A Moreninha

Joaquim Manuel de Alencar

ROTEIRO DE APRESENTAÇÃO ‡ Sobre o autor
‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ Resumo do enredo Personagens Tempo Foco narrativo Estilo Verossimilhança Movimento Conclusões

. 1844.esmo ano de sua formatura. Fez Itaboraí 1820. Foi jornalista. obtendo destaque literário com este último literá gênero.I. gênero. juntamente com Gonç Gonçalves Dias e Araújo Porto Alegre. em 1849. em 1820. 1849. Moreninha. Araú Alegre. poca. a 'Revista Guanabara'. secundá dramaturgo e romancista. publicou A 1844. Fundou. no m. 1882. em 1882. muito apreciado pelo público da época. Morreu no Rio de Janeiro. o curso de Medicina e. professor secundário.O AUTOR: Nasceu em Itaboraí [RJ].

O ENREDO O dia de Sant'Ana se aproxima e o estudante de medicina. romance. Augusto acaba concordando. termina o perseguiromance. Joaquina. anos.Carolina. Joana. loira de 16 e sua irmã. pedindo-lhe ajuda pedindopara se livrar da namorada. Carolina. uma moreninha de 15. de 60 anos. Antes da partida. contrário. D.Ana. de 17 anos. Ao se encontrarem na ilha. Filipe. Filipe o escreverá. Se isso ocorrer. a estadia. colegas: onde mora sua avó. caso mulher. terá de escrever um romance.2 . Os dias. em que estarão presentes suas primas: a primas: pálida. dizendo jamais se ocupar de uma mesma moça durante 15 dias. Augusto deve persegui-la e. Os alegres estudantes aceitam o Ana. inconstância. Durante Joana. faz Augusto. Fabrício e Augusto para a comemoração na ilha. para atraí-lo à ilha. convida seus colegas: Leopoldo. fingindo ciúmes. Joana. amigo. mas adverte sobre sua inconstância no amor. exceto Augusto. 15. à hora do jantar. o colega nega o auxílio e. Fabrício. a prima feia e pálida de Filipe. D. narrando a inconstância. Fabrício torna pública a inconstância amorosa do amigo. Filipe. rapazes apostam que o amigo ficará apaixonado durante 15 dias por uma única mulher. atraíreferência ao baile de domingo. Fabrício envia uma carta a Augusto. . convite com entusiasmo.

.

colocaesperando o barco. Retorna no domingo. passa a tratá-la por minha mulher. se presenç dico. A Moreninha corresponde a todos os semana. alé conta. durante a semana. encontrou aos 13 anos. Augusto conta a D. resolve impedir o volta. acertando novo encontro para o final da semana. galanteios. pressente que alguém o está escutando. algué está escutando. famí moribundo que lhes dá um breve como sinal de eterno amor. Chegada a hora das despedidas. vindo à ilha Aiotin. um sucesso entre os rapazes. em especial.Carolina. Enquanto narra a tratá mulher. Na ilha. por coraç dono. vêquarto. Na canção. que passou mal na ilha por ter bebido além da conta. canç para caçar. mesmo quando lhe recolhe as aves abatidas ou caç presenç refresca a fronte do guerreiro. No domingo. não consegue deixar o leito. histó história. O rapaz não a esquece garota. gruta. Augusto fica tão abatido que. ilha. o da menina contém o amor. Contudo o pai do rapaz. ao visitá-lo. jamais nota sua presença. adormecido na gruta. e. Augusto não consegue pensar em outra coisa senão em D. Avista à distância a irmã de Filipe. numa praia. Recordaescrava. quer vê-lo estudando.Mais tarde. enquanto canta a balada da índia Ahy sobre o amor da nativa pelo índio Aiotin. trancado no quarto. até está doente. inconformada. Nesse dia. como não sabe seu nome. acaso. a bela índia tamoia de 15 anos narra que o amado. visitá retorno à ilha. . Moreninha. auxiliam a família de um pobre praia. Recorda-se da meiguice da menina. ansiando pela volta. sendo necessá necessária a presença de um médico. a Moreninha. coloca-se no rochedo. quando esta lavava os pés da Carolina.Ana que seu coração já tem dono. apaixonado pelos gestos e Fabrí peraltices da doce Moreninha. uma menina que. conté camafeu de Augusto e o dele o botão de esmeralda da garota. Fabrício. desespera até saber que o rapaz está doente.

Tudo isso retira a alegria de viver da menina que. O índio. mas D. quando bebe da fonte. Censuradaquela a quem chama de sua mulher. na infância. vaidade de moça e por saber de sua inconstância. consultar a fonte. A Moreninha diz que incentivou seu amor por menina. refletir no jardim e ele parte imediatamente. dá um prazo de meia hora para dar a resposta. finalmente. por ela se apaixona. De repente. também. mulher. afirmando se tratar de um juramento feito na infância e de desconhecer o paradeiro da menina. canta. Um velho frade português traduz a canção de Ahy para a apaixona. agora. pedida em convidaalmoç casamento. mulher. primeiro a percebê-la no percebêrochedo. . quem ganhou. Lutou para conquistá-lo moç inconstância. canç nossa língua. Encontra a menina que. també imediatamente. certa da resposta. compondo a balada que a Moreninha canta. cruelmente. D. junto ao leito do moribundo. onde há a fonte de Ahy.Ana. acaba bebendo as lágrimas da jovem e passa. Carolina localiza Augusto e o pai no barco que se aproxima da ilha. pergunta-lhe se não Ana. cansada de ser ignorada. O rapaz pergunta se deseja Ahy. lhe recorda a promessa feita. Censura-o por faltar ao amor moribundo.Ana convida-os para o almoço e a Moreninha. chora sobre o rochedo. o rapaz a contesta. indo para a gruta do jardim. depois a ouvir seu canto e. fonte. dormindo na gruta. o homem ou a mulher. perguntadeseja. Angustiado. ilha. conquistá e deseja saber. formando uma fonte.

atira-se aos pés da atiraamada. possuísse. Fabrício e Leopoldo retornam à ilha para as preparações do casamento e. prefere fugir da ilha. lhe pediria perdão paí por ter se apaixonado por outra. O casal chora pateticamente. enquanto o moço repete que encontrou sua mulher. moç mulher. Moreninha.Ana beleza. retornar. ele o desfaz e dando com seu camafeu. arranca de debaixo da camisa o outra. contendo uma pedra que daria o que se deseja pré a quem o possuísse. encontrandobeijando os pés de Carolina. . també famí recebendo pelos préstimos um breve. está está.Augusto responde que a beleza. certa vez. Passa o breve ao rapaz. Rapidamente. amada. encontrando-o de joelhos. ajudou a um moribundo e sua família. Repentinamente. só.A menina responde está ocorrendo. Filipe. têMoreninha. mas não sabe onde ela retornar. também. Carolina conta ter ouvido a história narrada a D. D.Ana e o pai de Augusto entram na gruta. Fabrí preparaç recordando que um mês havia se passado.O rapaz desesperado. histó e insiste no cumprimento da promessa. pedindo que o descosa e retire a ajudá relíquia. promessa. perguntam o que está ocorrendo. breve com a esmeralda para espanto da Moreninha. Mesmo que encontrasse a menina. lembram a Augusto do romance e ele lhes responde já tê-lo escrito e que se intitula A Moreninha. para ajudá-lo na busca. então. abandonar a cidade e o país. A Moreninha diz que. que são velhos conhecidos. Carolina pede a Augusto para procurar 'sua mulher' e lhe explicar o ocorrido e. Ele concorda. relíquia.

.

narrativa: personagens. Tais características se organizam numa narrativa agradável. Pescador´ (1843) não alcançou fama literária e foi sendo esquecido com o 1843) decorrer do tempo. garantindo a Macedo o pioneirismo de fato nesse gênero literário. Nossa análise irá abordar os elementos estruturais da narrativa: enredo. Moreninha.ESTUDO DA OBRA ³A Moreninha´. narrador. as pessoas mais íntimas chamavam-na de morena. . o personagem Augusto. história. simples conflitos e uma leitura fácil e agradável. evidenciam-se os traços da protagonista. principalmente a cor do evidenciamrosto: rosto: pele morena. Carolina. aguçando a curiosidade do leitor com pequenos enigmas. tempo. linguagem. de Joaquim Manoel de Macedo. O título do livro foi dado pelo próprio protagonista da história. Por isso. foi o primeiro romance do Romantismo brasileiro. em homenagem a D. O sucesso de ³A Moreninha´ está vinculado à capacidade do autor de amarrar o leitor na atmosfera de lenda e de sonho do romance. tempo e linguagem.3 . Durante toda a Carolina. fixada entre a lenda e o romance para formar uma obra de gosto popular. chamavamMoreninha. popular. A tentativa anterior de Teixeira e Sousa com ³O Filho do literário.

Dotado de sólidos namorador. . Ana conta a Augusto. morais. São eles: romance: ação. pertencem. que D. jovial. ‡ A figura de AUGUSTO resume um certo tipo de estudante alegre. princípios morais. eles: Augusto e D. a Moreninha. embora essa caracterização funcione de modo a destacá-los do grupo a que destacápertencem. Moreninha. simples. ‡ Eles são sempre compostos de modo a tornar viável o que mais interessa nesse tipo de romance: a ação. Carolina.4-PERSONAGENS ‡ A Moreninha apresenta dois personagens principais planos. incansavelmente por seu amado Aoitin ± uma antiga história da ilha. construídos superficialmente. que espera Ahy. ‡ CAROLINA encarna a jovem índia Ahy. inteligente e namorador. Augusto.

.

. por meio de alguns tipos característicos.Os personagens secundários compõem o quadro social necessário para colocar a história em movimento ou propiciar informações de certos dados essenciais à trama e representam. Império. a sociedade burguesa da capital do Império.

Personagens .

Filipe.Rafael: Rafael: Escravo. levando castigos corporais (bolos) por quase nada. Ana: Ana: Avó de Filipe. Tem sessenta anos. O negro tem dezesseis anos. falante. incentivada por Keblerc. irmã de Filipe. . D. instrução. Carolina. cheia de bondade. Seu coração é o templo da amizade cujo mais nobre altar é bondade. Keblerc. prepara os chás e quem lhe atura o mau humor. é bemFilipe. Medicina. bêbada. Filipe: Filipe: I Irmão de Carolina. Joana. nada. é uma senhora de espírito e alguma instrução. dinheiro. Também estudante de Medicina. espécie de pajem ou moleque de recados. Ana. neto de D. prima de Filipe. Paula: Paula: Ama-deAma-de-leite de Carolina. bebeu vinho e ficou bêbada. muito vivo quanto à questão de dinheiro. criado de Augusto. exclusivamente consagrado à querida neta. criado de D. Tobias: Tobias: Escravo. Leopoldo. Carolina. É quem lhe recados. Ana. bemapessoado. Fabrício e Leopoldo. Amigo de Augusto.

que passasse por defronte da casa dela quatro semana. fumasse charutos de Havana nem de Manilha. patriotismo. prefere ficar com elas a tomar parte na festa que se desenrola na ilha. vezes por dia. frequentava. também estudante de Medicina. que fosse a miúdo ao teatro e aos bailes que frequentava. Chega a pedir a ajuda de Augusto para livrar-se da namorada exigente. Violante: D. de amor quatro vezes por semana. Joaninha: Prima de Filipe. Keblerc: Alemão que." Meio estabanada. mas dela quer livrar-se por causa das exigências extravagantes da moça. Violante era horrivelmente horrenda. . Fabrício: Amigo de Augusto. namorada de Fabrício.D. sem causar transtornos graves. Embriaga-se. Exigia que o estudante lhe escrevesse cartas Fabrício. diante das garrafas de vinho. que não dia. e com sessenta anos de idade apresentava um carão capaz de desmamar a mais emperrada criança. Leopoldo: Amigo de Augusto. Filipe e Fabrício. D. mas não perturba o clima de harmonia em que se desenvolve a história. ela quebra a harmonia reinante no ambiente burguês. por ser falta de patriotismo. Está apaixonado por Joaninha. também estudante de Medicina.

Quinquina: Quinquina: Moça volúvel. a senhora encarregada de distribuir as correspondências enganouenganou-se na entrega de duas. antecipouantecipou-se ao colega e guardou o pacotinho. Certo mancebos. D. Augusto. Juca e a de lacre verde ao Sr. militar e ia passá-lo adiante. pacotinho. O cravo passáLúcio. Sr. D. Namorava um tenente Gusmão da namoradeira. dia. terminou. recebeu um cravo de um velho Nacional. Augusto Filipe. por acaso. Clementina: Clementina: Moça que cortou uma madeixa dos cabelos fez um embrulho e deixoudeixou-o sob uma roseira para ser apanhado por Filipe. Sr. por cartas. namoradeira. Gabriela: Gabriela: Moça que. se correspondia com cinco mancebos. trocou-as e deu a de lacre azul ao duas. a um jovem de nome Lúcio. Guarda Nacional. Na festa da ilha. nas mãos de Augusto. . Joãozinho.D. Joãozinho. trocouSr.

.

do mar por uma longa fila de rochedos e no interior da ilha por negras grades de ferro. .. é tão pitoresca como pequena. graças à eterna primavera desta nossa boa Terra de Santa Cruz.. algumas descrições interessantes. Foram encontradas físico. avenida por onde iam os estudantes a divide em duas metades." Cruz. estimáveis. oferecem. a que mais nos agradou foi: foi: "A Ilha de. sempre brilhantes e viçosas.ESPAÇO O tipo de ambiente predominante é físico. A que fica à mão direita é mais notável ainda. pequena. fechada do lado ainda. está adornada de mil flores.5 . A dela. de. ou pelo aspecto curioso que oferecem. A casa da avó de Filipe ocupa exatamente o centro dela... está simetricamente coberta de belos arvoredos. das quais a que fica à esquerda de quem desembarca.

.

6 . como o exemplo abaixo. Moreninha.. Corações". aberta. bem.. pois.. o narrador limita-se a conduzir o leitor pelos ambientes e pelo interior dos limitapersonagens. no dos rapazes ainda bem. não senhor. Os rodeios excessivos fazem par com descrições derramada. retirado do Capítulo XV ± "Um Dia em Quatro Palavras": Palavras": "São seis horas da manhã e todos dormem ainda a sono solto. não. Macedo exagera no uso dos adjetivos. ação.." senhor.. introduzindo o leitor diretamente no centro da ação. Não. moças. Algumas vezes ações. comenta irônica e metalingüisticamente essa atitude. . principalmente quando se refere a Moreninha. como no caso do Capítulo XIX ± "Entremos nos Corações". tornando a linguagem derramada.. exaustivas.A linguagem O romance de Joaquim Manuel de Macedo é escrito numa linguagem ágil e viva. Ao longo do texto. não. Um autor solto. A porta está aberta. faz o leitor acompanhar todas as ações. Fiel à época romântica. alto lá! No gabinete das pois. moças. pode entrar em toda parte e. Desse modo...

relatando a situação de Augusto debaixo de uma cama que se achava no fundo do gabinete (Cap.fora da Ilha. D. por um narrador onisciente. XIX).7 .no gabinete das moças. (Cap. (Cap. . O onisciente. enquanto os quatros estudantes dormem (Cap. enquanto Augusto conta para Sra. . dentre outros. Carolina (Cap. (Cap. XII). XV). XII). . (Cap. . característica essa que pode ser facilmente observada no romance: romance: .Foco narrativo O romance é narrado na terceira pessoa. VII). VII). Ana à história de seus amores (Cap.no gabinete dos rapazes. outros.no banco de relva perto da gruta. XV). Sra. gabinete de Augusto e na Ilha relatando as modificações do comportamento de D. narrador está presente em todos lugares da história.

.

quando Augusto contava 13. a fama de inconstante. Augusto já estava no quinto ano de Medicina e conquistara. herói. avanços..: válida.8 -± TEMPO No romance ³A Moreninha´. sem recuos nem avanços. Os eventos narrados desenrolam-se durante os trinta dias pelos desenrolamquais a aposta entre os estudantes Filipe e Augusto era válida. capítulos VII e VIII. os acontecimentos vão sendo incorporados à história em ordem cronológica. ou seja. que consiste em voltar no tempo.: Quando a história se inicia. Tudo começara há oito anos. e Carolina 13.. tempo. Nos inconstante.. entre os amigos. utilizando a técnica chamada de flashback. A aposta foi feita em 20 de julho de 18. o tempo é linear. 7 anos de idade. 18. . o autor conta-nos a origem da instabilidade contaamorosa do herói..

com a vitória do amor.9 . suas festas e tradições. final feliz. linguagem simples. estilo fluente e leve. tramas fáceis.ESTILO A obra de Macedo apresenta todo o esquema e desenvolvimento dos romances românticos iniciais: iniciais: descrição dos costumes da sociedade carioca. pequenas intrigas de amor e mistério. . amor.

. porém. totalmente possíveis de serem vividas na realidade.10 . sentimentais. realidade.VEROSSIMILHANçA VEROSSIMILHANç A obra retrata uma história de amor que contém algumas peripécias sentimentais.

totalmente. fidelidade e amor que não são muito valorizados totalmente.1111. . porque a leitura foi interessante e agradável por provar mais uma vez a importância da redescoberta dos valores mais puros. tem valor para o nosso tempo pois resgata sentimentos como honra. A obra infância. O tema é a fidelidade a um amor de infância. humano.CONCLUSÕES Valeu a pena ler a obra. honestos e genuínos presentes na alma do ser humano.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful