Você está na página 1de 2

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO EM QUÍMICA


DISCIPLINA: PORTUGUÊS
Prof: Sônia Beatriz
Alunos: Lucas Robert, Maria Luiza, Mariana Gabriela, Pedro Henrique Soares, Tiago Simão, Victor
Sant’ana

Periodização da Literatura
Era Medieval - Foi a primeira manifestação literária da Língua Portuguesa.
Surgiu no século XII, em plena Idade Média, período em que Portugal estava no
processo de formação nacional. Nessa época em que há o predomínio da
oralidade, a poesia é marcada pelas cantigas trovadorescas, que possuem uma
estreita relação com a música, o canto e a dança.
• Dividiu-se em: Primeira Época ou Trovadorismo (1189) e Segunda Época
(1434).

Era Clássica – Classicismo (1527): Valorização dos aspectos culturais e


filosóficos da cultura das antigas Grécia e Roma; influência do pensamento
humanista; Antropocentrismo: o homem como o centro do Universo; críticas as
explicações e a visão de mundo pautada pela religião; Racionalismo: valorização
das explicações baseadas na ciência; busca do equilíbrio, rigor e pureza formal;
Universalismo: abordagem de temas universais como, por exemplo, os
sentimentos humanos.
Barroco (1580): Textos ricos com profunda elaboração formal.
Arcadismo (1756):
- Textos bucólicos,
- Valorização do homem,
- Linguagem simples,
- Imitação dos modelos da literatura da Antigüidade Clássica e do Renascimento.

Romatismo – (1825) Movimento artístico, político e filosófico surgido nas


últimas décadas do século XVIII na Europa que perdurou por grande parte do
século XIX. Caracterizou-se como uma visão de mundo contrária ao racionalismo
que marcou o período neoclássico e buscou um nacionalismo que viria a
consolidar os estados nacionais na Europa.

Realismo/Naturalismo – (1865) Motivados pelas teorias científicas e


filosóficas da época, os escritores realistas desejavam retratar o homem e a
sociedade em sua totalidade. Não bastava mostrar a face sonhadora e idealizada
da vida como fizeram os românticos; era preciso mostrar a face nunca antes
revelada: a do cotidiano massacrante, do amor adúltero, da falsidade e do egoísmo
humano, da impotência do homem comum diante dos poderosos. Uma
característica comum ao Realismo é o seu forte poder de crítica, adotando uma
objetividade que faltou ao romantismo.
Simbolismo – (1900) Os temas são místicos, espirituais. Abusa-se da
sinestesia, sensação produzida pela interpenetração de órgãos sensoriais: "cheiro
doce" ou "grito vermelho", das aliterações (repetição de letras ou sílabas numa
mesma oração: "Na messe que estremece") e das assonâncias, repetição fônica
das vogais: repetição da vogal "e" no mesmo exemplo de aliteração, tornando os
textos poéticos simbolistas profundamente musicais.

Modernismo – (1915) Surge em oposição às restrições da literatura realista.


Caracteriza-se pela introdução de novos elementos estilísticos e por uma
radicalização da estrutura narrativa não linear, com o emprego de linhas temporais
desconexas, por exemplo.