Você está na página 1de 1

O Sistema Gentílico(grecia)

a.C. era o genos, uma A célula básica da sociedade grega após o século XII grande família, com
todos os descendentes de um mesmo antepassado vivendo no mesmo lar. Cada membro (gens)
dependia da unidade da família, que por sua vez era chefiada pelo poder ao filho mais pater-
familias, que passava o velho; tinha seu culto aos antepassados; sua própria justiça, baseada no
costume. A economia consistia na administração da casa, conforme indica a própria origem da
palavra: uma casa. A família oeconomia, arte de administrar era como uma autarquia, isto é,
uma organização fechada, auto-suficiente.

Os bens produzidos, assim como os instrumentos e a propriedade, eram coletivos e não podiam
ser vendidos, transferidos ou divididos. O trabalho também era coletivo e a família expulsava
quem se recusasse a trabalhar. A produção era distribuída igualitariamente, o que impedia a
diferenciação econômica entre os membros dos genos. Ocasionalmente, sendo a família pouco
numerosa ou inábil para algumas tarefas, usavam o trabalho de escravos ou artesãos em certas
atividades.

De economia predominantemente agropastoril, coletivista social e economicamente, o genos não


deixava de apresentar diferenciações individuais, pois a posição da pessoa na família dependia
de seu parentesco com o pater-familias. No plano político, o poder – patriarcal – se baseava no
monopólio de fórmulas secretas, que permitiam ao chefe o contato com os deuses protetores da
família.

O sistema gentílico estava fadado a durar pouco. O genos começou a enfrentar dificuldades de
mão-de-obra suplementar, de produtos que só podiam ser cultivados em certos tipos de solo. Em
muitas famílias, os lotes foram divididos por sorteio e, mais tarde, em razão de herança,
poderiam ser novamente divididos. No plano social, aumentaram as diferenças, com grandes
proprietários de terras férteis e pequenos proprietários de terras pouco férteis, além de grande
número de indivíduos que perderam a propriedade, inclusive descendentes de proprietários que,
depois de muitas divisões por herança, ficaram com lotes insignificantes.Coexistiam grupos de
tipo patriarcal, famílias pequenas e indivíduos isolados. A propriedade coletiva subsistia ao lado
da privada e até a co-propriedade. A desintegração do genos foi decisiva para a expansão
grega, pois os filhos mais novos ou desfavorecidos deixavam a pátria e iam buscar uma vida
mais lucrativa.