Você está na página 1de 3

Disjuntores:

• O que são?
• Quais os principais tipos?
• Suas características?
• Métodos de extinção do arco elétrico?
• Principais definições?
• Maiores falhas atribuídas aos disjuntores?

Disjuntores ( 52 )

É uma chave especial capaz de interromper um circuito com qualquer valor


de carga, inclusive com curto-circuito. O desligamento do disjuntor pode ser
provocado “voluntariamente” pelo operador da SE ( através de um comando
manual), ou por comando dos relés de proteção.

Espécies de Disjuntores:

Disjuntores a Óleo: O meio isolante e de extinção do arco elétrico dos


disjuntores é o óleo mineral isolante. Os disjuntores a óleo dividem-se em:
disjuntores a grande volume de óleo e disjuntores a pequeno volume de óleo.
Segundo a norma NBR 5459/1987, item 3.98.3, disjuntor a grande volume de óleo é
“disjuntor cujos contatos principais operam imersos em óleo, em quantidade
suficiente para isolação entre as partes vivas e a terra. O mesmo item desta norma,
define disjuntor a pequeno volume de óleo como: “disjuntor cujos contatos
principais operam imersos em óleo, que serve essencialmente para a extinção do arco
e não para a isolação entre as partes vivas e a terra.

Disjuntores a grande volume de óleo – GVO:

O volume de óleo pode variar entre 200 e 20.000 litros, conforme a tensão
nominal e a sua capacidade de interrupção.
Câmara de extinção de disjuntor: Compartimento que envolve os contatos
do circuito principal de um disjuntor, capaz de resistir às solicitações devidas ao
arco, e destinado a favorecer a extinção deste.
A câmara de extinção do disjuntor a óleo deve ser projetada de tal forma a
permitir com que o arco se alongue, se esfrie e se desionize.
Os principais tipos de câmaras de extinção utilizados são os de sopro
transversal e os de sopro axial, existindo também o tipo que é uma combinação dos
dois.

Disjuntores a pequeno volume de óleo – PVO:

É um disjuntor para uso interno ( cubículo ), ou para uso externo ( pequeno


volume ). Possui o mesmo princípio de extinção dos convencionais. Foi criado na
Europa com a finalidade de usar menos óleo e diminuir os riscos de incêndio.
Utiliza-se cerca de 10% da quantidade de óleo utilizado nos tipos de grande volume.

1
Disjuntores a ar comprimido:

A norma brasileira NBR 5459/1987 define disjuntor a ar comprimido como:


disjuntor cujos contatos principais operam sob um jato de ar comprimido. Existem
duas espécies de disjuntor a ar comprimido: (a) disjuntor no qual as operações de
abertura e fechamento são realizadas com ar comprimido; (b) disjuntor no qual a
operação de abertura é feita com ar comprimido e a de fechamento com mola.
A interrupção é provocada por um jato de ar comprimido, que é obrigado a
passar entre os contatos no momento de separação dos mesmos. Com este disjuntor
elimina-se os riscos da existência de um líquido inflamável. São construídos com
câmaras padronizadas em série. Com o emprego de elevadas pressões consegue-se a
interrupção de grandes correntes.

Disjuntores a gás hexafluoreto de enxofre – SF6:

Nesta espécie de disjuntores, o gás SF6 é utilizado como meio isolante e de


extinção do arco.
Eles podem ser divididos em dois tipos principais: (a) disjuntor a dupla
pressão e (b) disjuntor a pressão única. A câmara de extinção do disjuntor a dupla
pressão, contém gás SF6 a uma pressão 300 Kpa, aproximadamente (3 Kgp/cm2). Ela
se comunica com um reservatório de gás a uma pressão cerca de 2000 Kpa (20
Kgp/cm2), por meio de um duto que tem uma válvula, chamada de válvula de sopro,
que serve para controlar a passagem do gás do reservatório de alta pressão para a
câmara.

Propriedades do SF6:

O SF6 é um gás inerte, incolor, inodoro, não tóxico e não inflamável, de


elevada rigidez dielétrica ( 2,5 a 3,5 vezes a do ar ), excelente condutibilidade
térmica e estabilidade química e grande poder de extinção do arco.

Definições conforme NBR 5459 da ABNT:

Disjuntor a ar comprimido:
Disjuntor cujos contatos principais operam sob um jato de ar comprimido.

Disjuntor a ( grande volume de ) óleo:


Disjuntor cujos contatos principais operam imersos em óleo, em quantidade
suficiente para a isolação entre as partes vivas e a terra.

Disjuntor a ( pequeno volume de ) óleo:


Disjuntor cujos contatos principais operam imersos em óleo, que serve
essencialmente para a extinção do arco, e não necessariamente para a isolação entre
as partes vivas e a terra.

Disjuntor a SF6:
Disjuntor cujos contatos principais operam a hexafluoreto de enxofre.

Disjuntor a sopro magnético:


Disjuntor cujos contatos principais operam em um campo magnético
produzido pela própria corrente que percorre o circuito principal.

2
Disjuntor a vácuo:
Disjuntor cujos contatos principais operam em um vácuo especificado.

Maiores falhas atribuídas aos Disjuntores:

Falha completa de um Disjuntor, que ocasiona o desaparecimento


completo de uma ou várias de suas funções fundamentais. As seguintes
falhas, são consideradas maiores:
• O disjuntor não fecha quando comandado;
• O disjuntor não abre quando comandado;
• O disjuntor fecha sem ser comandado;
• O disjuntor abre sem ser comandado;
• O disjuntor não estabelece corrente;
• O disjuntor não corta corrente;
• O disjuntor não suporta corrente;
• Ligação interna à terra;
• Ligação externa à terra;
• Ligação externa entre pólos;
• Transposição externa de um pólo aberto;
• Transposição interna de um pólo aberto.