Você está na página 1de 35

CINESIOLOGIA

O Estudo do Movimento

Prof. Astrogildo Mavignier


CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
 UNIDADE I - Fundamentos de cinesiologia estrutural.
Explicar os fundamentos da cinesiologia estrutural relacionada aos ossos, articulações e
músculos do corpo humano descrevendo e classificando as bioalavancas.
• Revisão histórica da cinesiologia;
• Planos e Eixos de movimento;
• Tipos de Movimentos;
• Nomenclatura e direção dos movimentos;
• Graus de liberdade;
• Terminologia óssea;
• Tipo de ossos;
• Classificação das articulações;
• Terminologia muscular;
• Classificação dos músculos;
• Força muscular e tipos de contração muscular;
• Funções musculares;
• Cadeias Cinéticas;
• Bioalavancas;
• Artrocinemática e osteocinemática.
*Em azul os assuntos já vistos e em vermelho os assuntos que serão dados na aula de hoje.
...

Para entender grau de liberdade de


cada articulação do corpo, precisa-se de um
conhecimento mais aprofundado sobre os
ossos, as articulações e os músculos.
SISTEMA ESQUELÉTICO
“ O sistema esquelético consiste em ossos,
cartilagem, ligamentos e articulações do corpo”
(Hamill, 2008).
“ O sistema esquelético desempenha muitas
funções: alavanca, sustentação, proteção,
armazenamento e formação de células
sanguíneas. Duas dessas funções – alavanca e
sustentação – são decisivamente importantes
para o movimento humano” (Hamill, 2008).
“ O esqueleto é uma armadura que constitui o
suporte rígido do corpo” (Calais-Germain, 1991).
SISTEMA ESQUELÉTICO
• Ossos Elementos do esqueleto
Unidos por meio das Articulações
E mobilizados pelos Músculos

“O esqueleto é uma armadura móvel, cujas


peças (os ossos) servem de alavanca para a
tração dos músculos” (Calais-Germain, 1991).
OSSO
Cerca de 25 a 30% dos ossos são
constituídos de água. O restante, cerca de
60 a 70% são componentes bifásicos :
Minerais (fosfato e carbonato de
cálcio) que confere sua capacidade de
resistir à compressão
Colágeno (substância protéica) que
confere sua capacidade de resistir à tração.
*Todas as informações contidas nesse slide foram retiradas do livro Cinesiologia e anatomia Aplicada, 7ª ed. de Rasch.
OSSO
A rigidez dos ossos se deve aos seus componentes
minerais (2/3) enquanto que a sua elasticidade é devida
graças aos seus componentes orgânicos (1/3). Essas
duas qualidades são indispensáveis para a solidez dos
ossos.
Se rígidos em demasia seriam quebradiços e se
flexíveis demais seriam deformáveis.
Contudo, essas proporções variam com a idade.
Na criança, a proporção de matéria orgânica é mais
importante, o que torna o osso mais flexível.
No idoso, a proporção de matéria mineral domina o
que deixa o osso mais quebradiço.
*Todas as informações contidas nesse slide foram retiradas do livro anatomia para o movimento, vol 1, de Calais-Germain.
OSSO
Os ossos são remodelados e reparados
durante toda a vida.
Adulto jovem – maturidade óssea.
Depósito ósseo = reabsorção óssea

A atividade física tem o poder de


aumentar a massa óssea. Os ossos
dependem da carga mecânica para
crescer e se fortalecer.

Se houver necessidade do osso resistir a


algum fator:
depósito ósseo > reabsorção óssea.
*Todas as informações contidas nesse slide foram retiradas dos livros: Bases Biomecânicas do Movimento Humano, 2ª ed. de
OSSO
Depósito ósseo < Reabsorção óssea.

Desmineralização óssea.
Perda de rigidez Maior suscetibilidade à fratura.
Osteopenia (< 30%)
Osteoporose (= > 30%)
Fatores hormonais, desequilíbrios nutricionais e falta
de exercícios.
*Todas as informações contidas nesse slide foram retiradas dos livros: Bases Biomecânicas do Movimento Humano, 2ª ed. de
Hamill e Knutzen.
OSSO
A OSTEOPOROSE é um importante
problema de saúde pública.
A massa óssea diminuída caracteriza essa
patologia onde as mulheres apresentam mais
riscos, pois possuem 30% menos massa óssea
que os homens, assim como, os brancos que
apresentam 10% menos massa óssea que os
negros.
A menopausa precoce é considerado um
forte indicador de osteoporose – baixos níveis de
estrogênio.
*Todas as informações contidas nesse slide foram retiradas do livro Cinesiologia e anatomia Aplicada, 7ª ed. de Rasch.
OSSO

O sistema esquelético está sujeito a uma série de forças


aplicadas a ele. O osso recebe carga em diversas direções. A lesão do
sistema esquelético pode ser causada por apenas uma aplicação de
alta magnitude de um desses tipos de carga (fratura traumática) ou
pela repetida aplicação de uma carga de baixa magnitude por um
determinado período (fratura por estresse).
*Todas as informações contidas nesse slide foram retiradas dos livros: Bases Biomecânicas do Movimento Humano, 2ª ed. de
Hamill e Knutzen.
ARQUITETURA DOS OSSOS
Células ósseas

Osteócitos

Osteoblastos – “formação”

Osteoclastos – “lapidação”

“Estas células são responsáveis pela


remodelagem óssea” (Hamill, 2008).
ARQUITETURA DOS OSSOS
“O osso é
composto de dois tipos
de tecidos: osso
cortical e osso
esponjoso” (Hamill,
2008).
ARQUITETURA DOS OSSOS
Embrião – modelo de cartilagem hialina
Centro de ossificação primário – diáfise.

Progressão da ossificação
Centro de ossificação secundário – epífise –
extremidade dos ossos longos.
Cartilagem epifisária – separa a diáfise da
epífise
*Todas as informações contidas nesse slide foram retiradas do livro Cinesiologia e anatomia Aplicada, 7ª ed. de Rasch.
ARQUITETURA DOS OSSOS
Crescimento em diâmetro – anel
ósseo no periósteo – formação de camadas
concêntricas.
Crescimento longitudinal – ossificação
da diáfise em relação a epífise. A cartilagem
epifisária continua a se proliferar até uma
idade específica onde esta deixa de se
proliferar e se fecha, fusão óssea.
*Todas as informações contidas nesse slide foram retiradas do livro Cinesiologia e anatomia Aplicada, 7ª ed. de Rasch.
ARQUITETURA DOS OSSOS
Trabalho intenso, traumatismo e esforço
excessivo durante a juventude pode lesar as cartilagens
articulares ou sobrecarregar as epífises e acarretar
distúrbios do crescimento por fechamento precoce da
placa epifisária, impossibilitando de se atingir a estatura
em potencial.
A idade na qual ocorre fusão da placa epifisária varia
de acordo com cada centro de ossificação. Porém um mau
estado de saúde e desnutrição tendem a retardar a época
de fusão.
O crescimento longitudinal cessa de 1 a 3 anos mais
cedo em mulheres.
*Todas as informações contidas nesse slide foram retiradas do livro Cinesiologia e anatomia Aplicada, 7ª ed. de Rasch.
ARQUITETURA DOS OSSOS
O OSSO CORTICAL é um osso compacto,
sólido, com porosidade inferior a 15%. É bastante
inervado e irrigado.
Uma espessa camada de osso compacto é
encontrada na diáfise dos ossos longos, pois
existe a necessidade de resistir à elevadas cargas
de sustentação de peso e tensão muscular.
Camadas delgadas de osso compacto são
encontradas nas extremidades de ossos longos,
epífises e revestindo ossos curtos e irregulares.
*Todas as informações contidas nesse slide foram retiradas dos livros: Bases Biomecânicas do Movimento Humano, 2ª ed. de
Hamill e Knutzen.
ARQUITETURA DOS OSSOS
O OSSO ESPONJOSO está situado no
interior do osso cortical.
Sua estrutura em forma de treliça possui
porosidade superior a 70% o que lhe confere
uma rigidez mais fraca e menos densa se
comparada com a do osso compacto.
Maior resistência à tração e compressão e
possui grande capacidade de armazenamento de
energia e de distribuição de pressões.
*Todas as informações contidas nesse slide foram retiradas dos livros: Bases Biomecânicas do Movimento Humano, 2ª ed. de
Hamill e Knutzen.
ARQUITETURA DOS OSSOS
O PERIÓSTEO, membrana do osso, é
um tecido conectivo que cobre a face
externa dos ossos, exceto nas faces
articulares (cartilagem hialina).
O periósteo é inervado e vascularizado,
sendo extremamente sensível a lesões.
Os músculos são fixados ao periósteo, e
não diretamente ao osso.
*Todas as informações contidas nesse slide foram retiradas do livro Cinesiologia e anatomia Aplicada, 7ª ed. de Rasch.
TIPOS DE OSSOS
 Ossos longos Possui estrutura mais alongada e
menos larga.
É composto de um corpo ou diáfise que se alarga
(metáfise) na direção da extremidade também denominada de
EPÍFISE.
No esqueleto imaturo a diáfise é separada das epífises por
um disco cartilaginoso denominado linha epifisária ou epífise
de crescimento.
Conferem apoio, alavancas e ligações que permitem
movimentação.
No esqueleto humano, os ossos longos são: clavícula*,
úmero, rádio, ulna, fêmur, tíbia, fíbula, metatarsos,
metacarpos e falanges.
*Todas as informações contidas nesse slide foram retiradas dos livros: Bases Biomecânicas do Movimento Humano, 2ª ed. de
Hamill e Knutzen; Manual de Cinesiologia Estrutural, 14ª ed. de Thompson e Floyd.
TIPOS DE OSSOS
 Ossos curtos São pequenos, cúbicos,
maciços e de grande superfície articular.

Consistem em osso esponjoso revestido por


uma fina camada de osso cortical.
Conferem amortecimento, transmissão de
forças e grande superfície articular.

No esqueleto humano, os ossos curtos são:


os do carpo e os do tarso.
*Todas as informações contidas nesse slide foram retiradas dos livros: Bases Biomecânicas do Movimento Humano, 2ª ed. de
Hamill e Knutzen; Manual de Cinesiologia Estrutural, 14ª ed. de Thompson e Floyd.
TIPOS DE OSSOS
 Ossos planos Apresentam superfície
curva e variam de espessos a finos.
Consistem em osso esponjoso revestido por
uma fina camada de osso cortical.

Conferem proteção e inserção muscular.

No esqueleto humano, os ossos planos são:


costelas, ilíaco, esterno e escápula.
Alguns autores incluem a clavícula como um
osso plano e não longo.
*Todas as informações contidas nesse slide foram retiradas dos livros: Bases Biomecânicas do Movimento Humano, 2ª ed. de
Hamill e Knutzen; Manual de Cinesiologia Estrutural, 14ª ed. de Thompson e Floyd.
TIPOS DE OSSOS
 Ossos irregulares Constituídos de osso
esponjoso revestido por uma fina camada de osso
cortical.
São denominados irregulares por
apresentarem uma forma irregular.
Conferem sustentação, dissipação de carga,
proteção e inserção muscular.
No esqueleto humano, os ossos irregulares
são: ossos do crânio, vértebras, ísquio, púbis
e maxilar.
*Todas as informações contidas nesse slide foram retiradas dos livros: Bases Biomecânicas do Movimento Humano, 2ª ed. de
Hamill e Knutzen; Manual de Cinesiologia Estrutural, 14ª ed. de Thompson e Floyd.
TIPOS DE OSSOS
 Ossos sesamóides É um osso curto embutido
num tendão ou cápsula articular.
Conferem proteção e maior vantagem mecânica –
polias.
No esqueleto humano, os ossos sesamóides são:
patela (tendão do quadríceps), na base do primeiro
metatarso (tendão do flexor curto do hálux), no polegar
(tendão do flexor curto do polegar).
Em algumas pessoas pode-se encontrar a fabela, um
osso sesamóide embutido no tendão dos gastrocnêmios.
*Todas as informações contidas nesse slide foram retiradas dos livros: Bases Biomecânicas do Movimento Humano, 2ª ed. de
Hamill e Knutzen; Manual de Cinesiologia Estrutural, 14ª ed. de Thompson e Floyd.
OSSOS
OSSOS
OSSOS
OSSOS
OSSOS
OSSOS
OSSOS
OSSOS
OSSOS
OSSOS
BIBLIOGRAFIA UTILIZADA
ADAM. Atlas de Anatomia Humana. DVD-rom.
CALAIS-GERMAIN, Blandine. Anatomia para o movimento, volume 1:
Introdução à Análise das técnicas Corporais. Manole, São Paulo,
1991.
HAMILL, J. ;KNUTZEN, K. M. Bases biomecânicas do movimento
humano. Manole, 2ª ed. São Paulo, 2008.
NEUMANN ,Donald A . Cinesiologia do aparelho musculoesquelético.
Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 2006.
RASCH, Philip J. Cinesiologia e anatomia aplicada. Guanabara
Koogan, 7ª ed. Rio de Janeiro, 1991.
SOBOTTA. Atlas de Anatomia Humana. DVD-rom.
THOMPSON, C.W.;FLOYD, R.T. Manual de cinesiologia estrutural.
Manole, 14ª ed. São Paulo, 2003.

Você também pode gostar