Você está na página 1de 1

TIPOLOGIA TEXTUAL VERSUS GÊNERO TEXTUAL

Levo em minhas mãos um exemplar de O senhor dos anéis.

Pergunto para a turma qual o gênero textual a que pertence o livro. Um aluno responde com toda segurança: “Narrativo!”
Respostas como essa denotam que há uma certa confusão por parte deste aluno com respeito aos conceitos de tipo
textual e gênero textual. Tentarei explicar brevemente a diferença. Utilizei como base para este post um excelente
artigo de Luiz Antônio Marcuschi, publicado em Gêneros textuais e ensino (Lucerna, 2005), organizado por Ângela
Dionísio, Anna Raquel Machado e Maria Auxiliadora Bezerra.

Primeiro, vamos entender um pouco o que é uma língua. Para Marcuschi (2005) a língua é uma “atividade social,
histórica e cognitiva”. Uma língua só existe a partir das interações entre seus falantes e essas interações se dão através
de determinados “modelos” adaptados às mais diversas situações comunicativas. Dizemos que esses modelos ou “ações
sócio-discursivas” são os gêneros textuais ou gêneros discursivos; são textos nas formas que encontraremos em nosso
cotidiano, definidos por sua composição usual, suas funções comunicativas, estilo etc. Quando você fala de um gênero
discursivo estará falando de uma carta, de uma entrevista, de uma aula expositiva, de um chat etc.

Por outro lado, ao falarmos de tipos textuais, estaremos diante de sequências de textos com determinadas
características linguísticas, determinadas por aspectos lexicais, sintáticos, relações lógicas etc. Se há um número
incontável de gêneros textuais, os tipos textuais são apenas cinco, a saber, narrativos, argumentativos, expositivos,
descritivos e injuntivos. Os tipos textuais são caracterizados pela presença de certos traços linguísticos predominantes.
Uma sequência narrativa normalmente é reconhecida por seu caráter temporal, enquanto uma sequência injuntiva pela
presença de elementos imperativos. Em detalhe, os tipos textuais segundo Werlich (1973):

Narrativos: Tendem a ser enunciados com verbos de mudança no passado, um circunstancial de tempo e lugar.
Normalmente sã designados como enunciados de ação. O elemento central é a sequência temporal. Ex: Entraram pela
Porta e desceram a rua íngreme e sinuosa. (J. R. R. Tolkien, O senhor dos anéis, O retorno do rei, p. 901.)

Descritivos: Estrutura simples com um verbo estático no presente ou imperfeito, um complemento e uma indicação
circunstancial. Predominam as sequências de localização. Ex: A luz crescia; e as altas colunas e as figuras esculpidas
ao longo do caminho passavam lentamente como fantasmas cinzentos. (J. R. R. Tolkien, O senhor dos anéis, O retorno
do rei, p. 901.)

Expositivos: Servem para identificar ou ligar fenômenos, através de processos de composição ou decomposição. É
comum que o sujeito e o complemento estabeleçam entre si uma relação de parte-todo. São sequências analíticas ou
explicitamente explicativas. Ex: Essa é a corneta que Boromir sempre carregava! – exclamou Pippin. (J. R. R. Tolkien,
O senhor dos anéis, O retorno do rei, p. 797.)

Argumentativos: Trata-se de um enunciado de atribuição de qualidades ou valores. Há um claro predomínio de


sequências textuais contrastivas explícitas e de criação de conceitos a partir do próprio discurso com o objetivo de
persuadir o interlocutor.

Ex: – Muito bem! – disse Sam desanimado. – Mas eu vou primeiro.

– Você? – disse Frodo. – O que o fez mudar de ideia sobre descer?

– Não mudei de ideia. É apenas bom senso: que vá primeiro aquele que tem mais probabilidade de escorregar. Não
quero cair em cima do senhor e derrubá-lo – é insensatez matar dois numa só queda. (J. R. R. Tolkien, O senhor dos
anéis, As duas torres, p. 637.)

Injuntivos: São enunciados incitadores à ação. Nota-se claramente sua função apelativa, uma vez que tende a possuir
sequências com verbos no imperativo.

Ex: Parem! Parem! – gritou Galdalf, saltando na direção da escada de pedra diante da porta. – Parem com esta loucura!
(J. R. R. Tolkien, O senhor dos anéis, O retorno do rei, p. 901.)

Notem que todos os exemplos foram tirados de O senhor dos anéis, aquele que era um texto “narrativo”. Desta forma, a
resposta do aluno no começo deste post seria inadequada, pois revela apenas o predomínio de uma sequência tipológica
em um determinado gênero textual. Isso porque um mesmo gênero normalmente pode ter diferentes sequências textuais
de diferentes tipologias. No gênero “redação escolar” predominam as sequências argumentativas, mas é possível
identificar enunciados expositivos ou injuntivos, por exemplo. O romance (eis a resposta que deveria ter dado o aluno!)
terá todas essas sequências trabalhando em função da narração.