Você está na página 1de 13

CP. AUT. PROJ.

PROJETOS INDUSTRIAIS
TREINAMENTO E CONSULTORIA TÉCNICA

Volume 6 Elaboração: Proj. Carlos Paladini


Rua Artur Moreira, 197 – Jd. Marek - Santo André – SP - CEP: 09111-380
Fone: (0xx11)4458-5426 - Cel: (0xx11)9135-2562 - E-mail: cpautproj@uol.com.br
Índice Vol. 6:

ƒ II ENQUADRAMENTO DA EXPRESSÃO.......................pág. 1
Determinação de vida em horas para engrenagem
Largura da engrenagem critério flexão

ƒ II ENQUADRAMENTO DA EXPRESSÃO.......................pág. 2

ƒ FATOR CARGA [e]...................................................pág. 3

ƒ FATOR FORMA [q]..................................................pág. 3


Para engrenamento externo, para engrenamento interno

ƒ EXECUÇÃO E LUBRIFICAÇÃO...................................pág. 4

ƒ MÓDULOS NORMALIZADOS.....................................pág. 4

ƒ FATOR [F]..............................................................pág. 4

ƒ GRÁFICO DE PRESSÃO............................................pág. 4

ƒ CARACTERÍSICAS DOS MATERIAIS (TABELA)...........pág. 5

ƒ CÁLCULO DE CHAVETAS.........................................pág. 6
• Dimensionamento das engrenagens
• Forças do engrenamento
• Cálculos, conclusão
• Engrenagem cilíndrica de dentes helicoidais.........pág. 11
• CRITÉRIO DE RESISTÊNCIA................................pág. 11
II ENQUADRAMENTO DA EXPRESSÃO CRITÉRIO DESGASTE

Com essa expressão vamos levantar o valor da pressão. Confrontando, em seguida,


com a pressão tolerável para o material para um determinado número de horas de
vida.
mt i + 1
Padm = 2 . f 2 . . [ kgf /cm2]
bdp 2 i

MT i ±1 + para engrenagem ext.


b = 2 f 2. .
Padm 2
i - para engrenagem int.
dp 2 dp 2
Sendo:
Padm = Pressão admissível
F = Fator F [tabela] dp 2
MT = Momento eng. [cm] i=
dp = diâmetro primitivo [cm]
dp1
i = relação de transmissão

DETERMINAÇÃO DE VIDA EM HORAS PARA ENGRENAGEM

Admitindo como pressão o valor obtido pelo cálculo.

49 . HB Padm [kg/ cm2]


Padm = 49 = Constante de transformação
w 1/ 6
HB = Dureza Brinell [kg/ mm2]
W = Fator de horas
n = Rotação rpm
60 . η .h
w= h = Horas de trabalho total
10 6 106 = Constante da fórmula

Aplicação
Dimensionar um par de engrenagem de dentes retos para condição de flexão e ao
desgaste verificando a vida em horas:

Potência a ser transmitida = 5 cv;


Rotação do eixo = 280 rpm;
Z = 21 dentes;
Material = Aço ABNT 1020
i = 2,35;
Uso = 12 horas diária utilização e incidência da carga máxima continuamente.

N 5
ds = 144 3 ∴ ds = 144 3 ∴ ds = 37,63 mm
n 280

dp1 ≈ 2 . ds ∴ dp1 = 2 . 37,63 ∴ Dp1 = 75,27 mm

75,27
dp = m . z ∴ = m ∴ m = 3,58 Padronizado = m = 3,75 unidade em mm
21

Recálculo do dp: Temos que dp =m . z ∴ dp =3,75.21 ∴ dp = 78,75 mm

V6 - 1
LARGURA DA ENGRENAGEM CRITÉRIO FLEXÃO:

PU . q MT 71620 . N 71620 . 5
(I) b = temos : PU = temos : MT = ∴ MT = ∴
σFadm . m . e RP n 280
DP 78,75
MT = 1278,92 kgf . cm temos : RP = ∴ RP = ∴ RP = 39,37 mm
2 2
∴ RP = 3,937 cm

1278,92
PU = ∴ PU = 324,84 kgf beneficiado
3,937
4
σo 19,3
q = 3,3 σFadm = ∴ C= ∴
SB (tabela) 1,8

σ Fadm = 10,72 kgf / cm 2 ∴ e = 0,80 tabela


σFadm = 10,72 kgf / cm 2 M = 0,375 unidade cm

324,84 . 3,3
(I) b = ∴ b = 3,33 cm ∴ b= 33,3 mm
1072 . 0,375 . 0,80

CRITÉRIO DESGASTE

MT i + 1
Padm = 2 . F 2 . 2
. [kgf / cm 2 ] ∴
bdp i
1278,92 2,35 + 1
Padm = 2 . 1512 2 . 2
. ∴
3,33 . 7,875 2,35
Padm = 4572288 . 6,1929 . 1,4255

Padm = 6353,34 kg / cm

Determinação da vida em horas:

49 . HB
Padm = ∴ HB = 140 kg / mm2 ( Aço ABNT – 1020 ) beneficiado.
w1
6

49 . 140 49 . 140
6353,34 = ∴ w1 = ∴
w1 6 6353,34
6
6
1 1
w 6
= 1,0797 ∴ w = 1,079 1
∴ w = 1,5842 ou w = 6
1,0797 = 1,5842
60 . η . h w . 10 6
Como : w = ∴ h = = ∴
106 60 . η
1,5842 . 10 6 h = 94,29 horas Conclusão: vida muito curta.
h =
60 . 280

V6 - 2
Para melhorar a vida pelo menos dois anos de uso deverá ter uma dureza Brinell de :
2 anos possui 365.2 = 730 dias ∴ 730.12 horas diária = 8760 horas de uso ∴

60 . n . h 60 . 280 . 8760
w= 6
∴ w= ∴ W = 147,168
10 10 6
1 1
= w ∴w = 147,168 ∴ W /6 = 2,297
6 6 6 6 1
w
1
6
49 . HB Padm . w
Padm = 1
∴ HB = ∴
w 6 49
6353,34 . 2,297
HB = ∴ HB = 297,82 kgf / mm2
49

Conclusão: para que esta engrenagem tenha uma vida de dois anos pelo critério de
desgaste, o material ABNT 1020 deverá ser submetido a um tratamento térmico de
cementação com dureza de Flanco HB ≥ 297,82 kg/ mm2 que corresponde a N 32
HRC; outras soluções poderiam ser adotadas tais como: Aumento da largura, aumento
do dp, ou troca de material.

PARA DETERMINAR A HÉLICE, SE É A ESQUERDA OU DIREITA NA


ENGRENAGEM HELICOIDAL.

Esfera rola à direita


hélice direita

Colocar a engrenagem de frente e soltar. Esfera conf. exemplo acima.

FATOR CARGA [e]


Introduz-se ainda um fator de carga [e] = 0,80 até 1,50.
Esse fator de carga dependerá naturalmente do regime de utilização da engrenagem e
da incidência de aplicação da carga máxima.
Para exemplificar tomaremos os seguintes extremos:
e = 0,80 para utilização e incidência de carga máxima continuadamente.
e = 1,50 para pouco uso e pequenas incidências de cargas máximas.

FATOR DE FORMA [q]


Os valores correspondentes ao fator de forma [q] para ângulo de pressão αο =
20º sem correção são apresentados a seguir:

PARA ENGRENAMENTO EXTERNO

N.º de dentes [Z] 12 13 14 15 16 17 18 21 24 28 34 40 50 65 80 100 α


fator [q] 4,5 4,3 4,1 3,9 3,75 3,6 3,5 3,3 3,2 3,1 3,0 2,9 2,8 2,7 2,6 2,6 2,45

PARA ENGRENAMENTO INTERNO

N.º de dentes [Z] 20 24 30 38 50 70 100 200 α


fator [q] 1,7 1,8 1,9 2,0 2,1 2,2 2,3 2,4 2,45

V6 - 3
EXECUÇÃO E LUBRIFICAÇÃO
V (M / S) <0,8 0,8-4 4:12 >12

Execução Fundido Fresado Retificado Dentes inclinados

Meio lubrificante Graxa Mergulhado em Mergulhado em Óleo sob pressão


óleo ou graxa óleo

MÓDULOS NORMALIZADOS
Os valores dos módulos [m] dados em mm apresentam-se normalizados segundo a
Norma DIN 780.
Assim sendo, temos:
de m = 0,3 até m = 1,0 mm de 0,1 mm em 0,1 mm
de m =1,0 até m = 4,0 mm de 0,25 mm em 0,25 mm
de m = 4,0 até m = 7,0 mm de 0,5 mm em 0,5 mm
de m = 7,0 até m = 16,0 mm de 1,0 mm em 1,0 mm
de m = 16,0 até m = 24,0 mm de 2,0 mm em 2,0 mm
de m = 24,0 até m = 45,0 mm de 3,0 mm em 3,0 mm
de m = 45,0 até m = 75,0 mm de 5,0 mm em 5,0 mm

FATOR [F]
Para um ângulo de pressão αο = 20º teremos para diferentes pares engrenados os
seguintes valores de [ƒ].
Valores de
[ƒ]

pinhão de aço [E1 = 2,1 x 10+6 Kg / cm2] 1512


engrenagem de aço [E1 = 2,1 x 10+6 Kg / cm2]

pinhão de aço [E1 = 2,1 x 10+6 Kg / cm2]


engrenagem de ferro fundido [E2 =1,05 x 10+6 Kg / cm2] 1234

pinhão de ferro fundido [E1 = 1,05 x 10+6 Kg / cm2]


engrenagem de ferro fundido [E2 =1,05 x 10+6 Kg / cm2] 1069

O fator [ƒ] eqüivalerá a :

0,35
ƒ = 1 1 1
( + ) cos α 0 sen α 0
2 E1 E2

GRÁFICO PRESSÃO ADMISSÍVEL DE CONTATO

V6 - 4
CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS
PAG. 199 Volume II = NIEMANN Tabela 22.25 Obs. Está na pg. 73 , apost. Ref.
Material Corpo de prova no Na engrenagem Profun
estado final didade
Resis. à fadiga Resis. de
Nr Tipo de tratamento Desig- estática rugosi-
nação σr σbso Dureza HB σ 4 σ dade
K r
o o oB
R1*
2 2 2 2
Kgf/mm Kgf/mm Núcleo Flanco Kgf/mm Kgf/mm µm

1 Ferro fundido GG18 18 9 170 0,19 4,5 18


2 cinzento GG26 26 12 210 0,33 6,0 26 6,0

3 Ferro fundido nodular ferrítico 60 - 170 0,32 25 100


4 perlítico 70... 75 - 250 0,64 25 140 6,0

5 Aço fundido GS 52 52 21 150 0,21 15 47


6 GS 60 60 24 175 0,30 2 17,5 52 4,5

8 Aço p/ usinagem St 50.11 50... 60 23... 28 150 0,36 19 55


9 1030/ 35 St 60.11 60... 70 28... 33 180 0,52 2 21 65 3,0
10 1040/ 45 St 70.11 70... 85 33... 40 208 0,70 24 80
1060
II-Aço ao carbono
Forjado ou laminado
11 Aço beneficiado C 15 50... 60 22...27 140 0,23 19,3 60
12 1020 C 45 65... 80 30... 34 185 0,40 23 80
13 1045 C 60 75... 90 34... 41 210 0,51 25,6 90 3,0
14 1060 34 Cr 4 75... 90 36... 44 260 0,80 2 30 90
15 5135 37 Mn Si 5 80... 95 38... 46 260 0,70 31,5 95
16 37 Mn Si 5 42 CrMo 4 95...110 46... 54 300 0,80 31,5 110
4140
18 Aço cementado 1015 50... 65 27 190 736 4,9 22 95
19 8620 80...110 - 270 650 5,0 42 140
20 20 Mn Cr 5 100...130 - 360 650 5,0 47 160 2... 3
21 4320 90... 120 - 310 650 5,0 44 160
22 18 Cr Ni 8 120... 145 - 400 650 5,0 47 170

23 Aço temperado por 65...80 - 220 595 4,3 31,5 140


5
24 chama ou indução 37 Mn Si 5 90... 105 - 270 560 3,7 34 125 3,0
25 1045 53 Mn Si 4 90... 110 - 275 615 4,5 35 110
K laminado a frio
27 Aço cianetado 140... 180 - 460 595 4,3 32 190
3,0
28 5140 37 Mn Si 5 150... 190 - 470 550 3,6 35 200

Tecido duro Grosso - - - - 0,18 5,6 17 6,0


3 6
30 Fino - - - - 0,23 5,6 17 4,0

31 Ferro fundido nodular GGG 90 C 80... 90 - 300 1,8 22 140


32 Aço nitretado em 45 55 ÷ 60 - 450 1,8 31,8 110
banho
33 Aço nitretado em 4140 85 ÷ 90 - 660 2,7 58,0 150
banho 3,0
34 Aço nitretado em gás 31Cr MoV 9 70 ÷ 85 - 700 3,5 45,0 150

35 Aço temperado por 4140 90 ÷ 110 - 275 615 4,5 35 110


chama ou indução
4340 Fadm = 17 kgf/mm2
Aço Fundido tipo II Fadm = 11 kgf/mm2 Pag 193 Vol II Niemann
SB = Coeficiente segurança H = Horas de trabalho diário
Pag. 199 Volume II = NIEMANN Tabela 22.13 –
Orientação para o coeficiente de segurança necessário.

Segurança contra Transmissão para Transmissão para


serviço contínuo serviço intermitente

Ruptura do dente SB 7 1,8... 4 1,5... 2


Cavitação SG 1,3... 2,5 0,4...1
Engripamento SF 3 ... 5 3 ... 5

V6 - 5
SB 1,5 1,6 1,7 1,8 1,9 2,0 2,2 2,4 2,6 2,8 3,0 3,2 3,4 3,6 3,8 4,0
H 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24

_
σ o4 _
Sendo : σ Fadm = σ Fadm = Tensão admssível à flexão
SB

“CÁLCULO DE CHAVETAS”
b = Largura da chaveta
L = Comprimento da chaveta
t0 = altura livre ∴ t0 = h-t1
h = altura total da chaveta
Ft = Força tangencial aplicada à chaveta
t1 = base da ancoragem
MT 716200 . N
Ft = MT = [kgf . mm
r e n

Para Cisalhamento toma-se:


Sendo :
σ = tensão admissível ao cisalhamento
área resistente ao cisalhamento
Ft
L=
b . σ

Para Esmagamento toma-se:


Sendo: Ft
Padm (kg /mm2) = Pressão admissível L=
Padm . to

Área resistente ao esmagamento

V6 - 6
DIMENSIONAMENTO DAS ENGRENAGENS CÔNICAS DE DENTES RETOS

O dimensionamento das engrenagens cônicas de dentes retos faz-se de forma


análoga as engrenagens cilíndricas de dentes retos.
Utilizam-se dos dois critérios convencionais de resistência e de pressão com o
cuidado de identificar a engrenagem cônica como uma engrenagem cilíndrica de
dentes retos equivalentes.

FORÇAS DO ENGRENAMENTO

Para facilidade da distribuição dos esforços no engrenamento de um par cônico de


dentes retos, apoiar-no-emos na figura acima onde se destacam claramente as
componentes radiais, axiais e tangenciais.
A componente normal Pn que atua na linha de engrenamento, decompõe-se em outras
duas Pu e Pt; sendo Pu a componente tangencial e Pt a componente radial à
engrenagem equivalente e que dá origem às componentes Pr (radial) e Pa (axial).
O relacionamento dessas componentes entre si e com a potência transferível,
velocidades ou momentos e rotações faz-se através das seguintes expressões:
Onde:
Força tangencial (Pu)
Pu = força tangencial em Kp;
75 . N
Sendo : Pu = (kg) Pn = força normal em Kp;
Vm Pa = força axial em Kp;
dm . n Pr = força radial em Kp;
ou : Vm = (m/ seg) N = potência transferida em cv;
1910 n = rotação em r.p.m;
Md . 2 71620 . N . 2 Md = momento torçor em Kp . CV;
Pu = = (kg) V = velocidade tangencial em m /seg;
dm n . dm
Vm = velocidade tangencial média em m /seg;
dm = diâmetro primitivo médio em cm;
do = diâmetro primitivo em cm.

V6 - 7
Engrenagens cônicas de dentes retos
E, ainda temos:

Pa 1(2) = Pu . tg α0 . sen δ1 (2) (kg)


Para os casos onde δ = 90º a
componente axial de uma engrenagem é
Pr 1(2) = Pu . tg α0 . cos δ1 (2) (kg) igual à componente radial da outra e
vice-versa.

Critério de resistência:
Da mesma forma, a tensão máxima será expressa por:

σ max ≤ Pu . q * σ max U σ adm


= Observando sempre:
σ Fadm b . mm . e

*O fator de forma (q) deverá ser tomado da mesma forma que para as engrenagens
cilíndricas baseado, entretanto, no número equivalente de dentes (Z e 1(2) ) e que vale:

Z Pu . q Baseado em Ze
Z =
1( 2 )
b=
e 1( 2 )
cos δ1(2) σ Fadm . m m . e

O fator de carga (e) variará entre 1,25 e 1,75 podendo, entretanto, para os casos
gerais ser tomado ( e = 1,5).
O momento torçor poderá ser dado por:

Critério de pressão:
Apresentaremos diretamente as expressões finais de cálculo, assim sendo, temos:

bd2m1 = 2 . ƒ2 . Md1 . cos δ1 i2 + 1 cm3


. 2
p 21( 2 ) adm i

ou

b . d2m1 = 2 . ƒ2 . 71620 . N . cos δ1 i2 + 1 cm3


. 2
n1 . p 21( 2 ) adm i

Os valores das pressões admissíveis p1 (2) adm e dos coeficientes H são os mesmos
assumidos para os casos de engrenagens cilíndricas.

m = módulo kgf/ cm2


mm = módulo médio 2. f 2
. MT . cos δ1 i + 1 2
Padm = . 2 dm
d m = diâmetro médio b . dm 21 i rm=
d s = diâmetro eixo
2
r m = raio médio sen δ
Tg δ 2 = δ = delta
z1 Tg δ2 = i
cos δ + δ = 90º
δ1 = δ - δ2 z2 b = 7 a 10 . m

dm1 + b . sen δ1 i2 + 1 N
m= 2 . f 2 . MT . cos δ1 . ds = 144 3
z1 b= i2 n
Padm 2
mm
dm1 = dp - b . sen δ1 dm 2
dm
mm =
dp = m . z dm ≅ 2 . ds z
V6 - 8
Aplicação:

Dimensionar a ECDR para as seguintes condições:


Flexão e desgaste
Dados :
15 cv Z1 =20 pinhão material aço SAE 1045 beneficiado
n = 900 rpm do = 20º uso 12 horas diária
i = 2,7 Z2 = 54 coroa utilização e incidência de carga máxima.

CRITÉRIO FLEXÃO
tirado de ze

PU . q MT 71620 . N 71620 . 15
σfadm = ∴ PU = ∴ MT = ∴ MT = ∴
b . mm . e rm n 900

MT = 1193,66 kgf . cm ∴ dm ∴ dm =2 . ds ∴ N ∴
rm =
2
ds = 144 . 3
n
15 ds = 36,78 mm ds = 3,678 cm
ds = 144 3 ∴ ∴ ∴ dm = 2 . ds ∴
900

dm = 2.3,678 ∴ dm = 7,356 cm

dm 7,356 MT 1193,66
rm = ∴ rm = ∴ rm = 3,678 cm ∴ PU = ∴ PU = ∴
2 2 rm 3,678

PU = 324,54 kgf
q = Fator de forma tirada de ze ∴

z1
ze = ∴ temos : δ1 = δ - δz ∴ Tgδ2 = i para δ = 90º temos: tgδ2 = 2,7 ∴
coδ1
z1 20
e que δ1 = 90º - 69,676º ∴ δ1 = 20,324º ∴ ze = ∴ ze =
δ = 69,676º
2
coδ1 cos 20,324 o

∴ ze = 21,32 arredondando ze = 22 dentes ∴ q = 3,3

dm 7 . 356
b = 10. mm ∴ mm = ∴ mm = ∴ mm = 0,3678 cm ∴
z 20
b = 10 . 0,3678 ∴ b = 3,678 cm arredondado b = 3,7 cm

e = 1,5 tirado da folha 2 ∴

PU . q 324,54 . 3,3
σFadm = ∴ σFadm ≅ ∴ σFdam ≅ 524,65 kg / cm2
b . mn . e 3,7 . 0,3678 . 1,5

Temos para material SAE 1045 beneficiado

σo 4 ∴ σFadm ≅ 2300 ∴
σFadm ≅ σFadm ≅ 1277 kg/ cm 2
SB 1,8
∴ > que 524,65 kg/cm2

Conclusão:
O material com sua σFadm é satisfatório para condição de Flexão no dente.

V6 - 9
OBS. : com o valor de módulo é que se calcula as principais dimensões da
engrenagem portanto:

dp dm = dp - b . sen δ1
m= temos que então:
z

7,356 = dp – 3,7. sen 20,324º ∴ dp = 7,356 + 3,7 . sen 20,324º


8,621
dp = 8,621 cm ∴ m= ∴ m = 0,43 cm normalizando
20

Teremos módulo de 0,45 cm ∴ m = 4,5 mm

Recálculo do dp teremos : dp = 4,5 . 20 ∴ dp = 90 mm

Conclusão para satisfazer condição de flexão teremos:

M = 4,5 mm
dp = 90 mm
SAE 1045 beneficiado.

Critério de desgaste:

2 . f 2 . MT . cos δ1 i 2 + 1
Padm = . 2
b . dm12 i
2 . 1512 2 . 1193,66 . cos 20,324º 2,7 2 + 1
Padm = .
3,7 . 7,356 2 2,7 2
5,1179 09
Padm = . 1,1371742
200.20972

Padm = 5391,58 kgf / cm2

Para que a engrenagem tenha uma vida de ~ 2 anos, deverá ter uma dureza de :

365 dias . 12 = 4380 horas ano . 2 = 8760 horas de trabalho em 2 anos

n h

60 . 900 . 8760
w= ∴ W = 473,04 w 16 = 6 w ∴
10 6
w 16 = 6 473,04 ∴ W 1/6 = 2,79
Padm . w 16 5319,58 . 2,79
HB = ∴ HB = ∴ HB = 306,98 kgf /mm2
49 49

O aço 1045 beneficiado possui dureza 185 kgf/ mm2 não satisfaz ∴ o material deverá
ser tratado termicamente temperado por chama ou indução com dureza superficial
HB ≅ 306,98 kgf/ mm2 que eqüivale á 33 HRC para satisfazer a condição de desgaste
a 2 anos vida.
Conclusão final: Aço 1045 temperado e revendido 50 HRC
dp = 90 mm
b = 37 mm
M = 4,5

V6 - 10
ENGRENAGEM CILÍNDRICA DE DENTES HELICOIDAIS

O dimensionamento das engrenagens cilíndricas de dentes helicoidais desenvolve-se


de forma análoga ao das engrenagens cilíndricas de dentes retos.
Para as engrenagens cilíndricas helicoidais a componente principal PN que atua
normalmente ao flanco do dente decompõe-se em três direções, uma tangencial [PU],
uma radial [Pr] e uma axial [Pa].

A componente tangencial
[PU] é responsável pelo
torque da seguinte
forma:

[kgf]
75 . N
PU =
V

onde:
N = Potência CV
V = Velocidade periférica
m /s

Ou ainda:

MT . 2 [kgf]
PU =
DP
onde:
MT = momento torçor
[kgf . cm]

DP = diâmetro primitivo
em [cm].

A componente axial vale: Pa = PU . tgβo [kgf]

A componente radial vale: [kgf]


PU . tg αo .
Pr =
cos βo
Onde: Bo = ângulo da hélice
αo =ângulo de pressão = 20º [DIN 867]

Mn
Sendo: βo = arc cos Onde: Mn = módulo normal
ms ou módulo do cortador
ms = módulo Frontal
ou módulo transversal

CRITÉRIO DE RESISTÊNCIA Tabelado em


mínimo função de zn

σ max U PU . q (kg . cm2)


= PU . q
σ Fadm b . m n . e . ϕr b=
σ Fadm . Mn . e ϕr

V6 - 11