Você está na página 1de 6

Nitretação em banho de sal Durferrit TF 1 (BR) processo TENIFER

• Generalidades

O tratamento de nitretação (processo TENIFER) em banho de sais é uma rara opção para se
obter peças e ferramentas com alta resistência ao desgaste, baixo coeficiente de atrito e alta
resistência à fadiga e corrosão. Esta modalidade de tratamento termoquímico torna-se ainda
mais interessante quando se nota que as características mencionadas podem ser obtidas
praticamente sem perigo das peças se deformarem.

• Dados relativos aos Sais e ao processo TENIFER

1. Análise Típica de um banho TF 1 (BR):

- %CNO: 34-36 (Cianatos)


- %CN : 1-5 (Cianetos)

1.1. Montagem do banho:

Para montagem de um banho novo somente necessita-se dos sais: TF 1 (BR) e NS2B. Após a
fusão do banho este se encontra apto para operação, e em conformidade com a análise típica.

Exemplo: para um forno 35/50 (volume ~39 litros) as quantidades dos sais TF 1 (BR) e NS2B
requeridas são respectivamente 66,5 kg e 3,5 kg.

1.2. Operacionalidade do banho:

O banho TF 1 (BR) é muito fácil de ser operado e mantido em condições de trabalho; para
isto basta controlar as seguintes variáveis de processo: composição química, temperatura,
limpeza e aeração.

1.2.1. Composição química :

O banho deverá ser mantido com uma composição de 34 a 36% de CNO. Para controlar esta
variável é necessário proceder diariamente a uma análise química, de preferência no início da
operação. Através desta análise é determinada a quantidade de sal regenerador (Sal REG 1 ou
opcionalmente REG BR) a ser adicionada ao banho. A adição deste sal não altera o nível do
banho.

Durante a reposição do regenerador REG BR, ocorrerá formação de amônia devido a


seguinte reação:

REG BR + CO3 ⇒ CNO + NH3 + H2O

DURFERRIT DO BRASIL QUÍMICA LTDA.


Av. Fábio Eduardo Ramos Esquível, 2.349 - Centro - Diadema - SP.
Tel. (11) 4070-7236/7238 - Fax (11) 4071-1813
vendas@durferrit.com.br - fabrica@durferrit.com.br - www.durferrit.com.br
Devido a esta formação de amônia recomendamos que o forno seja provido de concha
exaustora. Ressaltamos que o banho não gera gases em condições normais de operação, mas
apenas no instante da regeneração com REG BR.

Quando utiliza-se o regenerador REG 1 ao invés do regenerador REG BR praticamente não


há liberação de amônia, o que torna o processo muito mais ecológico e operacional, e
dispensa a necessidade de equipamentos de exaustão e lavagem de gases.

Consumo diário para um forno 35/50 - 1,5 kg de REG BR ou 0,75 kg de REG 1 (estimativa)

Para reposição do nível do banho devido a perdas por arraste provocado pelas peças, deve ser
utilizado somente o sal TF 1 (BR).

1.2.2. Temperatura do processo:

A temperatura do processo deve ser mantida entre 565 e 580°C. A aferição e calibração de
pirômetros e termoelementos deve ser realizada com freqüência a fim de garantir a eficácia do
tratamento.

1.2.3. Limpeza do banho:

O banho deve ser limpo diariamente, através de dispositivo de limpeza. Impurezas como
ferro, óleos (e outras) prejudicam o desempenho do processo.

1.2.4. Aeração do banho:

O banho deve ser aerado com ar seco, podendo ser empregados compressores simples ou
portáteis.
Deve-se evitar utilizar ar comprimido da linha da fábrica, devido a este conter normalmente
alto teor de umidade e óleo. A quantidade de ar injetado é definida em função do volume do
cadinho.

1.3. Características do processo:

Em geral o processo é realizado em banho de sais fundidos entre 565-580° C. As quantidades


de carbono e principalmente nitrogênio liberadas pelo sal proporcionam às peças imersas no
banho uma camada periférica rica em nitrogênio e carbono (zona de ligação ou zona de
compostos) cuja profundidade pode variar de 3 a 20 micra, em função do teor de elementos de
liga contidos no material e tempo de tratamento (vide fig. 1).

Imediatamente abaixo da zona de ligação forma-se a zona de difusão caracterizada pela


formação de agulhas de nitretos. A espessura desta região é aproximadamente 30 a 40 vezes
maior que a espessura da zona de ligação (vide fig. 2).

DURFERRIT DO BRASIL QUÍMICA LTDA.


Av. Fábio Eduardo Ramos Esquível, 2.349 - Centro - Diadema - SP.
Tel. (11) 4070-7236/7238 - Fax (11) 4071-1813
vendas@durferrit.com.br - fabrica@durferrit.com.br - www.durferrit.com.br
Fig.1- Espessura da zona de ligação em função do material e tempo de tratamento.

Fig.2- Profundidade total da nitretação p/ distintos materiais depois do tratamento TENIFER.

DURFERRIT DO BRASIL QUÍMICA LTDA.


Av. Fábio Eduardo Ramos Esquível, 2.349 - Centro - Diadema - SP.
Tel. (11) 4070-7236/7238 - Fax (11) 4071-1813
vendas@durferrit.com.br - fabrica@durferrit.com.br - www.durferrit.com.br
O tempo de tratamento das peças no banho de nitretação é extremamente curto (5 min a 180
min) quando comparado à nitretação convencional a gás, e o resfriamento das peças,
dependendo de sua composição química, pode ser realizado ao ar, em sal AB1, em óleo ou
água.

1.3.1. Meios de Resfriamento após tratamento TENIFER

O resfriamento das peças tratadas no banho de sal TF 1 (BR) é realizado normalmente em um


dos 4 meios:

- Ao ar: Quando trata-se de aços de alta liga ou peças de geometria complexa e delgadas, cuja
linha não disponha do banho de sal AB1;

- Água: Normalmente para aço carbono;

- Óleo: Empregado para resfriamento de ferramentas de aços baixa liga;

- Sal AB1: Resfriamento realizado a aproximadamente 380°C, em banho com característica


oxidante, minimizando um possível empenamento e aumentando consideravelmente a
resistência à corrosão das peças. Outra vantagem da utilização do banho AB1 é a eliminação
das pequenas quantidades de cianetos e cianatos arrastadas pelas peças após o tratamento, por
meio de oxidação.

O tempo de permanência do material neste banho (AB1) situa-se ao redor de 10 minutos.


Após este resfriamento intermediário, as peças devem ser resfriadas em água.

Com a incorporação do banho de sal AB1 ao processo TENIFER surgiram outras


possibilidades para o aprimoramento ou direcionamento de propriedades desejadas numa
camada nitretada, sendo assim definidas:

PROCESSO PROPRIEDADES DESEJADAS

TF 1 (BR) + RESFRIAMENTO EM AB1 Resistências (ao desgaste, engripamento,


(Q) corrosão à quente, à fadiga), aumento de
durabilidade de ferramentas.

TF 1 (BR) + AB1 + POLIMENTO Baixa rugosidade superficial, coeficiente de


(QP) atrito homogêneo, coloração metalicamente
brilhante e mais todas do processo Q.

TF 1 (BR) + AB1 + POLIMENTO + AB1 Baixa rugosidade superficial, baixo


(QPQ ou TENOX) coeficiente de atrito, altíssima resistência à
corrosão, superfície de coloração escura,
aparência decorativa e mais todas do
processo Q.

DURFERRIT DO BRASIL QUÍMICA LTDA.


Av. Fábio Eduardo Ramos Esquível, 2.349 - Centro - Diadema - SP.
Tel. (11) 4070-7236/7238 - Fax (11) 4071-1813
vendas@durferrit.com.br - fabrica@durferrit.com.br - www.durferrit.com.br
1.4. Equipamentos necessários:

O conjunto completo de equipamentos para o processo TENIFER compõe-se das seguintes


estações:

- Forno de pré-aquecimento, preferencialmente com recirculação forçada, para aquecimento


da carga a temperaturas da ordem de 350° C (forno tipo FCA ou VK);

- Forno de nitretação com cadinho de liga especial e dispositivo de aeração (forno tipo NO);

- Forno de resfriamento com sal AB1, para operação a temperaturas acima de 350°C (forno
tipo SWQT) - opcional;

- Tanque de água e/ou tanque de óleo para resfriamento;

- Tanque de água quente ou estação de lavagem a jato, para remoção da água salina aderente
às peças.

1.4.1. Tipos de cadinhos

Em princípio os banhos de sais para nitretação devem conter o mínimo de íons de ferro em
solução, a fim de obterem o máximo rendimento em todos os seus aspectos físico-químicos,
tanto para as peças em tratamento como também para o banho. Desta forma, dá-se preferência
a cadinhos de ligas isentas, ou com baixos teores de ferro, conforme as opções abaixo
indicadas:

Cadinhos de Titânio

É o cadinho mais indicado para o processo TENIFER.

Vantagens do uso de um cadinho de Titânio:

• Maior durabilidade (aproximadamente 45.000 horas de operação);


• Camadas nitretadas com pouca porosidade;
• Menor necessidade de paradas para limpeza do banho;
• Maior produtividade.

Em indústrias onde o processo TENIFER for extremamente solicitado, o uso do cadinho de


titânio torna-se interessante.

Cadinhos de INCONEL

Características similares em relação ao cadinho de titânio, porém com menor durabilidade.

DURFERRIT DO BRASIL QUÍMICA LTDA.


Av. Fábio Eduardo Ramos Esquível, 2.349 - Centro - Diadema - SP.
Tel. (11) 4070-7236/7238 - Fax (11) 4071-1813
vendas@durferrit.com.br - fabrica@durferrit.com.br - www.durferrit.com.br
Cadinhos de Aço Inox ou Revestido internamente com Aço Inox

Devido ao maior teor de ferro, o processo necessitará de cuidados operacionais com maior
freqüência, principalmente em relação à limpeza do banho. Haverá também maior tendência à
formação de camadas brancas (zona de ligação) com maior porosidade.

Para pequenos cadinhos onde é relativamente simples promover a limpeza pode ser uma
opção atrativa. Tem sido bastante utilizado em função do custo reduzido.

O gráfico abaixo mostra a influência do teor de ferro na porosidade da camada de ligação,


nitretada pelo processo TENIFER (parâmetros de processo: 580ºC, 90 a 120 minutos).

DURFERRIT DO BRASIL QUÍMICA LTDA.


Av. Fábio Eduardo Ramos Esquível, 2.349 - Centro - Diadema - SP.
Tel. (11) 4070-7236/7238 - Fax (11) 4071-1813
vendas@durferrit.com.br - fabrica@durferrit.com.br - www.durferrit.com.br