Você está na página 1de 10

ANTENA DIPOLO NVIS PARA 11M – TEORIA E SIMULAÇÃO.

Fortaleza, 23 de abril de 2009.

José Carlos – PX7G3298.


E-mail: px7g3298@ig.com.br

O conteúdo apresentado aqui pode ser livremente divulgado sem a


autorização do autor, desde que mantidos os devidos créditos autorais.
Qualquer acréscimo ou modificação do conteúdo original deverá ser
destacado e informado ao autor.

Este é um exercício teórico desenvolvido por mim. Como


ainda não montei esta antena, não posso garantir o real
desempenho dela, afinal, todos os dados aqui apresentados
foram calculados, e não medidos em condições reais.

Gráficos e screenshots gerados a partir do software de


cálculo e simulação de antenas MMANA-GAL versão 1.2.0.20,
referentes à simulação de uma antena dipolo de ½ onda para
uso na faixa do cidadão (PX – 11 metros).

Foi adotada como configuração de solo as seguintes


características: constante dielétrica de 4,5 e condutividade
de 1 mS/m. Tais valores correspondem a um piso de concreto
(adotei estes valores pois a antena que construirei será
montada no alto de um edifício de 4 andares, sobre a laje de
concreto do mesmo).

A antena será montada a 2 metros acima do solo.

Material utilizado na simulação /construção da antena:


tubo de alumínio de 25 mm de diâmetro externo.

Freqüência de referência para cálculo e simulação:


27,305 MHz – corresponde ao canal 30 da faixa do cidadão, de
acordo com a legislação vigente aqui no Brasil.

Um breve resumo sobre NVIS – Near Vertical Incidence


Skywave: conceito inicialmente desenvolvido pelos militares
alemães durante a II guerra mundial, e posteriormente
aperfeiçoado pelos militares americanos durante a guerra do
Vietnã. A antena é montada próximo ao solo, modo que o ângulo
de irradiação seja o mais elevado possível (ideal: 90°).
Neste caso, não há aparecimento da groundwave (onda de solo),
o que dificulta bastante a localização da estação por parte
do “inimigo”, elimina a zona de silêncio que normalmente
existe entre o fim da groundwave e o início da recepção via
reflexão ionosférica, permitindo assim comunicação de âmbito
local, de maneira confiável, em um raio de 400km (estimado) a
partir da estação.

Com a antena montada próximo do solo, ocorrem alguns


efeitos interessantes:

1. Redução do ruído de fundo na recepção.

2. O ganho da antena aumenta conforme a mesma encontra-se


mais próxima do solo.

3. A impedância da antena cai drasticamente conforme a


mesma encontra-se mais próxima do solo.

Vantagens do uso do conceito NVIS:

1. Maior facilidade de montagem e manutenção da antena, já


que a mesma não se localiza no alto de mastros ou torres
muito elevados.

2. Maior ganho de sinal sem a necessidade de se construir


antenas mais complexas.

3. Excelente desempenho para distâncias de até 400km


(estimado).

4. Baixo ruído de fundo durante a recepção, o que permite


ouvir melhor as estações de sinal mais fraco.

Desvantagens do uso do conceito NVIS:

1. Desempenho ruim para distâncias acima de 400km. Antenas


NVIS não foram feitas para DX e sim para comunicação
local.

2. A impedância da antena cai drasticamente quando montada


mais próxima do solo. No caso da dipolo, a mesma
apresenta impedância média de 77 Ohms no espaço livre
(isto é, quando a mesma é montada em altura acima do
solo superior a 1 comprimento de onda – como estamos
falando da faixa do cidadão, esta condição refere-se a
uma antena montada em um mastro ou torre, a 11 metros
acima do solo). Quando montada a 1 metro de altura, a
impedância cai para 14,54 Ohms !!! Portanto, é
necessário o uso de balum para o correto casamento da
impedância.
3. Extrema dependência das condições de propagação
ionosférica.

Características da antena dipolo NVIS para 11m:

1. Comprimento total da antena: 4,84 metros (2 pólos de


2,42 metros). Dimensão definida em função da impedância
desejada (50 Ohms) e da altura de montagem da antena.

2. Material utilizado: tubo de alumínio de 25 mm de


diâmetro externo.

3. Altura de montagem / tipo de solo: 2 metros acima do


solo (concreto presente no alto do edifício onde moro
atualmente).

Objetivos da simulação:

1. Eliminar a necessidade de se utilizar balum para


casamento de impedância.

2. Largura de banda para TX / RX igual ou superior a 1 MHz


a partir da freqüência central – 27,305 MHz.

3. Valores de SWR igual ou inferior a 2 para toda a faixa


do cidadão (no Brasil, de 26,965 MHZ a 27,805 MHz).

4. Altura de montagem da antena entre 0,5 m e 3 m. A altura


escolhida foi de 2 m acima do solo.

5. Maior ganho possível, em função da impedância da antena


e da altura de montagem da mesma.
Screenshots do MMANA-GAL 1.2.0.20:
• Freqüência usada na simulação: 27,305 MHz (canal 30 da
faixa do cidadão).

• Ganho da antena: 5,22 dB

• Impedâncias: 50,28 Ohms (real) / -12,59 Ohms


(imaginária).

• SWR na freqüência usada na simulação: 1,28.

• Ganho F/B: -3,7 dB.

• Tipo de polarização: horizontal.


Far field plots:
Links sobre NVIS:

http://en.wikipedia.org/wiki/Near_Vertical_Incidence_Skywave

http://www.qsl.net/wb5ude/nvis/

http://www.feirinhadigital.com.br/rbr/HAM/projetos-
usuarios/NVIS/nvis.htm

http://py1ur.wordpress.com/nvis/

http://py2wm.qsl.br/SPECTROMETER/Propagacao/NVIS.html

Link do MMANA-GAL:

http://mmhamsoft.amateur-radio.ca/mmana/