P. 1
doença ocupacional

doença ocupacional

|Views: 3.724|Likes:
Publicado porcesarvarejao

More info:

Published by: cesarvarejao on Mar 30, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/16/2013

pdf

text

original

FAESA FUNDAÇÃO DE ASSISTÊNCIA A EDUCAÇÃO FACULDADES INTEGRADAS ESPÍRITO-SANTENSE

GUTHIERRY FERREIRA ALMEIDA

DOENÇAS OCUPACIONAIS

VITÓRIA / ES 2010

GUTHIERRY FERREIRA ALMEIDA

DOENÇAS OCUPACIONAIS

Trabalho acadêmico apresentado ao Curso de Graduação em Ciência da Computação (turma A – primeiro período), da Faculdade FAESA, como requisito parcial para aprovação na disciplina de Sociologia. Orientador: Prof. Lourival

VITÓRIA / ES 2010

SUMÁRIO 1. Introdução ..................................................................................................................................................................... 3 2. Desenvolvimento ......................................................................................................................................................... 4 2. Doenças Ocupacionais ............................................................................................................................................... 4 2.1 Classificação dos principais riscos ocupacionais..................................................................................... 4 2.2 Principais doenças ocupacionais................................................................................................................ 4 2.2.1 LER/DORT ...................................................................................................................................... 4 2.2.2 Silicose............................................................................................................................................. 5 2.2.3 Bursite .............................................................................................................................................. 5 2.2.4 Dermatite de contato ..................................................................................................................... 5 2.2.5 CVS (Síndrome da Visão do Computador)................................................................................ 5 2.2.6 Câncer de pele ............................................................................................................................... 5 2.2.7 Estresse ........................................................................................................................................... 5 2.3 Doenças ocupacionais e a informática ...................................................................................................... 6 2.4 Doenças ocupacionais no Espírito Santo .................................................................................................. 6 2.5 Acidente de Trabalho.................................................................................................................................... 7 2.5.1 Classificação dos acidentes de trabalho .................................................................................... 7 2.5.2 Gerenciamento de risco ................................................................................................................ 8 2.6 Segurança no trabalho ................................................................................................................................. 8 2.6.1 Normas Regulamentadoras do MTE .......................................................................................... 9 2.6.1.1 Serviços Especializados em Engenharia e em Medicina no Trabalho .................. 10 2.6.1.2 CIPA.................................................................................................................................. 10 2.6.1.3 EPI..................................................................................................................................... 10 2.7 Seguro de Acidente de Trabalho ................................................................................................................ 10 2.7.1 CAT .................................................................................................................................................. 11 2.7.2 PPP .................................................................................................................................................. 11 2.7.3 Benefícios Previdenciários ........................................................................................................... 11 2.8 Punições ........................................................................................................................................................ 12 3. Conclusão ..................................................................................................................................................................... 13 4. Anexos........................................................................................................................................................................... 14 4.1 ANEXO A – Lista de Doenças Relacionadas ao Trabalho .................................................................... 14 4.2 ANEXO B – Lista de Doenças Profissionais 2010 .................................................................................. 23 4.3 ANEXO C – Formulário da CAT ................................................................................................................ 30

5. Referências Bibliográficas.......................................................................................................................................... 32

decorrente dos fatores ambientais do trabalho e ainda cerca de 75 acidentes e doenças do trabalho reconhecidos a cada 1 hora na jornada diária. Dentre esses números 20. uma vez que esses números não incluem contribuintes individuais nem empregados domésticos. Neste mesmo ano observou-se uma média de 31 trabalhadores/dia que não mais retornaram ao trabalho devido à invalidez ou morte. fato preocupante.090 acidentes e doenças do trabalho. econômico sobre a saúde pública no Brasil.504 os de trabalhadores por incapacidade permanente e 2. Para ter uma noção da importância do tema saúde e segurança ocupacional basta observar que no Brasil.804 a quantidade de óbitos relacionados ao trabalho em 2007. 8. em 2007. em 2007 foram registrados 653. ocorreu cerca de 1 morte a cada 3 horas. O próprio Ministério reconhece que estes eventos provocam enorme impacto social. .786 foi o registro da quantidade de doenças relacionadas ao trabalho.3 INTRODUÇÃO Segundo dados do Ministério da Previdência Social.

sinovite. monotonia. trabalho físico pesado.1 Classificação dos principais riscos ocupacionais Uma doença ocupacional é adquirida quando um trabalhador é exposto em excesso a agentes químicos. radiações não-ionizantes e temperaturas extremas. probabilidade de incêndio ou explosão. epicondilite. cisto. Levando em consideração a natureza dos riscos. parasitas.2 Principais doenças ocupacionais As doenças mais comuns são as do sistema respiratório. A Doença do Trabalho é a modificação na saúde do trabalhador.    Riscos Químicos (cor vermelha): Vapores. eletricidade. gases. segue a relação de agentes que podem ser enco ntrados no ambiente de trabalho:  Riscos Físicos (cor verde): Umidade.2. radiações ionizantes.1 LER/DORT As LER/DORT (Lesões por Esforços Repetitivos / Distúrbios Osteo -musculares Relacionados ao Trabalho) são um conjunto de 30 doenças como a tendinite (inflamação em tendão).  Riscos de Acidente (cor azul): Animais peçonhentos. A Doença Profissional é a modificação na saúde do trabalhador.4 2. Riscos Biológicos (cor marrom): Bactérias. ferramentas inadequadas ou defeituosas e máquinas e equipamentos sem proteção. Fonte: CNI/SENAI. ergonômicos ou simplesmente de acidente. tendões. 2. vibrações. ritmo excessivo. desencadeada pelo exercício da sua atividade profissional. desencadeada em função de condições especiais em que o trabalho é realizado e com ele se relaciona diretamente. físicos. pois a maioria das doenças ocupacionais é de difícil tratamento. DOENÇAS OCUPACIONAIS A doença ocupacional está diretamente ligada à modificação na saúde do trabalhador por causa da atividade desempenhada por ele ou da condição de trabalho às quais ele está submetido. STUInar (nível de cotovelo) e a síndrome do desfiladeiro torácico. articulações). 2. peritendinite. Riscos Ergonômicos (cor amarela): Postura incorreta. ela pode ser classificada como Doença Profissional (Tecnopatia) ou Doença do Trabalho (Mesopatia). protozoários e bacilos. treinamento inadequado/inexistente. iluminação e/ou armazenamento inadequados. do sistema ósseo e da pele. responsáveis pela alteração das estruturas osteo-musculares (nervos. sem nenhuma proteção compatível com o risco. . arranjo físico. contratura de Dupuytren. poeiras. Dessa forma. ruídos. bem como a forma como que atuam no organismo humano. STC. pressões anormais. vírus. fumos e produtos químicos em geral. biológico.77% do total de doenças do trabalho e chegou a apresentar aumento de 512. São exemplos principais destas doenças: 2. São outros exemplos de LER/DORT a tenossinovite. Os cuidados são essencialmente preventivos. trabalhos noturnos. músculos. tenossinovite estenosante (DeQuervain). Representam 84. dedo em gatilho. fungos. névoas.3% em 2007.

é causada pela permanência prolongada à frente de telas como a do computador. |3| Dr. 2. formam „cascas‟ na superfície. mas suas conseqüências sim.4 Dermatite de contato Reação da pele resultante de exposição a alérgicos (dermatite de contato alérgico) ou irritantes (dermatite de contato irritativa). no Pronto S ocorro Municipal. Itamar Soares |1| lembra que todas essas doenças podem ser evitas com exercícios simples de ginástica e equipamentos certos na hora do trabalho. 2. Nela o indivíduo em função das estimulações.2. feridas que não cicatrizam ou lesões de crescimento progressivo. Edalmo Colodetti |3| avalia o estresse. 2.2.5 CVS (Computer Vision Syndrome ou Síndrome de Visão de Computador) Atinge principalmente os profissionais da área de informática. onde os principais sintomas são avermelhamento e desidratação dos olhos. segundo ele o estresse não pode ser considerado uma doença. devido ao maior esforço aplicado sobre ela. relatando duas pesquisas inéditas. já a Psicóloga Carolina Fonseca Dadalto|4| tem uma visão mais ampliada. 2.2 Silicose Segundo Renata Feitani |2|. . escarro e dificuldade respiratória. bolhas com coceira. excitações e agressões externas. Psicóloga em São Mat eus. 2. considera “uma doença de adaptação ao meio. Clínico Geral em São Mat eus no PSF (P rograma de Saúde da Família) Bairro Cohab. Depois da ______ |1| Dr. destaca a enfermeira. por se tratar do psicológico da pessoa. no HRAS (Hospital Roberto Arnizont Silvares) e ex-s ecretário de saúde do município. CRP: 1612145.2. CRM 782. Enfermeira do PSF (Programa de Saúde da Família) Bairro Seac em São Mateus/ES. Os sintomas são manchas na pele que estão e modificando. Os sintomas são tosse. Itamar Soares Dias. “A doença não tem cura.7 Estresse “Estado de Tensão. Os principais sintomas são erupções vermelhas. Entre as causas que predispõem ao início desta transformação celular aparece como principal agente a exposição prolongada à radiação ultravioleta. que funciona como amortecedor. a silicose é a formação de cicatrizes nos pulmões devido a inalação do pó de Sílica. concluindo que executivos são mais propícios a doença. dando origem a um novo tecido (neoplasia). conhecida como bursa.3 Bursite Muito comum também.5 segundo informações do Ministério da Previdência. mas o tratamento é feito com uso de medicamentos que visam manter as vias aéreas desobstruídas e livres de secreções”. A área do ombro é a mais atingida. Médico do trabalho do Pront o Socorro Municipal de São Mateus/ES. A revista Veja divulgou em seu portal Online no dia 11 de julho de 2001 uma matéria sobre o estresse. dificuldade em focar imagens e dores de cabeça. Edalmo Colodetti. COREN: 112858.2. As opiniões de certa forma mostram a realidade do país. |2|Renata Feitani. O Dr. nem sempre um médico avalia e dá diagnóstico de estresse. esta doenças causa inflamação da pequena bolsa de conteúdo líquido que recobre as articulações. acaba produzindo uma escalada progressiva na defesa de seu organismo. CRM-ES: 839.”. |4| Carolina Fons eca Dadalto.” É assim que o Dr. sangram com facilidade.2.2.” |2| 2.6 Câncer de Pele “É um tumor formado por células da pele que sofrerem uma transformação e multiplicaram -se de maneira desordenada e anormal.

que conforme explica são mais freqüentes e comprometem membros superiores e as cervicobranquialgias que causam dor nas cervical. lesão por esforço repetitivo (LER). sensação de peso nas pálpebras ou da fronte. olhos secos ou lacrimejamento. presidente da International Stress Management Association (Isma). Para evitar possíveis problemas faz-se necessário tomar em consideração as seguintes políticas ao uso do computador: A distância padrão entre os olhos e o monitor é de 50 cm. São mais comuns a CVS (Síndrome de Visão de Computador) que causa problemas como irritações. Só em 2008 foram atendidos ______ |5| Ubirajara Moulin. pisca-se 1/3 menos do que o necessário. fadiga. E. sete reclamam de tecnostress (tensões provocadas pelas inovações tecnológicas. gastrite ou úlcera totalizaram 16% e a queda do apetite sexual atingiu 15% dos entrevistados. Oftalmologista consultado em entrevistado pelo Jornal A Tribuna em matéria especial no Caderno de Informática no dia 05 de Abril de 2010. Como menos se pisca a frente do monitor. o usuário precisa parar por 5 minutos para esticar as pernas e fazer alguns alongamentos dos braços. quadril e cotovelos devem estar cada um em ângulo de 90°. músculos. a quem previra o uso de colírios. porém sob consulta do oftalmologista.6 coleta e queixas em relação a alguns sintomas do estresse pela psicóloga Ana Maria Rossi. vermelhidão. pescoço e tronco. aconselha -se um exercício simples: tirar os olhos da tela a cada hora e fixar a visão ao longe. irritação nos olhos e por aí vai. articulações e postura.3 Doenças Ocupacionais e a Informática “O uso excessivo e mal orientado do computador pode provocar problemas relacionados à visão. Tabela Completa em ANEXO A. A cada 50 ou 60 minutos. concluiu que em um grupo de 556 pessoas de 17 empresas privadas e 10 públicas de vários estados 78% queixavam-se de dores musculares. 35% sofriam de insônia. ainda. |6| Cristiane Motta Passos Costa Rocha. variando quando o usuário usa óculos ou tem problemas de visão. bursites e epicondilites. CREFITO2: 113924 -F. 47% de angústia. piscando forte 20 vezes.” (A Tribuna. 23% de agressividade.4 Doenças Ocupacionais no Espírito Santo As doenças ocupacionais que mais atingem os capixabas são as Lesões por Esforços Repetitivos (LER) ou Doenças Osteo-musculares Relacionadas ao Trabalho (DORT) e dor nas costas são as principais doenças ocupacionais apresentadas pelos usuários que procuraram os serviços do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). para aumentar a lubrificação. Fisioterapeuta especialista em pilates em São Mateus/ES. dificuldade em conseguir foco. 2. 63% de ansiedade. 2. irradiando para o membro superior. que também é aconselhado. onde as articulações do calcanhar. como correio eletrônico. 05/04/2010). O monitor deve estar um pouco abaixo dos olhos. coceira. recomenda-se a inclinação de 45°. joelho. azia. mente. sensibilidade a luz. A pesquisa também mostrou que de cada 10 executivos. . e para Cristiane Rocha |6| as tendinites. Pager e internet). a frente do PC. segundo Ubirajara Moulin|5| . A cadeira deve ter encosto para as costas. Deve-se observar desde o pé até a cervical.

Este tipo de acidente não provoca o afastamento do trabalho nem é considerado nos cálculos dos coeficientes de frequência (F) e de gravidade (G) (calculados da seguinte forma: F= Número de Acidentados multiplicado por 1.)” |7|. e G= Tempo computado (dias perdidos+dias debitados) multiplicado também pela constante 1. Regulamento Dec reto 79. 2.: (27) 3388-1802. psicólogo. Anuário elaborado pelos Ministérios do Trabalho e Emprego e da Previdência Social. Acidente sem afastamento: após o acidente. auxiliar de enfermagem e técnico de reabilitação. já em 2010 o Sistema Federal de Inspeção do Trabalho. Pode ser classificado em: ______ |7| Lei de Acidente do Trabalho 6. técnico de segurança do trabalho. segundo a acessória de imprensa do Sesa.663. Apesar de todas essas boas características os capixabas desconhecem seus serviços. onde as pessoas com problemas de saúde no ambiente de trabalho são acompanhadas com supervisões médicas para diagnóstico e acompanhamento das doenças ocupacionais. divididos pela mesma relação homens-hora). registrou só em Janeiro 134 acidentes. 2. audiologista. que tem como finalidade levantar dados a respeit o dos acidentes de trabalho anualmente..5 Acidente de Trabalho “Acidente do trabalho é aquele que ocorrer pelo exercício do trabalho. |8| A nuário Estatístico de Acidente de Trabalho de 2008. fonoaudiólogo. .000.5. tenha contribuído para o resultado. engenheiro ambiental. o empregado continua trabalhando sem qualquer sequela ou prejuízo considerável. perturbação funcional ou doenças que cause a morte ou perda ou redução permanente ou temporária da capacidade para o trabalho. situado em Jardim América.000. Este órgão oferece o Centro Estadual de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest). os acidentes de trabalho nesse ano chegaram a 747. exclusivo para quem tenha suspeita de adoecimento pelo trabalho e agendado pelo tel. a serviço da empresa.7 na Sesa 443 pacientes com diagnóstico de doenças ocupacionais. embora deva ser investigado e anotado em relatório. Acidente com afastamento: é o acidente que provoca o afastamento do empregado do trabalho. juntament e com a DA TAPREV e o INSS. assistente social..232 acidentes) e 2006 (659. provocando lesão corporal. uma contradição já que no estado no ano de 2008 foram registrados pela Previdência Social em seu anuário 17. (. diariamente são atendidas 100 pessoas. 037/76 e Lei da Previdência 8. não sendo a única. Cariacica/ES. O atendimento é gratuito. além de exposto nas estatísticas mensais.213/91 e regulamentada pelo Decr eto 2.1 Classificação dos Acidentes de Trabalho 1. divididos pela relação homens-hora de exposição ao risco. fisioterapeuta. número maior que os anos passados de 2007 (512.367/76. Portanto quem procura o Centro é acompanhado por médico enfermeiro do trabalho. O Centro Estadual de Referência em Saúde do Trabalhador atende no Centro Regional de Especialidades (CRE) Metropolitano Juliano Almeida do Valle. 2. pode ocorrer no local de trabalho. Segundo dados do Anuário Estatístico de Acidente de Trabalho de 2008 |8|. isto diz respeito também à causa que.00 (constante internacional: um milhão de horas de exposição ao risco). a serviço da empresa e nos intervalos ou a caminho.000.523 acidentes de trabalho).326 benefícios provenientes de doenças e/ou acidentes de trabalho.172 de 05/ 03/97. metade da capacidade total.

avaliar e controlar situações de risco. perturbações funcionais ou psíquicas permanentes que ocasionem. Incapacidade temporária: provoca perda temporária da capacidade para o trabalho e suas sequelas se prolongam por um período menor do que um ano. Esse tipo de gerenciamento visa à identificação e avaliação de todos os perigos atuais e futuros ocorridos no ambiente de trabalho. Morte: o acidente provoca o óbito do empregado. é necessário fazer o gerenciamento de risco.6 Segurança do trabalho Segundo o site Wikipédia. bem como o que fazer para eliminar esses riscos e diminuir as possíveis situações de perigo. Incapacidade permanente total: provoca a perda total. a perda de três quartos ou mais da capacidade do trabalho. sob opinião médica.2 Gerenciamento de Risco Para controlar a ocorrência de acidentes de trabalho e preservar a saúde dos funcionários e. perda da audição de ambos os ouvidos ou. No retorno ao trabalho. Análise de Árvore de Falhas (AAF). . Essas metodologias vão auxiliar a descobrir que tipo de riscos o funcionário da empresa corre no ambiente de trabalho. todas as ações decorrentes serão realizadas de forma inadequada ou incompleta.8 a. ainda. b. a produtividade da empresa. o empregado assume sua função sem qualquer redução de sua capacidade de trabalho. observou-se a necessidade de criação de normas que regessem a segurança dentro do meio ambiente do trabalho. proporcionando um ambiente de trabalho mais seguro e saudável para as pessoas. consequentemente. redução em mais da metade de sua função. da capacidade de trabalho. As mais conhecidas são: Análise preliminar de risco (APR). A identificação de perigo e a avaliação de riscos são de fundamental importância para a empresa. perda da visão de um olho com redução em mais da metade da visão do outro. Com esse e outros intuitos. E isso pode significar perdas materiais e/ou pessoais. simultânea à perda anatômica ou impotência funcional de uma das mãos ou de um pé. diversas técnicas de identificação e perigos e avaliações de riscos são utilizadas em todo o mundo. quaisquer outras lesões orgânicas. em caráter permanente. Atualmente.5. daí as Normas Regulamentadoras. 2. 3. pois. Hazard and Operability Studies (HAZOP). Incapacidade parcial permanente: provoca a redução parcial e permanente para o trabalho e suas sequelas se prolongam por um período maior do que um ano. é geralmente motivada pela perda da visão de ambos os olhos. 2. no que se refere à questão da consciência e da higiene do trabalho. c. Segurança do trabalho é um conjunto de ciências e tecnologias que procuram a proteção do trabalhador. se mal feitas. perda anatômica ou impotência funcional de mais de um membro ou de suas partes essenciais (mão e pé). perda da visão de um olho. O seu objetivo básico envolve a presença de acidentes. É uma área de engenharia e de medicina cujo objetivo é identificar.

armazenagem e manuseio de materiais NR-12 – Máquinas e equipamentos NR-13 – Caldeiras e vasos de pressão NR-14 – Fornos NR-15 – Atividades e operações insalubres NR-16 – Atividades e operações perigosas NR-17 – Ergonomia NR-18 – Condições e meio ambiente de trabalho na indústria da construção NR-19 – Explosivos NR-20 – Líquidos combustíveis e inflamáveis NR-21 – Trabalho a céu aberto NR-22 – Segurança e saúde ocupacional na mineração NR-23 – Proteção contra incêndios NR-24 – Condições sanitárias e de conforto nos locais de trabalho NR-25 – Resíduos industriais NR-26 – Sinalização de segurança NR-27 – Registro profissional do técnico de segurança do trabalho no Ministério do Trabalho NR-28 – Fiscalizações e penalidades NR-29 – Segurança e saúde no trabalho portuário NR-30 – Segurança e saúde no trabalho aquaviário NR-31 – Segurança e saúde nos trabalhos em espaços confinados NR-32 – Segurança e saúde no trabalho em estabelecimentos de assistência à saúde Fonte: (MORAES.9 2.1 Normas Regulamentadoras do MTE Aprovadas pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) por intermédio da Portaria MTb 3.214/78. rev. Rio de Janeiro 2005) . E atual. Normas Regulamentadoras Comentada s. movimentação. Giovanni Araújo. Volume 1.6. 5ª edição. ampl. as Normas Regulamentadoras (NR) tem por objetivo reger a segurança e saúde do trabalhador em seu ambiente de trabalho. São elas: NR-1 – Disposições gerais NR-2 – Inspeção prévia NR-3 – Embargo ou interdição NR-4 – Serviços especializados em engenharia de segurança e em medicina do trabalho – SESMT NR-5 – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – CIPA NR-6 – Equipamento de proteção individual – EPI NR-7 – Programa de controle médico de saúde ocupacional – PCMSO NR-8 – Edificações NR-9 – Programa de prevenção de riscos ambientais – PPRA NR-10 – Instalações e serviços em eletricidade NR-11 – Transporte.

Para atender às necessidades das empresas e garantir. deixando-o desamparado. Art. estiver em fase de implantação ou não oferecerem completa proteção. em caso de reclamação à Justiça do Trabalho.6. Ocorrendo a despedida. por conta de fortes movimentos operários. independentemente de filiação sindical. Garantida por lei superior na CLT (Artigo 162).164. § 1º Os representantes dos empregadores. permitida uma reeleição. § 2º Os representantes dos empregados. Além disso. Art. PARÁGRAFO ÚNICO. 165. além de como limpá-los e armazená-los.7 Seguro de Acidentes do Trabalho – SAT Foi construído na América Latina no século XX e. a nível de legislação ordinária.1. serão por eles designados. de fato. os EPI‟s devem apresentar inscrição do Cadastro de Registro do Fabricante (CRF) e do Certificado de Aprovação (CA). e conformidade com instruções expedidas pelo Ministério do Trabalho. com a imigração e a industrialização. nos estabelecimentos ou locais de obr a nelas especificadas. No entanto. 2. a composição e o funcionament o das CIPA‟s. caberá ao empregador. reivindicando proteção social e coletiva contra os riscos imediatos dos acidentes de trabalho que subtraiam a capacidade laboral ou mesmo a vida do cidadão trabalhador. a segurança dos trabalhadores. a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – CIPA. tenha participado de menos da metade do número de reuniões da CIPA. de acordo com os critérios que vierem a ser adotados na regulamentação de que trata o parágrafo único do artigo do artigo anterior.1. econômico ou financeiro. exclusivamente os empregados interessados. tituladores e suplentes.6. uma comissão constituída por representantes dos empregados e do empregador.2 CIPA A quinta norma regulamentadora.SESMT. é ideal que eles se ajustem comodamente ao usuário e ofereçam proteção efetiva contra os riscos para os quais foi fabricado. o P residente da CIPA e os empregados elegerão. o Vice-Presidente. O Ministério do Trabalho regulamentará as atribuições. para realmente garantir a segurança do trabalhador. 2.6. entendendo-se como tal a que não se fundar em motivo disciplinar. Esse seguro se espelhou em paradigma contributivo com viés . § 3º O mandato dos membros eleitos da CIPA terá a duração de 1 (um) ano. Será obrigatória a constituição de Comissão Interna de P revenção de Acident es (CIPA). que modelo e tipo de equipamento escolher a depender da situação. A NR-5 tem sua existência jurídica assegurada. serão eleitos em escrutínio secreto. com a finalidade de promover a saúde e proteger s integridade do trabalhador. § 5º O empregador designará.3 EPI Também descritos na CLT (Artigos 166 e 167). titulares e suplentes. 163. 2. estabelece a obrigatoriedade em organizar e manter.10 Merecem destaque no âmbito de segurança do trabalhador: 2. através dos artigos 163 a 165 da CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) descritos abaixo: Art. do qual participem. Cada CIPA será composta de representantes da empresa e dos empregados. atualmente. os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) são usados por cada trabalhador e se destinam à proteção do funcionário durante a realização do trabalho. Os titulares da representação dos empregados nas CIPA(s) não poderão sofrer despedida arbrit ária. Esse tipo de equipamentos deve ser usado para atender situações de emergência e sempre que as medidas de proteção coletiva forem tecnicamente inviáveis. dentre os seus represent antes. no Brasil precisamente nos anos 20. comprovar a existência de qualquer dos motivos mencionados neste artigo sob pena de ser condenado a reintegrar o empregado. dentre eles. é necessário que os funcionários da empresa sejam treinados para saber como e quando usar o EPI e quais são suas limitações. § 4º O disposto no parágrafo anterior não se aplicará ao membro suplente que. PARÁGRAFO ÚNICO. no local de trabalho.1 Serviços Especializados em Engenharia e em Medicina do Trabalho Estabelece a obrigatoriedade das empresas públicas e privadas que possuam empregados regidos pela CLT – Consolidação das Leis do Trabalho – de organizarem e manterem em funcionamento Serviços Especializados em Engenharia e em Medicina do Trabalho . técnico. dependendo da sua classificação econômica.1. durante o seu mandato.

Seu alcance. grau de incidência dos acidentes e qualificação e classificação da empresa.00 (valor variável. vigente até hoje.11 indenizatório. como base de cálculos para o Fator Acidentário Prevenção (FAP).7. Formulário da CAT em ANEXO C. diminuem pagamentos de impostos. Conforme estabelece a Lei n. as empresas devem recolher. 2% e 3% sobre toda a folha de pagamento. 8. Enquanto recebe auxílio-doença por acidente de trabalho ou doença ocupacional. portanto não definido) por ocorrência. segundo classificação por atividade econômica. 2.7. o trabalhador é . pois assim escondem a realidade mórbida do trabalho. a partir daí pelo Decreto-lei n. pois visa. Também poderá ser solicitado para orientar programa de reabilitação profissional e subsidiar o reconhecimento técnico do nexo causal em benefícios por incapacidade.2 PPP O Perfil Profissiográfico Previdenciário – PPP é um documento histórico-laboral pessoal/individual do trabalhador. Considerase acidente de trabalho aquele ocorrido no exercício de atividades profissionais a serviço da empresa (típico) ou ocorrido no trajeto casa-trabalho-casa (de trajeto). a Previdência oferece o programa de reabilitação profissional. por meio do Instituto Nacional do Seguro Social – INSS (naquele ano INPS – Instituto Nacional da Previdência Social). passaria a operar o seguro contra os riscos de acidentes no trabalho.1 CAT A toda ocorrência de acidente de trabalho na empresa deve-se obrigatoriamente por parte do empregador emitir a CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho) para registrar informações da empresa ao INSS. Nos primeiros 15 dias de afastamento.316. como resultado final. 2. Muitas empresas decidem por não emitir a CAT. com propósitos previdenciários para obtenção de informações relativas à fiscalização do gerenciamento de riscos e existências de agentes nocivos no ambiente de trabalho.212/91. a fiscalizar a distância ou as condições de trabalho em ambientes de risco com fim de eliminá-los ou diminuí-los. obtém certificações internacionais. Ao trabalhador que recebe auxílio-doença. 293 estabeleceu-se que o Estado. e c) biológicas. penais e administrativas e retiram direitos dos trabalhadores. E em seguida pela Lei n. mas sem qualquer preocupação com a prevenção dos acidentes e a melhoria dos ambientes de trabalho. o salário do trabalhador é pago pela empresa.7. em graus leve. como se observa. 2.3 Benefícios Previdenciários AUXÍLIO-DOENÇA POR ACIDENTE DE TRABALHO (Espécie 91): Benefício concedido ao segurado incapacitado para o trabalho em decorrência de acidente de trabalho ou de doença profissional. médio e grave representando respectivamente 1%. esquecendo-se de que a emissão da CAT é regida pelo Artigo 169 da CLT e sua não emissão implica na multa no valor por volta de R$ 1.000. para orientar e subsidiar nos processos de reconhecimento de aposentadoria especial. Este documento deve estar sempre atualizado e com informações verídicas. a Previdência Social é responsável pelo pagamento. o seguro obrigatório passou a ser realizado exclusivamente na Previdência Social. Até 1967 quem cobria o Seguro de Acidentes do Trabalho era a iniciativa privada. reunindo: a) informações administrativas. Depois. inibem ações civis.5. b) ambientais. vai muito além do propósito previdenciário. sujeito a multas no não cumprimento. Vale ressaltar que é através da CAT que os trabalhadores terão seus direitos assegurados através da Previdência.

que paga 50% do salário do trabalhador mensalmente e este pode continuar a trabalhar.33 reais. o Artigo 201 desse mesmo conjunto de leis. neste caso o acidente incapacita o segurado permanentemente. 2. Ambos referem-se aos mesmos Artigos da CLT. artifício. 93): é pago a família do segurado. até de carteira assinada.7. AUXÍLIO-ACIDENTE – ACIDENTE DE TRABALHO (Esp.12 considerado licenciado e terá estabilidade por 12 meses após o retorno às atividades. 92): baseia-se nos mesmos princípios do auxílio-doença por acidente de trabalho. de 91 para 94. quando por conta do acidente de trabalho ele venha a óbito. se ao termino deste período de afastamento o segurado apresentar alguma sequela ou algo parecido que o incapacite parcialmente para o trabalho que exercia. simulação são sempre puníveis com valor máximo de multa.708. Esse benefício não está disponível para empregado doméstico. já os empregados domésticos.89 e Máximo de R$ 6.53 e Máximo de R$ 4025. contribuintes individuais e facultativos devem estar na qualidade de segurado . há uma conversão de espécies. O valor do benefício corresponde a 91% do salário do empregado. PENSÃO POR MORTE POR ACIDENTE DE TRABALHO (Esp. reincidência. Segurança do Trabalho: Mínimo de R$ 670. 94): é o sucessor do benefício esp.4 Punições Caso desconsiderado por parte do empregador algum desse e outros direitos e deveres referentes à saúde e segurança do trabalhador instituídos na CLT (Artigos 154 a 200). APOSENTADORIA POR INVALIDEZ – ACIDENTE DE TRABALHO (Esp. descritos acima. não havendo nenhuma forma de integração do empregado a empresa. contribuinte individual nem facultativo.ter carência de no mínimo 12 meses. . note que nos casos passados o benefício era concedido e o trabalhador ficava afastado de qualquer tipo de trabalho assalariado. o segurado tem 100% do valor de seu salário como benefício. Com esse benefício. em 100% do salário. este é punido através de multas administrativas variáveis descritas abaixo: Medicina do Trabalho: Mínimo de R$ 402. 91. E nos casos de reincidência embaraço. Ocorre da seguinte maneira: Primeiramente o segurado requer o benefício de Auxílio-Doença por Acidente de Trabalho e com o pedido deferido é afas tado do trabalho. Para nenhum dos benefícios de caráter acidentário para trabalhadores com carteira assinada é necessário carência.59 reais.

Na Previdência Social. enfim deve-se seguir corretamente as Normas Regulamentadoras.13 CONCLUSÃO Denomina-se doença ocupacional toda e qualquer doença diretamente relacionada ao trabalho. quanto para o empregado. quando há exposição a produtos causando inflamações na pele. aposentadoria ou auxílio. além da sociedade e do Estado. a bursite. emitir corretamente a CAT(Comunicação de Acidente de Trabalho). causadas por esforços repetitivos e cansativos. manter atualizado o PPP Perfil Profissiogáfico Previdenciário. e ainda pensão para a família. no caso de óbito. gerando mesmos “benefícios”. As principais delas são as LER/DORT. visando bônus para ambas partes. o empregado por estar seguro e o empregador por ganhar desconto de até 50% na contribuição do Seguro de Acidente de Trabalho (SAT) à Previdência. na ocorrência de acidente. Para isso pode-se estabelecer na empresa CIPA‟s (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes). A doença ocupacional pode ser equiparada comum acidente de trabalho. uma vez que ambos sairão ganhando. . que é o ferimento da bolsa que encobre as articulações. o empregado acidentado tem direito a benefícios de afastamento. dermatite de contato. tanto para o empregador. com o objetivo de melhorar sempre. dentre outras. mesmo que para aumentar o SAT em 100%. É de fundamental importância manter a segurança na empresa.

1º Instituir a Lista de Doenças relacionadas ao Trabalho. parágrafo 3º inciso VII da Lei nº 8.4) Estomatite Ulcerativa Crônica (K12. Art.1 Anexo A LISTA DE DOENÇAS RELACIONADAS COM O TRABALHO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE º º (elaborada em cumprimento da Lei 8. que delega ao Sistema Único de Saúde SUS a revisão periódica da listagem oficial de doenças originadas no processo de trabalho. Art. nº 220. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. nomenclatura e codificação da CID-10) Portaria Nº. de 05 de maio de 1997.1) Gastroenter ite e Colites tóxicas (K52.6) Der matite de Contato por Irritantes (L24.080/90 . O Ministro de Estado da Saúde. Ministro José Serra LISTA DE DOENÇAS REL ACIONADAS AO TRABALHO AGENT ES ETIOLÓ GICOS OU FAT ORES DE RISCO DE NAT UREZA OCUPACIONAL E DOENÇAS CAUSALM ENT E RELACIONADAS COM OS RESPECTIVOS AGENT ES OU FAT ORES DE RISCO ( DENOMINADAS E CODIFICADAS SEGUNDO A CID-10) AGENT ES ETIOLÓ GICOS OU FAT ORES DE RISCO DE NAT UREZA OCUPACIONAL 1) Arsênio e seus compostos arsenicais • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • DOENÇAS CAUSALM ENT E RELACIONADAS COM OS RESPECTIVOS AGENT ES OU FAT ORES DE RISCO ( DENOMINADAS E CODIFICADAS SEGUNDO A CID-10) Angiossarcoma do f ígado ( C22.4) Leucoder mia.-) Hipertensão Portal (K76. a Resolução do Conselho Nacional de Saúde.080/90.0) Bronquiolite Obliterante Crônica.0) Conjuntivite (H10) Queratite e Queratoconjuntiv ite ( H16) Arritmias cardíacas (I49.5) Ceratose Palmar e Plantar Adquirida (L85.1) Efeitos Tóxicos Agudos (T57. e considerando o artigo 6º.2) Encefalopatia Tóxica Aguda (G92.-) Polineuropatia devida a outros agentes tóxicos (G52. para uso clínico e epidemiológico. a ser adotada como referência dos agravos originados no processo de trabalho no Sistema Único de Saúde.-) Outras formas de hiperpigmentação pela melanina: “ Melanoder mia” (L81. 2º Esta lista poderá ser revisada anualmente. 1339/GM em 18 de novembro de 1999. no uso de suas atribuições.1) Blefarite ( H01. não classificada em outra parte ( Inclui “ Vitiligo Ocupacional”) (L81.ANEXOS 14 Diagnóstico e Manejo das Doenças Relacionadas com o Trabalho: Manual de Procedim entos para os Serviços de Saúde Ministé rio da Saúde – OPS 4.inciso VII. constante no Anexo I desta Portaria.-) Outras neoplasias malignas da pele ( C44. parágrafo 3 do artigo 6 .0) . a importância da definição do perfil nosológico da população trabalhadora para o estabelecimento de políticas públicas no campo da saúde do trabalhador.0) Ulceração ou Necrose do Septo Nasal (J34.disposta segundo a taxonomia.-) Rinite Crônica (J31. Enfisema Crônico Difuso ou Fibrose Pulmonar Crônica (J68. resolve: Art. que recomenda ao Ministério da Saúde a publicação da Lista de Doenças relacionadas ao Trabalho.3) Neoplasia maligna dos brônquios e do pulmão (C34.

-) Placas Pleurais (J92. fumaç as e vapores (“ Bronquite Química Aguda”) (J68.0) (Tolueno e Xileno) Der matite de Contato por Irritantes (L24.-) Efeitos Tóxicos Agudos (T56.7) Faringite Aguda (“ Angina Aguda”.3) Bronquiolite Obliterante Crônica.) . gases.-) Efeitos Tóxicos Agudos (T52.-) Efeitos Tóxicos Agudos (T57.9) Púrpura e outras manifestações hemorrágicas (D69.4) Der matite de Contato por Irritantes (L24.-) (Tolueno e outros solventes aromáticos neurotóxicos) Neurastenia ( Inclui “ Síndrome de Fadiga”) (F48.8) Outros transtornos mentais decorrentes de lesão e disfunção cerebrais e de doença física (F06. fumaç as e vapores (“ Edema Pulmonar Químico”) (J68.-) (Tolueno e outros solventes aromá ticos neurotóxicos) 3) Benzeno e seus homólogos tóxicos • • • • • • • • • • • • • • • • 4) Berílio e seus compostos tóxicos • • • • • • • • 5) Bromo • • • • • • • • • • • • Transtorno Mental Orgânico ou Sintomático nã o especificado ( F09.4) Estomatite Ulcerativa Crônica (K12.1) Bronquite e Pneumonite devida a produtos químicos.-) Neoplasia maligna dos brônquios e do pulmão (C34.-) Síndromes Mielodisplásicas (D46.2) Bronquite e Pneumonite devida a produtos químicos.-) Anemia Aplástica devida a outros agentes externos ( D61. “ Dor de Garganta”) (J02.-) Agranulocitose ( Neutropenia tóxica) (D70) Outros transtornos especificados dos glóbulos brancos: Leucocitose.0) Mesotelioma do peritônio (C45.1) Bronquiolite Obliterante Crônica.-) (Tolueno e outros solventes aromáticos neurotóxicos) Transtornos de personalidade e de comportamento decorrentes de doenç a.9) Laringotraqueíte Aguda (J04.2) Sinusite Crônica (J32.1 e T52.-) (Tolueno e outros solventes aromáticos neurotóxicos) Episódios depressivos (F32.1) Mesotelioma do pericárdio ( C45. lesão e de disfunção de personalidade ( F07.-) Mesotelioma da pleura ( C45.-) Neoplasia maligna da lar inge ( C32. gases. gases.8. fumaç as e vapores (“ Bronquite Química Aguda”) (J68.-) Derrame Pleural (J90.2) Placas epicárdicas ou pericárdicas ( I34.2) Hipoplasia Medular ( D61.Diagnóstico e Manejo das Doenças Relacionadas com o Trabalho: Manual de Procedimentos para os Serviços de Saúde Ministé rio da Saúde – OPS 15 2) Asbesto ou Amianto • • • • • • • • • • Neoplasia maligna do estô mago (C16.-) Laringotraqueíte Crônica (J37.0) Edema Pulmonar Agudo devido a produtos químicos.1) Der matite de Contato por Irritantes (L24.0) (Tolueno e outros solventes aromáticos neurotóxicos) Encefalopatia Tóxica Crônica ( G92. Enfisema Crônico Difuso ou Fibrose Pulmonar Crônica (J68.1) Síndrome de Disfunção Reativa das Vias Aéreas (SDVA/RA DS) (J68.2) Faringite Crônica (J31.2) Neoplasia maligna dos brônquios e do pulmão (C34. fumaç as e vapores (“ Edema Pulmonar Químico”) (J68.-) Leucemias (C91-C95.8) Asbestose (J60.2) Hipoacusia Ototóxica (H91.0) Edema Pulmonar Agudo devido a produtos químicos. gases. Reação Leucemóide (D72.-) Conjuntivite (H10) Beriliose (J63. Enfisema Crônico Difuso ou Fibrose Pulmonar Crônica (J68.

-) “ Cólica do Chumbo” (K59.3) Efeitos Tóxicos Agudos (T56.-) Transtornos do nervo olfatório ( Inclui “ Anosmia”) (G52.1) Nefropatia Túbulo.Intersticial induzida por metais pesados ( N14.1) Síndrome de Disfunção Reativa das Vias Aéreas (SDVA/RA DS) (J68.0) Outras Doenças Pulmonares Obstrutivas Crônicas (Inclui “ Asma Obstrutiva”.-) Pneumoconiose devida a outras poeiras inorgânicas especificadas (J63.0) Ulceração ou Necrose do Septo Nasal (J34.3) Insuficiência Renal Crônica ( N17) Infertilidade Masculina ( N46) Efeitos Tóxicos Agudos(T56. “ Bronquite Obstrutiva Crônica”) (J44. fumaç as e vapores (“ Edema Pulmonar Químico”) (J68.-) Der matite de Contato por Irritantes (L24.-) Outras Rinites Alérgicas (J30. Enfisema Crônico Difuso ou Fibrose Pulmonar Crônica (J68. gases.Pustulosas e suas complicações infecciosas” (L08.0) Edema Pulmonar Agudo devido a produtos químicos.4) Enfisema intersticial (J98.4) Efeitos Tóxicos Agudos (T56.Intersticial induzida por metais pesados ( N14.-) Úlcera Crônica da Pele.3) Bronquiolite Obliterante Crônica. gases.1) Encefalopatia Tóxica Crônica ( G92.3) Asma (J45. não classificada em outra parte (L98.3) Rinite Crônica (J31.-) Bronquite e Pneumonite devida a produtos químicos. gases.Diagnóstico e Manejo das Doenças Relacionadas com o Trabalho: Manual de Procedimentos para os Serviços de Saúde Ministé rio da Saúde – OPS 16 6) Cádmio ou seus compostos • • • • • • • • • • • • Neoplasia maligna dos brônquios e do pulmão (C34.2) Encefalopatia Tóxica Aguda (G92.4) Neoplasia maligna dos brônquios e do pulmão (C34.-) Polineuropatia devida a outras agentes tóxicos (G52.-) “ Dermatoses Pápulo.2) Hipotireoidis mo devido a substâncias exógenas ( E03. fumaç as e vapores (“ Bronquite Química Aguda”) (J68. “ Bronquite Crônica”.-) Outros transtornos mentais decorrentes de lesão e disfunção cerebrais e de doença física (F06. fumaç as e vapores (“ Edema Pulmonar Químico”) (J68.0) Edema Pulmonar Agudo devido a produtos químicos.2) Hipertensão Arterial (I10.8) Gota Induzida pelo Chumbo ( M10.1) Síndrome de Disfunção Reativa das Vias Aéreas (SDVA/RA DS) (J68.2) Alterações pós-eruptivas da cor dos tecidos duros dos dentes (K03.7) Gastroenter ite e Colites tóxicas (K52.3) Bronquiolite Obliterante Crônica.9) Der matite Alérgica de Contato (L23.-) Arritmias Cardíacas (I49.8) Outras anemias devidas a transtornos enzimáticos (D55. fumaç as e vapores (“ Bronquite Química Aguda”) (J68.8) Anemia Sideroblástica secundár ia a tox inas ( D64.0) Rinite Crônica (J31. Enfisema Crônico Difuso ou Fibrose Pulmonar Crônica (J68.2) 7) Carbonetos metálicos de Tungstênio sinterizados • • • • • • • • • • • • • • • • • • 8) Chumbo ou seus compostos tóxicos 9) Cloro • • • • • • • 10) Cromo ou seus compostos tóxicos • • • • • • • • • • . gases.5) Nefropatia Túbulo.0) Bronquite e Pneumonite devida a produtos químicos.3) Outras Rinites Alérgicas (J30.-) Osteomalácia do Adulto Induzida por Drogas ( M83.0) Asma (J45.4) Efeitos Tóxicos Agudos (T59.

1) Encefalopatia Tóxica Crônica ( G92. nã o sobreposto à demência.3). gases.5) Polineuropatia devida a outros agentes tóxicos (G52.-) Transtornos de personalidade e de comportamento decorrentes de doenç a.0) Bronquite e Pneumonite devida a produtos químicos.2) Der matite de Contato por Irritantes (L24.-) Outras porfirias ( E80. Doenç a Tóxica do Fígado com Hepatite Crônica Persistente (K71.2) Transtorno extrapiramidal do movimento nã o especificado (G25.-) “ Cloracne” (L70. fumaç as e vapores (“ Edema Pulmonar Químico”) (J68.-) (Agrotóxicos organofosforados e carbamatos) Der matite Alérgica de Contato (L23.Diagnóstico e Manejo das Doenças Relacionadas com o Trabalho: Manual de Procedimentos para os Serviços de Saúde Ministé rio da Saúde – OPS 17 11) Flúor ou seus compostos tóxicos • • • • • • • • • Conjuntivite (H10) Rinite Crônica (J31.9) Der matite de Contato por Irritantes (L24.4) Doença Tóxica do Fígado (K71.4) Erosão Dentária ( K03.Pustulosas e suas complicações infecciosas” (L08.8) Outras formas de hiperpigmentação pela melanina: “ Melanoder mia” (L81.-) Arritmias cardíacas (I49. gases.0) Angiossarcoma do f ígado ( C22.-) Hipotireoidis mo devido a substâncias exógenas ( E03.0) Parada Cardíaca ( I46.-) Transtorno Mental Orgânico ou Sintomático nã o especificado ( F09.0) (Cloreto de Vinila) Acrocianose e Acroparestesia (I73. gases. fumaç as e vapores (“ Bronquite Química Aguda”) (J68.1) Síndrome de Disfunção Reativa das Vias Aéreas (SDVA/RA DS) (J68.2) Conjuntivite (H10) Neurite Óptica ( H46) Distúrbios visuais subjetivos (H53.-) Osteomalácia do Adulto Induzida por Drogas ( M83. lesão e de disfunção de personalidade ( F07.6) (Cloreto de Vinila) “ Dermatoses Pápulo. Doença Tóxica do Fígado. como descrita (F05.-) Neurastenia ( Inclui “ Síndrome de Fadiga”) (F48.-) Outras vertigens perif éricas (H81.1) (Intoxicação Aguda por Agrotóxicos Organofosforados:T60.0) Edema Pulmonar Agudo devido a produtos químicos. fumaç as e vapores (“ Edema Pulmonar Químico”) (J68.-) Púrpura e outras manifestações hemorrágicas (D69.-): Osteonecrose Devida a Drogas ( M87. Enfisema Crônico Difuso ou Fibrose Pulmonar Crônica (J68. Doença Tóxica do Fígado com Outros Transtornos Hepáticos (K71.-) Der matite de Contato por Irritantes (L24.3) Intoxicação Aguda ( T57.1) Bronquiolite Obliterante Crônica.0) (Brometo de Metila) Outros transtornos mentais decorrentes de lesão e disfunção cerebrais e de doença física (F06.3) Bronquiolite Obliterante Crônica.4) Outros transtornos especificados de pigmentaçã o: “ Porfiria Cutânea Tardia” (L81.0) Hipoacusia ototóxica ( H91.2).3) Neoplasia maligna do pâncreas ( C25.-) Polineuropatia devida a outros agentes tóxicos (G52.2) (n-Hexano) Encefalopatia Tóxica Aguda (G92.-) Episódios Depressivos (F32. fumaç as e vapores (“ Bronquite Química Aguda”) (J68. gases.-) Fluorose do Es queleto ( M85. Outras Osteonecroses Secundárias ( M87.5) Osteonecrose ( M87.8) Geladura ( Frostbite) Superficial: Eritema Pérnio ( T33) (Anestésicos clorados locais) 12) Fósforo ou seus compostos tóxicos • • • • • • • 13) Hidrocarbonetos alif áticos ou aromáticos (seus derivados halogenados tóxicos) • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • . com Necrose Hepática (K71.-) Síndrome de Raynaud ( I73.8) Hipertensão Portal (K76.0) Edema Pulmonar Agudo devido a produtos químicos.-) Neoplasia maligna dos brônquios e do pulmão (C34.-): Doenç a Tóxica do Fígado.8) ( Cloreto de Vinila) Bronquite e Pneumonite devida a produtos químicos.1).1) Intoxicação Aguda ( T59.2) Delirium.3) Labirintite (H83.9) Transtornos do nervo trigê mio ( G50. com Hepatite Aguda (K71.1).0) Outras formas especificadas de tremor (G25.2) Arritmias cardíacas (I49. Enfisema Crônico Difuso ou Fibrose Pulmonar Crônica (J68.

fumaç as e vapores (“ Edema Pulmonar Químico”) (J 68.2) Transtorno extrapiramidal do movimento nã o especificado (G25.-) Transtornos de personalidade e de comportamento decorrentes de doenç a.9) Encefalopatia Tóxica Aguda (G92. Sulfeto de Hidrogênio (Ácido Sulfídrico) • • • • • • • • • • • • • • Geladura ( Frostbite) com Necrose de Tecidos (T34) (Anestésicos clorados locais) Osteólise ( M89.3) ( HCN) Bronquiolite Obliterante Crônica.2) Outros transtornos mentais decorrentes de lesão e disfunção cerebrais e de doença física (F06.3) Efeitos Tóxicos Agudos (T57. fumaç as e vapores (“ Edema Pulmonar Químico”) (J68.-) Transtorno Mental Orgânico ou Sintomático nã o especificado ( F09. gases. gases. Cianeto de Hidrogê nio ou seus derivados tóxicos.3) Bronquiolite Obliterante Crônica.-) Transtornos de personalidade e de comportamento decorrentes de doenç a.0) ( H 2 S) Encefalopatia Tóxica Crônica ( G92.Diagnóstico e Manejo das Doenças Relacionadas com o Trabalho: Manual de Procedimentos para os Serviços de Saúde Ministé rio da Saúde – OPS 18 • • • • • 14) Iodo • • • • • • • • • • 15) Manganês e seus compostos tóxicos • • • • • • • • • • • 16) Mercúrio e seus compostos tóxicos • • • • • • • • • • • • • • • • • 17) Substâncias asfixiantes: Monóxido de Carbono. gases.4) Efeitos Tóxicos Agudos (T57.-) Neurastenia ( Inclui “ Síndrome de Fadiga”) (F48.6) . T58.1) Outras formas especificadas de tremor (G25.-) (CO) Infarto Agudo do Miocárdio ( I21.2) (Seqüela) Conjuntivite (H10) (H 2 S) Queratite e Queratoconjuntiv ite ( H16) Angina Pectoris (I20. gases.3.-) ( CO) Bronquite e Pneumonite devida a produtos químicos.-) Efeitos Tóxicos Agudos (T57. fumaç as e vapores (“ Bronquite Química Aguda”) ( HCN) Edema Pulmonar Agudo devido a produtos químicos.-) Episódios Depressivos (F32. “ Dor de Garganta”) (J02. Enfisema Crônico Difuso ou Fibrose Pulmonar Crônica (J68.1) Demência em outras doenças específicas classificadas em outros locais (F02.8) Transtornos do nervo olfatório ( Inclui “ Anosmia”) (G52.1) Estomatite Ulcerativa Crônica (K12.2) Inflamação Coriorretiniana ( H30) Bronquite e Pneumonite devida a produtos químicos. Enfisema Crônico Difuso ou Fibrose Pulmonar Crônica (J68.9) Laringotraqueíte Aguda (J04.8) Demência em outras doenças específicas classificadas em outros locais (F02.8) Outros transtornos mentais decorrentes de lesão e disfunção cerebrais e de doença física (F06.0) Parkisonis mo Secundár io (G21.1) Síndrome de Disfunção Reativa das Vias Aéreas (SDVA/RA DS) (J68. lesão e de disfunção de personalidade ( F07.-) Neurastenia ( Inclui “ Síndrome de Fadiga”) (F48. Enfisema Crônico Difuso ou Fibrose Pulmonar Crônica (J68. T59. H S) 2 Efeitos Tóxicos Agudos (T57.-) Gengivite Crônica (K05.-) Nefropatia Túbulo.-) Transtorno Mental Orgânico ou Sintomático nã o especificado ( F09.-) Conjuntivite (H10) Faringite Aguda (“ Angina Aguda”.Intersticial induzida por metais pesados ( N14.1) Der matite Alérgica de Contato (L23.-) (CO) Parada Cardíaca ( I46.-) (CO) Arritmias cardíacas (I49. fumaç as e vapores (“ Bronquite Química Aguda”) (J68.1) Encefalopatia Tóxica Crônica ( G92.0) Bronquiolite Obliterante Crônica. gases.-) Insuficiência Renal Aguda ( N17) Efeitos Tóxicos Agudos (T53. fumaç as e vapores (“ Bronquite Química Aguda”) Edema Pulmonar Agudo devido a produtos químicos.1) ( HCN) Síndrome de Disfunção Reativa das Vias Aéreas (SDVA/RA DS) (J68.4) ( HCN.2) Arritmias cardíacas (I49.-) Bronquite e Pneumonite devida a produtos químicos.5) (de falanges distais de quirodáctilos) (Cloreto de Vinila) Síndrome Nefrítica Aguda ( N00.4) Der matite Alérgica de Contato (L23.2) Sinusite Crônica (J32. lesão e de disfunção de personalidade ( F07.-) Episódios Depressivos (F32.0) Ataxia Cerebelosa (G11.-) Doença Glomerular Crônica ( N03.

-) Silicose (J62. M05. Tendinite Calcificante do Ombro ( M75. Periartrite do Ombro) ( M75.9) • • • • Outras entesopatias (M77.2) Encefalopatia Tóxica Crônica ( G92. Parafina e produtos ou resíduos dessas substâncias.-) Outras neoplasias malignas da pele ( C44.8) Osteonecrose no “ Mal dos Caixões” (M90.1. Bursite do Ombro ( M75.1) Outros transtornos especificados dos tecidos moles (M79.9) Perfuração da Membrama do Tímpano ( H72 ou S09.1).0) Lesões do Ombro ( M75.8) Osteonecrose ( M87.5).2) Neurite Óptica ( H46) Angina Pectoris (I20.-) Ruptura Traumática do Tímpano (pelo ruído) (S09.-) Ateroesclerose (I70. Breu. tendões.5) Síndrome Cervicobraquial ( M53.1) e outras Osteocondropatias especificadas (M93.0).-) Episódios Depressivos (F32.-) Transtorno Mental Orgânico ou Sintomático nã o especificado ( F09.-): Osteonecrose Devida a Drogas ( M87.9) Outras Doenças Pulmonares Obstrutivas Crônicas (Inclui “ Asma Obstrutiva”.Outros transtornos especificados do ouvido ( H93.8) Neoplasia maligna dos brônquios e do pulmão (C34.1) “ Mal dos Caixões” (Doença da Descompressão) (T70.1) Fibromatose da Fascia Palmar: “ Contratura ou Moléstia de Dupuytren” ( M72.0) Polineuropatia devida a outras agentes tóxicos (G52.8).3) Outras percepções auditivas anor mais: Alteração Temporária do Limiar Auditivo. ossos. vasos sangüíneos periféricos ou dos nervos periféricos) • • • • • • Neoplasia maligna dos brônquios e do pulmão (C34.-) e Doença Ateroesclerótica do Coração ( I25.0) Otalgia e Secreção Auditiva ( H92.8) Síndrome de Caplan (J99.1) Efeitos Tóxicos Agudos (T52. articulações.Diagnóstico e Manejo das Doenças Relacionadas com o Trabalho: Manual de Procedimentos para os Serviços de Saúde Ministé rio da Saúde – OPS 19 18) Sílica Livre • • • • • • 19) Sulfeto de Carbono ou Dissulfeto de Carbono • • • • • • • • • • • • • 20) Alcatrão. Outras Osteonecroses Secundárias ( M87.-): Capsulite Adesiva do Ombro ( Ombro Congelado.8) Outros transtornos mentais decorrentes de lesão e disfunção cerebrais e de doença física (F06. Outras Lesões do Ombro ( M75. Lesões do Ombro. causadores de epiteliomas primitivos da pele 21) Ruído e afecção auditiva • • • • • • • • • 22) Vibrações (afecções dos músculos.-) Neoplasia maligna da bexiga ( C67.0) Acrocianose e Acroparestesia (I73.8) 23) Ar Comprimido • • • • • • • • • • Otite Média não supurativa ( H65.-) Transtornos de personalidade e de comportamento decorrentes de doenç a.8) .3) Doença de Kienböck do Adulto (Osteocondrose do Adulto do Semilunar do Carpo) (M93. Epicondilite lateral (“ Cotovelo de Tenista”). não especificadas (M75.2) Labirintite (H83.Tuberculose”) (J63.-) Der matite Alérgica de Contato (L23. lesão e de disfunção de personalidade ( F07.-) Outras formas de hiperpigmentação pela melanina: “ Melanoder mia” (L81.8) Outros transtornos articulares não classificados em outra parte: Dor Articular ( M25.2) Hipertensão Arterial (I10. Hulha Mineral. “ Bronquite Obstrutiva Crônica”) (J44.1).-) Infarto Agudo do Miocárdio ( I21.-) Neurastenia ( Inclui “ Síndrome de Fadiga”) (F48. Tendinite Bicipital ( M75. Comprometimento da Discriminação Auditiva e Hiperacusia ( H93. Mialgia ( M79.4) Síndrome devida ao deslocamento de ar de uma explosão ( T70. Síndrome do Manguito Rotatório ou Síndrome do Supraespinhoso (M75.8) Pneumoconiose associada com Tuberculose (“ Sílico.2) Síndrome de Raynaud ( I73.3).3) Demência em outras doenças específicas classificadas em outros locais (F02.3) Otite Barotraumática (T70.-) Cor Pulmonale ( I27. Betume.0) Sinusite Barotraumática (IT70.-): Epicondilite Medial ( M77. “ Bronquite Crônica”.2).4) Perda da Audição Pr ovocada pelo Ruído ( H83.0).

8) Blefarite ( H01.1).-) e Outras Micoses Superficiais (B36. Suberose (J67.-) Bissinose (J66.5). Pulmão dos que Trabalham com Cogumelos (J67.3).8).1). em profissões e/ou condições de trabalho especificadas) • • • • • • • • • • • • • • • • 26) Algodão.-) Hepatites Virais (B15-B19.0) . Linho.-): Pulmão do Granjeiro (ou Pulmão do Fazendeiro) (J67.-) Leucemias (C91-C95. “ Bronquite Obstrutiva Crônica”) (J44.2) Hipoplasia Medular ( D61.-) Neoplasia maligna dos brônquios e do pulmão (C34.4). Afecções da pele e do tecido conjuntivo relacionadas com a radiação.-) Radioder matite (L58. Reação Leucemóide (D72. Sisal • • • • “ Dermatoses Pápulo.0).-) Febre A marela (A95. Bagaç ose (J67.9) Púrpura e outras manifestações hemorrágicas (D69.Mucosa (B55.3) Infertilidade Masculina ( N46) Efeitos Agudos (não especificados) da Radiação ( T66) Tuberculose (A15-A19. não especificadas (L59.-) Asma (J45.0) Conjuntivite (H10) Queratite e Queratoconjuntiv ite ( H16) Catarata ( H28) Pneumonite por radiação ( J70.-) Leptospirose (A27. Blastomicose Brasileira. Pneumonite de Hipersensibilidade SOE (J67. Ornitose.Pustulosas e suas complicações infecciosas” (L08.-) Dengue (A90.Diagnóstico e Manejo das Doenças Relacionadas com o Trabalho: Manual de Procedimentos para os Serviços de Saúde Ministé rio da Saúde – OPS 20 24) Radiações Ionizantes • • • • • • • • • • • • • • • • • • • Neoplasia maligna da cavidade nasal e dos seios paranasais ( C30.-): Osteonecrose Devida a Drogas ( M87.-): Radioder matite Aguda (L58.B24.9).0 e J70. Pulmão dos Trabalhadores de Malte ( J67. Doenç a de Lutz) (B41. Pneumonite de Hipersensibilidade Devida a Poeira Orgânica não especificada (Alveolite Alérgica Extrínseca SOE.1). Pulmão dos Criadores de Pássaros (J67.1) ou Leishmaniose Cutâneo.0).9) Osteonecrose ( M87. não especificada (L58. Doença dos Tratadores de Aves (A70.-) Doença pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) (B20.7).-) Ps itacose.-) Malária (B50-B54.3) Outras Doenças Pulmonares Obstrutivas Crônicas (Inclui “ Asma Obstrutiva”.-) Brucelose (A23. Radioder matite Crônica (L58. Doenç a Pulmonar Devida a Sistemas de Ar Condicionado e de Umidificação do Ar (J67.-) Agranulocitose ( Neutropenia tóxica) (D70) Outros transtornos especificados dos glóbulos brancos: Leucocitose.2).1) Gastroenter ite e Colites tóxicas (K52.0) • • • 25) Microorganis mos e parasitas infecciosos vivos e seus produtos tóxicos (Exposição ocupacional ao agente e/ou trans missor da doença. Radioder matite.-) Tétano (A35.8) Polineuropatia induzida pela radiação (G62.-) Neoplasia maligna dos ossos e cartilagens articulares dos membros ( Inclui “ Sarcoma Ósseo”) Outras neoplasias malignas da pele ( C44. Cânhamo.9) Outras Rinites Alérgicas (J30.-) Der matofitose (B35.-) Leishmaniose Cutânea ( B55.-) Paracoccidiomicose (Blastomicose Sul A mericana. Pneumonites de Hipersensibilidade Devidas a Outras Poeiras Orgâ nicas (J67.-) Anemia Aplástica devida a outros agentes externos ( D61.-) Síndromes Mielodisplásicas (D46. “ Bronquite Crônica”. Outras Osteonecroses Secundárias ( M87.-) Carbúnculo (A22.C31.2) Pneumonite por Hipersensibilidade a Poeira Orgânica (J67.

não classificada em outra parte ( Inclui “ Vitiligo Ocupacional”) (L81.8).Pustulosas e suas complicações infecciosas” (L08.-) Der matite de Contato por Irritantes (L24.8) Outras formas de hiperpigmentação pela melanina: “ Melanoder mia” (L81. que afetam a pele. químicos ou biológicos.0) “ Urticária Física” (dev ida ao calor e ao frio) (L50. nã o considerados em outras rubricas • • • • • • • • “ Dermatoses Pápulo.-) : Ceratose Actínica (L57. “ Pele de Fazendeiro”. Urticária Solar (L56.4) Geladura ( Frostbite) Superficial: Eritema Pérnio ( T33) ( Frio) Geladura ( Frostbite) com Necrose de Tecidos (T34) ( Frio) • • • • • • • .8) “ Cloracne” (L70.9) Der matite Alérgica de Contato (L23.Diagnóstico e Manejo das Doenças Relacionadas com o Trabalho: Manual de Procedimentos para os Serviços de Saúde Ministé rio da Saúde – OPS 21 27) Agentes físicos. Outras Alterações Agudas da Pele devidas a Radiação Ultravioleta.2).-): Der matite por Fotocontato (Der matite de Berloque) (L56.9).2) Urticária de Contato (L50. Outras Alterações Agudas Especificadas da Pele devidas a Radiaçã o Ultravioleta (L56.-) Urticária Alérgica (L50. não classificada em outra parte (L98.0). “ Pele de Marinheiro” (L57. sem outra especificação (L56.3).6) Queimadura Solar (L55) Outras Alterações Agudas da Pele devidas a Radiação Ultravioleta (L56. Outras Alterações: Der matite Solar.4) Leucoder mia.5) Úlcera Crônica da Pele.8) “ Elaioconiose” ou “ Der matite Folicular” (L72. • Alterações da Pele devidas a Exposiçã o Crônica a Radiaç ã o Não Ionizante (L57.

-) • Exposição ocupac ional ao Vírus da Imuno-deficiência Humana ( HIV). atividades de Veterinária. em decorrência de acidentes pérfuro-cortantes com agulhas ou material cirúrgico contaminado. pelo contato direto com águas sujas. esgotos em locais subterrâneos. (Z57. manipulação de produtos de carne. suis.-) • Leptospirose (A27. em trabalhos de saúde pública. trabalhos em cursos d’água.8) (Quadro 25) Der matofitose (B35. trabalho com “ águas usadas” e esgotos. Vírus da Hepatite E ( HEV). piscinas) e outras situações específicas de exposição ocupacional. acondicionamento ou emprego de sangue humano ou de seus derivados. (Z57. trabalhos artesanais ou industriais com pelos. na construção civil. túneis. (Z57. etc. entre outros.-) • Exposição ocupac ional a Leptospira icterohaemorrhagiae (e outras espécies). (Z57. Vírus da Hepatite C ( HCV). em trabalhos de laboratórios de pesquisa.8) ( Quadro 25) Exposição ocupac ional a Candida albicans. (Z57. em trabalhos de saúde pública. e em laboratórios biológicos.8) (Quadro 25) • Exposição ocupac ional a fungos do gênero Epidermophyton. em atividades em laboratórios de biologia. principalmente em atividades em zonas endê micas. acondicionamento ou emprego de sangue ou de seus derivados.-) • Exposição ocupac ional ao Vírus da Hepatite A (HAV). trabalhos em contato com materiais provenientes de doentes ou objetos contaminados por eles.-) • Exposição ocupac ional ao mosquito ( Aedes aegypti). ginásios. Doença dos Tratadores de Av es (A70. etc.-) • Exposição ao Clostridium tetani . Candida glabrata.. de laticínios. B.-) e Outras Micoses Superficiais (B36.-) Candidíase (B37..8) (Quadro 25) Febre A marela (A95.8) (Quadro 25) Carbúnculo (A22.8) (Quadro 25) Hepatites Virais (B15-B19. trabalhos de drenagem. canis . Vírus da Hepatite B ( HBV). trabalhos efetuados dentro de minas. (Z57. que propiciam contato direto com produtos contaminados ou com doentes cujos exames bacteriológicos são positivos (Z57. tais como trabalhadores de limpeza. principalmente em atividades em zonas endê micas. galerias. em trabalhos em condições de temperatura elevada e umidade (cozinhas. abortus. Vírus da Hepatite D ( HDV). na indústria. lavadeiras. ou efetuado em locais suscetíveis de serem sujos por dejetos de animais portadores da leptospira.8) (Quadro 25) • Hipersuscetibilidade do trabalhador exposto a poeiras de s ílica (Sílico-tuberculose) (J65. preparação de alimentos de origem animal.8) (Quadro 25) Ps itacose. etc. em trabalhos de laboratórios de pesquisa. transmissor do arbovírus da Dengue.-) • Brucelose (A23. contato com roedores. principalmente em trabalhadores da saúde.-) Zoonose causada pela exposição ocupacional ao Bacillus anthracis . cozinheiras. e com gado.. e na manipulação. pele. B. (Z57.8) (Quadro 25) Doença pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) (B20. ordenha e fabricação de laticínios e atividades assemelhadas.-) • AGENT ES ETIOLÓ GICOS OU FAT ORES DE RISCO DE NAT UREZA OCUPACIONAL Exposição ocupac ional ao Mycobacterium tuberculosis (Bacilo de Koch) ou Mycobacterium bovis. em atividades suscetíveis de colocar os trabalhadores em contato direto com animais infectados ou com cadáveres desses animais. em trabalhos em criadouros de aves ou pássaros.8) (Quadro 25) Zoonoses causadas pela exposição ocupacional a Chlamydia psittaci ou Chlamydia pneumoniae . trabalhos com animais domésticos.(Z57. em trabalhos envolvendo manipulação. em atividades em abatedouros. couro ou lã. Ornitose.B24. e atividades realizadas por pessoal de saúde. transmissor do arbovírus da Febre A marela. entre outros. B. de peixes.-) • .8) (Quadro 25) Tétano (A35.Diagnóstico e Manejo das Doenças Relacionadas com o Trabalho: Manual de Procedimentos para os Serviços de Saúde Ministé rio da Saúde – OPS 22 DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS RELACIONADAS COM O T RABAL HO (Grupo I da CID-10) DOENÇAS Tuberculose (A15-A19. ou em ac identes de trajeto (Z57. etc. (Z57.-) • Dengue [Dengue Clássico] (A90. (Z57.-) • Exposição ocupac ional ao mosquito ( Aedes aegypti ).8) (Quadro 25) Zoonose causada pela exposição ocupacional a Brucella melitensis. frigoríficos. em trabalhos que requerem longas imersões das mãos em água e irritação mecânica das mãos. em circunstâncias de acidentes do trabalho na agricultura. em zoológicos. Microsporum e Trichophyton . entre outros. e contato com materiais provenientes de pacientes infectados.

8.1. mas apresenta alguns erros.1.23 ANEXO B “A Organização Internacional do Trabalho. fez uma revisão da lista de doenças ocupacionais constantes do anexo da Recomendação nº 194 sobre Doenças Ocupacionais.1.11.2.5. Doenças causadas pelo mercúrio e seus compostos 1. Doenças causadas por berílio ou seus compostos 1.3. Doenças causadas pelo cromo ou seus compostos 1. Lista original disponível para download nas línguas: Inglês. Doenças causadas por arsênico ou seus compostos 1.7.4. Doenças causadas por flúor ou seus compostos 1.” (Portal Vermelho. Doenças causadas por dissulfeto de carbono 1.1.htm.10.1.1. Doenças causadas por fósforo e seus compostos 1. Doenças ocupacionais causadas por exposição a agentes decorrentes de atividades de trabalho 1.9.1. segundo notícia divulgada pelo Instituto Observatório Social. Doenças causadas por chumbo ou seus compostos 1. 6 de Abril de 2010) Abaixo Lista de doenças ocupacionais segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT) traduzida do Inglês pelo Google Translator . Lista de doenças1 profissionais (revisado 2010) 1. Doenças provocadas por agentes químicos 1.1.ilo. Doenças causadas por produtos derivados halogenados de * Após a tradução o texto foi revi sado ortograficamente.1. A lista foi ampliada depois de discussões com o Conselho Tripartite da OIT e de consideradas as consequências das novas atividades laborais na saúde dos trabalhadores.1.1. são palavras que não apresentam conversão direta entre as línguas. Doenças causadas por manganês ou de seus compostos 1.1.1. Doenças causadas pelo cádmio ou seus compostos 1. Francês e Espanhol em: http://www. .6.org/safework/info/meetingdocs/lang--en/docName--WCMS_125137/ index.

31. Doenças causadas por fosgênio 1.33.16. Doenças causadas por outros agentes químicos no local de trabalho não mencionados nos incisos anteriores onde uma ligação direta é estabelecida cientificamente. Doenças causadas por selênio ou seus compostos 1.32. mas apresenta alguns erros.1.28.15. Doenças causadas por solventes orgânicos 1. Doenças causadas por níquel ou seus compostos 1.1.25.21.40.22.1. Doenças causadas por nitro e amino-derivados de benzeno ou seus homólogos 1.20.1.12.23.24.1.1. Doenças causadas por vanádio ou seus compostos 1.1.1.1.1. Doenças causadas por alcoóis.1.1. Doenças causadas por látex ou látex contendo produtos 1.14.1. Doenças causadas por platina ou seus compostos 1. Doenças causadas por ósmio ou seus compostos 1. Doenças causadas por óxidos de azoto 1. Doenças causadas por tálio ou seus compostos 1.34.41. Doenças causadas por agentes farmacêuticos 1.38. ou determinados por métodos adequados às * Após a tradução o texto foi revi sado ortograficamente.17.30.35.1.1. Doenças causadas por hexano 1.26. Doenças causadas pela amônia 1.24 hidrocarbonetos alifáticos ou aromáticos 1.1. Doenças provocadas por condutores de cobre ou seus compostos 1.1.13.1.39.1.29.1. .1. Doenças causadas por óxidos de enxofre 1. Doenças causadas por estanho ou seus compostos 1.1. são palavras que não apresentam conversão direta entre as línguas. sulfeto de hidrogênio.18.1.37. Doenças causadas pelo cloro 1. Doenças causadas por nitroglicerina ou outros ésteres de ácido nítrico 1. Doenças causadas por asfixiantes como o monóxido de carbono.1. glicóis e cetonas 1. Doenças causadas por acrilonitrila 1. Doenças causadas pelo zinco ou seus compostos 1. Doenças causadas por antimônio ou seus compostos 1.1. Doenças causadas por agrotóxicos 1. Doenças causadas por substâncias irritantes da córnea como benzoquinona 1.1. Doenças causadas por benzeno ou seus homólogos 1. Doenças causadas por isocianatos 1.19.1.1.1.36. Doenças causadas por ácidos minerais 1. cianeto de hidrogênio ou seus derivados 1.1.27.

3.2.4.5. Doenças provocadas por agentes físicos 1.3.6.6.2.1.3. ultravioleta.2.2.3.25 condições e práticas nacionais.7.3. Doenças provocadas por outros agentes biológicos durante o trabalho não mencionados nos incisos anteriores onde uma ligação direta é estabelecida cientificamente. ou determinados por métodos adequados às condições e práticas nacionais. tendões. A deficiência auditiva causada por ruído 1.3. sangue periférico vasos ou nervos periféricos) 1.2. ou determinados por métodos adequados às condições e práticas nacionais. ossos. Tétano 1.3.2. Doenças causadas por vibrações (distúrbios dos músculos. Os agentes biológicos e as doenças infecciosas e parasitárias 1. Vírus da Hepatite 1.3.5.7. Doenças causadas por radiações ionizantes 1. infravermelho).3. Doenças provocadas pela óptica (luz visível. Doenças causadas por ar comprimido ou descomprimido 1. articulações.9. entre a exposição a esses agentes químicos resultantes de atividades de trabalho e a doença (s) contratada pelo trabalhador 1.1.3. são palavras que não apresentam conversão direta entre as línguas.8. Leptospirose 1. mas apresenta alguns erros. incluindo radiações laser 1. . Doenças causadas por exposição a temperaturas extremas 1. Tóxicas ou síndromes inflamatórias associadas com bactérias ou fungos contaminantes 1. Tuberculose 1.4. Vírus da imunodeficiência humana (HIV) 1.2. entre a exposição a estes agentes físicos decorrentes de atividades de trabalho e a doença (s) contratada pelo trabalhador 1.3.2.2. Doenças causadas por outros agentes físicos no trabalho não mencionados nos incisos anteriores onde uma ligação direta é estabelecida cientificamente. entre a exposição a estes agentes biológicos resultantes * Após a tradução o texto foi revi sado ortograficamente. Brucelose 1. Antraz 1.2.3.

linho. Outras doenças respiratórias não mencionadas nos incisos anteriores. Asma causada por reconhecidos sensibilizantes ou irritantes inerentes ao processo de trabalho 2. papel e poeira. Doenças broncopulmonares causadas pela poeira de algodão (bissinose).1. asbestose) 2. Doenças broncopulmonares causadas por poeira de metal duro 2.12.1. a poeira em estábulos de animais. poeira de têxteis.1. Doenças profissionais pelos sistemas de órgãos-alvo 2. Siderose 2.6. pó de madeira.1.9.5. anthraco-silicose. pó de pedra pedreiras.1.1. Doenças do pulmão causadas por alumínio 2. pó de cereais e de trabalho agrícola. Afecções das vias aéreas superiores causada por reconhecidos sensibilizantes ou irritantes inerentes ao processo de trabalho 2. decorrentes de atividades de trabalho 2. são palavras que não apresentam conversão direta entre as línguas.2.1. entre a exposição aos fatores de risco decorrentes das atividades de trabalho e a doença (s) contraída pelo trabalhador * Após a tradução o texto foi revi sado ortograficamente.4. Extrínsecos alveolite alérgica causada pela inalação de poeiras orgânicas ou microbianas aerossóis contaminados.1.1. Doença pulmonar obstrutiva crônica causada pela inalação de poeira de carvão.11.1. sisal ou açúcar bagassosis (cana) 2. Pneumoconioses causadas pela poeira mineral fibrogênicos (silicose. Silicotuberculose 2.1.7. As doenças respiratórias 2. .1.3. Pneumoconioses causadas por poeiras minerais nãofibrogênicos 2. onde um link direto é comprovadas cientificamente.8. ou determinados por métodos adequados às condições nacionais e prática.10. resultantes de atividades de trabalho 2. cânhamo.1.1. mas apresenta alguns erros.26 de atividades de trabalho e a doença (s) contratada pelo trabalhador 2.

não químicos ou agentes biológicos durante o trabalho incluiu em outros itens. esforços e posturas extremas do punho 2.3.3.2. Outros distúrbios músculo-esqueléticos não mencionados nos incisos anteriores. ou uma combinação dos três 2. devido à pressão prolongada da região do cotovelo 2.3.2. Dermatoses contato alérgica e urticária de contato por outros reconhecidos agentes resultantes do trabalho de atividades não incluídas em outras rubricas 2. Doenças da pele 2. Vitiligo causado por outros agentes reconhecidos resultantes do trabalho de atividades não incluídas nos outros itens 2.3.3.1. Bursite do olecrano. Síndrome do túnel cárpico. Epicondilite devido ao forte trabalho repetitivo 2.6.27 2. onde um link direto está estabelecido cientificamente. Contato irritativo dermatoses causadas por outros agentes irritantes reconhecidos resultantes do trabalho atividades não incluídas em outras rubricas 2. ou determinados por métodos * Após a tradução o texto foi revi sado ortograficamente.3.5.1. Estilóide radial tenossinovite devido a movimentos repetitivos.7. onde um link direto é comprovadas cientificamente. esforços e extrema posturas do punho 2.2.3.3.2. mas apresenta alguns erros. ou determinado por métodos adequados às condições e práticas nacionais.2. devido a longos períodos de trabalho forte repetitivos.2. posturas extremas do punho.3.3.4. trabalhos que envolvam vibração. Prepatellar bursite devido à permanência prolongada na posição ajoelhada 2.4. são palavras que não apresentam conversão direta entre as línguas. Tenossinovite crônica da mão e pulso devido a movimentos repetitivos. Lesões músculo-esqueléticas 2. . Lesões do menisco em longos períodos de trabalho na posição ajoelhada ou de cócoras 2. entre a exposição aos fatores de risco decorrentes de atividades de trabalho e as doenças de pele (s) contratada pelo trabalhador 2. Outras doenças de pele causadas por processos físicos.3.8.2.

13. ou os compostos.1. Transtornos mentais e comportamentais 2. Arsênio e seus compostos 3.1.1. Tóxicos nitros e amino-derivados de benzeno ou suas homólogas 3.16.9.2.1.18.11.7.4.1. ou determinados por métodos adequados às condições nacionais e prática. Amianto 3. não mencionados no item anterior. As radiações ionizantes 3.4.8.1.1.2.1. Outros transtornos mentais ou comportamentais.1. Cloreto de vinila 3.1.1.15. Erionite * Após a tradução o texto foi revi sado ortograficamente. Bis-clorometil éter (BCME) 3. Berílio e seus compostos 3. onde uma relação direta ligação é estabelecida cientificamente. Cádmio e seus compostos 3. Transtorno de estresse pós-traumático 2.1.1.3.1. Câncer ocupacional 3. Alcatrão.1.1. óleos minerais. betume. breu de alcatrão de carvão ou cobre 3. entre a exposição aos fatores de risco decorrentes de atividades de trabalho e mental ·e distúrbio de comportamento (s) contratadas pelo trabalhador 3.1.1. são palavras que não apresentam conversão direta entre as línguas.1.14.5. Compostos de níquel 3. Câncer causado por agentes 3. .1. Cromo VI compostos 3.4.28 adequados às condições nacionais e prática. Alcatrões de hulha. antraceno.6. mas apresenta alguns erros. produtos ou resíduos dessas substâncias 3.4. Forno de emissões de coque 3.17. Benzidina e seus sais 3. entre a exposição aos fatores de risco decorrentes das atividades de trabalho e os distúrbios osteomusculares (s) contratada pelo trabalhador 2. O pó da madeira 3.10. Benzeno 3.1. Beta-naftilamina 3.12. breu.

ou determinados por métodos adequados as nacionais condições e prática.1. .1. O óxido de etileno 3.20. O vírus da hepatite B (HBV) e vírus da hepatite C (HCV) 3. mas apresenta alguns erros.29 3.1.21. Outras doenças 4.2. Cancros causados por outros agentes no local de trabalho não mencionados nos incisos anteriores onde uma ligação direta é estabelecida cientificamente. Outras doenças causadas por ocupações específicas ou processos não mencionados neste lista onde uma ligação direta é estabelecida cientificamente. entre as resultantes da exposição atividades de trabalho e a doença (s) contratada pelo trabalhador * Após a tradução o texto foi revi sado ortograficamente.1. entre a exposição a estes agentes resultantes do trabalho de atividades e o câncer (s) contratado pelo trabalhador 4. Nistagmo mineiros 4. são palavras que não apresentam conversão direta entre as línguas.19. ou determinado por métodos adequados às condições e práticas nacionais.

Nº /Série/ Data de emissão 16.Médico residente 28.Inicial 2.Telefone 25.Emitente 1.Empregador 2.Endereço .não 1.Duração provável do tratamento  dias 59.Razão Social /Nome  4.Sep.Urbana 2.Data do acidente 31.Nome 11.Hora do acidente 27.Último dia trabalhado 36.Nome da ocupação 26.Município 53. 3.Ignorado Data de emissão 15.Reabertura 3.Filiação à Previdência Social  1.Comunicação de Óbito em: COMUNICAÇÃO DE ACIDENTE DO TRABALHO .CGC/CNPJ 39. Bairro CEP 52.Agente causador 43.não 29-Áreas  1.Rua/Av.Tipo de CAT 1.Local do acidente 37 .não Testemunhas 46.Unidade de atendimento médico 55-Data 56.Endereço .Tra.U F 17.sim 2.Houve internação 1-sim 2.Casado 3.Rua/Av/ Bairro CEP 22.Solteiro 2.PIS/PASEP/NIT 21.Endereço .Masc.não Lesão 60.C B O consulte CBO Acidente ou Doença 30.Município 8-U F 9.Viúvo  4.Data de nasc.Carteira de Indentidade Orgão Expedidor 19.Município 49.CNAE 6. 13.Descrição e natureza da lesão  58.U F 24.U F 35. 14. especial 8.CID-10 63.CPF 4-NIT 5.U F 20.Remuneração Mensal 18.Houve registro policial ? 45. Bairro CEP 48.Seg.Tipo 1.Descrição da situação geradora do acidente ou doença 44.Nome 51.Endereço .Observações: . Complemento (continuação)  Bairro CEP 7.U F Telefone Local e data _______________________________________ Assinatura e carimbo do emitente II .Empregado 2.Outro 6 .Doença 3. avulso 7.Houve afastamento? 1-sim 2-não 38.Fem.sim 2.ATESTADO MÉDICO  Deve ser preenchido por profissional médico. Atendimento 54.Município 23.Sexo 1.Segurado ou dependente 5.Sindicato 3.Deverá o acidentado afastar-se do trabalho durante o tratamento? 1-sim 2-não Diagnóstico 61.Estado civil 1.Rural 32-Após quantas horas de trabalho? 33.Diagnóstico provável 62.Trajeto 34.Especificação do local do acidente 40-Municipio do local do acidente 41-Parte(s) do corpo atingida(s) 42.Nome da mãe  12.Nome 47.CTPS.Houve morte ? 1.CGC/CNPJ 2.Rua/Av/nº/comp.Médico 4.U F Telefone 50.CAT I . 5.Hora 57.PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL 1. judic.sim 2.tipo 1-Típico 2.Rua/Av/nº/comp.Autoridade pública 2.CEI 3.EMITENTE Empregador 3.Aposentado? 1.Telefone Acidentado 10.

213/91.Local e data _______________________________________ Assinatura e carimbo do médico com CRM III . Matricula A COMUNICAÇÃO DO ACIDENTE É OBRIGATÓRIA. 67.A inexatidão das declarações desta comunicação implicará nas sanções previstas nos artigos. sob pena de multa.Recebida em 65.A comunicação de acidente do trabalho deverá ser feita até o 1° dia útil  após o acidente. na forma prevista no art. 171 e 299 do Código Penal. MESMO NO CASO EM QUE NÃO HAJA AFASTAMENTO DO TRABALHO Instruções de Preenchimento  .Código da Unidade 66-Número do CAT Notas: 1.Matricula do servidor _______________________________________ Assinatura do servidor 2. 22 da Lei nº 8.INSS 64.

3 e 4.wikipedia.php?id=21 http://pt. Aluysio. F. dano estético. Giovanni Araújo.[Leis. Caderno Informática. – 4ª ed.com/books?id=edwNv9xkrXsC&pg=PA83&dq=doenç as+ocupacionais&hl=ptBR&cd=3#v=onepage&q=doen%C3%A7as%20ocupacionais&f=false . – 29.] Consolidação das Leis Trabalhistas / [coordenadores] Armando Casimiro Costa. Vitória/ES.gov.php?id=39 http://www. Marques Guimarães. 2006. MORAES. Raimundo Simão de. 5ª edição. http://pt. 2.org/wiki/Segurança_do_Trabalho http://pt. 2009.org/wiki/Doença_ocupacional http://www. ver. Tabela de Valores de Espécie de Benefícios do SIPPS (Sistema Integrado de Protocolo da Previdência Social). 1900-1965.previdencia. Volume 1 e 2. – São Paulo Ltr. dano material. 1993.previdencia. Melchíades Rodrigues Martins. perda de uma chance / Raimundo Simão de Melo.wikipedia. Dicionário brasileiro Globo / Francisco Fernandes. Direito ambiental do trabalho e a saúde do trabalhador: responsabilidades legais. – São Paulo: Globo.br/conteudoDinamico. ed. Irany Ferrari. Rio de Janeiro 2005.gov. 1926 – Dicionário de direito do trabalho / Aluysio Mendonça Sampaio. Jornal A Tribuna. – 2. págs.São Paulo: LTr. Celso Pedro Luft. 05 de Abril de 2010. São Paulo: LTr.32 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Normas Regulamentadoras Comentadas.org/wiki/CIPA http://books. etc. amp. SAMPAIO. dano moral. 1993.google. ed. Francisco. MELO. FERNANDES.br/conteudoDinamico.. e atual. Sistema disponível apenas para Intranet da Previdência Social.wikipedia.

com.youtube.sp.br/conteudoDinamico.youtube.htm http://www.com/viewer?a=v&q=cache:PCkAuKcC8cIJ:portal.htm http://www.br/?q=node/60 http://www.br/portal/arquivos/pdf/lista_doencas_relacionadas_trabalho.gov.empreendedor.pdf+do enças+ocupacionais&hl=ptBR&gl=br&pid=bl&srcid=ADGEESipRqaWKQaf2pxvpSfGcNl9JvBJILq_S ka4lZMA0ZOYRAPHs3k9LXMrmHccoCLAyYYrVPtYrRqq_bzduaOw743 TjrgRbYNHCXgmvBvlj-pFY49OiHEwI2BT8NGOBw_3Qf1X6Xj&sig=AHIEtbS944JoM7FkG0tHilGt70Bh5yNyxw http://www2.php?id=93 http://docs.saud e.php?id=55 http://veja.com/watch#v=66A7TaAmtRc&feature=related http://www.com/watch#v=1qqVR9IwQ_g&feature=related http://www.scribd.com/watch#v=66A7TaAmtRc&feature=related http://www.dataprev.empreendedor.com.com.br/pergunta.br/110701/p_116.spdesign.br/_novo/_br/?secao=Noticias&categoria =136&codigo=4882 .html http://www.com/watch#v=JuTXASHln08&feature=related http://www.previdencia.com.gov.youtube.com/watch#playnext=1&playnext_from=TL&videos=5 dgfULhGlh4&v=-wnRF4o5y00 http://www.youtube.br/sest/14.youtube.com/doc/2396011/QUE-E-A-SILICOSE http://www.google.br/reportagens/previdência-social-teránovos-critérios-para-avaliar-doenç-relacionadas-ao-trabalho http://www.abril.nexocs.com.com/watch#v=4SZ5ClHFgy0&feature=related http://www.33 http://www.gov.gov.reporterbrasil.youtube.br/fap/fap.

revistanegocios.es.org.gov.com/index.gov.org/safework/info/meetingdocs/lang--en/docName-WCMS_125137/index.htm http://avancosocial.br/fisca_trab/tabela_fixa_2009.vermelho.com.com.blogspot.aspx?noticiaId=99698072 http://www.com.php?id_secao=10&id_noticia=127153 http://www.asp http://www.com.php&cd_matia=575782 http://www.htm http://www.ilarioserafimadvogados.br/multas.br/politica/2983280/centro -de-referencia-emsaude-do-trabalhador-ainda-e-pouco-conhecido-pelos-capixabas www.mte.globo.pdf http://www.pdf http://www..conjur.globo.br/2010-fev-14/adoecimentos-ocupacionaismancham-trajetoria-brasil http://www./show.conjur.html * Todos os sites foram acessados entre os dias 25 de Fevereiro e 11 de Abril de 2010.br/noticia.br/ver_noticias..htm l http://gazetaonline.com/2010/03/pagando-conta-no-brasilconta-dos.gov.mte.com.br/2010-fev-21/conceito-fap-justo-calculo-oficialnao http://www.asp?cat=26&nt=502&orig =busca.gov.jusbrasil.34 http://www.php?id=/local/minuto_a_minuto/local /materia. .mte.ilo.br/fisca_trab/multas_trabalhistas.asp&palavra=doen%E7as%20ocupacionais http://gazetaonline.br/fisca_trab/tabela_variavel_2009.com/_conteudo/2009/02/53879trabalhar+e+preciso+cuidar+da+saude+enquanto+trabalha+tambem.br/.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->