P. 1
Funções da Literatura

Funções da Literatura

|Views: 4.239|Likes:
Publicado porNeto Correa

More info:

Published by: Neto Correa on Apr 05, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/29/2013

pdf

text

original

FUNÇÕES DA LITERATURA Alguns filósofos como Platão, Aristóteles, São Tomás de Aquino e Antônio Candido possuem visões equivalentes

no que diz respeito à definição de literatura, sendo esta definida como uma imitação da realidade ou como uma forma de conhecimento da mesma. Dentre essas definições encontram-se características intrínsecas da literatura, que são o conteúdo intuitivo individual e a criatividade expressiva do artista. Richard Bamberger trata do estímulo á leitura em uma publicação pioneira do Brasil, sintetiza as funções da literatura, bem como: Leitura informativa, leitura escapista, leitura literária e leitura cognitiva. É possível verificar como essas definições podem ser detectadas em diversos docentes e discentes, todas essas funções cumprem o papel de formar leitores e atender a natureza dos textos escritos. Podemos observar as funções da literatura em três vertentes: a da abrangência, a da relação comunicativa e dos objetivos da formação de leitores. Quanto à abrangência se dá por meio individual ou social; é o momento de diálogo entre dois seres, autor e leitor, o primeiro contato geralmente silencioso e em solidão, é o momento de encontro entre leitor com o livro, em que ele o decifra, compreende e interpreta as palavras dos autor. Após essa interação individual a leitura pode ser socializada na forma de diálogo. Já o privado ou público concerne na leitura silenciosa e conservação particular dos volumes, o público é a existência de livros e materiais de leitura em sala de aula, bibliotecas escolares ou públicas propícias a circulação de volumes e de leituras. No que diz respeito à relação autor-mensagem-leitor encontramos ações de informar, educar, entreter, persuadir e expressar uma opinião ou ideia, que são as relações existentes no circuito mais importante da escrita. Partindo para os objetivos da formação dos leitores, detecta-se que a criança que fala pouco, que não desenha ou utiliza outro tipo de linguagem não tem os pensamentos bem organizados. Enquanto que a convivência com poemas, narrativas ou textos dramáticos, além da ilustração ou das imagens visuais que passaram a interagir no mundo da literatura infantil , faz com que a criança desenvolva habilidades de manuseio, de entendimento e interação entre diversas linguagens. REFERÊNCIAS COSTA, Marta Morais. Funções da literatura. In Metodologia do ensino da literatura infantil. Curitiba IBPEX, 2007, p.14-37.

O letramento segundo ribeiro (2003). são situações sociais com objetivos e com modos sociais de interação.LEITURA E PRÁTICA SOCIAL NO DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NO ENSINO MÉDIO Dewey (1938-1997) afirma que a escola há quase mais um século é uma instituição diferente de qualquer outra forma de organização humana. Partindo para a prática escolar (situada). bem como a leitura e prática social com situações concretas e através da linguagem em suas diferentes modalidades. que diz respeito às grandes categorias ou tipos. A leitura é um instrumento por excelência na qual se discute algumas características das praticas de leitura e letramento não-escolar. são mudanças que a escrita pode provocar nas representações dos estudantes. Uma pesquisa no ensino médio traz muitos exemplos dessa nossa capacidade de contextos: alunos de quem nada se expressa. REFERÊNCIAS Ângela B. essas formas ficam muito evidentes quando consideramos as suas maneiras de dividir o tempo e o espaço. Kleiman . mas também das mudanças que as pessoas são capazes de fazer e que de fato fazem com a escrita quando a usam em práticas exclusivas. Por outro lado esses mesmos alunos conseguem entender textos de nível semelhante se o professor acredita em sua capacidade. que transcendem as redes de práticas sociais específicas. porque não são leitores ou não gostam de ler . a fim de estabelecer algumas relações possíveis com as praticas escolares. Swales (1990) chama de pré-gêneros os gêneros abstratos ou gêneros privilegiados. de fato não entendem o texto que lhes é apresentado. tipos de assuntos e avaliações. não é resultante apenas das mudanças cognitivas. Dessa forma este recurso torna-se importante para a construção de relações entre as praticas escolares e não-escolares dos jovens e adolescentes. de uso da escrita. as quais determinam os tipos de contextos podem ser construídos pelos participantes e quais as interações possíveis.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->