Você está na página 1de 3

MOTIVAÇÃO

- A motivação é o impulso original de nosso comportamento. É um fator


(interno ou externo) que nos leva a fazer alguma coisa. É uma condição que
energiza e orienta o comportamento. Age de forma seletiva, é cíclica, visa
uma meta, é persistente, organiza o comportamento e é identificada por suas
propriedades.

- O motivo pode ser definido como um estado interno que resulta de


uma necessidade e que ativa ou desperta um comportamento dirigido ao
cumprimento da necessidade

Estado interno: é impossível obrigar uma pessoa a ter um motivo


Necessidade: é a origem do motivo
Comportamento dirigido: é o que vai cumprir a necessidade e resolver o
motivo.

Motivos Primários (exs: fome, sede, sono, sexo):

1- Não derivam de outros


2- Gerados por necessidades humanas básicas
3- São naturais
4- São universais
5- Têm forte base biológica (instintos)
6- Presentes nos animais
7- Independentes (cada um exige sua satisfação específica)
8- Imperiosos ()exigem satisfação

Principais motivos primários:

1- Motivos fisiológicos (ou homeostáticos) – estão sempre em busca de


um equilíbrio orgânico.

2- Motivos de defesa (ou segurança) – Estão explicitados nas situações


de perigo, fuga, luta.

3- Motivos sensoriais – necessidade dos estímulos para o


funcionamento do sistema nervoso

4- Motivos de atividade motora – o ser humano foi feito para se mover

5- Motivos exploratórios (ou de curiosidade) – tendência natural de


investigar, descobrir coisas.

6- Motivos lúdicos – brincadeiras, distrações, lazer. O “brincar” é


universal, a forma de brincar é cultural.

7- Motivo sexual – não é um motivo vital, por isso se separa dos motivos
fisiológicos.
Motivos Secundários (ou derivados): são criados, aprendidos, adquiridos
com a vida social – motivos culturais – podem ser desdobramentos dos motivos
primários

Principais motivos secundários:

- Filosóficos
- Ideológicos
- Religiosos
- Morais
(podem passar por cima dos motivos primários, dependendo da
intensidade)

- Suas causas variam de eventos fisiológicos no cérebro e no corpo até nossa


cultura e interação social.

- Os estudos motivacionais são considerados bastante recentes. Começaram


a ser realizados apenas no início do século XX. A princípio, a psicologia
experimental de Wundt e Titchener lidava com a análise dos três elementos
básicos da consciência – sensações, imagens e sentimentos – excluindo
quaisquer conceitos motivacionais do conteúdo de suas disciplinas. Porém,
com a fundação do funcionalismo de William James, começaram a ser
realizados estudos da motivação, sob influência da teoria Darwiniana e sua
ênfase na adaptação.

Concepção racionalista: sustenta que o homem é um ser essencialmente


racional, seletivo, dotado de vontade, conhecedor das fontes de sua conduta
sendo, portanto, responsável por ela.

Concepção mecanicista: afirma que o homem é, por natureza, irracional,


não conhecedor dos motivos de seu comportamento, não consciente de
suas ações e é movido e detido pelas forças de sua constituição. Entende o
comportamento como um fenômeno da natureza regido por leis físicas.

- Para motivações básicas como a fome, a sede e o sexo existem dois tipos
de teorias de motivação. A diferença é quanto à origem da motivação, suas
causas e como ela controla o comportamento:

Teorias dos instintos: ênfase no papel dos fatores internos na


motivação: considera-se que alguns instintos internos, tais como aqueles
relacionados à fome e à sede, refletem necessidades fisiológicas básicas; o
sexo e a agressão, apesar de também possuírem aspectos instintivos, parecem
estar menos vinculadas a necessidades fisiológicas absolutas.

Teorias de incentivo da motivação: ênfase no papel motivacional dos


eventos externos ou objetos de desejo. Os incentivos são os objetos da
motivação (afinal, quando queremos, queremos algo)
EMOÇÃO

Definições:

- Estados internos caracterizados por cognições, sensações, reações


fisiológicas e comportamento expressivo.

- Poderosas reações que exercem efeitos motivadores sobre o comportamento.

- Motivos externamente despertados com importantes acompanhamentos


corporais que preparam o corpo para um esforço, luta ou fuga.

- Reações psicológicas e fisiológicas que influem na percepção, aprendizagem


e desempenho.

- A emoção manifesta-se abertamente, desorganiza o comportamento e é


identificada por suas dimensões (cognitiva ou comportamental). A emoção está
intimamente relacionada à motivação, porém, é preciso distinguir motivos de
emoções. As emoções geralmente são despertadas por eventos externos e asa
reações emocionais são dirigidas a estes eventos. Já os motivos, muitas vezes
são despertados por eventos internos (tais como desequilíbrio homeostático) e
são naturalmente dirigidos a determinados objetos do ambiente (como comida,
água, ou um parceiro).

- A emoção é uma condição complexa que surge em resposta a determinadas


experiências de caráter afetivo. (Atkinson)

Componentes das emoções:

1- A experiência subjetiva
2- Respostas corporais internas, especialmente aquelas que envolvem o
sistema nervoso autônomo.
3- Cognições sobre a emoção e situações associadas
4- A expressão facial
5- Reações à emoção
6- Tendências de ação

Esses componentes reunidos criam uma determinada emoção. Além disso,


cada um deles pode influenciar os outros componentes.

Você também pode gostar