P. 1
dinamica de grupo - resumo

dinamica de grupo - resumo

|Views: 2.075|Likes:
Publicado porClaudia Santos

More info:

Published by: Claudia Santos on Mar 29, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/06/2013

pdf

text

original

1

AS PESSOAS SÃO DIFERENTES Todo profissional que lida com pessoas e grupos deve compreender os fenômenos de grupo, para ter melhores condições de constituir equipes e administrar os fenômenos advindos desse processo relacional. As pessoas vivem sempre sob fortes influências de emoções , sentimentos , desejos etc. Muitas das quais o indivíduo sequer tem a clareza do quanto inconscientemente governam as suas ações rotineiras ou os seus projetos de vida , transformando-se em verdadeiras variáveis governantes do seu comportamento. Saber ou não dessa realidade é uma coisa , negá-la é impossível , e compreendê-la é a nossa obrigação, já que lidamos com seres humanos todos os dias . Dinâmica de grupo é uma ferramenta que age em busca de um objetivo específico . A dinâmica de grupo se propõe a refletir atitudes e relações nos planos consciente e pré- consciente, enfatizar a autonomia do grupo e modificar a conduta do indivíduo no plano da relação interpessoal. COMO A DINÂMICA PODE AVALIAR SE OS CANDIDATOS ESTÃO APTOS OU NÃO PARA O CARGO EM ABERTO? Quando se aplica uma dinâmica de grupo em seleção, queremos agilizar o processo de escolha de um candidato para alguma vaga. A eficácia desse método consiste em colocar o candidato em situação de grupo, para que se envolva em diferentes tarefas, podendo desempenhar um papel de forma autêntica. Ao iniciar o processo seletivo, o selecionador já sabe quais são as características profissionais e pessoais (Perfil Profissiográfico) que a empresa está buscando no mercado de trabalho. Portanto, a dinâmica de grupo auxilia a revelação das características dos profissionais que estão participando do processo. O candidato deve ser espontâneo e coerente com seus objetivos pessoais e profissionais, não há um comportamento pré-definido . Em primeiro lugar, o candidato deve perceber quais são seus limites e suas potencialidades para que possa respeitar a si mesmo e aos outros, independentemente da participação no processo seletivo. Para isso, o ideal é ser espontâneo, coerente e objetivo, flexível porém sem deixar de colocar suas idéias e opiniões, ser disponível para participar das atividades propostas, utilizar este processo para o crescimento pessoal e profissional. Já no treinamento, ela pode ser usada como recurso didático, buscando mudanças de atitude ou no que se refere a aprender, aperfeiçoar ou qualificar as ações já existentes. O jogo dramático gera um campo relaxado no treinamento, favorecendo um maior aprendizado através do lúdico. Não existe uma atividade especialmente utilizada nas dinâmicas de grupo, existe a definição do objetivo do trabalho e a melhor técnica que atende este, bem como ao estilo do profissional. EQUIPES As equipes rompem a rigidez hierárquica das empresas baseada em compartimentos, facilitando o processo de comunicação interna, reúnem conhecimentos de várias áreas, aproximando pessoas diferentes, proporcionando a todas crescimento, através da equipe o conhecimento flui melhor, e sabemos o conhecimento tem que rolar para encontrar outro e produzir um terceiro, só assim há inovação. A participação em equipes desperta o líder que há em cada pessoa, criando oportunidades de exercício da liderança, mais além disso, trabalhar em equipe gera comprometimento, cooperação, aprendizagem e transformação. GRUPO CONCEITO: Em princípio, grupo seria um conjunto de pessoas com objetivos em comum. É o começo de tudo, um conjunto de pessoas com objetivos. MAS PARA QUE SERVEM OS GRUPOS? Grupo vem da palavra italiana GRUPPO, pode ser compreendido como “um conjunto de objetos que se vêem de uma vez, reunião de coisas que formam um todo, ou reunião de pessoas unidas para um fim comum” é um conceito que foi concebido na matemática para designar um “conjunto de elementos com uma determinada composição que satisfaz certas condições”. As pessoas diferem na maneira de perceber, pensar, sentir e agir. As diferenças individuais são, portanto, inevitáveis com suas conseqüentes influências na dinâmica interpessoal. As diferenças entre as pessoas não podem ser consideradas inerentemente boas ou más. Algumas vezes, trazem benefícios ao grupo e ao indivíduo, outras vezes, trazem prejuízos, reduzindo-lhe a eficiência. Portanto, as diferenças individuais

2 podem ser consideradas intrinsecamente desejáveis e valiosas. pode-se verificar que a integração é mais lenta. a quantidade de componentes é mais satisfatória. mantém a atenção das pessoas do grupo. impõe-se suas próprias metas e estimula-se nas . mas se faz com maior profundidade . integração mais rápida . então o tamanho . falta de interesse e causa resistência (alguns participam e outros não). as coisas não são tão claras. produto de trabalhos coletivos. organização e através de sua dinâmica os componentes que constituem forças em ação e que determinam os processos de grupo (movimentos de progresso ou dificuldades/retrocesso grupal) TAMANHO Grande : Dificuldade de participação de modo funcional . FORÇAS ATUANTES QUE INTERFEREM NA AÇÃO DE UM GRUPO Grupo é um processo de mudança no qual se encontram em ação forças internas e externas. INTEGRAÇÃO: Quando os componentes do grupo já se conhecem. Na hora da decisão. de opções para melhores e piores maneiras de reagir a qualquer situação ou problema. menos criatividade e menos vigilância nas manipulações e num grupo heterogêneo. IDENTIFICAÇÃO: Interação com formação de subgrupos (panelinhas “cliques”). Os grupos ímpares (5 ou 7) oferecem mais probabilidades de êxito que os pares (4 a 6). além de ser impar. o que não significa que não seja ideal em algumas situações. Ideal : Para um grupo de trabalho eficiente o ideal é que seja de 5 a 7 componentes. defende seu espaço e se manifesta em nome dele . decidindo e delegando. Pequeno : Há pouco contato e existe pouca possibilidade de interação. Equipes liderança compartilhada: o participante se integra à equipe e procura agregar conhecimentos o trabalho é contínuo. tarefas de grupo facilitadas . os elementos exercem maior vigilância sobre as tentativas de manipulação e há maior criatividade. causa dispersão. GRUPO DE TRABALHO (GT) Líder formalmente definido: Cada participante representa seu setor. COMPOSIÇÃO GRUPO HOMOGÊNEO E GRUPO HETEROGÊNEO A experiência tem provado que num grupo homogêneo. é necessário identificar os componentes relevantes dos processos de um grupo de trabalho. mais riqueza de experiências e mais complementaridade . eles se fracionam e facilitam a resolução de problemas sem que haja dispersão. o trabalho é intermitente. e o alcance do objetivo é um processo constante. segue diretrizes e metas organizacionais realizando reuniões formais. os componentes necessitam se conhecer. pois propiciam riqueza de possibilidades. AS FASES DA VIDA DE UM GRUPO SÃO : INDIVIDUALISTA: É aquela onde o grupo não chega junto. há mais identificação com a autoridade . modalidades de interação e conseqüências. há mais momentos de tensão e de conflito. buscando eficiência e avalia-se a partir dos resultados da organização discutindo. mais resistência às pressões de uniformidade . produto de trabalhos individuais. Analisa-se.composição. a identificação com a autoridade e a realização da tarefa é mais lenta . • • Força interna Força externa COMPONENTES RELEVANTES DOS PROCESSOS DE UM GRUPO DE TRABALHO Quando se deseja estudar um grupo em funcionamento e compreender sua seqüência de eventos.

.a existência de um coordenador. Desde o grupo de amigos. aos partidos políticos. para melhor atingir os objetivos definidos. há um elemento comum a quase todos os grupos . para afirmar o próprio grupo. diferentes comportamentos individuais. É o chamado "deixa como está para ver como é que fica".“eu sou o poder”). O tipo de tarefas. ORGANIZAÇÃO DO GT ESTRUTURA DE PODER E ESTRUTURA DE TRABALHO Na estrutura de trabalho . organização e normas variam. É comum encontrarmos liderados inconformados com esta atitude. Este líder acha que seu principal trabalho é a manutenção do que já foi conseguido. Subjacente a este conceito está o de influência interpessoal: o líder influencia. LIDERANÇA No interior dos grupos estabelece-se uma divisão de funções e relações de cooperação entre os seus membros.3 reuniões o diálogo. não traça objetivos. Na estrutura de poder (autoridade). os grupos têm dois ou mais líderes. age de modo a modificar o comportamento dos elementos do grupo.“o grupo é o poder”) ou permissiva (não assume responsabilidades. não orienta os liderados. Aparentemente o melhor estilo é a liderança situacional. isto é. assume e distribui autoridade . de modo formal ou informal. praticam-se dinâmicas para solução de problemas. às empresas e instituições. O importante é que você encontre a sua maneira de liderar. é o líder que toma decisões sem consultar o grupo e geralmente não se importa com o que os liderados pensam além de desestimular inovações. LIDERANÇA LIBERAL É o tipo de liderança chamada de "Laissez-faire" (traduzindo do francês para o português: "deixa fazer"). Os diferentes estilos de liderança geram atitudes no interior dos grupos. aos bandos. as linhas de atividade se estabelecem nos modos como as tarefas são distribuídas e na maneira como os papéis são definidos. Podemos dizer que é inerente ao grupo a organização. a liderança. Contudo. Mesmo nos grupos menores. deixa as decisões para o grupo . apenas deixa correr. há a tendência para se escolher entre os seus membros um elemento que coordene à atividade coletiva. Cada um deles tem os seus prós e contras. decidindo e implementando ações em conjunto. normalmente com funções diferentes. se não lhes dor ordenado. que seja a mais adequada a sua realidade e visão do trabalho. O líder funciona como elemento do grupo e só intervém se for solicitado. de se relacionar com os elementos do grupo. na maneira de liderar. as funções e o poder do líder variam com o tipo de grupo. Você verá em seguida alguns tipos de liderança mais comuns.“o poder são os outros”). A produtividade é elevada. de um líder. LIDERANÇA AUTOCRÁTICA Este estilo de liderança caracteriza-se pela confiança na autoridade e pressupõe que os outros nada farão. democrática (cooperativa. mas a realização das tarefas não é acompanhada de satisfação. estrutura. Não dá ordens. Freqüentemente.autocrática (aspira o poder total/completo/ absoluto sobre os outros . aos grupos religiosos. tem avaliação direta de seus produtos dialogando. estabelecem-se os tipos de lideranças . A personalidade de quem dirige interfere em muito. ESTILOS DE LIDERANÇA Não existe um estilo único de liderança: há diferentes formas de um líder exercer a sua influência e poder. existem indivíduos que desempenham funções de liderança de forma esporádica ou continuada.

procurando conhecê-lo. ou qualquer objeto que possa oferecer risco no decorrer da dinâmica. Esclarecer as etapas ao seu devido tempo. como pedir aos participantes que guardem relógios. Esteja fundamentado quando argumentar. ouça o outro atentamente. atinjam os objetivos esperados. 2. lápis. O líder. A esperança neste caso. encaminhar para respostas objetivas e o agradecimento pela participação de todos. 10. todo o grupo pode e deve contribuir com sugestões. mas que perderam seu interesse inicial. na mesma intensidade. criar um motivo para tal. 4. Ao final. No início do trabalho. 5. Eliminar riscos . mas sem sucesso. achando. Impor ou escolher um participante para iniciar a atividade também pode causar mal estar. na divisão das tarefas. com pessoas inexperientes. LIDERANÇA SITUACIONAL Baseia-se no fato de que cada situação requer um tipo de liderança diferente. sobretudo. as soluções criativas. tesoura). deve alertar sobre pontos difíceis e idéias que já foram tentadas no passado. fechar em plenário. uma maior intervenção pessoal. constatou-se uma maior satisfação e criatividade no desempenho das tarefas. Não deixar dúvidas. 3. 8. sendo as decisões tomadas coletivamente. principalmente. Neste estilo de liderança. Não tire conclusões precipitadas. fazer perguntas. Por isso. 6. O líder situacional pode escolher entre quatro tipos de ação: a) Direção: Esta ação é usada. nunca fornecer todas as informações para não causar resistência na participação. Saber ouvir é uma arte e uma disciplina. bem como o desenvolvimento da solidariedade entre os participantes. freqüência e simultaneamente. Este líder. de acordo com a pessoa com quem trabalha e com a situação. Não se deve interromper o outro antes de ele concluir sua idéia ou argumento.4 LIDERANÇA DEMOCRÁTICA PARTICIPATIVA Na liderança democrática o grupo participa na discussão da programação do trabalho. com sua experiência. c) Apoio: Esta ação é para ser utilizada com pessoas inexperientes. LIBERAL e DEMOCRÁTICA e aplica. 3. 11. Evitar perguntas que cause mal estar. é dirigir estas opiniões para que. dependendo do grupo que tem à mão e da circunstância. Distribuir o material necessário para a realização da tarefa(papel. Fazer com que todos participem. para se alcançar o melhor dos liderados. por si mesmas. Pedir silêncio pode parecer indelicado. COMO PARTICIPANTE 1. A responsabilidade do líder. óculos. que sabem como se portar diante de crises e problemas. mas de bom potencial para aprender. Fale um de cada vez Mantenha pelo outro um interesse sincero. d) Delegação: Esta ação é apropriada para pessoas experientes. Dizer o que fazer e não como fazer. Evite conversas paralelas. 2. Saber chamar atenção. A produtividade é boa e. Estude o assunto que vai ser discutido. na prática. sabendo adequar seus estilo. é fazer com que o grupo entenda que atingir objetivos é responsabilidade de todos e não apenas da liderança. . 9. utiliza o que há de melhor nas lideranças AUTOCRÁTICA. e que as palavras tenham o mesmo significado. Inicie o trabalho apresentando-se para o grupo. Um líder situacional deve ser versátil e flexível. mas que apreciam um estilo mais participativo. b) Treinamento: Esta ação é utilizada com pessoas inexperientes. 7. ALGUMAS REGRAS ESSENCIAIS DA DINÂMICA DE GRUPO COMO FACILITADOR 1.

Além do mais. na tentativa de alcançar um objetivo específico. Não esqueça que nossa verdade é apenas nossa. 8. Seja flexível o suficiente para mudar de opinião diante da lógica. tenha boa vontade para com os outros e as idéias que expõem. Seja objetivo. principalmente os vazios. faz surgir uma liderança espontânea. preciso. 10. Pode-se. Psicólogos em qualquer que seja sua área de atuação trabalham sempre com hipóteses. Não faça críticas destrutivas ou desnecessárias. claro. e evite os discursos. . esteja aberto ao exame e à investigação das evidências. respeite e valorize a opinião alheia. conciso. Toda a bagagem hereditária que traz ao nascer é de pouca utilidade sem o auxílio dos adultos. Quanto ao coordenador: A ênfase na autonomia do grupo. Quanto a profundidade: Como qualquer outra técnica de avaliação psicológica. então. Portanto. No trabalho de grupo todos são iguais. assim colaborando para o bom desempenho do grupo. razão e evidência dos fatos ou. Desde o nascimento. só me reconheço pelo outro. em um laudo psicológico por exemplo dizemos que o indivíduo no momento demonstrou certas características. Dessa forma pode-se dizer com certeza que o homem é naturalmente um ser cooperativo. às leis que regem o seu desenvolvimento e às relações indivíduo-grupo. Nunca podemos afirmar que o indivíduo é aquilo que a técnica nos permite ver. Como já visto anteriormente. refletir que: As dinâmicas de grupo seriam a expressão de uma postura metodológica que reconhece a dimensão do lúdico. 7. o manuseio das dinâmicas não pode ser feito de forma aleatória nem por pessoas que não consigam identificar-lhes as limitações ou compreender toda a amplitude de seus objetivos . grupo-grupo e grupo-instituições. 6. Portanto podemos definir a Dinâmica de Grupo da seguinte forma: Quanto ao objetivo: A Dinâmica de grupo é capaz de modificar a conduta do indivíduo no plano da relação interpessoal. Por isso. Não saia do assunto e chegue à uma conclusão. não é uma avaliação profunda. pelo menos. Evite atitudes agressivas ou hostis. DINÂMICA DE GRUPO O ser humano é dos animais aquele que depende por mais longo tempo dos outros para atingir a maturidade adulta.5 4. e procure ajudar aos mais fracos. do prazer como parte integrante do processo de desenvolvimento do grupo. 5. o homem torna-se membro de um grupo e os efeitos dessa adoção refletem-se por toda a sua vida. examina o aqui e agora das relações interpessoais. Quanto aos participantes: Pessoas não problematizadas que desejam melhorar o relacionamento ou para fins de capacitação. 9. e não necessariamente a Verdade. Quanto a duração: O tempo é previamente fixado. A dinâmica de grupo constitui um campo de pesquisa voltado ao estudo da natureza do grupo.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->