Você está na página 1de 6

O que é um Livro?

UFRGS - Curso de Design Visual


Projeto Visual III - 2011/1
Profª Suely Dadalti Fragoso

Clara Állyegra Lyra


O que é um Livro?
Mini Aurélio
Livro sm. 1. Reunião de folhas impressas presas por um lado e enfeixadas ou montadas em capa.
2. A obra intelectual publicada soba a forma de livro (1).
3. Registro para certos tipos de anotações, sobretudo comerciais.

Glossário Institucional da ufmg - http://www.ufmg.br/proplan/glossario/l.htm


Livro - Reunião de folhas impressas ou manuscritas, agrupadas, que têm por finalidade preservar e transmitir
informações. Publicação não periódica.

Dicionário Etimológico da Lingua Portuguesa, Lexikon


Li.vro sm. ‘porção de cadernos manuscritos ou impressos e cosidos ordenadamente.’

Wikipedia - http://pt.wikipedia.org/wiki/Livro
Livro é um volume transportável, composto por páginas encadernadas, contendo texto manuscrito ou impresso e/
ou imagens e que forma uma publicação unitária (ou foi concebido como tal) ou a parte principal de um trabalho
literário, científico ou outro.
O livro é um produto intelectual e, como tal, encerra conhecimento e expressões individuais ou colectivas. Mas
também é nos dias de hoje um produto de consumo, um bem e sendo assim a parte final de sua produção é reali-
zada por meios industriais (impressão e distribuição). A tarefa de criar um conteúdo passível de ser transformado
em livro é tarefa do autor. Já a produção dos livros, no que concerne a transformar os originais em um produto
comercializável, é tarefa do editor, em geral contratado por uma editora. Outra função associada ao livro é a coleta
e organização e indexação de coleções de livros, típica do bibliotecário. Finalmente, destaca-se também o livreiro
cuja função principal é de disponibilizar os livros editados ao público em geral, vendendo-os nas livrarias general-
istas ou de especialidade. Compete também ao livreiro todo o trabalho de pesquisa que vá ao encontro da vontade
dos leitores.
O que é um Livro?
“Se entende por livro todo impresso que, sem ser periódico, reúna em um só
volume, 48 ou mais páginas, excluindo as capas” (UNESCO).

Instituto politécnico de Leiria - http://www.ipleiria.pt/portal/sdoc?p_id=96901


Livro – Conjunto de cadernos, manuscritos ou impressos, cosidos ordenadamente e formando um bloco;
Documento impresso, não periódico, com mais de 48 páginas, sem contar as da capa, que constitui uma unidade
bibliográfica;
O livro supõe um suporte, signos, um processo de inscrição, um significado;
Integra-se num processo de criação, de reprodução, de distribuição, de conservação e de comunicação.
Dirigire-se a um leitor, possui uma finalidade: a reflexão, o ensino, o conhecimento, a evasão, a difusão do pen-
samento e a cultura.
Consoante o aspecto ou conteúdo, o livro pode ser designado, entre outros, como: acéfalo, de actas, anónimo,
apócrifo, de bolso, canónico, cartonado, de cheques, clandestino, clássico, de consulta, de contos, de cordel, de
divulgação, de ficção, ilustrado, manuscrito, de outro, de referencia, de registos e único.

www.cid.unb.br/publico/setores/000/89/materiais/.../1/Livro.doc
Do latin “Libru” – reunião de folhas impressas ordenadamente em cadernos grampeados, costurados, colados, for-
mando o volume; É protegido por uma capa, ou seja, a primeira apresentação do produto ao leitor e o primeiro el-
emento de atração;
NBR 6029 – 5-49 (folheto) 50...(livro)
Folheto - Publicação não periódica, com um mínimo de cinco páginas, excluídas as capas, e que seja objeto de ISBN;
Livro - Publicação não periódica que contém acima de 49 páginas, excluídas as capas, e que é objeto de ISBN;
Volume – unidade física do livro;
Edição – conjunto de exemplares de um livro, impressos de uma mesma matriz, com ISBN próprio;
Tiragem – Quantidade de exemplares de cada impressão;
O que é um Livro?
http://pt.wikipedia.org/wiki/Livro_digital
Um livro digital (livro electrónico, livro eletrônico ou o anglicismo e-book) é um livro em formato digital que
pode ser lido em equipamentos eletrônicos tais como computadores, PDAs ou até mesmo celulares que suportem
esse recurso.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Livro
De acordo com a definição dada no início deste artigo, o livro deve ser composto de um grupo de páginas en-
cadernadas e ser portável. Entretanto, mesmo não obedecendo a essas características, surgiu em fins do século
XX o livro eletrônico, ou seja, o livro num suporte eletrônico, o computador. Ainda é cedo para dizer se o livro
eletrônico é um continuador do livro típico ou uma variante, mas como mídia ele vem ganhando espaço, o que
de certo modo amedronta os amantes do livro típico - os bibliófilos.
Existem livros eletrônicos disponíveis tanto para computadores de mesa quanto para computadores de mão, os
palmtops. Uma dificuldade que o livro eletrônico encontra é que a leitura num suporte de papel é cerca de 1,2 vez
mais rápida do que em um suporte eletrônico, mas pesquisas vêm sendo feitas no sentido de melhorar a visuali-
zação dos livros eletrônicos.

Roque Antônio Carrazza, Curso de Direito Constitucional Tributário, Malheiros Editores, São
Paulo, 13ª ed., 1999. p. 487 e 488 - http://jus.uol.com.br/revista/texto/11987/breves-notas-sobre-o-
conceito-de-livro-e-o-alcance-da-regra-constitucional-de-imunidade-tributaria-cultural
“Livro é um objeto elaborado com papel, que contém, em várias páginas encadernadas, informações, narrações,
comentários etc, impressos por meio de caracteres. Essa é a acepção corriqueira de livro, que qualquer dicionário
registra.” Todavia, atento ao espírito que moveu o Legislador Constituinte, o referido tributarista destaca que “a
palavra livro está empregada no Texto Constitucional não no sentido restrito de conjuntos de folhas de papel im-
pressas, encadernadas e com capa, mas, sim, no de veículos de pensamento, isto é, de meios de difusão da cultura.
(...) Hoje temos os sucedâneos dos livros, que, mais dia menos dia, acabarão por substituí-los totalmente. Tal é o
caso dos CD-Roms e dos demais artigos da espécie, que contém, em seu interior os textos dos livros, em sua for-
ma tradicional.”
O que é um Livro?
Breve história do Livro, 22/04/2007
do blog ‘Os Livros: um olhar sobre o universo literário’ - http://oslivros.blogs.sapo.pt/28719.html
Hoje em dia, designamos livro como “um volume transportável, composto por, pelo menos, 49 páginas, sem contar
as capas, encadernadas, contendo texto manuscrito ou impresso e/ou imagens e que forma uma publicação unitária
(ou foi concebido como tal) ou a parte principal de um trabalho literário, científico ou outro” (UNESCO), no entanto,
nem sempre foi assim.

Na civilização mais antiga da Humanidade, a Suméria, o livro era um tijolo de barro cozido, argila ou pedra, com tex-
tos gravados ou cunhados. Esse tipo de escrita é datado de 3500 anos A.C. e é o primeiro registro humano de escrita.
A evolução deste registro deu-se no Egipto com os rolos de papiro que chegavam a vinte metros de comprimento, es-
critos com hieróglifos. O termo hieróglifo advém da união de duas palavras gregas: hierós (sagrado) e glyphós (escri-
ta), desde logo uma adoração às palavras.

Os indianos faziam livros de folhas de palmeiras. Os maias e os astecas em forma de sanfona, de um material existente
entre a casca das árvores e de madeira. Os chineses, por sua vez, utilizavam rolos de seda para fazer os livros e os ro-
manos escreviam em tábuas de madeira cobertas com cera.
Com o surgimento do pergaminho, feito geralmente de pele de carneiro, tornou-se possível o fabrico de livros como
os que hoje conhecemos, contudo diferentes dos actuais no tamanho, pois eram enormes, e caros, pois necessitavam
da pele de vários animais.

Mais tarde, embora conhecido há muito tempo na China, o papel chega à Europa e com o invento da prensa de Guten-
berg, o livro impresso, feito de papéis costurados e posteriormente encapados, torna-se realidade. Com essa invenção
foi possível fazer vários exemplares dum mesmo livro a um preço acessível, popularizando e democratizando a leitura.
No entanto, a história do livro continua. Desde a antiguidade, o registro da escrita é acompanhado pela religiosidade
e pelos privilégios daqueles que de alguma forma mantinham a sociedade sob controle. Isto levou a censuras, como o
Index, da Igreja Católica, e a muitas outras Listas de Livros Proibidos.

Adorados desde antiguidade, hoje em dia a evolução continua a dar-se. E-books e audio books são cada vez mais co-
muns e nenhum de nós sabe até onde a história do livro irá. O essencial é que este importante e mágico objecto con-
tinue a fazer parte da história da Humanidade, influenciando-a e adaptando-se a ela.
Bibliografia, Webgrafia e Outros
http://www.gutenberg.org/wiki/Main_Page
http://books.google.com/
http://gallica.bnf.fr/?&lang=EN
http://www.archive.org/details/texts
http://www.spiegel.de/international/business/0,1518,473529,00.html
http://pt.wikibooks.org/wiki/P%C3%A1gina_principal
http://pt.wikisource.org/wiki/P%C3%A1gina_principal
http://www.cbl.org.br/
http://pribi.com.br/e-books
Araujo, Emanuel. A construção do livro: princípios da técnica de editoração - Rio de Janeiro : Nova Fronteira, 1986.
Lins, Guto. Livro infantil?: projeto gráfico, metodologia, subjetividade - São Paulo : Rosari, 2004.
Tschichold, Jan. A forma do livro: ensaios sobre tipografia e estética do livro - Cotia : Ateliê Editorial, 2007.
Rice, Stanley. Book design : text format models - New York : R. R. Bowker, c1978.
Ferlauto, Claudio. O livro da gráfica : - São Paulo : Rosari, 2001.
Hendel, Richard. O design do livro : - Cotia : Ateliê Editorial, 2006.
Satue, Enric. Aldo Manuzio: - Cotia : Ateliê Editorial, 2004, 2000.
Ambrose, Gavin. Formato: s. a forma e o tamanho de um livro etc. - Porto Alegre : Bookman, 2009.
Fawcett-Tang, Roger; Roberts, Caroline; Mariz, Andréa. O livro e o designer I. - São Paulo : Rosari, 2007.
Haslam, Andrew O livro e o designer II: Como criar e produzir livros. - São Paulo : Rosari, 2007.
Gruszynski, Ana Claudia. O design de uma morte anunciada: o livro entre papel e pixel - Seminário Brasileiro sobre
Livro e a História Editorial (2. : 2009 maio 13-15 : Niterói)
Gruszynski, Ana Claudia. O papel do design na comunicação: uma discussão acerca do livro - Comunicação & so-
ciedade. Vol. 31, n.52 (1 sem. 2009), p. 54-78
Andrea, Ramal. O livro ao alcance de um clique - Pátio : revista pedagógica. Vol. 14, n. 54 (maio/jul. 2010), p. 60-62
Benevit, Mariana Gonçalves. O texto, o editor e o livro: Alice no país das maravilhas busca seus leitores - Trab.curso
grad. FABICO UFRGS
Silveira, Carlos Eduardo Alves da Silva. A influência da atratividade da capa do livro no comportamento do consu-
midor - Trab.curso grad. EA UFRGS

Você também pode gostar