Você está na página 1de 6

A Postura do Professor em Sala de Aula

Autor: Fernanda Dorneles Vargas


Data: 20/01/2011

RESUMO

O artigo trata da  postura do professor em sala de aula paralelamente aos valores ligados
a este profissional, mostrando por meio de conceitos éticos ligados a estes dois fatores
(professor x valores). Apresenta contribuições de como resgatar algumas atitudes
positivas em sala de aula e discute a necessidade de um compromisso de conduta. O
artigo tem o objetivo de discutir/refletir sobre como deve ser a postura do profissional. No
primeiro momento, veremos quais seriam os valores para uma prática educativa, após, a
influência que estes valores exercem sobre os alunos e para concluir a conduta do
professor com os demais colegas professores.

Introdução

A idéia de pesquisar sobre o tema "postura do professor em sala de aula", surgiu, após ter
concluído o II estágio no ensino fundamental. Foram feitas reflexões durante o curso de
pedagogia a respeito da postura, dos valores, da forma como o profissional da educação
deve comportar-se dentro de uma sala de aula perante seus alunos e até mesmo como
estas atitudes afetam o convívio com seus demais colegas educadores. Nos Parâmetros
Curriculares Nacionais, publicado em 1997, a ética além de ser considerada um dos temas
mais trabalhados pelo pensamento filosófico contemporâneo, é também um tema
presente no cotidiano de cada um, fazendo parte do vocabulário conhecido por quase
todos. Leia-se:

"A reflexão ética traz á luz a discussão sobre a liberdade de escolha. A ética interroga
sobre a legitimidade de práticas e valores consagrados pela tradição e pelo costume.
Abrange tanto a crítica das relações entre os grupos, dos grupos nas instituições e
perante elas, quanto a dimensão das ações pessoais" (p.29-30)

Pensando nisso surgiu à questão de como deve comportar-se o  professor dentro da sala
de aula?

Estudos na área da psicopedagogia e da ética nos trazem algumas reflexões:

a) Quais valores seriam necessários ao professor para atuar de maneira ética?


b) Como esses valores influenciam seus alunos?
c) De que forma essa postura  pode afetar o ambiente escolar em que trabalha?
Para responder a estas questões, serão  analisadas algumas passagens bibliográficas do
autor Paulo Freire, Vygotsky,Weber,Smolka , entre outros autores.

Os Principais Valores Éticos para uma Educação de Qualidade

Vivemos em uma época em que tudo depende do conhecimento. Acreditamos em uma


educação de qualidade, pais protegendo seus filhos de todos os perigos, filhos tendo como
exemplos de vida seus familiares, enfim, acreditamos em uma vida plena e digna de
amor, carinho, respeito e cuidado. Porém, presenciamos diariamente na televisão, jornais
e revistas absurdos como estupros, drogas que exterminam com famílias inteiras, valores
como respeito, diálogo deixados no passado, estamos perdendo tudo isso sem nem ao
menos nos darmos conta do perigo que estamos causando para as gerações futuras.
Então surge na escola o personagem "professor" como última esperança para mudar o
rumo de crianças sofridas que hoje já não conhecem mais o verdadeiro significado dos
valores éticos que são tão necessários para a vida humana.

A palavra professor vem de "professar", que, além de lecionar, significa "declarar


publicamente uma convicção ou um compromisso de conduta".  Os professores são
líderes, os representantes dos modelos referenciais em que estudantes solidificam as suas
bases. Segundo Reboul,

A educação aparece como uma relação vertical, o sentido de que o professor se situa
acima do aluno, o responsável, aquele que sabe acima daquele que ignora, o adulto acima
da criança. Uma relação de autoridade, portanto, do professor, do examinador, da
instituição? (Ibid.,p.53.).

Este profissional da educação deve conter valores como humildade, bom senso,
tolerância, alegria, esperança,  comprometimento para que dessa forma possa fazer uma
intervenção no mundo dessas crianças, e paixão por sua profissão. Ele precisa saber a
dimensão real de sua importância nesse papel. Explicar esses valores é , portanto, muito
complexo. Com base em Weber  (2001) podemos compreender inicialmente que valores
existem de forma objetiva, subjetiva e intersubjetiva. Os valores existem, são aprendidos
racionalmente, submetidos à lei da lógica. Os valores nascem a partir das vivências do dia
a dia. Qual seria a importância dos valores citados anteriormente para um professor ter
qualidade na sua prática educativa? Devemos pensar na seguinte situação: um aluno no
início do ano letivo, na turma de alfabetização espera ansioso por conhecer seu professor
novo para começar seu processo de aprendizagem. Então, neste mesmo instante penetra
a sala um ser arrogante, cheio de si mesmo, com ar superior  aos seus alunos. Esta
situação seria decepcionante e desestimuladora, portanto, a humildade se faz tão
necessária a prática pedagógica para um professor que deseja ter uma atitude positiva
em sala de aula como o autor Paulo  Freire nos coloca a refletir:

"O meu respeito de professor à pessoa do educando, à sua curiosidade, à sua timidez, que
não devo agravar com procedimentos inibidores exige de mim o cultivo da humildade e da
tolerância."(FREIRE, 1995.p.63)

É preciso desenvolver o amor, o carinho, o respeito com os educandos e a forma como os


tratamos. Na busca de valores nos debatemos com o bom  senso, onde nos vemos na
docência cobrando tarefas semanais, cadernos esquecidos, folhas incompletas. O bom
professor deve saber que isto tudo pode ter acontecido não somente por causa de um
descuido do aluno, mas saber, que imprevistos acontecem, como : doenças , atrasos no
trânsito ou simples razões emocionais e quando isso acontecer saber compreender e
ajudar o seu educando auxiliado pelo seu bom senso na hora de educar. É o bom senso
que vai nos ajudar nas reuniões com os pais, a respeito da formatura de seus filhos em
que demoram a entrar em comum acordo. O bom senso sempre adverte de que há algo
para ser entendido, compreendido mas não diz o que é. (FREIRE,1996).

Ensinar também exige alegria e esperança estas duas possuem relação infinita. Freire nos
emociona com a seguinte observação a respeito deste assunto: "A esperança de que o
professor e alunos podemos juntos aprender, ensinar, inquietar-nos, produzir e juntos
igualmente resistir aos obstáculos a nossa alegria."

Assim, entendemos que a esperança é um valor intrínseco no ser humano. Qualquer


professor que não possua esta característica está indo contra uma especificidade humana,
pois somos seres em condição do inacabamento, devemos possuir a consciência de que a
esperança faz parte deste processo formador. É necessário trabalhar a alegria em nossos
corações, inundar com a força de uma alma guerreira, transformadora da realidade que a
cerca, força esta que deve permanecer  sempre presente no cotidiano das nossas salas de
aulas. Ao ingressar no ambiente escolar devemos encher nosso peito com amor, carinho e
alegria, fazer das indagações, dos problemas de nossos educandos também nossos.
Acabar com nossos obstáculos que a própria vida nos coloca  como, por exemplo, a falta
de dinheiro, a falta de um lar em condições perfeitas de moradia... deve-se manter a
alegria e a esperança pelo simples fato que no desempenho dessa função social, somos
formadores de cidadões críticos, conscientes e também devemos nos impregnar com
estes dois valores tão sublimes.

Não menos importante o comprometimento. É impossível exercer a docência sem nos


comprometermos por inteiro com a discência. "Não posso ser professor sem me pôr
diante dos alunos, sem mostrar a eles com facilidade ou relutância minha maneira de ser,
de pensar e de agir" (FREIRE, 1996). Fazendo isso não é possível escapar da avaliação
dos alunos, por isso, é tão importante manter as atitudes que digo tão coerentes com as
que faço. Quando temos diante de nós uma questão indagada por um aluno e não temos
respostas devemos ser sinceros a ponto de dizer que não sabemos, mas que iremos
pesquisar juntos nos comprometendo sempre com a verdade, mantendo uma relação
ética entre educando e educador. Mas é preciso sempre manter o cuidado para que todas
as questões não sejam sempre respondidas com "não sei" ou pode acabar passando a
impressão de estar desatento com seus alunos.
Freire acredita :

"Devemos sempre estar atentos a leitura que fazem de minha atividade com eles.
Precisamos aprender a compreender a significação de um silencio,ou de um sorriso ou de
uma retirada da sala de aula. Afinal, o espaço pedagógico é um texto para ser
constantemente lido, interpretado, "escrito" e " reescrito". (FREIRE, 1996, p.97).

E não podemos nos esquecer no acredito ser o principal para que tudo isso aconteça: a
paixão por exercer a sua profissão, e é neste momento que entra o fator consciência. Ela
desempenha um papel muito importante no sentido de como encaramos  nossa profissão.
Ela seria a capacidade que possuímos em distinguir o que seria certo ou errado a partir
daquilo que é nosso mais alto valor. Quando escolhemos uma profissão precisamos saber
tudo o que nos espera ou pelo menos tentar saber, as dificuldades que serão
enfrentadas , os desafios, as gratificações para que a escolha seja feita de froma
consciente para que todos os resultados obtidos não se tornem frustrantes e assim afetem
todos ao redor e principalmente a nós mesmo, depois de pensar é a hora de exercer a
profissão escolhida e para exercê-la da melhor forma possível é preciso ter um valor
aliado a tudo isso o amor , a paixão por sua profissão dessa forma não há como não
colher bons frutos nas salas de aulas. Acreditar na educação é não fazer de sua atividade
profissional, mera forma de ganhar a vida. É necessário também que o professor acredite
na disciplina que leciona. Quando trabalhamos no ambiente que gostamos sempre iremos
produzir ótimos resultados.

Neste sentido quanto mais envolvimento houver entre os dois seres no processo de
aprendizagem mais eficaz será a conclusão do ensino.

A Postura do professor como influência nos alunos

Um professor,  pode ter a crença que é importante incrementar o conteúdo de determinada


disciplina por valores de saúde, respeito, conhecimento, paz, liberdade e responsabilidade
social crítica face ao mundo competitivo que se vive. Na sua prática educativa ensina valores
com base de concepção de mundo, de pessoa, de trabalho e respeito ao próximo. No
entanto, percebe que os alunos e, até mesmo colegas, julgam insignificante tal atitude de
ensinar valores, além do conteúdo da disciplina. Ante a este dilema, algumas vezes
predomina, com mais força, um tipo de crença: ora do professor e outras dos alunos ou
colegas, ou ainda, entre os valores percebidos, transmitidos, vividos e idealizados.

Conforme Smolka,

Vygotsky muda o foco da analise psicológica: não é o que o individuo é, a priori, que explica
seus modos de se relacionar com os outros, mas são as relações sociais nas quais ele está
envolvido que podem explicar seus modos de ser, de agir, de pensar, de relacionar-se. De
fato, o individuo se desenvolve naquilo que ele é através daquilo que ele produz para os
outros. Este processo de formação do individuo (...). Na sua esfera particular, privada, os
seres humanos retêm a função da interação social (Vygotsky,1981,pp.162,164).

Podemos notar através desta passagem o quanto o professor pode interagir e intervir no
mundo infantil. Após ter adotado uma postura ética o professor passa a projetar estes
mesmos valores para seus alunos que acabam assim por apoderar-se  deles e transformando
a realidade em que vivem. Muitos seriam os sentimentos criados por um professor que
possui tal postura perante seus alunos como : Afeto, felicidade ,respeito,entre vários outros.
A seguir veremos mais detalhadamente quais seriam estas mudanças ocorridas nos alunos
em cada um dos sentimentos citados anteriormente.

Existe uma grande divergência quanto à conceituação dos fenômenos afetivos. Na literatura
encontra-se, eventualmente, a utilização dos termos afeto, emoção e sentimento,
aparentemente como sinônimos. Entretanto, na maioria das vezes, o termo emoção
encontra-se relacionado ao componente biológico do comportamento humano, referindo-se a
uma agitação, uma reação de ordem física. Já a afetividade é utilizada com uma significação
mais ampla, referindo-se às vivências dos indivíduos e às formas de expressão mais
complexas e essencialmente humanas.

Os aspectos afetivos e cognitivos reagiriam, portanto, a estímulos do meio externo e interno.


Está claro para nós entendermos como afeta o fato um professor chegar  à  sala de aula
estimulado, feliz , carinhoso com seu alunos, se a parte afetiva é tão estimulada pelo meio
exterior no caso o professor .  É  preciso trazer a vontade de lecionar para junto de seus
alunos , conseguindo assim conquistar seus corações estimulando-os cada vez mais para
uma aprendizagem eficaz. O professor novato deve ter consciência deste papel e saber como
sua postura irá influenciar seus educandos, para cada vez mais aperfeiçoar-se nas questões
éticas e até mesmo profissionais.

Um outro sentimento que acaba se tornando presente com estas intervenções pedagógicas
seria a felicidade,  a felicidade é um momento só nosso mas ao mesmo tempo nos
envolveríamos totalmente com o outro num dado momento tornando este momento tão
inesquecível para algumas crianças que hoje em dia nem conhecem mais este tipo de
sentimento. Segundo Aristóteles, para ser feliz o homem precisa de amigos virtuosos, esse
seria o professor na vida da criança. A  felicidade é todo empenho direcionado à busca da
realização. Um fato que expressa bem esta afirmação é  ver uma criança de apenas 1 ano de
idade , em uma turma de Berçário sentir a felicidade de dar os primeiros passinhos,conseguir
comer a comida sozinha, entender o funcionamento do seu próprio corpo, a forma como ela
tenta encontrar nossos olhos para ver a satisfação que sentimos com a realização pessoal
dela e também não deixa de ser para nós também uma satisfação.  Também segundo
Aristóteles, a conquista da felicidade é a realização definitiva de uma trajetória humana,
mas, como a busca e a persistência perduram por toda a existência, a busca pela felicidade é
diária, constante.  O nosso grande desafio é manter esta chama acesa em todos os
educandos que passam ao longo do tempo por nós, mas, acredito que o principal seria
conservar esta chama em nós mesmo professores assim seria mais fácil passarmos este
sentimento aos nossos alunos. O autor  Anselm Grün nos deixa uma frase para refletirmos
sobre o poder do sentimento felicidade: "Para quem sente alegria/ felicidade em seu íntimo
as coisas correm com mais facilidade na vida. Sua vida ganha novo sabor"(Grün,2006,p.7).

Sabendo que estes sentimentos são tão importantes em nossa vida social devemos recordar
também do respeito. É necessário ter respeito aos nossos educandos para que  estes
também exerçam tal valor com nós.

Percebemos neste momento, que após termos todos estes valores incorporados em nossa
postura humana ,profissional basta deixarmos  fluir para o meio que nos cerca para que
todos que estão a nossa volta sejam atingidos, já que os estímulos são eficazes.

A Postura do professor x ambiente escolar

A escola está inserida no contexto de mundo a  compreensão do ambiente escolar considera,


então, o mundo a partir das pessoas que organizam o espaço escolar.

Para haver ambiente favorável aos educadores, se faz necessário o cumprimento das normas
estabelecidas pela escola, valorizando a profissão e incentivando o intercambio entre todo o
corpo diretivo, docente e demais funcionários da escola. O trabalho faz parte da formação
humana e para aprender a sobreviver neste mundo a  humanidade precisa de trabalhadores
capazes de transformar a natureza para o próprio bem respeitando as dimensões bioéticas.

Assim, todos estão interligados, professor, funcionários da escola, toda a estrutura


educacional, é inevitável que a postura fora da sala de aula do professor irá  afetar todo o
entorno educacional.  Segundo Abbagnano,

Para grande parte do pensamento antigo e até Aristóteles, o diálogo não é somente uma das
formas pelas quais se podem exprimir o discurso filosófico, mas a sua forma própria e
privilegiada, porque esse discurso não é feito pelo filósofo a si mesmo, mas é um conversar,
um discutir, um perguntar e responder entre pessoas associadas pelo interesse comum da
pesquisa (Abbgnano,1982,p.257).

Bom,a escola é um ambiente de constante diálogo, onde todos nós devemos  debater as
melhores formas de educar, e é neste momento que as idéias, os valores ganham destaque
principal, da mesma forma como os alunos sofreram influência os demais colegas de
educação também sofrerão. Não seria difícil até mesmo pensar que estes após perceberem
as conquistas obtidas pelo professor como alunos mais sociáveis , que compreendem a
matéria cm maior facilidade devido a atenção dada a ele, conquistas que facilitariam todo o
processo de aprendizagem então  os outros colegas de profissão  também adotariam  esta
postura mais positiva com valores éticos, pensem em mudar a sua postura perante os seus
colegas e também seus alunos.

Na prática educativa, os valores são formas de intervir no mundo, implica o esforço contínuo para 
superar-se a si mesmo dando a todos o melhor. Na 2ª Jornada Catarinense de Tecnologia Educacional,
promovida pelo Senac no ano de 2000, em Florianópolis/SC, Morreto afirma:
"A ação do educador deve pautar-se na ética profissional vista como o compromisso de o homem
respeitar os seus semelhantes, no trato da profissão que exerce. Este é o foco da ética profissional: o
respeito. O corolário deste valor é um conjunto de valores, como a competência do profissional, a
constante atualização no domínio dos conteúdos, a honestidade de propósitos na educação, a avaliação
eficiente e eficaz dos alunos. Assim, podemos afirmar que educar é, por essência, uma atividade ética,
tendo em vista as conseqüências para a vida dos educandos."
Mas o que constantemente somos é  "atingidos" por pessoas sem caráter que fazem de tudo para chegar
aos lugares mais altos, deixando de lado amizades para serem promovidas em seu campo profissional,
presenciamos cenas de professores cansados , mal humorados, reclamando de salários baixos , como se
isso fosse o único problema , na verdade , o problema é muito mais grave que parece ser: Professores
"desapaixonados" por educar.  Imagine a seguinte situação: Professores em uma sala de reuniões para
discutir  como será o novo ano letivo que está para iniciar, todo um planejamento. Bom esse seria o
tema, mas nada disso acontece, vemos pessoas falando de pessoas, criticando seus alunos, dizendo que
é só mais um ano que está para começar. Que infelicidade, fazer parte de um grupo assim. Agora insira
toda a postura que realmente um profissional da educação deve ter... é a realização de uma
transformação naquele meio onde este professor está inserido e mudando também assim seus colegas.
Portanto chega de mantermos uma postura alienado ao mundo , já que ninguém consegue manter  tal
postura, porque o simples fato de escolher alienar-se já é uma escolha. É  preciso encher as escolas,
creches, diretorias de pessoas capazes de estimular princípios éticos , de amor a vocação de educar, de
construtores da paz e do bem, para que o futuro das crianças e dos jovens seja baseado nestas mesmas
características .
Conclusão
Percebemos com este artigo em primeiro momento como a postura do professor em sala pode
influenciar ele próprio,como é preciso que ele se descubra primeiramente como ser individual e aprenda 
a compreender seus defeitos e a valorizar suas qualidades positivas para que assim possa repassar
todas essas atitudes para seus alunos em sala de aula, os valores que cada profissional deve possuir
para ter consciência de que sua função social é tão importante para a vida de todos. Em um segundo
momento a maneira como seus alunos  percebem o professor em sala de aula  intervindo  também no 
mundo das crianças, os sentimentos que acabam aparecendo como os de afeto, felicidade, respeito ,
valores estes de valor inestimável no ser humano, relatando isso posso reviver a experiência realizada
no primeiro estágio na educação infantil onde lembro muito bem como foi este primeiro contato com um
mundo ainda tão desconhecido, mas que acabou me fascinando de uma forma profunda. Chegando a
sala de aula percebia muitos rostos pequenos , inocentes esperando por adquirir novos conhecimentos ,
ter novas experiência que pudessem fazer com que se descobrissem cada vez mais e foi ai que começou
o meu amor por estes seres tão pequenos e tão encantadores que são as crianças. Acabei levando todo
o meu amor, carinho , respeito que eu tinha para junto da sala de aula e foi incrível a experiência que
passei, consegui por alguns dias transformar o mundo deles e o meu e então se faz tão importante ter
valores éticos e morais nessa transformação.
E por fim a relação com seus colegas de trabalho e todo seu entorno educacional, todo o processo que
pode ser facilitado transformando porque não também seus colegas em pessoas éticas, nada melhor do
que saber que é possível transformar você mesmo e seus colegas, trazer novamente a esperança em
seus corações, a alegria em planejar as aulas, em realizar reuniões pautadas em assuntos realmente de
interesse comum para os alunos e para toda a comunidade escolar que tanto precisa de nosso apoio e
ajuda para até mesmo transformar a realidade tão dura que às vezes as cerca.  Durante o curso de
pedagogia , logo após os estágios percebia a importância do papel do professor e a forma como ele
interagia com o meio escolar.
Percebia logo após o termino dos estágios obrigatórios a realização de um trabalho bem feito, de alunos
que me trouxeram presentes no último dia de aula, mães que diziam que seus filhos nunca tinham
adorado tanto as aulas como agora, é satisfatório saber que pelo menos por alguns instantes todo esse
comportamento   profissional que foi adotado e também emocional, porque não assim dizer, é tão
importante para todos eles. Quando possuímos princípios de respeito , humildade, esperança , vemos
todos a nossa volta também criarem em seus corações estes sentimentos, por isso , se faz necessário
criar a partir de si mesmo posturas éticas para uma formação acadêmica e profissional satisfatória.
REFERÊNCIAS
ARNOLD, W.; EYSENCK, H. J.; MEILI, R. Dicionário de Psicologia. São Paulo:
Loyola, 1982. v. 3, p. 54.
Cultura Religiosa/ [ organizada pela] Universidade Luterna do Brasil (Ulbra). ? Curitiba: Ibpex, 2009.
Ética, Educação e Trabalho/[organizada pela] Universidade Luterana do Brasil(Ulbra)._ Curitiba:
Ibpex,2009 
____________________. 2ª Jornada Catarinense de Tecnologia Educacional. Tecnologia,
Ética e Valores Humanos SINEPE/SC, nº 85, Florianópolis, setembro de 2000.
Filosofia da Educação/[obra] organizada pela Universidade Luterana do Brasil (Ulbra).-
Curitiba:Ibpex,2008

GRÜN, Anselm . Despertar a Alegria de Viver. Petrópolis, RJ, 2006.


FREIRE, PAULO , Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à Prática educativa: - São Paulo: Paz e
Terra, 1996.
PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS: Apresentação dos Temas Transversais,Ética. Secretaria da
Educação e do Desporto, Brasília, 1997, vol. 8.
Psicodinâmica da Aprendizagem/ [organizado pela]Universidade Luterana do Brasil.- Curitiba:
Ibpex,2009.
Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem/ [organizado pela] Universidade Luterana do Brasil. ?
Curitiba: Ibpex , 2009.
Introdução à Psicopedagogia/ [obra organizada pela] Universidade Luterana do Brasil.- Curitiba: Editora
Ibpex,2009.
Ser ou estar professor? A construção da ética no contexto escolar Edina Furlan
Rampineli..www.periodicos.udesc.br/index.php/linhas/article/view/.../1112. Acesso em 30/11/10.

Você também pode gostar