Você está na página 1de 84

Livro de Cifras

Livro de Cifras Raul Seixas Kazuhito Shirasu Jr.

Raul Seixas

Kazuhito Shirasu Jr.

A beira do Pantanal De: Raul Seixas/ Cláudio Roberto

D

Bm

Seus lindos cabelos negros que eu

 

D

G

D

B7 E C#m E A E

Intr.: D

F#7

D Bm

Foi lá na beira do Pantanal

D Bm

Seu corpo tão belo enterrei

D

Bm

Foi lá que eu matei minha amada

D

G

D

Sua voz na lembrança eu guardei:

"Por que, meu querido Bm Por que, meu amor

Bm

Cravaste em mim teu punhal?

D

D

Bm

Meu peito tão jovem sangrando

assim

D

G

D

Por que esse golpe mortal?" Bm

Assassinei quem amava

D

Bm

Num gesto sagrado de amor

Regava como um jardim

Bm

D

Bm

A lei dos homens me condenou:

D Bm

Perpétua será tua prisão

D

Bm

Porque foi eu mesmo quem calou

D

G

D

B7

Com aço aquele coração

E

C#m

E eu preso aqui nessa cela

E

C#m

Deixando minha vida passar

E

C#m

Ainda escuto a voz dela

E

A

E

No vento que vem perguntar:

"Por que, meu querido C#m Por que, meu amor

E C#m

Cravaste em mim teu punhal?

E

C#m

 

D

Bm

Meu peito tão jovem sangrando

O

sangue que dela jorrava

assim

 

D

G

D

E

A

E

A

sede da terra acalmou

Por que esse golpe mortal?

Bm

D Bm

E

A

E

E

lá onde jaz o seu corpo

Cravaste em mim teu punhal

D

Bm

E A

E

Cresceu junto com o capim

Por que esse golpe mortal??

A geração da Luz Tom: A Intr.: G A B E7

Riff:

Dos calabouços, bruxas e temporais

B7

E7

Riff

Onde o passado transcendeu a um reinado de paz

A

G

A

E

-------------------------------------------------

Vocês serão o oposto dessa

B

-------------------------------------------------

estupidez

G

-------------------------------------------------

G

A

D

Aventurando tentar outra vez

----------2--0-----0--2-----0--2-----0--2--2- B7

E7

-2--

A

geração da luz é a esperança no ar

A

F#m

E7

-------2--------2--------2--------2-------------- Quando algum profeta vier lhe contar

E

-0--4-------------------------------------------- Que o nosso sol tá prestes a se

F#m

E7

Riff

A

G

A

Eu já ultrapassei a barreira do

apagar

A

Mesmo que pareça que não há mais

D

som

lugar

 

G

A

B7

Fiz o que pude às vezes fora do tom

B7

E7

Riff

Mas a semente que eu ajudei a plantar já nasceu

Vocês ainda têm Vocês ainda têm

E7

A

F#7

A velocidade da luz pra alcançar

A

B7

Eu vou

G

A

Vocês ainda têm Vocês ainda têm

Eu vou m'embora apostando em

E7

A

Riff

vocês

A

velocidade da luz pra alcançar

 

G

A

Meu testamento deixou minha

lucidez

B7

E7

Vocês vão ver um mundo bem

melhor que o meu

F#m

Quando algum profeta vier lhe contar

F#m

Que o nosso sol tá prestes a se

apagar

E7

E7

A

Mesmo que pareça que não há mais

lugar

D

B7

Vocês ainda têm Vocês ainda têm

E7

A

F#7

A velocidade da luz pra alcançar

B7

Vocês ainda têm Vocês ainda têm

E7

A

(E7)

A velocidade da luz pra alcançar

Então vai lá!

A

G

A

Além, depois dos velhos preconceitos

morais

A

G

A hora do trem passar Autor : Raul Seixas/Paulo Coelho

Tom: G Introdução: G Bm Am D D7

G

Você tão calada e eu com medo de

D/F#

falar

Am

F

D7

Já não sei se é hora de partir ou de

chegar

G

D/F#

Onde eu passo agora não consigo te

encontrar

Am

F

D7

Ou você já esteve aqui ou nunca vai

estar

Em

G

D

C

Bm

Tudo já passou, o trem passou, o

barco vai

Em

Isso é tão estranho que eu nem sei como explicar

G

Diga, meu amor, pois eu preciso

G

D

C

A

D/F#

D7

escolher

Am

F

D

Apagar as luzes, ficar perto de você

G

Ou aproveitar a solidão do

D/F#

amanhecer

Am

F

D

Prá ver tudo aquilo que eu tenho que

saber

G

D

A

E

B F#

A

E

La

la

la

la

la

la la

A ilha da fantasia

De: Raul Seixas/ Oscar Rasmussen

Intr.:(A B7 D A) 2x

A C#m

Vamos logo que já está na hora de

zarpar

D

E7

A

C#m D

E

A

Vem sem medo que não vamos

naufragar

D

Navegador!

E

F#m

Não se esqueça meu amigo

A

C#m

de chamar o seu vizinho

D

Navegador!

E

A

F#m

Vê se na praça tem alguém para vir

D E

A

F#m

A barca de Noé tá pra sair,

navegador

D

E

A

Solo Intr.

A barca de Noé já vai partir

A

C#m D

E

A

Vamos escolher bem melhores

condições

C#m D

E

A

Longe desse triste carnaval de

ilusões

D

Navegador!

E

F#m

Deixe os que sonham em ser felizes

A

C#m

habitando o paraíso

D

Navegador!

E A F#m

Já faz tempo que esperou

D

E

A

vivendo sob leis que não criou,

F#m

navegador

D

E

F

G A

Vivendo sob leis que não criou

A lei

Tom: A

Intr.:A7

A7

Todo homem tem direito

De pensar o que quiser Todo homem tem direito De amar a quem quiser

D7

Todo homem tem direito D#o De viver como quiser

A7

Todo homem tem direito

E

A

De morrer quando quiser

C7

Direito de viver Viajar sem passaporte Direito de pensar De dizer e de escrever Direito de viver

Pela sua própria Lei

Direito de pensar

De dizer e de escrever Direito de amar

D7

Como e com quem ele quiser

E7

A

C

Viva,

viva

D

A (A C D)

Viva

a Sociedade Alternativa

A Lei do forte

Essa é a nossa Lei e a alegria do mundo

Fazer o que tu queres há de ser tudo da

Lei

Fazer isso e nenhum outro dirá não

Pois não existe Deus se não o homem

Todo homem tem direito de viver a não ser pela Sua própria Lei

Viva,

viva

Viva

a Sociedade Alternativa

Da maneira que ele quer viver

De trabalhar como quiser e quando

quiser

De brincar como quiser

Todo homem tem direito de descansar como quiser

Viva,

viva

Viva

a Sociedade Alternativa

De morrer como ele quiser

O homem tem direito de amar como ele

quiser

De beber o que ele quiser De viver aonde quiser

Viva,

viva

Viva

a Sociedade Alternativa

De mover-se pela face do planeta

livremente,

Sem passaporte,

Porque o planeta é dele

O

planeta é nosso

O

homem tem direito de pensar

O

que ele quiser

De escrever o que ele quiser

Viva, viva Viva a Sociedade Alternativa De desenhar, de pintar, de cantar, de compor o que ele quiser

Todo homem tem direito de vestir-se da

maneira

Que ele quiser Viva, viva

Viva a Sociedade Alternativa

O homem tem direito de amar como ele

quiser

Tomai de vossa sede de amor como quiseres, e Com quem quiseres Há de ser tudo da Lei

Viva, viva

Viva a Sociedade Alternativa

E o homem

aqueles

Que contrariarem esses direitos

O amor é a Lei, mas amor sob vontade

Viva, viva Viva a Sociedade Alternativa Os escravos servirão Viva a Sociedade Alternativa Viva, viva Viva, viva Viva a Sociedade Alternativa Viva, viva Viva a Sociedade Alternativa Direito de viver Viajar de pensar De dizer e de escrever Direito de viver Pela sua própria Lei Direito de pensar De dizer e de escrever Direito de amar Como e com quem ele quiser Todo homem tem direito De pensar o que quiser Todo homem tem direito De amar a quem quiser Todo homem tem direito De viver como quiser Todo homem tem direito De morrer quando quiser

tem direito de matar todos

A maçã

Em

Am

D7

Se esse amor ficar entre nós dois

Dm

Vai ser tão pobre amor, vai se gastar

A7+

B/A

D

Se eu te amo e tu me amas

D5+

E um amor a dois profana

D6

O amor de todos os mortais

D7

G7+

D

Porque quem gosta de maçã

Gm

Fo

E7

Irá gostar de todas

A7

Porque todas são iguais

D

Se eu te amo e tu me amas

D5+

E outro vem quando tu chamas

D6

Como poderei te condenar

D7

G7+

Gm

D

Infinita tua beleza

Fo

E7

Como podes ficar presa

A7

D

Que nem santa no altar

|Dm

Em7.5-

A7

|Quando eu te escolhi para morar junto de mim

|Dm

|Eu quis ser tua alma, ter seu corpo,

Em7.5-

A7

tudo enfim

|Bm7.5-

E7

A7

|Mas compreendi que além de dois existem mais D |O amor só dura em liberdade

|

|D5+

|O ciúme é só vaidade

|D6

|Sofro mas eu vou te libertar

|

|O que é que eu quero se eu te privo

|Fo

|Do que eu mais venero

|

|Que é a beleza de deitar

D7

E7

D

G7+

Gm

D

A7

REPETE |

A pedra de gênesis Raul Seixas / Lena Coutinho /J. Roberto Abrahão

Tom: G

Intr.: Em

D

Em

C G

Está bem aqui e agora

A Pedra do Gênesis

D

Você pode tocar

C

É Deus traçando suas linhas tortas

G

É mais um que nasce e começa a

FALADO:

morrer

 

No fundo do oceano existe um baú

C

G

que guarda o segredo almejado

Jogando jogo da velha, o jogo da

desde a aurora dos tesmpos por

guerra

 

gênios, sábios, alquimistas e

D

conquistadores.

Sem poder vencer, sem vencer

Eu conheci esse baú num estranho

G

ritual revelado a poucos. Hoje eu

A

Pedra do Gênesis a Pedra do

posso enfim revelar que essa busca

Gênesis

 

de séculos foi em vão.

C

G

----------------------------------

G

Está bem aqui e agora

A Pedra do Gênesis

D

A

Pedra do Gênesis

Você pode tocar

A

Pedra do Gênesis

G

C

G

A

Pedra do Gênesis

Está bem aqui e agora

A Pedra do Gênesis

D

Você pode tocar

C

É a escada do seu velho sonho

G

Que vai dar sempre onde começou

C

É a chave do maior poder

G

Que não vale um chiclete

D

Que alguém mascou, mascou

G

A

Pedra do Gênesis

A

Pedra do Gênesis

C

G

Está bem aqui e agora

A Pedra do Gênesis

D

Você pode tocar

C

É a Pedra de cada dia

G

Que está no chão de qualquer lugar

C

Aonde o mendigo pisa

G

D

E o santo cospe, quando passa,

nessa pedra

G

A Pedra do Gênesis a Pedra do

Gênesis

Abre-te cesamo

Fecha a porta. Abre a porta. Eu disse:

(Riff1)

A-bre- te

Sésamo.

D---------------7--

D

D A/C# C

A--5---7-----------

Bm

A

E----------5-------

Fecha a porta. Abre a porta. Eu disse:

A-bre- te

Sésamo.

 

D

D A/C# C

A

Bm

A

Lá vou eu de novo, um tanto

assustado.

E

Com Ali Babá e os quarenta ladrões.

Já não querem nada com a pátria amada.

A

E cada dia mais, enchendo os meus

botões.

Lá vou eu de novo, brasileiro, brasileiro nato.

E

Se eu não morro eu mato essa

desnutrição.

A minha teimosia braba de guerreiro.

A

É que me faz o primeiro dessa procissão.

D D A/C# C

Bm

Fecha a porta. Abre a porta. Eu disse:

A-bre- te

A

Sésamo.

D D A/C# C

Bm

Fecha a porta. Abre a porta. Eu disse:

A

A-bre- te

Sésamo.

A

E vamos nós de novo, vamos na gangorra.

E

No meio da zorra desse vai e vem.

É tudo mentira, quem vai nessa pira.

A

Atrás do tesouro do Ali Bem Bem.

Lá vou eu de novo, brasileiro, brasileiro nato.

E

Se eu não morro eu mato essa

desnutrição.

A minha teimosia braba de guerreiro.

A

É que me faz o primeiro dessa procissão.

D D A/C# C

Bm

A

Fecha a porta. Abre a porta. Eu disse:

A-bre- te

Sésamo.

D D A/C# C

Bm

Fecha a porta. Abre a porta. Eu disse:

A-bre- te

A

Sésamo.

A/C# = 242252

Água-Viva

A

D

Ainda que seja de noite

Tom: G

Intr.: G

G

C

D

G

Eu conheço bem a fonte

C

Que desce aquele monte

D

Ainda que seja de noite

G

Nessa fonte está es condida

C

O segredo dessa vida

D G

Ainda que seja de noite

"Êta" fonte mais estranha

C

Que desce pela montanha

D G

Ainda que seja de noite

A

Sei que não podia ser mais bela

C

Que os céus e a terra, bebem dela

D G

Ainda que seja de noite

A

Sei que são caudalosas as correntes

C

Que regam os céus, infernos

Regam gentes

D G

Ainda que seja de noite

A

Aqui se está chamando as criaturas

C

Que desta água se fartam mesmo

às escuras

A D

Ainda que seja de noite

G

Eu conheço bem a fonte

C

Que desce daquele monte

D

Ainda que seja de noite

G

D C

G

Porque ainda é de noite

C D

G

No dia claro dessa noite

D G

G

Porque ainda é de noite

C D

G

No dia claro dessa noite.

Alcapone

E

Hei, Al Capone, vê se te emenda

A

B7

E

A

Já sabem do teu furo, nego

B7

E

No imposto de renda

E

Hei, Al Capone, vê se te orienta

A

B7

E

A

Assim desta maneira, nego

B7

E

Chicago não agüenta

Eb7 E7

Eb7

Hei, Julio Cesar, vê se não vai ao senado

E7

Eb7

Já sabem do teu plano para controlar o Estado

E7

Hei, Lampião, dá no pé, desapareça

E7

Pois eles vão à feira exibir tua cabeça

Eb7

A

Hei, Al Capone

E7

Vê se te orienta

E

A

Assim dessa maneira nego

B7

E

Chicago não aguenta

E

Hei, Al Capone

B7

Vê se te emenda

A

E

A

Já sabem do teu furo nego

B7

E

No imposto de renda

A

Hei, Al Capone

E7

Vê se te orienta

E

A

Assim dessa maneira, nego

B7

E

Eb7

Chicago não aguenta

Hei, Jimi Hendrix, abandona o palco agora

Faça como fez Sinatra, compre um

carro e vá embora Ei, Jesus Cristo, o melhor que você faz

É deixar o Pai de lado e foge prá morrer em paz

Eu sou astrólogo Eu sou astrólogo Vocês precisam acreditar em mim Eu sou astrólogo

Eu sou astrólogo

E conheço a história do princípio ao fim

Aluga-se

Pros outros entrar Bb

E

Tom: A

Pois esse imóvel está pra alugar

Intro: (A)

A

A solução pro nosso povo eu vou

dar

Negócio bom assim ninguém nunca

viu

Tá tudo pronto aqui é só vir pegar

A

G

solução é alugar o Brasil

G

C Nós não vamos pagar nada

C Nós não vamos pagar nada

F

É tudo free

C F

Tá na hora agora é free

C Bb

Vamos embora dar lugar

F

Pros "gringos" entrar

Bb

E

Esse imóvel está pra alugar

A

Os estrangeiros eu sei que eles vão gostar

Tem o Atlântico, tem vista pro mar

A

Amazônia é o jardim do quintal

E

o dólar dele paga o nosso mingau

G

C Nós não vamos pagar nada

G

C Nós não vamos pagar nada

F

É

tudo free

C F

Tá na hora agora é free

C Bb

Vamos embora dar lugar

F

Pros "gringos" entrar

E

Pois esse imóvel está pra alugar

Bb

SOLO

G

C Nós não vamos pagar nada

G

C

Nós não vamos pagar nada

F

Agora é free C

Tá na hora é tudo free

F

C

Bb

Vamos embora dar lugar

F

Ângela

F#m Mesmo que me aperte essa sensação sem nome Ou que me faça engolir a seco

E

A minha sede é de Ângela,

D

D#º

A

F#m

B7

E7

Ângela,

Ângela

F#m Ou quantas vezes eu me quis negar Mas o meu rio só corria em direção Ao mar, em direção

E

Ao mar de Ângela,

D

D#º

A

Ângela,

Ângela.

Em

A

Provar do meu leite agora

Em

O gosto da minha vitória

A

A5+

Bm Do meu amor,

E

C#7

Do meu amor por mim

F#m Eu que me achava o rei do fogo e dos trovões Eu assisti meu trono desabar Cedendo às tentações

E

Às tentações de Ângela

D

D#º

A

Ângela,

Ângela.

G D G D Fº A7 D F#m C#7

Ah

F#m Ou minha espada erguida para a guerra Com toda fúria que ela encerra No entanto, no entanto é tão doce, Tão doce

E

Pra Ângela, Ângela, Ângela.

D

A

Anos 80 Tom: E - F Intro: B7 A E

E A

B7

E

Hey, anos 80. Charrete que perdeu o condutor.

A

B7

E

B7

E

Hey, anos 80. Melancolia e promessas de amor. Melancolia e promessas de amor.

(E)

E/G#

A

É o juíz das 12 varas de caniço e samburá dando atestado que o compositor

errou.

A

A#o

E/B

C#7

F#m

B7

E E7

Gente afirmando não querendo afirmar nada, que o cantor cantou errado e que a censura concordou.

A

A#o

E/B

C#7

F#m

B7

E B7

Gente afirmando não querendo afirmar nada, que o cantor cantou errado e que a

censura concordou.

E A

B7

E

Hey, anos 80. Charrete que perdeu o condutor.

A

B7

E

B7

E

Eu disse: hey, hey anos 80. Melancolia e promessas de amor. Melancolia e promessas de amor. (B7 C7) Hey, abram alas. Ai viem los anios oitienta. La mamacita, ui!

F Bb

C7

F

Hey, anos 80. Charrete que perdeu o condutor.

F

Bb

C7

F

C7

F

Hey anos 80. Melancolia e promessas de amor. Melancolia e promessas de amor.

F

F/A

Bb

Pobre país carregador dessa miséria dividida entre Ipanema e a empregada do

patrão.

Bb

Bo

F/C

D7

Gm

C7

F F7

Varrendo lixo pra debaixo do tapete que é supostamente persa pra alegria do ladrão.

Bb

Bo

F/C

D7

Gm

C7

F C7

Varrendo lixo pra debaixo do tapete que é supostamente persa pra alegria do

ladrão.

F Bb

C7

F

Hey, anos 80. Charrete que perdeu o condutor.

F

Bb

C7

F

(F Bb) F

Eu disse: hey, anos 80. Que esperança

Aquela coisa

Tom: E Intr.: Eb F G A B

Pra ser feliz é olhar

A

As coisas como elas são

B

Sem permitir da gente uma falsa

A

E

conclusão

Meu sofrimento

B

A

A

B

E

A B

É fruto do que me ensinaram a ser

E

A

Sendo obrigado a fazer tudo

B Mesmo sem querer

Sim!

E

B

Quando o passado morreu

A

B

E você não enterrou, o sofrimento

A

Do vazio e da dor

B

A

Ficam ciúmes, preconceitos de amor

E

E7

Seguir somente a voz do seu coração

E

E7

E então? E então?

A E

É, é preciso você tentar

A E

Mas é preciso você tentar

F#

G

G#

A

Talvez alguma coisa muito nova

E

Possa lhe acontecer

F#

G

G#

A

Talvez alguma coisa muito nova

E

Possa lhe acontecer

E7

A

E

então? E então

E

E

aquela coisa que eu sempre tanto

A

procurei

É, é preciso você tentar

C#m

A

E

Mas é preciso você tentar

F#

G

G#

A

É o verdadeiro sentido da vida

A

Abandonar o que aprendi

Talvez alguma coisa muito nova

A# B

E

É

parar de sofrer

Possa lhe acontecer

B

F#

G

G#

A

Talvez alguma coisa muito nova

D

G

E

A

B

Possa lhe acontecer

E

A

B

E

A

B

Minha cabeça, só pensa aquilo qu'ela

aprendeu

A Por isso mesmo, eu não confio nela B Eu sou mais eu

Sim!

E

E

B

Viver é ser feliz e nada mais!!!

A#

A

E

É, é preciso você tentar

A

E

Mas é preciso você tentar

G

F#

G#

A

Talvez alguma coisa muito nova

E

Possa lhe acontecer

G#

Talvez alguma coisa muito nova

F#

G

A

D G

E

A

B

Possa lhe acontecer

Aquela coisa

 

Tom: A

Intro: A

E7

D

A

A

F#m

Bbo

Eu sou a areia da ampulheta

Bm

E7

O lado mais leve da balança

Bm

O

ignorante cultivado

E7

O

cão raivoso inconsciente

Bm

O

boi diário servido em pratos

E7

A

D

O pivete encurralado

A F#m

Bbo

Eu sou a areia da ampulheta

Bm

E7

O

vagabundo conformado

Bm

E7

O

que não sabe qual o lado

Espreita o pesar das pirâmides

Bm

Cachaceiro mal amado

E7

A

D

O

triste-alegre adestrado

A

F#m

Bbo

Eu sou a areia da ampulheta

Bm

E7

O

que ignora a existência

Bm

De que existem mais estados

E7

Sem idéia que é redondo

Bm

O

planeta onde vegeta

E7

A

D

Eu sou a areia da ampulheta

A

Eu sou a areia F#m

Bbo

Eu sou a areia da ampulheta

Bm

Mas o que carrega a sua bandeira Bm

De todo o lugar o mais desonrado

E7

E7

Nascido no lugar errado

A

Eu sou, eu sou você

As avnturas de Raul Sexias na cidade de Thor.

Tom: C

No que eu tô longe eu tô perto G

Se eu não tiver quando eu do fim eu estou sempre aqui com o olho aberto

F

C

(G F

C

F

C) 2x

C

A civilização se tornou tão complicada

F

Que se tornou frágil como um computador

G

F

C

Que se uma criança descobrir o calcanhar de aquiles com um só palito para o

motor

(G

F

C

F

C) 2x

 

C

Tem gente que passa a vida inteira

F

Travando a inútil luta com os galhos

(G F

C

F

C) 2x

G

F

C

Sem saber que é lá no tronco que tá o curinga do baralho

C

Quando eu compus fiz ouro de tolo

F

Uns imbecis me chamaram de profeta do apocalipse

C

Mas eles só vão entender o que eu falei no esperado dia do eclipse

G

F

C

(G

F

F

C) 2x

C

Acredite que eu não tenho nada a ver

F

Copm a linha evolutiva da música popular brasileira

G

F

C

(G

F

C

F

C) 2x

A única linha que eu conheço é a linha de impinar uma bandeira

C

Eu já passei por todas as religiões

F

Filosofias, políticas e lutas

G

F

C

(G

F

C

F

C) 2x

Aos onze anos de idade eu já desconfiava da verdade absoluta

C

F

Raul

Seixas e Raulzito sempre foram o mesmo homem

G

Mas pra aprender o jogo dos ratos

C

Transou com Deus e com o lobisomem.

F

(G

F

C

F

C) 2x

As minas do rei Salomão

Tom: G

Intro: ( Bb

G

F G)

G

A

C

Entra e vem correndo para mim, meu princípio já chegou ao fim,

G

( Bb

G

F)

o

que me resta agora é o seu amor

D

C

D

Traga a sua bola de cristal e aquele incenso do Nepal

G (Bb

G

F)

 

que

você transou num camelô.

G

Bm

E

me empresta o seu colar que um dia eu fui buscar

C

A

D

na tumba de um sábio faraó

2x

(Bb G F G)

G

Veja quanto livro na estante, Don Quixote, o cavaleiro andante,

G Bb G F

A

C

luta a vida inteira contra o rei

D

C

D

Joga as cartas, leia minha sorte, tanto faz a vida como a morte,

G

o

pior de tudo eu já passei.

G

Bm

 

Do

passado eu me esqueci, no presente eu me perdi

 

C

A

D

Se

chamarem, diga que eu saí

 

G

Bm

 

Do

passado eu me esqueci, no presente eu me perdi

 

C

D

G

C

D

G

Bb

G

F

G

Se

chamarem, diga que eu saí

se chamarem, diga que eu saí

é

As profecias

De: Raul Seixas/ Paulo Coelho

G

Em

Tem dias que a gente se sente

(La Lá Lá Lá) Esta em qualquer profecia Dos sábios que viram o futuro

Dos loucos que escrevem no muro Das teias do sonho remoto Estouro, explosão, maremoto

Am

Cm

A

chama da guerra acesa

Um pouco talvez menos gente

A

fome sentada na mesa

G

Em

O

copo com álcool no bar

Um dia daqueles sem graça

Am

D7

De chuva cair na vidraça

G

Em

Um dia qualquer sem pensar

Am

Cm

Sentindo o futuro no ar

G

Em

Um anjo surgindo no mar Os selos de fogo, o eclipse Os símbolos do apocalipse Os séculos de Nostradamus

A fuga geral dos ciganos

Está em qualquer profecia Que o mundo se acaba um dia Um gosto azedo na boca

O

ar carregado sutil

A

moça que sonha, a louca

Am

D7

O

homem que quer mas esquece

Um dia de maio ou abril

C

Bm

Sem qualquer amigo do lado

C

Bm

Sozinho em silêncio calado

C

Bm

Com uma pergunta na alma

Am

A7

Por que nesta tarde tão calma

D7

O tempo parece parado???

(G D7)

Do mundo do dá ou do desce Está em qualquer profecia

Que o mundo se acaba um dia Sem fogo, sem sangue, sem ás

O mundo dos nossos ancestrais

Acabar sem guerra, imortais Sem glória de Marte, feridos Sem estrondo mas com um gemido Está em qualquer profecia Que o mundo se acaba um dia

Ave maria da rua.

Tom: C

Intro: F/D

F#º

C

E7

Am

Am/G

Am

Minha mãe, minha mãe

F F#º

Me ensina a segurar a barra

Am/G

C

Am

F/D

 

G7

C

(G#7 C# F#/G#

F/E G6

C

F/G

De

te amar

G#7 A7)

D G/A

Não estou cantando só

D

F/G

C

G

D

No

lixo dos quintais

Cantamos todos nós

F/E

C

A

A7

Na

mesa do café

Mas cada um nasceu

 

G7

D

F#7

No

amor dos carnavais

Com a sua voz, Ou ou ou

F/D

G6

C

E7

Bm

Bm7/A

Na

mão, no pé, oh

 

Pra

dizer, pra falar

Am

Am/G

G

G#º

D

Bm

Tu

estás, tu estás

De

forma diferente

F

F#º

C

Am

Em

A7

D

No

tapa e no perdão

O

que todo mundo sente

F/D

G6

C

F/G

G

No

ódio e na oração

Segure

a minha mão

C F/G

C

 

D

Teu nome é Yemanjah,

Quando ela fraquejar

F/G

A

A7

Yemanjah

E

não deixe a solidão me

E é Virgem Maria

G7

É Glória e é Cecília

C

Na noite fria

E7 Am

Ou, minha mãe

Am/G

F

F#º

C

D

assustar

F#7

Ou ou ou

Bm

Minha mãe, nossa mãe

G G#º D/A Bm

e mata minha fome

Bm7/A

Em

A7

D

Minha filha tu és qualquer

Nas

letras do teu nome

Am

F#7

mulher

Ou

ou ou

F/D

G6

C

Mulher em qualquer dia

Bm

Minha mãe, nossa mãe

Bm7/A

F/G

C

G

G#º

D/A Bm

Bastou o teu olhar

E

mata minha fome

F/E

Em

A7

D

Teu olhar

Nas

letras do teu nome

C

F#7

Pra me calar a voz

 

Ou

ou ou

 

G7

Bm

Bm7/A

De

onde está você

minha

mãe, nossa mãe

C

G

G#º

D/A

Bm

Rogai por nós

E

mata minha fome

E7

Em

A7

G/A D

Ou

ou ou

Na

glória do teu nome.

Babilina

De: Vicent/ Davis - versão de: Raul

Seixas

(C C7)

Babilina, Babilina saia do bordel!

(F F7) Babilina, Babilina (C C7) saia do bordel!

G F Quero exclusividade do seu amor

C

Cutis cubidu-bilina por favor!

(C C7)

Eu tava cego à muito tempo

quando eu lhe conheci Provei do seu chamego

Nunca mais lhe esqueci

(F

à noite cê trabalha Diz que é prá me sustentar

(C C7)

Passa o dia exausta

que nem pode me olhar

G

É dentro de casa que eu te quero meu amor!

C

Larga desse emprego, baby

G

F7)

F

G

Por favor!

(C

Babilina, Babilina saia do bordel!

(F F7) Babilina, Babilina (C C7) saia do bordel!

G F Quero exclusividade do seu amor

C G

Cutis cubidu-bilina por favor!

(C

Quando cê chega com a bolsa

entupida de tutu Eu imagino quanta gente se deu bem no meu baú

(F F7)

Você me garante que não sente nada

não

e que só comigo você tem satisfação

G

Mas é dentro de casa

F

Qu'eu te quero, meu amor!

C

Larga desse emprego, baby

G

Por favor! Babilina, Babilina

C7)

C7)

Baby

Intro: Em C G Em C G C G D

C

C

mais baby baby

G

C

G

F

G

baby

hoje só faz treze anos

Deus

não é tão mau assim

C

G

D

D

vejo seus olhos seus planos

não

não não não

 

D

G

C

G

sei que voce que deitar

G F

C

G

Em

baby teu quarto crescente pra lua

C

G

não

dá ouvido a razão

não

esconde a vontade que é sua

D

G

D

D

quem manda é o seu coração ou

que

eu sei que voce quer deitar

baby

G

F

C

G

Em

G

C

G

não dá ouvido a razão não

baby

abraça seus livros no peito

D

G

C

G

quem

manda é o seu coração baby

esconde o que é tão perfeito

Dm

G

D

que eu sei que voce quer deitar

G F

C

G

Em

a mancha do batom vermelho

Dm

G

porque escoder no lençol

não

dá ouvido a razão não

Dm

G

 

D

G

se dentreo da imagem do espelho

quem manda é seu coração

C

C

G

baby

baby

baby

F

G

Dm

G

o

inferno é o fogo do sol

a madre da escola te ensina

D

Dm

G

não

não não não

a reconhecer o pecado

Dm

G

que o que voce sente é ruim

REPETIR PRIMEIRA PARTE

Banquete de Lixo Tom: E

Intr.: A

E

B

A

B

E

G

Às 3 horas da manhã na cidade tão estranha

D

Um palhaço teve a manha de um banquete apresentar

E

E

E

C

D

G

era um latão de lixo transbordando em Nova Iorque catchup e caviar

eu dormindo embriagado, um par de coxas do meu lado

C

eu sem saber se devia ou tocar

G

D

Se era estrangeira, mãe, esposa ou outra besteira

C

G

Que eu inventei de aprontar

C

G

|

O

hoje é apenas um furo no futuro

 

|

 

D

C

G

|

Por onde o passado começa a jorrar

 

| REFRÃO

 

C

G

|

E eu aqui isolado onde nada é perdoado

|

D

C

D

G

|

Vi o fim chamando o princípio pra poderem se encontrar

G

Fui levado na marra, pois enfermeiro quando agarra

D

|

É

que nem ordem de prisão

 

C

D

G

A

ambulância me esperava, e aí o que rolava, internamento e injeção

E

lá em Serra Pelada, ouro no meio do nada

 

C

Dor de barriga desgraçada resolveu me atacar

G

D

O

show estava começando e eu no escuro me apertando

C

G

E

autografando sem parar

REFRÃO

G

Muitas mulheres eu amei e com tantas me casei

D

Mas agora é Raul Seixas que Raul vai encarar

C

D

Nem todo bem que conquistei, nem todo mal que eu causei

G

Me dão direito de poder lhe ensinar

Meu amigo Marceleza já me disse com certeza

C

Não sou nenhuma ficção

G

D

E é assim torto de verdade com amor e com maldade

C

G

Um abraço e até outra vez

REFRÃO - 2 vezes

Best seller

De: Marcelo Nova/ Raul Seixas

Tom: D

Intr.: D

D

A

E

pomba escapa (e quem se ferra)

D

quem se ferra é o urubu

G

Ah, mas não se importe não

A

O

Best Seller do momento

No final o bandido casa

É

um livro agourento

D

C

com o mocinho

Que ninguém entende mas

D

Todo mundo quer ler Ler pra ter cultura e como acabaram com a censura

C

D

A mídia agora é o nosso Aiatolá

G

Ah, mas não se importe não

A

No final o bandido casa

D

com o mocinho

A

E o Best Seller vai pra

D

milésima edição

A

E o Best Seller vai pra

D

milésima edição

G

Ah, mas não se importe não

A

No final o bandido casa

D

com o mocinho

A

E o Best Seller vai pra

(SOLO)

D

milésima edição

D

Se já não existe inteligência Então vamos bater continência pra

G

C

Ah, mas não se importe não

esse indício

A

D

No final o bandido casa

D

com o mocinho

A

De resquício militar (um, dois, três, quatro)

E como é tudo a mesma merda,

Antes que chegue a vida eterna

E

o Best Seller vai pra

C

D

D

Eu vou pedir asilo ao Paraguai

milésima edição

G

O

presidente conversa com Sting

Ah, mas não se importe não

E

é você quem não distingue

A

C

Quais são os índios que vão

D

tomar no Xingu

Ai meu Deus que agonia

Como toda essa pontaria

C

No final o bandido casa

D

com o mocinho

A

E o Best Seller vai pra

D

milésima edição

Blue moon of kentuckey

A

Blue moon, blue moon, blue moon

D

A

E

Keeps shinning bright

A

A7

Blue moon keeps on shinning bright

D

She's gonna bring me back Dm My baby tonight

A

E

Blue moon, keeps shinning

A

bright

E

A A7

I say blue moon of Kentucky

D

Does on keep on shinning

A

Shines on above this girl

E

I let so blue

A A7

I say blue moon of Kentucky

D

Does it keep on shinning A

Shine on above this girl

E

A

A let alone

A7

D

I wuz home with her last night

A

Dying sunbright

D

We'll have love

A

E

Make it fine!

A

A7

Blue moon of Kentucky does it keep

Dm

On shinning

D

A

E

Shine on above this girl

A

I let so blue

A

D

Quando olhei a terra ardendo

A

Qual fogueira de São João

A7

D

Eu perguntei, a Deus do céu, ai!

A Por que tamanha judiação?

E

A

D

A

Blue moon, blue moon, blue moon

E

Keeps shinning bright

A

A7

Blue moon keeps on shinning bright

D

She's gonna bring me back

Dm my baby tonight

E

Blue moon, keeps shinning bright

A

Cachorro urubu

Tom: G

D7

Intr.: F

C

D

C

G

A

gente ainda nem começou

 

G

F

G

Baby o que houve na trança

Baby, essa estrada

F

é comprida

C

Ela não tem saída

D

É hora de acordar

C

Pra ver o galo cantar

G

Pro mundo inteiro escutar

F

Baby a estória é a mesma

C

Aprendi na quaresma

D

Depois do carnaval

C

Vai mudar nossa dança

D

Sempre a mesma batalha

C

Por um cigarro de palha

G

Navio de cruzar deserto

G7

C

Bm

Todo jornal que eu leio

C

Bm

Me diz que a gente já era

C

Bm

Que já não é mais primavera

A7

C

A7

Oh, baby, oh baby

D7

C

A

gente ainda nem começou

A carne é algo mortal

G

F

G

Com multa de avançar sinal

G7

Todo jornal que eu leio

C

Bm

C

Bm

Me diz que a gente já era

C

Bm

Que já não é mais primavera

C

Oh baby, oh ba by

A7

A7

Baby isso só vai dar certo

C

Se você ficar perto

D

Eu sou índio Sioux

C

Eu sou cachorro urubu

G

Em guerra com o Zé U.

Câimbra no pé

De: Raul Seixas/ Marcelo Nova

(G)

Tom: G

Intr.: G

(G)

Saiba esperto ou burro Você vai morrer aqui Isso é um perigo eu sei Mas esse é um país perigoso

Saiba esperto ou burro Você vai morrer aqui Isso é um perigo eu sei Mas esse
Saiba esperto ou burro Você vai morrer aqui Isso é um perigo eu sei Mas esse

Am

C

Saiba esperto ou burro Você vai morrer aqui Isso é um perigo eu sei

Mas esse é um país perigoso

Am

C

Se você vacilar neguinho chupa

G

sangue do pescoço E lá se vão mais dois cc

(G)

Essa rampa escorrega "but don't worry baby" Nós estamos aqui Am

Entre igrejas e cassinos e discursos

tão

C

G

Cretinos mesmo assim São todos gente finíssima

Am

C

Mas com eles ou sem nada esse é

G

SOLO

o nosso país

Se você vacilar neguinho chupa

G

sangue do pescoço

(G)

Eu queria poder saber o que dizer

Pra lhe consolar Am

Mas meu sapato tá apertado e

C

pisaram no meu calo

G

Sai pra lá Am

Não quero ser treinado como um

C

G

Doberman do sistema Am

Não quero ser treinado com um

C

G

(G)

Doberman desse esquema Nós gritamos um pouco, Quebramos algumas vidraças Mas tudo bem

Cambalacho

tom: F

F

C

Bb C

Pio IX e D. João, John Lennon e San Martin Bb Como igual na frente da vitrine

F

Que o mundo foi e será uma porcaria eu já sei

C

F

F7

C F

Em 506 e em 2000 também

C

Que sempre houve ladrões,

maquiavélicos e safados

Bb C

Contentes e frustrados, valores, confusão

C

Mas que o século XX é uma praga de

maldade e lixo

F

F

Bb

F7

Já não há quem negue

Bb

Vivemos atolados na lameira

F

F

C

F

Esses bagunceiros se misturam à vida

Bb

Feridos por um sabre já sem ponta

F

C

F

Por chorar a bíblia junto ao

aquecedor F Século XX "cambalache", problemático e febril

O que não chora não mama

Bb

F

Quem na rouba é um imbecil Bb

Já não dá mais, força que dá

F

E

no mesmo lodo todos manuseados

Que lá no inferno nos vamos

F

Bb

encontrar

<