Você está na página 1de 1

NOÇÃO DOS FUNDAMENTOS E FINS

DA DEONTOLOGIA JURÍDICA

Wladimir Flávio Luiz Braga


Doutor em Ciências Jurídicas e Sociais
Professor de Deontologia Jurídica e Teoria Geral do Direito da Faculdade de Direito de Campos
Membro da Ordem dos Advogados do Brasil - Conselho Seccional de Minas Gerais

A Filosofia Moral (também denominada Ética) é a base da Deontologia Geral e,


consequentemente, da Deontologia Jurídica.

De deontos (dever; o que é obrigatório, justo, adequado) e logos (estudo, tratado), a


Deontologia trata da origem, incidência e efeitos dos deveres, a partir da reflexão sobre o
comportamento de valor ideal, fruto do juízo (ético) equilibrado e consciente, conciliador da
liberdade individual e da responsabilidade social.

A Deontologia Jurídica deixa de pertencer tão-somente à Filosofia Moral


– onde mantém seus fundamentos – para se consolidar como um ramo/especialização da
ciência do Direito, ao tratar das normas jurídicas e princípios doutrinários sistematizados para
regular a conduta dos operadores do Direito no tocante aos seus deveres de ordem profissional.

As regras especiais contidas no Estatuto e no Código de Ética da Ordem dos Advogados


do Brasil e nas Leis Orgânicas do Ministério Público e da Magistratura representam o
fundamento codificado de Direito positivo objeto da Deontologia.
Pela observância destas regras e dos outros amplos aspectos filosóficos embasadores da
matéria, constantes da doutrina, dos princípios gerais do Direito, etc., podem os seus agentes
caminhar com parâmetros indicadores de que, a cada dever, corresponde uma garantia
asseguradora de estabilidade e inibidora de arbitrariedades, dentro de um sistema em que se
busca a justiça.

O estudo da Deontologia no âmbito da moral jurídica enseja, desta forma, a uma


revitalização do próprio alento de fidelidade processual, onde a técnica não pode estar
dissociada da verdade, que deve dar o tom à manipulação legal.

Além disso, também a vocação dos operadores do Direito é estimulada na disposição de


viver e exercitar o Direito com zelo e consciência, desejo de vitória e justiça, mas sempre
legitimados pelas necessárias limitações que o respeito impõe.

Assim, o fim próprio da compreensão deontológica é responder ao problema de como


usar e aplicar o Direito com ética, ou seja, com comportamento (moral) traduzido em ação
humanitária, coerente e equitativa, que deve ser justa e verdadeira tanto quanto mais for
possível.