P. 1
AULA - DIREITO TRIBUTÁRIO (VEDAÇÃO CONSTITUCIONAL - PARTEi)

AULA - DIREITO TRIBUTÁRIO (VEDAÇÃO CONSTITUCIONAL - PARTEi)

|Views: 202|Likes:
Publicado porJonathan Santiago

More info:

Published by: Jonathan Santiago on Mar 31, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/25/2014

pdf

text

original

DIREITO TRIBUTÁRIO

PROF. JOÃO GUALBERTO

como: Estrita Legalidade.suspensão e extinção de créditos tributários. I e CTN art. ‡ Conforme o art.DIREITO TRIBUTÁRIO ‡ VEDAÇÃO CONSITUCIONAL AO PODER DE TRIBUTAR ‡ Princípio da Legalidade. veiculando nítidas explicitações do preceito constitucional. cominação de penalidades e hipóteses de exclusão. 150. ‡ Tal composição exaustiva tem sido denominada pela doutrina. CF. majoração ou redução. Tipicidade Fechada (Regrada ou Cerrada) e Reserva Legal . a rt. 97 do CTN. sinaliza a necessidade de composição de configuração da estrita legalidade: instituição ou extinção do tributo. 97 ‡ O princípio da legalidade tributária se põe como um relevante balizamento ao Estado-administrativo no mister tributacional. fixação de alíquotas. definição do fato gerador.

e quanto ao aspecto horizontal é aberta. . ou sequer acompanha a evolução da sociedade.LC 116/2003 (lista de serviço. ‡ Reserva legal ± a CRFB e o CTN reservam à lei formal muito mais assuntos do que a simples majoração e instituição do tributo. ‡ Tipicidade Híbrida ± sob o aspecto vertical ela e fechada.DIREITO TRIBUTÁRIO ‡ VEDAÇÃO CONSITUCIONAL AO PODER DE TRIBUTAR ‡ Princípio da Legalidade ‡ Tipicidade fechada ± exige que a conduta do agente (sujeito passivo) se adeque perfeitamente aos elementos contidos na lei. a tipicidade pode ser aberta. o município não pode criar a 41ª hipótese (fechada). entretanto nos serviços com expressão similares e etc. ‡ Tipicidade aberta ± aquela em que a lei comporta. Ex. ou seja. admite uma interpretação extensiva. 40 itens que se desdobram em 244).: ISSQN. não admitindo interpretação extensiva do texto legal.

DIREITO TRIBUTÁRIO ‡ VEDAÇÃO CONSITUCIONAL AO PODER DE TRIBUTAR ‡ Princípio da Legalidade ‡ Este princípio comporta uma atenuação ou mitigação ± ou. que poderão ter suas alíquotas majoradas (ou reduzidas) por ato do Poder Executivo. o que se dá comumente por decreto presidencial ou portaria ministerial: 1. para alguns doutrinadores. da CF. Imposto sobre operações de crédito. Imposto sobre importação. Cambio e seguros . simplesmente. Imposto sobre produtos industrializados 4. Imposto sobre exportação. 2. exceção. 153. 3. § 1º. há quatro impostos federais. ‡ Segundo o art.

336/2001. c/c art 177. § 2º. 149. ambas justificadas no contexto da extrafiscalidade. § 4º. II. Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico ± CIDE Combustível. é tributo federal. I.DIREITO TRIBUTÁRIO ‡ VEDAÇÃO CONSITUCIONAL AO PODER DE TRIBUTAR ‡ Princípio da Legalidade ± Mitigação (Exceção) ‡ A EC 33/2001 trouxe mais dois casos de mitigação ou ressalva ao Princípio da Legalidade. parte inicial. 1. A mitigação da legalidade tributária consiste apenas na possibilidade de o Poder Executivo reduzir a alíquota e restabelecê-la o limite máximo fixado inicialmente pela lei. Conforme o art. instituído pela Lei 10. . ³b´.

. 155. ICMS ± Combustível. IV. os Estados e DF. celebrados no âmbito do CONFAZ (Conselho de Política Fazendária). as alíquotas do ICMS incidente sobre esses combustíveis serão definidas mediante deliberação dos Estados e Distrito Federal.DIREITO TRIBUTÁRIO ‡ VEDAÇÃO CONSITUCIONAL AO PODER DE TRIBUTAR ‡ Princípio da Legalidade ± Mitigação (Exceção). § 2o. ‡ A EC 33/2001 trouxe mais dois casos de mitigação . Com efeito. definem as alíquotas do ICMS incidente sobre tais combustíveis. tal ressalva à legalidade tributária refere-se ao ICMS de incidência unifásica (ou monofásica). ³c´. esta é a única ressalva indicadora de tributo não federal. ‡ Por sua vez. § 4º.. mediante convêniosinterestaduais. ‡ Cabe a esta lei complementar federal definir os combustíveis e lubrificantes sobre os quais o imposto (ICMS) incidirá uma única vez. nas operações com combustíveis e lubrificantes previstos em lei complementar federal... ‡ 2. XII. 155. art. "h" da CF). da CF. qualquer que seja a sua finalidade (art.

DIREITO TRIBUTÁRIO ‡ VEDAÇÃO CONSITUCIONAL AO PODER DE TRIBUTAR ‡ Princípio da Anterioridade. evitando que seja surpreendido por um tributo recém criado ou recém majorado. A anterioridade nada mais é do que um prazo entre a data da publicação da lei e a cobrança do tributo que foi instituído ou majorado. por isso. porque permite um planejamento das atividades econômicas por parte do contribuinte. porque produzirá efeitos posteriores. Esse prazo pode ser: a) 90 dias b) exercício financeiro c) exercício financeiro e 90 dias . também é chamado de princípio da não-surpresa ou da eficácia diferida. Esse princípio é corolário do princípio da segurança jurídica e.

também chamada de anterioridade propriamente dita ou do exercício financeiro. não se submetem a qualquer prazo quanto a majoração (II. art. ³c´. III. d) Ausência de anterioridade ± aplica-se aos tributos que por suas peculiaridades. b) Anterioridade média . tem por objetivo conter uma prática que era usual na edição de leis em novembro e dezembro. Compulsório) . IG e E. com cobrança já em janeiro. ³b´. ou seja. em especial a extrafiscalidade. IE. Com o advento da noventena. 150. qualificada e nonagesimal). § 6º. o exercício financeiro e 90 dias. vigoram na CRFB as seguintes regras ao princípio da anterioridade: a) Anterioridade máxima ± CRFB. III. 195. a anterioridade passou a exigir a observância de dois prazos combinados. da CRFB c) Anterioridade mínima ± também chamada de anterioridade nonagesimal. 150. que é a determinada no art. IOF.observa-se apenas o prazo de 90 dias. (privilegiada. art.DIREITO TRIBUTÁRIO ‡ VEDAÇÃO CONSITUCIONAL AO PODER DE TRIBUTAR ‡ Princípio da Anterioridade ‡ Com o advento da EC 42/2003.

conforme dispõe o art. 144 e art. 144 do CTN. CRFB. Observando-se as exceções. § 1º do art. É importante perceber que esse princípio da anterioridade leva em conta a publicação da lei. vedando a cobrança de tributo em relação a fatos geradores ocorridos antes da VIGÊNCIA da lei que o instituiu ou majorou. III. ³a´ e 105 do CTN. o PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE leva em conta a vigência da lei. art. 106 do CTN .DIREITO TRIBUTÁRIO ‡ VEDAÇÃO CONSITUCIONAL AO PODER DE TRIBUTAR Principio a Irretroatividade. 150. Reforça a idéia da segurança jurídica das relações. O tributo devido pelo contribuinte é aquele lançado segundo a lei vigente à época da ocorrência do fato gerador.

ou seja.DIREITO TRIBUTÁRIO ‡ VEDAÇÃO CONSITUCIONAL AO PODER DE TRIBUTAR Principio a Irretroatividade Esse princípio é inafastável na instituição e majoração de tributos O principio da irretroatividade não diz respeito somente à lei. instituído como forma de proteção ao cidadão. Esse princípio é uma limitação constitucional ao poder de tributar. da Constituição da República. é que o STF editou a Súmula 654. Assim. com forme dispõe o art. 146 do CTN. novos critérios de interpretação. mas a novos entendimentos elaborados pela Fazenda. que assim dispõe: ³ A garantia da irretroatividade da lei prevista no art. não é invocável pela entidade estatal que a tenha editado´ . 5º XXXVI.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->