VALE S.A.

MINA DA MUTUCA

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA

OS

Tramitação

Via

Data

1VALE14B-OS-00003

1VALE14B-TR-000018

BMA

AGOSTO / 2010

VALE S.A. - MINA DA MUTUCA - 1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA

VALE S.A.
MINA DA MUTUCA

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA

AGOSTO DE 2010

VALE S.A. - MINA DA MUTUCA - 1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA

1

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA MINA DA MUTUCA

CARACTERIZAÇÃO MUTUCA

DO

EMPREENDIMENTO

MINA

DA

1 - BREVE HISTÓRICO
A Mina da Mutuca situa-se na saída de Belo Horizonte para o Rio de Janeiro, na BR040, a cerca de 5 km do trevo do BH Shopping - Av. Raja Gabaglia, no município de Nova Lima / MG. Um dos acessos à Mina da Mutuca localiza-se no trecho antigo da rodovia acima mencionada, sob o viaduto da Mutuca. A VALE S.A. celebrou em 01 de maio de 2007, com a Minerações Brasileiras Reunidas - MBR, Contrato de Usufruto a partir do qual adquiriu o direito de operação, em nome próprio, dos estabelecimentos listados no Anexo 1 do Contrato de Arrendamento, apresentado no Anexo A do presente documento. Esta unidade está em atividade desde 1961, quando operada pela Minerações Brasileiras Reunidas S.A. - MBR, passando a partir de 2007 a ser operada pela Vale. A Mina da Mutuca ocupa hoje uma área de aproximadamente 260 ha, conforme demonstra Anexo D. A mina faz parte do denominado Complexo Paraopeba, da Diretoria de Ferrosos Sul - DIFL da Vale, o qual é também composto pelas minas de Capão Xavier, Córrego do Feijão, Jangada e Mar Azul. A Mina da Mutuca possui atualmente uma completa infra-estrutura de beneficiamento mineral e de expedição de produtos através de Transportadores de Correia a Longa Distância - TCLDs. Na região a Vale opera ainda a Mina do Capão Xavier que pode ser considerada, em termos operacionais, como uma extensão da Mina da Mutuca em que as frentes de lavra se encontram mais distantes. Em 2001 a cava da Mina da Mutuca foi exaurida e atualmente é utilizada para disposição de rejeitos advindos do processo de beneficiamento de minério da Instalação de Tratamento de Minério - ITM operada na área. Esta instalação beneficia hoje o ROM das minas Capão Xavier e Mar Azul.

LO nº 338 .LO nº 728 .OPERAÇÃO DA MINA DA MUTUCA A mina da Mutuca. . através de ofício expedido pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável . Quanto a validade da LO nº 728. foi concedido à Vale.VALE S. .Dispensa de licenciamento referente a linha de transmissão de energia elétrica 138 kv e extensão de 10.Estação de Tratamento de Esgoto Sanitário.Certidão nº 230230/2010 . com prazo de validade em 26/02/2011. . opera atualmente com as seguintes licenças: Licenças de Operação . AAF nº 00530/10 .Dispensa de licenciamento para Estocagem de Produtos na PDE Grota Zero da Mina da Mutuca. nem mesmo de Autorização Ambiental de Funcionamento . O empreendimento possui ainda dispensas de licenças ambientais.PA 10789/2007/001/2009 . Deliberação Normativa COPAM 74/2004. com prazo de validade em 22/06/2013. .Dispensa para o armazém de estocagem de equipamentos e peças em geral. As dispensas concedidas à Vale pela SEMAD e que fazem parte desta renovação foram: .PA 035/1989/007/2005 . Concedida em 17/08/2009. com prazo de validade em 09/04/2014. passando esta LO a ter a validade até 22-122010. o qual acresce um ano no prazo de validade estabelecido quando da emissão da LO.LO’s .Dispensa de licenciamento para o estacionamento de caminhões para troca de turnos.AAF’s AAF nº 03187/09 . Concedida em 22/06/2009.A.Certidão nº 432212/2009 .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 2 2 .AAF de acordo com a legislação vigente.PA 077/1988/009/2002 .Certidão nº 089382/2007 . . . complexo minerário objeto de renovação de suas licenças.Sistema de Transportador de Correias de Longa Distância e Terminal Olhos D’água. Concedida em 26/02/2007. Concedida em 09/04/2010. com prazo de validade em 17/08/2013. Autorizações Ambientais de Funcionamento .MINA DA MUTUCA .Posto de Abastecimento.PA 10789/2007/002/2010 .9 km.Disposição de rejeitos na cava exaurida da mina da Mutuca.SEMAD um Termo de Concessão de Benefício. Estas são referentes à atividades não passíveis de Licenciamento Ambiental.Certidão nº 292958/2009 .

1 .Infra-Estrutura 2. com prazo de validade em 07/10/2013. .1 .Certidão nº 315950/2008 .Certidão nº 03187/2009 . 2. . Filtragem. Na unidade da Mutuca são produzidos por mês 129.Instalação de Tratamento de Minério .692 t de Hematitinha. Classificação. 219.379 x106m³. Sua capacidade instalada é de 11.TOD. Os comprovantes de atendimento às condicionantes destes processos são apresentados no Item 18 do Termo de Referência adequadamente preenchido e apresentado abaixo.2 Mtpa. Peneiramento.Barragem de Contenção de Sedimentos .2 .1. do qual é transportado por ferrovia até o Porto da Ilha Guaíba . com prazo de validade em 03/06/2012.1.Barragem V A Barragem V localiza-se no córrego Gorduras.030 t de Lump Ore. a Vale incluiu neste processo de renovação todas as LO’s referentes ao empreendimento Mina da Mutuca. 2. e opera como bacia de contenção de sedimentos das PDEs Grota 0. Unidades de Apoio e Sistemas de Controle O empreendimento conta com uma infraestrutura completa.1.MINA DA MUTUCA .Dispensa de licenciamento do Posto de abastecimento da Mina da Mutuca.ITM Mutuca A ITM beneficia o ROM produzido nas minas Capão Xavier e Mar Azul.AAF’s e Dispensas de Licenciamento. Possui um reservatório com capacidade para 6.132 t de Pellet Feed Fines.1. 270.A.5 Mtpa e a produção atual é de aproximadamente 10. A validade das licenças mencionadas acima. sendo esta composta por: 2. Atualmente esta barragem não recebe rejeito.Infra-Estrutura. .Dispensa de licenciamento para o Posto de Abastecimento (15m³).1 .1. Concentração Gravimétrica. 23.287 t/mês.TCLD’s para o Terminal Olhos D’água .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 3 . bem como o objeto licenciado podem ser analisados no Quadro 3 do relatório a seguir. Métodos Eletromagnéticos e Deslamagem.RJ. bem como Autorizações Ambientais de Funcionamento . totalizando 847. Concedida em 03/06/2008.VALE S. Visando a unificação de suas licenças e simplificação do processo de gestão destas. Concedida em 07/10/2009. O processo mineral utilizado nesta ITM consiste em: Britagem. A produção é escoada através do Sistema Transportador de Correias a Longas Distâncias .553 t de Coarse Sinter Feed e 204.880 t de Sinter Feed. Concentração de Grossos. Ciclonagem. 1 e 2.

Resumo das Características da Barragem V (Ficha Cadastral) Dados Gerais Finalidade Empresas Projetistas Construção .VALE S.40. é classificada como Classe III (ver Quadro 2.2.00 (muro de concreto) 55. em canal escavado na ombreira direita.00 m (topo muro de concreto) . segundo a deliberação da COPAM 87/2005. A Barragem V foi planejada para ser construída em 2(duas) etapas. equipada com sistema extravasor de lâmina livre. revestido com concreto projetado no canal emissário.Classificação da Barragem V conforme a DN COPAM nº 87/2005 Características Altura do maciço Volume do reservatório Ocupação humana a jusante Interesse ambiental a jusante Instalações a jusante ΣV (soma) = CLASSIFICAÇÃO Unidade m x 10 m 6 3 Parâmetro 55.000 m³.005. Em 2001. alteada pelo método de jusante.004. a lâmina d’água foi elevada para a elevação 1000. reservação de água industrial e a clarificação da água do efluente final da mina da Mutuca. 1. QUADRO 2. . com maciço na elevação 991. O sistema da Barragem V foi planejado para dispor parte dos rejeitos gerados pelo beneficiamento do minério de ferro. seguido de canal em escadas.00 7.00 m (crista em terra). através da construção de mureta de concreto com dutos flangeados. com alteamentos do maciço pelo método de jusante. em concreto armado e dissipação de energia em bacia de ressalto. Final 2005 1. QUADRO 2. acumulando o volume de maciço de 970. a retenção dos sedimentos erosivos. A Barragem V.1 . sendo que a 1ª etapa.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 4 A barragem é do tipo homogênea de terra.5 Existente Significativo Baixa Concentração V 2 2 2 2 2 10 III A ficha cadastral com as informações sumarizadas da Barragem V está apresentada a seguir no Quadro 2. 2ª etapa: DAM. teve sua construção concluída em dezembro de 1987 e a 2ª etapa.A.MINA DA MUTUCA . Vertedouro de Fechamento: Pimenta de Avila Consultoria Ltda.1). teve seu coroamento atingido a elevação final (1004 m) em dezembro de 1994.00 e volume de 380.Etapa Data de construção Cota Atual da Crista Altura Atual da Barragem Retenção dos sedimentos e acumulação de água industrial e a clarificação da água. para permitir maior acúmulo de água na bacia de acumulação.000 m³. 1ª etapa: LEME.2 .

00 m3 na El.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 5 Continuação Dados Gerais Comprimento Atual da Crista Área Atual do Reservatório Volume Atual do Reservatório Tipo de Seção Drenagem Interna Instrumentação Sondagens Parâmetros dos Materiais 600.50 m3/s 1. As percolações d’água através das fundações e dos filtros são observadas através do monitoramento de vazão dos drenos internos do maciço localizado no dreno de pé e de observações do entorno da saia do talude de jusante da barragem.0V.003.00 t/m².002.5º Fundação: c’ = 3. em perfil Creager.50 m 4.5.9º Hidrologia / Hidráulica Área da Bacia Tempo de Concentração Precipitação Máxima Provável Cheia de Projeto Vazão Máxima Afluente Vazão de Projeto NA Máximo Operacional NA Máximo Maximorum Borda Livre Estruturas Vertentes Vertedouro de Fechamento Side channel.000.20 m 1. geometria e registros destes instrumentos constam no Quadro 2.90 t/m². A quantidade de cada instrumento instalado está apresentada no Quadro 2. Com a exaustão da cava em 2001 a mesma foi licenciada para disposição de rejeitos.0V Filtro vertical e tapete horizontal do eixo da barragem para jusante.A.3 a seguir. Rejeito: c’ = 5.20 m3/s 34.50 m 1.4).00 m 282.00 m e soleira implantada na elevação 1. .MINA DA MUTUCA . 08 Indicadores de NA e 04 Marcos Superficiais. com largura de 30.12 km2 20minutos 204 mm PMP 98.0H/1. Talude Montante 2. .60 t/m². Ø’ = 31. As poropressões nas fundações e maciço da barragem são monitoradas pela VALE através dos indicadores de níveis d’água instalados tão logo terminada a construção. Talude Jusante 2. Estudos Geotécnicos Realizadas na fase de projeto. As locações.80m Os rejeitos do processo de beneficiamento da planta de Mutuca foram enviados à Barragem V até o ano de 2002.002. 1002.500.0º Aterro Saturado: c’ = 4.738m² 7.50 m Homogênea. Atualmente as deformações são monitoradas através de 4 prismas instalados (Quadro 2.2H/1.VALE S. Ø’ = 20. Ø’ = 24.

163 -1.3 965.158.481 1.0 17.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 6 QUADRO 2.743.3 15.140.188 1.424 19.364 1.69 1002.279 -1.110 -1.6 956.161.873 1003.512 E -1.1 958.802.MINA DA MUTUCA .775.9 32.659 -1.2 1004.5 1001.728 -1.816 1.1 992.532 -1.5 .Prismas instalados na Barragem V da Mutuca Locação dos instrumentos Coordenadas Instrumentos N PRISMA-01 PRISMA-02 PRISMA-03 PRISMA-04 1.7 947.893 1.VALE S.142 E -1.7 947.4 949.867 -1.136.885 -1.6 Nível de Alerta(m)* 950.5 984.0 16.0 33.631 1.695.212.228.753.859.582 1.812.4 .629 De Leitura MENSAL MENSAL MENSAL MENSAL Frequência QUADRO 2.Instrumentação (INAs) da Barragem V da Mutuca Locação dos instrumentos Coordenadas Instrumentos N INA-01 INA-02 INA-04 INA-05 INA-06 INA-07 INA-08 INA-09 1.517 898.9 988.821 -1.831.0 Nível máximo Admitido(m)** 951.2 7. .7 21.439 1.6 980.9 Profundidade(m) Elevação Bulbo(m) 975.656 Z 1003.3 982.Quantidade de instrumentos monitorados na Barragem V Instrumento Medidor de NA Marco superficial de deformação Medidor de vazão Quantidade 08 04 01 .259.7 Elevação Boca(m) 994.552 891.119.027 991.A.0 950.799 -1.627.4 968.030.772.5 951.145.713.3 .779.5 Frequência De leitura MENSAL MENSAL MENSAL MENSAL MENSAL MENSAL MENSAL MENSAL QUADRO 2.

que foi executada há mais tempo.04m.1. Conclui-se que a borda livre disponível. e esse foi dimensionado para uma sobrelevação de 0.0 m de altura.70 m. Recebeu estéril entre os anos de 1980 e 1989. A instrumentação instalada na PDE é composta por piezômetros tipo Casagrande e medidores de nível de água.0 m (topo). os taludes encontram-se protegidos com capim e árvores de pequeno e médio porte e não foram observadas trincas e zonas com escorregamentos. O projeto foi elaborado pela empresa Paulo Abib. Posteriormente. A inclinação do talude entre bermas é de cerca de 2H:1V. o projeto foi revisado. no momento. executada recentemente.Pilha de Estéril Grota 1 A PDE Grota 1 situa-se a sul/sudeste da cava da Mina da Mutuca. O canal periférico desenvolve-se parte em estrutura composta por geoweb com concreto e parte em terreno natural com blocos.0 m à elevação 1245. admitindo-se um layout com conformação tipo “bolo de noiva”.1. talude com inclinação entre bermas de cerca de 2H:1V e inclinação global de 2. foi concebido para a pilha atingir 200. O projeto inicial.1. por sua vez.0 m de altura. Com essa conformação. encontra-se revegetada com leguminosas. De acordo com o Relatório de Auditoria elaborado pela consultoria Pimenta de Ávila. e este. partindo da Barragem V na elevação 999.4 . apresenta talude protegido com capim e pequenos arbustos. Do ponto de vista hidráulico o vertedouro está adequado. . ou seja.6H:1V.1. onde deságua em um canal periférico. a borda livre disponível é adequada para a barragem. elaborado pela Figueiredo Ferraz.VALE S.000 e 10. A pilha possui cerca de 180. a pilha deve atingir cerca de 246. 2.2109-C-BR-RT-10-001).1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 7 Em 2009 a BVP Engenharia realizou estudos hidrológicos na Barragem V (VL 707.000 anos de tempo de retorno da barragem são maiores que 1 metro.MINA DA MUTUCA . . encontra-se desativada. A maior parte do fluxo do corpo da pilha é direcionado para oeste/sudoeste. quando da ocorrência das cheias decorrentes de precipitações com 1. 2.0 m.3 . em 2008. enquanto a porção média.6H:1V. conduz o fluxo em direção à Barragem V. e do talude global de 2. entre as pilhas da Grota Zero e Grota 2 e. A porção inferior da pilha.Pilha de Estéril Grota Zero A PDE Grota Zero situa-se a sul da cava da Mina da Mutuca e encontra-se em operação desde 1993.A. O NA máximo do reservatório causa uma sobrelevação no vertedouro de 1.

A instrumentação instalada é composta por piezômetros tipo Casagrande e medidores de nível de água. ao longo das bermas. 2. O lado leste da pilha faz divisa com condomínios residenciais e área coberta com mata.A. a ITM da Mina da Mutuca até o Terminal Ferroviário Olhos D’água . A inclinação do talude entre bermas é de cerca de 2H:1V e do talude global de 2. foi concebida para atingir 220. por sua vez. que já foi palco de intenso processo erosivo. Esse canal de água encontra-se em grota profunda.LO 143 e revalidado no Processo Administrativo nº 035/1989/007/2005 . a PDE Grota 2 situa-se a sudeste da cava da Mina da Mutuca.TCLD O Sistema Transportador de Correia a Longa Distância . A instrumentação é composta por piezômetros tipo Casagrande e medidores de nível de água.5 . De um modo geral.1. Nesse talvegue. porém sem transição.1.TOD. o processo erosivo foi interrompido e a região está praticamente toda recuperada. na base da pilha.VALE S. A drenagem superficial. As faces dos taludes encontram-se tomadas por capim e árvores de pequeno e médio porte. em Belo Horizonte . A pilha.0 m de altura máxima.MINA DA MUTUCA . descarregando na Barragem V. Com a implantação dessa estrutura. a aparência da pilha é bastante satisfatória.Pilha de Estéril Grota 2 Conforme Relatório de Auditoria elaborado pela consultoria Pimenta de Ávila.Transportador de Correia a Longa Distância .1. é protegida com laterita e conduzida para canaletas de concreto. .LO nº 338.6 . A maior parte do fluxo do corpo da pilha é direcionada para sudeste.1. 2. Este Sistema constitui uma alternativa de transporte de minério de ferro desde o início adotado pela MBR. O canal periférico é composto por geo-web com concreto. onde deságua em um canal periférico e esse. O TCLD transporta o minério beneficiado. foi executado um dique de partida de enrocamento.TCLD foi objeto de licenciamento no Processo Administrativo nº 035/1989/006/1996 .MG.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 8 A drenagem interna é composta por blocos de rocha. . conduz o fluxo em direção à Barragem V. O sistema de drenagem interna é composto por dreno de fundo posicionado no antigo talvegue. possui cerca de 160. de acordo como o projeto da Paulo Abib.65H:1V.0 m de altura e recebeu estéril da Mina da Mutuca entre os anos de 1985 e 1993.

Oficina Na unidade da Mina da Mutuca existe uma oficina para manutenção de veículos e equipamentos utilizados na operação da unidade. 2.Unidades de Apoio 2.822 metros e está integralmente implantado e em operação. O trecho 2.2.VALE S.1 . As conexões entre os segmentos do TCLD são feitas em casas de transferência.300 metros entre as estações de carregamento e descarregamento de minério. envolto em galeria metálica.1.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 9 O Sistema TCLD compreende quatro segmentos de transportadores interligados por pontos de transferência. Existem três casas de transferência no sistema interligando os trechos 1 e 2.1. O primeiro trecho tem extensão de 1. apoiado em cavalete sobre o solo. que se assentam diretamente sobre o solo ou transpõem vias de circulação e vales em segmentos suspensos ou em túnel no trecho sob a Serra do Cachimbo. onde ocorrem mudanças de direção no alinhamento de cada trecho. O terceiro trecho. funcionando ininterruptamente.2 . ou suspenso. com percurso em galeria metálica e a céu aberto. e 3 e 4. ABS (detergentes) e Fenóis. com extensão de 422 metros. a casa de transferência inclui também outro ponto de acionamento elétrico do sistema. percorrendo uma extensão total de aproximadamente 4. 2 e 3.400 m. O quarto trecho cruza a linha da RFFSA. O Sistema TCLD tem capacidade de operação de transporte de até 12 milhões de toneladas de minério por ano. onde estão instalados geradores elétricos e motores. em terreno de propriedade da Vale. . atravessa em túnel a Serra do Curral terminando em um ponto localizado em área de servidão da Mannesmann.CSAO. São realizados monitoramentos mensais dos parâmetros óleos e graxas. com extensão de aproximadamente 1. Os resíduos oleosos gerados nesta atividade são encaminhados à caixa separadora de água e óleo . em percurso a céu aberto. nos terrenos pertencentes à Vale e à RFFSA. sob o viaduto da Mutuca. até o seu destino final no pátio de descarregamento de minério. é construído em galeria de concreto sob o leito da Avenida Sigmund Weiss. . conforme pode ser observado no Anexo G do presente documento.A. inicia em terrenos da Vale e após cruzar área de servidão do DNIT.MINA DA MUTUCA . em empresa devidamente licenciada. ficando invisível e inaudível para os moradores da região. de 456 metros. O efluente líquido gerado neste processo de separação física é encaminhado à Barragem V e a borra oleosa é enviada para co-processamento. No início do trecho 1 há um ponto de acionamento e no emboque norte do túnel.

com a Certidão de Dispensa de Licenciamento Ambiental nº 03187/2009. para a CSAO. .VALE S. Item 9.3 . 07/10/2009. opera o posto de abastecimento de gasolina dos veículos leves com tanque aéreo com capacidade de 15 m³.A.3 do Termo de Referência apresentado abaixo.300 m². Este galpão tem área de aproximadamente 3.6. O posto de abastecimento possui três tanques aéreos de diesel. evitando-se que o material saia de dentro desta área de contenção. que atuam nas atividades rotineiras do armazém: recebimento. ou em casos de vazamento. A área do pátio de resíduos é cercada.2. dois tanques possuem 30 m³ cada e um de 15m³. 2.100 posições para peças pequenas (minuterias). o carreamento de resíduos pela área quando da incidência de chuvas no local. Na área existem os seguintes equipamentos para organização local: um caminhão. . com piso impermeável. O acompanhamento da geração de resíduos e suas respectivas destinações e formas de transporte podem ser observadas no Anexo G.1.2. evitandose.1. separação e entrega de materiais às áreas.Posto de Combustível Esta unidade foi licenciada através de uma Autorização Ambiental de Funcionamento AAF nº 03187/09 e Processo Administrativo 10789/2007/001/2009. estocagem. O armazém é operado por empresa terceirizada. A VALE. caixa de sucção que tem capacidade de 1. Este galpão tem área construída de aproximadamente 2. do referido Termo de Referência.000 litros. construído em 2009 dotado de 17 posições de porta-pallete.000 m².Armazém O Armazém de Mutuca hoje é um galpão novo.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 10 2. sendo esta com capacidade de armazenamento de aproximadamente 1. 2. destes. uma sprinter e três empilhadeiras.1. O sistema de controle existente nas áreas são sistema de canaletas para direcionamento do efluente líquido incidente na área. a entrada de animais. e também um "ladrão". desta maneira. na unidade da Mina da Mutuca. uma rampa de contenção para acesso da empilhadeira.Central de Materiais Descartáveis da Mina da Mutuca .CMD Os resíduos sólidos gerados na área do empreendimento são direcionados à Central de Materiais Descartáveis para posterior destinação final.100 posições palletes para peças maiores e um mesanino de aproximadamente 3. através de 12 funcionários. conforme mencionado no item 7. No armazém existe também uma área de contenção para o armazenamento de lubrificantes inflamáveis. Esta CMD atende também a demanda de armazenamento temporário de resíduos da Mina Mar Azul. com portão de acesso para entrada.4 .2 .2.MINA DA MUTUCA .

.MINA DA MUTUCA .1. Na área administrativa da unidade trabalham hoje 46 funcionários próprios.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 11 Os operadores logísticos da empresa terceirizada passaram por treinamentos exigidos pela Vale para atuarem nas dependências da empresa.2. . . Em média.Escritórios Os prédios administrativos atendem também a demanda da área de produção. na APA Sul da Região Metropolitana de Belo Horizonte. . sendo os efluentes posteriormente encaminhados para a Barragem V. entrada para o distrito de Macacos.2. O acesso é feito pelo trevo da Mutuca.Estradas/Acesso e Ferrovias A principal estrada de acesso à Mina da Mutuca. um de 2MVA. cerca de 7 . da Mina da Mutuca. . é a BR-040. 2. 2. operacional. 2.2. O minério produzido na usina de beneficiamento da Mina da Mutuca segue por ferrovia até o Terminal Olhos D’Água para posterior envio ao Porto da Ilha Guaíba RJ. um de 300kva. localizada no município de Nova Lima-MG. 2. . Existe na área do restaurante uma caixa de gordura.000 linhas por mês. próprios e terceirizados. totalizando aproximadamente o atendimento de 5. da Mina Mar Azul.7 .000 a 6. salas distribuídas por administrativo. conforme listado a seguir.VALE S.12 recebimentos de fornecedores.Subestação do SBR (Sistema de Britagem Primária) com um transformador de 1500kva.Subestação do COFI (Concentração de Finos) com um transformador de 1500 kva.Subestação da usina com um transformador de 4MVA. a área do armazenamento atende cerca de 80 linhas diárias de ordem interna e.Subestações elétricas Na área existem 8 subestações elétricas. 293 funcionários.Restaurante São servidas no restaurante aproximadamente 400 refeições/dia.A.1.500 kva cada. meio ambiente.6 .8 .5 . .Subestação do espessador com dois transformadores de 1. um de 1000 kva e um de 150kva. nas operações de atendimento do Armazém. saúde e segurança. . considerando um quantitativo de 375 funcionários. sistema de tratamento dos efluentes gerados na cozinha.Subestação principal com dois transformadores de 9 MVA cada. na unidade de produção 264 e o número total de trabalhadores terceirizados é de 65 funcionários.1. Os mesmos são dotados de instalações sanitárias. próprios e terceirizados. por dia.1.2.

.CSAO.26 l/s. ar. em atendimento à Condicionante nº 1 do Processo Administrativo nº 035/1989/007/2005. tratamento físico para o qual são direcionados os efluentes da Oficina Central e dos Postos de Abastecimento.Sistemas de Controle Os Sistemas de Controle adotados como medidas ambientais para a garantia da qualidade das águas. . . 2. O sistema de tratamento consiste em filtragem e cloração visto que a água vem dos poços de rebaixamento com boa qualidade.2.Reflorestamento de adensamento das cortinas arbóreas nas marginais ao TCLD e enriquecimento nas áreas destinadas à formação de ambientes florestais.10 .ETE.Utilização de caminhões-pipa para aspersão de água em vias não pavimentadas visando a diminuição das partículas em suspensão geradas na movimentação de veículos nestas vias. evitando o carreamento de particulados pelo escoamento superficial.MINA DA MUTUCA . com dique de gabião.Subestação da área auxiliar com um transformador de 750kva.9 . gerenciamento de resíduos sólidos e conforto acústico.ETA A ETA trata uma vazão de aproximadamente 265m³/h de águas captadas em poço tubular localizado na Mina Capão Xavier.1. .Tratamento das águas para consumo humano na Estação de Tratamento de Água.1.Subestação da ITM-S com um transformador de 3.3 . . .VALE S.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 12 .2.5 MVA.Subestações dos prédios. . contemplando 1500 kva. são apresentados a seguir: .Utilização de Caixas Separadoras de Água e Óleo . 2. esta unidade foi licenciada conforme AAF nº 00530/10 e Processo Administrativo nº 10789/2007/002/2010.A. situadas no entorno das áreas operacionais.Estação de Tratamento de Água . 2. Atende atualmente a demanda de 375 funcionários e trata uma vazão média de 2.Estação de Tratamento de Esgotos/Efluentes A ETE da Mina da Mutuca está devidamente licenciada conforme AAF nº 00530/10 Processo Administrativo nº 10789/2007/002/2010.1.Tratamento dos efluentes líquidos sanitários gerados na unidade através de uma Estação de Tratamento de Esgotos . . Conforme mencionado anteriormente. . Água para uso industrial não recebe tratamento.Contenção de sólidos provenientes da casa de transferência PT1. Esta medida de controle foi implantada em atendimento à Condicionante nº 2 do Processo Administrativo nº 035/1989/007/2005.

ar e conforto acústico. com relatórios trimestrais apresentados à FEAM. possui programas de relacionamento com a comunidade visando melhorias na qualidade de vida da população. três vezes a cada semana. eventualidades rapidamente tratadas de acordo com os procedimentos internos da empresa. quando da avaliação de impactos no processo de licenciamento ambiental. em atendimento à Condicionante nº 3 do Processo Administrativo nº 035/1989/007/2005. Como forma de auxiliar o direcionamento das águas pluviais evitando-se o carreamento de sólidos. sendo estas. Não obstante são também apresentados dados de 2010 visando um documento bem atualizado. desta maneira. A qualidade ambiental é verificada mensalmente em relação às águas. Ressalta-se que o documento anexo a esta caracterização corresponde ao Termo de Referência. a empresa procede com trabalhos de reflorestamento das encostas e áreas impactadas. Os sistemas de controle de efluentes líquidos apresentam resultados dentro dos padrões estabelecidos pela legislação. estabelecido pela SEMAD. O mesmo encontra-se devidamente elaborado. 3 .Mina da Mutuca. às condicionantes dos processos mencionados a seguir e. . recuperadas à medida que a atividade no local é findada.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 13 2.Monitoramentos Ambientais . O sistema de drenagem de água superficial é direcionado à Barragem V. de forma cautelosa. em atendimento à Condicionante nº 3 do Processo Administrativo nº 077/1988/009/2002. conforme peculiaridades da Mina da Mutuca. identifica-se a qualidade dos mecanismos socioambientais adotados pela Vale.Monitoramento mensal da qualidade das águas à jusante da Barragem V e no sump da cava. evitando que o sistema produtivo da empresa impacte negativamente o meio ambiente.Monitoramento dos níveis de ruído ambiental emitidos pela TCLD. foram implantadas e operam em conformidade com as legislações vigentes. As medidas propostas.VALE S.MINA DA MUTUCA . Ao analisar o este Relatório de Desempenho Ambiental . Ainda com foco socioambiental. .CONCLUSÃO As informações tratadas no presente documento foram disponibilizadas pela Vale. atendendo. sendo abordada no mesmo a situação do desenvolvimento ambiental da empresa durante o período das licenças. .A. ocorrendo em alguns pontos. sendo o rejeito gerado no beneficiamento mineral disposto na cava exaurida. documento exigido para revalidação de licenças de operação de empreendimentos minerários. esses são apresentados em relatórios trimestrais à FEAM. a Vale.Monitoramentos geotécnicos da cava exaurida. hoje utilizada apenas para decantação de sedimentos.1. . principalmente.4 .

CNPJ (CGC/MF nº): 33. incorporando informações sobre o Fechamento de Mina.º 74/2004): A 05.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 14 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL .UTM LOCALIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: Fazenda da Mutuca Município: Distrito: NOVA LIMA .Y) L G: 20º M: 01’ S: 41’’ X: 608.A.com Telefone: Fax: (031) 3215-3312 (031) 3215-3321 2 .0 .A.MG Caixa Postal: CEP: 34000-000 Endereço eletrônico: mauro.IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR RAZÃO SOCIAL: COMPANHIA VALE DO RIO DOCE NOME COMERCIAL: VALE S.024161-5542 01 Endereço para correspondência (Rua. BR. .VALE S. Distrito: .787/88 Minério de Ferro (explotado nas minas Capão Xavier e Mar Azul) GRUPAMENTO MINEIRO (se houver): 100 CÓDIGO (DN COPAM N. 127/2008) 1 . DNPM Nº: EXPLOTADA(S): 930.MG Telefone: Fax: Correio eletrônico: (031) 3215-3151 (031) 3215-3321 edinilson.A.170 N Fonte: Ano: 2009 N G: 43º M: 57’ S: 38’’ VALE S. Rod.RADA ATIVIDADES MINERÁRIAS Versão 2 (Aprovado pela Câmara de Indústria.IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO NOME: VALE S.785.MINA DA MUTUCA .01.510/0035Inscrição Estadual: 317.. .): Fazenda da Mutuca s/n Município: NOVA LIMA . compl.MINA DA MUTUCA PROC/COPAM/Nº 077/1988/009/2002 Nº CERTIFICADO DA LO A SER REVALIDADA PROC/COPAM/Nº 077/1988/007/2005 (DA ATIVIDADE PRINCIPAL) LO 728 LO 338 ATIVIDADE: BENEFICIAMENTO DE MINÉRIO DE FERRO COM TRATAMENTO A ÚMIDO * Tratamento do minério de ferro explorado na mina Capão Xavier e mina Mar Azul SUBSTÂNCIA(S) MINERAL(AIS) PROC.lobo@vale. Mineração e Infraestrutura do COPAM em 26/05/2009.592. como definido na Deliberação Normativa COPAM n. nº.UNIDADE DE TRATAMENTO DE MINÉRIO .com Coordenadas geográficas (DATUM: Coordenadas geográficas (DATUM: SAD 69) SAD 69) (latitude/longitude) (X.barbosa@vale. Av.A.510 Y: 7.

MINA DA MUTUCA . .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 15 Continuação Bacia Hidrográfica: RIO DAS VELHAS .VALE S.A.RIO SÃO FRANCISCO Sub-bacia hidrográfica: RIBEIRÃO DOS MACACOS Curso d’água mais próximo: CÓRREGO GORDURAS .

1 . o início da atividade licenciada e o funcionamento de seus equipamentos de controle da poluição. .2 . após as verificações necessárias.Licenças de Operação ou Autorizações Ambientais de Funcionamento (AAF´s) já concedidas ao empreendimento cuja LO está em revalidação neste processo Número do Certificado da LO Grupamento Mineiro (se houver) Validade do contrato de arrendamento Processo PA/COPAM/Nº Objeto do licenciamento Disposição de rejeitos na cava exaurida da mina da Mutuca.A 01/05/2037 035/1989/007/ 2005 1071989/2007/ 001/2009 1071989/2007/ 002/2010 LO Nº 338 AAF Nº 03187/09 AAF Nº 00530/10 22/12/2009 07/10/2009 18/02/2010 22/12/2017 4 anos 4 Anos 930.INFORMAÇÕES DOS PROCESSOS JUNTO AO DNPM 3.A - 01/05/2037 - (*) Termo de Concessão de Benefício acrescendo um ano no prazo de licença.LICENCIAMENTO AMBIENTAL . 3. autorizando.Dispensas de licenciamento já concedidas ao empreendimento e que fazem parte deste processo de revalidação Processo PA/COPAM/Nº Número do Certificado 089382/ 2007 Objeto do licenciamento Dispensa de licenciamento referente à linha de transmissão de energia elétrica Data de Concessão Validade Processo DNPM/Nº Regime de Aproveitamento Grupamento Mineiro (se houver) Empresa arrendatária Validade do contrato de arrendamento - - 26/02/2007 26/02/2011 - - - .VALE S.787/88 - 100 Minerações Brasileiras Reunidas S.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 16 3 .787/88 - - 100 - Minerações Brasileiras Reunidas S. Sistema de transportador de correias de longa distância. Funcionamento do empreendimento do posto de abastecimento Tratamento de esgoto sanitário Data de Concessão Validade Processo DNPM/Nº Regime de Aproveitamento Empresa arrendatária 077/1988/009 /2002 LO Nº 728 22/12/2003 22/12/2010 (*) 930.MINA DA MUTUCA .A.

22/06/2009 22/06/2013 - - - - - 17/08/2009 17/08/2013 - - - - - - 230230/ 2010 09/04/2010 09/04/2014 - - - - - - 315950/ 2008 03/06/2008 03/06/2012 - - - - - Data de início de operação do empreendimento: 1961 No caso de arrendamento minerário. . informar as cláusulas relativas ao meio ambiente. Cláusula 3.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 17 Continuação - 292958/ 2009 - 432212/ 2009 Dispensa de licenciamento da unidade de Estocagem de Produtos (LO na PDE Grota Zero) Dispensa de Licenciamento Referente a atividade de armazém para estocagem de equipamentos e peças em geral.Caberá à CVRD solicitar às autoridades competentes as autorizações que se fizerem necessárias para a exploração dos estabelecimentos da MBR indicados no Anexo I.VALE S. Referente ao Posto de Abastecimento (15m³). Anexar cópia do contrato de arrendamento (se for o caso) no Anexo A. Dispensa referente a atividade de estacionamento de caminhões para troca de turnos.A. cabendo à MBR colaborar com a CVRD em tudo o que for preciso neste sentido.MINA DA MUTUCA . .4 .

.com.MINA DA MUTUCA .VALE S.vinhal@vale.com Cargo: Gerente Geral N.º de registro: MG 36773/D Fax: (31) 3215 .º de Registro de classe CREA-MG 102367/D CREA-MG 102490/D N.3312 Endereço eletrônico: mauro.vinhal@vale.º de registro: MG 27549/D Fax: (31) 3215 .3602 Endereço eletrônico: ricardo.3602 Cargo: Gerente Geral N.3321 Responsável técnico pela elaboração do RADA Nome: Fernanda Gotelip Formação profissional: Engenheira Ambiental Telefone: (31) 3071-7028 Endereço eletrônico: fgotelip@brandt.º da ART (apresentar cópia no Anexo B): N.lobo@vale.A.º de registro: CREA MG 27549/D Fax: (31) 3215 .º de registro: CREA-MG 102490/D Fax: (31) 3071-7002 Equipe técnica de elaboração do RADA Nome Sílvia Letícia Batista Maciel Fernanda Gotelip Formação profissional Engenheira Ambiental Engenheira Ambiental N.br N.º ART (apresentar cópia no Anexo B) 51245221 51244772 Assinaturas Responsável legal pelo empreendimento: Data: Responsável técnico pelo empreendimento: Data: Responsável pela área ambiental do empreendimento (se houver): Data: Responsável técnico pela elaboração do RADA: Data: .3602 Endereço eletrônico: ricardo.3602 Responsável pela área ambiental do empreendimento (quando houver): Nome: Mauro Lobo Rezende Cargo: Gerente de Meio Ambiente Formação profissional: Engenheiro Florestal Telefone: (31) 3215 .IDENTIFICAÇÃO DOS RESPONSÁVEIS Responsável legal pelo empreendimento Nome: Ricardo Muniz Freire Vinhal Formação profissional: Engenheiro de Minas Telefone: (31) 3215 .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 18 4 .com N.com Responsável técnico pelo empreendimento Nome: Ricardo Muniz Freire Vinhal Formação profissional: Engenheiro de Minas Telefone: (31) 3215 .

A. (*) Informar todas as autorizações de desmate relacionadas ao empreendimento. . Justifique no Anexo C (X) SIM ( ) NÃO.AUTORIZAÇÕES E ANUÊNCIAS 5.MINA DA MUTUCA . o atual estado de conservação e a respectiva cobertura vegetal.4 ha Data da autorização: 23/07/1993 Validade: Autorização de desmate*: nº 013 Órgão emissor: IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) Área autorizada: 27.1.DCC (Declaração de Colheita e Comercialização de Florestas Plantadas) Área autorizada: Nº de árvores a serem exploradas: 40 Data da autorização: 15/ 06/2009 Validade: 30/11/2009 Apresentar no Anexo C cópia(s) da(s) autorização (ões).1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 19 5 . 5. Unidades de Conservação a) O empreendimento está localizado em Unidade de Conservação? b) O empreendimento está localizado em zona de amortecimento ou no perímetro de 10 km de Unidade de Conservação de proteção integral? c) O empreendimento tem anuência do órgão gestor da Unidade de Conservação? ( ) NÃO (X) SIM ( ) NÃO (X) SIM ( ) NÃO (X) SIM . Desmate ou supressão de vegetação a) O empreendimento realizou desmate ou supressão de vegetação? b) O empreendimento obteve autorização de desmate do órgão competente? c) O empreendimento possui autorização do IBAMA para intervenção em Mata Atlântica? ( ) NÃO (X) SIM ( ) NÃO.2.667 ha Data da autorização: 29/ 08/1994 Validade: Autorização de desmate*: nº 44 Órgão emissor: IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) Área autorizada: 18. Informar no Anexo C o número do registro. Justifique no Anexo C (X) SIM d) Autorização de desmate*: nº 012 Órgão emissor: IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) Área autorizada: 0. e) O empreendimento está localizado em zona rural? ( ) NÃO (X ) SIM f) Possui Reserva Legal Averbada? ( ) NÃO (X) SIM.VALE S.5 ha Data da autorização: 06/11/1991 Validade: Autorização de desmate*: Órgão emissor: IEF (Instituto Estadual de Florestas) .

3. Justifique no Anexo C (X) SIM ( ) NÃO. Nome da Unidade Conservação: APA Sul Proteção integral (X) Uso sustentado ( ) Órgão gestor: Instituto Estadual de Floresta (IEF) Data da anuência: 04/12/2009 Nome da Unidade Conservação: Estação Ecológica Fechos e Estação Ecológica Cercadinho Proteção integral (X) Uso sustentado ( ) Órgão gestor: Estadual de Floresta (IEF) Data da anuência: 04/12/2009 Nome da Unidade Conservação: Parque Estadual do Serra do Rola Moça Proteção integral (X) Uso sustentado ( ) Órgão gestor: Estadual de Floresta (IEF) Data da anuência: 04/12/2009 Nome da Unidade Conservação: Área de Proteção Especial Manancial Catarina Proteção integral (X) Uso sustentado ( ) Órgão gestor: Estadual de Floresta (IEF) Data da anuência: 04/12/2009 Nome da Unidade Conservação: Área de Proteção Especial Manancial Barreiro Proteção integral (X) Uso sustentado ( ) Órgão gestor: Estadual de Floresta (IEF) Data da anuência: 04/12/2009 Nome da Unidade Conservação: Área de Proteção Especial Manancial Mutuca Proteção integral (X) Uso sustentado ( ) Órgão gestor: Estadual de Floresta (IEF) Data da anuência: 04/12/2009 Nome da Unidade Conservação: Área de Proteção Especial Manancial Cercadinho Proteção integral (X) Uso sustentado ( ) Órgão gestor: Estadual de Floresta (IEF) Data da anuência: 04/12/2009 Nome da Unidade Conservação: Área de Proteção Especial Manancial Rola Moça e Bálsamo Proteção integral (X) Uso sustentado ( ) Órgão gestor: Estadual de Floresta (IEF) Data da anuência: 04/12/2009 Nome da Unidade Conservação: Área de Proteção Especial Manancial Fechos Proteção integral (X) Uso sustentado ( ) Órgão gestor: Estadual de Floresta (IEF) Data da anuência: 04/12/2009 5. Justifique no Anexo C (X) SIM ( ) NÃO. captação.A. Uso de água a) O empreendimento realizou bombeamento. derivação de águas superficiais/subterrâneas? b) O empreendimento realizou lançamento de efluentes em corpos d’água superficiais? c) O empreendimento tem a outorga emitida pelo órgão competente? ( ) NÃO. . .MINA DA MUTUCA .VALE S.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 20 Continuação d) Anuência do órgão gestor da Unidade de Conservação: Apresentar no Anexo C cópia(s) da(s) autorização (ões). Justifique no Anexo C (X) SIM.

do dia 15/01/2009. NÃO SE APLICA .000. solicitado em 11/06/2006. do dia 02/10/2008. referente a poço profundo localizado na Mina da Mutuca.IGAM .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 21 Continuação d) Órgão responsável pela outorga: Instituto Mineiro de Gestão de Águas .Poço de Rebaixamento de Capão Xavier (*) Volume outorgado: 1. pois o poço encontra-se inoperante. Ocorrências de estruturas relevantes na área onde está situado o empreendimento ( ) Área Cárstica ( ) Cavidade natural subterrânea (cavernas.0 l/s Data da outorga: 09/03/2004 Validade: 20/02/2009 (*) (*) Entrega de documentos nº 910512/2009. Protocolo nº 910504/2009.A. 5. ( ) SIM.Sump Cava Mina da Mutuca Volume outorgado: 265. com Requerimento de Renovação de Outorga de Direito de Uso das Águas. apresentar. com Requerimento de Renovação de Outorga de Direito de Uso das Águas. (**) Para cadastro de outorga nº R 66218/2008. IEPHA.0 m³/h Data da outorga: 15/12/2003 Validade: 11/12/2008 (*) Entrega de documentos nº 665352/2008. Descrever: NÃO SE APLICA a) O empreendimento possui anuência dos órgãos competentes para intervenção nas áreas com esta(s) ocorrência(s) (IBAMA. Órgão responsável pela outorga: Instituto Mineiro de Gestão de Águas .) ( ) Dolinas/sumidouros ( ) Rios subterrâneos ( ) Sítios arqueológicos/paleontológicos ( ) Fósseis ( ) Outras estruturas relevantes. IPHAN)? NÃO SE APLICA ( ) NÃO. Órgão responsável pela outorga: Instituto Mineiro de Gestão de Águas .IGAM . foi enviado ofício à SUPRAM solicitando o cancelamento deste cadastro. Protocolo nº 665345/2008.IGAM .MINA DA MUTUCA .VALE S. Relatório Espeleológico da Área Indiretamente Afetada e Relatórios Arqueológico e Paleontológico da área diretamente afetada.0 m³/h Data da outorga: 12/06/2006 Validade: 02/06/2011 (*) Outorga de rebaixamento de NA localizada na Mina Capão Xavier utilizada para abastecimento também da Mina da Mutuca. grutas. etc.4. . Data da anuência: ___/___/___ ( ) Em andamento Data do protocolo ___/___/__ b) No caso da existência de qualquer uma das ocorrências listadas anteriormente. no Anexo C.Córrego Gordura Volume outorgado: 36. abrigos.

estruturas de pilhas de estéril e barragem de rejeitos. objeto do processo de revalidação da Licença de Operação.ATUALIZAÇÃO DE DADOS 6.próximos 06 anos Área de reabilitação projetada: .º Turnos: 4 Horas/dia: 24 (4 turnos de 6 horas.2. O minério bruto é proveniente das Minas Mar Azul e Capão Xavier.5 Frentes de lavra Área já lavrada (*) A Cava da Mina da Mutuca encontra-se exaurida Área do título de lavra 121.75 79 Área em reabilitação 45 NÃO SE APLICA Áreas não reabilitadas (passivo) NÃO SE APLICA Área projetada para lavra: NÃO SE APLICA . Área do empreendimento (em ha): O empreendimento.próximos 06 anos: 120 ha 6.12 Área reabilitada 22. Na área de instalação da ITM não existem áreas de lavras em operação.92 100.8 . Regime de Operação: N.57 75.57 Formação Vegetal suprimida Mata Mata Área 19.próximos 04 anos: 80 ha . Quadro quali-quantitativo Apresentar no quadro abaixo todas as atividades/estruturas e a tipologia vegetal existente antes da sua implantação.23 Área total impactada 90.92 100.4. Área de servidão (não abrangida pelo título de lavra) 137. é representado pela Instalação de Tratamento de Minérios da Mina da Mutuca.8 Campo Campo 75. cada) Dias/mês: 30 Meses/ano: 12 6.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 22 6 .1.A.VALE S.3. Atividade/Estrutura Beneficiamento Sistema de contenção de sedimentos pluviais e águas residuais Contenção de Rejeitos Depósito de Resíduos (**) Denominação ITM Mutuca Barragem nº 5 Cava Exaurida da Mutuca Pilha de Estéril Área 19.próximos 04 anos: . .3 58. Mão-de-obra: a) Número total de empregados: 375 Produção: 264 Administrativo: 46 b) Número total de trabalhadores terceirizados: 65 6.MINA DA MUTUCA .3 58.

1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 23 Continuação Unidade Administrativa Apoio Operacional Unidade Administrativa Unidade de Apoio Operacional 1. . .A área de risco definida no estudo de análise de riscos de acidentes.Os pontos de amostragem de água e de ar.A.75 Campo Campo 1. Ampliação/modificação do empreendimento a) Houve ampliação da capacidade produtiva ou modificações de processos durante o período de validade da LO vincenda? ( ) SIM (X) NÃO b) Caso positivo. para essa finalidade. a área que for maior (caso seja conveniente.6.000 t/ano Produção Bruta (ROM): NÃO SE APLICA Produção atual: 10. Planta de localização a) Apresentar. .500. .Os limites do empreendimento. (**) Estrutura utilizada para a disposição de rejeitos domésticos não recicláveis. RPPN’s. Planejamento do Fechamento de Mina . caso tenha sido efetuado pelo empreendedor.75 (*) Caso não se tenha os registros. . DN COPAM nº.5.Cavidades subterrâneas (NÃO SE APLICA). 6. .200.Unidades de Conservação. enfatizando os aspectos ambientais inerentes. em escala adequada (sugere-se a escala de 1:25. 6. poderá ser apresentado em planta separada.MINA DA MUTUCA . .25 3.000 t/ano 6. 127/2008. 127/2008 a) Data prevista para o início do descomissionamento da atividade: b) Data prevista para o fechamento da mina: (*) De acordo com legislação vigente. 6.000).25 3. na mesma escala) (NÃO SE APLICA).9.7.O(s) corpo(s) hídrico(s) receptor(es) do(s) efluente(s) final(is) e o(s) respectivo(s) ponto(s) de lançamento. apresentar no Anexo D uma descrição da ampliação/modificação ocorrida. Vida útil (conforme Plano de Lavra vigente): 2019 6. no Anexo D. áreas de Reserva Legal (medida compensatória ou não) que se encontrem dentro do limite legal.Mananciais de abastecimento.As unidades de produção. Capacidade Produtiva Capacidade instalada de beneficiamento: (UTM) 11. de apoio e de estocagem de insumos e produtos. esses valores poderão ser inferidos.DN COPAM nº. para fins de monitorização dos padrões de qualidade. uso e ocupação do solo (incluindo o entorno) e vias de acesso. . planta de localização do empreendimento. o referido plano será apresentado dois anos antes do fechamento da unidade operacional. .8.VALE S. destacando: . prevalecendo.

unidade.A.49 m³ Água Floculante Diesel Gasolina Anel de vedação Pneu estrada Pneu construção Lubrificantes 6. . . .11.030 23. como escritórios.246. em escala adequada. .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 24 Continuação b) Apresentar no Anexo D. .00 und 5.Pontos de geração de esgotos sanitários.692 219.300 29.00 und 4.VALE S.880 .Pontos de captação de água. . Goodyear Michellin.Estocagem de resíduos sólidos. refeitórios e outros.3 litros 18.) Máximo Atual 9.497 Atual (t) 129.12.00 litros 6.442.00 und 4. emissões atmosféricas. . Bridgeston.Áreas com passivo ambiental (NÃO SE APLICA). .Diques de contenção (em operação e/ou desativados).849. Produtos Especificar cada produto. Insumos Identificação (nome e composição) Fornecedor(es) Poço tubular e recirculação da Barragem V Ashland Especialista Química Ltda. Bridgeston.Barragens de contenção de rejeitos (em operação e/ou desativadas). planta de detalhe da área do empreendimento. .Áreas de lavra e de avanço de lavra projetada para o horizonte de 04 e 06 anos (NÃO SE APLICA).10.867. Lump Ore Hematitinha Sinter Feed Produção mensal (t. unidade.Sistemas de tratamento de efluentes sanitários e industriais.00 und 3. m3. . Goodyear Shell Consumo mensal (t. efluentes líquidos. . 6. pátios de estocagem de insumos e produtos.600. .86 kg 799.Instalação de beneficiamento. oficinas.00 litros 8. . de resíduos sólidos e de emissão de ruídos.Pilha(s) ou depósito(s) de estéril e rejeito. o fluxograma do processo produtivo.00 und 3. no Anexo D. etc.213.29 m³ 342. (*) O ponto de captação de água em poço tubular está localizado na Mina Capão Xavier.MINA DA MUTUCA . m³. destacando quais são os principais e quais são os secundários.Edificações de apoio.107 litros 1.Drenagem das águas pluviais e efluentes. contando entre outros os seguintes elementos: .Áreas reabilitadas. em reabilitação e projetadas para reabilitação no horizonte de 04 e 06 anos. 6.020 307. sendo assim o mesmo não foi apresentado nas plantas do Anexo D. . Fluxograma: Apresentar.00 und 4 m³ 8.514. etc.Barragens de abastecimento.000 m³ 400 kg 1. Petrobras Petrobras Vedabras Michellin.) Máxima (t) 136.

O minério beneficiado no local é proveniente das minas Capão Xavier e Mar Azul. Alimentador vibratório Britador Mandíbula Britador Cônico Empilhadeira radial 27EM01 Empilhadeira radial CSF Peneira vibratória Silo Transportador correia 27-TC-06 Transportador correia 800X97200MM Transportador correia 27TC-08-800X107000MM Transportador correia 27-TC-09 Transportador correia TC-10-800X37500MM Transportador correia 27-TC-11-800X44400MM Transportador correia 27-TC-12 Transportador correia 27-TC-13 Transportador correia 27-TC-14 Transportador correia LO Transportador correia rejeito Transportador correia recebe do BR19 04 02 01 01 01 01 01 05 03 01 01 01 01 01 03 01 01 01 01 01 01 01 01 01 01 01 01 01 01 01 01 01 01 01 01 . Equipamentos (*) Na unidade da Mina da Mutuca não é exercida a atividade de lavra.418 153.III . Método de lavra: Descrição sumária do(s) método(s) de lavra utilizado(s): Não de aplica. 6.13.513 270. Identificação Quantidade/Equipamento Separadores Magnéticos Peneiras vibratórias Ponte rolante TK4200H1804/11E 20 ton KOCH Talha elétrica EKPJ40GJOH17L411 .2.553 204.MINA DA MUTUCA .1.13.TIPO B . O minério beneficiado na unidade da mutuca é explotado nas Minas Mar Azul e Capão Xavier.10 ton DEMAG Tanque Agitador Bombas de polpa Bombas polpa Vertical Espessador concentrado . O minério beneficiado na unidade da mutuca é explotado nas Minas Mar Azul e Capão Xavier.VALE S.5 ton DEMAG Talha elétrica EKPJ40GJOH17L411 . .132 Não de aplica.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 25 Continuação Coarse Sinter Feed Pellet Feed Fines 6.diâmetro 25 m Gerador BORDAMATIC . 6.LDE Subestação Elétrica Transformador potencial Talha elétrica EKPJ40GJOH17L411 Amostrador CROSS BELT Amostrador S2H-16. Lavra ( ) Céu aberto ( ) Subterrânea ( ) Outras (citar): 393.A.13.1/2in.

MINA DA MUTUCA . Unidades de apoio (X) Oficinas (X) Posto de combustível (X) Pátio de resíduos (X) Almoxarifado (X) Restaurante (X) Escritório (X) Estradas/Acessos/Ferrovias (X) Subestação (X) Estação de Tratamento de Água (X) Estação de Tratamento de Esgotos/Efluentes (X) Adutora ( ) Alojamentos ( ) Viveiros (X) Outros (citar): Usina de Beneficiamento de Minério 6.15. . Rebaixamento do nível das águas subterrâneas a) Informar cota atual do nível freático: NÃO SE APLICA. (*) Piezômetros PZ12/98 e PZ14/99 instalados para análise do nível do NA na área não estão sendo monitorados. b) Houve rebaixamento do nível das águas subterrâneas? (X) NÃO ( ) SIM c) O rebaixamento do nível das águas subterrâneas foi contemplado nos estudos ambientais da licença vincenda? (X) NÃO ( ) SIM d) Existe outorga do IGAM? (X) NÃO ( ) SIM.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 26 Continuação Transportador correia recebe do TC26 Transportador correia Talhas elétricas EKP140G10H17L4/1 Agitadores DP-50 Bombas de água Bombas dosadoras DMP-01-52-BG-02A/02S Bombas de água EHF-100-32S Bombas de água Talha elétrica EKP140G10H17L4/1 Compressores Rollair -125-125 Carregadeiras Caterpillar 980G Carregadeiras Caterpillar 980G (terceiros) Carregadeiras Caterpillar 966G (terceiros) BOBCAT Retro escavadeira 580H CASE Retro escavadeira de esteira Fiat-Allis FH 270 Retro escavadeira Caterpillar (terceiros) Caminhões traçados (terceiros: Mecma Transportes) 01 01 02 02 03 02 04 07 01 03 03 02 02 01 01 01 01 10 6.VALE S. Informar portaria:________________________ .14.A.

gov.Preencher o cadastro de barragem disponível no Banco de Declarações Ambientais.17. dados de monitoramento e análises de documentos de projeto disponibilizados.MINA DA MUTUCA .meioambiente. Peneiramento. Concentração de grossos e Filtragem 6.5x106 m3 Conclusão sobre a estabilidade: De acordo com as inspeções realizadas. pois o processo de recadastramento anual da barragem foi feito em meio físico.738 m² Reservatório Volume: 7.mg. disponível em http://sisema. . Barragem(s) e Dique(s) (Conforme ABNT 13028) Denominação: Barragem V Situação: (X) Em operação ( ) Retomada ( ) Desativada Nome: Tercam Engenharia Data da obra: 1986 Responsável Técnico: Dinésio Franco Empresa construtora Nome: U & M Mineração e Construção Data da obra: 1993 Responsável Técnico: Dinésio Franco ( ) Sim.br Cadastramento (Deliberação Normativa 87/2005) (X) Sim Nº Cadastro: (**) Classe: III (*) Estas informações devem ser repetidas quando necessário (um quadro para cada barragem e/ou dique) (**) O número de cadastro de barragens não foi informado. foi constatado pela consultoria Pimenta de Ávila que a estrutura se encontra em condições adequadas de segurança quanto Relatório de Auditoria de Segurança: ao dimensionamento das estruturas hidráulicas e quanto a estabilidade física do maciço.A.VALE S. .16. Processamento mineral (X) Classificação (X) Ciclonagem (X) Flotação ( ) Lixiviação em pilhas ( ) Cianetação (X) Concentração gravimétrica (X) Métodos eletromagnéticos (X) Deslamagem (X) Outros (citar): Britagem.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 27 Continuação 6. PA/COPAM/Nº Licenciada individualmente: (X) Não (X) Decantação/contenção de sedimentos Utilização: ( ) Abastecimento ( ) Rejeito Altura: 54 m Comprimento: 600 m Maciço: Volume: 410.000 m³ Área: 282. Data: 03/09/2009 Responsável técnico (auditor): Joaquim Pimenta de Ávila ( ) Não .

18.0 m³ Ângulo geral: 2.VALE S.00 m Sistema(s) de drenagem(s) periférica: A drenagem é feita ao longo das bermas. PA/COPAM/Nº Licenciada individualmente: (X) Não Utilização: (X) Estéril ( ) Rejeito Volume: 200.MINA DA MUTUCA . Essa erosão foi formada pelas chuvas recentes e está facilitando o intenso carreamento de material da pilha para o reservatório da B5.00 m² Volume de estéril/rejeito já disposto: 67. pela empresa de Consultoria Pimenta de Ávila. Área: 15 ha Volume de estéril/rejeito já disposto: 13. A maior parte do fluxo do corpo da pilha é direcionado para oeste/sudoeste.5 m³ . implantado no limite sul/sudoeste da pilha.20.6H:1V Ângulo individual dos taludes: 2H : 1V Inclinação Longitudinal: 1% Bermas: Inclinação Transversal: 5% Largura: 7.0% Bermas: Inclinação Transversal: 3% Largura: 7 a 10 metros Geometria: Número: 6 a 8 Bancos: Altura: 10.00 m Número: 13 Geometria: Bancos: Altura: 20.0 m3 Ângulo geral: 2. onde deságua em um canal periférico que conduz o fluxo em direção à Barragem V. . não foram observadas trincas e zonas com escorregamentos significativos. Data: 27/11/2008 Responsável técnico: Joaquim Pimenta de Ávila Denominação: Pilha Grota 1 Situação: ( ) Em operação ( ) Retomada (X) Desativada ( ) Sim. Pilha(s)* (ABNT 13029) Denominação: Pilha Grota Zero Situação: (X) Em operação ( ) Retomada ( ) Desativada ( ) Sim. intenso processo erosivo está ocorrendo na grota situada na parte leste da pilha e em uma erosão que atingiu dois a três bancos situados logo acima do reservatório da Laudo geotécnico Barragem V.00 .A. Contudo. Área: 55.6H : 1V Ângulo individual dos taludes: 2H:1V Inclinação Longitudinal: 0. direcionando parte do fluxo de água para a Pilha de Estéril Grota 1 e parte para o canal periférico de concreto.5% 1. PA/COPAM/Nº Licenciada individualmente: (X) Não Utilização: (X) Estéril ( ) Rejeito Volume: 180.70 m³ Conclusão sobre a estabilidade: Na auditoria realizada para a Fase III do projeto.00 metros Sistema(s) de drenagem(s) periférica: A drenagem é feita ao longo das bermas.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 28 Continuação 6.

de um modo geral.5H:1V Ângulo individual dos taludes: 2H : 1V Inclinação Longitudinal: 1% Bermas: Inclinação Transversal: 5% Largura: 7 m Número: 8 Bancos: Geometria: Altura: 20 m Sistema(s) de drenagem(s) periférica: A drenagem ao longo das bermas é protegida com laterita ou feita em canaletas de concreto. córregos. represas.88 Não se aplica 318.0 m³ Ângulo geral: 2.54 Não se aplica 318.(Citar nome): (X) Lagos.(Citar nome): Barragem V ( ) Rede pública . não se espera qualquer condição adversa.672 Médio Não se aplica Não se aplica Não se aplica 303.1. por vezes interferindo com o Laudo geotécnico sistema de drenagem superficial.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 29 Continuação Laudo geotécnico Conclusão sobre a estabilidade: De acordo com relatório emitido em 2008 pela Consultoria Pimenta de Ávile. Área: 11 ha Volume de estéril/rejeito já disposto: 9 m³ Conclusão sobre a estabilidade: De acordo com a empresa responsável pela emissão de laudo geotécnico.19. apesar de não ter sido executada investigação geotécnica na área da Pilha Grota 1. Apesar de não comprometerem a estabilidade da pilha.MINA DA MUTUCA . etc.Pimenta de Ávila Consultoria Denominação: Pilha Grota Dois Situação: ( ) Em operação ( ) Retomada ( ) Desativada (X) Paralisada ( ) Sim. Em pontos localizados. Água a) Fonte(s) e/ou fornecedor(es) ( ) Poço ( ) Nascente ( ) Rios. recomenda-se a recomposição dessas erosões. PA/COPAM/Nº Licenciada individualmente: (X) Não Utilização: (X) Estéril ( ) Rejeito Volume: 220. Mais de uma opção poderá ser marcada para cada item) 6. A maior parte do fluxo do corpo da pilha é direcionada para sudeste.VALE S. já que o terreno é semelhante aos dos vales adjacentes. a aparência da pilha é bastante satisfatória.465. foram observadas erosões de pequeno porte ao logo das bermas. onde deságua em um canal periférico que conduz o fluxo em direção à Barragem V.Concessionária: (X) Outros (Especificar): Sump (cava exaurida Mina da Mutuca) Consumo (m³/mês) Máximo Não se aplica Não se aplica Não se aplica 448. As faces dos taludes encontram-se tomadas por capim e árvores de pequeno e médio porte.A. Data: 27/11/2008 Responsável técnico: Joaquim Pimenta de Ávila . . Utilidades (Marcar um “x” nos parênteses correspondentes à situação do empreendimento.672 . etc.19. Data: 27/11/2008 Responsável técnico: Joaquim Pimenta de Ávila *Essas informações devem ser repetidas quando necessário (um quadro para cada pilha) 6.166.

788 Não se Não se aplica Não se aplica aplica c) Descrever o tipo de tratamento da água executado pelo empreendimento (se aplicável. .567 Não se aplica 4. máximo 5 linhas. 6.240 3.A.000 57. refeitório.788 18.3.MINA DA MUTUCA .00 Consumo médio mensal (kWh): 1.950.000 74.969 (X) Lavagem de pisos e equipamentos de uso industrial 4.33 Potência instalada (kWh) ( ) Hidrelétrica ( ) Termoelétrica / Especificar combustível: ( ) Gerador / Especificar combustível ( ) Co-geração ( ) Outras (especificar) 6. etc) ( ) Outros (Especificar): Não se aplica 18.826. Energia Elétrica Concessionária: CEMIG Geração Própria: NÃO SE APLICA Demanda contratada (kWh): 2.254 Não se aplica 4. Energia térmica (caldeiras. fornalhas e similares) NÃO SE APLICA a) Equipamento de geração Capacidade nominal (kcal/h): .67 (X) Aspersão/desempoeiramento (X) Resfriamento e refrigeração ( ) Produção de vapor (X) Consumo humano (sanitários.VALE S. fonte 10): Sistema de filtragem e cloração para água de consumo humano.534. aquecedores de fluido térmico.19.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 30 Continuação b) Finalidade do consumo Quantidade (m³/mês) Máxima Média Origem Água recirculada do sistema de espessamento.238 (X) Incorporação ao produto 54.081.837.204 59.2. considerando que a água para esta finalidade é captada em poço na área da Mina Capão Xavier.000.19. sump da cava e da Barragem V Água recirculada do sistema de espessamento Água recirculada do sistema de espessamento Poço Tubular de Capão Xavier Barragem V e Sump da cava da Mutuca Não se aplica Sistema de Tratamento de Água (X) Processo industrial 65.984 42.000. fornos.

1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 31 Continuação b) Combustíveis Tipo ( ) Óleo combustível tipo ( ) Óleo combustível tipo ( ) Lenha ( ) Gás Natural ( ) Outros (especificar): 6.19. Eficiência Energética Apresentar.19. proposta de cronograma para elaboração.02 unidades Capacidade nominal 200 l (cada) 500 l (cada) 400 l (cada) 700 l (cada) 1000 l (cada) 250 l (cada) 1600 l (cada) 6.MINA DA MUTUCA . .VALE S. Sistemas de resfriamento e refrigeração Tipo Balcão Refrigerado .4.NÃO SE APLICA Equipamento de geração Consumo (m³/h) Máximo Média Fornecedor(es) Capacidade nominal 6. b) Estas instalações foram objeto de licenciamento ambiental? ( ) NÃO (X) SIM. a avaliação da variação do consumo de energia elétrica e de combustíveis pelo empreendimento no período correspondente a licença vincenda. ( ) SIM. Número do processo de regularização ambiental: Autorização Ambiental de Funcionamento AAF Nº 03187/2009 6. apresentação à FEAM e execução de projeto visando às adequações necessárias. Ar comprimido .A. Apresentar. .03 unidades Geladeira tipo balcão referigerado .20.º 273/2000? ( ) NÃO (X) SIM e estão adequadas aos requisitos da resolução.02 unidades Geladeira vertical 04 portas .04 unidades Passtrougt Refrigerado .02 unidades Freezer . incluindo comentários e justificativas pertinentes nos últimos dois anos. mas não estão adequadas aos requisitos da resolução.01 unidades Geladeira doméstica .6.01 unidade Câmara Frigorífica . no Anexo D. Instalações de abastecimento de combustíveis a) Existem no empreendimento instalações enquadradas na Resolução CONAMA n.5.19. no Anexo D.

7 4. etc. 7.26 (**) ETE Gorduras Esgoto sanitário administrativa e Classe II Almoxarifado (*) Rede pública (especificar a concessionária).Barragem V Data de envio do último formulário eletrônico: Março/2009 N.(citar nome e enquadramento. Emissões atmosféricas NÃO SE APLICA Vazão Emissão Origem (Nm³/h) Máxima Sistema de controle Média Ponto de lançamento 7. incluindo comentários e justificativas pertinentes. considerando 70 litros /dia / funcionário. disponível em http://sisema.A. solo (identificar área). sendo os mesmos. recolhidos pela COPASA.gov. do protocolo gerado no BDA*: CP0017542010 . gráficos que demonstrem a variação da carga poluidora bruta dos efluentes líquidos no período correspondente a licença vincenda.62 Sistema de controle Separador Físico Separador Físico Separador Físico Lançamento final (*) Córrego Gorduras Classe II Córrego Gorduras Classe II Córrego Gorduras Classe II Escritórios.VALE S. posteriormente.2.Estação de tratamento de efluente industrial da Oficina Central da Mutuca Data de envio do último formulário eletrônico: Março/2009 N. incluindo comentários e justificativas pertinentes. (**) Vazão estimada conforme NBR ABNT 7229/1993. segundo a Resolução Conjunta COPAM/CERH 01/08). outros (especificar). Área 0.7 4. no Anexo E.Estação de tratamento de efluente industrial da Oficina Posto Abastecimento * BDA: Banco de Declarações Ambientais.9 7078. .1. Efluentes líquidos Despejo Óleos e Graxas (Oficina Central) Óleos e Graxas (Posto de Abastecimento) Barragem V (Córrego Gorduras) Origem Caixa Separadora de Água e Óleo Caixa Separadora de Água e Óleo Drenagem superficial Vazão (m³/dia) Máxima Média 0.mg. Córrego Refeitório. do protocolo gerado no BDA*: CP0017122010 . rios.2. Atualmente utilizada para armazenamento de efluentes. Tabela 1.2. Avaliação da carga poluidora atmosférica Apresentar.1. Declaração de Carga Poluidora Data de envio do último formulário eletrônico: Março/2009 N.1.62 0.ASPECTOS AMBIENTAIS 7.26 (**) 0. Avaliação da carga poluidora líquida NÃO SE APLICA Apresentar. gráficos que demonstrem a variação da carga poluidora bruta das emissões atmosféricas no período correspondente a licença vincenda.br 7. lagos. do protocolo gerado no BDA*: CP0017082010 . Estação de Tratamento de Esgotos Sanitários desativada desde 2007. .1. no Anexo E.MINA DA MUTUCA . represas.meioambiente. 7.9 7078.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 32 7 .1. córregos.

19 0.03 0. .3.19 0.002 0. Resíduos sólidos Resíduo Aço Inox Areia. Manutenção e Limpeza de CSAO e Oficina Manutenção Escritórios Manutenção TCLD Manutenção Manutenção Geração (t/mês) Máxima 0. tratamento de minério e apoio.68 0.52 5.39 1.004 Classe II A Não Inerte Classe I Destinação Final (*) Reciclagem Incineração Baterias 0.0015 Classe I Classe I Coprocessamento Descontaminação e reciclagem dos elementos constituintes Coprocessamento Lodo 0.0013 15.11 0. movimentação de produtos.0008 Reciclagem 0.03 Área de apoio 5.34 Classificação NBR10. Pilha de Estéril ou incineração (madeira tratada) Coprocessamento 0.017 0.34 Média 0. movimentação de produtos.97 2.87 0.A.085 0. operação de mina. Manutenção Área de apoio e manutenção Estação de Tratamento de Efluentes Industriais 0.0013 15.8 0.2 Classe I Classe IIB Inerte Classe I Classe IIB Inerte Classe II A Não Inerte Classe I Coprocessamento Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem.8 0.VALE S.MINA DA MUTUCA .18 0.01 0.45 Classe IIB Inerte Classe IIB Inerte Aterro Industrial EPI Contaminado Área operacional Oficina central.015 Classe I Coprocessamento Graxa Lâmpada Fluorescente 0.18 Classe I . manutenção de equipamentos e operação de mina.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 33 7. tratamento de minério e apoio.085 Classe I Devolução ao fornecedor ou Reciclagem Borra Oleosa Borracha em tiras Cartucho de tinta e tonner para impressoras Correia transportadora sem alma de aço Dormente não contaminado Elemento filtrante de filtro de óleo Embalagens diversas de alimentos misturados com papéis e plásticos não contaminados EPI não contaminado 9. solo ou brita contaminados com óleos e graxas Origem Área de manutenção Área de manutenção Oficina central.2 7.11 0.

1 0.008 Classe II A Não Inerte Classe II B Inerte Reciclagem Aterro Industrial Doação para ASCAP Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima Atividades de apoio 0. papel.VALE S. .001 Classe II B Inerte Lixo comum 2.MINA DA MUTUCA . tubos.28 20.16 1.22 102.04 0.008 4.0015 24.26 1 .76 38.09 Classe I Re-refino ou fabricação de ANFO Devolução ao fornecedor ou Reciclagem Reciclagem Descontaminação e reciclagem dos elementos constituintes Compostagem ou Aterro Industrial Compostagem ou Pilha de Estéril Coprocessamento Pilha de Estéril Aterro Industrial Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou reprocessamento Pilhas Pneus Embalagem de produtos químicos/reagentes Resíduo de Alimentação Resíduo de Poda Resíduos de varrição contaminados com óleo e graxa Resíduos de limpeza e varrição não perigosos Resíduos Sanitários Sucata de Aço Sucata de Alumínio Sucata de Bronze Sucata de Ferro Sucata de Manganês Trilho Ferrovia 0.83 1 Classe I Classe II B Inerte Classe I Classe IIA Não inerte Classe IIA Não inerte Classe I Classe IIA Não inerte Classe IIA Não inerte Classe II A Não Inerte Classe II B Inerte Classe II B Inerte Classe II A Não Inerte Classe II B Inerte Classe II A Não Inerte 6.2 3.001 0. plástico. tiras e juntas Mistura de diferentes tipos de papel e papelão Mistura de embalagem.6 1.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 34 Continuação Madeira Mangueiras. mangotes.4 0.13 5.84 0.97 0. papelão e borracha não contaminados com produto perigoso Óleo lubrificante usado Resíduos de embalagens Manutenção 15.76 265.0015 12.6 1 0.95 5.02 0.8 Classe II A Não Inerte Aterro Sanitário Movimentação de produtos e oficina de manutenção Manutenção Oficina de manutenção Laboratório Restaurante Limpeza e manutenção de áreas verdes Oficinas Áreas Industriais Sanitários Manutenção Manutenção Manutenção Manutenção Manutenção Manutenção 1.56 0.9 0.A.28 1.6 1 0.071 0.89 4.02 0.5 0.

Ruídos Ponto de geração (equipamento. Vibrações . compostagem.1.5 1. land farming.A. aterro sanitário. doação (especificar fim). reciclagem. . incineração. no Anexo E.) No ponto da empresa Data da medição Ação de controle adotada (caso aplicável) (*) Não se aplica o monitoramento do parâmetro vibração na área do empreendimento. saída para o Rio de Janeiro-RJ 7. incluindo comentários e justificativas pertinentes.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 35 Continuação Resíduos de serviços de saúde Atividades de apoio 1.3. coprocessamento. outros (especificar).5 Classe I Incineração (*) Aplicação no solo. processo. Na divisa processo. etc.MINA DA MUTUCA .2.VALE S. do protocolo gerado no BDA*: RM0000092009 * BDA: Banco de Declarações Ambientais disponível.br 7. aterro industrial.4. pois na Mina da Mutuca não existe atividade de explotação de minério. Inventário de Resíduos Sólidos Minerários Data de envio do último formulário eletrônico: 01/07/2009 N.2 Datada medição 06/08/2007 Ação de controle adotada (caso aplicável) NÃO SE APLICA (*) Influência de ruído da BR-040.) USINA Nível máximo de emissão detectado (dB) No ponto 70 (*) Na divisa da empresa 64. uso como combustível. etc. gráficos que demonstrem a evolução do gerenciamento dos resíduos sólidos gerados no período correspondente à licença vincenda.gov.mg. em http://sisema. reutilização. .meioambiente. aterro controlado.3.NÃO SE APLICA Nível máximo de emissão detectado (mm/s) Ponto de geração (equipamento. 7. Avaliação do gerenciamento de resíduos sólidos Apresentar. 7.5.

limita-se à área do empreendimento não repercutindo a longas distâncias. Impactos ambientais e medidas de controle a) Descrever os impactos ambientais significativos previstos quando do licenciamento ambiental e a avaliação da efetiva implementação e eficiência das medidas de mitigação e controle propostas. Data de envio do cadastro eletrônico: ___/___/___ N.meioambiente.AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS SISTEMAS DE CONTROLE AMBIENTAL 9.A.NÃO SE APLICA Apresentar.gov. 2) Informar os números de protocolo de todos os cadastros de áreas suspeitas de contaminação ou contaminadas enviados ao órgão ambiental.1. a avaliação da situação atual dos passivos ambientais e áreas impactadas identificadas e notificadas à FEAM. A geração de poeira durante o processo produtivo é mínima.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 36 8 . As ações e procedimentos adotados e implementados pela VALE possibilitam um controle eficaz na emissão de particulados. Além dos aspersores foi implantada cortina arbórea no entorno do empreendimento Mina da Mutuca para minimizar o impacto que esta emissão atmosférica poderia causar no entorno da área. incluindo a descrição das medidas de controle já adotadas e os resultados obtidos e/ou os projetos e ações ainda em curso. Impactos previstos no PCA elaborado para o licenciamento da Planta de Beneficiamento da Mina da Mutuca . 9 .GERAÇÃO DE POEIRA: A poeira gerada na área é devida a movimentação de veículos e equipamentos nas vias de acesso à planta e pela descarga de minérios nos silos alimentadores.MINA DA MUTUCA . Apresentar no Anexo F a descrição desses passivos ou áreas. realizada por caminhões-pipa e por sistemas de aspersão fixos. .: 1) As áreas correspondentes a passivos ambientais e áreas impactadas identificadas neste item deverão ser computadas no item 6. nesta última em decorrência principalmente da utilização de peneiras vibratórias. Situação atual . no Anexo F.PASSIVOS AMBIENTAIS E ÁREAS IMPACTADAS 8.Projeto de Separação Magnética.NÃO SE APLICA O empreendedor tem conhecimento sobre passivos ambientais e áreas impactadas pela atividade mineradora que ainda não tenham sido notificados à FEAM? ( ) NÃO ( ) SIM. e ao longo de todo o processo de operação do empreendimento: 1 . uma vez que ele se dá por via úmida. do protocolo gerado no BDA*: _______________ * BDA: Banco de Declarações Ambientais. . com o Processo Administrativo 077/1988/004/2000.VALE S.3. Preencher o cadastro eletrônico disponível no BDA* ( ) SIM. no entanto. bem como o prazo para apresentação de projeto e implantação das medidas corretivas e/ou mitigadoras pertinentes. As áreas suspeitas de contaminação e contaminadas já foram declaradas ao órgão ambiental? ( ) NÃO.br Obs.2. 8. 2 . Passivos e áreas impactadas não declaradas .RUÍDOS: A emissão e a geração de ruídos do empreendimento ocorrem nas fases de carga. O ruído.mg. disponível em http://sisema. As medidas de mitigação previam a aspersão contínua de água nas vias de circulação e no pátio da planta de beneficiamento. transporte e concentração do minério.1.

VALE S.A. - MINA DA MUTUCA - 1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA

37

Continuação

A medida mitigadora prevista para a saúde ocupacional dos funcionários em relação ao ruído é o controle através do uso de EPI’s, regulados de acordo com as Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho. O ruído ambiental na área é mitigado e/ou controlado através da constante regulagem/manutenção preventiva dos equipamentos operados e monitoramento dos níveis acústicos na área. O ruído é controlado através de monitoramento ambiental com pontos distribuídos nos bairros vizinhos ao empreendimento. Estes pontos foram locados na área de influência das atividades de operação dos Transportadores de Correia de Longa Distância (TCLD`s), os quais transportam o minério de ferro entre a Mina da Mutuca e o Terminal Ferroviário Olhos d`Água (MUT-TOD). Tais medidas vêm se apresentando satisfatórias. Os resultados desses monitoramentos podem ser analisados no Anexo H deste documento. 3 - EFLUENTES LÍQUIDOS: O empreendimento em questão apresenta os seguintes efluentes, resultantes de sua operação: - Efluentes sanitários: Decorrentes da permanência dos operários na unidade. Os efluentes são tratados na Estação de Tratamento de Esgotos - ETE. O sistema em questão tem apresentado eficiência acima de 60%, previsto nas normas técnicas. - Efluentes Industriais (Planta de Concentração): Representados pelo rejeito fino (< 0,1 mm), composto por sílica, hematita e argila. A partir da planta de beneficiamento, os efluentes, inicialmente, eram conduzidos através de canais de escoamento para bacia de acumulação da barragem V. Com a exaustão da barragem, foi realizado o licenciamento para disposição de rejeitos na cava exaurida da Mina da Mutuca, que teve suas atividades encerradas em 2001. Os efluentes após tratamento são recirculados no processo produtivo. - Efluentes oleosos (oficinas de manutenção de equipamentos e veículos): Estes são conduzidos a caixa separadora de água e óleo da oficina de equipamentos. A CSAO recebe todo o efluente industrial gerado na estrutura de manutenção dos equipamentos. O óleo resultante do processo de separação é coletado e disposto em tambores para posterior encaminhamento à empresas especializadas e devidamente licenciadas. O efluente é conduzido através de canaletas para Barragem V. A eficiência deste processo pode ser visto no Anexo G deste documento. - Águas Pluviais (águas pluviais e residuárias): Os efluentes de escoamento superficial são encaminhados para a antiga cava de minério da mina da Mutuca e posterior lançamento na drenagem natural, através de um sistema de canaletas. A utilização dessas estruturas reduz significativamente o potencial erosivo que o impacto das águas pluviais em áreas desnudas poderia causar. 3 - QUALIDADE DA ÁGUA - JUSANTE DA BARRAGEM V O ponto de monitoramento do córrego Gorduras está localizado à jusante da barragem de decantação/contenção de sedimentos da Mina da Mutuca, exatamente no ponto de lançamento do efluente tratado. Os resultados obtidos podem ser analisados nos dados apresentados no Anexo H deste relatório. Os dados de monitoramento se ajustam à qualidade de águas dos padrões estabelecidos pelo CONAMA 0 nº 357, de 17 de março de 2005 e COPAM/CERH-MG n 1/2008, para cursos d´água da Classe I. 4 - SUPRESSÃO DE VEGETAÇÃO: No período da licença vincenda ocorreu apenas supressão de floresta plantada (eucalipto) conforme DCC em anexo. As APEFs mencionadas no item 5.1, d, do presente relatório são referentes à todas as APEFs já concedidas ao empreendimento. 5 - RESÍDUOS SÓLIDOS. Os resíduos sólidos da unidade da Mina da Mutuca são gerenciados conforme Quadro 7.3 do presente RADA. Foi estabelecido pela empresa um sistema de gerenciamento de resíduos sólidos no qual foram contratadas empresas especializadas para a coleta de resíduos de diferentes classes.

VALE S.A. - MINA DA MUTUCA - 1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA

38

Continuação

A evolução do gerenciamento destes resíduos pode ser observada no Anexo G do presente documento. b) Informar os eventuais ajustes do cronograma proposto. 9.2 Impactos ambientais não prognosticados - NÃO SE APLICA a) Descrever os impactos ambientais decorrentes da operação do empreendimento e não prognosticados na fase do licenciamento vincendo; b) Apresentar medidas e projetos pertinentes; c) Informar se as medidas e projetos pertinentes já foram implantadas; d) Apresentar cronograma de implantação das medidas e projetos citados no item b;

9.3. Documentação fotográfica Apresentar no ANEXO G documentação fotográfica contemplando as principais medidas e sistemas de controle. 9.4. Efluentes líquidos Apresentar, no Anexo G, gráficos contendo os valores médios mensais dos parâmetros de monitoramento dos efluentes industriais bruto e tratado no período correspondente a licença vincenda, e a avaliação sobre o desempenho dos sistemas de tratamento e o grau de atendimento aos padrões ambientais estabelecidos na legislação vigente no período. Situações anormais de operação dos sistemas de controle deverão ser sucintamente relatadas e justificadas, assim como as medidas corretivas adotadas para solução das mesmas. 9.5. Emissões atmosféricas Apresentar, no Anexo G gráficos contendo os valores médios obtidos no monitoramento das fontes de emissões atmosféricas no período correspondente a licença vincenda, e a avaliação sobre o desempenho dos sistemas de tratamento e o grau de atendimento aos padrões ambientais estabelecidos na legislação vigente no período. Situações anormais de operação dos sistemas de controle deverão ser sucintamente relatadas e justificadas, assim como as medidas corretivas adotadas para solução das mesmas. 9.6. Resíduos sólidos Apresentar, no Anexo G, planilhas de dados mensais de acompanhamento da geração, armazenamento temporário, transporte e destinação final dos resíduos sólidos industriais nos últimos dois anos. Situações anormais na geração, armazenamento, transporte e disposição final deverão ser sucintamente relatadas e justificadas, assim como as medidas corretivas adotadas para solução das mesmas.

VALE S.A. - MINA DA MUTUCA - 1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA

39

10 - MONITORAMENTO DA QUALIDADE AMBIENTAL O empreendimento executa algum tipo de monitoramento ambiental (água superficial, água subterrânea, ar, solo, ruído no entorno, fauna, flora, etc)? ( ) NÃO (X) SIM. Responder os itens 10.1 a 10.5 aplicáveis. 10.1. Qualidade da água Apresentar, no Anexo H, gráficos contendo os valores médios dos parâmetros de monitoramento do corpo receptor dos efluentes líquidos nos pontos estabelecidos, nos últimos dois anos, e a avaliação do comprometimento do nível de qualidade da água do mesmo, em função dos padrões fixados na legislação ambiental vigente no período. Situações anormais ocorridas deverão ser sucintamente relatadas e justificadas, assim como as medidas corretivas adotadas para solução das mesmas. 10.2. Qualidade do ar Apresentar, no Anexo H, gráficos contendo valores médios dos parâmetros de monitoramento da qualidade do ar na área de entorno do empreendimento nos pontos estabelecidos, nos últimos dois anos, e a avaliação do comprometimento do nível de qualidade do ar, em função dos padrões fixados na legislação ambiental vigente no período. Situações anormais ocorridas deverão ser sucintamente relatadas e justificadas, assim como as medidas corretivas adotadas para solução das mesmas. 10.3. Qualidade das águas superficiais e subterrâneas Apresentar, no Anexo H, gráficos contendo os valores médios dos principais parâmetros de monitoramento das águas superficiais e subterrâneas (quando efetuadas), nos pontos estabelecidos, nos últimos dois anos, e a avaliação sobre o grau de comprometimento da área, em função dos padrões fixados na Legislação Ambiental vigente no período. Situações anormais ocorridas deverão ser sucintamente relatadas e justificadas, assim como as medidas corretivas adotadas para a solução das mesmas. 10.4. Conforto acústico Apresentar no Anexo H, gráficos contendo os valores obtidos no monitoramento do nível de ruídos em todos os pontos definidos na área de entorno do empreendimento, nos últimos dois anos, e a avaliação sobre o grau de atendimento aos padrões ambientais estabelecidos na legislação vigente no período. Situações anormais ocorridas deverão ser sucintamente relatadas e justificadas, assim como as medidas corretivas adotadas para solução das mesmas. 10.5. Outros tipos de monitoramento Apresentar, no Anexo H, a compilação de dados ou resultados de quaisquer outros tipos de monitoramento ou estudos ambientais executados pelo empreendimento nos últimos dois anos, na forma mais conveniente, incluindo a avaliação dos mesmos

. Responder os itens 11. implantados ou não no empreendimento. 11.A.2. .descrição da ocorrência e da(s) unidade(s) afetada(s).tempo de interrupção da operação da(s) unidade(s) afetada(s). contendo as seguintes informações: . um relato de todas as situações de emergência nas unidades de processo ou nas unidades de tratamento/destinação de efluentes ou resíduos nos últimos dois anos. pois não houve situação de emergência na área nos últimos dois anos. Avaliação das medidas implementadas .causas apuradas.NÃO SE APLICA Apresentar.duração da ocorrência. biótico ou antrópico. Como procedimento de prevenção de acidentes. . . Justifique (X) SIM. 11. Produção Descrever no Anexo J as inovações tecnológicas de processos produtivos ocorridas no período correspondente a licença vincenda. . . a Vale possui Plano de Emergência . .destinação dos materiais de rescaldo e resíduos coletados na(s) área(s) afetada(s).ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA O empreendedor tem conhecimento sobre os avanços tecnológicos nas áreas de produção e de tratamento/disposição de efluentes/resíduos e eficiência/matriz energética? ( ) NÃO.2.1. . .instituições informadas sobre a ocorrência. no Anexo I. Se aplicável. especificar a(s) data(s) da(s) ocorrência(s) anteriormente registrada(s). que tenham repercutido externamente ao empreendimento sobre os meios físico.em caso de reincidência.forma e tempo para detecção da ocorrência. 12. no Anexo I.1 e 12.procedimentos adotados para anular as causas da ocorrência. apresentar uma avaliação dos resultados sobre a qualidade dos produtos e as conseqüências no tocante à minimização dos impactos ambientais da atividade.GERENCIAMENTO DE RISCOS O empreendimento possui registro das situações de emergência ocorridas. . bem como na identificação e mitigação dos impactos ambientais decorrentes. .identificação e quantificação dos danos ambientais causados. Apresentar. Responder os itens 12. Histórico . . destacar a sistematização de medidas preventivas e/ou planos de contingência estabelecidos em função dessas ocorrências. com conseqüências para o meio ambiente? ( ) NÃO.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 40 11 .1.2. biótico ou antrópico. .NÃO SE APLICA.1 e 11. Caso tenham sido adotadas novas tecnologias. uma avaliação sobre o desempenho da empresa na detecção e correção das situações de emergência relatadas anteriormente. e realiza periodicamente simulações de situações de emergência.MINA DA MUTUCA .VALE S. Justifique (X) SIM.PGS. 12 .descrição geral da(s) área(s) afetada(s).procedimentos adotados para neutralizar ou atenuar os impactos sobre os meios físico. (*) Esses registros não ocorreram nos últimos dois anos.

MINA DA MUTUCA . 15 . Caso positivo. Estudos de Percepção e Comportamento Socioambiental/EPCA. ♦ Implantação de técnicas de Produção Mais Limpa (P+L). a relação da empresa com a comunidade destacando os projetos e públicos preferenciais do programa de educação ambiental. a análise custo x benefício dos investimentos na área ambiental.VALE S. no Anexo K. gerenciamento de resíduos. . Programa de Educação Ambiental/PEA e Plano de Informação Socioambiental/PISA? ( ) NÃO. apresentar uma avaliação sobre a adoção dessas tecnologias e as conseqüências no tocante à minimização dos impactos ambientais da atividade e melhoria do desempenho ambiental da empresa. ♦ Adesão a códigos setoriais visando à melhoria da qualidade dos produtos. 13 .001 ou outras normas similares. surgidas nos últimos dois anos. Descrever em linhas gerais.MEDIDAS DE MELHORIA CONTÍNUA DO DESEMPENHO AMBIENTAL O empreendimento possui programas ou projetos voltados à melhoria do desempenho ambiental da atividade? ( ) NÃO (X) SIM.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 41 Continuação 12. Descrever em linhas gerais. nos últimos 4 anos. os projetos e programas estabelecidos ou em andamento visando à melhoria contínua do desempenho ambiental global do empreendimento. ♦ Implementação de programas de conservação ambiental.INVESTIMENTOS NA ÁREA AMBIENTAL O empreendimento possui registro dos investimentos já realizados na área ambiental? ( ) Não (X) Sim. etc. dados consolidados de investimentos de capital e custeio em meio ambiente nas áreas de controle da poluição hídrica. qualidade ambiental. gerenciamento de riscos e administração de meio ambiente.SGA.RELACIONAMENTO COM A COMUNIDADE O empreendimento possui Projetos na área Social. Justifique (X) SIM. os mecanismos de comunicação interna e externa do PSC. adotadas ou não no empreendimento. . 14 . de forma consolidada. em valores atualizados. tais como: ♦ Implantação do sistema de gestão ambiental . etc. segundo a NBR ISO 14. Apresentar. ♦ Implementação de programas de educação ambiental. ♦ Desenvolvimento de estudo de Análise do Ciclo de Vida de matérias-primas e produtos. no Anexo M. atmosférica e do solo. no Anexo L. Controle ambiental Descrever no Anexo J as inovações tecnológicas dos processos de controle ambiental aplicáveis ao empreendimento. ♦ Obtenção de certificação ambiental.2. ♦ Definição e implementação de indicadores de desempenho ambiental. as ações de cunho social.A. processos. aspectos negativos e positivos identificados em relação a empresa nos estudos de percepção ambiental. Apresentar.

10 28.Denominação da(s) área(s): .50 57.3.10 0.0 16.56 16. Áreas Preservadas: Citar.83 40.07 0.1 Efluentes Barragem V Parâmetros Físico químicos* pH Ferro Solúvel (mg/L) Manganês Solúvel (mg/L) Sol.10 79.0 8.0 10. 16.5 18. . as áreas preservadas considerando a licença vincenda e as LO’s relacionadas.10 104.34 0.75 Não conformidades** Valor Valor Média mínimo máximo 56.40 0.00 17. considerando as seguintes informações: .Cava Exaurida Mensal Mensal Mensal Mensal Mensal Mensal Mensal Mensal Mensal Mensal 6.A.00 7.10 60.27 - 21.10 0.30 0. Sedimentáveis (ml/L) Condut.77 0.28 22.MINA DA MUTUCA .00 61.05 0.20 0.04 0.14 61.86 Reabilitada 22.01 10.34 12.10 142.99 28.00 7.08 0.04 (*) Indicar os parâmetros físico-químicos que melhor representem o empreendimento (**) De acordo com a Deliberação Normativa Conjunta COPAM-CERH 01/2008. considerando a licença vincenda e as LO’s relacionadas.90 0.77 15.INDICADORES AMBIENTAIS Informar os indicadores abaixo.0 7.0 10. Elétrica (uS/cm) Turbidez (UNT) Cor (mg PtCo/L) Sólidos Dissolvidos (mg/L) Sólidos em Suspensão (mg/L) pH Ferro Solúvel (mg/L) Manganês Solúvel (mg/L) Sol.20 24.75 74.30 10.10 5.Formação(ões) vegetal(ais): .79 8.2 80.02 28.58 20.VALE S.Superfície: .10 0.08 0. Sedimentáveis (ml/L) Condutividade Elétrica (uS/cm) Turbidez (UNT) Cor (mg PtCo/L) Sólidos Dissolvidos (mg/L) Sólidos em Suspensão (mg/L) Temperatura da água Freqüência Mensal Mensal Mensal Mensal Mensal Mensal Mensal Mensal Mensal Conformidades** Valor Valor Média mínimo máximo 7.0 0. Poderão ser acrescentados outros indicadores ambientais pertinentes à atividade.2.00 - Sump .00 118.40 3.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 42 16 . 16. Área Impactada X Reabilitada Apresentar em valores reais e relativos (%): Área Superfície (ha) % Requerida 121.05 0.70 48.05 0. no Anexo N.00 24.23 100 Impactada 90.00 28. apresentado-se os esclarecimentos necessários.02 19.40 61.

• Paralisação da atividade: Paralisação das atividades do empreendimento minerário de forma temporária ou definitiva. Ações de Reabilitação Ambiental Descrever sucintamente. Data da paralisação: b) A paralisação foi comunicada ao órgão ambiental? ( ) NÃO. Desativação das estruturas a) O empreendimento realizou a desativação de estrutura(s) desde a última revalidação da LO? (X) NÃO (passar para o item 17. barragens.VALE S. em conseqüência de fatos fortuitos. unidades operacionais e outras) Data de Protocolo da Tipo de Estrutura Nome da Estrutura Data da Desativação comunicação c) Descrever no Anexo O as medidas adotadas para a desativação das estruturas listadas acima.A. ( ) SIM. impedimentos técnicos. Apresentar. relatório circunstanciado conforme Art. . 7º da DN 127/2008. Para preenchimento deste item considerar: • Estrutura desativada: Estrutura que não está em operação. no Anexo O. A vida útil do empreendimento é estimada até o ano de 2019. Nº. Paralisação da atividade a) O empreendimento encontra-se paralisado? (X) NÃO. no Anexo O. UTM. pilhas.3. 5º Com antecedência mínima de dois anos do fechamento da mina. .MINA DA MUTUCA . o empreendedor deverá protocolizar na unidade do órgão ambiental responsável pelo licenciamento do empreendimento o Plano Ambiental de Fechamento de Mina . temporária ou definitivamente. 17.Pafem.2) ( ) SIM (preencher os ítens “b” e “c”) b) Listar as estruturas desativadas (cava. “Art..1. 17. todas as ações de reabilitação das áreas impactadas pela atividade minerária realizadas durante o período da vigência da Licença de Operação vincenda. problemas de ordem econômica ou decisões judiciais. ( ) SIM. o uso atual das áreas correspondentes e as ações realizadas para reabilitação ambiental.AÇÕES PARA O FECHAMENTO DE MINA (*) O Plano de Fechamento de Mina será apresentado ao órgão estadual competente de acordo com a DN 127/2008.. diques. desastres naturais. quando aplicável.2. do protocolo da comunicação: 17.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 43 Continuação 17 .”.

1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 44 Continuação 17. Destaca-se a utilização da ITM para beneficiamento do minério da Mina de Capão Xavier e Mar Azul e a utilização da cava exaurida da Mina da Mutuca para o lançamento de rejeitos do processo.MINA DA MUTUCA . considerando os impactos ocasionados pelo empreendimento. Nas áreas próximas aos Transportadores de Correia de Longa Distância (TCLD`s) são realizadas campanhas de monitoramento.AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS CONDICIONANTES DA LO Preencher o quadro referente a esse item na página seguinte. 19 . da DN COPAM n. apresenta resultado satisfatório. levando-se em consideração as suas aptidões. para atendimento da Condicionante nº 3 do Processo Administrativo 035/1989/007/2005. Sendo assim. quando do lançamento de efluentes sanitários e industriais tratados em sistemas de controle implantados pela VALE na Mina da Mutuca. O detalhamento das alternativas será objeto do Plano de Fechamento de Mina-Pafem. avaliação preliminar ou reavaliação das alternativas da utilização prevista para a área impactada pela atividade minerária. servindo apenas como indicador da intenção de uso. a intenção de uso pós-operacional. Observação: as informações prestadas não irão configurar critério de definição do uso futuro da área impactada. Unidade da Mina da Mutuca. Neste item poderão ser inseridas informações adicionais que não foram contempladas nos itens anteriores. Essas atividades fazem com que a VALE desenvolva um trabalho efetivo de interação com a comunidade. operando em conformidade com os padrões estabelecidos pela legislação ambiental vigente. a avaliação do desempenho ambiental geral do empreendimento apresenta resultados que vão de encontro com os métodos e medidas adotadas. e recomenda-se que as mesmas continuem sendo consideradas em todo o processo de tratamento do minério. A Vale. 127/2008. As áreas inutilizadas pelo processo são reabilitadas e monitoradas para obtenção de equilíbrio adequado do local. e a proposição de medidas para melhoria ambiental da organização. Desta maneira. Ambos procedimentos mencionados evitam maiores impactos ambientais em novas áreas que deveriam ser utilizadas para implantação de novas barragens de rejeito. considerando os parâmetros da DN Conjunta COPAM/CERH 01/2008.o. apresentar a avaliação do desempenho ambiental geral do empreendimento. sob os diversos aspectos identificados para medidas de controle ambiental e cumprimento das condicionantes referentes às LO’s em renovação neste relatório. que o empreendedor julgue necessárias.VALE S. que tem por objetivo reportar os resultados de monitoramento dos parâmetros físico-químicos e microbiológicos dos mananciais. considerando também o cumprimento das condicionantes da(s) LO(s). . observa-se que na área da ITM da mina da Mutuca são promovidas atividades de melhoria da qualidade ambiental da área de influência. . conforme Art.AVALIAÇÃO FINAL E PROPOSTAS Com base em todas as informações contidas no RADA. Para garantir uma produção conforme exigências de mercado e visando também manter a sustentabilidade ambiental de suas atividades. as características dos meios físico e biótico e os aspectos sócioeconômicos da região. ciente de sua responsabilidade quanto as condições ambientais gerais de seu empreendimento. O monitoramento da qualidade das águas a jusante da Barragem V e no sump da cava exaurida ocorre em atendimento à Condicionante nº 4 do Processo Administrativo 077/1988/009/2002. a Unidade da Mina da Mutuca tem investido em otimização de seus processos.A.4. É compromisso da Vale elaborar relatório de monitoramento de qualidade da água. no Anexo O. Alternativas de Uso Futuro da área minerada Apresentar. 5. 18 .

de prorrogação e cumprimento e a freqüência ( quando for o caso) de cada uma delas.VALE S. localizada entre o primeiro e o segundo segmentos do TCLD.LO n° 338 Item 1 .Realizar campanha de monitoramento dos níveis de ruído atualmente emitidos pelo sistema TCLD na mesma rede de monitoramento operada nas campanhas anteriores. (Máximo 3 linhas.Otimizar o processo de limpeza e contenção de material sólido proveniente da casa de transferência PT1. Item 3 . situadas no entorno das operacionais. implantado contenção com dique de gabião. Item 2 .MINA DA MUTUCA . Durante a vigência da Licença 22/12/2017 Não se aplica Em andamento - Durante a vigência da Licença 22/12/2017 Não se aplica Em andamento - Durante a vigência da Licença 22/12/2017 Não se aplica Em andamento - .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 45 QUADRO RELATIVO AO ITEM 18 . Condicionante Periodicidade Datas Vencimento Prorrogação Cumprimento Justificativa Processo Administrativo n° 035/1989/007/2005 .AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS CONDICIONANTES DA LO Preencher a tabela abaixo incluindo a descrição das condicionantes estabelecidas na(s) licença(s) de operação anterior(es) e as datas de vencimento.A.Incrementar o reflorestamento de adensamento das cortinas arbóreas nas áreas marginais ao TCLD e o enriquecimento naquelas áreas destinadas à formação de ambientes florestais. na área de servidão do TCLD de propriedade da “Mannesmann” realizando a manutenção dos plantios até então executados na região. notadamente objetivando evitar a ocorrência de incêndios. fonte arial 10). . incluindo as encostas do vale do ribeirão Mutuca. no vale do ribeirão do Mutuca. descrevendo sucintamente as justificativas. visando evitar carreamento de partículas sólidas pelo escoamento superficial na encosta e potencial contribuição de carga sólida para o curso d’água. e. quando aplicável. sobretudo.

A. A partir da concessão dessa licença 22/12/2010 Não se aplica Concluído A partir da concessão dessa licença 22/12/2010 Não se aplica Em andamento A partir da concessão dessa licença - Não se aplica Concluído Nº do protocolo: R00937/2004 Data: 08/01/2004 . pH.Apresentar a FEAM a outorga de água. Nº do protocolo:R01493/2004 Data: 22/04/2004 OF DIMIM 088/2004 Nº do protocolo: R012300/2008 Data: 31/01/2008 Nº do protocolo: R203893/2009 Data: 01/04/2009 Nº do protocolo: R019013/2010 Data: 22/02/2010 Item 1 . a MBR está sendo convocada a novo licenciamento ambiental preventivo (LI e LO). Item 4 . constatando da leitura dos 32 prismas instalados na mina.Anexo C Item 5 . e o relatório apresentado trimestralmente.MINA DA MUTUCA . devendo ser apresentado junto FEAM relatório trimestral. Durante a validade da LO 22/12/2010 Não se aplica Permanente Durante a validade da LO 22/12/2010 Não se aplica Permanente Item 3 .VALE S. .cor. a VALE demandará novo Licenciamento Ambiental Preventivo. considerando os seguintes parâmetros : turbidez.Acima destas cotas (1092 e 1100).Deverá ser feito o monitoramento mensal da qualidade das águas a jusante da barragem 5 e no sump da cava. manganês solúvel e condutividade elétrica. Estas leituras deverão ser feitas três vezes por semana. concedida pelo órgão competente. caso preencha até as cotas (1092 e 1100) será convocada a novo Licenciamento ambiental Preventivo (LI e LO). OF 216/2007 / SUPRAM CENTRAL/SISEMA (Periodicidade para apresentação dos relatórios à FEAM: Anualmente) . Caso empreendimento tenha necessidade de encher a cava acima da cota 1092 e NA 1100.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 46 Continuação Processo 077/1988/009/2002 Não se aplica a apresentação de ofício em atendimento a essa condicionante. sólidos dissolvidos. ferro solúvel.A presente LO somente tem validade para o enchimento da cava com rejeitos até a cota 1092 e do NA até1100. Não se aplica a apresentação de ofício em atendimento a essa condicionante. Item 2 .Apresentar o monitoramento geotécnico da cava.

Avaliação do desempenho dos sistemas de controle Anexo H .Contratos de arrendamento Anexo B .MINA DA MUTUCA .Gerenciamento de riscos Anexo J .Áreas preservadas Anexo O .Atualização de dados Anexo E .Atualização tecnológica Anexo K .Medidas de melhoria continua de desenvolvimento Anexo L .Relacionamento com a comunidade Anexo M .Autorizações e Anuências Anexo D .A.Ações para fechamento da Mina .Investimentos na área ambiental Anexo N .VALE S. .Monitoramento da qualidade ambiental Anexo I .Aspectos Ambientais Anexo F .Anotações de Responsabilidade técnica Anexo C .Passivos ambientais Anexo G .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 47 RELAÇÃO DE ANEXOS Anexo A .

MINA DA MUTUCA .Anexar cópia do contrato de arrendamento (se for o caso).Item 3 .Licenciamento Ambiental Informações dos Processos junto ao DNPM . .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 48 ANEXO A . .A.VALE S.

Item 4 .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 49 ANEXO B .ART (Sílvia Letícia Batista Maciel Fernanda Gotelip) . .Identificação dos Responsáveis .Anotações de Responsabilidade Técnica .MINA DA MUTUCA .A.VALE S.

. pH.Autorizações e Anuências Item 5. sólidos dissolvidos.1 c as cópias das autorizações de desmate. justificar no Anexo C.1 . Não se aplica. Item 5. Item 5.MINA DA MUTUCA .2 . justificar no Anexo C.d) Apresentar cópia(s) da(s) autorização(ões) Item 5. considerando os seguintes parâmetros: turbidez. Esta alteração foi acatada pelo órgão ambiental responsável.c) O empreendimento possui autorização do IBAMA para intervenção em Mata Atlântica? Caso negativo.cor. segue: Deverá ser feito o monitoramento mensal da qualidade das águas a jusante da barragem 5 e no sump da cava. do.A. os comprovantes de protocolo referentes a estes relatórios são apresentados anualmente. pois as áreas atuais serão realocadas. o atual estado de conservação e a respectiva cobertura vegetal. de trimestralmente para anualmente. Item 18 .f) Informar o número do registro da Reserva Legal Averbada. pois o empreendimento possui autorizações do IBAMA para intervenção em Mata Atlântica. com o objetivo de alterar a periodicidade com que os relatórios de monitoramento de qualidade das águas deveriam ser apresentados ao órgão. manganês solúvel e condutividade elétrica.1 . .VALE S. do Processo Administrativo nº 077/1988/009/2002. As Reservas Legais na área da Mina da Mutuca estão em processo de regularização.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 50 ANEXO C . Como pode ser observado no Item 18.b) O empreendimento obteve autorização de desmate do órgão competente? Caso negativo.1 d e respectivo Anexo. protocolado pela Vale em Setembro/2007. conforme pode ser observado no Item 5.Item 5.Condicionantes Abaixo é apresentado Ofício à SUPRAM.1 . devendo ser apresentado junto FEAM relatório trimestral. pois é apresentado no Item 5. Não se aplica.c) Apresentar cópia da Anuência do órgão gestor das Unidades de Conservação. O texto da Condicionante nº 4.1 . Item 5. ferro solúvel.

planta de localização do empreendimento. .Drenagem das águas pluviais e efluentes.Mananciais de abastecimento. em escala adequada (sugere-se a escala de 1:25. refeitórios e outros.000). modificações na capacidade produtiva.A área de risco definida no estudo de análise de riscos de acidentes. .Instalação de beneficiamento.Pilha(s) ou depósito(s) de estéril e rejeito. .Cavidades subterrâneas. . contando entre outros os seguintes elementos: .Atualização de Dados Item 6.Áreas com passivo ambiental (NÃO SE APLICA) . . prevalecendo. RPPN’s. enfatizando os aspectos ambientais inerentes. . . .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 51 ANEXO D . em escala adequada. (NÃO SE APLICA) . . pátios de estocagem de insumos e produtos.Barragens de contenção de rejeitos (em operação e/ou desativadas). poderá ser apresentado em planta separada.7 . (NÃO SE APLICA) .Unidades de Conservação. .MINA DA MUTUCA . .As unidades de produção. para essa finalidade.Pontos de captação de água.O(s) corpo(s) hídrico(s) receptor(es) do(s) efluente(s) final(is) e o(s) respectivo(s) ponto(s) de lançamento. (NÃO SE APLICA) b) Apresentar. .VALE S. Não se aplica.b) Caso positivo. destacando: . de apoio e de estocagem de insumos e produtos.Ampliação/modificação do empreendimento .Barragens de abastecimento. .Edificações de apoio. na mesma escala).9 .Áreas de lavra e de avanço de lavra projetada para o horizonte de 04 e 06 anos. .A. a área que for maior (caso seja conveniente.Planta de localização a) Apresentar.Os limites do empreendimento.Item 6 . Item 6.Áreas reabilitadas. como escritórios. para fins de monitorização dos padrões de qualidade.Os pontos de amostragem de água e de ar. oficinas. uso e ocupação do solo (incluindo o entorno) e vias de acesso. apresentar uma descrição da ampliação/modificação ocorrida. Durante o período da licença vincenda não houve.Diques de contenção (em operação e/ou desativados). . . em reabilitação e projetadas para reabilitação no horizonte de 04 e 06 anos. na área do empreendimento. planta de detalhe da área do empreendimento. áreas de Reserva Legal (medida compensatória ou não) que se encontrem dentro do limite legal. caso tenha sido efetuado pelo empreendedor.

VALE S.Estocagem de resíduos sólidos.A. . . emissões atmosféricas.Pontos de geração de esgotos sanitários.Sistemas de tratamento de efluentes sanitários e industriais. efluentes líquidos. de resíduos sólidos e de emissão de ruídos. .MINA DA MUTUCA . .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 52 .

. 6.10 .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 53 Item.Fluxograma: Apresentar.MINA DA MUTUCA .VALE S. o fluxograma do processo produtivo.A. .

MINA DA MUTUCA . .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 54 Item 6.A. incluindo comentários e justificativas pertinentes nos últimos dois anos.VALE S. .Eficiência Energética Apresentar.20 . a avaliação da variação do consumo de energia elétrica e de combustíveis pelo empreendimento no período correspondente a licença vincenda.

00 500.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 55 .VALE S.000.000.000.000.MINA DA MUTUCA .00 kWh 1.00 1.500.500.Energia Elétrica Consumo energético 2.000.A. .000.00 - Março Novembro Agosto Fevereiro Setembro 2009 Dezembro 2010 Consumo (kWh) Fevereiro Janeiro Outubro Janeiro Março Maio Junho Julho Abril .000.00 2.

082.VALE S.953.91 KWh. no ano de 2009. apresentou consumo total de 18.23 KWh.MINA DA MUTUCA .408. maior demanda de energia quando comparado ao mesmo período do ano de 2009. .685.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 56 O consumo de energia elétrica pela ITM da Mina da Mutuca. sendo que em maio houve um aumento significativo do consumo.586.A. apresentando. Os valores de consumo energético de janeiro a março de 2010. apresentam a utilização de 4.975. desta maneira. sendo este de 1. .84 KWh.

MINA DA MUTUCA .000 800.000 600.VALE S.400. .000 0 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev 2007 2008 Período (mês) Consumo de Diesel (L) 2009 2010 Litros .000 1.000 1.Mutuca 1.Óleo Diesel Complexo Paraopeba .A.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 57 .000.000 200.200.000 400.

000 2.000 8.000 4.000 14.000 10.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 58 .000 16.000 18.000 6.VALE S.000 12.MINA DA MUTUCA .000 0 Fevereiro Novembro Setembro Dezembro Fevereiro 2010 Janeiro Junho Julho Outubro Janeiro Março Agosto Maio Abril Litros 2009 Consumo de gasolina (L) .Gasolina Consumo de Gasolina 20.A. .

VALE S. Os transportes das minas de Capão Xavier e Mar Azul também fazem abastecimento do óleo combustível da Mina da Mutuca.MINA DA MUTUCA .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 59 A variação do consumo de óleo combustível na unidade da Mina da Mutuca está diretamente relacionada com o transporte do minério até a área da ITM e com a produtividade estabelecida para determinado período.A. de acordo com contratos a serem atendidos. . .

incluindo comentários e justificativas pertinentes.MINA DA MUTUCA . Fevereiro e Março. 7. Item 7. As atividades geradoras destes resíduos não ocorrem corriqueiramente. gerados no empreendimento. incluindo comentários e justificativas pertinentes. como pode ser observado abaixo.2 . Não se aplica. . incluindo comentários e justificativas pertinentes.Apresentar. A seguir serão apresentados gráficos que demonstram a variação do gerenciamento de resíduos sólidos. Não se aplica. pois esta condição não está relacionada com a unidade de beneficiamento operada na área. gráficos que demonstrem à variação da carga poluidora bruta das emissões atmosféricas no período correspondente a licença vincenda.3. Como pode ser observado nos gráficos abaixo.2 .Item 7 .1 . alguns meses não apresentam a geração determinados tipos de resíduos. No ano de 2010 foram fechados os balanços dos meses de Janeiro. .A.VALE S.Apresentar.2.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 60 ANEXO E .Apresentar. A forma de acondicionamento temporário. Na unidade da Mina da Mutuca não são monitorados efluentes atmosféricos. Item 7. gráficos que demonstrem a evolução do gerenciamento dos resíduos sólidos gerados no período correspondente à licença vincenda. o quantitativo de resíduos e a forma de transporte podem ser observados no Anexo G do presente relatório.1. que têm como destinação final a reciclagem e o co-processamento em empresas devidamente licenciadas.Aspectos Ambientais Item. pois os monitoramentos na área são realizados sobre os efluentes tratados. conforme condicionantes estabelecidas nos processos. gráficos que demonstrem a variação da carga poluidora bruta dos efluentes líquidos no período correspondente a licença vincenda.

.00 Pilhas e baterias Borracha e pneus Madeira (embalagem) Sucata de correia transp.00 2.00 11.00 14.MINA DA MUTUCA . com vapor met.00 35.00 17.00 8. Sucata de Manganês .VALE S.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 61 ANOS 2007 e 2008 Neste período o gerenciamento de resíduos da unidade da Mina da Mutuca era realizado anualmente.A.00 23.00 t/ano 26.Reciclagem 38.00 32.00 5.00 20. 2007 2008 Papel e papelão Lâmp. .00 29.

. de borracha cont.00 10.MINA DA MUTUCA . usado t/ano 2007 2008 .VALE S. Res.00 60.A.00 50.00 Lona plástica cont.00 40. Cont.Co-processamento 70. c/ óleo e graxa Mang. Papel filtrante Borra oleosa EPI contaminado Filtro Contaminado Manta contaminada Óleo lubrif.00 20.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 62 .00 30.

000 Fevereiro Abril Agosto Outubro Maio Janeiro Junho Novembro Dezembro julho Setembro Março .MINA DA MUTUCA . .001 0. .Reciclagem Cartuchos de tinta 0. como pode ser observado nos gráficos abaixo.004 0.003 0.001 0.002 (t/mês) 0.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 63 ANO 2009 Visando melhoria contínua em seus processos.VALE S.A.002 0.003 0. a Vale iniciou em 2009 o gerenciamento mensal de seus resíduos.

000 6.VALE S.000 0. .000 Fevereiro Abril Outubro Maio Janeiro Junho Novembro Dezembro Agosto julho Setembro Março .A.000 14.000 2.000 12.MINA DA MUTUCA .000 10.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 64 Correia transportadora sem alma de aço 16.000 (t/mês) 8.000 4.

004 0. Mangueiras.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 65 A manutenção da TCLD foi realizada em dezembro. tubos.A.VALE S.001 0.009 0.007 0.MINA DA MUTUCA .000 Fevereiro Abril Outubro Maio Janeiro Junho Novembro Dezembro Agosto julho Setembro Março . mangotes.003 0. indicando geração deste tipo de resíduo apenas neste mês de 2009. tiras e juntas 0.002 0.005 0.008 0. .006 (t/mês) 0.

000 0.000 5.000 Fevereiro Abril Outubro Maio Janeiro Junho Novembro Dezembro Agosto julho Setembro Março .000 (t/mês) 15.000 25.MINA DA MUTUCA .000 20.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 66 Pneus e borracha 35.A.000 30. .000 10.VALE S.

000 16.000 12.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 67 Madeira 18.000 6.000 2.000 8.000 14.000 (t/mês) 10.000 0. .VALE S. .MINA DA MUTUCA .000 Fevereiro Abril Outubro Maio Janeiro Junho Novembro Dezembro Agosto julho Setembro Março Este resíduo de madeira é proveniente de embalagens de insumos utilizados na operação da unidade.000 4.A.

500 0.A.200 0.900 0.MINA DA MUTUCA .100 0.700 0.000 Fevereiro Abril Agosto Outubro Maio Junho Novembro Dezembro Janeiro julho Setembro Março .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 68 Pilhas e baterias 0.600 (t/mês) 0.VALE S.400 0.300 0.800 0. .

600 (t/mês) 0.900 0.400 0.A.VALE S.000 Fevereiro Abril Outubro Agosto Maio Junho Novembro Dezembro Janeiro julho Setembro Março .200 0.500 0.800 0.100 0.700 0.MINA DA MUTUCA . .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 69 Dormente não contaminado 0.300 0.

000 Fevereiro Abril Outubro Maio Junho Novembro Dezembro Janeiro Agosto julho Setembro Março .000 100.A. .000 (t/mês) 150.000 250.000 200.VALE S.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 70 Sucata de ferro 300.MINA DA MUTUCA .000 50.000 0.

001 0. .001 0.VALE S.000 Fevereiro Abril Outubro Maio Junho Novembro Dezembro Janeiro Agosto julho Setembro Março .002 0.MINA DA MUTUCA .002 (t/mês) 0.A.003 0.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 71 Sucata de alumínio 0.

000 Fevereiro Abril Outubro Maio Junho Novembro Dezembro Janeiro Agosto julho Setembro Março .120 0.020 0. .VALE S.A.100 0.080 (t/mês) 0.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 72 EPIs diversos não contaminados 0.060 0.MINA DA MUTUCA .040 0.

000 0. .000 1.500 (t/mês) 1.500 2.VALE S.500 0.000 Fevereiro Abril Outubro Agosto Maio Junho Novembro Dezembro Janeiro julho Setembro Março .A.MINA DA MUTUCA .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 73 Papel e papelão 2.

001 0.000 Fevereiro Abril Outubro Maio Janeiro Junho Novembro Dezembro Agosto julho Setembro Março .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 74 Lâmpada Fluorescente 0. .002 (t/mês) 0.002 0.003 0.A.001 0.MINA DA MUTUCA .VALE S.

600 0.100 0. .800 0.700 0.300 0.MINA DA MUTUCA .VALE S.A.500 (t/mês) 0.000 Fevereiro Abril Outubro Maio Junho Novembro Dezembro Janeiro Agosto julho Setembro Março .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 75 Sucata de bronze 0.400 0.200 0.

000 300.000 (t/mês) 150.000 250.VALE S.000 200.000 50.A.000 100.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 76 Sucata de aço 350.000 Fevereiro Abril Outubro Maio Junho Novembro Dezembro Janeiro Agosto julho Setembro Março .MINA DA MUTUCA . .000 0.

VALE S.A. - MINA DA MUTUCA - 1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA

77

Sucata de manganês
5,800

5,600

5,400

5,200 (t/mês) 5,000 4,800 4,600 4,400 Fevereiro Abril Outubro Maio Janeiro Junho Novembro Dezembro Agosto julho Setembro Março

VALE S.A. - MINA DA MUTUCA - 1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA

78

Plástico
0,600

0,500

0,400

(t/mês)

0,300

0,200

0,100

0,000 Fevereiro Abril Outubro Maio Janeiro Junho Novembro Dezembro Agosto julho Setembro Março

VALE S.A. - MINA DA MUTUCA - 1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA

79

- Co-processamento

EPI's contaminados com óleo
0,025

0,02

0,015 (t/mês) 0,01 0,005 0 Fevereiro Abril Outubro Maio Janeiro Junho Novembro Dezembro Agosto julho Setembro Março

MINA DA MUTUCA .00 Fevereiro Abril Outubro Agosto Maio Junho Novembro Dezembro Janeiro julho Setembro Março .02 0.A.VALE S.03 0.03 0.01 0.01 0.04 0. .02 (t/mês) 0.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 80 Elemento filtrante de filtro de óleo 0.

MINA DA MUTUCA .00 Fevereiro Abril Outubro Maio Junho Novembro Dezembro Janeiro Agosto julho Setembro Março .00 4.00 9. .00 0.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 81 Borra oleosa 10.00 3.00 6.00 1.00 2.00 8.A.00 (t/mês) 5.00 7.VALE S.

60 1.40 1.80 0.00 Fevereiro Abril Outubro Agosto Maio Junho Novembro Dezembro Janeiro julho Setembro Março .A.20 0.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 82 Óleos e graxas 1.VALE S.20 1.60 0.MINA DA MUTUCA .40 0. .00 (t/mês) 0.

00 2.00 3. .00 Fevereiro Abril Outubro Agosto Maio Junho Novembro Dezembro Janeiro julho Setembro Março .00 5.00 0.A.MINA DA MUTUCA .00 (t/mês) 4.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 83 Resíduo de varrição de oficinas contaminados com óleo e graxa 8.00 7.00 6.VALE S.00 1.

1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 84 Areia.30 0.A.35 0. .00 Fevereiro Abril Outubro Agosto Maio Junho Novembro Dezembro Janeiro julho Setembro Março .15 0. solo ou brita contaminados com óleos e graxas 0.10 0.05 0.25 (t/mês) 0.MINA DA MUTUCA .40 0.20 0.VALE S.

00 0.Reciclagem 90.00 (t/mês) 50.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 85 ANO 2010 .00 Pilhas e baterias Borrachas e pneus Madeira Fevereiro Metálicos Papel e papelão Março Plásticos Janeiro . .00 20.00 70.MINA DA MUTUCA .00 30.00 60.00 10.VALE S.00 80.00 40.A.

Co-processamento 6.00 (t/mês) 3.00 1.A.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 86 .MINA DA MUTUCA .00 2.00 5.00 0. .00 4.00 Janeiro Óleos e graxas usados Fevereiro Março Resíduos e materiais contaminados com óleos e graxas .VALE S.

Todo resíduo de fossa séptica retirado do sistema é encaminhado ao tratamento biológico. houve a diminuição na destinação. Observa-se desta maneira o gerenciamento correto dos resíduos na área. Os resíduos encaminhados para reciclagem apresentam a seguinte perspectiva: quanto a sucata ferrosa.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 87 Resíduos enviados para a reciclagem e co-processamento assim foram destinados conforme geração no processo produtivo do empreendimento.MINA DA MUTUCA .A. . pois a mesma é diretamente proporcional à geração de resíduos na área. .VALE S.

1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 88 ANEXO F .MINA DA MUTUCA . .1 .2 . Não se aplica. bem como o prazo para apresentação de projeto e implantação das medidas corretivas e/ou mitigadoras pertinentes. . Item 8.Apresentar.PASSIVOS AMBIENTAIS Item 8. Apresentar a descrição desses passivos ou áreas.A. incluindo a descrição das medidas de controle já adotadas e os resultados obtidos e/ou os projetos e ações ainda em curso. Não são identificados passivos ambientais na área.O empreendedor tem conhecimento sobre passivos ambientais e áreas impactadas pela atividade mineradora que ainda não tenham sido notificados à FEAM? Em caso positivo.Situação Atual .Item 8 . a avaliação da situação atual dos passivos ambientais e áreas impactadas identificadas e notificadas à FEAM.VALE S. Não se aplica.

representados por pontos de monitoramento de qualidade e sistemas de controle.A.Apresentar documentação fotográfica contemplando as principais medidas e sistemas de controle.VALE S.Documentação fotográfica . A planta de localização das unidades do empreendimento pode ser analisada no Anexo D do presente documento.AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS SISTEMAS DE CONTROLE AMBIENTAL Item 9.Item 9 .3 .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 89 ANEXO G .Cava exaurida da Mina da Mutuca .   Sump da cava  Foto 1 . . Abaixo é apresentado relatório fotográfico com as estruturas da Mina da Mutuca e medidas adotadas pelo empreendimento no controle ambiental de suas atividades.MINA DA MUTUCA .

.MINA DA MUTUCA .Barragem 5 .Sump da cava da Mina da Mutuca Foto 3 .A.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 90 Foto 2 .VALE S.

A.Sump da cava exaurida da mina da mutuca atualmente preenchida com rejeitos do processo. .Pilha de Estéril Grota Zero Foto 5 .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 91   PDE Grota Zero  Foto 4 .MINA DA MUTUCA .VALE S. .

A.Oficina Central Foto 7 .Oficina Central . .VALE S.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 92 Foto 6 .Entrada do Sistema Separador de Óleo e Graxa .MINA DA MUTUCA .Saída do Sistema Separador de Óleo e Graxa .

Saída do Sistema Separador de Óleo e Graxa .MINA DA MUTUCA .Posto de Abastecimento .A.VALE S.Entrada do Sistema Separador de Óleo e Graxa .Posto de Abastecimento Foto 9 . .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 93 Foto 8 .

ETE TOD. Foto 11 . .ETE Mutuca desativada em 2007.VALE S. .A.Estação de Tratamento de Esgoto .Estação de Tratamento de Esgoto .MINA DA MUTUCA .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 94 Foto 10 .

MINA DA MUTUCA . .Estação de Tratamento de Água Foto 13 .VALE S.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 95 Foto 12 .A.Monitoramento de qualidade das águas no córrego Gorduras .

4 . .Capão Xavier O monitoramento da Bacia de Contenção do Trevo da Mutuca . Desta maneira não é possível apresentar uma avaliação sobre o desempenho dos sistemas de tratamento. gráficos contendo os valores médios mensais dos parâmetros de monitoramento dos efluentes industriais bruto e tratado no período correspondente a licença vincenda.Capão Xavier ocorre conforme monitoramento apresentado das caixas separadoras de água e óleo. e a avaliação sobre o desempenho dos sistemas de tratamento e o grau de atendimento aos padrões ambientais estabelecidos na legislação vigente no período. .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 96 Foto 14 .Efluentes líquidos Apresentar. .VALE S.MINA DA MUTUCA .Revegetação da Pilha de estéril Grota Zero Itens 9.Montante da Bacia de Contenção Trevo Mutuca . Situações anormais de operação dos sistemas de controle deverão ser sucintamente relatadas e justificadas. assim como as medidas corretivas adotadas para solução das mesmas.A.Revegetação da Pilha de estéril Grota Zero Foto 15 .

0 01/12/05 01/02/06 06/03/06 16/06/06 14/12/06 Temperatura da água (°c) (*) Não é definido padrão pela legislação vigente.0 mg/L 10. O grau de atendimento aos padrões ambientais pode ser observado nos gráficos abaixo.0 0. de 2006 a 2010.0 20.0 01/12/05 01/02/06 06/03/06 16/06/06 14/12/06 09/04/07 09/04/07 Temperatura ambiente (°c) (*) Não é definido padrão pela legislação vigente.0 mg/L 20. . . Temperatura Ambiente 30.VALE S.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 97 No período não tratado nos gráficos. Temperatura da Água 30. o ponto apresentava-se sem vazão para amostragem.A.0 10.MINA DA MUTUCA .

00 mg/L 20.00 25.VALE S.A. .00 mg/L 20. Sólidos Sedimentáveis 30.MINA DA MUTUCA .00 0. .00 0.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 98 Óleos e Graxas 30.00 10.00 10.00 01/02/06 06/03/06 16/06/06 14/12/06 09/04/07 Óleo e Graxa (mg/L) (*) Não é definido padrão pela legislação vigente.00 5.00 01/02/06 06/03/06 16/06/06 14/12/06 09/04/07 Sólidos sedimentáveis (mg/L) (*) Não é definido padrão pela legislação vigente.00 15.

.VALE S.A.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 99 Turbidez 10000 5000 0 01/02/06 06/03/06 16/06/06 14/12/06 09/04/07 Turbidez (UNT) (*) Não é definido padrão pela legislação vigente. pH 10 9 8 7 6 5 4 3 2 1 0 01/02/06 06/03/06 16/06/06 14/12/06 09/04/07 ph (in loco) RERSOLUÇÃO CONAMA 357/05 E DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/08 RERSOLUÇÃO CONAMA 357/05 E DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/08 .MINA DA MUTUCA .

. de 2006 a 2010. o ponto apresentava-se sem vazão para amostragem. . tampem à Jusante da bacia.Jusante da Bacia de Contenção Trevo Mutuca .A.Capão Xavier No período não tratado no gráfico.MINA DA MUTUCA .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 100 Sólidos Dissolvidos Totais 600 500 mg/L 400 300 200 100 0 01/02/06 06/03/06 16/06/06 14/12/06 09/04/07 Sólidos dissolvidos totais (mg/L) RERSOLUÇÃO CONAMA 357/05 E DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/08 Sólidos Suspensos 12500 10000 mg/L 7500 5000 2500 0 01/02/06 06/03/06 16/06/06 14/12/06 Sólidos em Suspensão (mg/L) RESULOLUÇÃO CONAMA 357/05 E DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/08 .VALE S.

00 3.0 20. .00 mg/L 2.0 20.0 0.A.0 °c 10.0 °c 10.VALE S.MINA DA MUTUCA .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 101 Temperatura Ambiente 30.00 01/02/06 06/03/06 16/06/06 14/12/06 Óleo e Graxa (mg/L) (*) Não é definido padrão pela legislação vigente .0 0.00 0.0 01/12/05 01/02/06 06/03/06 16/06/06 14/12/06 09/04/07 Temperatura da água (°c) (*) Não é definido padrão pela legislação vigente Óleos e Graxas 4.0 01/12/05 01/02/06 06/03/06 16/06/06 14/12/06 09/04/07 09/04/07 Temperatura ambiente (°c) (*) Não é definido padrão pela legislação vigente Temperatura da Água 30.00 1.

A.MINA DA MUTUCA . .VALE S.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 102 Sólidos Suspensos 110 100 90 80 70 60 50 40 30 20 10 0 01/02/06 06/03/06 16/06/06 14/12/06 09/04/07 09/04/07 mg/L Sólidos em Suspensão (mg/L) RERSOLUÇÃO CONAMA 357/05 E DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/08 Turbidez 120 100 80 60 40 20 0 01/02/06 06/03/06 16/06/06 14/12/06 09/04/07 Turbidez (UNT) RERSOLUÇÃO CONAMA 357/05 E DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/08 pH 10 9 8 7 6 5 4 3 2 1 0 01/02/06 06/03/06 16/06/06 14/12/06 ph (in loco) RERSOLUÇÃO CONAMA 357/05 E DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/08 RERSOLUÇÃO CONAMA 357/05 E DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/08 .

ETE A seguir serão apresentados gráficos que demonstram a eficiência da ETE em relação ao tratamento dos efluentes líquidos gerados na área do empreendimento.MINA DA MUTUCA .60 mg/L 0.30 0.00 01/02/06 06/03/06 16/06/06 14/12/06 09/04/07 Sólidos sedimentáveis (mg/L) (*) Não é definido padrão pela legislação vigente .Estação de Tratamento de Esgotos .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 103 Sólidos Dissolvidos Totais 600 500 mg/l 400 300 200 100 0 01/02/06 06/03/06 16/06/06 14/12/06 09/04/07 Sólidos dissolvidos totais (mg/L) RERSOLUÇÃO CONAMA 357/05 E DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/08 Sólidos Sedimentados 0. .VALE S. .A.

VALE S. .Demanda Bioquímica de Oxigênio 960 880 800 720 640 560 (mg/l) 480 400 320 240 160 80 0 10/01/06 09/02/06 14/03/06 06/04/06 05/05/06 16/06/06 02/08/06 04/09/06 08/11/06 18/12/06 10/01/07 05/02/07 01/03/07 10/04/07 15/05/07 20/07/07 21/08/07 10/10/07 12/11/07 DBO ENTRADA DBO SAÍDA RESOLUÇÃO CONAMA 357/05 e DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/08 .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 104 DBO .A.MINA DA MUTUCA .

A DBO de saída apresenta-se alterada neste período. .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 105 A ETE apresenta eficiência de tratamento dos efluentes em seu sistema de controle de aproximadamente 60%. quando comparada ao padrão estabelecido pelas Resoluções CONAMA nº 357.A. Esta estação está desativada desde 2007.MINA DA MUTUCA . sendo a mesma atualmente utilizada para armazenamento dos efluentes líquidos sanitários gerados na área e posteriormente recolhidos pela COPASA. de 17 de março de 2005 e Deliberação Normativa Conjunta COPAM/CERHMG nº1/2008. . 2006 e 2007.VALE S.

e é apresentado nos gráficos abaixo. A partir de outubro de 2007 foram incluídos os parâmetros ABS e Fenóis no monitoramento da CSAO da Oficina.A. .VALE S. conforme condicionantes do processo.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 106 CSAO Oficina Central O monitoramento da CSAO da Oficina Central é realizado sobre o efluente líquido tratado. .MINA DA MUTUCA .

.00 50.00 80.00 30.00 10/01/06 09/02/06 14/03/06 06/04/06 05/05/06 02/08/06 04/09/06 05/10/06 08/11/06 10/01/07 05/02/07 15/05/07 15/06/07 20/07/07 20/08/07 12/11/07 17/12/07 10/01/08 14/02/08 13/03/08 16/04/08 19/05/08 16/06/08 14/07/08 08/08/08 23/09/08 14/10/08 17/11/08 03/12/08 28/01/09 13/02/09 17/06/09 18/08/09 11/09/09 29/10/09 23/11/09 22/12/09 27/01/10 RESOLUÇÃO CONAMA 357/05 e DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/08 ART 29 = 20 mg/l Óleo e Graxa .00 90.00 60.mg/L 10.MINA DA MUTUCA .00 20.Óleos e Graxas VALE S.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 107 .A.00 0.00 70.00 40.

A.29 = 2 mg/l .ABS 18. RESOLUÇÃO 397 e DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/08 ART.00 4.00 2.00 8.00 6.MINA DA MUTUCA .VALE S.00 12/11/2007 17/12/2007 10/01/2008 14/02/2008 13/03/2008 16/04/2008 19/05/2008 16/06/2008 14/07/2008 08/08/2008 23/09/2008 14/10/2008 17/11/2008 03/12/2008 28/01/2009 17/06/2009 18/08/2009 11/09/2009 29/10/2009 23/11/2009 22/12/2009 27/01/2010 ABS RESOLUÇÃO CONAMA 357/05.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 108 .00 mg/L 10.00 12.00 14.00 0. .00 16.

50 0.MINA DA MUTUCA .5 mg/l .10 0.30 0.A. RESOLUÇÃO 397 e DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/08 ART.29 = 0.60 0.Fenóis 0.VALE S.40 mg/L 0. .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 109 .20 0.00 12/11/2007 17/12/2007 10/01/2008 14/02/2008 13/03/2008 16/04/2008 19/05/2008 16/06/2008 14/07/2008 08/08/2008 23/09/2008 14/10/2008 17/11/2008 03/12/2008 28/01/2009 13/02/2009 17/06/2009 18/08/2009 11/09/2009 29/10/2009 23/11/2009 22/12/2009 27/01/2010 Fenóis (mg/L) RESOLUÇÃO CONAMA 357/05.

. na entrada do sistema de controle.MINA DA MUTUCA . ou seja.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 110 CSAO Posto de Abastecimento O monitoramento da CSAO do Posto de Abastecimento ocorre conforme monitoramento da CSAO da Oficina Central. Somente são amostrados os efluentes tratados. A partir de outubro de 2007 foram incluídos os parâmetros ABS e Fenóis no monitoramento da CSAO do posto.VALE S. .A. O empreendimento não procede com amostragem dos efluentes líquidos brutos.

00 09/02/06 05/05/06 16/06/06 11/07/06 02/08/06 04/09/06 05/10/06 08/11/06 18/12/06 10/01/07 05/02/07 01/03/07 10/04/07 15/06/07 20/07/07 ' .00 400.00 0. .MINA DA MUTUCA .A.00 500.mg/L 100.00 200.00 600.00 300.Óleos e graxas VALE S.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA Óleo e Graxa 20/08/07 24/09/07 12/11/07 14/10/08 17/11/08 03/12/08 13/02/09 11/03/09 20/04/09 11/05/09 17/06/09 31/07/09 18/08/09 02/09/09 19/10/09 10/11/09 09/12/09 27/01/10 RESOLUÇÃO CONAMA 357/05 e DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/08 = 20 mg/l 111 .

00 mg/L 6.00 8.MINA DA MUTUCA .00 0.A.29 = 5 mg/l .00 10.00 4.00 12/11/07 14/10/08 17/11/08 03/12/08 11/03/09 20/04/09 11/05/09 17/06/09 31/07/09 18/08/09 02/09/09 19/10/09 10/11/09 09/12/09 27/01/10 ABS RESOLUÇÃO CONAMA 357/05 e DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/08 ART.ABS 12.VALE S. .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 112 .00 2.

600 0.MINA DA MUTUCA .400 1.000 12/11/07 14/10/08 17/11/08 03/12/08 13/02/09 11/03/09 20/04/09 11/05/09 17/06/09 31/07/09 18/08/09 02/09/09 19/10/09 10/11/09 09/12/09 27/01/10 Fenóis RESOLUÇÃO CONAMA 357/05 e DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/08 ART.000 mg/L 0.200 1.VALE S. .29 = 0.800 0.400 0.Fenóis 1.A.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 113 .200 0.5 mg/l .

NÃO SE APLICA. Item 9.MINA DA MUTUCA . devendo ser feitas observações constantes sobre os parâmetros que ainda se encontram-se fora do padrão estabelecido. analisados no período de 2006 a fevereiro de 2010.Emissões atmosféricas Apresentar. e a avaliação sobre o desempenho dos sistemas de tratamento e o grau de atendimento aos padrões ambientais estabelecidos na legislação vigente no período.A. . exceto pelos valores de óleo e graxas no ano de 2006 tanto para a área do Posto de abastecimento quanto para a Oficina Central. assim como as medidas corretivas adotadas para solução das mesmas. encontram-se dentro dos padrões estabelecidos pelas Resoluções CONAMA nº 357 de 2005.VALE S. .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 114 Os resultados do monitoramento das caixas separadoras de água e óleo da mina da Mutuca. Situações anormais de operação dos sistemas de controle deverão ser sucintamente relatadas e justificadas. Resolução CONAMA 397/2005 e Deliberação Normativa Conjunta COPAM/CERH-MG nº 1/2008. Esses resultados denotam que a eficiência do sistema de tratamento de efluentes está próxima ao que seria adequado. gráficos contendo os valores médios obtidos no monitoramento das fontes de emissões atmosféricas no período correspondente a licença vincenda.5 .

transporte e disposição final deverão ser sucintamente relatadas e justificadas.Resíduos sólidos Apresentar. As informações sobre o gerenciamento dos resíduos sólidos são apresentadas nas tabelas em abaixo. armazenamento. armazenamento temporário. transporte e destinação final dos resíduos sólidos industriais nos últimos dois anos. planilhas de dados mensais de acompanhamento da geração.6 .MINA DA MUTUCA . .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 115 Item 9.A. . assim como as medidas corretivas adotadas para solução das mesmas. Situações anormais na geração.VALE S.

VALE S.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD . manutenção de Descartáveis ou similar equipamentos e dentro das normas tratamento do minério 0.2 Reciclagem Pneus 1. e manutenção de equipamentos Tratamento de minérios Movimentação de produtos Apoio (Restaurante. Armazenadas dentro de tambores plásticos na CMD. ETE. RECITEC RECICLAGEM TÉCNICA DO BRASIL LTDA (CRB TÉCNICA AMBIENTAL) SUZAQUIM INDÚSTRIAS QUÍMICAS LTDA ARCELOR MITTAL BELGO .Central de Materiais produtos.38 Co-processamento Pilhas e baterias 0. .56 Reciclagem Mangueira de borracha contaminada Oficina central.12 Devolução ao fornecedor ou Reciclagem Sucata de Manganês 3. armazém.ME JAC EMPREENDIMENTOS AGROFLORESTAIS LTDA R. movimentação de produtos.014 Co-processamento .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.7 Reciclagem Madeira (embalagem) 0.A.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 116 Resíduo Origem Armazenamento Temporário Empresa responsável pelo transporte até a destinação final Geração (t/mês) Destinação Final 2007 Borra Oleosa Oficina central e movimentação de produtos Oficina central.ASSUNÇÃO & COMPANHIA LTDA 2.MINA DA MUTUCA . movimentação de CMD . CMD . CMD . etc) CMD .Unidade João Monlevade LAURENT PNEUS LTDA .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.

dentro das normas. Oficina central. manutenção de CMD .A. 0.75 Reciclagem Sucata ferrosa Depositados diretamente no solo sem cobertura.24 Co-processamento Refil de filtro contaminado Resíduos orgânicos (alimentação) 0. manutenção de Descartáveis ou similar dentro das normas. ASCACON ASSOCIAÇÃO DE CATADORES DE PAPEL E MATERIAIS RECICLÁVEIS DE CONGONHAS 0. ARCELOR MITTAL BELGO .015 Co-processamento 27. tratamento de minério e apoio. manutenção de equipamentos e operação de mina.A. .16 Compostagem / Pilha de estéril Tambor Oficina central. tratamento de minério e apoio.Central de Materiais Descartáveis ou similar produtos.Unidade JOÃO MONLEVADE 569.Central de Materiais equipamentos e Descartáveis ou similar operação de mina. equipamentos e operação de mina Restaurante Em caçambas ou bombonas no Refeitório ESSENCIS COPROCESSAMENTO E INCINERAÇÃO LTDA (MAGÉ) ESSENCIS COPROCESSAMENTO E INCINERAÇÃO LTDA (MAGÉ) Vale S.VALE S.6 Reciclagem .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 117 Continuação Resíduos contaminados com óleo e graxa Oficina central. movimentação de produtos. movimentação de produtos. movimentação de CMD . manutenção de dentro das normas. movimentação de CMD . equipamentos e tratamento do minério Oficina central.MINA DA MUTUCA .Central de Materiais produtos.

LTDA 0.Central de Materiais Movimentação de Descartáveis ou similar produtos dentro das normas Manutenção de Equipamentos TCLD Movimentação de produtos Apoio (Restaurante. manutenção de CMD . . ETE.Central de Materiais ESSENCIS CODescartáveis ou similar PROCESSAMENTO E dentro das normas INCINERAÇÃO LTDA (MAGÉ) GERDAU AÇOS CMD . armazém.A (CURITIBA) Borra oleosa 5.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.26 Co-processamento EPI contaminado Filtro Contaminado Oficina central.A.Central de Materiais equipamentos e Descartáveis ou similar operação de mina. CRUZ JAC CMD . CMD .VALE S.33 Reciclagem .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 118 Continuação 2008 Oficina central e movimentação de produtos CMD .0075 Co-processamento 2.Central de Materiais EMPREENDIMENTOS Descartáveis ou similar AGROFLORESTAIS dentro das normas. dentro das normas. tratamento de minério e apoio. RECITEC RECICLAGEM TÉCNICA DO BRASIL LTDA (CRB TÉCNICA AMBIENTAL) ESSENCIS SOLUÇÕES AMBIENTAIS S.A Descartáveis ou similar COSIGUA .44 Reciclagem 1. movimentação de produtos.06 Co-processamento 0. etc) 0.91 Co-processamento Lona plástica contaminada Sucata de correia transportadora Madeira (embalagem) ESSENCIS COPROCESSAMENTO E INCINERAÇÃO LTDA (MAGÉ) CMD .MINA DA MUTUCA .Central de Materiais LONGOS S.SANTA dentro das normas.

1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 119 Continuação Mangueira de borracha contaminada Oficina central.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas ESSENCIS COPROCESSAMENTO E INCINERAÇÃO LTDA (MAGÉ) ESSENCIS COPROCESSAMENTO E INCINERAÇÃO LTDA (MAGÉ) ESSENCIS COPROCESSAMENTO E INCINERAÇÃO LTDA (MAGÉ) ESSENCIS COPROCESSAMENTO E INCINERAÇÃO LTDA (MAGÉ) 3E INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE METAIS LTDA 0. operação de mina e tratamento de minério.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas 0. movimentação de produtos. operação de mina e tratamento de minério.73 Reciclagem .13 Co-processamento Manta contaminada CMD . movimentação de produtos.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.026 Co-processamento Papel e papelão 0.43 Co-processamento Papel filtrante contaminado 0. Movimentação de produtos Oficina central. tratamento de minério apoio. operação de mina. Oficina central. CMD . movimentação de produtos.A. 1.03 Co-processamento Resíduos contaminados com óleo e graxa CMD .MINA DA MUTUCA . CMD .VALE S. movimentação de produtos. Oficina central. operação de mina e tratamento de minério.

armazém. movimentação de produtos.73 Compostagem / Pilha de estéril Pilhas e baterias SUZAQUIM INDÚSTRIAS QUÍMICAS LTDA 0. Armazenados em Containners na CMD Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.023 Devolução ao fornecedor ou Reciclagem .89 Reciclagem Lâmpadas com vapor metálico IVOMAX SERVIÇOS AMBIENTAIS LTDA 0.VALE S. Oficina central. em tambores na CMD (Central de Materiais Descartáveis) ou similar dentro das Normas LWART LUBRIFICANTES LTDA (LENÇÓIS PAULISTA) PETROLUB INDUSTRIAL DE LUBRIFICANTES LTDA LUBRASIL LUBRIFICANTES LTDA Oficina central. operação de mina. etc) Oficina central. movimentação de produtos.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. Em caçambas ou bombonas no Refeitório Armazenadas dentro de tambores plásticos na CMD.54 Re-refino ou fabricação de ANFO Borracha e pneus 1. tratamento de minério apoio. tratamento de minério apoio. Área de apoio (Restaurante.MINA DA MUTUCA .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 120 Continuação LWART LUBRIFICANTES LTDA (CONTAGEM) Tanques para armazenamento de óleo usado. tratamento de minério apoio. . MAGNO PNEUS LTDA ME Óleo lubrificante usado Movimentação de produtos 0.A. 25. CMD . operação de mina.011 Reprocessamento Resíduos orgânicos (alimentação) Vale S. ETE.A. movimentação de produtos. operação de mina.

oficina central. Movimentação de produtos.87 Tratamento Biológico A partir do ano de 2009. Manutenção de equipamentos TCLD. Tratamento de Minérios e Apoio (restaurante. O resíduo é retirado da fonte para destinação final SUZAQUIM INDÚSTRIAS QUÍMICAS LTDA 309. . a Vale passou a quantificar os resíduos mensalmente conforme apresentado abaixo.5 Incineração Lodo de Fossa Não se aplica. beneficiamento e comercialização de minério de ferro.) Coleta e armazenamento temporário na próprio ambulatório.MINA DA MUTUCA .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 121 Continuação Resíduos de serviços de saúde Unidades de saúde das áreas de extração. ETE. . em coletor branco identificado dentro de saco branco leitoso TRANSPORTADORA TRANSCIDADE LTDA CIDADE LIMPA 1. visando melhoria no gerenciamento dos resíduos sólidos da unidade. Operação de Mina. Armazém etc.VALE S.A.

CMD .A (CAIEIRAS) BRASIL AMBIENTAL TRATAMENTO DE RESÍDUOS S.8 Manutenção 0.015 Aterro EPI não contaminado Área operacional . solo ou brita contaminados com óleos e graxas Dormente não contaminado Elemento filtrante de filtro de óleo Embalagens diversas de alimentos misturados com papéis e plásticos não contaminados Origem Armazenamento Temporário CMD .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 122 . CMD .ME 0.341 Destinação Final Área de manutenção Incineração Reciclagem ou incineração (madeira tratada) Co-processamento Manutenção 0. Refeitório Central Empresa responsável pelo transporte até a destinação final ESSENCIS SOLUÇÕES AMBIENTAIS S.A.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.A (CAIEIRAS) MARCA AMBIENTAL LTDA LAVA LUVAS INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.01 UNIVERSAL EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA (Walter Alves dos Santos ME) Reciclagem Geração (t/mês) 0.MINA DA MUTUCA . ESSENCIS SOLUÇÕES AMBIENTAIS S.03 Área de apoio 0.A.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.Janeiro de 2009 Resíduo Areia. TOALHEIRO CAMPO GRANDE LTDA .VALE S. .

48 PETROLUB INDUSTRIAL DE LUBRIFICANTES LTDA LUBRASIL LUBRIFICANTES LTDA Re-refino ou fabricação de ANFO .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. tratamento de minério e apoio.A.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD . .VALE S. Resíduos de embalagens CMD .17 Reciclagem Doação para ASCAP Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima Mistura de diferentes tipos de papel e papelão Atividades de apoio 0. manutenção de equipamentos e operação de mina. 5. movimentação de produtos.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 123 Continuação EPI Contaminado Oficina central.A (CURITIBA) JAC EMPREENDIMENTOS AGROFLORESTAIS LTDA ASCAP .Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima LWART LUBRIFICANTES LTDA (CONTAGEM) LWART LUBRIFICANTES LTDA (LENÇÓIS PAULISTA) 0.016 Co-processamento Madeira CMD . ESSENCIS SOLUÇÕES AMBIENTAIS S. em tambores na CMD (Central de Materiais Descartáveis) ou similar dentro das Normas 0.001 Óleo lubrificante usado Movimentação de produtos e oficina de manutenção Tanques para armazenamento de óleo usado.MINA DA MUTUCA .

CMD . CMD .Fevereiro de 2009 Resíduo Areia.EPP ARCELOR MITTAL BELGO . Resíduo de Alimentação Restaurante R. RECICLAGEM LTDA .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.A ATERRO ESSENCIS BETIM CONCRETÃO ICEI LTDA . Caçambas ou bombonas no refeitório Retirado da fonte de geração para a destinação final CMD .24 Reciclagem 0. Empresa responsável pelo transporte até a destinação final RESICONTROL SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA (ANTIGA SARPI) CAMPOS LAMINADORA DE PNEUS LTDA-ME Geração (t/mês) 0.08 0.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 124 Continuação Pneus Oficina de manutenção CMD . solo ou brita contaminados com óleos e graxas Borracha em tiras Origem Armazenamento Temporário CMD .46 Aterro Industrial Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou reprocessamento .VALE S.RECI BORRACHAS ESSENCIS MG SOLUÇÕES AMBIENTAIS S.A.012 Compostagem ou Aterro Industrial Resíduos Sanitários Sucata de Alumínio Sucata de Ferro Sanitários Manutenção Manutenção 0.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.Unidade JOÃO MONLEVADE ARCELOR MITTAL BELGO .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.MINA DA MUTUCA .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.B.02 38.34 Destinação Final Área de manutenção Incineração Reciclagem ou reprocessamento Manutenção 3.Unidade JOÃO MONLEVADE 1.34 . .

001 Descontaminação e reciclagem dos elementos constituintes Reciclagem Madeira 15.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.03 Co-processamento Área de apoio 0.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. ESSENCIS SOLUÇÕES AMBIENTAIS S. CMD . Área de apoio e manutenção Resíduos de embalagens CMD .01 UNIVERSAL EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA (Walter Alves dos Santos ME) Reciclagem EPI Contaminado Oficina central. movimentação de produtos.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 125 Continuação Elemento filtrante de filtro de óleo Embalagens diversas de alimentos misturados com papéis e plásticos não contaminados Manutenção CMD .A (CURITIBA) CLEAN SERVICE SERVIÇOS GERAIS LTDA JAC EMPREENDIMENTOS AGROFLORESTAIS LTDA 0.VALE S. manutenção de equipamentos e operação de mina.ME 0.016 Co-processamento Lâmpada Fluorescente 0.A.MINA DA MUTUCA . tratamento de minério e apoio.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.97 .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. Refeitório Central RESICONTROL SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA (ANTIGA SARPI) LARA CENTRAL DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS LTDA LAVA LUVAS INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA 0. TOALHEIRO CAMPO GRANDE LTDA .015 Aterro EPI não contaminado Área operacional CMD . .

Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.A ATERRO ESSENCIS BETIM ARCELOR MITTAL BELGO .5 1 Reciclagem ou reprocessamento .Unidade JOÃO MONLEVADE ASCACON ASSOCIAÇÃO DE CATADORES DE PAPEL E MATERIAIS RECICLÁVEIS DE CONGONHAS 0. CMD .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 126 Continuação Mistura de diferentes tipos de papel e papelão Atividades de apoio CMD .0015 Doação para ASCAP Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima Devolução ao fornecedor ou Reciclagem Compostagem ou Aterro Industrial Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou reprocessamento 0.Unidade JOÃO MONLEVADE ARCELOR MITTAL BELGO . CMD .001 0.Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima SUZAQUIM INDÚSTRIAS QUÍMICAS LTDA ESSENCIS MG SOLUÇÕES AMBIENTAIS S.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas Pilhas Manutenção Resíduo de Alimentação Restaurante Sucata de Alumínio Sucata de Ferro Manutenção Manutenção Trilho Ferrovia Manutenção ASCAP . Armazenadas dentro de tambores plásticos na CMD.A.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.02 2.012 0.MINA DA MUTUCA . . Caçambas ou bombonas no refeitório CMD .VALE S.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.

Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.39 0.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. RESICONTROL SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA (ANTIGA SARPI) LARA CENTRAL DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS LTDA Geração (t/mês) 0.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.VALE S. CMD .03 Área de apoio 0.MINA DA MUTUCA . Refeitório Central Empresa responsável pelo transporte até a destinação final RESICONTROL SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA (ANTIGA SARPI) RECITEC RECICLAGEM TÉCNICA DO BRASIL LTDA (CRB TÉCNICA AMBIENTAL) NOR-TEC COMÉRCIO INDÚSTRIA LTDA BRASIL AMBIENTAL TRATAMENTO DE RESÍDUOS S.42 Reciclagem ou reprocessamento Cartucho de tinta e tonner para impressoras Dormente não contaminado Elemento filtrante de filtro de óleo Embalagens diversas de alimentos misturados com papéis e plásticos não contaminados 1. solo ou brita contaminados com óleos e graxas Origem Armazenamento Temporário CMD . .A. CMD . CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.A.Março de 2009 Resíduo Areia.8 Reciclagem Reciclagem ou incineração (madeira tratada) Co-processamento Manutenção 0. CMD .34 Destinação Final Área de manutenção Incineração Borra Oleosa Manutenção e Limpeza de CSAO e Oficina Escritórios Manutenção 6.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 127 .015 Aterro .

. movimentação de produtos.016 Co-processamento Madeira CMD .Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima 0. manutenção de equipamentos e operação de mina.VALE S.01 UNIVERSAL EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA (Walter Alves dos Santos ME) Reciclagem EPI não contaminado Área operacional EPI Contaminado Oficina central. 4.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.MINA DA MUTUCA .13 Reciclagem Doação para ASCAP Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima Mistura de diferentes tipos de papel e papelão Atividades de apoio 0. TOALHEIRO CAMPO GRANDE LTDA . tratamento de minério e apoio.A (CURITIBA) JAC EMPREENDIMENTOS AGROFLORESTAIS LTDA ASCAP .ME 0.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.A.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 128 Continuação LAVA LUVAS INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA CMD .001 . ESSENCIS SOLUÇÕES AMBIENTAIS S. Resíduos de embalagens CMD .

VALE S.A.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.Unidade JOÃO MONLEVADE ARCELOR MITTAL BELGO .Unidade JOÃO MONLEVADE Óleo lubrificante usado Movimentação de produtos e oficina de manutenção Tanques para armazenamento de óleo usado.45 Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou reprocessamento .02 20.012 Compostagem ou Aterro Industrial Resíduos Sanitários Sanitários Retirado da fonte de geração para a destinação final CMD . 0. CMD . .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.34 PETROLUB INDUSTRIAL DE LUBRIFICANTES LTDA LUBRASIL LUBRIFICANTES LTDA ESSENCIS MG SOLUÇÕES AMBIENTAIS S.MINA DA MUTUCA . em tambores na CMD (Central de Materiais Descartáveis) ou similar dentro das Normas Re-refino ou fabricação de ANFO Resíduo de Alimentação Restaurante Caçambas ou bombonas no refeitório 0.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 129 Continuação LWART LUBRIFICANTES LTDA (CONTAGEM) LWART LUBRIFICANTES LTDA (LENÇÓIS PAULISTA) 1.A ATERRO ESSENCIS BETIM SILEX INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PRODUTOS QUÍMICOS E MINERAIS LTDA ARCELOR MITTAL BELGO .08 Aterro Industrial Sucata de Alumínio Sucata de Ferro Manutenção Manutenção 0.

01 UNIVERSAL EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA (Walter Alves dos Santos ME) Reciclagem Geração (t/mês) 0.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD .34 Destinação Final Área de manutenção Incineração Escritórios 0.VALE S.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. TOALHEIRO CAMPO GRANDE LTDA . solo ou brita contaminados com óleos e graxas Cartucho de tinta e tonner para impressoras Elemento filtrante de filtro de óleo Embalagens diversas de alimentos misturados com papéis e plásticos não contaminados Origem Armazenamento Temporário CMD .A.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 130 . Refeitório Central Empresa responsável pelo transporte até a destinação final RESICONTROL SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA (ANTIGA SARPI) NOR-TEC COMÉRCIO INDÚSTRIA LTDA RESICONTROL SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA (ANTIGA SARPI) LARA CENTRAL DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS LTDA LAVA LUVAS INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.03 Co-processamento Área de apoio 0.26 Aterro EPI não contaminado Área operacional .39 Reciclagem Manutenção 0.Abril de 2009 Resíduo Areia. CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. .MINA DA MUTUCA .ME 0.

.A (CURITIBA) CLEAN SERVICE SERVIÇOS GERAIS LTDA JAC EMPREENDIMENTOS AGROFLORESTAIS LTDA ASCAP .9 Mistura de diferentes tipos de papel e papelão Atividades de apoio 0.A. Área de apoio e manutenção Resíduos de embalagens CMD .002 Descontaminação e reciclagem dos elementos constituintes Reciclagem Doação para ASCAP Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima Madeira 2.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. movimentação de produtos. tratamento de minério e apoio.016 Co-processamento Lâmpada Fluorescente 0.001 Óleo lubrificante usado Movimentação de produtos e oficina de manutenção Tanques para armazenamento de óleo usado.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD .VALE S.MINA DA MUTUCA .92 Re-refino ou fabricação de ANFO . manutenção de equipamentos e operação de mina. ESSENCIS SOLUÇÕES AMBIENTAIS S. CMD .Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima LWART LUBRIFICANTES LTDA (CONTAGEM) LWART LUBRIFICANTES LTDA (LENÇÓIS PAULISTA) PETROLUB INDUSTRIAL DE LUBRIFICANTES LTDA LUBRASIL LUBRIFICANTES LTDA 0.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. em tambores na CMD (Central de Materiais Descartáveis) ou similar dentro das Normas 0.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 131 Continuação EPI Contaminado Oficina central. CMD .

1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 132 Continuação Pilhas Manutenção Armazenadas dentro de tambores plásticos na CMD.VALE S.Maio de 2009 Resíduo Areia. CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. Empresa responsável pelo transporte até a destinação final RESICONTROL SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA (ANTIGA SARPI) BRASIL AMBIENTAL TRATAMENTO DE RESÍDUOS S.34 Destinação Final Área de manutenção Incineração Reciclagem ou incineração (madeira tratada) Manutenção 0. Resíduo de Alimentação Restaurante Resíduos de varrição contaminados com óleo e graxa Sucata de Alumínio Sucata de Ferro Oficinas Manutenção Manutenção SUZAQUIM INDÚSTRIAS QUÍMICAS LTDA ESSENCIS MG SOLUÇÕES AMBIENTAIS S.0015 Devolução ao fornecedor ou Reciclagem Compostagem ou Aterro Industrial 0. CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.A. .Unidade JOÃO MONLEVADE 0.Unidade JOÃO MONLEVADE ARCELOR MITTAL BELGO .A.9 Co-processamento Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou reprocessamento 0.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.012 6.02 0.A ATERRO ESSENCIS BETIM QUÍMICA INDUSTRIAL SUPPLY LTDA . Geração (t/mês) 0.SUPPLY SERVICE ARCELOR MITTAL BELGO .003 . solo ou brita contaminados com óleos e graxas Dormente não contaminado Origem Armazenamento Temporário CMD .MINA DA MUTUCA . Caçambas ou bombonas no refeitório Retirado da fonte de geração para a destinação final CMD .8 .

39 Reciclagem 0. tubos. movimentação de produtos.A. CMD . tratamento de minério e apoio.015 Aterro EPI não contaminado Área operacional CMD . ESSENCIS SOLUÇÕES AMBIENTAIS S.A (CURITIBA) JAC EMPREENDIMENTOS AGROFLORESTAIS LTDA MARCA AMBIENTAL LTDA 0. TOALHEIRO CAMPO GRANDE LTDA .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.ME 0. manutenção de equipamentos e operação de mina.01 UNIVERSAL EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA (Walter Alves dos Santos ME) Reciclagem EPI Contaminado Oficina central.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.016 Co-processamento Madeira Mangueiras.VALE S.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. Resíduos de embalagens Manutenção CMD .008 Aterro Industrial .03 Co-processamento Área de apoio 0.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. Refeitório Central RESICONTROL SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA (ANTIGA SARPI) LARA CENTRAL DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS LTDA LAVA LUVAS INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA 0. .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 133 Continuação Elemento filtrante de filtro de óleo Embalagens diversas de alimentos misturados com papéis e plásticos não contaminados Manutenção CMD . mangotes.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.MINA DA MUTUCA . 3. tiras e juntas CMD .

ASCAP .001 Doação para ASCAP Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima Óleo lubrificante usado Movimentação de produtos e oficina de manutenção Tanques para armazenamento de óleo usado.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.A ATERRO ESSENCIS BETIM ALEXANDRE DE SOUZA .28 Descontaminação e reciclagem dos elementos constituintes Compostagem ou Aterro Industrial Compostagem ou Pilha de Estéril Resíduo de Alimentação Restaurante Limpeza e manutenção de áreas verdes 0.MINA DA MUTUCA . Caçambas ou bombonas no refeitório Encaminhado diretamente para a destinação final 0.VALE S.EPP (SR TRATAMENTOS) Re-refino ou fabricação de ANFO Embalagem de produtos químicos/reagentes Laboratório CMD . .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 134 Continuação Mistura de diferentes tipos de papel e papelão Atividades de apoio CMD .012 Resíduo de Poda 1 .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima LWART LUBRIFICANTES LTDA (CONTAGEM) LWART LUBRIFICANTES LTDA (LENÇÓIS PAULISTA) 0. em tambores na CMD (Central de Materiais Descartáveis) ou similar dentro das Normas 1.10 PETROLUB INDUSTRIAL DE LUBRIFICANTES LTDA LUBRASIL LUBRIFICANTES LTDA ESSENCIS COPROCESSAMENTO E INCINERAÇÃO LTDA (MAGÉ) ESSENCIS MG SOLUÇÕES AMBIENTAIS S.A.

1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 135 Continuação Resíduos Sanitários Sucata de Alumínio Sucata de Ferro Sanitários Manutenção Manutenção Retirado da fonte de geração para a destinação final CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD .05 1 Manutenção 0.A.02 22. . solo ou brita contaminados com óleos e graxas Borracha em tiras Cartucho de tinta e tonner para impressoras Elemento filtrante de filtro de óleo Embalagens diversas de alimentos misturados com papéis e plásticos não contaminados Origem Armazenamento Temporário CMD .Junho de 2009 Resíduo Areia.VALE S. CMD .015 Aterro . CMD .03 Co-processamento Área de apoio 0.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.MINA DA MUTUCA . Refeitório Central Empresa responsável pelo transporte até a destinação final RESICONTROL SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA (ANTIGA SARPI) CAMPOS LAMINADORA DE PNEUS LTDA-ME NOR-TEC COMÉRCIO INDÚSTRIA LTDA RESICONTROL SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA (ANTIGA SARPI) LARA CENTRAL DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS LTDA Geração (t/mês) 0. CMD .Unidade JOÃO MONLEVADE 0.93 Aterro Industrial Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou reprocessamento .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.Unidade JOÃO MONLEVADE ARCELOR MITTAL BELGO .EPP ARCELOR MITTAL BELGO .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.08 0.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CONCRETÃO ICEI LTDA .34 Destinação Final Área de manutenção Incineração Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem Manutenção Escritórios 1.

tratamento de minério e apoio.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. Armazenadas dentro de tambores plásticos na CMD.016 Co-processamento Madeira CMD .VALE S.01 Reciclagem EPI Contaminado Oficina central. TOALHEIRO CAMPO GRANDE LTDA .001 Pilhas Manutenção 0. Resíduos de embalagens CMD .A (CURITIBA) JAC EMPREENDIMENTOS AGROFLORESTAIS LTDA ASCAP .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 136 Continuação LAVA LUVAS INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA CMD .Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima SUZAQUIM INDÚSTRIAS QUÍMICAS LTDA 0.A. movimentação de produtos.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. . CMD . manutenção de equipamentos e operação de mina. 2.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. ESSENCIS SOLUÇÕES AMBIENTAIS S.50 Reciclagem Doação para ASCAP Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima Devolução ao fornecedor ou Reciclagem Mistura de diferentes tipos de papel e papelão Atividades de apoio 0.0015 .ME) EPI não contaminado Área operacional 0.ME UNIVERSAL EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA (Walter Alves dos Santos .MINA DA MUTUCA .

Empresa responsável pelo transporte até a destinação final RESICONTROL SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA (ANTIGA SARPI) BRASIL AMBIENTAL TRATAMENTO DE RESÍDUOS S.VALE S.MINA DA MUTUCA . .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.34 Destinação Final Área de manutenção Incineração Reciclagem ou incineração (madeira tratada) Manutenção 0.A. CMD .Julho de 2009 Resíduo Areia.Unidade JOÃO MONLEVADE ARCELOR MITTAL BELGO .A.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.003 1 Reciclagem ou reprocessamento . solo ou brita contaminados com óleos e graxas Dormente não contaminado Origem Armazenamento Temporário CMD .A ATERRO ESSENCIS BETIM ARCELOR MITTAL BELGO .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 137 Continuação Resíduo de Alimentação Restaurante Caçambas ou bombonas no refeitório CMD . CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD .02 0. Geração (t/mês) 0.Unidade JOÃO MONLEVADE ASCACON ASSOCIAÇÃO DE CATADORES DE PAPEL E MATERIAIS RECICLÁVEIS DE CONGONHAS 0.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas Sucata de Alumínio Sucata de Ferro Manutenção Manutenção Trilho Ferrovia Manutenção ESSENCIS MG SOLUÇÕES AMBIENTAIS S.8 .012 Compostagem ou Aterro Industrial Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou reprocessamento 0.

Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.03 Co-processamento Área de apoio 0.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. manutenção de equipamentos e operação de mina.A.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 138 Continuação Elemento filtrante de filtro de óleo Embalagens diversas de alimentos misturados com papéis e plásticos não contaminados Manutenção CMD . movimentação de produtos. Refeitório Central RESICONTROL SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA (ANTIGA SARPI) LARA CENTRAL DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS LTDA LAVA LUVAS INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA 0.MINA DA MUTUCA .VALE S. TOALHEIRO CAMPO GRANDE LTDA .01 UNIVERSAL EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA (Walter Alves dos Santos ME) Reciclagem EPI Contaminado Oficina central.92 Reciclagem .016 Co-processamento Madeira CMD . ESSENCIS SOLUÇÕES AMBIENTAIS S. .A (CURITIBA) JAC EMPREENDIMENTOS AGROFLORESTAIS LTDA 0. tratamento de minério e apoio.015 Aterro EPI não contaminado Área operacional CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. Resíduos de embalagens CMD .ME 0. 2.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.

.VALE S. solo ou brita contaminados com óleos e graxas Origem Armazenamento Temporário CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.012 Resíduos Sanitários Sucata de Alumínio Sucata de Ferro Sucata de Manganês Sanitários Manutenção Manutenção Manutenção 0.34 Destinação Final Área de manutenção Incineração .001 Doação para ASCAP Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima Compostagem ou Aterro Industrial 0.Unidade JOÃO MONLEVADE ARCELOR MITTAL BELGO .A ATERRO ESSENCIS BETIM CONCRETÃO ICEI LTDA .08 0.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima ESSENCIS MG SOLUÇÕES AMBIENTAIS S.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 139 Continuação Mistura de diferentes tipos de papel e papelão Atividades de apoio CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. Resíduo de Alimentação Restaurante Caçambas ou bombonas no refeitório Retirado da fonte de geração para a destinação final CMD . CMD .MINA DA MUTUCA .EPP ARCELOR MITTAL BELGO . CMD . ASCAP .Agosto de 2009 Resíduo Areia.Unidade JOÃO MONLEVADE ARCELOR MITTAL BELGO .6 Aterro Industrial Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou reprocessamento .Unidade JOÃO MONLEVADE 0. Empresa responsável pelo transporte até a destinação final RESICONTROL SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA (ANTIGA SARPI) Geração (t/mês) 0.A.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.02 0.003 5.

MINA DA MUTUCA .ME 0.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 140 Continuação Elemento filtrante de filtro de óleo Embalagens diversas de alimentos misturados com papéis e plásticos não contaminados Manutenção CMD . ESSENCIS SOLUÇÕES AMBIENTAIS S. manutenção de equipamentos e operação de mina. tratamento de minério e apoio. 0.VALE S.A (CURITIBA) QUÍMICA INDUSTRIAL SUPPLY LTDA .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.01 UNIVERSAL EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA (Walter Alves dos Santos ME) Reciclagem EPI Contaminado Oficina central.11 Co-processamento . Manutenção CMD .A. movimentação de produtos. TOALHEIRO CAMPO GRANDE LTDA .0016 Co-processamento Graxa CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.015 Aterro EPI não contaminado Área operacional CMD . Refeitório Central RESICONTROL SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA (ANTIGA SARPI) LARA CENTRAL DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS LTDA LAVA LUVAS INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA 0.03 Co-processamento Área de apoio 0.SUPPLY SERVICE 0.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.

0015 Devolução ao fornecedor ou Reciclagem Compostagem ou Aterro Industrial Resíduo de Alimentação Restaurante 0. Caçambas ou bombonas no refeitório 0.6 PETROLUB INDUSTRIAL DE LUBRIFICANTES LTDA LUBRASIL LUBRIFICANTES LTDA SUZAQUIM INDÚSTRIAS QUÍMICAS LTDA ESSENCIS MG SOLUÇÕES AMBIENTAIS S.VALE S. em tambores na CMD (Central de Materiais Descartáveis) ou similar dentro das Normas 1.MINA DA MUTUCA .001 Óleo lubrificante usado Movimentação de produtos e oficina de manutenção Tanques para armazenamento de óleo usado.Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima LWART LUBRIFICANTES LTDA (CONTAGEM) LWART LUBRIFICANTES LTDA (LENÇÓIS PAULISTA) 2.20 Reciclagem Doação para ASCAP Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima 0.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD .A ATERRO ESSENCIS BETIM Re-refino ou fabricação de ANFO Pilhas Manutenção Armazenadas dentro de tambores plásticos na CMD. .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 141 Continuação Madeira Resíduos de embalagens CMD .012 . Mistura de diferentes tipos de papel e papelão Atividades de apoio JAC EMPREENDIMENTOS AGROFLORESTAIS LTDA ASCAP .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.A.

Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 142 Continuação Resíduos de varrição contaminados com óleo e graxa Sucata de Alumínio Sucata de Ferro Oficinas Retirado da fonte de geração para a destinação final CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.Unidade JOÃO MONLEVADE 2.A. CMD . Manutenção Manutenção QUÍMICA INDUSTRIAL SUPPLY LTDA .VALE S.Unidade JOÃO MONLEVADE ARCELOR MITTAL BELGO .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.84 .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.02 2.52 Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem Borracha em tiras Cartucho de tinta e tonner para impressoras 5.Setembro de 2009 Resíduo Areia.MINA DA MUTUCA . CMD .13 Co-processamento Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou reprocessamento 0.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD . solo ou brita contaminados com óleos e graxas Origem Armazenamento Temporário CMD . CMD . Empresa responsável pelo transporte até a destinação final RESICONTROL SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA (ANTIGA SARPI) RECITEC RECICLAGEM TÉCNICA DO BRASIL LTDA (CRB TÉCNICA AMBIENTAL) CAMPOS LAMINADORA DE PNEUS LTDA-ME NOR-TEC COMÉRCIO INDÚSTRIA LTDA Geração (t/mês) 0.68 1 .SUPPLY SERVICE ARCELOR MITTAL BELGO .34 Destinação Final Área de manutenção Incineração Borra Oleosa Manutenção e Limpeza de CSAO e Oficina Manutenção Escritórios 9. .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.

Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. movimentação de produtos.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 143 Continuação Dormente não contaminado Elemento filtrante de filtro de óleo Embalagens diversas de alimentos misturados com papéis e plásticos não contaminados Manutenção CMD . TOALHEIRO CAMPO GRANDE LTDA .01 Reciclagem EPI Contaminado Oficina central.VALE S.MINA DA MUTUCA .ME UNIVERSAL EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA (Walter Alves dos Santos ME) ESSENCIS SOLUÇÕES AMBIENTAIS S. tratamento de minério e apoio.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD .016 Co-processamento Lâmpada Fluorescente 0.A. CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. Refeitório Central Manutenção BRASIL AMBIENTAL TRATAMENTO DE RESÍDUOS S.A (CURITIBA) CLEAN SERVICE SERVIÇOS GERAIS LTDA 0. .015 Aterro EPI não contaminado Área operacional CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. Área de apoio e manutenção CMD . manutenção de equipamentos e operação de mina.8 Reciclagem ou incineração (madeira tratada) Co-processamento 0.A.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. 0. RESICONTROL SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA (ANTIGA SARPI) LARA CENTRAL DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS LTDA LAVA LUVAS INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA 0.002 Descontaminação e reciclagem dos elementos constituintes .03 Área de apoio 0.

papel. mangotes.Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima RECITEC RECICLAGEM TÉCNICA DO BRASIL LTDA (CRB TÉCNICA AMBIENTAL) ESSENCIS MG SOLUÇÕES AMBIENTAIS S. 0.0032 Lixo comum 0.MINA DA MUTUCA . plástico.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. tubos. CMD .A ATERRO ESSENCIS BETIM SILEX INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PRODUTOS QUÍMICOS E MINERAIS LTDA ARCELOR MITTAL BELGO .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 144 Continuação Lodo Estação de Tratamento de Efluentes Industriais Resíduos de embalagens Manutenção No próprio sistema de controle CMD .008 Aterro Industrial Doação para ASCAP Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima Reciclagem Atividades de apoio 0.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.Unidade JOÃO MONLEVADE 0.035 Resíduo de Alimentação Restaurante Caçambas ou bombonas no refeitório 0.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.VALE S.18 Co-processamento 3.012 Compostagem ou Aterro Industrial Resíduos Sanitários Sanitários Retirado da fonte de geração para a destinação final CMD . papelão e borracha não contaminados SUZAQUIM INDÚSTRIAS QUÍMICAS LTDA JAC EMPREENDIMENTOS AGROFLORESTAIS LTDA MARCA AMBIENTAL LTDA ASCAP . Madeira Mangueiras.08 Aterro Industrial Sucata de Aço Manutenção 19.A. CMD . .52 Reciclagem 0. tiras e juntas Mistura de diferentes tipos de papel e papelão Mistura de embalagem.6 Reciclagem ou reprocessamento .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD .

VALE S. 0.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 145 Continuação Sucata de Alumínio Sucata de Ferro Manutenção Manutenção CMD .04 Reciclagem Baterias diversas Borracha em tiras Área de manutenção Manutenção CMD . solo ou brita contaminados com óleos e graxas Origem Armazenamento Temporário CMD .045 7.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.MINA DA MUTUCA .Unidade JOÃO MONLEVADE ARCELOR MITTAL BELGO . ARCELOR MITTAL BELGO .A.44 Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou reprocessamento .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.05 Devolução ao fornecedor ou Reciclagem Reciclagem ou reprocessamento .34 Destinação Final Área de manutenção Incineração Baterias de chumbo ácida Bateria de veículos e baterias de nobreak que contém solução ácida.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD .Outubro de 2009 Resíduo Areia.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. Empresa responsável pelo transporte até a destinação final RESICONTROL SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA (ANTIGA SARPI) TAMARANA METAIS LTDA FREI & STUCHI LTDA SUZAQUIM INDÚSTRIAS QUÍMICAS LTDA SUZAQUIM INDÚSTRIAS QUÍMICAS LTDA CAMPOS LAMINADORA DE PNEUS LTDA-ME Geração (t/mês) 0. 0. CMD . .Unidade JOÃO MONLEVADE 0.02 6. CMD .

MINA DA MUTUCA .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 146 Continuação Embalagens diversas de alimentos misturados com papéis e plásticos não contaminados Área de apoio Refeitório Central LARA CENTRAL DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS LTDA LAVA LUVAS INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA 7. CMD . Armazenadas dentro de tambores plásticos na CMD. CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. TOALHEIRO CAMPO GRANDE LTDA .ME 0.Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima RECITEC RECICLAGEM TÉCNICA DO BRASIL LTDA (CRB TÉCNICA AMBIENTAL) SUZAQUIM INDÚSTRIAS QUÍMICAS LTDA Reciclagem Madeira Resíduos de embalagens CMD .A. plástico. papelão e borracha não contaminados Pilhas Atividades de apoio 0.059 Lixo comum 0. 0.01 UNIVERSAL EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA (Walter Alves dos Santos ME) JAC EMPREENDIMENTOS AGROFLORESTAIS LTDA ASCAP .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.0015 .VALE S.61 Aterro EPI não contaminado Área operacional CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.62 Reciclagem Doação para ASCAP Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima Reciclagem Devolução ao fornecedor ou Reciclagem Mistura de diferentes tipos de papel e papelão Mistura de embalagem.38 Manutenção 0. .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. papel.

CONCRETÃO ICEI LTDA .02 101.VALE S. CMD . RECICLAGEM LTDA .Unidade JOÃO MONLEVADE ARCELOR MITTAL BELGO .Unidade JOÃO MONLEVADE ARCELOR MITTAL BELGO .9 .Unidade JOÃO MONLEVADE 24.EPP (SR TRATAMENTOS) Vale S.21 46. Caçambas ou bombonas no refeitório Encaminhado diretamente para a destinação final Retirado da fonte de geração para a destinação final Retirado da fonte de geração para a destinação final CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.16 0. Resíduo de Alimentação Restaurante Limpeza e manutenção de áreas verdes Áreas Industriais Sanitários Manutenção Manutenção Manutenção Manutenção Resíduo de Poda Resíduos de limpeza e varrição não perigosos Resíduos Sanitários Sucata de Aço Sucata de Alumínio Sucata de Ferro Sucata de Manganês R.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.56 Reciclagem 1.25 Compostagem ou Aterro Industrial Compostagem ou Pilha de Estéril Pilha de Estéril Aterro Industrial Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou reprocessamento 1 0.A.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.MINA DA MUTUCA .A ATERRO ESSENCIS BETIM ALEXANDRE DE SOUZA .Unidade JOÃO MONLEVADE ARCELOR MITTAL BELGO .16 1.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.B. CMD .A. .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 147 Continuação Pneus Oficina de manutenção CMD .EPP ARCELOR MITTAL BELGO . CMD .RECI BORRACHAS ESSENCIS MG SOLUÇÕES AMBIENTAIS S.34 4.

CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.A.34 Destinação Final Área de manutenção Incineração Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou incineração (madeira tratada) Aterro Manutenção Manutenção 6. solo ou brita contaminados com óleos e graxas Borracha em tiras Dormente não contaminado Embalagens diversas de alimentos misturados com papéis e plásticos não contaminados Origem Armazenamento Temporário CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD .01 UNIVERSAL EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA (Walter Alves dos Santos ME) Reciclagem Geração (t/mês) 0. LARA CENTRAL DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS LTDA LAVA LUVAS INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. Refeitório Central Empresa responsável pelo transporte até a destinação final RESICONTROL SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA (ANTIGA SARPI) CAMPOS LAMINADORA DE PNEUS LTDA-ME BRASIL AMBIENTAL TRATAMENTO DE RESÍDUOS S.Novembro de 2009 Resíduo Areia.8 Área de apoio 3.VALE S.A. TOALHEIRO CAMPO GRANDE LTDA .97 EPI não contaminado Área operacional .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 148 . .76 0.ME 0.MINA DA MUTUCA .

CMD . tratamento de minério e apoio. CMD .0005 Co-processamento Lâmpada Fluorescente 0. CMD .A ATERRO ESSENCIS BETIM Vale S. ESSENCIS SOLUÇÕES AMBIENTAIS S. movimentação de produtos. papelão e borracha não contaminados Atividades de apoio 2.Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima RECITEC RECICLAGEM TÉCNICA DO BRASIL LTDA (CRB TÉCNICA AMBIENTAL) ESSENCIS MG SOLUÇÕES AMBIENTAIS S.03 Lixo comum 0.A (CURITIBA) CLEAN SERVICE SERVIÇOS GERAIS LTDA JAC EMPREENDIMENTOS AGROFLORESTAIS LTDA ASCAP . .09 Mistura de diferentes tipos de papel e papelão Mistura de embalagem. plástico.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 149 Continuação EPI Contaminado Oficina central.001 Descontaminação e reciclagem dos elementos constituintes Reciclagem Doação para ASCAP Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima Reciclagem Madeira 5.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.1 Pilha de Estéril Aterro Industrial . CONCRETÃO ICEI LTDA .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.61 Compostagem ou Aterro Industrial Resíduos de limpeza e varrição não perigosos Resíduos Sanitários Áreas Industriais Sanitários 0. papel.A. Área de apoio e manutenção Resíduos de embalagens CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.MINA DA MUTUCA . CMD .81 Resíduo de Alimentação Restaurante Caçambas ou bombonas no refeitório Retirado da fonte de geração para a destinação final Retirado da fonte de geração para a destinação final 20.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.VALE S.EPP 0. manutenção de equipamentos e operação de mina.4 0.A.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.

CMD . CMD .85 0.02 265.61 Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou reprocessamento 1 Reciclagem ou reprocessamento . CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.Unidade JOÃO MONLEVADE ARCELOR MITTAL BELGO .VALE S.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.Unidade JOÃO MONLEVADE ARCELOR MITTAL BELGO .MINA DA MUTUCA .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 150 Continuação Sucata de Aço Sucata de Alumínio Sucata de Ferro Manutenção Manutenção Manutenção CMD .A.Dezembro de 2009 Resíduo Areia.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. Empresa responsável pelo transporte até a destinação final RESICONTROL SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA (ANTIGA SARPI) CAMPOS LAMINADORA DE PNEUS LTDA-ME NOR-TEC COMÉRCIO INDÚSTRIA LTDA Geração (t/mês) 0. CMD .34 Destinação Final Área de manutenção Incineração Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem Manutenção Escritórios 30.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.9 1 .Unidade JOÃO MONLEVADE ASCACON ASSOCIAÇÃO DE CATADORES DE PAPEL E MATERIAIS RECICLÁVEIS DE CONGONHAS 304.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas Trilho Ferrovia Manutenção ARCELOR MITTAL BELGO .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. solo ou brita contaminados com óleos e graxas Borracha em tiras Cartucho de tinta e tonner para impressoras Origem Armazenamento Temporário CMD . CMD . .

VALE S.A. - MINA DA MUTUCA - 1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA

151

Continuação

Correia transportadora sem alma de aço Embalagens diversas de alimentos misturados com papéis e plásticos não contaminados

Manutenção TCLD

CMD - Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. Refeitório Central

R.B. RECICLAGEM LTDA - RECI BORRACHAS LARA CENTRAL DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS LTDA LAVA LUVAS INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA

15,2

Reciclagem ou reprocessamento Aterro

Área de apoio

5,39

EPI não contaminado

Área operacional

CMD - Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.

TOALHEIRO CAMPO GRANDE LTDA - ME 0,01 UNIVERSAL EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA (Walter Alves dos Santos ME) JAC EMPREENDIMENTOS AGROFLORESTAIS LTDA ASCAP - Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima SUZAQUIM INDÚSTRIAS QUÍMICAS LTDA Reciclagem

Madeira

Resíduos de embalagens

CMD - Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD - Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. Armazenadas dentro de tambores plásticos na CMD.

4,38

Reciclagem Doação para ASCAP Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima Devolução ao fornecedor ou Reciclagem

Mistura de diferentes tipos de papel e papelão

Atividades de apoio

0,13

Pilhas

Manutenção

0,0015

VALE S.A. - MINA DA MUTUCA - 1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA

152

Continuação

Resíduo de Alimentação

Restaurante

Caçambas ou bombonas no refeitório Retirado da fonte de geração para a destinação final CMD - Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD - Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD - Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD - Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.

ESSENCIS MG SOLUÇÕES AMBIENTAIS S.A ATERRO ESSENCIS BETIM Vale S.A. ARCELOR MITTAL BELGO - Unidade JOÃO MONLEVADE ARCELOR MITTAL BELGO - Unidade JOÃO MONLEVADE ARCELOR MITTAL BELGO - Unidade JOÃO MONLEVADE ARCELOR MITTAL BELGO - Unidade JOÃO MONLEVADE

0,012

Compostagem ou Aterro Industrial

Resíduos Sanitários Sucata de Aço Sucata de Alumínio Sucata de Bronze Sucata de Ferro

Sanitários Manutenção Manutenção Manutenção Manutenção

0,03 37,82 0,02 0,76 16,82

Aterro Industrial Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem ou reprocessamento

- Janeiro de 2010
Armazenamento Temporário Armazenadas dentro de tambores plásticos na CMD. CMD - Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. Empresa responsável pelo transporte até a destinação final SUZAQUIM INDÚSTRIAS QUÍMICAS LTDA R.B. RECICLAGEM LTDA - RECI BORRACHAS Geração (t/mês)

Resíduo

Origem

Destinação Final

Pilhas e Baterias

Áreas de apoio

0,2

Devolução ao fornecedor ou Reciclagem Reciclagem ou reprocessamento

Borracha e pneus

Manutenção

0,46

VALE S.A. - MINA DA MUTUCA - 1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA

153

Continuação

Madeira

Resíduos de embalagens Manutenção

CMD - Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD - Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD - Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.

JAC EMPREENDIMENTOS AGROFLORESTAIS LTDA TBG COMERCIAL LTDA CIRTEL METAIS COMÉRCIO DE METAIS LTDA FERRO VELHO E PRESTADORA DE SERVIÇOS NOSSA SENHORA DE FÁTIMA LTDA (antiga Ferro Velho e Reciclagem Nossa Senhora de Fátima Ltda - ME) ESSENCIS MG SOLUÇÕES AMBIENTAIS S.A ATERRO ESSENCIS BETIM

3,60

Reciclagem

Resíduos metálicos

38,27

Reciclagem Doação para ASCAP Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima

Papel e Papelão

Lixo comum

1,00

Plásticos

Lixo comum

CMD - Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.

0,78

Reciclagem

Resíduos orgânicos

Área de apoio (Restaurante, ETE, armazém, etc)

Em caçambas ou bombonas no Refeitório

20,13

Aterro Sanitário

brita.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.MINA DA MUTUCA . armazém.A ATERRO ESSENCIS BETIM Geração (t/mês) Resíduo Origem Destinação Final Areia. entulho de obra contaminado com óleos e graxas Borracha e pneus Área de apoio 0.65 Madeira 15.B.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. etc) Em caçambas ou bombonas no Refeitório 22. Empresa responsável pelo transporte até a destinação final RESICONTROL SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA (ANTIGA SARPI) R.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 154 . ETE.Fevereiro de 2010 Armazenamento Temporário CMD . CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD .Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.VALE S.10 Resíduos orgânicos Área de apoio (Restaurante. CMD .A. CMD .49 . .RECI BORRACHAS JAC EMPREENDIMENTOS AGROFLORESTAIS LTDA TBG COMERCIAL LTDA CIRTEL METAIS COMÉRCIO DE METAIS LTDA ESSENCIS MG SOLUÇÕES AMBIENTAIS S.78 Resíduos metálicos 81.Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. RECICLAGEM LTDA .02 Reprocessamento Doação para ASCAP Associação dos Catadores de Papel e Materiais Recicláveis de Nova Lima Aterro Sanitário Papel e Papelão Lixo comum 1.4 Incineração Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem Manutenção Resíduos de embalagens Manutenção 8.

VALE S.A. - MINA DA MUTUCA - 1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA

155

- Março de 2010
Empresa responsável pelo transporte até a destinação final CAMARGO CORRÊA CIMENTOS S.A. - Ijaci

Resíduo

Origem

Armazenamento Temporário CMD - Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD - Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD - Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD - Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas. CMD - Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.

Geração (t/mês)

Destinação Final

Óleos e graxas

Manutenção

1,35

Co-processamento

Resíduos e materiais contaminados com óleos e graxas Borracha e pneus

Manutenção e áreas de apoio

CAMARGO CORRÊA CIMENTOS S.A. - Ijaci R.B. RECICLAGEM LTDA - RECI BORRACHAS JAC EMPREENDIMENTOS AGROFLORESTAIS LTDA ASCACON ASSOCIAÇÃO DE CATADORES DE PAPEL E MATERIAIS RECICLÁVEIS DE CONGONHAS ASERBAC ASSOCIAÇÃO DOS CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS DE BARÃO DE COCAIS

5,28

Co-processamento

Manutenção Resíduos de embalagens

27,32

Reciclagem ou reprocessamento Reciclagem

Madeira

5,20

Resíduos metálicos

Manutenção

52,84

Reciclagem

Papel e Papelão

Lixo comum

CMD - Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.

2,44

Reciclagem

VALE S.A. - MINA DA MUTUCA - 1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA

156

Continuação

Plásticos

Lixo comum

CMD - Central de Materiais Descartáveis ou similar dentro das normas.

Resíduos orgânicos

Área de apoio (Restaurante, ETE, armazém, etc)

Em caçambas ou bombonas no Refeitório

FERRO VELHO E PRESTADORA DE SERVIÇOS NOSSA SENHORA DE FÁTIMA LTDA (antiga Ferro Velho e Reciclagem Nossa Senhora de Fátima Ltda - ME) ESSENCIS MG SOLUÇÕES AMBIENTAIS S.A ATERRO ESSENCIS BETIM

2,61

Reciclagem

29,49

Aterro Sanitário

VALE S.A. - MINA DA MUTUCA - 1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA

157

ANEXO H - Item 10: MONITORAMENTO DA QUALIDADE AMBIENTAL
Item 10.1 - Qualidade da água Apresentar, gráficos contendo os valores médios dos parâmetros de monitoramento do corpo receptor dos efluentes líquidos nos pontos estabelecidos, nos últimos dois anos, e a avaliação do comprometimento do nível de qualidade da água do mesmo, em função dos padrões fixados na legislação ambiental vigente no período. Situações anormais ocorridas deverão ser sucintamente relatadas e justificadas, assim como as medidas corretivas adotadas para solução das mesmas.

- Córrego Gorduras - Efluente da Barragem V A seguir serão apresentados gráficos dos parâmetros de monitoramento do corpo receptor dos efluentes líquidos, Córrego Gorduras, durante os anos de 2008, 2009 e janeiro e fevereiro de 2010.

60,00 50,00 mgPtCo/L 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00 10/01/2008 14/02/2008 13/03/2008 16/04/2008 19/05/2008 16/06/2008 14/07/2008 08/08/2008 15/09/2008 14/10/2008 18/11/2008 03/12/2008 26/01/2009 13/02/2009 17/03/2009 20/04/2009 11/05/2009 09/06/2009 10/07/2009 18/08/2009 02/09/2009 19/10/2009 10/11/2009 09/12/2009 27/01/2010 11/02/2010

Cor (mgPtCo/L)

DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/2008

.A.MINA DA MUTUCA .mg/l 10 15 20 25 30 35 40 45 0 5 10 9 8 7 6 5 4 3 2 1 0 1000 900 800 700 600 500 400 300 200 100 0 10/01/2008 14/02/2008 10/01/2008 14/02/2008 13/03/2008 16/04/2008 19/05/2008 16/06/2008 14/07/2008 08/08/2008 15/09/2008 14/10/2008 18/11/2008 03/12/2008 26/01/2009 13/02/2009 17/03/2009 20/04/2009 11/05/2009 09/06/2009 10/07/2009 18/08/2009 02/09/2009 19/10/2009 10/11/2009 09/12/2009 27/01/2010 11/02/2010 10/01/2008 14/02/2008 ph 13/03/2008 16/04/2008 19/05/2008 16/06/2008 14/07/2008 08/08/2008 15/09/2008 14/10/2008 18/11/2008 03/12/2008 26/01/2009 13/02/2009 17/03/2009 20/04/2009 11/05/2009 09/06/2009 10/07/2009 18/08/2009 02/09/2009 19/10/2009 10/11/2009 09/12/2009 27/01/2010 11/02/2010 13/03/2008 16/04/2008 19/05/2008 16/06/2008 VALE S. Totais (mg/L) DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/2008 14/10/2008 18/11/2008 03/12/2008 26/01/2009 13/02/2009 17/03/2009 20/04/2009 11/05/2009 09/06/2009 10/07/2009 18/08/2009 02/09/2009 19/10/2009 DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/2008 10/11/2009 09/12/2009 DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/2008 DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/2008 27/01/2010 11/02/2010 158 .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 Turbidez (UNT) 14/07/2008 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 08/08/2008 15/09/2008 Sólidos Dissolv.

Ferro Solúv.4 0.6 0.15 0. .30 0.10 0.2 1 10/01/2008 14/02/2008 13/03/2008 16/04/2008 19/05/2008 16/06/2008 14/07/2008 08/08/2008 14/10/2008 18/11/2008 03/12/2008 26/01/2009 13/02/2009 17/03/2009 20/04/2009 11/05/2009 09/06/2009 10/07/2009 14/02/2008 10/01/2008 0.MINA DA MUTUCA .20 0.25 0.8 1.35 0.00 0.A.2 0 13/03/2008 16/04/2008 19/05/2008 16/06/2008 14/07/2008 08/08/2008 14/10/2008 18/11/2008 03/12/2008 13/02/2009 17/03/2009 20/04/2009 11/05/2009 09/06/2009 18/08/2009 02/09/2009 19/10/2009 10/11/2009 09/12/2009 27/01/2010 10/01/2008 14/02/2008 13/03/2008 16/04/2008 19/05/2008 VALE S.mg/L mg/L 10 20 30 40 50 60 mg/L FE 0 0.05 0.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 16/06/2008 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 14/07/2008 08/08/2008 (*) Não é definido padrão pela legislação vigente. (mg/L Fe) Sólidos em Suspensão (mg/L) 15/09/2008 14/10/2008 18/11/2008 03/12/2008 26/01/2009 13/02/2009 17/03/2009 20/04/2009 Sólidos sedimentáveis (mg/L) 11/05/2009 09/06/2009 10/07/2009 18/08/2009 18/08/2009 02/09/2009 19/10/2009 10/11/2009 09/12/2009 27/01/2010 11/02/2010 02/09/2009 19/10/2009 10/11/2009 DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/2008 09/12/2009 27/01/2010 11/02/2010 159 . (*) Não é definido padrão pela legislação vigente.

córrego Gorduras.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 160 0. o mesmo pode estar relacionado ao período de chuvas. de 17 de março de 2005 e Deliberação Normativa Conjunta COPAM/CERH-MG n° 1 de 2008. Os parâmetros com resultados acima dos limites estabelecidos foram: Cor (no período de Janeiro a Abril de 2009). denotando evolução do sistema de controle quando comparados com os mesmos períodos dos anos anteriores.08 µS/cm 0.04 0.02 0 10/01/2008 14/02/2008 13/03/2008 16/04/2008 19/05/2008 16/06/2008 14/07/2008 08/08/2008 14/10/2008 18/11/2008 03/12/2008 26/01/2009 13/02/2009 17/03/2009 20/04/2009 11/05/2009 09/06/2009 10/07/2009 18/08/2009 02/09/2009 19/10/2009 09/12/2009 27/01/2010 Manganês solúvel (mg/L Mn) DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/2008 Em sua maioria.12 0. . 0. Ferro Solúvel (no período de Setembro de 2008).1 0. A alteração apresentada para Ferro Solúvel pode estar relacionada à geologia da região. .12 0.08 0.MINA DA MUTUCA .Sump da Cava Cor 27/01/2010 .A. estão atendendo os padrões estabelecidos pela legislação vigente. Sólidos dissolvidos (no período de Outubro de 2008).1 mg/L Mn 0. Quanto ao parâmetro Cor. os resultados apresentados para os parâmetros verificados em amostradas na saída da barragem.06 0.VALE S.06 0. Todos os parâmetros monitorados no mês de Janeiro e Fevereiro de 2010 encontramse dentro dos padrões estabelecidos pela Resolução CONAMA nº 357/2005.04 0.02 0 10/01/2008 14/02/2008 13/03/2008 16/04/2008 19/05/2008 16/06/2008 14/07/2008 08/08/2008 14/10/2008 18/11/2008 03/12/2008 26/01/2009 13/02/2009 17/03/2009 20/04/2009 11/05/2009 09/06/2009 10/07/2009 18/08/2009 02/09/2009 19/10/2009 10/11/2009 09/12/2009 10/11/2009 Condutividade Elétrica (µS/cm) (*) Não é definido padrão pela legislação vigente.

00 200.00 60. Turbidez . Condutividade Elétrica 140.30 mgPtCo/L. .00 20.00 (µg/cm) 80.VALE S.00 14/02/2008 16/04/2008 19/05/2008 16/06/2008 14/07/2008 08/08/2008 23/09/2008 14/10/2008 03/12/2008 13/02/2009 11/03/2009 20/04/2009 11/05/2009 09/06/2009 10/07/2009 18/08/2009 02/09/2009 19/10/2009 10/11/2009 09/12/2009 Cor DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/2008 = 75 mgPtCo/L (*) Em Novembro/2009 o resultado para o parâmetro Cor foi de 0.00 50.00 mgPtCo/L 150.A.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 161 250.00 0.00 40. A mesma não é apresentada no gráfico acima devido à escala utilizada.00 120.00 14/02/2008 16/04/2008 19/05/2008 16/06/2008 14/07/2008 08/08/2008 23/09/2008 14/10/2008 03/12/2008 13/02/2009 11/03/2009 20/04/2009 11/05/2009 09/06/2009 10/07/2009 18/08/2009 02/09/2009 19/10/2009 10/11/2009 09/12/2009 Condutividade Elétrica (*) Não é definido padrão pela legislação vigente.00 100.00 100.MINA DA MUTUCA .00 0.

A.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/2008 09/06/2009 02/09/2009 10/07/2009 19/10/2009 18/08/2009 10/11/2009 CONAMA 357/05 e DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/2008 .MINA DA MUTUCA .00 ph (in loco) 16/04/2008 0.Limite Máximo VALE S.00 120.pH 10.00 4.00 6.00 8. .00 20.00 40.00 60.00 80.00 (UNT) 0.Limite Mínimo 02/09/2009 09/12/2009 162 .00 2.00 100.00 19/05/2008 14/02/2008 16/04/2008 19/05/2008 16/06/2008 14/07/2008 08/08/2008 23/09/2008 14/10/2008 03/12/2008 13/02/2009 11/03/2009 20/04/2009 11/05/2009 16/06/2008 14/07/2008 08/08/2008 23/09/2008 Sólidos Sedimentáveis Turbidez 14/10/2008 03/12/2008 13/02/2009 11/03/2009 20/04/2009 11/05/2009 09/06/2009 10/07/2009 18/08/2009 CONAMA 357/05 e DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/2008 .

8 1.4 0.MINA DA MUTUCA . .6 1.6 0.2 1 0.2 1.mg/L mg/l 0.4 1. (mg/L) CONAMA 357/05 e DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/2008 10/11/2009 Sólidos em Suspensão 10/11/2009 VALE S.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 09/12/2009 09/12/2009 163 .8 0 100 110 10 20 30 40 50 60 70 80 90 0 16/04/2008 19/05/2008 16/06/2008 14/07/2008 08/08/2008 23/09/2008 14/10/2008 03/12/2008 11/03/2009 20/04/2009 11/05/2009 09/06/2009 10/07/2009 18/08/2009 02/09/2009 19/10/2009 16/04/2008 19/05/2008 16/06/2008 14/07/2008 08/08/2008 23/09/2008 14/10/2008 03/12/2008 13/02/2009 11/03/2009 20/04/2009 11/05/2009 09/06/2009 10/07/2009 18/08/2009 02/09/2009 19/10/2009 CONAMA 357/05 e DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/2008 Sólidos Dissolvidos Sólidos Sedimentáveis Sólidos em Suspens.A.

00 240.2 0.MINA DA MUTUCA .00 16/04/2008 19/05/2008 Ferro Solúvel 14/02/2008 16/04/2008 19/05/2008 16/06/2008 14/07/2008 08/08/2008 23/09/2008 14/10/2008 03/12/2008 13/02/2009 11/03/2009 20/04/2009 11/05/2009 09/06/2009 10/07/2009 18/08/2009 19/05/2008 16/06/2008 Manganês Solúvel 16/06/2008 14/07/2008 14/07/2008 08/08/2008 08/08/2008 23/09/2008 VALE S.2 0.00 0 16/04/2008 1 0.00 320.1 0.A.00 400.00 560.00 480.8 1.4 0 0.6 0.2 160.mg/L Mn (mg/L Fe) (mg/L) 0. .00 80.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA Manganês Solúvel Ferro Solúvel 14/10/2008 23/09/2008 Sólidos Dissolvidos 14/10/2008 03/12/2008 03/12/2008 13/02/2009 13/02/2009 11/03/2009 11/03/2009 20/04/2009 20/04/2009 11/05/2009 DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/2008 11/05/2009 09/06/2009 DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/2008 09/06/2009 10/07/2009 10/07/2009 CONAMA 357/05 e DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/2008 18/08/2009 02/09/2009 19/10/2009 10/11/2009 09/12/2009 18/08/2009 02/09/2009 19/10/2009 02/09/2009 19/10/2009 10/11/2009 09/12/2009 10/11/2009 09/12/2009 164 .3 0.4 0.

Classe II.VALE S. de 17 de março de 2005 Art.MINA DA MUTUCA .2 (mg/L Mn) 0. . .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 165 Manganês Total 0.1 0 16/04/2008 19/05/2008 16/06/2008 14/07/2008 08/08/2008 23/09/2008 14/10/2008 03/12/2008 13/02/2009 11/03/2009 20/04/2009 11/05/2009 09/06/2009 10/07/2009 18/08/2009 02/09/2009 19/10/2009 10/11/2009 09/12/2009 Manganês Total CONAMA 357/05 e DN CONJUNTA COPAM/CERH 01/2008 Todos os parâmetros monitorados no Sump da cava exaurida da mina da Mutuca. encontram-se em conformidade com os padrões estabelecidos pelas Resoluções CONAMA nº 357.A. 15 . 14 . Para a qualidade das águas foram apresentados e analisados os parâmetros do ponto a jusante da barragem 5 e no fundo do Sump da cava. como é o caso dos parâmetros: condutividade elétrica e manganês solúvel. analisados no período de 2008 a 2009.Classe II e Deliberação Normativa Conjunta COPAM/CERH-MG n0 1/2008 Art. Alguns parâmetros não tem padrões estabelecidos nas resoluções vigentes.

nos últimos dois anos. em função dos padrões fixados na legislação ambiental vigente no período.VALE S.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 166 Item 10. .2 .MINA DA MUTUCA . assim como as medidas corretivas adotadas para solução das mesmas. Situações anormais ocorridas deverão ser sucintamente relatadas e justificadas. e a avaliação do comprometimento do nível de qualidade do ar.A. Não se aplica .Qualidade do ar Apresentar gráficos contendo valores médios dos parâmetros de monitoramento da qualidade do ar na área de entorno do empreendimento nos pontos estabelecidos.

Não se aplica. é composta por dez pontos de medição. e registrando-as anotando o ruído correspondente. Bosque da Ribeira. assim como as medidas corretivas adotadas para solução das mesmas. moto. Para o registro das ocorrências sonoras é considerada uma medição por um período de vinte minutos. e a avaliação sobre o grau de atendimento aos padrões ambientais estabelecidos na legislação vigente no período. observando-se durante o monitoramento as interferências como: latido de cão. Item 10. assim como as medidas corretivas adotadas para a solução das mesmas.Conforto acústico Apresentar gráficos contendo os valores obtidos no monitoramento do nível de ruídos em todos os pontos definidos na área de entorno do empreendimento. São monitorados no empreendimento os pontos de lançamento direto do efluente líquido tratado. construção civil. em função dos padrões fixados na Legislação Ambiental vigente no período. Situações anormais ocorridas deverão ser sucintamente relatadas e justificadas.VALE S. e a avaliação sobre o grau de comprometimento da área.Avaliação de Ruído em Áreas Habitadas Visando o Conforto da Comunidade. em pontos definidos no entorno da área do empreendimento. .Associação Brasileira de Normas Técnicas.MINA DA MUTUCA . nos últimos dois anos. Vila Verde e Bairros Pilar e Olhos d’ Água.4 . etc.3 . O monitoramento das emissões sonoras é realizado de acordo com os procedimentos da norma NBR 10151 .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 167 Item 10. automóvel. O equipamento utilizado é um medidor de nível sonoro. diurno e noturno. nos últimos dois anos. Este monitoramento é contemplado dentre as medidas de controle executadas pelo empreendimento em atendimento à Condicionante nº 3 do Processo Administrativo 035/1989/007/2005.Qualidade das águas superficiais e subterrâneas Apresentar gráficos contendo os valores médios dos principais parâmetros de monitoramento das águas superficiais e subterrâneas (quando efetuadas). no curso d’água receptor. Situações anormais ocorridas deverão ser sucintamente relatadas e justificadas. nos pontos estabelecidos. Os gráficos a seguir apresentam o monitoramento do nível de ruído. Brüel & Kjaer devidamente calibrado conforme especificações da IEC 60651 e IEC 60804. caminhão. avião. Os pontos amostrados estão localizados nos condomínios Estância Serrana. . publicada em junho de 2000 pela ABNT . nos sistemas de controle.A.Acústica .

0 10.0 10/04/08 11/07/08 16/01/09 30/06/09 27/12/09 dB (A) NOTURNO NBR 10151/2000 .0 42.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 168 P1 D .A.0 44.0 40.0 5.0 20.Acústica P2 D .0 09/04/08 10/07/08 16/01/09 23/06/09 30/12/09 30/12/09 DIURNO NBR 10151/2000 .Estância Serrana . .0 15.0 40.0 35.0 45.0 46.0 0.0 25.0 10.Rua Perdizes Nº 212 50.Sede Social 54.VALE S.0 15.Acústica . Estância Serrana .0 45.0 35.0 20.Acústica P1 N .Rua Perdizes Nº 212 50.Cond.0 dB (A) 50.0 48.0 30.0 dB (A) 30.Clube Campestre .0 5.0 0.0 10/04/08 11/07/08 16/01/09 30/06/09 27/12/09 RESULTADOS EM Laeq(A) DIURNO NBR 10151/2000 .0 25.Cond.MINA DA MUTUCA .0 52.

0 11/04/08 11/07/08 16/01/09 30/06/09 30/12/09 NOTURNO NBR 10151/2000 .0 dB (A) 42.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 169 P2 N . Vila Verde .MINA DA MUTUCA .0 34.Clube Campestre .Acústica .Acústica P3 N .0 36.Rua Virginia Nº 15 60 50 dB (A) 40 30 20 10 0 09/04/08 10/07/08 16/01/09 23/06/09 29/12/09 29/12/09 DIURNO NBR 10151/2000 . .VALE S.Cond. Bosque do ribeira .Cond.0 40.0 38.Alameda dos Pinheiros nº 170 60 50 40 30 20 10 0 10/04/08 11/07/08 16/01/09 29/06/09 19/12/09 20/12/09 27/12/09 dB (A) NOTURNO NBR 10151/2000 .Sede Social 46.Cond.Alamenda Dos Pinheiros nº 170 70 60 50 dB (A) 40 30 20 10 0 09/04/08 10/07/08 16/01/09 23/06/09 21/12/09 DIURNO NBR 10151/2000 .Acústica P3 D .0 44.Acústica P4 D . Bosque do Ribeira .A.

VALE S.0 dB (A) 46.Cond.0 38.0 44.0 48.0 dB (A) 30.0 dB (A) 30.Acústica P5 N .0 40.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 170 P4 N .0 48.0 40. .0 10/04/08 11/07/08 16/01/09 28/06/09 19/12/09 NUTURNO NBR 10151/2000 .Praça no final da Alameda das Paineiras 51.Rua Virginia Nº 15 50.0 43.0 45.Acústica P5 D .Cond.0 10.0 10. Bosque do Ribeira .MINA DA MUTUCA . Bosque do Ribeira .Cond.Acústica .0 50.0 09/04/08 10/07/08 16/01/09 23/06/09 29/12/09 dB (A) DIURNO NBR 10151/2000 .Praça no final da Alameda dos Ipês 52.0 42. Vila Verde .0 44.Cond.0 20.Acústica P6 D .0 47.A. Bosque do Ribeira .0 0.0 20.0 50.0 09/04/08 10/07/08 16/01/09 23/06/09 29/12/09 DIURNO NBR 10151/2000 .Praça no final da Alameda das Paineiras 50.0 10/04/08 11/07/08 16/01/09 29/06/09 20/12/09 20/12/09 NOTURNO NBR 10151/2000 .0 49.0 46.0 40.0 0.

Rua Prof.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 171 P6 N .MINA DA MUTUCA .Bairro Pilar .0 15.0 5. Otílio Macedo Nº 322 80 70 60 dB (A) 50 40 30 20 10 0 09/04/08 10/07/08 16/01/09 25/06/09 30/12/09 DIURNO NBR 10151/2000 .Acústica P7 N .A.Cond.Acústica .Acústica P7 D .0 0.0 35.0 30.0 20.Bairro Pilar .0 10/04/08 11/07/08 16/01/09 29/06/09 19/12/09 dB (A) NOTURNO NBR 10151/2000 .VALE S. .0 40.0 25.0 10. Otílio Macedo Nº 322 80 70 60 50 40 30 20 10 0 07/04/08 10/07/08 15/01/09 19/06/09 16/12/09 dB (A) NOTURNO NBR 10151/2000 . Bosque do Ribeira .0 45.Praça no final da Alameda dos Ipês 50.Rua Prof.

Av.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 172 P8 D . Sygmund Weiss Nº 201 70 60 50 40 30 20 10 0 07/04/08 10/07/08 15/01/09 19/06/09 16/12/09 dB (A) NOTURNO NBR 10151/2000 . Sygmund Weiss Nº 13 70 60 50 40 30 20 10 0 07/04/08 10/07/08 15/01/09 19/06/09 16/12/09 dB (A) NOTURNO PADRÃO EM db(A) . .Bairro Pilar .Av.A.MINA DA MUTUCA .Bairro Pilar .Av.Bairro Pilar . Sygmund Weiss Nº 13 58 56 dB (A) 54 52 50 48 46 09/04/08 10/07/08 16/01/09 25/06/09 21/12/09 DIURNO NBR 10151/2000 .VALE S.Bairro Pilar . Sygmund Weiss Nº 201 70 60 50 dB (A) 40 30 20 10 0 07/04/08 10/07/08 15/01/09 19/06/09 16/12/09 DIURNO PADRÃO EM db(A) P8 N .Acústica P9 D .Acústica P9 N .Av.

Noturno: O resultado apresentou valor de pressão sonora dentro dos limites da ABNT NBR 10151. .Bairro Olhos d´Água .Diurno: O resultado apresentou valor de pressão sonora com algumas medições acima dos limites da ABNT NBR 10151. Observou-se tráfego de veículos no local.MINA DA MUTUCA .Acústica P10 N .Noturno: O resultado apresentou valor de pressão sonora dentro dos limites da ABNT NBR 10151.Condomínio Bosque da Ribeira . . Ponto 2 .Condomínio Estância Serrana .Bairro Olhos d´Água .Rua Rio das Flores Nº 102 70 60 50 40 30 20 10 0 07/04/08 10/07/08 15/01/09 19/06/09 16/12/09 dB (A) NOTURNO NBR 10151/2000 . Tal extrapolação ocorreu devido a grandes interferências externas como carros e pessoas no local.Rua Rio das Flores Nº 102 80 70 60 50 40 30 20 10 0 09/04/08 10/07/08 16/01/09 25/06/09 24/12/09 dB (A) DIURNO NBR 10151/2000 . Ponto 3 . temos as seguintes conclusões: Ponto 1 .Acústica Com a avaliação dos resultados de monitoramento dos pontos citados.A.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 173 P10 D .Diurno: O resultado apresentou valor de pressão sonora acima do limite nos meses de janeiro e dezembro dos limites da ABNT NBR 10151.VALE S.Clube Campestre . pois o ponto de amostragem está localizado nas proximidades da portaria do condomínio e obras em construções civis.Diurno: O resultado apresentou valor de pressão sonora dentro dos limites da ABNT NBR 10151. . .

Ponto 8 . construção civil.MINA DA MUTUCA .Bairro Pilar . foi observado tráfego intenso de veículos e ônibus no local. atividades da indústria na área de influência do ponto amostrado. Ponto 7 . devido à interferência de festa que ocorreu no condomínio e a passagem de carros no horário da medição. considerou-se também a influência da BR-040 e de pedestres no local.VALE S. no momento da medição. tanto as medições diurnas quanto as noturnas apresentaram-se dentro dos limites estabelecidos pela NBR 10.Condomínio Bosque da Ribeira . caminhão e pessoas conversando no local.151. . No local. .Noturno: O resultado apresentou valor de pressão sonora dentro dos limites da ABNT NBR 10.Tanto o monitoramento diurno quanto o noturno apresentou resultados acima dos limites da ABNT NBR 10151. .Diurno: O resultado apresentou valor de pressão sonora fora dos limites da ABNT NBR 10151. Tal extrapolação ocorreu devido à interferência de ventos moderados a fortes e pelo tráfego intenso na BR040. devido à interferência de trafego local. No local.Noturno: O resultado apresentou valores de pressão sonora acima dos limites da ABNT NBR 10151. no momento da medição.Tanto o monitoramento diurno quanto o noturno apresentou resultados acima dos limites da ABNT NBR 10151. pois o ponto em questão é localizado nas proximidades da portaria do condomínio.Noturno: O resultado apresentou valor de pressão sonora dentro dos limites da ABNT NBR 10151.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 174 . Devido à interferência de carros e da BR040. foi observado tráfego intenso de veículos e ônibus no local. considerou-se também a influência da BR-040 e de pedestres no local. Ponto 4 .Condomínio Bosque da Ribeira Neste ponto. Ponto 5 .Condomínio Vila Verde . . Ponto 6 .Bairro Pilar . Tal extrapolação ocorreu devido a grandes interferências externas como tráfego de veículos no local.151.Diurno: O resultado apresentou valor de pressão sonora acima dos limites da ABNT NBR 10151.Diurno: O resultado apresentou valor de pressão sonora dentro dos limites da ABNT NBR 10151.Bairro Pilar .A. Ponto 9 .

Escherichia Coli. onde foram acrescentados os seguintes parâmetros: Cor. Tal extrapolação ocorreu devido ao tráfego intenso de veículos e ônibus no local e também por ser uma área de influência da BR-040 e de pedestres conversando. Vila Verde e Clube Campestre) e bairros.5 . mantido NMP Coliformes Totais. da BR-040. . A partir do mês de Agosto de 2007. No local. contribui significativamente para o aumento dos níveis de ruído. Já os pontos de 7 a 10. Ponto 10 . Podemos concluir que a proximidade dos pontos amostrados nos condomínios (Estância Serrana. o empreendimento passou a atender à portaria 518/2004.Tanto o monitoramento diurno quanto o noturno apresentou resultados acima dos limites da ABNT NBR 10151. Cloro Residual Livre. incluindo a avaliação dos mesmos.Outros tipos de monitoramento Apresentar a compilação de dados ou resultados de quaisquer outros tipos de monitoramento ou estudos ambientais executados pelo empreendimento nos últimos dois anos.VALE S. Os pontos de 1 a 6 situam-se no interior dos condomínios onde as interferências causadas pelo tráfego de veículos são mais amenas. mencionadas anteriormente. . Foi interrompido o monitoramento dos seguintes parâmetros: NMP Coliformes Fecais e NMP Estreptococos. Não se aplica A seguir são apresentados gráficos do monitoramento das águas potáveis na área do empreendimento. No entanto.MINA DA MUTUCA .A.Olhos D’água . na forma mais conveniente. e a poluição sonora diagnosticada nesses locais não pode ser unicamente atribuída a atividade de transporte de minério por correias. devido ao tráfego intenso de veículos na rodovia. Bosque da Ribeira. considerou-se também a influência da BR-040 e de pedestres no local. o ruído contínuo proveniente dos Transportadores de Correia de Longa Distância (TCLD`s) é complementado por situações diversas. Item 10. pH.Noturno: Os resultados apresentaram valores de pressão sonora acima dos limites da ABNT NBR 10151.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 175 . foi observado tráfego intenso de veículos e ônibus no local. Turbidez. nos bairros Pilar e Olhos d Água. são influenciados diretamente pelo trafego intenso de veículos por serem áreas mais movimentadas de acordo com o maior contingente populacional e indústrias. no momento da medição.

00 40.00 7.00 10/01/08 14/02/08 10/01/08 14/02/08 10/03/08 16/04/08 19/05/08 16/06/08 14/07/08 08/08/08 23/09/08 14/10/08 17/11/08 03/12/08 26/01/09 13/02/09 11/03/09 20/04/09 11/05/09 09/06/09 10/07/09 18/08/09 02/09/09 19/10/09 10/11/09 09/12/09 27/01/10 11/02/10 10/03/08 16/04/08 Turbidez (UNT) Cor (mgPtCo/L) 19/05/08 .00 6.00 25.50 1.00 4.00 9.50 10.00 0.00 4.Bebedouro do Vestiário 16/06/08 VALE S.A.MINA DA MUTUCA .00 10/01/08 14/02/08 10/03/08 16/04/08 19/05/08 16/06/08 14/07/08 08/08/08 23/09/08 14/10/08 17/11/08 03/12/08 26/01/09 13/02/09 11/03/09 20/04/09 11/05/09 09/06/09 10/07/09 18/08/09 02/09/09 19/10/09 10/11/09 09/12/09 27/01/10 11/02/10 1.00 8.00 5.50 2.00 35.00 15.00 30.00 0.50 3.00 2.50 4.00 1.00 2.00 10. .mgPtCo/L 0.00 0.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 14/07/08 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 08/08/08 23/09/08 14/10/08 17/11/08 03/12/08 26/01/09 13/02/09 11/03/09 20/04/09 11/05/09 09/06/09 10/07/09 18/08/09 ph Portaria Nº518/04 Norma da Qualidade da água para consumo Humano Portaria Nº518/04 Norma da Qualidade da água para consumo Humano Portaria Nº518/04 Norma da Qualidade da água para consumo Humano Portaria Nº518/04 Norma da Qualidade da água para consumo Humano 02/09/09 19/10/09 10/11/09 09/12/09 27/01/10 11/02/10 176 .00 20.00 45.00 3.00 3.00 5.

mg/L 10.MINA DA MUTUCA .00 7.00 3.00 0.20 0.00 5.00 10/01/08 14/02/08 10/03/08 16/04/08 19/05/08 16/06/08 14/07/08 08/08/08 23/09/08 14/10/08 17/11/08 03/12/08 26/01/09 13/02/09 11/03/09 20/04/09 11/05/09 09/06/09 10/07/09 18/08/09 02/09/09 19/10/09 10/11/09 09/12/09 27/01/10 11/02/10 23/09/08 14/10/08 17/11/08 03/12/08 26/01/09 13/02/09 11/03/09 20/04/09 11/05/09 09/06/09 10/07/09 18/08/09 02/09/09 19/10/09 10/11/09 09/12/09 27/01/10 11/02/10 08/08/08 14/07/08 16/06/08 19/05/08 16/04/08 10/03/08 14/02/08 10/01/08 1.A.00 40.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 14/07/08 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 08/08/08 23/09/08 14/10/08 17/11/08 (*) Não é definido padrão pela legislação vigente.00 50.20 0.80 1.00 60. 03/12/08 26/01/09 13/02/09 11/03/09 Escherichia Coli (em 100mL) 20/04/09 NMP Coliformes Totais (em 100mg/L) 11/05/09 09/06/09 10/07/09 18/08/09 02/09/09 Cloro Residual Livre(mg/L) Portaria Nº518/04 Norma da Qualidade da água para consumo Humano Portaria Nº518/04 Norma da Qualidade da água para consumo Humano 19/10/09 10/11/09 09/12/09 27/01/10 11/02/10 177 .00 6.00 2.00 10/01/08 14/02/08 10/03/08 16/04/08 19/05/08 16/06/08 VALE S.00 1.60 0.00 30. (*) Não é definido padrão pela legislação vigente.00 0.00 20.40 0.00 mg/L mg/l 0. .00 4.

00 10/01/08 14/02/08 10/01/08 14/02/08 13/03/08 16/04/08 19/05/08 16/06/08 14/07/08 08/08/08 23/09/08 14/10/08 17/11/08 03/12/08 26/01/09 13/02/09 11/03/09 20/04/09 11/05/09 09/06/09 10/07/09 18/08/09 02/09/09 19/10/09 10/11/09 09/12/09 27/01/10 11/02/10 13/03/08 16/04/08 19/05/08 16/06/08 14/07/08 08/08/08 23/09/08 14/10/08 17/11/08 03/12/08 26/01/09 13/02/09 11/03/09 20/04/09 11/05/09 09/06/09 10/07/09 18/08/09 02/09/09 19/10/09 10/11/09 09/12/09 27/01/10 11/02/10 10/01/08 14/02/08 13/03/08 16/04/08 Cor (mgPtCo/L) Turbidez (UNT) 19/05/08 -Torneira do Restaurante 16/06/08 VALE S.00 8.00 5.00 0.00 30.00 0.00 60.00 8.00 3.A.00 10.00 16.00 6.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 14/07/08 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 08/08/08 23/09/08 14/10/08 17/11/08 03/12/08 26/01/09 13/02/09 11/03/09 20/04/09 11/05/09 09/06/09 10/07/09 18/08/09 02/09/09 ph Portaria Nº 518/04 Norma da Qualidade da água para consumo Humano Portaria Nº 518/04 Norma da Qualidade da água para consumo Humano Portaria Nº 518/04 Norma da Qualidade da água para consumo Humano Portaria Nº 518/04 Norma da Qualidade da água para consumo Humano 19/10/09 10/11/09 09/12/09 27/01/10 11/02/10 178 .00 6.00 20.mgPtCo/L 10.00 14.00 2.00 10.00 70. .00 4.00 18.00 0.00 9.00 4.MINA DA MUTUCA .00 40.00 50.00 7.00 12.00 80.00 1.00 2.00 20.

00 30.MINA DA MUTUCA . 03/12/08 26/01/09 13/02/09 11/03/09 Escherichia Coli (em 100mL) 20/04/09 11/05/09 NMP de Coliformes Totais(em 100 mL) 09/06/09 10/07/09 18/08/09 02/09/09 Cloro Residual Livre(mg/L) Portaria Nº518/04 Norma da Qualidade da água para consumo Humano Portaria Nº518/04 Norma da Qualidade da água para consumo Humano 19/10/09 10/11/09 09/12/09 27/01/10 11/02/10 179 .00 0.00 10/01/08 14/02/08 10/01/08 14/02/08 13/03/08 16/04/08 19/05/08 16/06/08 14/07/08 08/08/08 23/09/08 14/10/08 17/11/08 03/12/08 26/01/09 13/02/09 11/03/09 20/04/09 11/05/09 09/06/09 10/07/09 18/08/09 02/09/09 19/10/09 10/11/09 09/12/09 27/01/10 14/02/08 13/03/08 16/04/08 19/05/08 16/06/08 14/07/08 08/08/08 23/09/08 14/10/08 17/11/08 03/12/08 26/01/09 13/02/09 11/03/09 20/04/09 11/05/09 09/06/09 10/07/09 18/08/09 02/09/09 19/10/09 10/11/09 09/12/09 27/01/10 11/02/10 13/03/08 16/04/08 19/05/08 16/06/08 VALE S.00 7.50 0.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 14/07/08 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 08/08/08 23/09/08 14/10/08 17/11/08 (*) Não é definido padrão pela legislação vigente.00 80.00 4.00 1.50 4.00 10/01/08 5.00 40.00 90.50 5.00 3.00 70.00 9.00 10.00 1.00 2.00 3.00 1.mg/L 100.00 10.50 3.00 6. .00 8.00 60.50 2. (*) Não é definido padrão pela legislação vigente.00 20.00 50.00 0.00 4.A.00 2.00 0.

00 9.00 60.00 10/01/08 14/02/08 13/03/08 16/04/08 19/05/08 16/06/08 14/07/08 08/08/08 23/09/08 14/10/08 17/11/08 03/12/08 26/01/09 13/02/09 11/03/09 20/04/09 11/05/09 09/06/09 10/07/09 18/08/09 02/09/09 19/10/09 10/11/09 09/12/09 27/01/10 11/02/10 14/02/08 13/03/08 16/04/08 19/05/08 16/06/08 14/07/08 08/08/08 23/09/08 14/10/08 17/11/08 03/12/08 26/01/09 13/02/09 11/03/09 20/04/09 11/05/09 09/06/09 10/07/09 18/08/09 02/09/09 19/10/09 10/11/09 09/12/09 27/01/10 11/02/10 2.00 7.00 10.00 10/01/08 1.00 0.00 8.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 14/07/08 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 08/08/08 23/09/08 .00 10/01/08 14/02/08 13/03/08 Cor (mgPtCo/L) 16/04/08 Turbidez (UNT) 19/05/08 16/06/08 VALE S.00 20.00 5.00 40.00 70.00 50. .00 5.00 8.Caixa By Pass Mutuca /Campestre 14/10/08 17/11/08 03/12/08 26/01/09 13/02/09 11/03/09 20/04/09 11/05/09 09/06/09 10/07/09 18/08/09 ph Portaria Nº518/04 Norma da Qualidade da água para consumo Humano Portaria Nº518/04 Norma da Qualidade da água para consumo Humano Portaria Nº518/04 Norma da Qualidade da água para consumo Humano Portaria Nº518/04 Norma da Qualidade da água para consumo Humano 02/09/09 19/10/09 10/11/09 09/12/09 27/01/10 180 .00 10.00 3.00 6.00 1.00 7.00 9.mgPtCo/L 10.00 6.00 2.00 4.A.00 0.00 3.MINA DA MUTUCA .00 4.00 30.00 0.

00 mg/L 1000.00 600.00 1400.00 200.00 800.00 1200.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 16/06/08 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 14/07/08 08/08/08 Cloro Residual Livre (mg/L) 23/09/08 14/10/08 (*) Não é definido padrão pela legislação vigente.00 6.00 2.00 10/01/08 mg/l 0.00 1000.00 4.00 0.00 13/03/08 16/04/08 19/05/08 16/06/08 14/07/08 08/08/08 23/09/08 14/10/08 17/11/08 03/12/08 26/01/09 13/02/09 11/03/09 20/04/09 11/05/09 09/06/09 10/07/09 18/08/09 02/09/09 19/10/09 10/11/09 09/12/09 27/01/10 11/02/10 10/01/08 14/02/08 13/03/08 16/04/08 19/05/08 VALE S.00 400.00 14/02/08 10/01/08 14/02/08 13/03/08 16/04/08 19/05/08 16/06/08 14/07/08 08/08/08 23/09/08 14/10/08 17/11/08 03/12/08 26/01/09 11/03/09 20/04/09 11/05/09 09/06/09 10/07/09 18/08/09 02/09/09 19/10/09 10/11/09 09/12/09 27/01/10 400.00 1. NMP Coliformes totais (em 100mg/L) Portaria Nº518/04 Norma da Qualidade da água para consumo Humano Portaria Nº518/04 Norma da Qualidade da água para consumo Humano 11/02/10 (*) Não é definido padrão pela legislação vigente.A.00 5.00 7.00 9.00 200.00 3.00 1400.00 0. . 17/11/08 03/12/08 26/01/09 13/02/09 Escheriachia Coli(em 100mL) 11/03/09 20/04/09 11/05/09 09/06/09 10/07/09 18/08/09 02/09/09 19/10/09 10/11/09 09/12/09 27/01/10 181 .MINA DA MUTUCA .00 1200.00 800.00 8.10.00 600.

00 40.MINA DA MUTUCA .00 4.00 25.00 10/01/2008 14/02/2008 . Portaria Nº518/04 Norma da Qualidade da água para consumo Humano Portaria Nº518/04 Norma da Qualidade da água para consumo Humano 03/12/2008 26/01/2009 ph 13/02/2009 17/03/2009 20/04/2009 11/05/2009 09/06/2009 10/07/2009 18/08/2009 02/09/2009 19/10/2009 10/11/2009 09/12/2009 27/01/2010 182 .00 20.00 80.00 10.00 5.00 6.00 20.mgPtCo/L 10.00 30.00 10/01/08 1. .00 8.00 0.00 100.00 5.Entrada da ETA 13/03/2008 16/04/2008 19/05/2008 Cor (mgPtCo/L) Turbidez (UNT) 16/06/2008 VALE S.A.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 14/07/2008 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 08/08/2008 15/09/2008 14/10/2008 18/11/2008 (*) Não é definido padrão pela legislação vigente.00 70.00 15.00 10/01/08 14/02/08 13/03/08 16/04/08 19/05/08 16/06/08 14/07/08 08/08/08 23/09/08 14/10/08 17/11/08 03/12/08 26/01/09 11/03/09 20/04/09 11/05/09 09/06/09 10/07/09 18/08/09 02/09/09 19/10/09 10/11/09 09/12/09 27/01/10 11/02/10 14/02/08 13/03/08 16/04/08 19/05/08 16/06/08 14/07/08 08/08/08 23/09/08 14/10/08 17/11/08 03/12/08 26/01/09 11/03/09 20/04/09 11/05/09 09/06/09 10/07/09 18/08/09 02/09/09 19/10/09 10/11/09 09/12/09 27/01/10 11/02/10 2.00 90.00 7.00 0.00 30.00 50.00 60.00 3.00 0.

00 10/01/2008 10/01/08 14/02/08 13/03/08 16/04/08 19/05/08 16/06/08 14/07/08 08/08/08 23/09/08 14/10/08 17/11/08 03/12/08 26/01/09 11/03/09 20/04/09 11/05/09 09/06/09 10/07/09 18/08/09 02/09/09 19/10/09 10/11/09 09/12/09 27/01/10 09/12/2009 27/01/2010 11/02/10 14/02/2008 13/03/2008 16/04/2008 19/05/2008 16/06/2008 14/07/2008 08/08/2008 15/09/2008 14/10/2008 18/11/2008 03/12/2008 26/01/2009 13/02/2009 17/03/2009 20/04/2009 11/05/2009 09/06/2009 10/07/2009 18/08/2009 02/09/2009 19/10/2009 10/11/2009 mg/l VALE S.80 1.60 0.mg/L 1000.40 0.00 800.00 0.00 600. 183 .00 200.A.MINA DA MUTUCA .00 400. NMP Coliformes Totais (em 100mg/L) Escheriachia Coli (*) Não é definido padrão pela legislação vigente.00 1400.20 (*) Não é definido padrão pela legislação vigente.00 1200. .00 1.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 0.20 0.00 0.

procedimentos adotados para neutralizar ou atenuar os impactos sobre os meios físico. . Não se aplica. . . que tenham repercutido externamente ao empreendimento sobre os meios físico. Item 11.Item 11: GERENCIAMENTO DE RISCOS Item 11. especificar a(s) data(s) da(s) ocorrência(s) anteriormente registrada(s). Em caso de ocorrência de acidentes o empreendimento possui planos de emergência em seu sistema. .Histórico Apresentar um relato de todas as situações de emergência nas unidades de processo ou nas unidades de tratamento/destinação de efluentes ou resíduos nos últimos dois anos.tempo de interrupção da operação da(s) unidade(s) afetada(s). .destinação dos materiais de rescaldo e resíduos coletados na(s) área(s) afetada(s). .descrição da ocorrência e da(s) unidade(s) afetada(s). estabelecer um procedimento eficaz para atender situações de emergências que possam ocorrer dentro das instalações das Minas de Capão Xavier. . . . biótico ou antrópico.descrição geral da(s) área(s) afetada(s).instituições informadas sobre a ocorrência. A ação do plano de emergência tem como objetivo. biótico ou antrópico.procedimentos adotados para anular as causas da ocorrência.VALE S.Avaliação das medidas implementadas Apresentar uma avaliação sobre o desempenho da empresa na detecção e correção das situações de emergência relatadas anteriormente. bem como na identificação e mitigação dos impactos ambientais decorrentes.em caso de reincidência. contendo as seguintes informações: . destacar a sistematização de medidas preventivas e/ou planos de contingência estabelecidos em função dessas ocorrências. . Nos últimos dois anos não foram registradas ocorrências de acidentes na área.forma e tempo para detecção da ocorrência. . Mar Azul e Terminal de Olhos D’água.MINA DA MUTUCA .A. .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 184 ANEXO I .causas apuradas.2 .duração da ocorrência. .identificação e quantificação dos danos ambientais causados.1. Se aplicável. Mutuca.

1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 185 Outra medida preventiva é a Comunicação de Acidentes e Incidentes. classificação.A. possibilitando desta forma intervenções rápidas e eficazes. registro. . . a fim de determinar as causas. investigação e análise de Incidentes Ambientais. visando preservar a integridade física do pessoal.VALE S. que estabelece procedimentos a serem adotados para comunicação. as instalações do sistema e a qualidade ambiental. bem como as ações necessárias para prevenir a sua repetição.MINA DA MUTUCA .

apresentar uma avaliação dos resultados sobre a qualidade dos produtos e as conseqüências no tocante à minimização dos impactos ambientais da atividade. As principais inovações tecnológicas adotadas na área da Mina da Mutuca seguem descritas a seguir: . foram instalados Filtros Pneumapress. . Caso positivo.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 186 ANEXO J .Controle ambiental Descrever as inovações tecnológicas dos processos de controle ambiental aplicáveis ao empreendimento.A. .Estão sendo instalados hidrômetros em pontos estratégicos para melhor controle (balanço hídrico) do recurso hídrico. apresentar uma avaliação sobre a adoção dessas tecnologias e as conseqüências no tocante à minimização dos impactos ambientais da atividade e melhoria do desempenho ambiental da empresa. .MINA DA MUTUCA . Não se aplica Item 12. adotadas ou não no empreendimento.A unidade da Mina da Mutuca também está adotando a reutilização de óleo motor (filtragem do óleo) e a compra de equipamentos visando menor consumo energético. com "start-up" no final de 2009. Caso tenham sido adotadas novas tecnologias.VALE S. . surgidas nos últimos dois anos.1 .Produção Descrever no Anexo J as inovações tecnológicas de processos produtivos ocorridas no período correspondente a licença vincenda.2 . Estes terão como objetivo precisar melhor a quantificação do volume de rejeitos lançados na Cava da Mutuca.Item 12: ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Item 12. implantados ou não no empreendimento.Objetivando um gerenciamento mais eficaz de efluentes no sistema.

1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 187 ANEXO K . processos. . . etc.VALE S. . tais como: .Definição e implementação de indicadores de desempenho ambiental.SGA. . . segundo a NBR ISO 14. .Desenvolvimento de estudo de Análise do Ciclo de Vida de matérias-primas e produtos.Implantação de técnicas de Produção Mais Limpa (P+L).A.Implantação do sistema de gestão ambiental . . visto que atualmente os resíduos são armazenados de forma descentralizada pelas unidades operacionais. Os sistemas a serem implantados visando a melhoria do gerenciamento de resíduos local segue abaixo: a) Coletores: Padrões distintos de cores e de identificação de coletores. conforme procedimentos já estabelecidos e implantados. . etc.Adesão a códigos setoriais visando à melhoria da qualidade dos produtos. propiciando dificuldades de segregação de resíduos por usuários. . Tornase.Obtenção de certificação ambiental.MINA DA MUTUCA . Para o adequado controle da movimentação de resíduos é necessária a finalização da construção do CMD.Implementação de programas de conservação ambiental. qualidade ambiental.Item 13: MEDIDAS DE MELHORIA CONTÍNUA DO DESEMPENHO AMBIENTAL Descrever em linhas gerais. A Vale está readequando sua estrutura de gerenciamento de resíduos na unidade da Mina da Mutuca. a disseminação do novo fluxo que será estabelecido para os resíduos e a adequada consolidação dos dados de movimentação de resíduos.001 ou outras normas similares.Implementação de programas de educação ambiental. portanto necessária a padronização da pintura e identificação dos coletores b) Armazenamento centralizado: Esta em andamento a construção de um CMD (Centrais de Materiais Descartados). os projetos e programas estabelecidos ou em andamento visando à melhoria contínua do desempenho ambiental global do empreendimento.

de flautas. artes plásticas. Abaixo segue os Programas de Relacionamento com a Comunidade praticado pela VALE. a APAE Itabirito.Projeto Centro de Apoio à Saúde do Adolescente.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 188 ANEXO L .Projeto Fred. quadra poliesportiva.Item 14: Relacionamento com a comunidade Descrever em linhas gerais. unidade da Mina da Mutuca. que marcará presença nos municípios de Nova Lima. que são incentivados a progredir por meio de um conjunto de iniciativas e que incluem programas de capacitação. A área é constituída por um anfiteatro. pista de cooper.Quik Cidadania. musicalização e capoeira.A. A empresa. possui alguns projetos aprovados pela Lei Rouanet e que começaram a acontecer no segundo semestre de 2009 como: . um investimento de R$1. também no Jardim Canadá e em Rio Acima: oficina de tapeçaria associada à comercialização em galerias e shopping diversos. . Para Estação Conhecimento. . entre outros.VALE S. além de grupos de práticas em conjunto como coro adulto.Projetos sociais em Itabirito: investimentos que beneficiam 5. .400 crianças. realizado pela Creche Comunitária São Judas Tadeu. etc. adolescentes e familiares ligados a Associação ”O Adolescer para a Vida” . fruto do acordo celebrado entre a Vale e a Prefeitura Municipal de Nova Lima e comunidades. A Estação é um Núcleo de Desenvolvimento Humano e Econômico. Rio Acima e Itabirito: oficinas de bonecos e apresentação de peça teatral. . durante a implantação da Mina de Capão Xavier. proporcionado uma alternativa de geração de renda. Ele está sendo viabilizado por meio de parcerias locais entre o poder público e entidades da sociedade. em Nova Lima: desenvolvimento de habilidades artísticas de crianças e adolescentes. orquestra sinfônica. os mecanismos de comunicação interna e externa do PSC. . com o Projeto Pares e a Pastoral de Criança e do Menor de Itabirito . no Anexo L. . no bairro Jardim Canadá a proposta prevê a formação de uma ONG para gerir o projeto. em Nova Lima. A Vale construiu. a relação da empresa com a comunidade destacando os projetos e públicos preferenciais do programa de educação ambiental.Escola de Musica de Nova Lima: aulas de instrumentos. . playground e locais de convivência. cujo foco prioritário são crianças e jovens. em parceria com o poder executivo a Praça Quatro Elementos. aspectos negativos e positivos identificados em relação a empresa nos estudos de percepção ambiental.Projetos Sociais em Nova Lima.7 milhão. que beneficiam cerca de 800 crianças e adolescentes que participam do Projeto Do Lin Do Lá.Teatro Móvel Giramundo.MINA DA MUTUCA . no Jardim Canadá. por meio de aulas gratuitas de dança. atividades esportivas. desenvolvido pelo Instituto Kairós e pelo Projeto CriançArte. teoria musical e canto. no Jardim Canadá. no momento. as ações de cunho social.Programa Gerar Vida.

as melhorias na via de acesso do Condomínio Passárgada (ampliação da estrada nos trechos de curvas acentuadas.MINA DA MUTUCA .A.VALE S. construção de canaletas para drenagem e instalação de quebra-molas. .1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 189 Outras ações que também podem ser destacadas é a reforma da Policlínica do Jardim Canadá. além do aterro do campo de Golfe do Condomínio Morro do Chapéu. .

11 Classificação dos investimentos Despesas com revegetação (forrageiras e reflorestamentos) Orçamentos para 2010 Classificação dos investimentos Desenvolvimento Sustentável Nº projeto Nome do projeto Adequação do sistema de drenagem dos pátios da Mina da Mutuca Repot.021. nos últimos 4 anos.MINA DA MUTUCA .000. em valores atualizados.191.000. Investimentos em 2009 Classificação dos investimentos Desenvolvimento Sustentável Nº projeto 124703 Total Nome do projeto Parede Norte Mutuca Realizado 2009 (R$) 228.00 350.A.00 Melhoria Reposição Desenvolvimento Sustentável 125680 125706 124703 Total 350.00 200.000.Item 15: INVESTIMENTOS NA ÁREA AMBIENTAL Apresentar. Captação de Água na Cava da Mutuca Tubulação de Água da TCLD MUT/TOD Parede Norte MUT Orçado 2010 (R$) 125626 1.000.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 190 ANEXO M . dados consolidados de investimentos de capital e custeio em meio ambiente nas áreas de controle da poluição hídrica.00 .000.45 Realizado 2009 (R$) 272. de forma consolidada. gerenciamento de resíduos.021.45 228. .900. Apresentar. atmosférica e do solo. gerenciamento de riscos e administração de meio ambiente.VALE S. a análise custo x benefício dos investimentos na área ambiental.000.00 1.

MINA DA MUTUCA .A. .3 .Item 16: INDICADORES AMBIENTAIS Item 16. as áreas preservadas considerando a licença vincenda e as LO’s relacionadas.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 191 ANEXO N . considerando as seguintes informações: Denominação da(s) área(s): Área de Preservação da Mata do Tumbá -Superfície: 169 ha -Formação(ões) vegetal(ais): Mata de Galeria .Áreas Preservadas Citar.VALE S.

“Art.Desativação das estruturas c) Descrever as medidas adotadas para a desativação das estruturas listadas acima. No Complexo Paraopeba. Para o reflorestamento o número de mudas para o plano inicial e o plano revisado foi de 3000 mudas.”. A vida útil do empreendimento é estimada até o ano de 2019. pilhas.Pafem. Na Mina da Mutuca. o empreendedor deverá protocolizar na unidade do órgão ambiental responsável pelo licenciamento do empreendimento o Plano Ambiental de Fechamento de Mina . . 5º Com antecedência mínima de dois anos do fechamento da mina. preparo do solo através de regularização e coveamento manual. são feitos através da definição das superfícies estáveis. Em todos os processos de revegetação. bermas. O processo de monitoramento do desenvolvimento das plantas é contínuo e sempre que necessário são realizados novos repasses nas áreas tratadas até que se obtenha uma cobertura vegetal satisfatória capaz de cobrir todo o solo e o completo estabelecimento da vegetação.Paralisação da atividade NÃO. A definição das áreas se baseou no levantamento e mapeamento dos locais aptos para receberem os trabalhos de revegetação. Não se aplica.A. quando aplicável. todas as ações de reabilitação das áreas impactadas pela atividade minerária realizadas durante o período da vigência da Licença de Operação vincenda.1 .2 .2 ha. ou seja.MINA DA MUTUCA . e demais locais comuns na atividade mineral com conformação adequada e drenagem já em caráter definitivo. Item 17. . as superfícies a serem tratadas foram previamente preparadas. Apresentar.VALE S.3 . o plano inicial de revegetação foi de 15. relatório circunstanciado conforme Art. o uso atual das áreas correspondentes e as ações realizadas para reabilitação ambiental.Item 17: AÇÕES DE FECHAMENTO DA MINA Item 17.Ações de Reabilitação Ambiental Descrever sucintamente.. bancos. A primeira estimativa de plantio para o período chuvoso compreendido entre jun/08 a jul/09 foi feita com base nos projetos de lavra de médio prazo.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 192 ANEXO O . com drenagens adequadas e passíveis de revegetação. (*) O Plano de Fechamento de Mina será apresentado ao órgão estadual competente de acordo com a DN 127/2008. Item 17. recebendo sistemas de drenagem compatíveis com cada situação. suficiente para a proteção contra processo erosivo.3 ha e o plano revisado de 19.. Foram levadas em conta somente as áreas que se apresentassem em “pit final” até o final de 2008. 7º da DN 127/2008. os trabalhos de planejamento das áreas a serem reabilitadas se iniciaram em maio de 2008.

Os investimentos e custeio com a revegetação da área pode ser visto no Anexo M. as características dos meios físico e biótico e os aspectos sócio-econômicos da região Não se aplica.300 mudas plantadas. recuperação.VALE S. levando-se em consideração as suas aptidões. As alternativas de uso futuro da área serão apresentadas conforme DN 127/2008 a qual estabelece que o PAFEM deverá ser apresentado pelo menos 2 anos antes da desativação do empreendimento.4 .Alternativo de Uso Futuro da área minerada Apresentar. . deste documento. . avaliação preliminar ou reavaliação das alternativas da utilização prevista para a área impactada pela atividade mineraria. Item 17. O empreendedor irá proceder com as alternativas de uso futuro priorizando a preservação.MINA DA MUTUCA .A. a intenção de uso pós-operacional. Ressalta-se que a vida útil do empreendimento é estimada até o ano de 2019. visando manter a qualidade ambiental local. estabilidade das áreas e monitoramento freqüente.1VALE14B-1-CE-RAD-0026 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL RADA 193 A meta inicial proposta foi superada para o planejamento e execução de plantio de mudas na reabilitação da área chegando a 3.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful