Você está na página 1de 34
Vias de Comunicação I Ana Bastos Silva Departamento de Engenharia Civil da FCTUC Traçado Geral
Vias de Comunicação I
Ana Bastos Silva
Departamento de Engenharia Civil da FCTUC
Traçado Geral
UniversidadeUniversidade dede CoimbraCoimbra
•Curvas de Transição
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão CurvasCurvas dede
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão
São curvas geralmente introduzidas entre os alinhamentos rectos e as curvas
circulares, cujo raio, R, é variável, diminuindo desde o valor ∞ no alinhamento
recto até ao valor do raio da curva circular, Rc.
R =:
a c = 0
∞>R>Rc
Alinhamento recto
0 < a
c <a
c,máx
AA aceleraaceleraççãoão centrcentríífuga,fuga, aa cc ,, éé introduzidaintroduzida dede formaforma gradualgradual aosaos veveíículos.culos
Curva de transição
OOBJECTIVOBJECTIVO PPRINCIPALRINCIPAL - Limitar o “grau de incómodo” do condutor traduzido
pela variação da aceleração centrífuga, a c , na unidade de tempo.
R =Rc
a
= a
c
c,máx
Curva
circular
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão VantagensVantagens
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão
VantagensVantagens adicionais:adicionais:
Facilitar a manutenção do veículo dentro da sua via de tráfego;
Aumentar a comodidade óptica para o condutor;
Permitir o disfarce gradual e criterioso da sobreelevação (SE) e da
sobrelargura (SL) entre o alinhamento recto e a curva circular.
TTIPOSIPOS DEDE CCURVASURVAS DEDE TTRANSIRANSIÇÇÃOÃO - radióides: desenvolvimento é inversamente
proporcional ao parâmetro definidor da curvatura.
⎛ 1 ⎞
te
Lemniscata de Bernoulli
R
=
f
⇒R = c
.
ρ
ρ
⎟ ⎟ ⎠
A
2
te
Parábola cúbica
R
=
f
1 ⎞ ⎟
R . x
=
c
x
te
R
=
f
Clotóide
⎛ 1 ⎞ ⎟
⎜ ⇒
RL .
=
c
L
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão EquaEquaççãoão dada
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão
EquaEquaççãoão dada ClotClotóóideide
Quanto maior o parâmetro, A,
mais “suave” é a transição.
Desenvolvimento
(até esse ponto)
A
2
Raio da curva
em cada ponto
R – raio da clotoide num determinado ponto (m);
L – extensão da clotoide desde o ponto inicial ate
ao ponto em análise (m);
A – parâmetro da clotoide – constante (m)
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão DefiniDefiniççãoão
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão
DefiniDefiniççãoão AnalAnalííticatica dada ClotClotóóideide
RIPAGEMRIPAGEM ΔΔ
Curva circular
‘ripada’
d
Curva circular
‘original’
R
Δ
d
ϕ
2
Ripagem:
Δ
ϕ
V
Deslocamento fictício dos alinhamentos rectos, para o
interior da curva, que define o novo centro desta.
Δ
d =
cos( ϕ
)
2
seu raio para R
= R
f
i
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão DefiniDefiniççãoão
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão
DefiniDefiniççãoão AnalAnalííticatica dada ClotClotóóideide
O 1
Centro da curva
circular central
Raio R
f
Curva circular
inicial
Raio R
i
(Centro em O 1 )
O’
T’
P’
P
V
O
T
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão CCáálculolculo dada
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão
CCáálculolculo dada tangentetangente finalfinal (POSIÇÃO DOS PONTOS DE OSCULAÇÃO O e O’)
O
β
1
OV = TV + OT
t
=
R
cot
g
i
i
2
t
= +
t
OT
f
i
β
t
=
R
cot
g
+
OT
f
i
O’
2
ϕ
2
R = R +Δ
i
f
T’
P’
P
β
ϕ
t
=
(
R
) cot
g
+
OT
f
f
2
O
T
V
Tangente da
C.C inicial
R Δ+.
f
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão CCáálculolculo dada
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão
CCáálculolculo dada tangentetangente finalfinal
(POSIÇÃO DOS PONTOS DE OSCULAÇÃO O e O’)
β
t
=
(
R
) cot
g
+
OT
O
f
f
1
2
OT = x
/ 2
c
τ
c
O’
β
x
c
t = R +Δ
(
) cot
g
+
T’
f
f
2
2
x
c
P’
P
ϕ
O
T
V
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão CCáálculolculo dada
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão
CCáálculolculo dada bissectrizbissectriz finalfinal
b
= b +Δ
f
i
O
β
(
)
1
b
=
R
+Δ×
⎡ −1 +Δ
ec
f
f
⎢ cos
2
O’
T’
b
= ?
f
P’
b
i
P
ϕ
Δ
O
T
V
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão CCáálculolculo dodo
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão
CCáálculolculo dodo desenvolvimentodesenvolvimento dada C.C.C.C. finalfinal
DesenvolvimentoDesenvolvimento dada
C.C.C.C. inicialinicial
O 1
2
π ϕ
R
i
d
= TT =
'
ci
400
τ c
τ c
ϕ
DesenvolvimentoDesenvolvimento dada
C.C.C.C. finalfinal
O’
2
π ϕ
R
'
f
ϕ’
= PP =
'
d cf
400
T’
R
f (200 − β ')
d =
P’
cf
β’
400
P
ϕ=ϕ'+2τ
ϕ
c
V
O
T
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão CCáálculolculo dodo
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão
CCáálculolculo dodo desenvolvimentodesenvolvimento dada C.C.C.C. finalfinal
VariVariááveisveis queque faltamfaltam conhecer?conhecer?
O
1
τ c
O’
T’
x
c
P’
Y c
P
ϕ
Δ
O
T
V
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão DefiniDefiniççãoão
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão
DefiniDefiniççãoão AnalAnalííticatica dada ClotClotóóideide
ÂNGULOÂNGULO ττ
2
A
y
dL
=
R.d
τ⇔ =
dL
.
dτ⇔
L
2
L
⇔(
)
2
integrando
=
A
.τ=
R L
.
.τ⇔
2
x
τ
L
τ
=
2 R
Tangente à curva em dado
ponto, onde o raio vale R.
d L
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão DefiniDefiniççãoão
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão
DefiniDefiniççãoão AnalAnalííticatica dada ClotClotóóideide
COORDENADASCOORDENADAS CARTESIANASCARTESIANAS xx ee yy
Já se sabe que:
y
dx
2
L
L
2
= A τ⇔
.
= . τ⇔
A
2
2
A .
2
(
derivando dL
)
=
. d
τ
dy
2.
τ
d L
x
τ
Como:
A .
2
dx
=
.cos
τ
d
τ
⎧ dx
= dL
.cos
τ
2.
τ
A .
2
Dado que:
Resultará da
integração:
⎪ dy
= dL
.sin
τ ⎪
dy
=
.sin
τ
d
τ
2.
τ
2
4
6
τ
τ
τ
2
4
τ
τ
cos τ =
1-
+
+
x ≅ A
.
2
τ
1
2
τ ⎧ x ≅ L
x
=
A
.
2
τ
.
1
+
2!
4!
6!
5
x
2!
9
x
4!
10
2
3
5
7
τ
τ
τ
3
5
3
L
τ
τ
τ
τ τ
sin τ = τ -
+
+
y
= A
.
2
τ
. ⎜
+
⎪ y ≅
y ≅ A
.
2
τ
3
7
x
3!
11
x
5!
3!
5!
7!
3
42
6. R
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão RepresentaRepresentaççãoão
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão
RepresentaRepresentaççãoão grgrááficafica dada clotclotóóideide
Em particular, para o ponto P (ou P’) de osculação da clotóide/curva circular:
L
c
ÂNGULO τ c
=
2 R
2
τ
c
x
≅ A
.
2
τ
1
10
COORDENADAS CARTESIANAS
3
τ τ
y
≅ A
.
2
τ
3
42
y
O’
x
c
P’
P
y
c
V
O
τ
x
c
L
c
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão DefiniDefiniççãoão
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão
DefiniDefiniççãoão AnalAnalííticatica dada ClotClotóóideide
RIPAGEMRIPAGEM ΔΔ
Δ = y c - (R f - R f .cos τ c )
O
1
2
2
4
L
⎛ τ
τ
c
c
c
com:
⎜ ⎜ 1 −
+
6.
R
⎝ 2!
4!
L
τ
f
τ
c
=
c
c
2
R
f
O’
2
2
L
L
Δ =
− R
.
f
2
6.
R
8.
R
f
f
T’
2
P’
L
R f - R f .cos τ c
Δ =
24.
R
f
P
y
c
Δ
V
O
T
R
f
R τsoc.
f
c
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão NotaNota conclusivaconclusiva
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão
NotaNota conclusivaconclusiva
BastaBasta conhecerconhecer osos valoresvalores dede RR ee dede AA parapara definirdefinir todostodos osos parâmetrosparâmetros dada clotoideclotoide
β
x
c
t = R +Δ
(
) cot
g
+
f
f
2
2
β
(
)
b
=
R
+Δ×
ec
f
⎢ cos
⎡ −1 +Δ
f
2
R
(200 − β ')
f
d =
cf
400
Com:
2
2
L
τ
L
Δ =
x ≅ A
.
2
τ
1
τ=
24.
R
10
f
2
R
3
τ τ
y ≅ A
.
2
τ
3
42
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão PossibilidadePossibilidade
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão
PossibilidadePossibilidade GeomGeoméétricatrica dede usouso DaDa ClotClotóóideide
O 1
τ c
τ c
ϕ
O’
ϕ/2
ϕ’
Para quaisquer dois
alinhamentos rectos
formando um dado ângulo ϕ
entre si, e querendo
concorda-los com uma curva
circular de raio R f importa
avaliar a possibilidade de
utilização de uma clotóide de
parâmetro A.
T’
CondiCondiççãoão
P’
ϕ
τ ≤
c
P
2
ϕ
β
τ ≤
100 −
c
V
O
2
T
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão PossibilidadePossibilidade
EstudoEstudo dada DirectrizDirectriz –– CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão
PossibilidadePossibilidade GeomGeoméétricatrica dede usouso dada ClotClotóóideide
TrêsTrês situasituaççõesões podempodem ocorrerocorrer::
Curvas de transição unidas por curva circular central;
P’
β
P
τ ≤
100 −
c
ϕ
2
Curvas de transição tocam-se entre si (curva circular reduzida a um
ponto);
β
P≡ P’
τ =
100 −
c
2
ϕ
Curvas de transição soprepostas – Hà a formação
de um “bico” - Não é possível usar clotóide com
este parâmetro.
P
P’
ϕ
β
τ〉 −
100
c
2
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– DefiniDefiniççãoão dodo parâmetroparâmetro AA CritCritéériorio
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– DefiniDefiniççãoão dodo parâmetroparâmetro AA
CritCritéériorio dada ComodidadeComodidade dada VariaVariaççãoão AceleraAceleraççãoão CentrCentríífugafuga
O equilibrio de forças para que não ocorra deslizamento
Fc
G
Ft = µ.N
Fc.cos α
α
P.sin α
P
Fc
α
Fc.sin α
α
P.cos α
P
Fc. cos α= P. sin α + µ.P. cos α
2
mv =
Fc = P. tag α + µ.P<>
mg tg α mgμ
×
+
R
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– DefiniDefiniççãoão dodo parâmetroparâmetro AA CritCritéériorio
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– DefiniDefiniççãoão dodo parâmetroparâmetro AA
CritCritéériorio dada ComodidadeComodidade dada VariaVariaççãoão AceleraAceleraççãoão CentrCentríífugafuga
3
V
Segundo as Normas de Traçado, JAE:
A ≥ 0,1464.
Deve-se limitar a: J =0,5 m/s3:
J
Este critério normal/ prevalece para R pequenos
ExemploExemplo dede aplicaaplicaççãoão::
β=
139,1300 gr
R
= 250
m
V
= 50
km h
/
B
a
= 3,5
m
3
3
V
50
A ≥
0,1464.
=
0,1464
= 73,2
J
0,5
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– DefiniDefiniççãoão dodo parâmetroparâmetro AA CritCritéériorio
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– DefiniDefiniççãoão dodo parâmetroparâmetro AA
CritCritéériorio dodo disfarcedisfarce dada sobreelevasobreelevaççãoão
As curvas de transição devem permitir o disfarce da sobreelevação. O valor da inclinação
longitudinal Δi no disfarce do limite da faixa de rodagem no extradorso da curva é limitado a
um valor máximo, por razões de comodidade e segurança.
Bordo
exterior
SE a
.
i
.
a
2
d
1
1
d
Δi =
Bordo Bordo
L
c
interior interior
SE.a 2d
L c
Eixo
i 1 .a 1d
Δ i
Bordo exterior
L c
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– DefiniDefiniççãoão dodo parâmetroparâmetro AA CritCritéériorio
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– DefiniDefiniççãoão dodo parâmetroparâmetro AA
CritCritéériorio dodo DisfarceDisfarce dada SobreelevaSobreelevaççãoão
SE . a . R
c
Atendendo a que A 2 =R.L:
A ≥
VT (km/h)
<40
40≤VT≤80
>80
Δ
i
Δi (%) máx 1,5
1,0
0,8
Segundo as Normas de Traçado, JAE:
R (m)
≤450
525
600
700
850
1000
1200
1400
1600
1900≤R<2500*
SE (%)
7
6,5
6,0
5,5
5,0
4,5
4,0
3,5
3,0
2,5
ExemploExemplo dede aplicaaplicaççãoão::
β=
139,1300 gr
SE a R
.
.
0,07
×
3,5
×
250 =
R
= 250
m
c
A ≥
=
78,3
Δ
i
0,01
V
= 50
km h
/
B
a
= 3,5
m
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– DefiniDefiniççãoão dodo parâmetroparâmetro AA CritCritéériorio
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– DefiniDefiniççãoão dodo parâmetroparâmetro AA
CritCritéériorio dada EstEstééticatica
Para que não sejam desagradáveis esteticamente, as curvas de transição devem ter uma
VB
extensão tal que demorem, pelo menos, 2 s a percorrer. Ou seja:
L c ≥
1,8
VB R
.
Atendendo a que A 2 =R.L:
c
A ≥
1,8
ExemploExemplo dede aplicaaplicaççãoão::
β=
139,1300 gr
R
= 250
m
VB R
.
50
×
250
c
A ≥
=
= 83,3
V
= 50
km h
/
B
1,8
1,8
a
= 3,5
m
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– DefiniDefiniççãoão dodo parâmetroparâmetro AA CritCritéériorio
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– DefiniDefiniççãoão dodo parâmetroparâmetro AA
CritCritéériorio dada ComodidadeComodidade ÓÓpticaptica
Para que a introdução de curvas de transição produza comodidade óptica no condutor, o seu
R
c
desenvolvimento deve obedecer à seguinte condição:
R
≥L
c
c
9
R
c
Atendendo a que A 2 =R.L:
R
≥ A ≥
c
3
Este critério normal/ prevalece para R grandes
ExemploExemplo dede aplicaaplicaççãoão::
β=
139,1300 gr
R
= 250
m
R
c
R
≥ A ≥
c
V
= 50
km h
/
B
3
a
= 3,5
m
250 ≥ A ≥ 83
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– DefiniDefiniççãoão dodo parâmetroparâmetro AA ParâmetroParâmetro
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– DefiniDefiniççãoão dodo parâmetroparâmetro AA
ParâmetroParâmetro mmíínimonimo dada clotclotóóideide
Segundo as Normas de Traçado, JAE:
VB (km/h)
40
50
60
70
80
90
100
120
140
A (m)
35
50
70
90
120
150
180
270
410
DISPENSA DE USO QUANDO NÃO HÁ EXIGÊNCIA DE SE
Estradas de duas vias e dois sentidos
Estradas de duas vias x duas vias
R ≥ 2500 m
R ≥ 5000 m
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– DefiniDefiniççãoão dodo parâmetroparâmetro AA O’
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– DefiniDefiniççãoão dodo parâmetroparâmetro AA
O’
RecomendaRecomendaççãoão dodo desenvolvimentodesenvolvimento
T’
P’
DT ≈ Dci +2x Lc/2
P
L
c
ϕ
V
O
T
L
c /2
1
2
“A extensão das curvas de transição deve variar entre
2 e
3 da extensão total da curva”
DT
1
2
.
DT
<
2.
L
<
. DT
c
2
3
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– DefiniDefiniççãoão dodo parâmetroparâmetro AA
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– DefiniDefiniççãoão dodo parâmetroparâmetro AA
RecomendaRecomendaççãoão dodo desenvolvimentodesenvolvimento
1
2
.
DT
<
2.
L
<
.
DT
c
2
3
Dado que DT ≈ Dci +2x Lc/2
1
(
dci + Lc < Lc <
)
2
dci + Lc
)
2
2 (
3
dci <
dci
;
Lc
Lc <
3
2
Considerando
dci <
< dci
2
A
Lc
A
2 =
RLc
Lc
=
R
3
2
Vem:
Rdci < <
Rdci
A
3
2
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– DefiniDefiniççãoão dodo parâmetroparâmetro AA CritCritéériorio
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– DefiniDefiniççãoão dodo parâmetroparâmetro AA
CritCritéériorio desenvolvimentodesenvolvimento mmíínimonimo
ExemploExemplo dede aplicaaplicaççãoão::
β=
139,1300 gr
R
= 250
m
R × Dci
R × Dci
V
= 50
km h
/
< A <
141
< A <
173
B
3
2
a
= 3,5
m
ResumoResumo::
Critérios
Amin
Amáx
1) Aceleração centrifuga
2) Disfarce da sobreelevação
3) Estética
4) Percepção óptica
5) tabela da JAE
6) Desenvolvimento minimo
73,3
78,3
83,3
88,3
83
250
50
141
173
143
IntervaloIntervalo [141[141--173]173]
A=140A=140
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– ExemploExemplo dede AplicaAplicaççãoão CCáálculolculo dosdos
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– ExemploExemplo dede AplicaAplicaççãoão
CCáálculolculo dosdos parâmetrosparâmetros dada ClotoideClotoide
M
P
V
= 50
km h
/
V1
39536,329
138085,168
B
a
= 3,5
m
V2
39706,395
138180,564
V3
39932,049
138072,964
2
2
V 1V 2
=
( M 2
M 1)
+
( P 2
P1)
=
194,994 m
2
2
V
2
V =
3
(
M − M
3
2)
+ P − P
(
3
2)
=
249,995
2
2
V 1V 3
=
( M 3
M 1)
+
( P 3
P1)
=
395,908 m
Teorem de Carnnot:
β
= 139,1300 grados
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– ExemploExemplo dede AplicaAplicaççãoão Segundo as Normas de Traçado,
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– ExemploExemplo dede AplicaAplicaççãoão
Segundo as Normas de Traçado, JAE:
⎧ RmNormal
= 185
m
R
= 250
m
V
=
50
Km / h
f
B
⎩ RmAbs
= 85
m
⎧ R
= 250
m
f
Já se tinha assumido A=140
A
= 140
m
ViabilidadeViabilidade destadesta combinacombinaçção???ão???
β
τ ≤
100
c
2
β
139,1300
100
=
100
= 30,435 grad
2
2
Cáculo de
τ
β
τ 〈〈
100
c
c
2
L
78,400
τ=
=
=
0,1568
rad
=
9,9822
grad
2 R
2
×
250
Existe curva circular, pelo que é possível
usar esta combinação
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– ExemploExemplo dede AplicaAplicaççãoão ParâmetrosParâmetros dada
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– ExemploExemplo dede AplicaAplicaççãoão
ParâmetrosParâmetros dada curvacurva finalfinal::
⎧ R
= 250
m
f
A
= 140
m
Comprimento da clotoide
2
2
A
140
L
=
=
=
78,400 m
R
250
Cálculo da bissectriz final
β
(R
)
b =
+Δ×
⎡ − 1
ec
32,722
m
f
f
Cálculo da ripagem
⎢ cos
2
⎥ ⎤ + Δ =
2
L
2
78,400
Δ=
=
= 1,0244 m
Cálculo do comprimento da curva circular final
24.
R
24
×
250
f
R
(200 − β ')
f
d =
cf
400
Calculo de Xc/2 (com
τ
= 0,1568 rad
)
c
'
ϕ=ϕ+τ ⇔β=β+τ =
'
2
2
159,09429 gr
c
c
x
78,207
c
=
= 39,104 m
2
2
d
cf = 160,636
m
Cálculo da tangente final
Comprimento total do alinhamento curvo
β
x
c
t
= (
R
+ Δ) cot
g
+ = 169,165 m
f
f
Dtotal=dcf+2xL=317,436m
2
2
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– ExemploExemplo dede AplicaAplicaççãoão Comprimento total do troço da
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– ExemploExemplo dede AplicaAplicaççãoão
Comprimento total do troço da estrada
OV
1
=
V V
1
2
t
=
25,819
m
f
)
'
'
OP
= P O
=
L
= 78,400
m
PP
' = d
= 160,636
m
V3
cf
'
O V
3
=
V V
2
3
t
=
80,820
m
f
O’
D
total =424,075m
P’
P
V1
ϕ
O
V2
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– ExemploExemplo dede AplicaAplicaççãoão Cálculo de pontos
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– ExemploExemplo dede AplicaAplicaççãoão
Cálculo de pontos intermédios na curva de transição - metodologia
1º Estipular ponto onde se pretendem as coordenadas (ex. L 1 =L/3)
2º Calcular Raio no ponto pretendido a partir de A 2 =R 1 L 1
V3
L
τ =
1
3º Calcular novo
c
1
2 R
O’
1
2
τ
x ≅ A
.
2
τ
1
10
4 Calcular x e y
3
τ τ
A
3
y ≅
.
2
τ
3
3
42
P’
P
V1
ϕ
O
V2
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– ExemploExemplo dede AplicaAplicaççãoão Cálculo de pontos
CurvasCurvas dede TransiTransiççãoão –– ExemploExemplo dede AplicaAplicaççãoão
Cálculo de pontos intermédios na curva de transição - resultado
L
R τ ( rad )
xy
V3
L/3
26,133
750
0,01742
26,133
0,152
L/2
O’
39,200
500
0,03920
39,194
0,512
2L/3
52,267
375
0,06969
52,241
1,214
P’
P
2L/3
V1
L/2
ϕ
L/3
O
V2