Você está na página 1de 19

Revista Linguasagem – 15° Edição / www.letras.ufscar.

br/linguasagem

170 ANOS DE CARICATURA NO BRASIL: PERSONAGENS, TEMAS E FATOS

Alex Caldas Simões1

Considerações Iniciais

Hoje é inegável a disseminação dos gêneros discursivos multimodais2 cartum, caricatura,


charge, tirinha e quadrinho em nossa sociedade. Eles estão nos jornais, nos livros didáticos e nos
concursos públicos. Para muitos estudiosos eles são um registro histórico e cultural singular que
articula elementos lingüísticos verbais e não-verbais no retrato de personalidades, cenas e fatos de
nosso cotidiano. De acordo Paulo Ramos (2009) ainda faltam hoje estudos, em especial os
lingüísticos, que analisem esses gêneros a fundo. Acreditamos ainda que tais estudos se fazem
insipientes, pois carece-se ainda hoje da composição de um cânone – similar ao literário – que
permita ao pesquisador observar todo e qualquer gênero discursivo multimodal como um
elemento singular na formação de fontes de pesquisa para o entendimento da história da cultura
e da linguagem de um povo. Muitas áreas científicas têm margeado tais objetos, como a Arte, o
Design, a Lingüísticas, a Literatura e a História, entre outros. Entretanto nenhuma delas ainda foi
capaz de construir um cânone sobre o assunto que possibilite aos pesquisadores iniciantes, ou
aos curiosos, compreenderem autores, estilos, cenas e fatos de maneira cronológica e didática. A
partir dessa instigante observação, pretendemos apresentar aqui, apoiados nos registros da
Associação Brasileira de Impressa (ABI – 2007), uma linha do tempo canônica-histórica sobre a
caricatura no Brasil, de modo a salientar suas principais personalidades, temas e fatos. Discutires
então nessa ordem: i) sobre os gêneros discursivos multimodais caricatura, cartum, charge, tirinha
e quadrinho; e ii) sobre seus principais autores: a) os desbravadores3, Araújo Porto-Alegre (1806-
1879), Ângelo Agostini (1843-1910) e Nair de Teffé ou Rian (1886-1981); b) os ícones, J. Carlos
(1884-1950), K. Lixto (1877-1959), Raul Pederneiras (1874-1953), Belmonte (1896-1947) e

1 Mestrando em Letras pela Universidade Federal de Viçosa (UFV) – Bolsista CAPES/REUNI. Email:
axbr1@yahoo.com.br
2 Podemos entender “gêneros discursivos multimodais” como textos que conjugam simultaneamente
múltiplos modos de significação, como imagens, textos, sons, entre outros.
3 Classificação nossa.
Mendez (1907-1997); c) os resistentes, Péricles (1924-1962), Millôr (1924-atual), Jaguar (1932-
atual), Ziraldo (1932-atual) e Henfil (1944-1988); d) a nova geração, Nani (1951-atual), Angeli
(1956-atual), Glauco (1957-2010), Laerte (1951-atual), Adão Iturrusgarai (1965-atual), Paulo
Caruso (1949-atual) e Chico Caruso (1949-atual); e e) a novíssima geração, Allan Sieber (1972-
atual), Arnaldo Branco (1972-atual), Chiquinha (1984-atual) e André Dahmer (1974-atual).

Os Gêneros Discursivos: cartum, charge, caricatura, tirinha e quadrinho

Gêneros discursivos podem ser entendidos a partir de Bakhtin (2000) como tipos de
enunciados relativamente estáveis que advém de uma esfera específica de comunicação
estruturada por um conteúdo (temático), por um estilo verbal (léxico, frase, gramática) e por uma
construção composicional que lhe são próprias. O autor, ao postular suas considerações sobre os
gêneros, deixa claro que tais recursos lingüísticos, classificados segundo ele (2000) em gêneros
primários ou secundários, são construídos sócio-historicamente. Isso nos indica que analisar os
gêneros discursivos é perceber que a sociedade reflete e constrói seus mecanismos de
comunicação, e, sendo assim, estudar tais textos é vislumbrar também, em parte, a construção
sócio-histórica-ideológica da sociedade, uma vez que os gêneros refletem a sociedade e a
sociedade é refletida, em parte, em seus gêneros. Muito já se foi estudado em relação à
configuração, analise e funcionalidade dos gêneros, principalmente depois das indicações
educativas dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN´s – 1998) e dos Conteúdos Básicos
Comuns de Minas Gerais (CBC-MG – 2005). Mesmo assim, percebemos na literatura da área certas
carências: como é o caso dos estudos lingüísticos sobre os gêneros multimodais caricatura,
cartum, charge, tirinha e quadrinhos. Para Ramos (2009) comumente esses gêneros são analisados
por meio de três tipos de comportamentos teóricos:

o que vê os quadrinhos como um grande rótulo que abriga diferentes


gêneros; o que vincula os gêneros de cunho cômico – charge, caricatura e
tiras (em alguns casos, chamados de quadrinhos) – num rótulo maior,
denominado humor gráfico ou caricatura (usada neste segundo momento
num sentido mais amplo); o que aproxima parte dos gêneros, em especial
as charges e as tiras cômicas, da linguagem jornalística (linha teórica
apoiada no fato de serem textos publicados em jornal (RAMOS, 2009, p.
21).

Ainda podemos conceituar tais gêneros, a partir das postulações de Ramos (2009) e
Mendonça (2005) como:

Gênero Postulações
Caricatura “[...] em geral, a caricatura – deformação das
características marcantes da pessoa, animal, coisa, fato – pode
ser usada como ilustração de uma matéria (foto), mas quando
este fato pode ser contado inteiramente numa forma gráfica, é
chamado de charge.” (MENDONÇA, 2005, p. 197).

Ramos (2009) não define o conceito de caricatura, pois


este não se enquadra em sua definição do hiper-gênero
quadrinho, uma vez que a caricatura não pretende construir
narrativas.

Charge Ver definição de Mendonça para Caricatura.

“A charge é um texto de humor que aborda algum fato ou


tema ligado ao noticiário. De certa forma, ela recria o fato de
forma ficcional, estabelecendo com a notícia uma relação
intertextual” (RAMOS, 2009, p. 21).

Cartum O cartum surgiu depois da charge, e é uma forma de


expressar idéias e opiniões, seja uma crítica política, esportiva,
religiosa, social, através de uma imagem ou uma seqüência de
imagens, dentro de um quadrinho ou não; podendo ter balões
ou legendas. A charge “envelhece”, como a notícia, enquanto o
cartum é mais atemporal” (MENDONÇA, 2005, p. 197).

“Não estar vinculado a um fato do noticiário é a principal


diferença entre a charge e o cartum. No mais, são muito
parecidos” (RAMOS, 2009, p. 23).

Tirinha “As tiras são um subtipo de HQ; mais curta (até 4


quadrinhos), e, portanto, de caráter sintético, podem ser
seqüenciais (“capítulos” de narrativas maiores) ou fechadas
(um episódio por dia” (MENDONÇA, 2005, p. 198).

“O formato é tão presente na composição da tira que foi


incorporada ao nome do gênero. A mais conhecida e publicada
é a tira cômica, também chamada por uma série de outros
nomes [...]. Por ser a mais difundida, muitas vezes é vista
como sinônimo de tira [...]. A tira cômica é a que predomina
nos jornais brasileiros – e também nos da maioria dos países”
(RAMOS, 2009, p. 23-24).

Quadrinhos Ver definição de Mendonça para tira, acima.


“Quadrinhos seriam, então, um grande rótulo, um hiper-
gênero, que agregaria diferentes outros gêneros, cada um com
suas peculiaridades.” (RAMOS, 2009, p. 20).

(Tabela 1 – Os diferentes conceitos dos gêneros cartum, caricatura, charge, tirinha e


quadrinho)

Diante das definições acima, entendemos que os referidos gêneros multimodais cartum,
caricatura, charge, tirinha e quadrinho ainda carecem de estudos e pesquisas que venham a
caracterizá-los lingüisticamente, tanto do pondo de vista conceitual, quanto do ponto de vista
prático. Apesar de convergirem, as definições genéricas de Ramos (2009) e Mendoça (2005) ainda
não nos permitem diferenciar com acerto os gêneros em questão.
Essa dificuldade de nomeação, ou definição teórica, pode, em certa medida, ser explicada
pelos artistas que os produzem. Um chargista produz charges, uma caricaturista produz
caricaturas, um cartunista produz cartuns, e um quadrinista produz quadrinhos e tirinhas. Essa
designação, entretanto, nem sempre foi assim. De acordo com Scott McCloud (1995, p. 3) a
expressão “histórias em quadrinhos” foi por muito tempo vista como algo negativo, como
“material de consumo infantil, com desenhos ruins, barato e descartável.” Com isso muitos de
seus artistas tinham vergonha de admitir que produziam histórias em quadrinho, e, por isso,
preferiam ser conhecidos como ilustradores e não como cartunistas. Essa designação confusa
pode ter colaborado para uma futura dificuldade de teorização dos referidos gêneros, como
percebe hoje as áreas da linguagem.
Apesar de toda essa carência em pesquisas, tais gêneros ainda hoje são os preferidos em
produções didáticas ou de leitura (Cf. Ramos, 2009). Em março de 2009, por exemplo, conforme
indica a reportagem de Rachel Bonino à revista Educação n° 144, o MEC incluiu no acervo de livros
didáticos das escolas públicas brasileiras 27 títulos de histórias em quadrinho através do
Programa Nacional Biblioteca na Escola (PNBE). Isso nos indica, como também argumenta Bonino
(2009), que está ocorrendo no Brasil uma formalização dos gêneros caricatura, quadrinho, charge,
cartum e tirinha em ambiente escolar, uma vez que tais gêneros já são reconhecidos pela Lei de
Diretrizes e Bases da Educação (LDB) e pelos PCN´s.
Diante destas questões, ainda em debate, apresentaremos na seção seguinte um pequeno
panorama de autores dos referidos gêneros que pode colaborar para resolução de algumas
questões aqui discutidas.

Por um panorama canônico de autores da ilustração

A partir das pesquisas da ABI (2007), classificaremos didaticamente os artistas brasileiros que
realizam os gêneros caricatura, quadrinho, tirinha, cartum e charge em: a) os desbravadores,
aqueles que introduziram os gêneros no Brasil – aqui discorreremos, apoiados nas indicações da
ABI (2007), sobre Araújo Porto-Alegre, Ângelo Agostini e Nair Teffé ou Rian –; b) os ícones,
aqueles que popularizaram os gêneros no Brasil – aqui discorreremos, apoiados nas indicações da
ABI (2007), sobre J. Carlos, K. Lixto, Raul Pederneiras, Belmonte e Mendez –; c) os resistentes,
aqueles que produziram os gêneros no Brasil durante o período militar onde ocorreram repressões
e censuras – aqui discorreremos, apoiados nas indicações da ABI (2007), sobre Péricles, Millôr,
Jaguar, Ziraldo e Henfil –; d) a nova geração, aqueles que atualmente dominam as publicações
nacionais dos grandes veículos de comunicação do Brasil – aqui discorrermos, apoiados nas
indicações da ABI (2007), sobre Nani, Angeli, Glauco, Laerte, Adão e Paulo e Chico Caruso –; e) e a
novíssima geração, aqueles apontados pela mídia como sendo os mais novos queridinhos dos
quadrinhos – aqui discorreremos sobre Allan Siber, Arnaldo Branco, Chiquinha e André Dahmer.

Os desbravadores

Araújo Porto-Alegre (1806-1879)

Segundo a ABI (2007), três meses depois que Diogo Antônio Feijó renunciou ao seu mandato
de primeiro Regente Uno do Brasil, o Jornal do Commercio do Rio de Janeiro – já presente no
cenário brasileiro a 10 anos – publicava pela primeira vez no Brasil, no editorial de dezembro de
1837, uma arte gráfica ilustrada: era o desenho de Araújo Porto-Alegre que satirizava um
destacado político da época, ao colocá-lo recebendo suborno (Figura 1):

(Figura 1 – Charge “A campainha e o Cujo” de Araújo Porto-Alegre presente no Jornal do


Commercio – ABI, 2007, p. 3)

Nascido em 1806 na cidade de Rio Pardo (RS), Manuel de Araújo Porto-Alegre se tornou
conhecido na corte brasileira a partir da década de 1830 ao publicar sua primeira ilustração
caricata no Jornal do Commercio do Rio de Janeiro. Vale ressaltar, como o faz a ABI (2007), que na
época os periódicos não costumavam publicar em suas páginas as caricaturas: dessa forma “[...]
elas eram vendidas de maneira avulsa nas ruas da então capital do império” (ABI, 2007, p. 4).
Aluno de Debret e de vários artistas da época, foi Araújo Porto-Alegre que através do periódico A
lanterna Mágica (1844-1845) introduziu a caricatura nos jornais brasileiros.
Apesar de não ser considerado um exímio caricaturista Araújo, Porto-Alegre se destaca na
história do Brasil por inserir pela primeira vez a ilustração caricata nos periódicos brasileiros. O
autor faleceu em Lisboa em 29 de dezembro de 1879.

Ângelo Agostini (1843-1910)

Nascido na Itália em 8 de Abril de 1843, Ângelo Agostini mudou-se com sua família para o
Brasil em 1859. Já residente no Brasil, tempos depois, Agostini publica o primeiro jornal ilustrado
de São Paulo, O Diabo Coxo (1864-65) – claramente influenciado pelas publicações européias Le
Charivari e Semana Illustrada, ambas frencesas.
Suas caricaturas, segundo a ABI (2007), eram consideradas pela crítica como agressivas e
ferinas (Figura 2), o que rendia ao artista muitas retaliações e perseguições: “Nada nem ninguém
escapava a visão crítica de Agostini ou de seus colaboradores” (ABI, 2007, p. 5).

(Figura 2 – Legenda: Legenda da ilustração: El Rey, nosso senhor e amo, dorme o sonno
da...indifferença. Os jornaes, que diariamente trazem os desmandos desta situação, parecem
produzir em S.M. o efeito de um narcotico. Bem aventurado senhor! Para vós o reino do céo e para
o nosso povo...o do inferno! – WIKIPÉDIA, 2010).

Com o fim de O Diabo coxo, Agostino ilustra o Cabrião, revista inaugurada em 30 de


Setembro de 1866. Perseguido por opositores e inimigos Agostino se vê obrigado a sair de São
Paulo e votar ao Rio de Janeiro. Lá, ele, depois de caricaturar em O Arlequim, o Mosquito e a Vida
Fluminense, passa a trabalhar na Revista Illustrada, que apresentava um panorama sócio-cultural
da cidade do Rio de Janeiro.
Em 1871 o artista enfoca suas críticas em Dom Pedro (ver Figura 2): “[...] as críticas a Dom
Pedro deixam de ser exceção e passam a ser regra” (ABI, 2007, p. 6). Ao final do império Ângelo
Agostini é exilado na Europa. Com a virada do século, o autor em 1903 retorna ao Brasil e atua na
Gazeta de Notícias (1903) e no O Malho (1905). Agostini faleceu no Brasil em 22 de Janeiro de
1910.

Nair Teffé (ou Rian)

Nair Teffé (ou Rian), mulher do Marechal Hermes da Fonseca, que governou o Brasil entre
1910 e 1914, é considerada a primeira mulher caricaturista brasileira. Ela publicou nos periódicos
Fon-Fon, Careta, O Malho e em algumas revistas francesas, onde publicava com o pseudônimo de
Rian (Nair ao contrário). A artista não é considerada uma exímia ilustradora, entretanto se destaca
por ter sido a primeira mulher a caricaturar em jornais brasileiros.
Segundo a ABI (2007), deprimida com as perseguições políticas ao seu marido – devido ao
episódio dos 18 do Forte em 1922 – Nair se retira gradualmente do cenário da ilustração nos
periódicos. Ela faleceu em 1981 com 95 anos.

Os Ícones
Raul Pederneiras (1874-1953)

Nascido no Rio de Janeiro em 1874, Raul Paranhos Pederneiras é reconhecido por sua extensa
atividade jornalística. Juntamente com J. Carlos e K. Lixto, ele compunha a tríade da charge no
começo do século XX no Brasil (Cf. ABI, 2007): “Dizem que não existiu em sua época, alguém mais
popular na Capital Federal do que ele” (ABI, 2007, p. 7). Raul Pederneiras passou pelas mais
importantes publicações do país, como O paiz, Correio da Manhã, O Globo, Jornal do Brasil e
Revista da Semana.
Seu primeiro desenho foi publicado em 1898 em O Mercúrio. Totalmente colorida, tal
ilustração foi uma revolução para época. Depois de sua estréia o autor atuou em O Tagerela, D.
Quixote, Fon-Fon e O Malho. De seu trabalho como caricaturista se destaca, com sucesso, segundo
a ABI (2007), i) as Cenas da Vida Carioca, que eram sátiras aos usos e costumes da classe média
carioca; e ii) os Onomatogramas, que eram representações gráficas de nomes.
De forma geral, Raul Pederneiras não cultivou desafetos por causa de suas charges
políticas. Pelo contrário, ele era querido por todos, mesmo quando criticava a emancipação
feminina, dizendo que a mulher não tinha aptidão para outras atividades que não as domésticas
(Cf. ABI, 2007). Raul encerrou sua carreira em 1948 e veio a falecer em 1953 com 78 anos.

J. Carlos (1884-1950)
José Carlos de Britto e Cunha – J. Carlos – nasceu no Rio de Janeiro em 18 de Junho de 1884.
Ele foi considerado, juntamente com seus companheiros Raul Pederneiras e K. Lixto, o
caricaturista mais importante de seu tempo, superando os artistas da época em técnica e
popularidade (Cf. ABI, 2007). Ele participou das publicações mais importantes do período como O
Cruzeiro, Fon-Fon, Paratodos, O Malho e Careta. J. Carlos chegou também a publicar histórias em
quadrinho: “em O Tico-Tico, criou Lamparina, Jujuba, Carrapicho e Goiabada (assinado como
Nicoláo)” (ABI, 2007, p. 8).
Dentre as suas produções se destaca a figura clássica de tipos sociais como a melindrosa
(Figura 3) e o almofadinha. Seu estilo era inconfundível e, segundo a ABI (2007), era reconhecido
por todos na época – ele retratava principalmente fatos do cotidiano.

(Figura 3 – Melindrosa – ABI, 2007, p. 9)

J. Carlos faleceu de AVC na redação da Careta em 30 de setembro de 1950, vésperas da


eminente eleição de Getúlio Vargas. Mesmo após a sua morte seus desenhos continuaram a ser
publicados de forma inédita até 21 de Outubro do mesmo ano.

K. Lixto (1877-1957)

Juntamente com J. Carlos e Raul Pederneiras, Calixto Cordeiro – o futuro K. Lixto – nascido no
Rio de Janeiro em 1877, foi um dos mais completos e respeitados artistas da época – calcula-se
que sua produção vai além de 150 mil desenhos (Cf. ABI, 2007).
Seu primeiro trabalho como caricaturista foi em 1898 na revista O Mercúrio, depois passou a
ilustrar O Malho e Fon-Fon. Entretanto, é em 1908 que ele lança a revista O Degas, “que apesar de
ter durado menos de um ano é considerada uma das graficamente mais belas do gênero, no
Brasil” (ABI, 2007, p. 10). Dentre as suas outras atuações na imprensa brasileira se destacam sua
participação na fundação das revistas O avança, O Tagarela e a própria O Malho.
Curiosamente, K. Lixto também se destacou em outras áreas criativas além da caricatura,
como a publicidade: “[...] ele é o criador dos clássicos anúncios da Bromil, Lugolina e Saúde da
Mulher e dos slogans ‘seu dia chegará’, ‘insista, não desista’ e ‘até que enfim’ da Loteria Federal,
onde trabalhou durante vinte anos” (ABI, 2007, p. 10).

Belmonte (1896-1947)

Nascido em 1896, Benedito Bastos Barreto, publicou pela primeira vez seus desenhos na
revista Rio Branco. Ele se destaca na caricatura brasileira com a criação do personagem mais
popular das décadas de 1930 e 1940, publicada pela Folha da Noite (Hoje Folha de S. Paulo), Juca
Pato (Figura 4): mordaz, gentil e defensor dos fracos – “Juca Pato era careca, segundo o seu autor,
de ‘tanto levar na cabeça’, e adotava o lema conformista ‘podia ser pior’, que virou bordão na
cidade de São Paulo e atravessou fronteiras” (ABI, 2007, p. 10).
Suas charges correram o mundo todo, principalmente durante a Segunda Guerra Mundial.
“Diante de um desenho seu, ridicularizando os alemães, Goebbels teria desabafado: ‘Esse artista
deve ter sido pago pelos aliados ingleses e norte-americanos” (ABI, 2007, p. 10).

(Figura 4 – Juca Pato segue Getúlio Vargas depois que o Brasil declara guerra a Alemanha de
Hitler – ABI, 2007, p. 10)
Mendez (1907-1997)

Cearence de Baturité, Mário Mendez foi um apreciador dos desenhos de J. Carlos e, devido a
isso, já com 17 anos se lançou como ilustrador do jornal A manhã. Seguiu-se então seus trabalhos
em A Batalha, A Esquerda, Vanguarda e O Radical. Anos depois, em 1936, na Revista O Cruzeiro,
foi convidado por Belmonte para ilustrar a Folha da Manhã, em São Paulo. Dois anos depois, o
autor volta ao Rio de Janeiro onde atuou no jornal A noite.
Mendez se destaca no cenário da caricatura brasileira por caricaturar várias personalidades da
época. “O traço de Mendez incomoda a quem era retratado: Dalva de Oliveira chorou durante uma
semana quando viu a sua caricatura na revista Carioca” (ABI, 2007, p. 12).
O artista se aposentou da prancheta aos 60 anos. Ainda hoje ele é lembrado pela crítica
como um dos artistas mais instigantes de sua época. Ele faleceu aos 90 anos em dezembro de
1997.

Os resistentes
Péricles (1924-1962)

Estrela da Revista O Cruzeiro nas décadas de 40 e 60, o personagem do recifence Péricles


Maranhão (1924-1962), O Amigo da Onça (Figura 5) – inspirado no personagem argentino El
inimigo del Hombre – era uma das primeiras seções a ser lida no periódico. “[A] seção mais lida era
O Amigo da Onça, a ‘imortal criação de Péricles’, que surgiu em 1943, durante uma reforma na
revista, e de lá para cá nunca mais saiu” (ABI, 2007, p. 13). Foram ao todo 17 anos publicando o
personagem. Entretanto, como indica a ABI (2007), Péricles não gostava de sua criação, pois ele se
ressentia pelo fato da criatura ser mais valorizada que o criador. De personalidade instável e
atormentado, o autor se suicidou na virada do ano de 1961 para 1962. Desde então, após a sua
morte, seu personagem foi desenhado na Revista O Cruzeiro por Carlos Estêvan e muitos outros
artistas.

(Figura 5 – O Amigo da Onça. Legenda: “Foi esse aí seu trocador, botou só um tostão” – ABI,
2007, p. 13)

Millôr (1924-atual)
Carioca, Méier Milton Fernandes – Millôr – nasceu em 1924 e já em 1938, com quatorze anos
de idade, já atuava na Revista O Cruzeiro, começando em atividades diversas para no final da
juventude estar entre um dos jornalistas mais importantes da revista. Na revista O Cruzeiro, ele
assinava duas colunas que eram uma das mais procuradas pelos leitores: a coluna do Vão Gogo,
pseudônimo inventado por ele, era a mais lida, depois do Amigo da Onça, entre os anos de 1948 e
1950; e a coluna Pif-Paf que gerou o embrião da revista de mesmo nome, lançada em 15 de Maio
de 1964, que apesar de durar pouco marcou época, pois em somente 8 números de existência
reuniu os mais audaciosos caricaturitas do período que no futuro fundariam O Pasquim.
Millôr sempre foi genial e reconhecido como muito versátil e altruísta (Figura 8): “Autodidata e
genial, o artista que construiu uma das mais belas e respeitadas carreiras na imprensa de humor e
idéias do País sempre foi elogiado pelos seus pares pelo desprendimento e a coragem, além da
invejável erudição” (ABI, 2007, p. 16).

(Figura 6 – Charge de Millôr – ABI, 2007, p. 16)

O autor durante a década de 1960 participou da fundação do O Pasquim e, em 1969 passou


a assinar uma página na revista Veja, ambas as experiências lhe trouxeram aborrecimentos
políticos – Millôr hoje está na revista Veja e assina uma página semanal da com textos e imagens.
Foram duas experiências marcantes para Millôr que abriram caminho para sua atuação em outros
veículos de comunicação como a IstoÉ, O Dia e o Jornal do Brasil.

Ziraldo (1932-atual)

Nascido em 1932 em Minas Gerais, Ziraldo publicou seus primeiros desenhos na década de
1950 no Jornal Folha de Minas. Algum tempo depois foi convidado para trabalhar na revista O
Cruzeiro, no Rio de Janeiro. Muito talentoso Ziraldo em pouco tempo alcançou a editoria da
revista:
“Ziraldo teve carreira meteórica em O Cruzeiro, onde começou como
assistente de arte e em logo, logo se tornava editor de arte. Por possuir
também um temperamento envolvente, foi convidado pela direção da
revista a assumir o posto de relações-públicas, convite imediatamente
aceito pelo mineiro que jamais recusou trabalho” (ABI, 2007, p. 24).

No Cruzeiro, Ziraldo pode criar um de seus primeiros personagens o Saci Pererê, no começo
apenas um cartum em umas das páginas da revista. Com a boa aceitação do personagem Ziraldo
criou outros personagens para compor sua história em quadrinhos: era composta “[...] [a] turma
do Pererê, que foi as bancas de revistas, em seu primeiro número, no dia 1° de abril de 1964, no
dia e hora em que se instalava a ditadura militar no País, bancada pela própria empresa que
editava O Cruzeiro e teve vida curta” (ABI, 2007, p. 24).
Com o fim de O Cruzeiro e o insucesso de sua revista solo da turma do Pererê, o autor passou
a se dedicar às charges diárias no Jornal do Brasil. Ao final da década de 1960 Ziraldo passou
também a atuar em O Pasquim. Durante esse período foram criados personagens emblemáticos
do humor brasileiro como Jeremias, O Bom, Mineirinho, o Como Quieto, a Supermãe, entre outros.
Seu personagem mais conhecido, entretanto, principalmente pelo público infanto-juvenil, é O
Menino Maluquinho, que vendeu mais de 2 milhões de exemplares e foi traduzido para muitas
línguas (Cf. ABI, 2007). O autor mais recentemente ainda dirigiu as revistas Bundas (1999-2002),
Palavra (1999-2002) e O Pasquim 21 (2004-2005).

Henfil (1944-1988)

Henrique de Souza Filho – Henfil – nasceu em Minas Gerais em 1944. Pode ser considerado
como um popstar do desenho no país (Cf. ABI, 2007), uma vez que dialogava constantemente com
as massas. Além do mais seus personagens foram adotados por muitas torcidas de futebol: “[...] o
Urubu (Flamengo), Bacalhau (Vasco), Cri-Cri (Botafogo), Pó-pó (Fluminense) foram adotados pelas
torcidas em substituição aos Popeyes e outros símbolos importados que utilizavam” (ABI, 2007, p.
26). Entretanto, seu reconhecimento nacional veio com a sua projeção no O Pasquim, onde
apresentou uma galeria de personagens agressivos e politizados, como a dupla de Fradins “[...] o
Cumprido (baseado em um amigo, jornalista mineiro Humberto Pereira) reprimido e conservador e
o Baixinho (um indisfarçável auto-retrato), um sádico libertário. Além desses personagens Henfil
também se destacou com os personagens Zeferino – publicado no Jornal do Brasil –, Bode
Orellana – notadamente intelectual – e a Graúna – personagem feminino da trama que oscilava
entre a submissão e o ativismo (Cf. ABI, 2007, p. 27). “Graficamente [a Graúna] talvez fosse sua
mais genial e sucinta criação: o corpo da ave era pouco mais que um ponto de exclamação” (ABI,
2007, p. 27).
Hemofílico, Hanfil morreu de Aids adquirida por transfusão de sangue em 1988.
Jaguar (1932-atual)

Um dos idealizadores do Pasquim, Sérgio de Magalhães Gomes Jaguaribe – Jaguar – nasceu no


Rio de Janeiro em 1932. Conforme indica a enciclopédia de artes visuais (2005), Jaguar iniciou sua
carreira de caricaturista na Revista Manchete. Dentre outros trabalhos se destaca suas produções
no Jornal Última Hora de 1960 a 1968.

“Quando começou a desenhar Jaguar tinha influência de um cartunista


francês chamado Trez. Depois que conheceu os desenhos de André
François, Jaguar teve sua epifania e o seu traço mudou da água para o
uísque. Seguiu essa nova linha, mas botou o molho brasileiro, porque ele
não é bobo. E o desenho do Jaguar ficou tão nacional, que Millôr escreveu
certa vez que vinha pela rua e viu o que a princípio achou ser uma família
de miseráveis; mas não, eram os desenhos do Jaguar esperando uma
legenda” (ABI, 2007, p. 25).

Em O Pasquim ele foi conhecido por dar vida ao mascote da revista, o Sig (Figura 7) – segundo
a enciclopédia de artes visuais (2005), uma alegoria a Sigmund Freud que aparecia na capa e no
começo das matérias. Outros personagens também se tornaram conhecidos pelos traços de
Jaguar, como “Gastão, o vomitador; Boris, o homem tronco e o cartum Chopnics, publicado
inicialmente no Jornal do Brasil” (ENCICLOPÉDIA DE ARTES VISUAIS, 2005).

(Figura 7 – Sig – Enciclopédia de Artes Visuais (2005), seção obras)

Jaguar ainda atuou nas Revistas Bundas, ao lado de Ziraldo e de outros artistas da época do
Pasquim.

A nova geração

Nani (1951-atual)
Ernani Diniz Lucas – Nani – atuou com charges e textos de humor em diversos veículos
impressos e televisivos. O autor atuou durante mais de dois anos no Jornal do Brasil, onde dia sim
dia não publicava uma charge (Cf. ABI, 2007). Nani também publicou tiras diárias, como a tira
Vereda Tropical, publicada no Jornal O Dia e outros. Artista versátil e bastante inquieto o autor
publicou muitas charges e desenhos de humor. “Ele é muito rápido no gatilho, tanto para pensar
como para executar desenhos. Seu estilo permite fazer de tudo com extrema rapidez. Uma
semana de tiras, de Veredas Topical ele demorava em média uma hora para fazer” (ABI, 2007, p.
30).
Sua versatilidade chegou aos textos de humor dos programas de Tv, tais como Escolinha do
Professor Raimundo, Sai de Baixo, Casseta & Planeta e Zorra Total (Cf. ABI, 2007, p. 30).

(Figura 8 – Charge de Nini – ABI, 2007, p. 30)

Angeli (1956- atual)

Arnaldo Angeli Filho – Angeli – nasceu em São Paulo em 1956. Seus primeiros trabalhos foram
editados no gibi universitário da USP Balão. Com algumas participações no Pasquim, Angeli passou
a atuar na Folha de S. Paulo, a partir da década de 80. Dentre as suas criações estão as inúmeras
Charges e as tiras: Chiclete com Banana, Rê Bordosa, Bob Cuspe e Wood & Stock (Cf. Enciclopédia
de Artes Visuais (2005)). Durante os anos 1980, o autor também edita a revista Chiclete com
Banana, e ainda cria uma série de outros personagens, como Walter Ego, Os escrotinhos e Los
Tres Amigos – editado com Laerte e Glauco e posteriormente com Adão Iturrusgarai. Na década de
1990, Angeli continua a atuar na Folha de S. Paulo produzindo charges, políticas ou cotidianas.

Laerte (1951-atual)

Laerte Coutinho começou a sua carreira de ilustrador, assim com Angeli, no gibi universitário
Balão, da USP. Atuou em algumas edições do Pasquim, mas veio a se consolidar como cartunista
somente nos anos 1980 e 1990 na Folha de S. Paulo. Antes disso Laerte passou muito tempo
envolvido com folhetins do movimento sindical. Ele fazia vinhetas para a editora Oboré, “[...] que
abastecia todos os jornais sindicais do País com ilustrações” (ABI, 2007, p. 31).
Por algum tempo Laerte figurou como um dos chargistas da Folha de S. Paulo, mas aos
poucos, com a entrada de tirinhas mais adultas no jornal, passou a editar tiras, dentre elas se
destacam o Condomínio e sua mais famosa tirinha Piratas do Tiête.
Na década de 1990 produziu junto com seus amigos Glauco e Angeli a tira Los tres amigos,
famosa na revista Chiclete com Banana e na própria Folha.

Glauco (1957-2010)

Glauco Vilas Boas nasceu em Jandaia do Sul, Paraná. Assim como os seus amigos da
caricatura, Angeli e Laerte, participou do jornal Folha de S. Paulo durante a década de 1980 e
1990, produzindo charges e tirinhas. Dentre as suas produções está a tira Geraldão, Dona Marta,
Zé do Apocalipse, entre outros. O autor revezava o espaço das charges com Angeli na Folha. Ele é
considerado um artista de humor comportamental, que acabou influenciando o humor de muitos
artistas de sua época – inclusive foi ele o responsável por influenciar a mudança de humor político
para o comportamental de Angeli e Laerte. Em Março de 2010 Glauco morreu em sua casa,
supostamente vítima de um assalto.

Adão Iturrusgarai (1965-atual)

Adão Iturrusgarai nasceu em na cidade de Cachoeira do Sul no Rio Grande do Sul em 1965.
Recebeu destaque nacional ao participar da tira Los tres amigos, produzida em conjunto com os
cartunistas já consagrados Angeli, Laerte e Glauco. Futuramente Adão passou a colaborar de
forma fixa na Folha de S. Paulo, e mais tarde na revista Capricho e na revista Sex. Dentre as suas
criações estão as tiras Rock & Hudson e Aline, sua mais famosa criação que durante o ano de 2009
foi adaptada para TV em seriação semanal.

Paulo e Chico Caruso (1949-atual)

Gêmeos e Cartunistas, além de músicos e arquitetos, os irmãos Paulo José de Hespanha


Caruso – Paulo Caruso – e Francisco Paulo Hespanha Caruso – Chico Caruso –como muitos artistas
da nova geração, foram revelados no gibi universitário Balão, da USP. “Desde 1984 Chico é o
chargista permanente do Jornal O Globo” (ABI, 2007, p. 33). Já seu irmão, Paulo, ocupa espaço
correspondente no Jornal do Brasil, onde apresenta a sua famosa charge com quadrinhos Avenida
Brasil, que por muito tempo foi veiculada na revista IstoÉ. Atualmente os irmãos realizam charges
animadas em vários programas de TV, além é claro de suas criações no campo da música e no
teatro.

A novíssima geração
Allan Sieber (1972-atual)

Considerado ácido e deveras sarcástico, o Gaúcho Allan Sieber (1972-atual) é apontado


pela mídia como o mais promissor caricaturista da atualidade. Vencedor do troféu HQ-Mix de
revelação no ano de 2004 – o Oscar dos quadrinhos no Brasil –, o autor produz cartuns, tiras e
ilustrações para muitas mídias (Cf. site pessoal do Autor). Dentre as suas mais famosas criações
está a série de tiras Preto no Branco, Mommys Boys e Vida de estagiário – que recentemente virou
um sitcom na Tv Cultura em 8 episódios (Cf. site pessoal do Autor) –, todas publicadas pela Folha
de S. Paulo desde 2000. Allan ainda publicou no Estado de São Paulo; hoje é colaborador fixo da
revista Playboy e Folha de S. Paulo. O autor também se dedica a animação tendo produzido
diversos filmetos, como as animações do filme de Jorge Furtado O homem que copiava e as
aberturas do programa Global Muvuca e da séria A invenção do Brasil. Allan participou da criação
da Revista F. juntamente com Arnaldo Branco, a mais recente tentativa do humor de caricatura no
Brasil, publicada pela editora Conrad em 2004.

Chiquinha (1984-atual)

Fabiane Bento nasceu em Porto Alegre em 1984: “Após um árduo período desenhando em
flyers e guardanapos em mesas de boteco pela vida, teve seus desenhos publicados nas revistas
Mad, F. Humor, Eca Magazine, Caros Amigos, Imprensa,Vip, Gloss, Bravo!, Mundo Estranho, na
eslovena Stripburguer (onde representou o Brasil em edição comemorativa ao 13th City of Women
International Festival of Contemporary Arts) entre outras” (Cf. Site pessoal da Autora). Atualmente
é umas das poucas cartunistas mulheres da atualidade. Dentre as suas produções mais relevantes
está a tira Elefoa Cor de rosa. Chiquinha publica atualmente na revista Folha de S. Paulo e surge
como revelação no cenário da caricatura brasileira contemporânea.

André Dahmer (1974-atual)

Destaque da webquadrinhos com os malvados.com, André Dahmer foi o vencedor da


categoria web do troféu HQ-Mix – o Oscar dos quadrinhos no Brasil – no ano de 2008. Desde
então, o artista vêm se destacando no cenário da web com as tiras Os Malvados, Ulisses, Emir Saad
e Sara, a Sofrida. Atualmente o autor distribui e comercializa suas tiras e quadrinhos pela internet
e também está no portal Globo de quadrinhos, no G1.

Arnaldo Branco (1972-atual)

Contemporâneo a Allan Sieber e André Dahmer, o carioca Arnaldo Branco por muito tempo
ficou afastado das grandes revistas e jornais dos grandes centros. Teve os seus principais
personagens Capitão Presença, Joe Pimp e Mundinho animal publicados pela editora Tarja Preta.
Com desenhos ácidos e até mesmo considerados infantis (de tão toscos!), o autor se destaca no
cenário da caricatura brasileira como a mais nova revelação. Ele participou da criação da Revista F.
(2004) e hoje atua no portal de quadrinhos da Globo, no G1.

A partir deste panorama ilustrativo de artistas da caricatura, seguiremos na seção seguinte


para nossas considerações finais sobre o assunto.

Considerações Finais

Realizar uma tarefa como a proposta por nós neste artigo, de traçar um panorama canônico-
histórico de autores, cenas e fatos da caricatura no Brasil, é uma tarefa audaciosa. Em nossa
exposição, portanto, apoiados nas pesquisas da Associação Brasileira de Imprensa (2007),
tentamos realizar tal feito com o intuito de favorecer os pesquisadores iniciantes da caricatura, ou
curiosos, da caricatura, cartum, charge, tirinha ou quadrinho a conhecerem melhor o assunto por
meio de seus mais populares artistas e realizações críticas ou cômicas. Começamos então a nossa
discussão realizando algumas considerações sobre os gêneros discursivos multimodais em foco e
posteriormente passamos a postular uma classificação didática dos artistas da caricatura nestes
aproximadamente 170 anos de história da arte da ilustração no Brasil, que abarcou os
desbravadores (Araújo Porto-Alegre, Ângelo Agostino, Nair Teffé), os ícones (J. Carlos, K. Lixto,
Raul Pederneiras, Belmonte e Mendez), os resistentes (Péricles, Millôr, Jaguar, Ziraldo e Henfil), a
nova geração (Nani, Angeli, Glauco, Laerte, Adão, Paulo e Chico Caruso) e a novíssima geração
(Allan Sieber, Arnaldo Branco, Chiquinha e André Dahmer).
Diante disso, temos, resumidamente, a construção da seguinte linha do tempo histórica-
canônica:

1837 - Araújo Porto-Alegre publica no Jornal do Commercio a primeira Caricatura em Jornais


Brasileiros.
1844 - Araújo Porto-Alegre publica o primeiro Jornal ilustrado do Brasil, A lanterna Mágica.
1864 - Ângelo Agostini publica o primeiro jornal ilustrado de São Paulo, O Diabo Coxo.
1886 - Nasce a primeira caricaturista brasileira, Nair Teffé.
1890 - Consolida-se a caricatura no Brasil por meio da tríade J. Carlos, Raul Pederneiras e K.
Lixto.
1930-1940 - O personagem Juca Pato de Belmonte se torna nacionalmente conhecido.
1940-1960 - Amigo da Onça de Péricles e a coluna Vão Gogo e Pif-Paf de Millôr são sucesso na
Revista O Cruzeiro.
1960-1980 - Surge o Pasquim, criação de Ziraldo, Jaguar, Millôr, Henfil, entre outros.
1980 - Surge a revista Chiclete com Banana, criada por Angeli e com a participação de Laerte e
Glauco.
2004 - Surge a Revista F., criada por de Allan Sieber e Arnando Branco.
Diante desta resumida linha do tempo ainda podemos apontar como importantes registros
histórico-culturais dos costumes do brasileiro em variadas épocas as revistas: Revista Ilustrada, O
Malho, O Cruzeiro, O Paquim, Chiclete com Banana, Revista F. e Folha de S. Paulo.
A partir de nossa exposição, entendemos que tais artistas e revistas são hoje marcos
editoriais para a história da caricatura no Brasil. Diante desse fato, surge academicamente a
necessidade de melhor analisá-los e investigá-los, a fim de se construa no Brasil um retrato cada
vez mais fiel do povo e da cultura brasileira.

Referências Bibliográficas

ABI. 170 anos de caricatura no Brasil. Edição Extra, n° 322, Out. 2007. 36p.

AGOSTINI, ÂNGELO. El Rey nosso senhor e amo. Disponível em:

commons.wikimedia.org/wiki/Angelo_Agostini . Acesso em: 21 Abri. 2010.

BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros discursivos. In: Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins

Fontes, 2000. p. 279-326.

BONINO. Rachel. Onomatopéia, imagem e ação. In: REVISTA EDUCAÇÃO. Ano 12, n° 144, Ed.

Seguimento, Abr. 2009. p. 24-59.

CBC – Conteúdos Básicos Comuns.


Comuns Governo de Minas Gerais. SEE-MG, 2005.

CHIQUINHA. Blog pessoal. Disponível em: http://chiqsland.com/bio/ . Acesso em: Abr. 2010.

ENCICLOPÉDIA DE ARTES VISUAIS. Artistas (Jaguar). Disponível em: www.itaucultural.org.br .

Acesso em: Abr. 2010.

MCCLOUD, Scott. Desvendando os quadrinhos. Tradução Hélcio de Carvalho; Marisa do

Nascimento Paro. São Paulo: Makron Books, 1995. 215p.

MENDONÇA, Márcia de Souza. Um gênero quadro a quadro: a história em quadrinho. In: DIONÍZIO,

Ângela Paiva; MACHADO, Anna Rachel; BEZERRA, Maria Auxiliadora. Gêneros


Gêneros textuais e ensino. 4ª

Ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005. p. 194-207.

PCN – Parâmetros Curriculares Nacionais.


Nacionais Ministério da Educação - MEC, 1998.

RAMOS, Paulo. A leitura dos quadrinhos. São Paulo: Contexto, 2009.

SIEBER, Allan. Blog pessoal. Disponível em: http://talktohimselfshow.zip.net . Acesso em: Abr.

2010.
Recebido em: 31 de agosto de 2010.

Aceito em: 13 de setembro de 2010.

Você também pode gostar