P. 1
04. Série Romanos - Não me envergonho do Evangelho de Deus (Rm 1.16)

04. Série Romanos - Não me envergonho do Evangelho de Deus (Rm 1.16)

|Views: 1.031|Likes:
Publicado porPaulo Won
Orgulho do Evangelho de Deus....
Orgulho do Evangelho de Deus....

More info:

Categories:Types, Speeches
Published by: Paulo Won on Mar 28, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/21/2012

pdf

text

original

Série Romanos – O Evangelho de Cristo Jesus – Mensagem 1 Série Romanos – O Evangelho de Deus – Mensagem 41 Não me envergonho do Evangelho de Deus

! (Texto: Rm 1:16) 1. Introdução. Ter orgulho do Evangelho e não ter vergonha de ser “evangélico”. Parece uma frase muito legal para hoje. Muitos artistas, esportistas, pessoas famosas e importantes dizem ser cristãos. Mas ter orgulho do Evangelho na época de Paulo era algo totalmente diferente. Se hoje ser “evangélico” passou a ser um status, mas naquela época era considerado algo bizarro, estranho, burro e ilegal. Aos ouvidos das pessoas daquela época, o Evangelho soava como uma superstição. Temos um documento histórico que fala um pouco da perseguição de Nero no ano 64 Ele nos mostra um pouco o espírito da época, de como as pessoas pensavam a respeito dos cristãos e de como os seguidores de Jesus eram tratados. Foi escrito por um historiador romano chamado Tácito: “Mas os empenhos humanos, as liberalidades do imperador e os sacrifícios aos deus não conseguiam apagar o escândalo e silenciar os rumores de ter sido ordenado o incêndio de Roma. Para livrar-se das suspeitas, Nero culpou e castigou, com supremos refinamentos de crueldade, uma casta de homens detestados por suas abominações e vulgarmente chamados de cristãos. Cristo, do qual seu nome deriva foi executado por disposição de Pôncio Pilatos durante o Reinado de Tibério. Reprimida durante algum tempo, essa superstição perniciosa voltou a brotar, já não apenas na Judéia, seu berço, mas na própria Roma, receptáculo de quanto sórdido e degradante produz qualquer recanto da terra. Tudo, em Roma, encontra seguidores. De inicio, pois, foram presos todos os que confessavam cristãos. Depois, uma multidão enorme foi condenada não por causa do incêndio, mas acusada de ser o opróbrio do gênero humano. Acrescente-se que, uma vez condenados à morte, eles se tornavam objetos de diversão. Alguns, costurados em peles de animais, expiravam despedaçados por cachorros. Outros morriam crucificados. Outros ainda eram transformados em tochas vivas para iluminar a noite. Para estes festejos, Nero abriu de par em par seus jardins, organizando espetáculos circenses em que ele mesmo aparecia misturado com o populacho ou, vestido de cocheiro, conduzia sua carruagem. Suscitou-se, assim, um sentimento de comiseração até para com homens cujos delitos mereciam castigos exemplares, pois se pressentia que eram sacrificados não para o bem público, mas para a satisfação da crueldade de um indivíduo”2. Numa época em que seguir o Evangelho era sinônimo de ser supersticioso, detestável, vulgar... muitos cristãos da época, entre eles Paulo, tinham orgulho de proclamar, de testemunhar serem cristãos. Muitos, pagaram com a própria vida o preço de seguir a Cristo. Nesse contexto, as palavras de Paulo ganham mais cor e importância. Que hoje, possamos sair daqui orgulhosos não apenas interiormente, mas efetivamente, proclamando o Evangelho de Deus e testemunhando a pessoa de Cristo.
1 2

Pregado no MEP dia 26 de março de 2011. Tácito, in BETTENSON, H. Documentos da Igreja Cristã. Aste, 1998, pág. 27.

Paulo Sung Ho Won – www.sunghojd.blogspot.com

Série Romanos – O Evangelho de Deus – Mensagem 1

Você tem orgulho do Evangelho de Deus? 2. Exposição do texto. (Rm 1:16)
16

Pois não me envergonho do Evangelho3, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aqueles que crê, primeiro do judeu e também do grego. 1. Orgulho do Evangelho de Deus.

16

Οὐ γὰρ ἐπαισχύνοµαι τὸ εὐαγγέλιον, δύναµις γὰρ θεοῦ ἐστιν εἰς σωτηρίαν παντὶ τῷ πιστεύοντι, Ἰουδαίῳ τε πρῶτον4 καὶ Ἕλληνι·

O apóstolo Paulo desejava ir à Roma para pregar o Evangelho de Deus, as boas notícias a respeito da vinda de Jesus, da sua obra e ressurreição. Jesus, a quem ele servia como Senhor, rei e mestre, era a essência de toda a mensagem que carregava consigo. Não somente isso, mas Paulo considerava-se em débito com os romanos. Pregar o evangelho era questão de dívida, uma dívida de amor. Esse é o resumo dos primeiros quinze versículos que vimos até agora. O versículo 16 é considerado o versículo-tema de Romanos. Paulo diz: “não me envergonho do Evangelho” (Rm 1:16a). Em outras palavras, o que o apóstolo Paulo queria dizer era: “eu me orgulho, não sinto vergonha, desse Evangelho de Deus que estou pregando aqui e que desejo pregar a vocês em Roma quando eu chegar aí”. Quero ler com vocês duas outras passagens onde essa mesma expressão “envergonharse” aparece no Novo Testamento. O primeiro é Mc 8:38, que diz: “Quando o Filho do Homem vier na glória de seu Pai com os santos anjos, ele também se envergonhará de quem se envergonhar de mim e das minhas palavras nesta geração adúltera e pecadora”. O segundo versículo é Lc 9:26: “Pois, quando o Filho do homem vier na sua glória e na glória do Pai e dos santos anjos, ele se envergonhará de quem se envergonhar de mim e das minhas palavras”. Baseado nesses dois versículos, podemos tirar uma conclusão. O “envergonhar-se” aqui se refere a uma vergonha psicológica5 (como a vergonha que sentimos quando, por exemplo, sentamos em uma cadeira e esta quebra), mas sim, está relacionado à recusa ao testemunho, à confissão de que Jesus é o Senhor por causa de algum motivo. Não podemos nunca dissociar o texto de seu contexto original. Estamos falando de uma época em que o cristianismo era considerado por judeus e por romanos como uma aberração. Os romanos pensavam que os cristãos praticavam sacrifícios humanos, por exemplo. A proclamação do Evangelho era consideração loucura para os gregos que não aceitavam a idéia de ressurreição. Os cristãos tinham que defender o testemunho de Cristo com as suas próprias vidas. Paulo nos diz em 1Co 1:22,23: “Pois, enquanto os judeus pedem sinais, e os gregos busca, sabedoria, nós pregamos Cristo crucificado, que é motivo de escândalo para os judeus e absurdo para os gentios”. Como diz N. T. Wright, Roma podia ser resumida em uma cidade, a própria capital, e
3 4

Litote: afirmação pela negação do contrário. Paulo queria dizer: “Me orgulho do Evangelho”. Cf. Bruce, pág. 65. Cf. Fitzmayer, alguns manuscritos não apresentam essa expressão devido, talvez, à influência de Marcião, para quem a primazia dos judeus era inaceitável. Pág. 447. 5 Cf. Dunn

Paulo Sung Ho Won – www.sunghojd.blogspot.com

2

Série Romanos – O Evangelho de Deus – Mensagem 1

em uma pessoa, César6. Os cristãos podiam muito bem ter cultivado sua fé apenas debaixo das catacumbas, no oculto de seus quartos... poderiam ter sido apenas “agentes secretos” de Cristo, como muito de nós somos hoje. Não! Paulo queria pregar abertamente as boas notícias de Deus, mesmo que isso significasse ir contra o mundo da época, contra Roma e contra César, a pessoa mais poderosa do Império. Ele queria colocar em prática talvez o que o Sl 119:46 diz: “Falarei dos teus testemunhos perante os reis e não me envergonharei”. O orgulho que ele tinha no Evangelho era capaz de transpor todas as barreiras e dificuldades. Que orgulho de Paulo era esse? O orgulho de confessar publicamente, de testemunhar e ser testemunho da mensagem de Jesus. Amado, o quanto você se orgulha do Evangelho de Deus? O quanto você se envergonha em Cristo? Nós nunca podemos esquecer das palavras do Mestre: se nos envergonharmos em proclamá-lO, Ele se envergonhará de nós diante de Deus. Nós precisamos levantar a bandeira do Evangelho diante do mundo. Precisamos falar de Jesus... Precisamos viver Jesus, exalar o bom perfume de Cristo! Porque esse Evangelho é o poder de Deus. 2. O Evangelho é o poder de Deus. Essa declaração de Paulo é muito forte: o Evangelho é o poder de Deus! Paulo já havia falado desse poder de Deus no versículo 4: “e com poder foi declarado Filho de Deus segundo Espírito de Santidade, pela ressurreição dos mortos, Jesus Cristo, nosso Senhor” (A21). Quando falamos em poder, nos referimos a uma capacidade, a uma habilidade. Quando falamos de poder de Deus, com certeza, isso diz respeito à capacidade e habilidade sobrenatural. Pense comigo: o que faz uma pessoa deixar a sua condição de pecado e aderir ao Evangelho? O que te fez enxergar a tua condição de miséria para correr para os braços de Deus? Só pode ter sido pelo poder de Deus, pela sua ação direta e soberana em tua vida! O poder de Deus que se manifesta no Evangelho não é algo místico ou subjetivo. Não se trata apenas de uma força, de um raio, de um fogo, de uma fumaça. Muitas pessoas pensam que o poder de Deus se resume nessas coisas. Muito pelo contrário. O poder de Deus é algo real e perceptível. Como tudo em Deus, seu poder é verdadeiro. O poder de Deus se evidencia, por exemplo, na conversão das pessoas. Paulo diz em 1Co 2:4,5 “minha linguagem e pregação não consistiam em palavras persuasivas de sabedoria, mas em demonstração de poder do Espírito, para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria humana, mas no poder de Deus”. Esse mesmo poder se manifesta também no evento pela qual mais aguardamos, que é a ressurreição: “Deus não somente ressuscitou o Senhor, mas também nos ressuscitará pelo seu poder” (1Co 6:14). O Evangelho, que era considerado como uma aberração pelas pessoas da época, é o poder de Deus! Paulo nos diz em 1Co 1:14: “Pois a palavra da cruz é insensatez para os que estão perecendo, mas para nós, que estamos sendo salvos, é o poder de Deus”!. O Evangelho é o poder de Deus, e como precisamos desse poder para viver essa vida! Sem o poder de Deus nós nos tornamos totalmente vulneráveis a tudo. Meus irmãos,
6

Wright, pág. 10.

Paulo Sung Ho Won – www.sunghojd.blogspot.com

3

Série Romanos – O Evangelho de Deus – Mensagem 1

somos fracos. Não temos uma força dentro de nós que nos ajude a vencer as batalhas da vida. Mas se nos apegarmos ao poder de Deus, com certeza, as dificuldade que hoje consideramos grandes, poderão ser vencidas. Cristãos sem poder são cristãos que ainda não entenderam que o Evangelho é o poder de Deus! Paulo não se envergonhou do Evangelho, pois era o poder de Deus. Que eu e você possamos buscar esse poder. O Verdadeiro poder de Deus sempre manifesta através do Evangelho, nunca se esqueça disso. 3. O Evangelho de Deus é o poder de Deus para a salvação de todas as pessoas! “Pois não me envergonho do Evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego” (vr. 16) O Evangelho é o poder de Deus para a salvação. Qual é a visão e qual o seu entendimento sobre salvação? Quando Paulo escreveu sobre salvação, ele tinha em mente algo muito claro: que um dia Deus viria julgar vivos e mortos, destruindo aos ímpios e premiando os crentes. Os profetas do Antigo Testamento já previam esse dia. Joel, por exemplo, falava do “dia do SENHOR” na qual Deus destruiria todas as nações pagãs. A salvação é escatológica, ou seja, o poder de Deus manifesto no Evangelho nos salvou da ira de Deus e do seu juízo. Quando cremos em Jesus Cristo como nossos Senhor e Salvador, o nosso julgamento diante de Deus foi antecipado na cruz. Nosso pecado foi castigado e pago na pessoa de Jesus Cristo. O salário do pecado que é a morte foi pago por Jesus na cruz do Calvário. Nosso veredicto de inocência foi dado por Deus, por intermédio de Jesus: fomos justificados. Logo, não temos mais a necessidade de sermos julgados no último dia. Para quem esse grande privilégio é destinado? Para quem a mensagem de Jesus, o Evangelho de Deus, tem seu alvo? Para “todo aquele que crê”. A fé não é apenas um ato inicial pela qual fomos salvos. Muito além disso, a fé “é uma orientação contínua, uma motivação para a vida”7. O Evangelho de Deus é recebido pela fé, vivido pela fé e consumado pela fé. Não há monopólio do Evangelho. A mensagem de Jesus não é como os poços de petróleo, que embora sendo valiosos, não propriedade de poucas empresas, e no caso do Brasil, de apenas uma, a Petrobrás. Não! O Evangelho de Deus tem seu efeito em TODO aquele que crê em sua mensagem. Mas Paulo faz questão de salientar que a salvação veio primeiro aos judeus. Isso numa ordem cronológica, porque de fato, o primeiro grande alvo da pregação do Evangelho por Jesus mesmo foram os judeus (o próprio Jesus era judeu, bem como seus discípulos). Não somente isso, mas todas as promessas do Antigo Testamento foram confiadas aos judeus. Os judeus tem uma relevância muito grande dentro dos planos de Deus para a salvação da humanidade. Mais a diante, Paulo dirá em Romanos que os judeus falharam na sua missão de levar o Reino de Deus a todo o mundo, porém Deus irá restaurá-los um dia.

7

Cf. Dunn, pág. 40.

Paulo Sung Ho Won – www.sunghojd.blogspot.com

4

Série Romanos – O Evangelho de Deus – Mensagem 1

A prioridade dos judeus nos planos de salvação de Deus não significavam que só os judeus mereçam ser salvos. Graças a Deus que o Evangelho não se destina apenas aos judeus, mas também aos gregos, ou seja, todos os gentios, o que inclui a todos nós. Paulo tem na sua mente esses dois tipos de grupos que formavam a igreja no seu início: os judeus convertidos ao cristianismo e os gentios que aceitaram Jesus em seus corações. O que torna judeus e gentios em um só povo? É a fé! O Pr. John Sttot disse: “o grande nivelador é a fé que salva e que é resposta exigida pelo evangelho”8. O Evangelho abrange todos! Embora houvesse uma ordem, primeiro os judeus e depois os gregos, o resultado final é aquilo que sempre foi sonho de Deus: ser conhecido por todas as pessoas. Todos são convidados a fazerem parte do Reino de Deus. Será que não vale nos orgulharmos desse Evangelho tão glorioso? Conclusão: Meus irmãos, o Evangelho é a maior preciosidade que temos em mãos! Por mais absurdo que o mundo pense a seu respeito, é o poder de Deus para a salvação de todos aqueles que humildemente se submetem a Ele pela fé. Enquanto o mundo se envergonha de Jesus, nós nos orgulhamos no Seu Evangelho! Podemos dizer que existem duas razões de Paulo querer tanto pregar o Evangelho, tanto em Roma, mas em qualquer lugar onde ele fosse: primeiramente, o senso de obrigatoriedade uma vez que Paulo tinha uma dívida não paga para com o mundo, que era a proclamação do Evangelho. Também, Paulo queria pregar o evangelho segundo um senso de convicção: o Evangelho era o poder de Deus para salvar as pessoas. Como Sttot sintetiza: “Não me envergonho… Sou devedor… Por isso estou pronto a pregar o Evangelho ao mundo9”. Você se orgulha do Evangelho? A que ponto? Ao ponto de proclamá-lo ao mundo? Você se envergonha do Evangelho? A que ponto? Ao ponto de escondê-lo dentro de si? Tenha orgulho do Evangelho de Deus! Pois é o poder de Deus para a salvação! Você crê nisso? Você tem fé nesse Deus? Eu amo o Evangelho porque ele nos mostra como Deus nos ama e de como Ele veio nos salvar… de como Jesus é precioso e de como vale a pena viver Nele. Mais uma vez: “Eu não me envergonho do Evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aqueles que crê, primeiro do judeu e também do grego”. Amém.

8 9

Cf. Sttot, pág. 64. Ibid. pág. 65.

Paulo Sung Ho Won – www.sunghojd.blogspot.com

5

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->