbitais de valência Variação da energia potencial de dois átomos de H .

Ligação química II – hibridação Teoria das orbitais de valência Variação da densidade electrónica Com a aproximação de dois átomos de H .

Ligação química II – hibridação Teoria das orbitais de valência Teoria das orbitais de valência e NH3 N – 1s22s22p3 3 H – 1s1 Se as ligações se formam pela sobreposição de 3 orbitais 2p do azoto com a orbital 1s de cada átomo de hidrogénio. qual será a geometria molecular do NH3? As 3 orbitais 2p preveêm 900 O ângulo actual H-N-H é de 107.30 .

b.Ligação química II – hibridação Hibridação Hibridação – mistura de duas ou mais orbitais atómicas para formar uma nova série de orbitais hibridas. 3. As orbitais híbridas têm formas muito distintas das orbitais originais. 1. . Sobreposição de orbitais híbridas com outras orbitais híbridas. s e p). O numero de orbitais híbridas é igual ao número de orbitais atómicas puras utilizadas no processo de hibridação. 2. Sobreposição de orbitais híbridas com orbitais atómicas. As ligações covalentes são formadas por: a. Misture pelo menos 2 orbitais atómicas não equivalentes (ex.

Ligação química II – hibridação Hibridação Formação de orbitais híbridas sp3 Hibridação .

Ligação química II – hibridação Hibridação Formação de ligações covalentes .

Ligação química II – hibridação Hibridação Hibridação sp3 do átomo de N em NH3 Prevê ângulo de ligação correcto .

Ligação química II – hibridação Hibridação Formação de orbitais híbridas sp .

Ligação química II – hibridação Hibridação Formação de orbitais híbridas sp2 .

não partilhados E o nº de átomos ligados ao átomo central # pares não partilhados + # átomos ligados 2 3 4 5 6 Hibridação sp sp2 sp3 sp3d sp3d2 Exemplos BeCl2 BF3 CH4. H2O PCl5 SF6 . NH3.Ligação química II – hibridação Hibridação Como prever a hibridação do átomo central? Conte o nº de pares de e.

.

Ligação química II – hibridação Hibridação Hibridação sp2 do átomo de carbono .

Ligação química II – hibridação Hibridação Orbital 2pz é perpendicular ao plano das orbitais híbridas .

Ligação química II – hibridação Hibridação Ligação no etileno Ligação sigma– Pi (π) densidade (σ) – densidade electrónica acima e entre os dois abaixo do plano dos átomos dos átomos núcleos da ligação .

Ligação química II – hibridação Hibridação .

Ligação química II – hibridação Hibridação Hibridação sp do átomo de carbono .

Ligação química II – hibridação Hibridação .

Ligação química II – hibridação Ligações sigma (σ) e ligações pi (π) Ligação simples Ligação dupla Ligação tripla 1 ligação sigma 1 ligação sigma e 1 ligação pi 1 ligação sigma e 2 ligações pi Quantas ligações σ e π existem na molécula de ácido acético (vinagre) CH3COOH? H Ligações σ = 6 + 1 = 7 O H H C C Ligações π = 1 O H .

TOM Experiências mostram que O2 é paramagnético O nenhum edesemparelhado Devia ser diamagnético Teoria das orbitais moleculares – as ligações são formadas através da interacção de orbitais atómicas para formar orbitais moleculares. O .Ligação química II – TOM Teoria das orbitais moleculares .

Ligação química II – TOM Teoria das orbitais moleculares Níveis de energia das orbitais moleculares ligante e não ligante para o hidrogénio (H2). Uma orbital molecular antiligante tem maior energia e menor estabilidade que as orbitais atómicas a partir das quais foi formada. . Uma orbital molecular ligante tem menor energia e maior estabilidade que as orbitais moleculares que lhe deram origem.

Ligação química II – TOM Teoria das orbitais moleculares .

Ligação química II – TOM Interacção entre 2 orbitais p e respectivas OM .

Be2.Ligação química II – TOM Moléculas diatómicas homonucleares – 2º período Li2. B2. C2 e N2 .

menos estável será a correspondente OM anti-ligante. 2.Ligação química II – TOM Configuração das Orbitais Moleculares 1. O número de orbitais molecular (OMs) formado é sempre igual ao número de orbitais atómicas combinadas. . Cada OM pode acomodar até dois electrões. A regra de Hund é utilizada quando se adicionam electrões a OMs com a mesma energia. 5. 6. O número de electrões nas OMs é igual à soma de todos os electrões nas orbitais atómicas. 3. Quanto mais estável for a OM ligante. O preenchimento das OMs é feito das orbitais de mais baixa energia para as de mais alta energia. 4.

nas OMs ligantes - Nº de e.nas OMs não ligantes ) Ordem ligação ½ 1 ½ 0 .Ligação química II – TOM Configuração das Orbitais Moleculares Ordem de ligação = 1 2 ( Nº de e.

Ligação química II – TOM Configuração das Orbitais Moleculares .

.Ligação química II – TOM Orbitais Moleculares deslocalizadas Orbitais moleculares deslocalizadas não estão confinadas entre dois átomos adjacentes e estendem-se sobre 3 ou mais átomos.

Ligação química II – TOM Orbitais Moleculares deslocalizadas A densidade electrónica na molécula benzeno. .

Ligação química II – TOM Orbitais Moleculares deslocalizadas A ligação na molécula de carbonato .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->