Você está na página 1de 31

Entreleit

transuras
Um trabalho
trans e interdisciplinar
inter
com a leitura
O que é uma coisa
vazia?

O que significa um
copo vazio?

O que é o vazio?
O que há neste
copo?

O que nos
permite fazer
afirmações sobre
seu conteúdo?
Fruto proibido?
Nenhuma vez a maçã é citada na
Bíblia como o fruto proibido, nem no
Gênesis.
O que é McIntosh?
Além de ser o nome dos
computadores mais famosos do
mundo, antes a maçã McIntosh é
uma das variedades mais comuns
nos lanches escolares dos EUA, onde
é produzida em quase todo o país.
Qual o maior produtor de maçãs do
mundo?
É a China, com uma produção anual
que equivale a 39 anos de consumo
de maçã no Brasil. Aliás, esta fruta é
originária da região entre o Cáucaso
e o leste chinês.
Por que a maçã faz um barulho
crocante quando a mordemos?
Porque 25% de seu volume é de ar,
que formam os “colchões de ar”.
Você sabia que é perigoso comer as
sementes de uma maçã?
Sim, é perigoso, pois elas liberam
cianeto, que pode ser prejudicial à
saúde.
Você sabe dos benefícios da maçã à
nossa saúde?
Uma maçã tem 12 substâncias que
previnem e combatem o câncer.
Todas estão na casca.
Por que nas histórias em geral sem-
pre se levam maçãs aos professores?
A fruta que mais pode trazer
benefício imediato aos professores é
a maçã, pois ajuda a cuidar da corda
vocal, que é o mais precioso tecido
para os professores.
Por que alguns especialistas chamam
a maçã de “vassourinha do corpo”?
Porque ela atua de diversas formas
para o bem-estar do corpo humano,
desde os dentes até a digestão, além
de suas vitaminas.
Você sabia tanta coisa sobre as
maçãs?
Há muito o que aprendermos sobre as
coisas que nos cercam, e saber nunca é
demais.
Há muita Ciência por trás de todas estas
coisas, além de História.
Informações sobre a maçã baseadas em campanha publicitária da revista Superinteressante.
Por que se forma gelo no congelador de
geladeiras convencionais?
Devido à umidade do ar. O ar que
respiramos possui partículas de água
que ao entrarem na geladeira
concentram-se na parte superior e são
condensadas, e formam o gelo. Por isso
não devemos consumir este gelo, pois
pode não ser necessariamente limpo.
Interessante...
De aorcdo com uma pqsieusa de uma uinrvesriddae
ignlsea, não ipomtra em qaul odrem as lrteas de uma
plravaa etãso, a úncia csioa iprotmatne é que a
piremria e a útmlia lrteas etejasm no lgaur crteo. O
rseto pdoe ser uma ttaol bçguana que vcoê pdoe
anida ler sem pobrlmea. Itso é poqrue nós não lmeos
cdaa lrtea isladoa, mas a plravaa cmoo um tdoo.
Vejamos como é importante sabermos do
que se está tratando no texto, para
entendermos o que ele quer transmitir para
nós, leitores!
O DESCOBRIMENTO DA AMÉRICA
Como gemas nosso herói
gemas para financiá-lo, nosso herói desafiou
valentementePedras
todos os risos desdenhosos que tentaram
Trata-se do
dissuadi-lo depreciosas
seu plano. “Os olhos enganam” disse
navegador
ele, “um ovo e não uma mesa tipifica corretamente
Cristóvão
esse planeta inexplorado”. Então as três irmãs fortes e
Colombo
resolutas saíram à procura
Trata-se das de provas, abrindo
caminhos, às três
vezes através de imensidões tranquilas,
caravelas
mas amiúde através
Pinta,
de picos e vales turbulentos. Os
Nina e enquanto os indecisos espa-
dias se tornaram semanas,
lhavam rumoresSanta Maria
apavorantes a respeito da beira.
Finalmente, sem saber de onde, criaturas
criaturas aladas
aladas e bem
vindas apareceram anunciando o sucesso prodigioso.
São as aves, que indicam
presença de terra
Vejamos a importância do vocabulário e
da adequação à situação!
Diz que o Rui Barbosa, ao chegar em sua casa, ouviu um esquisito
barulho vindo do seu quintal. Chegando lá, constatou que havia um
ladrão tentando levar seus patos de criação.
Aproximou-se vagarosamente do indivíduo, surpreendendo-o tentando
pular o muro com seus amados patos. Batendo nas costas do tal
invasor, disse-lhe:
— Ô bucéfalo, não é pelo valor intrínseco dos bípedes palmíferes e
sim pelo ato vil e sorrateiro de galgares as profanas de minha
residência. Se fazes isso por necessidade, transito; mas se é para
zombares de minha alta prosopopéia de cidadão digno e honrado, dar-
te-ei com minha bengala fosfórica no alto de tua sinagoga que reduzir-
te-á à quinquagésima potência que o vulgo denomina nada.
E então o ladrão disse:
— Ô moço, levo ou deixo os patos?
O pitoresco na justiça
(Num de seus inúmeros depoimentos na
Justiça, Zé da Ilha, “o Saudoso”, prestou esta
declaração)
— Seu doutor, o patuá é o seguinte: depois de um gelo da coitadinha
resolvi esquiar e caçar uma outra cabrocha que preparasse a marmita
e amarrotasse o meu linho de sabão. Quando bordejava pelas vias,
abasteci a caveira, e troquei por centavos um embrulhador. Quando
então vi as novas do embrulhador, plantado como um poste bem na
quebrada da rua, veio uma paraqueda se abrindo. Eu dei a dica, ela
bolou. Eu fiz a pista, colei. Solei, ela bronquiou. Eu chutei.
Bronquiou mas foi na despistas porque, muito vivaldino, tinha se
adernado e visto que o cargueiro estava lhe comboiando. Morando na
jogada, o Zezinho aqui, ficou ao largo e viu quando o cargueiro jogou
a amarração dando a maior sugesta na recortada. Manobrei e procurei
engrupir o pagante, mas sem esperar recebi um cataplum no pé do
ouvido. Aí, dei-lhe um bico com o pisante na altura da dobradiça,
uma muquecada nos amortecedores e taquei os dois pés na caixa da
mudança, pondo por terra.
Ele se coçou, sacou a máquina e queimou duas espoletas. Papai muito
rápido, virou pulga e fez a Dunquerque, pois vermelho não combinava
com a cor do meu linho. Durante o boogie, uns e outros me disseram
que o sueco era tira e que iria me fechar o paletó. Não tenho vocação pra
presunto e corri. Peguei uma borracha grande e saltei no fim do carretel,
bem vazio, da Lapa, precisa-mente às quinze para a cor de rosa. Como
desde a matina não tinha engulido gordura, o ronco do meu pandeiro
estava me sugerindo sarro. Entrei no china pau e pedi o boi à Mossoró
com confeti de casamento e uma barriguda bem morta. Engolia a
gororoba e como o meu era nenhum, pedi ao caixa pra botá no pindura
que depois eu ia esquentar aquela fria. Ia me pirá quando o sueco
apareceu. Dizendo que eu era produto do mangue, foi direto ao médico
legal pra me esculachar. Eu sou preto mas não sou Gato Félix, me
queimei e puxei a solingem. Fiz uma avenida na epiderme do moço. Ele
virou logo América. Aproveitei a confusão pra me pirá, mas um dedo
duro me apontou aos xipófagos e por isso estou aqui.
Não há como pensarmos em conversar com
alguém nem na forma de Rui Barbosa, nem
na forma de Zé da Ilha.
Cada situação pede uma forma de usarmos
a língua portuguesa.
E de que forma a leitura pode contribuir
para nosso desempenho em Matemática?
Vejamos um exemplo de aplicação da leitura
na resolução de um problema matemático...
1. Um determinado número inteiro é formado por 3 algarismos,
cuja soma é 18. O algarismo das centenas é igual ao triplo do
algarismo das unidades subtraído de um, e este é igual à metade
da operação do algarismo das dezenas menos 1. Esse número é
(A) 954.
(B) 972. Primeira forma de resolver,
(C) 963.
apenas analisando as infor-
mações e sem nos atermos
(D) 873. à construção de equação.
(E) 891.
1. Um determinado número inteiro é formado por 3 algarismos,
cuja soma é 18. O algarismo das centenas é igual ao triplo do
algarismo das unidades subtraído de um, e este é igual à metade
da operação do algarismo das dezenas menos 1. Esse número é
O algarismo das centenas...
(A) 954. ...é igual ao triplo do algarismo das
(B) 972. unidades subtraído de um...
4 x 3 = 12 – 1 = 11 Não!
(C) 963.
2 x 3 = 6 – 1 = 5 Não!
(D) 873. 3 x 3 = 9 – 1 = 8 Não!
(E) 891. 3 x 3 = 9 – 1 = 8 Sim!
1 x 3 = 3 – 1 = 2 Não!
1. Um determinado número inteiro é formado por 3
algarismos, cuja soma é 18. O algarismo das centenas é igual
ao triplo do algarismo das unidades subtraído de um, e este é
igual à metade da operação do algarismo das dezenas menos
1. Esse número é
(A) 954.
Segunda forma de resolver,
(B) 972. montando equação.
(C) 963.
(D) 873.
(E) 891.
1. Um determinado número inteiro é formado por 3 algarismos,
cuja soma é 18. O algarismo das centenas é igual ao triplo do
algarismo das unidades subtraído de um, e este é igual à metade
da operação do algarismo das dezenas menos 1. Esse número é
Centenas = x Dezenas = y Unidades = z
(A) 954.
x + y + z =18
(B) 972. x =3 z −1 =3.3 −1 =9 −1 =8
y −1
(C) 963. z= 2 z = y −1 2 z +1 = y
2
(D) 873. 3z −1 + 2z +1 + z =18
(E) 891. 6 z =18
18 y = 2.3 +1 = 6 +1 = 7
z= =3
6
Vejamos um exemplo de aplicação da
leitura no entendimento de um conceito
matemático...
O que é a raiz quadrada?
14 ==
16
9
É quadrada porque se relaciona 3
1
24um quadrado. É
com
raiz porque é a raiz de um quadrado. Por exemplo...

Um quadrado de
lados 1 por 1.
25 =5
36 6
E a assim segue...
Espaço iSapiens

Prof. Jovir Filho